História Fear - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Dean Winchester, Personagens Originais, Sam Winchester
Tags Dean, Medo, Sam, Supernatural
Visualizações 21
Palavras 1.935
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olááááá todo mundo! Venho aqui trazer mais um fic! E essa, olha só, é baseada em um sonho meu parçaaaaaaaa! Vê se eu não sou criativa?

Espero que vocês gosteeeem!

(Como a história foi baseada num sonho meu, obviamente eu estou como personagem de novo, rs. Sério, é só mais essa aqui e mais outra fic. Aí eu paro de me incluir nas história. Aaaaa)

Capítulo 1 - Strange city, and the strangest case still


Fanfic / Fanfiction Fear - Capítulo 1 - Strange city, and the strangest case still

POV Narrador

"Dean, acorda, Sam tem um caso."

Dean virou pro lado, continuando a dormir.

"Dean." Nicole continuou mexendo nele. "Dean!" DEEEEEEEEAN! LEVANTA DAÍ AGORA CARALHO! A GENTE TEM A PORRA DE UM CASO, FILHA DA PUTA!"

Dean levantou num pulo. "Se veste, nós saímos em meia hora" falou a morena saindo, do quarto.

Um tempo depois, Dean saira de seu quarto, se juntando a Sam e Nicole, na cozinha do Bunker.

"Bom dia, raio de sol. Achei que eu teria que te dar um tiro pra acordar." Falou a moça.

Sam riu. Ele pegou seu notebook e mostrou a Dean. "5 mortes, sem nenhuma conexão aparente-"

"Sem contar o modo estranho que morreram." Interrompeu, Nicole.

"Sim. A primeira vítima, Charles Harper, 35 anos, professor particular, foi morto por um enxame de abelhas. A segunda vítima, Laura Johnson, 20 anos, estudante de medicina, morta por um... er... palhaço. A terceira, Richard Moon, dentista, morto por um celular que explodiu, e os outros dois ainda não foram divulgados." Sam terminou.

"Uau. Acho que temos um caso." Dean falou, se levantando. "Bem, vamos lá."

"As mochilas já estão na Baby." A morena falou. Ela pegou a mão de Dean e eles foram para a garagem, junto de Sam.

"Ohio, lá vamos nós." Dean deu partida, e eles saíram da garagem.

Depois de uma longa viagem, finalmente os 3 chegaram a cidade. Eles deram entrada no motel, e decidiram que iriam visitar o necrotério no dia seguinte.

POV Dean

Sammy foi para o quarto dele, pesquisar alguma conexão entre as vítimas, Nicole ficou na cama e eu fui tomar banho. Sam tem bom senso, um casal precisa de um quarto para si, não é mesmo?

Depois que tomei banho, fui ao quarto e não encontrei ninguém. Olhei na mesa de cabeceira e vi um bilhete, escrito:

'Saí. Volto já. -N'

Sentei na poltrona e fiquei esperando a senhorita. Afinal, que caralho que ela foi fazer?

Uns 15 minutos depois, ela abre a porta do quarto com umas sacolas com comida e cervejas.

"Saiu e nem falou onde ia, fiquei preocupado."

"Caraio, velho, nem parece que eu tenho 37 anos, fui no inferno e voltei, sou caçadora, impedi uns fim do mundo e-" Minha morena falou, do jeito dramático dela. Se Nicole não fosse caçadora, deveria ser atriz.

"Ok, ok já entendi." Falei, selando nossos lábios, em seguida. "Mas, foi tudo bem?"

"Sim, fui a delegacia falar com a delegada, e os casos já estão encerrados, menos o do palhaço assassino, e todas as 5 vítimas tem um P embaixo da orelha, e todos foram mortos de forma estranha pra caralho. Ah... e enquanto eu estava dirigindo, sei lá, eu senti que estava sendo seguida, ou algo do tipo." Ela respondeu.

"Seguida como?" Perguntei, preocupado.

"Ah... senti que alguém estava me olhando, e... bem, digamos que eu senti um desesepero irracional. Mas, passou." Nicole disse.

Eu não tive muita reação, nem sabia muito o que dizer, poderia ser o que nós estavamos caçando, mas eu nem disse isso para ela. Apenas a abracei, sei que ela ama abraços.

"Estou atrapalhando algo?" Falou meu 'maravilhoso' irmão, entrando no quarto e interrompendo nosso momento.

"Oia que eu te quebro no pau." Minha dama respondeu, antes que eu pudesse dizer um A. Essa é a minha garota! 

Depois disso, nós 3 jantamos e ficamos discutindo as teorias (ou melhor, bebemos, mas isso não vêm ao caso).

"Saaaaaaaaaam, cê tá com medo?" Pergunta ela, já meio 'alegrinha'.

"Como assim?" Ele falou entre risadas.

"Palhaços, Sam. Eles estão por toda a parte." Ela disse, fazendo uma voz 'assustadora'. "Eles vão vir te pegar. Mas, não se preocupe, eu irei te proteger." Ela falou, abraçando-o logo em seguida. "Quem precisa de músculos quando se tem a minha esperteza?" Ela deu uma gargalhada. "Não se esqueça que eu tenho medo é de outra coisa." Sam riu junto dela.

Admito, eu estava com muito ciúme dela e do Sam. Foi tão estranho, eu nunca tinha sentido isso quando ela estava perto do meu irmão. Deus, essa cidade está mexendo comigo. 

"Deeean! Eu acho que tô com sono." Minha morena falou, manhosa, olhando pra mim. Ela estava sentada na cama com Sam, e eu estava na poltrona.

"Vamos lá, babe." Levantei ela da cama do meu irmão, e a levei para o nosso quarto. "Vou falar uma coisa com o Sam e já volto, ok?" Disse, dando um beijo em sua testa. Eu saí do quarto e voltei para o do Sam, que era ao lado.

"Geralmente é ela que te põem na cama." Falou ele, rindo.

"Cale a boca, Sammy. Ela também te coloca na cama" Ele riu mais.

"O que você acha sobre ela achar que estava sendo seguida?" Perguntou Sam, já mais sério.

"Eu não sei. Quero dizer, eu acho que tem haver com o que estamos caçando, mas eu não disse isso à ela." Respondi.

"Dean, você acha...?" Sam começou.

"Sam. Não. Não comece."

"É só um palpite, não estou dizendo que vai acontecer, mas acho que devíamos ficar de olho nela, pelo menos enquanto não resolvemos esse caso." Ele falou.

Suspirei, meu irmão estava certo.

"Ok... vou ir lá para o quarto então." Disse, indo à porta. "Ah." Virei. "Cuidado com os palhaços." Eu dei risada, e meu irmão jogou um travesseiro em mim.

Cheguei em meu quarto, e minha namorada estava dormindo calmamente. Parei para observá-la. Nem parece que come mais que 2 pessoas, distribui patadas para qualquer um, nem parece que ela enfia a faca em qualquer um que pise na bola com ela. Tão bruta, mas ao mesmo tempo tão fofa. Como decifrar minha pequena leoa?

Me deitei ao lado dela, e adormeci.

POV Narrador

 Amanheceu, e os 3 colocaram os ternos e foram tomar café, em uma lanchonete qualquer.

"Ok. Passeio pelo necrotério, uhuu." Sam falou, rindo um pouco.

"Por que ir no parque de diversões se nós podemos ir no necrotério, não é?" Dean completou.

"Vocês dois..." Falou Nicole, levando a mão á testa. 

"Eu sei que você me ama." Falou, Sam.

"Viadagem do caralho." Falou ela rindo.

Depois que tomaram café, os caçadores adentraram na sala de necropsia.

"Bom dia, Dra. eu sou a agente Taylor, esse são os agentes Parker e Phillips. Podemos dar uma olhada nos corpos?" Nicole falou, a doutora assentiu e saiu da sala, deixando os 3 sozinhos.

"Sempre tão sutil." Dean debochou, Nicole mostrou o dedo do meio.

"Ok, 5 corpos então. Belo começo de dia." Sam falou, colocando uma luva.

Depois, eles voltaram á lanchonete.

"O estranho, é que todos os corpos têm um P perto da orelha. E todos morreram de formas tão estranhas!" Nicole exclamou.

"Parece que a coisa gosta de assinar, nós só precisamos saber quem é, ou melhor, o que é." Dean falou.

"Ok. Vamos falar com as famílias agora?" Sam falou. Os dois concordaram. "E é agora que o desafio realmente começa."

Ao chegarem na casa da primeira vítima, Charles Harper, os 'oficiais' entraram na casa da mãe do professor. (N/A: a casa é a foto lá em cima :) )

"Sra. Harper? Agentes florestais. Nós sentimos muito a sua perda. Se não for um incômodo, nós podemos fazer algumas perguntas?" Sam falou.

"Obrigada. Podem fazer sim. Sentem-se." Falou a mãe, mostrando o sofá para eles sentarem.

"Senhora, seu filho falou de algumas coisas estranhas?" Dean perguntou.

"Bem, meu filho me contou, um dia antes de... de acontecer, que as abelhas o estavam perseguindo. Desde pequeno, meu Charlie tinha muito medo de abelhas, ele se apavorava, e um dia antes meu filho veio correndo para a minha casa, e depois meu bebê... meu bebê foi morto por um bando de abelhas!" A mulher desabou a chorar. Nicole, que estava perto da senhora abraçou-a.

 Pouco tempo depois, os 3 se juntaram no canto da sala, enquanto a mulher fora atender uma ligação.

"Caralho, será que é só eu que tô achando essa porra muito estranha?" Nicole perguntou.

"Também estou achando isso muito estranho, abelhas? Quais são as chances de atacarem um homem como o Charles? E ainda tem aquele estranho P embaixo das orelhas das vítimas." Sam coçou a cabeça.

O telefone de Nicole começou a tocar, ela atendeu.

"Meninos, a delegada me chamou para ir lá na delegacia. É sobre o que eu fui falar com ela ontem." Ela falou, depois de desligar a ligação.

"Quer que um de nós vá com você?" Sam perguntou.

"Sammy, eu continuo sendo mais velha que você, mesmo sendo 1 ano de diferença." Ela respondeu.

"E você continua sendo menor que eu e o Dean." Ele retrucou. 


  "Pegou pesado." Ela falou, fingindo indignação. 

"Tome cuidado." Dean falou.

Ela se despediu dos Winchester e da Sra. Harper, e saiu da casa. Nicole havia pego a chave da Baby, pois, a casa da próxima vítima era na esquina. Ela pegou as chave e começou a abrir a porta, quando ela ia entrar, um homem, de barba e cabelos longos com roupas velhas e sujas, pegou-a por trás. 


O desconhecido pegou uma linha de pipa e começou a enforcar a moça. Ela se debateu, mas o homem não parava. Ela arranhou-o, mas o homem não parava. Então ela gritou.

"Nicole?!" Sam veio correndo ao encontro da garota.

"Saia de perto dela!" Dean ordenou.

O homem deu um sorriso diabólico e apertou mais forte, ela já estava começando a perder os sentidos. E quanto mais ele apertava, mais cortes iam se fazendo no pescoço dela.

O irmão mais velho apontou a arma para o homem, mas ele usou-a como escudo humano.

Sam deu a volta, e golpeou o outro por trás. Dean viu a brecha e atirou. Nicole caiu no chão, junto do homem, fraca, sem nem conseguir respirar direito. Sam se adiantou e agachou no chão, ao lado dela, levantou a garota, e a segurou, meio que abraçando ela.

Os vizinhos haviam chamado a polícia, que já estava no local.

"O que merda aconteceu aqui?!" Perguntou o policial. "Foi você? É melhor se explicar agora!" Falou, se referindo a Dean.

"Woah, FBI. Agente Parker, esse é o agente Phillips, e essa é a agente Taylor." Ele mostrou o distintivo. "Estavamos conversando com a família da vítima, o caso que minha parceira conversou mais cedo com a delegada, e a agente Taylor havia deixado a casa da Sra. Harper antes de nós, e ela foi surpreendida por esse homem, que atacou-a com uma linha de pipa."

"Meu Deus, onde o mundo vai parar?" Perguntou o policial. "Ok, a ambulância está a caminho."

"Desculpe, senhor. Mas acho que ela está muito traumatizada para ir numa ambulância com gente desconhecida. Seria melhor nós levarmos ela a um hospital de uma amiga nossa, que tem uma equipe de psicólogos." Sam explicou ao policial. Nicole, estava agarrada a Sam, não soltava-o, eles ainda no chão.

"Ó Céus, vocês federais. Vão, andem logo." O policial deu meia volta.

"Você está bem?" Dean falou, se agachando na frente de Nicole e Sam. Ela não respondeu, estava com uma expressão assustada.

"Hey, já passou, não precisa ter mais medo, nós estamos aqui agora." Depois que Sam disse isso, Nicole o abraçou, e ele retribuiu. Os irmãos e ela se levantaram, Dean a colocou no banco de trás do Impala e, antes de entrarem, os meninos ficaram para fora, conversando.

"O que foi isso?" Dean perguntou.

"Eu não sei, mas Nicole está muito abalada, isso realmente mexeu com ela. Nós precisamos esperar até o cara ir para o hospital. Vamos interrogá-lo."

"Sammy, algo está acontecendo. Não podemos negar que aquilo foi uma tentativa de assassinato, muito estranha."

"Você tem razão." Sam respondeu, mexendo no cabelo. 


Notas Finais


Chuck do Céu, quem porra é essa pessoa? E esse P? Por que Dean está com ciúme? Linha de pipa?????

Essas perguntas irão ser todas respondida no próximo capítulo (que sai talvez hoje ou terça)!

Espero que vocês tenham gostado! E se preparem: Imagines de SPN estão vindo!

Um beijo da Loka e...
FUI!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...