História Fate: The Agressive Bloodline - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Fate, Originals
Visualizações 7
Palavras 3.061
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Conflitos entre amizade, confusão entre sanidade e guerra.


Fanfic / Fanfiction Fate: The Agressive Bloodline - Capítulo 1 - Conflitos entre amizade, confusão entre sanidade e guerra.

Fate//Extra : The Agressive Bloodline.

  Sobre o vento gelado de uma manhã de inverno, é descoberto uma pessoa morta a um rio no meio da cidade, porém para o único jovem que sabe como isso aconteceu, nada lhe importa, apenas o fato de não ser ele que está ali, querendo ou não, ele viu o que realmente aconteceu, seu destino talvez esteja traçado, mas, bom, já não importa, talvez ele não esteja bem.

 

 Bernardo se acorda rápido ao ouvir seu celular tocando, com apenas um toque ele atende, era uma pessoa desesperada, gritando por ajuda, e ao fundo começa a ouvir passos, que pareciam familiares, apesar de tudo, Bernarndo não se preocupa tanto com aquilo, logo começa a se questionar em porquê aquela pessoa lhe ligou, então ele ouve uma pessoa sussurrando, "Você é o próximo, desesperado", logo após isto, Bernardo começa a ver uma pessoa com um arco e flecha, ao terraço de um prédio, então a flecha é disparada, passando de raspão pela cabeça de Bernardo, após isto ele começa a correr até a sua porta, porém é recebido por uma garota familiar para ele, que se chamava Kauany, com uma marca na sua mão direita, ela avança diretamente contra Bernardo, projetando uma grande lamina com sua mana, após isto ela fala:
 [Kauany] - Archer, já pode se posicionar sobre a segunda base, cuidarei deste lixo aqui.
[Bernardo] - Mas quem seria Archer? Está ficando louca, certo?
[Kauany] - Você irá sentir a louca após que eu arrancar esses seus olhinhos, para você entender que o que viu não era pra você, idiota.
[Bernardo] - Você não vai me matar, nem se quisesse.
[Kauany] - Ah, vou sim.
[Bernardo] - Não, não vai!

 Bernardo se movimenta contra o pescoço de Kauany, a pressionando contra a parede, após isto crava seu dedo com toda sua força, sobre o nervo do pescoço da jovem, assim a executando um breve desmaio, após isto correu para fora de sua casa, indo até uma delegacia que ficava ali por perto, no meio do caminho é barrado por um jovem, que possuía uma marca na mesma cor de Kauany no seu braço, vermelha, que possuía símbolos um tanto quanto estranhos, após isto ele fica assustado, mas vê uma marca familiar sobre o braço do jovem, que estava cobrido por um capuz, então percebe que o jovem se tratava de Nicolas, seu amigo, após isto o pergunta se ele por acaso, saberia o porque a Kauany tinha ido atrás dele:
[Bernardo] - Caraca Nicolas, você viu o que a Kauany tentou fazer? Por quê ela está atrás de mim?!
[Nicolas] - É uma coisa específica, aonde você não pode se meter, entende? Caso ela tente te ferir me contate, irei a parar o mais rápido possível.
[Bernardo] - Você não precisa me defender, e sim me falar o porque isto está acontecendo comigo.
[Nicolas] - Você viu a flecha que atingiu o jovem no rio, certo? Isso já é um motivo para te caçar.
[Bernardo] - Mas eu não contei para ninguém, eu juro!
[Nicolas] - Exato, mas acredite, magos te matam apenas por testemunhar coisas assim.
[Bernardo] - Ah, magos, espera, já que ela é uma maga, porque estuda conosco?
[Nicolas] - Magos tentam disfarçar suas identidades, ela optou por essa escola, já que, nela todos são normais, mas se serve de lição, ela não é a única maga.
[Bernardo] - A gente se conhece a oito anos e você me vem com uma dessas? Poxa, você sabe fazer magia e nunca me contou? Isso é vacilo, você sabe bem.
[Nicolas] - Eu não sou mago, nem mesmo faço magia, mas agora você tem de correr.
[Bernardo] - Não, eu preciso te ajudar.

 Uma explosão ocorre perto do local ali, era Kauany se recuperando e ordenando com que seu servo, Archer conseguisse atacar o oponente, após ver que errar a flecha, ele pulou diretamente contra o corpo de Bernardo em objetivo de utilizar do estilo de luta da antiga Grécia, conseguiu cravar seu palmo contra o peito de Bernardo, após isto Nicolas fez com que seu "servo" se materializasse ali, que então uma mulher totalmente negra, com uma máscara que era feita em forma de face de caveira e possuía um cabelo no estilo rabo de cavalo, roxo, então ao ela notar o movimento do Archer sacou a mão dele e então efetua um movimento fatal contra seu braço, o quebrando rapidamente, assim evitando do movimento acertar Bernardo, após isto Bernardo começa a correr contra a igreja, porém acaba tropeçando, caindo a frente de uma igreja, vendo a aproximação de Kauany contra ele, se levantou na máxima velocidade que conseguia, indo contra a igreja para se esconder, lá avistou um ciclo de magia, que é utilizado para invocar servos, ao meio do ciclo havia uma bandeja com uma vela, que serviria como recipiente, então sobre o nervosismo ele se aproxima e aponta sua mão ao ciclo, na esperança de fazer algo para se salver ali, porém nada acontecia, então Kauany consegue entrar sobre a igreja, e utilizando da energia dela, Bernardo consegue invocar seu servo, então uma grande ventania acontece ali, e começa a se materializar em base da energia magica de Kauany a serva de Bernardo, então uma marca com três partes se forma em sua mão, sobre o desespero do momento, Bernardo se cai em lágrimas, sabendo que era um caminho sem volta, mas ele sabia que não poderia ganhar da Kauany mano a mano, e até seu servo se formar ele já teria morrido, então ele avança contra ela no corpo a corpo mesmo, então ela emana uma aura flamejante a sua volta, queimando a mão de Bernardo, mas mesmo assim tomando o soco por inteiro em sua face, a derrubando ao solo, após isto Bernardo ouve um sussurro em seu ouvido, o perguntando se ele é seu mestre.
[Bernardo] - Hm? Mas... Quem é você? Você é estranha, você tem um arco...
[Archer] - Sou sua serva, qual seu nome afinal, garoto?
[Bernardo] - Mas como assim? Eu não fiz nada, nem mago sou.
[Archer] - Fui convocada em seu nome, agora é com você.
[Bernardo] - Bem, me chamo Bernardo, mas preciso que me conte mais sobre isso tudo, não sei o minimo sobre magia e essas coisas, eu estava pra ser morto e acabei aqui, mas que estranho, não?
[Archer] - Essa luta será difícil para nós então, mas confie em mim, afinal, sou a Segunda Archer.
[Bernardo] - Seu nome é Archer?
[Archer] - Claro que não, mas eu me chamo Atalanta, caso queira saber.
[Bernardo] - Bom, bom... Atalanta é um nome bonito, agora o que fazemos quanto a ela?
[Atalanta] - Deixamos-a aí, não temos o que fazer, agora, me acompanhe por favor.
   Bernardo e Atalanta saem da igreja e vão até uma garagem abandonada, entrando lá começam a armar uma pequena base, para bolar uma estratégia.
                     

 Pela manhã do dia seguinte, Luâni, uma menina também da turma de Bernardo e Nicolas, se depara com noticias sobre uma grande ventania pela madrugada na sua televisão, após isto, ela acaba derrubando chá sobre sua blusa, ela entra ao seu quarto e começa a trocar sua roupa, porém no meio disso, ela encara sua mão esquerda sobre o espelho, encarando a sua marca, após isto atrás dela começa a ser materializada uma mulher com longos cabelos azuis e um manto roxo com diversas joias presas a ele, então ela encara Luâni:
[Caster] - Hm, você sabe que aquilo é a invocação de um servo, não?
[Luâni] - Tanto faz, estamos no inverno, pode ser apenas uma ventania, ué.
[Caster] - Entendo, entendo, seu dia ontem não foi bom, certo?
[Luâni] - Não quero falar sobre isso, você sabe o que acontece todo dia sobre a marchada, não comente sobre isso, por favor.
[Caster] - Você não conta isso a ninguém? Caso isso continue acontecendo, me desculpe, mas terei de-o matar, não aguento ver aquela cena todos os dias, é algo tão... 
[Luâni] - Pare, Caster, por favor, sem esta conversa.
[Caster] - Não posso fazer nada se você sofre assedio diariamente, eu até mesmo já te ofereci ajuda, mas você parece que gosta disso.
[Luâni] - Não, eu não gosto, agora, Caster, se continuar, irei de utilizar um de meus selos de comando, você não deve fazer isso comigo.
[Caster] - Desculpe, Luâni, não queria te constranger neste momento, mas bem, fique sabendo, que hoje isso não ocorrerá se depender de mim. 
[Luâni] - Minha mãe virá me chamar já já, vê se não me ferra, por favor, aliás, quando ficar de tarde iremos investigar aquilo.
[Caster] - Por isso que te amo como mestra e maga, mas deve se defender mais.

 Após a sua última frase, a Caster se desmaterializa rapidamente e Luâni termina de colocar sua blusa, então ela pega sua mochila e segue firmemente até sua escola, porém no meio do caminho ela começa a ouvir sons estranhos, semelhantes a uma pessoa passando uma faca na parede, porém, pela sua experiência com magia, não se importava com aquilo, então seguiu até a sua escola e se preparou para se alguma pessoa tentasse a atacar ali, porém consegue chegar a sua escola, porém estava nervosa, Luâni não era bem vista pelos outros estudantes na escola militar, que era aonde estudava, fora que o fato que por mais que ela fosse uma maga, não poderia utilizar de magia ali, os militares atualmente tem um grande ódio pela magia, apesar dos pais de Luâni serem ex-militares, ela ainda sim odiava o governo e todos que o apoiam, porém ela se nega a entrar na escola sobre aquele dia, ela sai daquele local, porém ela então avista de longe um garoto loiro, que diariamente, realizava assedio a Luâni, então ao passar por ele, ele pega Luâni sobre seu braço e se aproxima ao seu ouvido e então fala:
[????] - Do que você gosta que a chame? Me diga, assim terminaremos mais rápido...
[Luâni] - Caster...
[????] - Feiticeira? Uau, não sabia que gostava de fant...

 Antes do garoto conseguir terminar sua frase, ele tem seu braço decepado por Caster, após isto, ela crava uma agulha, dentro do ouvido dele, o desmaiando pela dor ali mesmo, após isto o teleporta até um poço, o deixando lá.
 

Após a morte do garoto, Luâni começa a se questionar com Caster:
[Luâni ] - Precisava disso tudo? ... Você... Você... Por quê? Ele realmente merecia tudo isso?

 Luâni estava tremendo ali, totalmente nervosa e assustada, Caster se desmaterializa, então Luâni corre dali, para evitar com que a culpem pela morte do garoto, então ela corre até a igreja aonde ocorreu a ventania, no caminho, passa pela casa de uma conhecida, Laura, e lá dentro estava ocorrendo barulhos muito altos e estranhos, então ela para ali e se aproxima, observando pela janela ela vê registros de magia ali, então entra pela janela e segue a frente até a porto e olha ali o corredor, vendo o pai de Laura caído ali, falecido, então ela segue o caminho.

 Laura estava correndo até o porão, chegando lá quebra o alçapão e cai sobre um comodo secreto, aonde seu irmão estudava as propriedades da magia, então vê ele com um círculo mágico invocando um servo, logo ela se aproxima e o pede ajuda, porém sua mão começa a ser sugada até o círculo, então ela fica apontando até o meio do círculo, fazendo a invocação de outro servo, da classe Berseker, então do lado esquerdo do círculo, uma luz azulada começa a emanar e a luz acaba, então um ser de cabelos longos e grisalhos, com uma marca azul sobre seu peito, que era da classe Saber, após isto ao lado dele, uma grande esfera de escuridão é formada, então ela rapidamente se abre, revelando um cavaleiro com uma grande armadura revestida por um manto de escuridão, logo ele começa a gritar muito alto, então uma lança é disparada diretamente contra o peitoral do cavaleiro, porém a lança é desmaterializada ao tocar a escuridão, após isto o Berseker, servo de Laura, é desmaterializado, por Laura não conseguir controlar bem ele, após isto, Matheus, irmão de Laura pula para cima do alçapão, junto com seu servo, o Saber e corre contra o Lancer, que teria invadido a casa de Laura e matado seus pais, então ali mesmo, Lancer com sua lança que possuía uma cor muito avermelhada, a lança tinha propriedades de penetrar qualquer tipo de magia, então ele avança diretamente contra o peito de Saber, porém eles colidem suas laminas, após isto Saber dá um chute contra o peito de Lancer, o lançando contra a parede, após isto parte contra ele numa forte investida, em intenção de cravar sua espada contra o peitoral de Lancer, ao ver o avanço, Lancer materializa rapidamente outra lança que seria menor que a outra lança avermelhada, a lança teria coloração amarela, fora isto ela teria capacidade de criar feridas incuráveis, após a materialização ele colide suas duas lanças contra a espada de Saber, após isto, um velho, que aparentava ser o mestre de Lancer, chega a frente de Matheus, o falando:
[???] - Olá, meu jovem, tem certeza que irá me enfrentar? Poderei-lhe derrotar muito facilmente, se fosse você, desistiria.
[Matheus] - Pelo orgulho da família Lauer, nunca irei me render no campo de batalha, seu idiota! Tome isto, Lauretty Dominus!

 Ao citar o feitiço especial da família Lauer, diversas linhas de mana são feitas ao local, se ligando ao corpo do velho como agulhas, após isto, o corpo do velho começa a brilhar, após isto ele começa a ser desintegrado com o brilho, porém, o velho volta ao normal instantaneamente, Laura lembra Matheus que o feitiço dos Lauer precisava de uma grande preparação, antes de ser usado, após isto o velho projeta diversas flechas a sua volta, então as lança diretamente contra Matheus, o fazendo cair sobre o solo, nisso, Saber desiste de lutar contra Lancer e vai até o velho, porém é empurrado pelo vento que o homem ali evocou, lançado diretamente com as costas na direção da ponta da lança vermelha do Lancer, então a lança é cravada as costas dele, então Saber é desmaterializado, porém, antes de desmaiar por falta de sangue, Matheus consegue teleportar Laura a uma garagem, aonde Bernardo estava localizado.
[Bernardo] - Hm? Espera... Laura?!
[Atalanta] - Inimiga?! Mestre, irei acabar com ela!
[Bernardo] - Archer, fique calma, é uma conhecida, a Laura.
[Laura] - Me ajude, por favor, Bernardo... Socorro... 
[Luâni] - Ela sofreu muito hoje, melhor deixar ela do jeito que está.
[Bernardo] - Como você apareceu aqui?
[Luâni] - Nossa, a quanto tempo, seu desgraçado, eu sou uma mestra, você também, assim como a Laura também é.
[Atalanta] - Você não é nossa inimiga então?
[Bernardo] - Não, não, Luâni, seremos aliados, certo?
[Luâni] - É, sem dúvidas, mas devemos confiar um no outro, certo?
[Bernardo] - Bom, depende, você planeja derrotar quem primeiro?
[Luâni] - Alguém que tenha um Assassin, provavelmente.
[Bernardo] - Curioso, curioso, bom, teremos de cooperar, então tá, eu não sou um mago, mal sei sobre todas essas coisas, mas eu tenho certeza, de que apesar de tudo, conseguiremos ganhar esta guerra, por mais que eu não saiba de nada que poderá ocorrer, mas você tem cara de ser uma grande maga. Falando nisso, como vai o colégio militar?
[Luâni] - Militares odeiam magia, sou uma pré-maga, isso responde sua pergunta?
[Bernardo] - Talvez, mas você sabe me dizer, o por quê a gente luta nessa guerra, certo?
[Luâni] - Pelo Santo Graal, ué, você não sabe nem o básico? Bom, resumidamente, o Santo Graal permite espíritos heroicos virem para o nosso mundo, eles são divididos em lendas e em sete classes, Archer, Lancer, Caster, Assassin, Rider, Berseker e por último, a mais forte classe, Saber, minha serva é da classe Caster, sua serva deve ser Archer, certo? Bom, conseguíamos parar um Berseker fácil, fácil, ainda temos mais o servo da Laura, que deve ser algo útil, quando estava na casa dela ouvi um "rugido" do porão dela, aonde foi invocado dois servos, qualquer coisa a gente pode tentar conseguir a ajuda do irmão dela, que possui um Saber, ou até mesmo do Nicolas, que me contatou esses dias, me perguntando sobre algumas coisas, quase a mesma coisa que você me perguntou agora.
[Bernardo] - É, o Nicolas me salvou ontem, a Kauany estava me caçando, eu desmaiei ela sobre a igreja, não tive como fazer nada muito afetante, mas o servo dela é muito forte, ele quase me matou em um só ataque, no caso em só uma flecha.
[Atalanta] - Hum, você deve se cuidar mais, mestre, se não pode acabar morrendo, não quero que meu mestre morra tão rápido.
[Luâni] - Pode deixar, Archer, irei cuidar dele também, apesar de tudo, ele pode ser útil.
[Bernardo] - Pode me explicar sobre os selos de comando? Isso me deixou curioso, afinal, por quê essas marcas são tão fortes? As pessoas com que falei até agora as consideram os tesouros mais preciosos do mundo, eles são tão importantes assim?
[Luâni] - Bom, eles resumidamente são o que faz você ter controle sobre seu servo, sem eles você não controla seu servo, e ele não será mais obrigado a te servir, podendo-lhe matar, mas fique tranquilo, isso acontece mais com mestres de Bersekers, normalmente você ficaria bem caso isso aconteça com você, você só tem três selos, caso vacile e gaste tudo, vai se ferrar muito, os selos também podem ajudar seu servo, apesar de tudo, você vai conseguir se sair bem, eu espero, todo esse tempo sem estudarmos juntos, você não pode amolecer, em?
[Bernardo] - Relaxa, eu garanto esse graal, mas se só sobrarmos nós dois, o que faremos?
[Luâni] - Uma luta sem morte, quem ganhar realiza o desejo próprio.
[Bernardo] - Não tenho um pedido específico, então posso te entregar a taça logo.
[Atalanta] - Bernardo, você armou a barreira que te pedi?
[Luâni] - Cara, você sabe armar uma barreira? isso surpreenderia muito uma pessoa!
[Bernardo] - Não, eu não armei e não sei armar uma barreira.
[Luâni] - Poxa, você não sabe surpreender?
[Bernardo] - Não.
[Atalanta] - Você realmente é um mestre porco, poxa.

Após todo o diálogo, eles começam a preparar a estratégia que usarão contra o Lancer.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...