História Fate - A Shownu Fanfic - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Personagens Originais, Show Nu
Tags Changkyun, Fanfic, Fate, Hyungwon, Hyunwoo, Jooheon, Kihyun, Minhyuk, Monsta X, Shownu, Wonho
Visualizações 13
Palavras 2.934
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas! Voltamos hehe Desculpa a demora, mas aqui estamos nós novamente para continuar a contar a história desses dois... Para os que ficaram curiosos sobre o que aconteceria depois esse é o seu momento. As coisas vão ficar complicadas. Spoiler Queen Kim Seok acaba por aqui ainda que realmente fale algo revelador ^^

Esperamos que gostem do capítulo, essa é nossa única preocupação e anseio. É uma história escrita a base de muito sangue suor e procrastinação superada com muito sucesso. Prometemos tentar manter um fluxo saudável de postagem dos capítulos já que temos alguns vários escrito. Aguardem por mais de ShowJi em breve, agora leiam tudo, okay?

Ah, os capítulos são mistos, ou seja, você vai poder acompanhar a visão dos dois personagens. Fizemos isso pensando em abranger melhor o relacionamento dos dois e as razões de ambos tomarem decisões durante a história. Espero que não fique confuso KKKKKKKKSOCORRO

Capítulo 3 - Capítulo 1 - Quem é você?


Fanfic / Fanfiction Fate - A Shownu Fanfic - Capítulo 3 - Capítulo 1 - Quem é você?

Yoojin

- Bomi, eu preciso... - Digo chegando ao lado dela e parando imediatamente assim que vejo o que está passando em seu computador e abaixando para assistir também. - Uh, Monsta X! Eu adoro... Ele! Uah! Ele é tão bonito!

- O Shownu? – minha secretária pergunta – Não sabia que você gostava de grupos de kpop.

- Não gosto, eles são uma exceção graças a minha irmã. - Digo aproveitando a música e admirando o Shownu mais um pouquinho.

- Uau, você deve gostar mesmo já que está olhando para o garoto como se ele fosse o último Temaki do Japão.

- Quê? – olho para ela achando aquilo engraçado e ignoro no mesmo segundo – Quando terminar vai até minha sala, por favor.

- Espera, eu posso falar agora... - Ela diz impedindo que eu saia de lá e volte a minha sala.

- O senhor Park deixou algum documento para mim? Ele me pediu para ler algo e não sei onde está.

- Deixou sim, ele não vem hoje?

- Não – a secretária dele responde entrando na sala – Ele tem uma reunião hoje pela manhã. A sua está mantida com ele na parte da tarde. E qual a necessidade de chama-lo de Senhor Park quando ele é jovem, bonito e interessado em você?

Reviro os olhos mentalmente.

- Estou sabendo da reunião, ele quer me deixar encarregada de mais alguma coisa na empresa e está me deixando louca.

Ignoro o que Hansol, a secretária do Jungso ou como costumo chama-lo aqui “Sr. Park”, de propósito e viro para Bomi que me entrega as pastas

- Obrigada. Vou voltar à minha sala, qualquer coisa me chama.

- Você está estranha...

Bomi diz pela milésima vez essa semana, assim que me viro para ir embora me fazendo parar e observá-la.

- Desde a festa na boate... A mesma festa que você dançou com aquele cara, e depois sumiu – ela diz com um sorriso sugestivo.

Aparentemente todos me viram dançar com aquele estranho, o que me fez virar o assunto dos corredores do escritório por duas longas e exaustivas semanas.  Nada como virar fofoca em um escritório de advocacia. Logo eu, a que nunca faço nada interessante nessa vida além de trabalhar. Uma mulher precisa ter objetivos centrais na vida. Trabalho é o meu, o que posso fazer?

- Sim! Desde então ela parece...

- Confusa? – Bomi diz, completando a fala da outra secretária.

- Eu ia dizer "contente".

Rolo os olhos e continuo andando até minha sala. Desde acordar no dia seguinte a grande noite que eu tive um pequeno – para não dizer grande – lapso de caráter que faria meu pai chorar, e lembrando absolutamente TUDO, eu me perguntava que tipo de pessoa eu achava que era naquele momento para aceitar fazer sexo no banheiro público de uma boate lotada? Simplesmente não era de mim transar com um estranho que tinha acabado de conhecer. Principalmente quando o estranho parecia trabalhar naquele lugar e devia transar com várias mulheres. Como eu me deixei levar pelo “Te conheço de algum lugar?”.

Eu estava arrependida, mas ao mesmo tempo... Eu não estava. Mordo meu lábio inferior ao lembrar os beijos do mascarado. Não! Eu não ia pensar nisso! Não depois de ter ido ao médico e ter feito vários exames durante as duas últimas semanas. E daí que não havia sido nada e que todos deram negativo? Fiz todos eles por precaução! Imagina se houvesse mesmo acontecido algo? E sem camisinha? Grr! Sempre que penso nisso eu tenho vontade de gritar comigo mesma e principalmente com ele. Mesmo sabendo que eu merecia aquela paranoia agoniante que estava tendo por dias.

Tudo que eu queria era esquecer. Fingir que nunca havia acontecido. Interromper aqueles sonhos idiotas que tenho todas as noites com ele desde a maldita noite na boate! Suspiro sentando na cadeira. Massageio minhas têmporas, sentindo uma dor de cabeça chegando. Definitivamente precisava começar a dormir direito. Decido não pensar mais em nada que não seja a reunião com o Jungso hoje à tarde e na pilha de papéis amontoada na minha frente. Sim, vou ter muito com o que ocupar minha mente.

Começo a separar alguns dos papéis por prioridade mesmo que pequenos flashs de um homem mascarado surjam na minha mente me fazendo comprimi as pernas sob a mesa e respirar fundo antes de começar a ler tudo o que preciso. Aquilo... Por que ele simplesmente foi embora? Por que ele não quis tirar aquela maldita máscara? Ele podia pelo menos dizer o seu nome! Evito um choramingo frustrado abrindo a primeira pasta e me concentrando em ler o que tem ali pelo meu próprio bem.

•••

Chego na empresa 30 minutos antes do horário previsto, como pedido pelo Sr. Park. Felizmente mesmo me atrasando por ler demais e perder a hora, eu havia conseguido correr do escritório para cá e chegar no horário. O Jungso estava uma pilha de nervos com esse trabalho e estava me enlouquecendo no processo, era melhor não dar motivos a ele para ficar pior. De qualquer forma, não é como se fosse um terreno novo para nós, estávamos juntos nisso a pelo menos 6 meses. Eu conhecia a empresa, ele havia me preparado bem.

A recepcionista já estava a minha espera e me leva diretamente para a sala onde o Sr. Park está. Ajeito minha saia e cabelo no caminho até lá, e dou o meu melhor sorriso e o cumprimento assim que entro. Sr. Park me observa por todo o caminho que faço até me sentar na cadeira a sua frente com um sorriso exclusivamente com o objetivo de constrange-lo. Ele entende que eu o flagrei me observando. Sei que ele não faz por mal, então na maior parte das vezes eu aponto o que ele está fazendo, e ele pede desculpas e ficando com as bochechas vermelhas, como agora.

Nós nos conhecemos desde que cheguei no escritório de advocacia. Já ficamos uma vez, mas definitivamente não iria pra frente, então eu desisti e nós decidimos ser apenas bons amigos. Embora todos saibam que se dependesse dele poderíamos ser muito mais. E talvez devêssemos. Jungso, ou Sr. Park, como o chamava para irritá-lo era um belo advogado de 34 anos, alto, de cabelo preto e olhos perfeitamente simétrico e finos para o padrão coreano, e a boca dele... Definitivamente era algo que todo mundo daria 1 milhão de Wons para provar. Park Jungso era uma obra de arte moderna. Devo admitir que ás vezes as encaradas eram recíprocas. Ele me adorava de saia, e eu o adorava de terno. Ou seja, eu o adorava sempre.

- Eu li tudo que você deixou... São todos contratos – Afirmo querendo fugir dos rumos pelos quais meu cérebro cansado quer me levar – É diferente do que estávamos fazendo antes.

- Sim. Também começaremos a lidar com esse o tipo de coisa que começaremos a partir de agora. Não somos mais apenas consultores. O presidente está comendo meu juízo, essa é uma parceria importante para todos nós.

- Eu sei, não precisa me dizer isso como se eu fosse uma novata. Já passamos da fase advogado-assistente a muito tempo. – digo cruzando os baços e me encostando na cadeira extremamente confortável da sala de reuniões – Mas porque estamos aqui? Reunião sobre algum contrato específico?

- Exatamente, você analisou todos aqueles porque vou te apresentar como a principal responsável pelos novos contratos da empresa. Vamos falar com o CEO em pessoa.

- Pri-Principal R-Responsável? – pergunto gaguejando.

- Sim, e como se já não bastasse o presidente do escritório, o CEO da Starship está me deixando louco – ele suspira – Estamos aqui para falar pessoalmente com ele.

- O CEO da...? – digo surtando, eu nem mesmo consigo completar a frase apropriadamente – Você falou que eu ia ficar encarregada de algo, mas ser a principal responsável é completamente diferente! Você disse que ia demorar mais algum tempo para isso acontecer Jungso!

- Eu sei, me perdoa. Mas não posso assumir mais nenhuma responsabilidade e confio plenamente em você. Eu vou estar ao seu lado o tempo inteiro já que também tenho meus negócios aqui, mas só como apoio, o resto é por sua conta. Sinto muito não ter falado antes.

- Você tem certeza disso? Sobre me deixar...

- Tenho toda certeza do mundo Yoojin. Eu te ensinei pessoalmente tudo o que eu sei. E honestamente, você tem muito mais talento e capacidade do que eu para lidar com esses contratos. Eu realmente confio em você e no seu cérebro brilhante. - Jungso diz rindo com aqueles olhinhos bobos dele.

- Yah! Não me faz chorar Park Jungsoo! Eu não vou desperdiçar essa oportunidade. Juro!

Faço drama com uma mão sobre o peito e Jungso ri balançando a cabeça como sempre faz quando estou sendo idiota. Dou um sorriso sincero com aquilo. Mesmo isso sendo algo pelo qual me preparei por meses, eu ainda estava nervosa e me sentindo despreparada. Principalmente por não ter tido boas noites de sono nos últimos dias. Os malditos sonhos... Argh! Mas eu sou Choi Yoojin, eu consigo qualquer coisa.

- Okay, o CEO vai chegar daqui a pouco. – Jungso volta a falar me entregando uma pasta – Nessa reunião ele vai nos colocar a par de tudo que precisamos fazer, ele vai providenciar que te enviem todos os documentos dos contratos. Lembre-se, a empresa sempre deve lucrar e ter o máximo de vantagens possíveis. Seu papel é através de uma visão jurídica analisar todos os contratos, dizer se são bons, quais as vantagens e desvantagens, apontar brechas, descobrir possíveis falhas.

 - Wow! Ele é basicamente o diabo... Entendi – digo.

Jungsoo respira fundo, e passa a mão pelo cabelo em um gesto cansado.

- Yoojin, embora eu concorde, agora não é hora para brincadeira.

- Relaxa sunbae. Você sabe que eu só faço isso porque estou com você.

Continuamos a conversar enquanto eu o deixava nervoso e preocupado. A reunião começa de forma pontual, nós discutimos sobre os detalhes e por fim estávamos todos cientes sobre como proceder nesse trabalho. O CEO pede que o assistente dele mande para mim os contratos que eles estavam querendo fechar com alguns dos artistas importantes da casa, e terminou com um “confio em você” que gelou até minha alma. Mas tudo bem, isso é algo que eu lidei no meu primeiro estágio da faculdade. Eu sei onde estou me metendo, definitivamente não me formei com mérito atoa.

 Ao encerrarmos todos se levantam apertando as mãos uns dos outros e desejando que tudo ocorra bem. O CEO é o primeiro e sair da sala, seguido por seu assistente. Aos poucos a sala de reuniões vai esvaziando e eu como sempre fico para trás procurando meu celular perdido dentro da bolsa. Jungso abre a porta e a segura para que eu passe. Estou praticamente enfiando a cara dentro da bolsa a procura do maldito aparelho. Coloco minha mão nele no exato momento que ouço Junso falar de forma disfarçada.

- Acho bom assistir “O advogado do diabo” de novo.

Aquilo me fez sorrir. Minha vontade era bater nele em um gesto de “Olha você fazendo piada”, mas me controlei e o segui pelo corredor enquanto conversávamos e ele me convidava para jantar, novamente. Um pedido que eu iria negar, como sempre.

 

Shownu

Minha cabeça estava uma completa bagunça. Eu quase transei pra valer com uma estranha no banheiro de uma boate? E sem camisinha! Como eu pude fazer isso? Me pergunto mentalmente pela milionésima vez. Me arrependo de ter feito tudo com tanta calma naquela noite. Por que tinham que me ligar justamente naquela hora? Ela estava tão perfeita, tão pronta para mim... Meu membro contrai com a lembrança. Respiro fundo tentando não deixar meu corpo mais agitado do que ele já estava desde aquele dia.

Inferno! Isso não podia estar mesmo acontecendo. Como me arrependo de ter bebido tanto! Eu nem mesmo conseguia lembrar o rosto da estranha. Todas as vezes que tentava lembrar os detalhes daquela noite o rosto aparecia mais desfocado. As lembranças mais sólidas eram de nós dançando na pista e do nosso momento no banheiro, mas mesmo assim seu rosto... Esse ainda era difícil de lembrar por completo. Maldito álcool! Balanço a cabeça tentando afastar esses pensamentos.

 Em todo caso, ainda bem que o Kihyun me ligou. Mesmo que em alguns momentos eu queira matar ele por isso. De qualquer forma o que mais me perturbava, era o fato de que eu me arrependia de não ter transado com a estranha. Principalmente porque eu aparentemente estava apaixonado por uma garota, a garota que é justamente o motivo que me fez ir para aquela boate! Eu vou ficar louco se passar mais uma semana pensando em duas garotas e em como eu queria ter as duas na minha frente agora mesmo.

Eu só preciso chegar até a sala que o Manager está nos esperando e descobrir por que ele está interrompendo nosso ensaio que deveria ser a prioridade nesse momento. Trabalhar vem sendo a única forma que encontro nos últimos dias para tirar minha cabeça daquelas duas garotas.

- Hyung! – Changkyun diz chamando minha atenção – Você não ouviu nada não é?

- Não, desculpa. – Digo olhando para ele sobre os ombros.

- Nós estamos falando que aquela advogada estava...

A porta na qual iriamos entrar abre e duas pessoas começam a sair de lá.  Uma delas é um homem alto de terno caro e cinza, por trás ele aparenta ser um cara novo e um vislumbre de seu perfil prova isso. Eu sei quem ele é. Ele é o advogado da empresa que cuida dos nossos assuntos jurídicos. Eu também sei que atrás dele vem a pessoa que é capaz de me impedir de continuar a andar. Changkyun não precisava terminar a frase para eu saber de quem ele estava falando.

Ela estava aqui.

Tudo estava em câmera lenta, como se todo o universo parasse para apreciá-la. Eu estava travado no lugar sem conseguir me mexer, sendo infantil e ridículo novamente. Era o que sempre acontecia quando eu a via. Ela finalmente sai da sala mexendo em sua bolsa. Quando levanta o rosto, seu cabelo acompanha o movimento da sua cabeça, fazendo com que fique brevemente bagunçado. Ela sorri alto para aquele homem, e o som de alguma forma invade meus sentidos me levando para a única coisa que não conseguia tirar da minha cabeça nas últimas semanas mesmo que lembrasse apenas de forma turva na maioria das vezes.

Mas agora parecia tão claro, a silhueta dela no escuro da boate, o cheiro, a sensação de conhecê-la de algum lugar, seus olhos tão familiares enquanto ela andava naquela multidão. Eram os mesmos olhos pelos quais havia me apaixonada desde a primeira vez que a encontrei aqui na empresa à alguns meses atrás. Na ocasião, como em todas as outras, no entanto, eu não havia falado nada, já que não conseguia me mover, exatamente como agora. Mas lá estava ele para resgatá-la, esse mesmo advogado, Park Jungso.

Sem chances... Não pode ser ela, estou ficando louco! O sorriso da garota da boate e o da mulher na minha frente se mesclam em um só na minha cabeça. Imagens do seu corpo colado ao meu, nossas bocas se tocando, seus lábios sendo mordidos, seu rosto se contorcendo de prazer enquanto eu era o responsável por aquilo... Seu rosto! Ele era tão claro agora!

“Não pare” essas palavras me perseguiram por tanto tempo, e só agora eu consigo lembrar a voz. Era a mesma voz, era ela! Não tinha como ser outra pessoa. Eu sabia que a conhecia! A mulher que perseguiu meus pensamentos nas últimas semanas não podia ser outra além da mulher que perseguiu meus pensamentos por meses. Dou alguns passos para trás como se tivesse levado um empurrão e sinto alguns dos meninos baterem nas minhas costas.

- Ai! – ouço Minhyuk dizer me trazendo de volta ao presente.

- Porque a gente parou de andar?

Kihyun pergunta, antes de olhar para o mesmo lugar que eu. Para a advogada, e soltar um som de reprovação e rolar os olhos.

- Não sabia que você estava tão apaixonado pela advogada assim.

- Uhm, então essa é a advogada? – Wonho diz ao meu lado analisando enquanto ela caminhava ao lado do Jungso, como se ele a estivesse vendo pela primeira vez – Ela é realmente bonita, e essa saia valoriza bem a...

- Acho bom você não continuar o que ia dizer. - Aviso, o fazendo sorrir.

Vejo o Minhyuk bater no ombro dele em reprovação. Kihyun volta a andar sendo seguido pelos outros, enquanto eu ainda não conseguia sequer me mover. Meu cérebro está tendo dificuldade de raciocinar, meu corpo está tenso clamando por mais dela. Aquilo realmente aconteceu? Passo a mão pelo cabelo tentando me concentrar em colocar meus pensamentos e meu corpo na reunião com o manager.

Eu sabia disso, eu queria continua a andar. Mas tudo que consigo fazer é ficar parado enquanto as lembranças de quem era aquela mulher que me atraiu e me dominou toda a noite são reconstruídas na minha cabeça pela única coisa que faltava: Seu rosto. Acontecesse o que for, eu sabia que não podia chegar perto dela novamente, e ainda assim eu estava clamando que de alguma forma eu pudesse ter pelo menos mais uma chance.

Imprudentemente, eu havia prometido vê-la novamente, que aquilo entre nós teria uma continuação. Mesmo sabendo que jamais aconteceria eu prometi, e agora que eu a havia encontrado... Droga! Fecho minha mão em punho. Nunca poderei chegar perto dela sem destruí-la. Tudo em mim sabia que não podia, no entanto isso não me impedia de querer.


Notas Finais


Se chegaram até aqui... UHUL \o/

Por favor, nos deixem saber o que acharam do capítulo, a opinião de vocês é muito importante! Claro, esperamos que gostem de tudo kkkkk Obrigada por ler, prometemos o Capítulo 2 em breve.

Beijos de WonSeokChae


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...