História Fascínio (Imagine Jung Hoseok - BTS) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope)
Tags Aluna, Dança, Dirty Talk, Hentai, Hoseok, Imagine, Imagine Bts, Imagine Hoseok, J-hope, Jung Hoseok, Professor, Você, Xputh
Visualizações 2.908
Palavras 2.901
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Reta final, amores! 💛

Foto do Floquinho nas notas finais. 🐱

Capítulo 7 - Sete.


Fanfic / Fanfiction Fascínio (Imagine Jung Hoseok - BTS) - Capítulo 7 - Sete.

Segunda-Feira. Vinte e Nove de Maio.

Feminine Fashion.

Mais uma semana estava começando. Estacionei o carro e desci deste, atravessando a rua e caminhando para dentro da loja. O final de semana passou tão rápido. Tudo que fiz foi ficar em casa, assistindo filmes e também martelando o que sinto por Jung Hoseok. Depois que ele foi embora, me joguei no sofá e só consegui pensar no beijo que o castanho havia me dado. Era apenas um beijo e eu já estava tão entregue que ao pensar nisso, tinha certeza de que estava gostando dele. Meus pensamentos estavam em uma maldita desordem e isso fazia com que a minha cabeça doesse. A atração que eu sentia pelo asiático tinha se tornado um sentimento maior. Em tão pouco tempo, Hoseok tinha conseguido fazer uma bagunça dentro de mim. Em meu coração.

— Bom dia, meninas. — As cumprimentei, indo para perto do balcão.

— Bom dia. — Disseram em uníssono.

— Acordou inspirada? — Sophie zombou.

— Nem um pouco. — Dei de ombros, suspirando.

— Vai voltar para as aulas de dança? — Katherine quem perguntou.

— Acho que sim. — Pressionei os lábios.

— Sério que ele voltou para te dar um beijo daqueles e depois foi embora como se não tivesse acontecido nada? — A loira questionou.

— Sim. — Bufei.

— Hoseok se vingou. — Cheryl comentou, segurando o riso. — Você não o deixou com vontade aquele dia na boate?

— Deve ter sido isso mesmo. — Suspirei frustrada. — Que droga!

— Só acho que vocês tem que se resolverem logo e marcar o casório. Quero ser madrinha! — Sophie, a mais engraçada, falou sorridente.

— Eu também! — Kath e minha patroa exclamaram juntas, me fazendo bufar.

— Vamos ao trabalho. — Pigarreei e ambas riram do meu nervosismo.

Até consegui sorrir um pouco. As meninas perceberam o meu estado e começaram a fazer graça, me arrancando vários risos. Eu não estava preparada para ver Jung Hoseok, mas queria voltar a ter minhas aulas de dança o quanto antes. O restante do dia passou rápido e logo estava voltando para a minha casa. Assim que cheguei em minha residência, Floquinho veio correndo em minha direção. Deixei minha bolsa e a chave do carro no sofá, pegando o meu naninho no colo. Fiz carinho entre suas orelhas e o pequeno ronronou manhoso, esfregando a cabeça em minha mão. Sentei no estofado e tirei minha sapatilha, relaxando os pés. Floquinho agarrou-se em minha roupa, subindo até o meu ombro.

— Isso tudo é saudade, bebê? — Ri baixinho. O bichano miou em resposta. — Queria poder te levar comigo, Floquinho.

Depois de um tempo brincando e mimando o meu gatinho levantei do sofá e girei os calcanhares, indo para o meu quarto. Retirei o uniforme da loja e adentrei o banheiro, tomando um banho frio. Já limpa, retornei ao quarto e abri o guarda-roupa procurando por macacão preto e justo para vestir. No momento em que peguei a peça lembrei-me das palavras do Hoseok, porém não ia deixar de vestir o que eu gostava. Após me enxugar e passar um pouco de creme corporal em meu corpo, coloquei o macacão e sentei em frente ao espelho. Penteei os meus cabelos e fiz um rabo alto, deixando alguns fios soltos perto das minhas orelhas. Passei um pouco de gloss labial hidratando os meus lábios e deixei o quarto, sendo acompanhada pelo Floquinho.

— A mamãe não vai demorar, está bem? — Abri a geladeira, pegando a minha garrafinha. — Nos vemos mais tarde, meu bem. Vá brincar com a sua bolinha de náilon, vá.

O bichano saiu correndo pela cozinha, indo para a sala. Peguei apenas a chave do carro e saí de casa, dirigindo para a Pacific Academy. Assim que cheguei na academia, atravessei a rua e entrei no enorme prédio. Cumprimentei Charlotte como de costume e segui caminho até o elevador. Respirei fundo, me preparando mentalmente para vê-lo depois de sexta-feira. Os alunos ainda estavam no corredor e um pouco mais a frente, Hoseok e Hilary conversavam animadamente. Apertei a minha garrafinha e me aproximei do Edward, ganhando um sorriso deste.

— Você está melhor, gata? — Inclinou o rosto, selando minhas bochechas. — Parece muito bem. Olha esse corpo!

— Estou sim. — Forcei um sorriso. — E você, o que tem feito?

— O salão vem me dando muito trabalho. — Soltou um riso. — Muitas clientes.

— Mas isso é bom, não é? — Sorri.

— Muito bom! — Bateu palminhas, empolgado. — A Hilary não perde uma para insinuar-se para o prof.

— Você são amigos? — O olhei.

— Somos. — Assentiu. — Mas ela é muito oferecida, sabe? Hilary foi a primeira pessoa a conversar comigo quando comecei aqui na Pacific.

— Entendo.

— O que vai fazer sexta à noite? — Perguntou sorridente.

— Ainda não sei. Provavelmente nada. — Ri fraco.

— Fui convidado para um festa na casa de um “amigo”. — Fez aspas com os dedos e nós dois rimos. — Você não tem namorado, né?

— Não. — Gargalhei.

— Ótimo! — Bateu palminhas. — Você vai comigo então.

— Ok. — Ri novamente.

— Pode me passar o seu endereço por mensagem? É melhor irmos de uber.

— Claro. — Concordei, bebendo um pouco da minha água.

— A aula vai começar, vamos!

Segurou o meu braço e entramos na classe, indo para os nossos lugares. Hoseok fechou a porta e pude observá-lo melhor. Ele usava uma camiseta preta, a qual era larga e tinha alguns desenhos. Uma calça de tecido liso e tênis nos pés. Assim que o castanho percebeu que eu o fitava, devolveu o olhar, passando a mão em seus cabelos lisos de forma sedutora. Quebrei o nosso contato e indireitei minha postura, começando a me alongar. 

Edward tinha mesmo razão, eu precisava sair e conhecer pessoas novas. Se Hoseok não iria dar o braço a torcer, eu não iria. Enquanto me alongava, podia sentir o olhar do meu professor sobre o meu corpo e isso me desconcertava de certa de forma. Começamos a ensaiar Take You Down do Chris Brown e mantive olhar somente para o Edward, já que ele estava em minha frente e sabia a coreografia. A letra e a batida eram sexy, assim como os movimentos que fazíamos.

— Muito bem. Um descanso de três minutos! — O professor bateu palmas, sustentando o olhar sobre todos nós.

Alguns saíram e outros permaneceram na sala. Peguei a minha garrafinha do chão e dei um longo gole nesta, engolindo todo o líquido refrescante. Ao olhar para frente, me surpreendi ao encontrar o olhar do Jung, preso ao meu. Ofeguei e ele sorriu, vendo com seus próprios olhos o poder que tinha sobre o meu corpo. Deixei a garrafinha no mesmo lugar e passei a mão em meus cabelos, ajeitando os fios úmidos pelo suor. Hoseok me chamou com o dedo e eu olhei em volta, notando que estávamos sozinhos. Como o pessoal tinha saído da sala? Voltei a encarar o meu professor, mordendo os meus próprios lábios. Me aproximei em passos lentos e o seu olhar percorreu todo o meu corpo, parando em meu busto. O olhar do Jung causou-me um calor descomunal entre as pernas.

— Está me provocando, não está? — Falou entredentes, olhando em meus olhos de maneira fixa.

— Por que eu estaria? — Perguntei baixo e rouca.

— Vamos lá, (S/N)... — Riu abafado. — Depois do que houve na sexta. Já se esqueceu?

— Não, não esqueci. — Sorri sem mostrar os dentes.

— Paguei com a mesma moeda, não? — Arqueou as sobrancelhas, sorrindo safado.

— Até quando vamos ficar nessa de provocar um ao outro? — Cruzei os braços.

— O que está sugerindo, meu anjo? — Se aproximou, tanto que eu já podia sentir o seu hálito amentolado.

— Não estou sugerindo nada. — Arfei com a nossa proximidade.

Nossas bocas estavam quase coladas.

— O que acha de sairmos hoje? — Acariciou a minha bochecha esquerda lentamente, umedecendo os lábios.

— Como assim sairmos? — Perguntei surpresa, deixando transparecer todo o meu nervosismo.

Hoseok riu soprado e beijou a mesma bochecha que acariciava, voltando a conectar os nossos olhos.

— Jantar ou comer alguma coisa, como fizemos na sexta. — Sorriu.

— Depois que sairmos daqui? — Indaguei.

— Sim. — Deslizou suas orbes escuras por meu corpo.

— Tudo bem. — Concordei e fitei a sua boca tão convidativa. O Jung fez o mesmo. Ouvimos o barulho dos outros alunos e então nos afastamos. — É melhor eu voltar para o meu lugar. — Sorri nervosa, mordendo o lábio inferior.

— Até daqui a pouco.

Hoseok me roubou um beijo rápido, o que me deixou sem reação. O castanho sorriu e deu de ombros, voltando a sua posição anterior. Retornei para o meu lugar em passos rápidos e senti o olhar da Hilary me perfurar. Sorri falsamente para a loira e lhe dei as costas, me posicionando no lugar de sempre. O Jung havia me surpreendido com o seu pedido inusitado, embora ainda estivesse chateada por vê-lo tão próximo da Hilary. Nós não tínhamos absolutamente nada, mas vê-lo perto dela tinha balançado o meu coração. Droga, eu tinha me apaixonado por Jung Hoseok em tão poucos dias. Ele era fascinante, inusitado seria eu não me apaixonar por meu professor de dança. Dançamos mais quatro músicas e fiz questão de olhá-lo a cada momento, ao mesmo tempo em que passava a mão por todo o meu corpo. O castanho parecia perdido ao me olhar e eu tive certeza que também tinha os mesmos efeitos sobre ele.

— Até amanhã. Vocês foram ótimos! — Nos elogiou com um enorme sorriso nos lábios.

Os alunos se despediram e aos poucos foram deixando a sala, restando somente Hoseok e eu. Peguei a chave do meu carro e a garrafinha, saindo da sala e o esperando do lado de fora. Ele não demorou a aparecer, trancando a porta e caminhando comigo em direção ao elevador. Meu coração batia tão rápido e minhas mãos suavam frio. Aquilo me fazia rir internamente, porque os outros homens com quem eu saía não me faziam sentir daquela forma. Jung Hoseok era mesmo especial. Quando as portas se fecharam, senti seus braços me envolverem em um abraço gostoso e quente. Fechei os olhos pelo contato e o asiático depositou um selar em meu ombro. Sua respiração quente colidia contra o meu pescoço e minhas pernas amoleciam a cada segundo que estávamos ali.

— Aposto que veio com essa roupa para me provocar. — Sussurrou em meu ouvido, finalizando com uma mordida em meu lóbulo.

— Talvez sim. Talvez não. — Ri baixinho.

— Você me deixa louco. — Rosnou, mordendo o meu pescoço de leve.

Um gemido escapou de meus lábios e agradeci mentalmente por termos chegado no primeiro andar do prédio. Saímos do elevador juntos e despedimos de Charlotte, esta que nos olhou sorridente.

— Podemos passar no apartamento? Tenho que pegar minha carteira. — Explicou.

— Tudo bem. Eu vou te esperar aqui. — Mordi o lábio.

— Não quero que fique aqui sozinha. A Charlotte já vai fechar a academia, vamos lá comigo. — Segurou em minha mão e entrelaçou nossos dedos, me puxando em direção ao seu prédio.

— Mais devagar, Hoseok. — Pedi entre risinhos, tropeçando em meus próprios pés.

— Desculpe.

Soltou um riso e eu o apreciei de costas, sentindo o calor voltar a percorrer o meu corpo. Entramos no prédio e em seguida, em seu apartamento. Rolei os olhos pelo lugar, notando que tudo estava perfeitamente arrumado, como da última vez que estive ali.

— (S/N)? — Me chamou.

— Sim?

— Podemos ficar por aqui mesmo? Eu posso cozinhar. — Enfiou as mãos nos bolsos de sua calça, sorrindo sem jeito.

Ele ficava fofo daquela forma.

— Podemos sim. — Sorri e o Jung pareceu aliviado. — Eu também não trouxe a minha bolsa. Apenas a chave do carro e a garrafinha.

— Vou tomar um banho rápido. — Avisou. — Se quiser, pode vir também.

— Idiota.

Nós dois rimos e o Jung se afastou, entrando em seu quarto. Deixei minhas coisas sobre a mesinha de centro e fui em direção a cozinha. Lavei minhas mãos e encostei na mesa, observando o lugar. Mesmo tão pequeno, era organizado e limpo. Hoseok voltou alguns minutos depois, sem camisa, com os cabelos molhados e com uma bermuda lisa.

— Fecha a boca. — Ditou convencido.

— Você nem é grande coisa. — Bufei.

— Sei. — Se aproximou. — O que gosta de comer, senhorita?

— Eu como de tudo um pouco. — Dei de ombros.

— Não parece... — Murmurou, passando os olhos por meu corpo. Estremeci. — Que tal uma macarronada?

— Irei adorar. — Falei sincera. — Vou te ajudar.

— Ok.

Enquanto ele pegava os ingredientes para o molho, coloquei a água para ferver. Hoseok ligou o celular e colocou algumas músicas para tocar.

— Você gosta do R. Kelly? — Perguntei surpresa, o olhando com um sorriso.

— Gosto muito. Esse cara é demais! — Sorriu.

— Bump n' Grind é um hino. — Mexi o meu corpo no ritmo da canção.

— Tenho que concordar. — Fitou o meu corpo descaradamente, com um olhar malicioso sobre o mesmo.

— Não vai dançar comigo? — Questionei, me aproximando ainda mais do Jung.

— É claro que vou. — Sorriu ladino, me puxando para si.

Nossos corpos se chocaram e o maior me virou de costas, deslizando suas grandes mãos por meu quadril. Mexemos os nossos corpos lentamente, um sentindo o outro. Hoseok apertou minha cintura e sussurrou o refrão da música em meu ouvido, me arrepiando por inteira. Aproveitei o momento e virei o meu corpo, pousando meus braços em seus ombros. Olhei em seus olhos e sorri, encostando a cabeça em seu peito.

— E eu sei o que você precisa garota. Então, gata, traga seu corpo pra mim... — Cantarolou, deslizando a ponta de seus dedos por minhas costas. — Garota, você precisa de alguém. Alguém como eu para satisfazer cada vontade sua... — Continuou. — Você nunca irá achar outro que nem eu.

Ergui o meu rosto e o fitei intensamente.

— Veja, eu preciso de alguém... — Foi a minha vez de cantar, puxando alguns fios de sua nuca.

Hoseok me beijou lentamente, apertando o meu corpo sem pudor algum, descendo seus toques para a minha bunda. Arfei e arranhei suas costas nuas, o fazendo arfar rente a minha boca. Nossas línguas se tocaram e ambos apertamos o corpo alheio, buscando mais contato. Quando a falta de ar se fez presente, voltei a encostar a cabeça em seu peito, suspirando profundamente. Senti seus lábios beijarem os meus cabelos e sorri contra a sua pele, o abraçando. Dei um beijinho em seu peito e continuamos a dançar. O Jung também sentia algo por mim.

— Vamos terminar o macarrão? Estou faminto. — Soltou um risinho, afastando as nossas físicas.

— Vamos! — Exclamei sorridente e me afastei.

Escorri a água do macarrão e o juntei com o molho. Hoseok mexeu a panela, enquanto eu arrumava a mesa. O castanho despejou o macarrão já pronto em uma vasilha e depois despejou o queijo. Minha boca salivou e o meu estômago roncou, arrancando um risinho do Jung. Servimos os nossos pratos e nos juntamos à mesa, degustando da refeição que preparamos juntos.

— Gosta de cozinhar? — Puxei assunto.

— Eu não gostava. — Riu soprado. — Mas como moro sozinho, aprendi a me virar.

— Entendi. — Assenti. — Também moro sozinha, mas ao contrário de você, sempre gostei de cozinhar.

— Nossa... — Fingiu-se de ofendido e ambos rimos. — Gosto do seu sorriso.

— Também gosto do seu. — Confessei, sustentando o olhar sobre o seu.

Ficamos um bom tempo trocando olhares e depois de comermos, lavamos a louça e fomos para a sala.

— Quer dormir aqui?

Sua pergunta me pegou de surpresa e eu engasguei com a minha própria saliva.

— Dormir aqui? — O olhei tensa.

— É. — Respondeu simplista. — Pode tomar banho e vestir uma das minhas camisetas.

Por que não?

— Tudo bem, eu aceito. — Sorri.

— Vem, vou te mostrar o banheiro e pegar a camiseta. — Nos guiou até o quarto, o qual eu já conhecia muito bem, principalmente a cama. — Embora eu queira que você durma nua. — Riu malicioso.

— Você é um safado! — Acusei rindo.

— E você gosta. — Disse sorridente.

— Talvez. — Peguei a toalha e a camiseta limpa de sua mão, adentrando o banheiro.

Fechei a porta e me despi, caminhando para dentro do box. Girei o registro e a água morna colidiu com a minha pele, me fazendo relaxar. Passei o sabonete em meus seios e em minha região íntima, tomando um banho rápido. Vesti a cueca que estava enrolada na camiseta, a qual tinha ficado perfeita em meu corpo. Ri baixinho e vesti a camiseta, me olhando no espelho.

— Pode escovar os dentes se quiser. — Hoseok disse, batendo na porta.

Peguei uma escova nova e escovei meus dentes. Juntei minhas roupas sujas no cantinho e estendi a toalha, deixando o cômodo. O coreano estava sentado na cama, mexendo em seu celular.

— Ficou melhor em você. — Falou sedutor, referindo-se à sua camisa.

— Obrigada pelo elogio. — Gargalhei e me juntei a ele, sentando ao seu lado. — Tudo bem se eu já for dormir? Estou tão cansada.

— Certo. — Sorriu.

Engatinhei sobre a cama, recebendo um tapa estalado no bumbum do Hoseok. Puxei o edredom e me aconcheguei no travesseiro. O castanho fez o mesmo, deitando ao meu lado e me fitando. Me aproximei de seu corpo, deitando em seu peito e sendo acolhida por seus braços fortes.

— Boa noite. — Murmurei.

— Boa noite, linda. — Murmurou de volta, beijando os meus cabelos.

Era ali que eu queria ficar. O resto dos meus dias. 


Notas Finais


O otp dormindo juntinhos. Iti! 😍💜
E aí, o que teremos no próximo cap? 👀

Floquinho: https://goo.gl/images/N8AEdY 🐱

Sigam o meu perfil: @xputh 🌻

Até breve, amores! 🦄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...