História Fantasma Conturbado (Hiatos) - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Alexandra Garcia, Aomine Daiki, Chihiro Mayuzumi, Eikichi Nebuya, Himuro Tatsuya, Kagami Taiga, Kazuya Hara, Kentarou Seto, Kise Ryouta, Kotarou Hayama, Kuroko Tetsuya, Masaomi Seijuurou, Midorima Shintarou, Mitobe Rinnosuke, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Personagens Originais, Riko Aida, Shiori Seijuurou, Shougo Haizaki, Takao Kazunari
Tags Akakuro, Aokuro, Kagakuro, Kiseki No Sedai, Kisekuro, Midokuro, Murakuro, Tira A Tesoura Do Akashi
Visualizações 281
Palavras 2.669
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo meus amendoins preferidos! (?)

Dormiram bem?

Se alimentaram?

Tiveram contatos com extraterrestres?

Enfim, como eu peguei pesado no capítulo passado (eu apelei, gomen😢) eu fiz esse de forma mais leve e com uma pitada de comédia 😊😅

Espero que gostem ^^

Capítulo 20 - Loja de doces


Fanfic / Fanfiction Fantasma Conturbado (Hiatos) - Capítulo 20 - Loja de doces

Kagami on

Depois de Akashi ter ido procurar o Kuroko, fomos para a sala. Só não ganhamos bronca por estarmos com o Midorima, um dos "queridinhos" dos professores. Porém, mesmo dando a impressão que estava calmo, dava para ver que todos nós estávamos tensos, até mesmo o Aomine não tinha conseguido dormir na aula. Acho que o mais calmo nessa situação era o Kise, que mexia no celular a cada dez segundos.

No final, a única opção foi ter que esperar o Akashi dar algum sinal de vida e começar a resolver, de uma vez por todas, os problemas do azulado.

"Mas esse lance de esperar definitivamente não faz a minha praia!" - penso irritado.

As horas se arrastam dentro da sala de aula, tornando tudo ainda mais tedioso e tenso para mim. Quando o sinal tocou, anunciando o fim da tortura/aula saímos daquela sala e fomos direto para a quadra. Nos trocamos e nos direcionamos para falar com o treinador e a Riko.

- Que bom que chegaram! - cumprimentou o treinador com um estranho bom humor - Minha filha e eu preparamos uma rotina de treino especial para vocês.

- Onde está o Kuroko-kun e o Akashi-kun? - a garota perguntou, com o rosto em uma careta confusa, carregando sua prancheta.

Nos entreolhamos e fizemos a coisa mais inteligente que podíamos fazer na situação. Concordar que o Midorima fala.

- Akashi precisou ir embora e o Kuroko não veio. - o esverdeado ajeita os óculos e rapidamente mudou de assunto. - Qual rotina de treino está falando?

- Ah, bom... pensamos em diferenciar os seus treinos. Vou fazer alguns testes antes. - ele disse olhando para cada um de nós com os braços cruzados. - mas não pretendo pegar pesado ainda...

- Como vocês têm um amistoso contra a Meiko essa semana veremos como vocês trabalham em equipe, por isso, só por enquanto, vamos nos concentrar nas habilidades individuais.

Todos assentiram e fomos nos aquecer antes de começar o treino. Corremos em volta da quadra e por fora dela, nós também tivemos que nos alongar. Aomine já conseguia andar, embora ainda tivesse que usar um elástico preto no tornozelo. Acontece que ele se recuperou mais rápido que o esperado, e embora ainda não pudesse jogar pra valer, não precisava mais das muletas.

- Quando vocês acham que Akashi vai dar notícias? - perguntei não aguentando o silêncio.

- Se ele der notícias... - corrigiu Aomine, simulando uma corrida lenta do meu lado.

- Se tivermos sorte, hoje ainda. - respondeu Midorima, enfaixando os dedos da mão, num hábito estranho.

- Por falar em sorte... cadê teu amuleto?

- Verdade... Midochin não tá carregando nada estranho hoje... - agora quem falou foi Murasakibara, que alongava os braços com um doce na boca.

O segundo mais alto apenas se limitou a arrumar os óculos -que nem estavam fora do lugar- e puxou a calça um pouco para cima, mostrando as meias perturbamente infantis. Todos fizemos uma careta de decepção em frente daquilo.

- Midorimacchi... Sério isso?

QUEBRA TEMPO

Eu estava encharcado de suor, caído no meio da quadra com Aomine do meu lado, também no chão e no mesmo estado.

- Ela disse que era só um aquecimento... - falo com dificuldade

- Essa garota é louca! - reclamou o moreno olhando em desespero para o teto - E ela ainda disse era só um treino provisório...

- Não tenho certeza se eu vou aguentar Aominecchi. - Kise falou, se arrastando pelo chão. Pelo que eu entendi, suas pernas foram destruídas no treino.

O time estava espalhado pela quadra. Midorima tentava descobrir como tomar água, já que ele tinha arremessado tanto que seus braços não se erguiam mais.

Murasakibara estava sentado no banco, respirando pesado e também sem conseguir se mexer direito.

- Eu preciso comer algo bem gorduroso, tipo vinte hambúrgueres, pra me recuperar. - disse Aomine tentando se levantar. Concordei com o mesmo e me apoiei nele, mas também o sustentando-o.

- A lanchonete de sempre, Aominecchi?

- Sim. - também ajudamos o Kise a se levantar e nos sentamos ao lado de Murasakibara - Qualquer coisa que seja gorduroso tá ótimo por mim!

- Isso não é saudável. - disse o esverdeado, que havia desistido de tomar água.

- Até parece que você não concorda com a gente. - afirmo dando um sorriso confiante, apesar de meu corpo estar inteiramente dolorido.

- Que seja.

Depois de ficar um tempo com o gelo nas partes mais doloridas, tomamos um banho no vestiário e saímos da escola todos juntos, já nos dirigindo para aquela tão amada lanchonete.

Não demorou muito para chegarmos e eu e o Aomine fomos os primeiros a entrar na fila para pedir minhas toneladas de hambúrgueres.

Midorima e Murasakibara haviam pedido somente um lanche já que o "louco dos horóscopos" não comia tanto quanto nós e o gigante preferia os doces.

E devo dizer... só não fomos expulsos de lá por que éramos "clientes fiéis".

Aomine gritava comigo por eu ter falado que as revistas dele não prestam. Kise ria de nós e tirava várias fotos e selfies, dizendo que mandaria para todos os seus contatos no celular. Midorima tentava fazer com que parassemos de gritar, sem sucesso. O que fazia com que gritassemos ainda mais e Murasakibara reclamava para quem quer que fosse, que estava com fome, frio e sono.

Ou seja, um caos total.

Mas, por incrível que pareça, uma garçonete nos expulsou de lá por termos, acidentalmente, tombado com um pivete de 7 anos que ficou pistola e começou a chorar.

- Pirralho mal-educado. - reclamo, agora fora do estabelecimento, pensando se deveríamos ir para algum outro lugar antes de ir embora.

- Pra onde a gente vai agora? - o loiro se apoia na parede e olha para todos com um rosto meio triste. Porém, para a surpresa de todos, Murasakibara fala:

- Eu sei de um lugar. - os olhos violetas brilham e juro ter visto suas bochechas corarem minimamente. - Tem uma loja de doces, temática nos finais de semana. Fica a algumas quadras daqui.

- Por mim tudo bem.

- Tem garçonetes nekos?! - como de costume, Aomine pergunta a primeira coisa que tem na sua mente. Garotas.

"Se bem que ele tá gostando do Kuroko também né?"

- Bom! É melhor irmos antes que essa tal loja feche! - Kise fala animado e se apoia no meu ombro me puxando e me forçando a andar ao seu lado.

- Sai encosto! - reclamo do fato dele ficar se apoiando em mim.

- Kichin... - a voz grave do mais alto do grupo chamou a atenção de todos. - A loja fica por aqui. - o mesmo apontou para o lado oposto.

Depois da demonstração da falta de senso de direção do loiro, seguimos Murasakibara até ao estabelecimento. Eu não sabia exatamente o que esperar, afinal nunca havia tido interesse em garotas fantasiadas de empregadas ou de nekos.

Não demorou muito para que chegássemos no lugar. As paredes por fora eram de um azul claro. Do lado de fora havia uma placa informando os cardápios especiais e em cima da porta estava o nome da loja: Sweetie Love.

O interior do local tinha paredes em tons aconchegantes e claros com o chão sendo de madeira, também clara. Mesas de mármore negro estavam espalhadas pelo recinto, com quatro bancos estofados da mesma cor em cada uma delas. Havia também uma bancada com uns banquinhos na frente e uma enorme variedades de doces na vitrine.

O lugar estava lotado de clientes, embora, surpreendentemente não estivesse barulhento. As garçonetes estavam vestidas com roupas simples de empregadas, nada de fato chamativo.

- Mura-san! - uma garota de cabelos pretos amarrados numa trança atrás do balcão chamou a atenção do gigante, que rapidamente foi até ela.

"Essa é a garota que ele gosta? Não parece fazer o tipo dele..."

- Vejo que trouxe alguns amigos com você hoje. - Ela disse e se apresentou para nós- Prazer em conhecê-los, eu sou a dona desse lugar, podem me chamar de Suki!

Como ela parecia bem amigável, todos nós a cumprimentamos e falamos nossos nomes. Kise se enturmou com a garota rapidamente, conversando sobre tendências ou fofocas de celebridades.

"Cara, isso é tão gay..."

Depois de eu e o Aomine puxarmos a loira para uma mesa vaga. Algumas garçonetes nos entregaram cardápios e quando foram embora Aomine pergunta.

- Aquela era a mina que você gosta?

- Como sempre direto Ahomine. - bufo reclamando da sua falta de delicadeza na abordagem de qualquer assunto.

- Só fala isso quem tem moral Kagamicchi!

- E você tem, loira oxigenada? - questiono-o com raiva, mesmo que não pudesse dizer que o que ele falou era mentira.

- Eu não! Mas o Midorimacchi tem!

- O Midorima não fala com ninguém!

- E ainda assim tenho mais habilidades sociais. - ouço o esverdeado dizer e é uma veia salta da minha testa.

- O que?! Repete se tiver coragem!

- Fica quieto Bakagami! - O moreno deu um tapa na minha nuca e antes que eu pudesse devolver em xingamentos ele desvia o foco da conversa - Enfim, aquela era a mina que você gosta?

Todos olhamos para Murasakibara, esperando pela resposta.

- Não, eu só falo com a Sukichin por que ela é a única que conversa com a Hitochin.

- Hitochin? - falamos eu e o Aomine juntos.

- Sim. Hitomi é o nome dela.

- Ah! Estão falando da Hitomi-chan não? - uma garçonete para do nosso lado, segurando uma prancheta. - Não pude deixar de ouvir. Hitomi sempre foi uma garota cheia de mistérios. Não me surpreende que Mura-san seja o único que a faz sorrir.

Olho para o arroxeado e vejo suas bochechas ficarem mais vermelhas e ouço a risada da garçonete ao nosso lado.

- De qualquer forma, tenho quase certeza que vieram aqui para comer. Já escolheram?

- Vou querer os de sempre. - disse Murasakibara, sempre olhando para uma porta azul que tinha atrás da vitrine, onde saiam e entravam as funcionárias.

Dei uma rápida olhada no cardápio e escolhi o que queria. Aomine pediu a mesma coisa, dizendo que eu tinha bom gosto pra comida. Kise pediu uma torta pequena e Midorima um tipo de pão com chocolate amargo dentro.

Depois disso a empregada/garçonete entrega uma comanda a cada um de nós e foi embora. Ficamos conversando, por mais incrível que pareça, relativamente baixo. Mas tirando isso, tudo ia de modo normal.

Aomine "secando" cada "empregada" que passava por nós e sendo impedido por mim de não começar a dar uma de suas cantadas ruins. Kise tirando selfies e compartilhando nas redes sociais. Midorima conferindo o site da Oha Asa para ver se continuava sem sorte e Murasakibara babando com a comida dos outros clientes.

- Posso me juntar a vocês? - de repente, a voz do demônio, quer dizer, do Akashi se faz ouvida ao meu lado. Viro meu rosto e confirmo minhas suspeitas.

- Akashi?! O que você 'tá fazendo aqui?

- Eu mandei a localização da onde a gente tava Kagamicchi! - Kise fala com entusiasmo mostrando a tela do celular mostrando a conversa com o capitão. Pelo canto do olho vejo Aomine se encolher na cadeira e engolir em seco.

"Acho que ele finalmente se tocou da gravidade do que disse antes do Akashi ser separar da gente na escola"

- Você achou o Kurochin? - questiona Murasakibara fazendo com que todos outra rostos se virassem automaticamente para o dono de olhos heterocromáticos.

- Não. A trilha levava a um cemitério perto do centro. Quando eu cheguei ele já tinha sumido. - Seus se estreitaram e seu olhar recaiu em Aomine. - Não pensa que eu esqueci, Daíki.

- Não seria melhor irmos na casa dele? - dessa vez quem é Midorima que ajeita os óculos e olha para todos nós. - Para pelo menos ver se ele está bem ou algo assim...

- Não. - O olhar do capitão ficou sombrio. - Eu já chequei a casa dele e ninguém atendeu. - Akashi se senta e todos ficam em silêncio.

- Seus pedidos, mestres. - a voz suave da garçonete nos tira da estranha tensão. Os pratos foram colocados na mesa e o recém chegado aproveitou para fazer o próprio pedido, que consistia em um bolo de chocolate amargo com recheio de morango e pimenta e um chá de alguma coisa que não me preocupei em lembrar. Ele ganhou uma comanda também.

De repente, Aomine começa a rir sozinho. E quanto mais olhava para Akashi mais ele ria.

- O que esse idiota está pensando agora? - o capitão franze a testa, parecendo estar de frente com algo que precisava ser estudado. O moreno chorando de rir começa a apontar freneticamente para o Murasakibara e em seguida para o Akashi, que havia se sentado ao lado. Olho para as pessoas que Ahomine indicava e percebi o por que de ele estar tendo uma crise em público.

Akashi era assombrosamente menor que o gigante, contrastando ainda mais sua cômica baixa estatura.

Não demora muito para que eu e o Kise tivéssemos entendido e logo estávamos nos segurando para não rir, afinal, a aura negra de Akashi não parecia ter humor.

- Daiki... - o azulado segurou o riso e dava pra sentir o nervosismo no ar. Eu sentiria pena dele se não estivesse concentrado em não rir pra não morrer junto. - Vou faze-lo implorar pela morte.

O que se seguiu foi um caos. Akashi tirou a tesoura do bolso e começou a correr atrás do Aomine, que corria em volta da nossa mesa e de vez em quando de mesas vizinhas. Midorima, embora se fazendo de santo se esforçava pra não rir, Kise gravava tudo. E eu? Eu gritava "Vai pegar!" repetidas vezes, chamando a atenção de cada ser vivo que tinha a naquele lugar.

Depois de uma garçonete conseguir convencer Akashi a não matar ninguém eles se sentam na mesa novamente e terminam de comer. Murasakibara já estava no seu quinto prato, afinal ele foi o único que se "comportou".

- Bem gente, eu já vou indo! - diz Kise da sua forma de sempre com um sorriso. - Devíamos fazer isso mais vezes! - e assim o loiro foi embora, dizendo que era para eu pegar a conta dele.

- Estou indo também. - Midorima se levanta e vai até o caixa, paga a conta e sai do estabelecimento sem falar mais nada.

"Ele realmente é um tsundere." - penso ao lembrar que ele mostrou um sorriso algumas vezes e de como ele foi embora sem nem agradecer ou algo assim. Não que eu esteja reclamando, Midorima é assim desde que eu o conheci.

Olho para o celular e vejo que já eram 9 horas.

- Ei Aomine, é melhor irmos agora. Tá ficando tarde. - Eu e Aomine tínhamos o costume de um dormir na casa do outro. Acho que era por causa que somos muito parecidos seja o motivo de nos darmos tão bem. O moreno já estava se levantando quando Akashi o interrompeu.

- Daiki, gostaria de conversar com você a sós. - O menor encarou o Murasakibara e eu antes de prosseguir. - É um assunto de seu interesse e você não tem o direito de recusar já que me ofendeu 2 vezes e estou considerando esquecer isso.

Estreito os olhos em confusão. O que seria tão importante para fazer Akashi recusar um assassinato?

Sabendo que não conseguiria nada dos dois, saio da mesa com a comanda do Kise e a minha, com Murasakibara logo atrás.

- Estou te esperando na saída. - falo pro azulado e saio do local, vendo Murasakibara me seguir e já se preparando pra ir embora.

- Espera! Murasakibara! - gritei seu nome e corri até ele. Eu estava curioso sobre as atitudes do capitão do time, e aquele gigante era a melhor chance de eu conseguir alguma informação. O dono da altura monstruosa se virou. - Você tem alguma ideia do motivo do Akashi conversar com o Ahomine?

- Humm... Eu tenho duas teorias. - Me surpreendi mas deixei que continuasse. - Ou era pelo pai do Akachin ou pelo Kurochin.

- O Kuroko? Por que?

Murasakibara não me respondeu, apenas se virou e foi embora, mostrando que não gostava daquele assunto e nem queria falar dele. Porém minha cabeça só tinha um pensamento.

"Esse idiota simplesmente me ignorou! Vou dar um jeito de me vingar, com certeza!"


Notas Finais


Olá de novo amendoins especiais com recheios de chocolate! (Sim, eles existem)

O que acharam do cap?

O que vocês acham que o nosso querido psicopata vai falar com o Daiki?

Por que o Murasakibara se recusou a responder? Será que era só por preguiça?

Isso e mais vocês vão ver no domingo, no Fantástico (toca música de encerramento) 😅😂

(Desculpe por isso... bati com a cabeça)

Enfim, comentem o que acharam nos comentários e vamos todos ser felizes depois de ver yaoi. ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...