História Faz de Conta (Camren) - Capítulo 38


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello
Tags Camila Cabello, Camren, Lauren Jauregui, Laurmila
Visualizações 735
Palavras 5.756
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: LGBT, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá girls!

Como estamos?

Só uma adendo, a Lauren não vai perder o bebê, gente. Pelo amor de Deus, é até maldade querer desejar isso para que ela fique com Camila. As coisas vão se acertar, tenham paciência.

Ah, e outra coisa... Eu acabei de adaptar, e não revisei, to caindo de sono. Por favor, me avisem se tiverem nomes trocados e erros.

Gracias! Adoro vocês!

Capítulo 38 - Capítulo trinta e sete.


Cada pessoa tem um jeito muito diferente de reagir a dor. Lauren e Camila estavam reagindo da mesma forma: Afundando-se no trabalho. Quanto mais trabalhassem, menos ficava com as cabeças cheias e esqueciam que os corações estavam quebrados.

Lauren fez pequenas inovações do seu SPA que estava com uma clientela muito boa. Estava a quase dois passos para demiti a gerente. Não tinha se adaptado mesmo ao trabalho dela. Só não fazia isso porque estava choramingando para que Elisa aceitasse a sua oferta de emprego em Pernambuco. O salário seria um pouco mais alto, mas o serviço da Elisa era garantido e valia muito a pena.

Sua vida profissional estava maravilhosa... Mas a pessoal estava desastrosa. Desde o dia do hospital que não era mais a mesma, passava maior parte do seu tempo infeliz. Quando chegava ao seu apartamento, se trancava no quarto e chorava tudo que prendia durante o dia. Não estava vivendo, estava sobrevivendo. O seu contato com a Camila era praticamente nulo. Falavam muito pouco e no whatsapp quando o assunto era apenas a Aurora. Fora isso, mais nada. Tinha visto a latina algumas vezes, mas sempre acompanhada da Keane, ela parecia muito bem, feliz e leve, bem diferente da Lauren...

Camila tinha conseguido ser feliz sem ela. Isso aumentava ainda mais a dor de Lauren que não estava tendo o mesmo sucesso que a latina. Tinha esquecido a última vez que tinha sorrido... Parecia uma rosa murcha. Ultimamente até a sua alegria era muito triste. O mundo estava tão sem graça. Sempre que deitava a cabeça no travesseiro, a sua consciência martelava. Sentia-se culpada, também sentia muito remorso por tudo. Deixou que o seu egocentrismo, e o seu egoísmo fosse mais alto que o amor. Deu um passo maior do que as pernas, e quebrou-se. Tinha perdido a batalha.

Não era mais o amor da Camila... Percebia o olhar que a latina sempre lhe lançava nos breves encontros em uma padaria, ou até mesmo em restaurante. Era um olhar de pura decepção temperado com desprezo, principalmente quando era direcionado para a sua barriga.

Ainda tinha o peso de uma gravidez em seus ombros. Sentia-se tão perdida. Era horrível á noite, sentia falta da Camila em todos os momentos. Ás vezes se pegava relembrando os momentos felizes e prazerosos que passaram juntas, era isso que aquecia o seu coração, mas a chama não ficava acessa muito tempo, pois, o seu cérebro não a deixava esquecer que se estava daquele jeito era a consequência por sua escolha.

Não estava suportando mais nem a si mesma. Não estava dormindo direito, passava maior parte da madrugada em claro, remoendo as suas mágoas. Só estava comendo direito porque Clara, Taylor e Zayn ficavam em seus pés. Estava grávida e não podia se desleixada dessa forma com o bebê.

Era estranho perceber que estava grávida... Que tinha um ser dentro de si, crescendo e se tornando forte. Quando anunciou a gravidez para a sua família, e o fim do seu casamento foi um choque, principalmente para os seus pais, mas receberam a ideia de ter um neto com muita felicidade. Mas ficaram entristecidos por ela, e Camila. Ficaram entre a alegria e tristeza, porém, a alegria de um bebê ofuscou qualquer tristeza.

Um pouco de alegria para Clara e Mike que estavam se recuperando do trauma. Foi desgastante ter que presenciar o Liam preso, e contando tudo que sabia da Lucy. Como tinham influência, o julgamento do Liam foi bem rápido. Como ajudou com a investigação, teve uma redução de dois anos de sua pena, porém, foi julgado por tentativa de assassinato. Cumpriria a sua pena na cadeia federal. Enquanto, o Liam pagava a sua dívida com a sociedade, Lucy continuava foragida. A mulher tinha sumido. Ninguém sabia dela, e muito menos ouviu falar. Era como se nunca tivesse existido. Clara percebeu muito tarde que as suas joias foram roubadas. Ficou triste, mas era um bem material, poderia ter outras. A única coisa que queria era a segurança de sua família. Tinha uma sensação de que a Lucy estava muito próxima, apenas observando e esperando para dá o bote. O Mike fez o que prometeu, contratou seguranças particulares. Isso causava um pouco de paz em Clara.

O Chris tinha se recuperado do seu pós-operatório e estava trabalhando. A sua agência de viagem estava no eixo. O seu namoro estava bem. Ao menos na vida dele, tudo estava na linha.

Taylor continuava morando com Lauren. Mas como estava cursando a faculdade de filosofia na Federal, não tinha muito tempo de estar em casa. Achava péssimo por conta da sua irmã. Estava ficando com algumas meninas, mas vez ou outra, o seu pensamento se prendia em Keane... Achava um absurdo pensar naquela mulher e sempre mudava de foco. Porém, era difícil de esquecer uma presença marcante.

Lauren não sabia do dilema de sua irmã. Estava mais presa em seu próprio dilema do que qualquer coisa. Queria sair desse poço que estava vivendo. Queria ter gosto novamente pela vida, mas parecia impossível. A cada respiração, o seu coração se rasgava mais.

Estava em seu escritório. Era uma sexta-feira, e o relógio marcava pouco mais de meio-dia. Rodava a caneta em sua mão esquerda, o seu olhar se prendeu em sua mão sem anel... Havia retirado a aliança. Mas estava a usando pendurada no pescoço com uma corrente. Usava as duas. Mas, como a corrente era longa, as alianças ficavam sempre escondidas por debaixo de suas blusas.

Queria voltar no tempo, iria fazer tudo diferente. Sentiu-se melancólica, não demorou muito para que as suas lágrimas escorressem. Buscou um lençol de papel para limpá-las. Não aguentava mais essa tristeza! Estava vivendo em um eterno luto. Escutou duas batidas na porta do seu escritório, limpou as lágrimas rapidamente e pediu para a pessoa entrar.

— Desculpe-me interrompê-la, Lauren. — A sua secretária disse. — Mas chegou uma correspondência para você.

— Obrigada. — Lauren respondeu ao pegar a correspondência.

Sua secretária saiu, deixando-a sozinha. Olhou para o envelope dourado. Parecia mais um convite. O abriu por curiosidade já que não tinha nenhum interesse de ir para nada. Fazia exatamente três meses que não saia para canto nenhum, a sua rotina era casa e trabalho. E ás vezes, a casa dos seus pais.

Leu o convite, mordeu o lábio inferior. Um misto de sensações lhe atingiu. Era um convite da Camila para o seu espaço que seria inaugurado essa noite... Finalmente a Camila iria realizar o sonho de ter a sua clínica de designer de sobrancelhas. Infelizmente, a Lauren não fez parte da construção desse sonho, mas a Keane sim... A costumeira sensação de perda latejou em seu peito. Lauren sufocou... Era surpreendente que a Camila tivesse a convidado. Iria. Qualquer segundo perto do seu amor lhe deixaria feliz. Deu um sorriso triste, a que ponto chegou!

(...)

— Não entendo porque convidou a Lauren. — Keane reclamou em bom alto tom.

Camila evitou suspirar. Não queria drama, não nesta noite. Estava no seu espaço que era lindíssimo. Tinha sido um trabalho árduo para deixá-lo daquela forma. O espaço era todo em preto e branco, um ambiente elegante e bem moderno. Foram três meses de entrega total, e também de muito estresse, mas finalmente tinha realizado o seu sonho. Conseguiu a sua própria clínica de designer. Não podia está menos orgulhosa de si.

Todo esse trabalho serviu para uma coisa: Esquecer-se de suas amarguras e camuflar a dor que latejava em seu peito. Sempre a sufocava, dizia a si mesma que não deveria mais sofrer por amor. Por tanto, estava seguindo em frente como se nada tivesse acontecido. Deixou o passado para trás, e estava vivendo o seu presente. Nem com o futuro estava preocupada. A única preocupação era sobre o seu trabalho, esperava ter boas clientes para que pudesse sustentar a sua filha.

Trabalho e Aurora era o seu foco. Evitava todo o custo pensar na Lauren... A menção do nome dela sempre lhe causava arrepios. Não arrepios ruins. Mas aqueles arrepios devoradores de alma que lhe fazia tremer dos pés à cabeça e no fundo sentir uma sensação tão prazerosa que ficava ansiando por mais. E isso era lastimável para uma pessoa que queria tanto esquecer a sua ex. No final das contas, não gostava em pensar na Lauren, porque sempre se lembrava dos bons momentos que passaram juntas, depois via o amargo da decepção ao se recordar o que se tornaram hoje.

Nesses três meses, tinha tido muito pouco contato com a Lauren. Sempre que se falavam era por causa da Aurora. Mas escutar aquela voz rouca fazia uma parte de si se derreter como manteiga na assadeira. Achava que nunca iria superar a morena. Ela sempre seria o seu grande amor, mas não iria deixar de viver por isso. Muitas pessoas viviam sem o seu grande amor, e era feliz com outras pessoas.

Foi nesse pensamento que desencadeou um relacionamento com a Keane. Estavam namorando há quase dois meses. Camila não soube muito bem quando isso começou... Ah, sabia... Foi uma tarde de chuva, estava no seu espaço ainda em reforça com uma garrafa de vinho e morrendo de carência. Aurora estava com a Lauren. E a latina estava controlando o máximo para não ir atrás da morena. O seu corpo estava em chamas, gritando por Lauren. Entre um gole e outro de vinho, a sua vontade aumentava cada vez mais. Por sorte, a Keane surgiu... E o beijo aconteceu, no minuto seguinte estava em um relacionamento sério, o que trouxe a latina para realidade. A irracionalidade foi embora deixando apenas a razão.

Desde então, Camila nunca mais bebeu vinho. Evitava o álcool porque depois do primeiro gole, tornava-se muito ansiosa pela atenção da Lauren, e isso a deixava bem aflita. Não podia ter nada com a morena. Não a tinha perdoado, e sempre que a via com aquela barriga um pouco saliente, sabia que iria demorar muito para perdoar.

Era impossível não olhar para a barriga de Lauren e não sentir aquela mágoa latente. Parecia que a gravidez gritava para si “Estou aqui e sou o fruto da traição”. Sabia que a criança não tinha culpa de nada. Não adiantava ter raiva de um ser inocente, por tanto, toda a sua frustração era direcionada para a Lauren.

A tinha visto poucas vezes, como o seu espaço ficava apenas uns metros de distância do SPA da morena, sempre esbarrava com Lauren em restaurantes, era bem difícil ficar imune à presença da morena, porém, sempre estava acompanhada da Keane e fazia um esforço descomunal para não olhar na direção da morena. Mas era impossível controlar a boca seca, o coração na boca e o frio na barriga.

Era inegável: Ainda era apaixonada por Lauren. Ainda sentia muita falta dela.

Porém, estava dando uma chance a si mesma de ser feliz novamente. Por isso que continuava embarcando no relacionamento com a Keane... Ela era uma mulher atraente, com ótimo senso de humor e lhe amava.

Keane estava completamente apaixonada por Camila... O que deixava há latina um pouco culpada. Não estava apaixonada por Keane, e também não conseguia se entregar totalmente. A prova disso era que elas não tinham feito amor ainda. Camila tentava ser sincera o máximo possível com a Keane. Não amava ela, apenas gostava. E Keane afirmava com todo otimismo que era questão de tempo para amá-la.

Será?

Faltava sempre alguma coisa. Não tinha necessidade sexual com a Keane, mesmo sendo atraente, tinha uma coisa que sempre a bloqueava quando iam chegar aos finalmente. E ela sabia o que era: A maldita fidelidade que o seu corpo tinha por Lauren.

Estava tentando se livrar disso. Não estava mais com a Lauren, e não podia ficar o tempo todo sem transar.

Era muito grata a Keane, foi uma grande amiga, e também se estava realizando o seu sonho foi por Keane ter investido em seu projeto. Custou um bom dinheiro, mas tinha valido a pena. O lugar estava lindo! Também com uma pequena parte do dinheiro, alugou uma casa e comprou um carro. A sua casa não ficava num bairro nobre, porém, era a sua casa. O seu lugarzinho. Quem não gostou muito de sua partida foi o Shawn que estava acostumado a tê-las em sua casa. Mas quando pediu moradia a ele, foi temporário. Amava o Shawn, até mesmo o Chris que não estava sendo muito o seu fã número um por conta da Lauren. Mas tinha que ter o seu lugarzinho, era de suma importância para si. Enfim... Ter convidado a Lauren para a inauguração do seu espaço foi bem contraditório até para si mesma. Mas, estava usando a desculpa que era por marketing, que seria bom para o seu espaço receber uma empresária como a Lauren.

Keane estava intercalando os seus dias entre Recife e Gravatá. Tinha semana que passava em Gravatá, outra semana em Recife. E ás vezes, finais de semanais em ambos. Não podia deixar o seu hotel-fazenda abandonado, mas também não podia deixar a Camila sozinha... No fundo, tinha medo de que a Lauren tentasse roubá-la de si, mesmo com essa mágoa profunda que a latina carregava pela morena. Keane sabia que amor era como um jogo em Las Vegas: Á qualquer momento poderia acontecer. E não queria que isso acontecesse, não com a Camila. Por isso que se sentia muito incomodada por saber que a Lauren estaria presente. Não queria ser uma namorada chata, mas tinha que cuidar do que era dela.

Voltado a olhar para Keane, a latina deu um sorriso sonso.

— Pensei no Espaço Cabello. Agora sou uma mulher de negócios, e estou aderida ao ciclo social de empresários. É importante que fortaleza esse laço para com eles. Foi por isso que convidei a Lauren.

— Mesmo? Não foi por sentir saudade da presença dela? — Keane perguntou com os olhos desconfiados. — Por querê-la mais perto?

— Não. — Camila respondeu, soando convincente. — Apenas por negócios.

Um voto de confiança. Keane deu para Camila. Não era uma mulher insegura e não iria se tornar por causa de uma mulherzinha que estava fora do pareô como a Lauren. Aproximou-se da latina, e a puxou pela cintura, dando um beijo singelo nos lábios dela.

— Tudo bem. — Keane sorriu depois do beijo, mas não deixou de abraçar a latina. — Estou muito ansiosa para a nossa comemoração particular depois de todo esse evento.

Camila passou os braços ao redor do pescoço da Keane, e ficou um pouco confusa com aquela informação. Mas depois se recordou que a sua namorada tinha planejado uma noite romântica no motel mais caro de Recife. Droga! Tinha esquecido completamente.

— Claro. — Camila fingiu empolgação. — Só esqueci-me de pedi ao Shawn para que fique com a Aurora...

— Não seria possível de qualquer forma de o Shawn ficar com a Aurora. Esqueceu-se que ele irá para Gramado com Chris? — Keane deu um selinho na latina, sorrindo com o esquecimento dela.

— É mesmo! — Camila balançou a cabeça em negativo. — Estou tão esquecida ultimamente. Foram os últimos detalhes do Espaço que me deixaram fora do ar. Se o Shawn não pode ficar com a Aurora, vai ser meio difícil de sairmos.

— Não será não. — Keane apertou a cintura da latina. — Você pode pedir a Lauren. Como ela ama demais a Aurora... — Usou um tom irônico. — Não vai se importar de ficar com ela para que a mamãe tenha um monte de diversão. — Mordeu o pescoço de Camila.

Camila se arrepiou, e mordeu o lábio inferior. Não queria pedi isso para Lauren. Não queria informar que provavelmente iria fazer sexo com a Keane. Mas diante dos olhos castanho-esverdeados tão pedintes, como iria dizer não? Não seria justo para a Keane.

— Tudo bem. — Camila forçou um sorriso e soltou-se da namorada. — Falarei com ela. Vou conferir se o estoque de champanhe está certo. Com licença... — Deu um selinho em Keane.

Camila praticamente correu para a dispensa. Retirou o seu celular do bolso e discou o número de Lauren. Caixa postal. O que significava que teria que esperar para falar pessoalmente sobre isso com a morena. Bateu sua cabeça suavemente na parede. Não sabia o que estava lhe preocupando mais: Dizer a Lauren ou ir para a cama com Keane. Não queria estragar tudo com a Keane, também não queria ser injusta com ela. Como era difícil se relacionar com mulher!  

Olhou para o nada e pensou: Vai dá tudo certo.

(...)

Mais um olhada no espelho e um pouco de dúvida. Alguma coisa não estava boa. Percebeu que eram os sapatos vermelhos. Não combina com o look. Buscou outro sapato. Ótimo. Sapatos brancos altíssimos com plataforma brilhosa. Esse sapato tinha custado o olho da cara. A parte brilhante era feita com pó de diamantes. Nunca o tinha usado, mas era belíssimo.

— Você não acha que usar salto dessa altura é perigoso? — Zayn perguntou, surgindo em seu quarto com pacote de castanha do Pará nas mãos.

Lauren olhou para a castanha do Pará, e esperou... Um minuto depois, sentiu muita vontade de comer. Então, tomou o pacote das mãos do Zayn e começou a comer.

— Já lhe disse que não surgisse em minha frente comendo nada que o bebê fica com olho grande! — Lauren retrucou depois se virou para o espelho. Olhando o seu reflexo. — Não. Sempre usei saltos.

— Sim. Mas agora você está grávida, e requer muito cuidado. Com esse salto, você poderia cair e isso seria horrendo. — Zayn informou muito preocupado.

Lauren o olhou pelo espelho. Sabia que o Zayn seria um excelente pai, mesmo sendo um pouco escroto, ás vezes. Ele estava ao seu lado o tempo todo, sempre preocupado com o bem estar do bebê. Seria o primeiro filho dele. Por isto, todo esse medo.

Ela tinha tido no início da gravidez a placenta baixa, a sua última ultrassonografia mostrava que sua placenta estava indo para o seu percurso natural. Estava um pouquinho mais alta.

— Zayn. Está tudo bem, ok? Ficaremos bem. — Lauren falou e acariciou a sua barriga inconscientemente.

Zayn balançou a cabeça em positivo. O maior medo dele era que a Lauren fosse inconsequente propositalmente para perder o bebê. Sabia que a mesma não estava muito feliz em conceber. Por isso que sempre ficava à espreita. Não sabia o que se passava na cabeça da morena.

Lauren não era boba. Sabia da maioria do medo de sua família. Eles achavam que ela se tornaria uma suicida. Não tinha nenhuma intenção de abortar, porque se quisesse, já teria feito. Quase tudo nessa vida era conseguido por dinheiro. Mas, nunca passou por sua cabeça em fazer isso. Tinha em mente que o bebê não tinha culpa. Inicialmente, ficou bastante revoltada, não podia nem tocar na barriga, mas aos poucos estava começando a aceitar. Não tinha muito que fazer, o leito foi derramado.

A única que poderia se culpar era assim mesmo. E não ao seu filho. Voltou a se olhar, estava com um vestido de estampa indiana, as mangas eram cumpridas, e o cumprimento era até as coxas, um pouco acima dos joelhos. Como os seus seios estavam maiores, ficaram volumosos no decote em V. Como acessório apenas uma pulseira, e o colar com as alianças, tomou cuidado para que ficassem perdidas entre o decote.

A maquiagem estava suave. Os seus cabelos estavam maravilhosos. A gravidez estava deixando a sua pele, os cabelos perfeitos. Até estava se achando mais bonita, a única coisa que não complementava a beleza era os olhos apagados. As bolas verdes estavam tão tristes.

— Aonde vai? — Zayn quis saber.

— Inauguração do espaço de Camila. — Lauren virou-se e buscou uma bolsa de mão. — Ela mandou um convite.

— Vai finalmente para de chorar pelos cantos e lutar pela mulher que ama? — Zayn perguntou com um meio sorriso.

— Camila não me quer. — Lauren disse entristecida. — Como posso lutar por ela dessa forma?

— Houve uma época que você também não a queria, e mesmo assim ela ficou atrás de você. — Zayn disse e se deitou na cama, abraçando os travesseiros de Lauren — Eu não gosto muito da Camila. Ela me socou em um lugar que tenho muito amor. Mas prefiro ter essa lutadora de luta livre novamente em sua vida, do que vê-la tristinha desse jeito.

Lauren sorriu para o Zayn. Sentiu vontade de chorar, mas sabia que eram os hormônios desenfreados da gravidez.

— Você fica muito fofo cuidando de mim. — Lauren disse. — Eu irei pensar nas suas palavras com carinho e tomarei uma decisão. Vou lá que não quero me atrasar e, por favor, não babe em meus travesseiros.

Ela saiu do quarto. Queria que fosse fácil assim e que a decisão só coubesse a ela. Nesses três meses quis muito correr atrás da Camila. Até sentiu uma mulher das cavernas, mas... Não tinha o direito. A latina foi bem clara e objetiva sobre tudo. Tinha um grande empecilho entre elas... O bebê. E a morena não estava disposta a abrir mão do seu filho por Camila, mesmo que a amasse com loucura. Como também não julgava a Camila por não querer ficar com ela por conta do bebê. Nesta sua história, só um lado deveria ser escolhido.

Não tinha desistido da latina. Não dava para desistir do seu grande amor, mas estava deixando a poeira abaixar. Tinha uma tática, iria ser mais sutil em seus atos. O difícil era controlar o ciúme doentio que tinha por Camila. Sabia que hoje, a otária da Keane estaria colada com a latina. Mas estava se preparando psicologicamente para isso.

Tinha que ser inteligente. Não podia estragar tudo. Sabia que quanto mais pisasse em falso, mas perdia a Camila. Pegou o presente que tinha comprado para a latina, e foi para o Espaço Cabello.

Enquanto dirigia, estava pensando como iria se comportar. Estava nervosa. Esse frio na barriga estava a matando, até as suas mãos estavam suando! Sentia-se uma adolescente indo encontrar pela primeira vez com o seu crush. Tinha que se controlar se brincasse até mesmo iria gaguejar. Pior que tanta emoção estava a fazendo sentir uma reação em seu ventre que nunca tinha sentido antes. Preocupou-se. Até parou o carro no meio fio com as setas ligadas. Respirou fundo algumas vezes até se acalmar... A sensação foi embora. Retornou a dirigir. Passou por frente do espaço, mas o estacionamento estava lotado, então, foi para o estacionamento do seu SPA e deixou o seu carro lá.

Saltou do mesmo, pegou a sua bolsa e o presente. Respirou fundo e caminhou até o Espaço Cabello. Teve a sensação de que alguém estava lhe seguindo, olhou para trás e não encontrou nada além de uma rua com pessoas indo em direção contrária. Franziu o cenho, um arrepio percorreu o seu corpo, sentiu medo. Por isso, adentrou em uma farmácia e como não quisesse nada, ficou olhando para o lado de fora. Ninguém. Aproveitou que estava na farmácia e comprou um remédio que estava precisando.

Voltou a sair, e de novo aquela sensação de perseguição. Será que estava ficando com ataque de pânico? Era só que lhe faltava! 

Apressou os seus passos até chegar ao Espaço. Cumprimentou alguns conhecidos que estavam sendo servidos com champanhe e petiscos caros. Não tinha muita gente, percebeu que os convidados foram bem selecionados. Empresários da alta classe social.

Viu o Shawn com Aurora nos braços, e o Chris ao seu lado. Caminhou até eles e cumprimentou com dois beijinhos. E roçou o nariz no nariz de Aurora que riu.

— Como está o bebê lindo do titio? — Chris perguntou com um sorriso, acariciando a barriga de Lauren.

— Está muito bem. — Lauren respondeu meio que no automático. A sua vontade foi de dá um passo para trás, não se sentia muito confortável quando as pessoas tocavam em sua barriga, por um motivo: Estava começando a gostar de todas as bajulações que uma grávida recebia e sabia que ficaria mimada ao extremo, e não queria ser uma grávida insuportável. — Uau, esse lugar é lindo. — Ela olhou em volta.

— Sim. Camila tem um excelente gosto, e Keane também não fica atrás. O trabalho em dupla deu muito certo. — Shawn comentou com um sorriso.

Lauren e Chris se entreolharam. O Shawn sempre soltava essas coisas quando estavam juntos, ele entrava em defensiva.

— A propósito, o que faz aqui, Lauren? — Shawn perguntou.

— Shawn... — Chris advertiu.

— Ah, foi a Camila que me convidou. — Lauren respondeu sem se importar com o tom do Shawn. — Sabe onde está ela?

— Ali... — Chris apontou.

Lauren virou-se e petrificou. O seu peito se encheu e o seu estômago parecia que iria transbordar pela sua boca. Cada movimento de Camila parecia lento em seus olhos. Sentiu-se emocionada...  Os seus olhos encheram-se de lágrimas, os seus sentidos mais apurados. Era como se visse a latina pela primeira vez em sua vida. Estava simplesmente linda, parecia um lindo anjo que semeava amor e paz para os meros mortais á sua volta. Ela estava cochichando alguma coisa com o garçom, mas quando viu a Lauren parou, e a encarou... Não eram apenas os olhares que estavam se encontrando, mas também as almas.

Olhos nos olhos. Bocas secas. Corações descompassados. Emoções afloradas. Respirações aceleradas. Um mix de sentimentos que deixava tudo à flor da pele.

A terra parecia que tinha parado de girar, e o tempo congelou para elas...

Não existia mais ninguém. Apenas Lauren e Camila... Foram sugadas por uma bolha de encanto. Eram encapasses de desviar o olhar. Os olhos diziam tantas coisas. Olhos era o reflexo da alma.

Com o coração batendo muito forte no peito, caminhou até a latina... Precisou de muito controle para manter as suas pernas firmes nos saltos. Estava tremendo dos pés à cabeça. Sabia que os seus olhos estavam brilhando... Ninguém precisava dizer, porque se sentia viva ao olhar para a Camila. Os seus olhos pareciam à água de um oceano claro.

O cheiro do perfume a invadiu... Camila estava deliciosamente cheirosa. Sem contar que estava muito linda com o vestido curto rodado de tecido fino, deixando as pernas á mostra. Parecia mais alta, mas era por conta dos sapatos pretos. A latina estava com os cabelos puxados para trás, metade preso, metade solto. A maquiagem ideal para a noite.

— Belíssima. — A palavra foi pronunciada na voz rouca de Lauren. Foi mais forte do que si. Tinha registrado isso em pensamento, nunca imaginou que a sua boca deixaria escapar.

A palavra feito um excelente efeito, porque recebeu o sorriso mais lindo vindo da Camila. O seu coração registrou aquele sorriso, sempre ficaria guardado dentro do seu peito...

Foi impossível controlar o sorriso. Parecia que o seu corpo tinha vontade própria. Sentiu-se envaidecida e também lisonjeada pelo elogio de Lauren. Já tinha recebido muitos elogios da morena, não entendia porque aquele em si estava a deixando tão abobalhada. O seu coração estava batendo tão forte que a qualquer momento todos que estariam na sala poderiam escutar. Por um longo momento, não se importou com isto. A única coisa que importava era olhar para Lauren... Para aqueles olhos que desvendava a sua alma.

Sentia-se nua, e também exposta. A morena tinha um poder sobre si que não conseguia entender. Ficava tão fora de si quando estava perto de Lauren. Porém, o seu olhar deslizou pelo corpo de morena... Primeiro se prendeu no decote volumoso e atrativo, depois para a barriga saliente, ficou bloqueada. Foi como um banho de água fria. Olhando para a aquela barriga que se recordou porque não estava com a Lauren. Outra coisa que também lhe chamou atenção: A aliança que não estava mais no dedo da morena.

Mais uma dose para aumentar a sua mágoa. Não deveria se sentir magoada com a Lauren. Até porque, nem ela estava usando a aliança. Mas ver a mão de Lauren sem a aliança lhe causava uma sensação de abandono. Sua ficha já tinha caído sobre o termino, porém, essas pequenas coisas ainda a pegava de surpresa.

Buscou manter o seu rosto impassível.

— Boa noite, Lauren. Obrigada por ter vindo. — Camila cumprimentou, evitando os beijinhos na bochecha de praxe. Seria uma péssima ideia se ficassem muito juntas.

Lauren percebeu a mudança de Camila, como se a bolha de encantamento fosse quebrada. Isso afetou a morena, muito. Não queria aquela formalidade vinda da latina, mas não tinha muito que fazer.

— Não poderia deixar de vir para um momento tão especial como este. — Lauren sorriu, ainda buscando os olhos da Camila. — Estou muito orgulhosa por você. Merece tudo de bom que a vida pode oferecer.

Camila forçou um sorriso, mas nada saiu. Um garçom ia passando, o parou pra pegar uma taça de champanhe, virou e devolveu a taça para o mesmo. Precisava de álcool. A sua vontade era de beber algo mais forte.

— Meio estranho isso vindo de você. “Tudo de bom que a vida pode oferecer”. — A voz de Camila saiu chateada. — Como pode me oferecer isso quando você me tirou boa parte do bom? — Me tirou você. Era a sua vontade de dizer, mas se controlou.

A intensidade dos olhos de Lauren aumentou consideravelmente. Ela não disse nada, apenas olhou para a Camila a deixando mais vulnerável. De repente, os olhos ficaram marejados.

— Camila... — Lauren engoliu á seco, e olhou em volta antes de responder. — Já fiz muitas coisas absurdas ao longo da minha vida. Mas a única que me causou muito arrependimento foi ter lhe feito sofrer e ter lhe deixado ir embora da minha vida. Se pudesse voltar no passado, faria totalmente diferente. Nunca lhe dei o devido valor, foi preciso perder para ver a importância que você tem em minha vida. Como seu amor era e sempre será tudo para mim.

— Que pena que é tarde demais. — Camila retrucou. Mas no fundo, as palavras tinha mexido muito com suas estruturas. Mas não era de palavras que tudo se resolveria, mas também em atitude.

Lauren não queria acreditar que era tarde demais. Fungou forte, e balançou a cabeça em negativa para a Camila. Não era tarde demais. Elas sabiam disso. Porém, aquele não era o lugar para conversar, mesmo que a morena sentisse uma imensa vontade de resolver tudo, uma grande parte de si, sabia que não seria fácil reconquistar a Camila. Ao longe, viu a Keane se aproximar.

— Bem... Hoje é dia de festa, de alegria, é um dia extremamente especial para você e quero que se lembre desse dia como uma doce lembrança. — Lauren disse. E estendeu o presente para a Camila. — Trouxe um bonsai para você. Traz energias positivas e também muita sorte, tenho um bom pressentimento.

O clima tenso foi aliviado.

— Oh... — Camila ficou surpresa, mas aceitou o presente. — Ela é linda. — Disse com sinceridade. — Eu amei!

— Concordo... Ela é linda. Quando a vi, o meu pensamento foi diretamente para você. — Lauren sorriu ficando contente por ter acertado em alguma coisa pra variar.

O bonsai era pequeno, o que chamava atenção eram as flores brancas. Bem melindroso. Camila ficou em dúvida onde o deixaria... Em casa ou na sua sala de estética. Como passaria maior parte do tempo no seu espaço, optou por sua sala. Pediu para que um garçom deixasse lá...

— Lauren, que surpresa agradável vê-la. — Keane surgiu com um sorriso falso, e passando o braço em cima do ombro de Camila de maneira possessiva.

Lauren acompanhou aquele gesto. Sentiu-se irritar por aquele toque. Sua vontade foi de manda-la retirar a mão da Camila, mas se controlou. Não tinha mais nenhum direito pela latina.

— Keane, igualmente. — Lauren respondeu com um sorriso mais falso ainda.

As duas se olharam. Para Lauren, a Keane estava simplória demais com aquele vestido de renda branco, ainda por cima longo. Já para a Keane, a Lauren estava parecendo uma vagabunda grávida. Mesmo com os sorrisos falsos, os olhos não eram nada amistosos.

— Querida, você já pediu para que a Lauren cuidasse da Aurora? — Keane perguntou, olhando para a latina, sua mão apertava o ombro de Camila.

Camila ficou sem graça. Iria falar isso com a Lauren em um momento mais propício. A morena olhou para a latina com atenção, e Keane deduziu que Camila não tinha falado nada.

— Eu iria falar... — Camila começou, mas foi interrompida pela Keane.

— Fale agora. Bem, eu falo... Mas tenho certeza como a Lauren ama demais a Aurora, não vai se opor, estou certa? — Keane alfinetou.

Lauren arqueou a sobrancelha esquerda. Odiava aquele tom. Odiava tudo naquela mulher!

— Claro... — Lauren respondeu.

— Você pode cuidar da Aurora, hoje á noite? Eu e Camila iremos ter uma comemoração particular e precisamos de toda a privacidade possível. Se é que me entende. — Os olhos de Keane cintilaram de maldade.

Camila olhou para a Lauren, e depois desviou o olhar. Não queria ver aquela dor nos olhos verdes. Não iria se sentir culpada por isso. Foi preciso que Lauren desviasse o olhar para o chão, sentiu o gosto muito amargo em sua boca, juntamente com um desespero mesclado com muito ciúme. Apertou as suas mãos na bolsa para evitar que o tremor fosse percebido. Quando voltou a olhar para as duas, não tinha mais nada em seus olhos.

— Sim.

— Ótimo. Você é uma excelente mãe. — Keane ironizou. — Esse bebê pode se considerar bastante sortudo.

Lauren lançou um olhar irritado para a Keane. Aquela naja estava querendo o que? Destruir mais ainda o que não tinha mais com a Camila? Ou queria concentrar toda atenção de Camila para a sua gravidez? Ela não precisava fazer isso, porque a Camila já estava concentrada demais nisso, desde que soube que Lauren estava grávida.

Camila iria abrir a boca para falar, um silêncio constrangedor parou no ar, mas foi chamada por uma entrevistadora, não podia deixar passar. Pediu com licença e foi dá a sua entrevista, mesmo um pouco receosa de deixar as duas sozinhas. De onde estava, tinha uma boa visão de ambas, mesmo que não pudesse escutá-las.

Ainda estava sob o efeito que Lauren causava nela. Por isso, buscou outra taça de champanhe. Não deveria beber, sabia que isso aumentava a sua vontade desenfreada de fazer bobagem, mas não poderia evitar. Começou a remoer o olhar que Lauren lhe lançou quando soube que sairia com a Keane para uma comemoração em particular. Por um rápido momento sentiu muita raiva de sua namorada... Raiva sem sentido. Até porque, não tinha mais nada com a Lauren, e nem devia satisfação! Hoje era o seu dia, e nada iria estragar. Não iria ficar mais perturbada com a presença de Lauren e muito menos com a atitude de Keane.

Mulheres se tornavam irracionais quando competia, isso era fato. Até que estava estranhando o fato de Lauren não ter respondido. Ser passiva não fazia parte da sua ex. Esperou que Lauren avançasse em cima da Keane, ou xingasse, mas não houve nada. É. Gravidez mudava as pessoas.

Será?

 


Notas Finais


Quem acha que a Lauren não vai fazer nada, é porque não conhece a Lauren... Hahaha.

Cheiro, cheiro, cheiro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...