1. Spirit Fanfics >
  2. Fator Comum >
  3. Reconciliação

História Fator Comum - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


como prometido, cá estou! tarde da noite mas cheguei klasdka boa leituraaaaa

Capítulo 26 - Reconciliação


 JEONGHAN POV

 

 Eu não queria soltar Seungcheol por nada. Me agarrava ao seu corpo como se ele pudesse sumir de meus braços a qualquer momento. O apertava com afinco e sentia nossa respiração ofegante em sincronia, me deixando ainda mais eufórico.

 Ele se separou minimamente de mim, esticando os braços ainda em cima de meu corpo, me permitindo ver, finalmente, seu lindo rosto bem próximo do meu.

 — Oi! — Ele disse sorrindo, tendo os olhos marejados e as bochechas coradas.

 Permaneci estático, o encarando, admirando cada mínimo detalhe de seus traços, ainda desacreditado de vê-lo a minha frente.

 Passei a ponta dos dedos em sua testa e fui descendo aos poucos, contornando suas maçãs do rosto, o fazendo fechar os olhos, aproveitando o carinho.

 — I-Isso é real? — Perguntei, quase sem força.

 — O que você acha? — Ele virou o rosto e beijou carinhosamente a minha mão, a qual ainda estava repousada em sua bochecha.

 Arregalei os olhos e senti minha temperatura corporal ir às alturas com seu gesto afetuoso, me deixando completamente desconcertado. Antes que Seungcheol pudesse voltar os olhares a mim, me agarrei a ele novamente por puro pânico, não querendo ser visto tão envergonhado daquele jeito.

 O abraço foi tão súbito, que trouxe Seungcheol de volta ao chão, o fazendo cair desastrosamente em cima de mim, em meio as risadas gostosas.

 “Eu sinceramente espero que esse barulho seja das porradas que você tá levando, Jeonghan.”

 A voz abafada vindo do celular jogado ao chão, quebrou o clima constrangedor, fazendo com que eu me lembrasse que ainda estava em ligação com os meninos.

 — É o Soonyoung?! — Seungcheol se desvencilhou minimamente de meu abraço e me encarou, confuso.

 — S-Sim… Eu estava falando com eles pelo celular…

 — Ah sim… — Ele riu, ainda em cima de mim — Posso?

 — C-Claro… — O respondi timidamente, desviando o olhar.

 Seungcheol se levantou inteiramente e esticou a mão, me dando apoio pra fazer o mesmo. Segurei sua destra e fui puxado de imediato, ficando de pé instantaneamente sem sequer estar sentindo minhas pernas firmes pra isso.

 Fiquei paralisado o vendo se afastar e pegar o celular do chão, se sentando no sofá em seguida, fazendo caras e bocas aos meninos, que provavelmente, estavam tão surpresos quanto eu.

 Continuei o encarando de maneira aparvalhada, absolutamente em transe por vê-lo diante de mim.

 Era ele mesmo. Seungcheol estava alí.

 — Eu não estou acreditando nisso… — Ouvi Seokmin, rindo.

 — Seungcheol! Ficamos preocupados com você! — Wonwoo gritou, irritado — O que tá acontecendo?! Todo mundo vai pros Estados Unidos agora? É isso?

 — Claro que não! Seungcheol vai voltar já já! Ele não é nem doido de fazer isso comigo! Tá ouvindo, Jeonghan? Devolve o meu melhor amigo! — Soonyoung chamou minha atenção, fazendo com que eu saísse do transe.

 — Ahn? — Perguntei, ainda estático.

 — Calma, gente… — Seungcheol riu, me chamando pra perto com as mãos — Jeonghan tá tão em choque quanto vocês… Depois nós retornamos a ligação e conversamos todos juntos, ok?

 — Claro, claro, claro… — Soonyoung assentiu, com visível deboche — Só não esquece que eu cumpri a promessa de dar uma coça no Goyang! Então, cumpra a sua também de dar uma coça no Jeonghan por mim! Tchau!

 Seungcheol gargalhou e tombou a cabeça pra trás no sofá. E antes que pudesse se despedir normalmente dos meninos, a ligação já tinha sido encerrada por Soonyoung. 

 — Nossa, ele tá realmente irritado por eu ter vindo… — Encarou o celular com indignação, ainda tendo um sorriso no rosto.

 Permaneci estagnado a sua frente, ainda sem saber direito como agir, com uma mistura de sentimentos confusos escancarados em meu rosto, que provavelmente resultavam em uma expressão pavorosa, fazendo Seungcheol rir ainda mais.

 — O que foi?! Parece até que tá com medo de mim… — Ele chegou pro canto, dando espaço no sofá — Vem… Senta aqui comigo.

 — N-Não é isso… — Me aproximei com certo receio, sentando-me ao seu lado — E-Eu só… Não estou acreditando que você está aqui… Ainda…

 — Vai dizer que você não esperava por isso? — Ele perguntou, presunçosamente, passando os braços por cima do sofá.

 — Óbvio que não! Jamais imaginei que-

 — Ué! Como não? Até porque, faz sentido… É claro. Você vem pros Estados Unidos, sem mais, nem menos, sem sequer se despedir decentemente de mim ou dos seus amigos e esperava que eu ficasse em casa, normalmente, como se nada tivesse acontecido. É isso?

 — S-Sim…?

 — Tsc… — Ele revirou os olhos, bufando — Fala sério né, Jeonghan…

 — M-Me desculpa, Cheol, eu-

 — Não… Está tudo bem — Ele se endireitou no sofá, ficando de frente pra mim, que permanecia encolhido no canto do assento — O problema não é você largar tudo e vir pra cá… Quer dizer, isso é um problema pra mim sim, mas o foco não é esse. A questão é que eu li a mensagem que você mandou pro Seokmin e aquilo foi… Horrível… Eu me senti... Nossa… Eu nem sei te dizer como me senti…

 Engoli seco e continuei em silêncio, permitindo que Seungcheol desabafasse o quanto quisesse.

 — Uma coisa é você tomar uma decisão e assumir a responsabilidade por ela. Outra coisa é você tomar essa mesma decisão, alegando que seria o melhor pra uma terceira pessoa, se baseando em coisas que definitivamente não são verdades…

 Ele me encarou sério, visivelmente chateado porém sem um pingo de raiva.

 — Tem noção de como eu fiquei?

 Senti meus olhos encherem-se d'água e abaixei a cabeça, chorando timidamente.

 Seungcheol se aproximou de mim e encostou sua cabeça em meus ombros, que rapidamente absorveram com o tecido de minha jaqueta, a umidade de suas lágrimas.

 — Desde quando ficar longe de você é o melhor pra mim, Jeonghan?

 Ergui o olhar em sua direção, surpreso com sua fala e o encontrei do mesmo modo que eu, abaixado, chorando silenciosamente, se apoiando em mim.

 — Nunca senti tanta dor na vida… Nunca mais faça isso, por favor. Não saia do meu lado nunca mais.

 — Me desculpa, Cheol… Não saio… Nunca mais… — Respondi em meio às lágrimas, o abraçando carinhosamente.

 Continuamos na mesma posição por alguns minutos, até meu celular tocar, chamando minha atenção.

 Nos separamos apenas o necessário e olhei o visor do aparelho, no braço do sofá, identificando a chamada de Songwoo.

 — É meu pai… — Limpei as lágrimas e respirei fundo, tentando me recompor pra atender o celular.

 — Ah, coloca a ligação no viva voz, por favor... — Seungcheol riu, passando a mão no rosto, também na tentativa de secá-lo pós choro.

 Estranhei o seu pedido com caras e bocas e em seguida, obedeci prontamente, sem questionar.

 — Alô? Pai?!

 — Oi, meu filho! — Songwoo respondeu.

 — Oi, Songwoo! — Seungcheol o cumprimentou, me fazendo dar um tapa nele, pedindo pra que ficasse quieto.

 — E aí, Seungcheol! — Meu pai respondeu, me deixando confuso.

 — Me atrasei um pouco aqui, chefia… Ainda não tenho uma resposta! — Seungcheol continuou o assunto, me encarando travesso.

 — Pare de me chamar assim, Seungcheol! — Songwoo riu — Então trate de me dar uma resposta agora!

 — Er… Alguém pode, por favor, me explicar o que tá acontecendo? — Enfim me meti na conversa, assustado demais com aquela interação.

 — Songwoo me fez vir pra cá, Jeonghan… Se não fosse por ele, eu nem sei o que seria de mim… Seu pai é o cara! — Seungcheol me respondeu, fazendo Songwoo gargalhar do outro lado da linha.

 — C-Como é? — Perguntei, abismado.

 — Obrigado, Seungcheol, Obrigado — Songwoo agradeceu, vangloriando-se — Mas e então? Jeonghan vai receber os negociantes do novo apartamento ou não? A chegada de Seungcheol era surpresa, mas a parte do compromisso era séria. Te dei as duas coisas que você queria, meu filho… Agora é com você.

 — Jeonghan… Você não vai se mudar pra cá realmente… Vai?! Podemos dispensar essa hipótese… Não podemos?! — Seungcheol me encarou esperançoso, aguardando uma resposta positiva de minha parte.

 — E-Eu estou muito chocado pra responder qualquer coisa pra vocês… F-Façam o que vocês acharem melhor… — Levantei calmamente me apoiando no braço do sofá, completamente perturbado por tanta informação.

 — Songwoo… Acho que ele vai desmaiar… — Seungcheol riu, levantando-se também e se aproximando de mim — Depois nos falamos! Mas até então, pode cancelar tudo, Jeonghan definitivamente vai voltar pra Coréia comigo.

 O encarei imediatamente, completamente envergonhado por sua fala, gesticulando negativamente com as mãos pra que ele desligasse a chamada.

 — Ótimo! Tudo bem então. Se cuidem… Tchau, meninos!

 — Tchau, chefia! — Seungcheol respondeu, aproximando o celular de mim em seguida.

 — T-Tchau, pai… — Me despedi, ainda em choque e totalmente constrangido — E… Mais uma vez… — Voltei a chorar, emocionado — O-Obrigado por tudo… Eu te amo!

 Songwoo ficou em silêncio por alguns segundos e logo depois, soluçou, rindo de leve.

 — Também te amo, meu filho! Volta logo pra casa! — Respondeu, comovido.

 Seungcheol desligou a chamada e entregou o celular em minhas mãos, sorrindo como uma criança travessa.

 — M-Meu Deus, Choi Seungcheol… Você tem muito o que explicar… — Me joguei na cama, sentando-me.

 — Eu sei… — Ele se sentou ao meu lado e riu, passando a mão na nuca — Vamos dar um rolé pra esclarecer as coisas?!


 

 | Continua |

 


Notas Finais


pronto tudo lindo jeonghan e o pai dele fizeram as pazes real e oficial, seungcheol e jeonghan tb aiai pfto tudo na linda e plena paz

ou

SERA Q NAO?

kkkkk cenas p prox cap! obg por tudo galerinha <3 bjkss ate a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...