História Fearless - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Red Velvet
Personagens Irene, Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Seulgi, Yeri
Tags Atlantys Fanfics, Bangtan Boys, Bts, Crossover, Jimin, Love, Park Jimin, Red Velvet, Reveluv, Romance, Seulgi, Seulmin
Visualizações 454
Palavras 6.278
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, amores! Como vocês estão? Espero que estejam bem depois dos tiros com a intro do Jinzão que saiu hoje! Eu simplesmente fiquei impactadíssima! ^.^
Espero que gostem do capítulo! E espero que façam uma boa leitura!
Deixem comentários ao final! É de graça e não dói nada! ♥

Capítulo 13 - So far apart


Fanfic / Fanfiction Fearless - Capítulo 13 - So far apart

       Chegando para mais um dia de aula, eu passei pela catraca enquanto carreguei minha bolsa com meus pertences no ombro e sendo assim, me dirigi até o local onde eu sempre encontrava Jimin arrumando suas coisas ou mesmo nadando sozinho enquanto me esperava.

      Ao chegar, notei que ele não estava. Olhei para todos os lugares e olhei as horas em meu celular, porém notei que ele tinha se atrasado. Para não nos atrasarmos mais, eu fui logo me trocar e fiz isso o quanto antes para logo estar pronta.

      Voltei até lá e nada de Jimin. Achei estranho, porque de fato ele nunca se atrasava tanto assim. Mas, se isso tinha acontecido eu sabia que haveria um bom motivo. E para não perder mais tempo ainda, fui para piscina e fiquei a treinar os métodos de respiração enquanto nadei aos poucos e já cheia de confiança.

      Jimin apareceu depois disso. Chegou apressado novamente usando seu boné vermelho amassando as madeixas loiras e com uma mochila nas costas. Passou perto da borda da piscina enquanto eu estava longe a nadar e sendo assim, ele logo foi se aprontar.

      – O que está fazendo aí? – Perguntou ao aparecer.

      – Estou assistindo TV, não está vendo? – Fiz piadas.

      – Nossa, mas que respondona!

      – E onde você se meteu, posso saber? Está muito atrasado!

      – Você não vai acreditar se eu contar. – Disse ele.

      – Mas conta mesmo assim. – Sorri.

      – Hoje passei por uma situação igual àquela de quando eu não consegui salvar um cachorrinho, você se lembra?

      – Sim. – Assenti.

      – Porém dessa vez eu consegui salvar o filhote. – Sorriu. – E me atrasei, pois o levei ao veterinário depois de tudo.

      – Sério? – Abri um sorrisão.

      – Dessa vez sim! E fiquei muito feliz por isso! Deixei meu número na clínica e assim que ele ficar bem, irei buscá-lo e pretendo adotá-lo!

      – Ai, mas que coisa linda! Saiba que eu apoio muito sua ideia!

      – Ele é branco e tem uma manchinha preta no olho esquerdo. – Sorriu. – O nome dele eu já decidi, e se chamará Jack!

      – Ora, mas por que Jack?

      – Jack Sparrow.

      – E o que isso tem a ver? – O fitei.

      – Ele tem uma mancha no rosto e isso o faz parecer um pirata. – Riu.

      – Nossa, mas quantas referências! – Dei risadas. – Quero conhecê-lo em breve, está bem?

      – Quando eu for buscá-lo, poderá ir comigo! – Sorriu e eu concordei.

      – Faço questão! – Sorri de volta pra ele.

      – Mas, enquanto isso você pode ir saindo dessa piscina! Hoje faremos algo diferente!

      – Algo diferente? Tipo sair pra comer alguma coisa ao invés de nadar?

      – Engraçadinha! – Deu risadas.

      – O que faremos?

      – Vamos para a piscina maior e mais funda! E eu não quero ouvir nenhuma reclamação! Já passou da hora de você começar a praticar de verdade!

      – Ui, ele está nervoso! – Dei risadas.

      – Quero aproveitar o tempo! Já me atrasei muito e hoje temos muito o que fazer por aqui! Vamos indo! – Me estendeu a mão.

      – Se eu pegar na tua mão, vou te puxar aqui pra dentro! – Falei.

      – Ora, mas que engraçadinha você está hoje! – Debochou.

      – Tudo bem, tudo bem! Eu já estou indo, seu sem graça! – Falei.

      Jimin foi indo na frente enquanto eu fui acompanhando-o até a outra piscina. Demos bons passos até lá e depois disso, paramos perto da escadinha do lado direito. Não fiz nada até que ele me indicasse o que fazer e isso não demorou a acontecer.

      – Acha que consegue fazer isso sozinha?

      – Sim, eu já me sinto muito melhor em relação ao que me atormentava nessa piscina mais funda.

      – Posso ficar do lado de fora? Ou quer que eu fique do lado de dentro caso precise fazer algo?

      – Fique do lado de dentro. – Falei. – Eu sei que vou ir bem, mas caso eu precise é bom que você esteja perto.

      – Certo, eu vou entrar primeiro! – Disse ele, indo pra água.

      – Nossa, mas essa é muito maior do que a outra! – A fitei.

      – Conseguindo se dar bem nessa aqui, você vai se dar bem em qualquer piscina quando já estiver nadando melhor!

      – Na parte do nado eu realmente estou indo bem, ao menos é o que eu acho. – Falei.

      – Sim, você está. – Ele assentiu. – Já está indo muito bem e sendo assim o que falta é você resolver seu problema com a profundidade mesmo estando numa piscina.

      – Treinei isso na terapia, acho que agora tudo dará certo e sendo assim você se surpreenderá! – Falei.

      – É, eu espero que sim! Vai ser ótimo! – Sorriu.

      – Posso ir?

      – Vem! – Ele chamou.

      Nesse momento, fui até os degraus e aos pouco eu fui descendo-os para não escorregar. Fui até o último, segurei-me na borda e logo desgarrei da escadinha. Fiz força pra ir pra baixo e senti que meus pés sequer chegaram perto do chão – mas isso, não me apavorou.

      Fiquei ali mantendo a tranquilidade até que Jimin se aproximou. Segurei em suas mãos depois que ele as estendeu pra mim e sendo assim, fui levada até o meio da piscina – que era tão grande e que sempre me pareceu muito assustadora.

      Ali no meio, ele segurou-me apenas por uma mão só e sendo assim eu fiquei mais solta do que antes. Mexi os pés lentamente para me manter na superfície e foi assim que eu fui me acostumando a boiar e não acabar afundando e me afogando.

      – Vou te soltar.

      – Vai ficar perto?

      – Vou me afastar.

      – Jimin, mas se...

      – Não disse que me surpreenderia?

      – É o que eu pretendo, porém não sei se consigo.

      – Se esforce! – Me soltou.

      Nesse momento, me senti pressionada. Eu sabia que isso me obrigaria a dar o meu melhor, mas sendo assim quando eu menos esperava, fiquei totalmente surpreendida. A mão de Jimin escorreu dentre a minha e ele foi se afastando aos poucos enquanto me deixou exatamente no meio da piscina.

      Fiquei ali movendo os pés e as mãos enquanto não afundei e não me afoguei. Fiquei sorridente ao fazer isso sem ter os pés no chão e sendo assim, Jimin já começou a surpreender-se. Sorriu de volta e logo depois ele me pediu que eu fosse nadando até a borda mais próxima.

      E para mostrar a ele que eu realmente poderia surpreender...

      Eu comecei a nadar.

      Virei-me de frente a borda mais próxima – que era a oposta de onde ele estava – e sendo assim, eu me direcionei até lá. Bati os pés enquanto que com as mãos eu fui dando braçadas leves e lentas, demorou um pouco, mas por fim eu cheguei e logo me apoiei na borda.

      – Uau! – Ele bateu palmas.

      – Eu mal posso acreditar nisso! – Falei feliz.

      – De primeira! – Ele sorriu.

      – Eu realmente estou conseguindo! Puxa vida!

      – E será que consegue fazer isso novamente? De onde está até onde eu estou?

      – É muito longe!

      – Use os métodos de respiração. – Me fitou. – E não dê braçadas muito fortes, sendo assim pode se cansar e ter que parar.

      – Eu vou tentar, mas não garanto!

      – Você sabe que vai conseguir, mas mesmo assim duvida de si mesma.

      – Ora, mas eu não faço isso!

      – Não fique sabotando-a! Apenas faça e depois diga se consegue ou não! Vamos lá! Estou esperando! – Estendeu a mão.

      – Eu não...

      – Você consegue sim! – Falou firme. – Eu sei que consegue!

      – Tudo bem! Eu vou tentar! – Me encorajei.

      Respirei fundo, me acalmei por dentro e assim que fiquei na direção de Jimin – porém na margem oposta – eu resolvi mergulhar. Peguei impulso com os pés na borda e sendo assim, eu comecei a fazer tudo aquilo sem parar. Compassei minha respiração, não parei de mover os braços e as pernas e foi ao fazer isso que eu tive lembranças enquanto nadei – porém essas, foram boas.

      Enquanto eu estava ali a me esforçar, tive lembranças de quando eu nadava no mar sem problemas. Eu não sabia as técnicas como eu sabia agora, mas mesmo assim eu me jogava e conseguia ser embalada pelas ondas. Eu adorava fazer tal coisa e ao fazer aquilo na piscina, lembrei dos velhos tempos.

      Mas, mesmo me lembrando de tudo, eu não quis deixar aquilo me atrapalhar. Com as lembranças em mente eu simplesmente foquei em minhas braçadas e comecei a me sentir cansada. A piscina era longa e eu falei que talvez não conseguia fazer tudo sem parar.

      Pensei em parar e pensei em descansar um pouco. Era exigir muito de mim mesma na hora de fazer tudo aquilo pela primeira vez, era muita coisa. Porém, eu lembrei das palavras de Jimin e isso me fez seguir adiante – mesmo quase com câimbra. Ele disse que eu conseguiria, e eu queria fazer jus as suas palavras.

      Me esforcei mais ainda e me perguntei mentalmente quando eu chegaria até o lugar marcado. Eu já sentia meus braços doendo, até que finalmente eu encostei em algo que resolvi me agarrar. Senti as mãos de Jimin segurando-me pelos braços e sendo assim, eu parei e voltei à superfície.

      – Está vendo aí? Você conseguiu! – Ouvi ele dizer enquanto eu ainda me via ofegante e cansada com aquilo tudo.

      – Consegui? – Abri os olhos.

      – Veja você mesma! – Ele sorriu.

      – Ai, meu Deus! – Me agarrei com ele. – Puxa vida, eu consegui! Eu consegui mais uma vez!

      – Parece que em pouco tempo, tem alguém que não vai mais precisar ter aulas para aprender a nadar, não é mesmo? – Riu.

      – Puxa vida! Eu não consigo nem acreditar nisso! – Falei animada.

      – Meus parabéns, peixinho! Você foi ótima!

      – Obrigada! – O fitei de perto enquanto estive agarrada em seu pescoço.

      – Não fique tão perto... – Riu ao olhar para meus lábios.

      – E por que não? – Me aproximei.

      – Não que eu não queira, mas é que estamos em meu local de trabalho. – Riu corado. – E problemas é algo que eu não quero ter.

      – Fazer o que, não é? – Sorri e me afastei um pouco.

      – Vai estar livre hoje à noite? Ou melhor, tem algo a fazer quando sair daqui ao final das aulas?

      – Minha mãe me busca hoje, preciso ir pra casa no horário certo.

      – Então terei que ir comer frango frito sozinho. – Riu.

      – Aproveite por mim. – Sorri.

      – E então? Quer treinar as braçadas novamente? Vou indo ao seu lado dessa vez para lhe auxiliar!

      – Vamos competir? – Sorri animada.

      – Ainda não, não quero que se precipite ou que queira fazer tudo correndo! Vamos com calma até ter mais prática!

      – Tudo bem, Sr. Park! Como o senhor quiser! – Lhe enviei uma piscadela.

      Ao fazer isso, me preparei novamente para voltar a nadar. Depois da primeira vez, mesmo falhando um pouco na respiração, eu continuei e consegui. Mas por agora, eu queria chegar a ser perfeita. Não ia errar nem parar, eu queria sempre prosseguir.

      Peguei impulso e senti que Jimin foi me acompanhando. Ele sempre observava para ver se eu fazia algo errado, sendo assim ele me corrigia novamente. Foi indo ao meu lado por toda aquela distancia e quando chegamos à outra borda, recebi elogios ao invés de corretivos.

      Fiquei mais animada ainda, é claro. Isso me encheu de confiança e antes de descansar e antes que Jimin me perguntasse sobre ir novamente, eu já pedi para ir de novo. Fiquei totalmente feliz por estar conseguindo nadar finalmente depois de uns meses e isso me deixou realizada.

      E foi antes de finalizar a aula, que Jimin e eu competimos. Eu ganhei, mas vi que ele deixou isso acontecer. Porém, eu não liguei por ter sido uma grande marmelada. Eu estava feliz e isso não iria tirar minha alegria. Lhe abracei novamente ao final e outra vez recebi elogios por estar nadando muito bem – e sem medo da piscina.

      – Queria perguntar uma coisa. – Disse ele, enquanto enrolou-se em sua toalha quando saímos da piscina.

      – O quê?

      – Aquele abusado te ligou como disse que faria?

      – Que abusado?

      – Aquele do shopping. – Disse ele.

      – Sim, ele ligou. – Menti para ver sua reação.

      – Ora, mas que ousadia! Não posso acreditar nisso!

      – Ligou logo depois daquele dia.

      – E o que ele te disse? – Cruzou os braços.

      – Disse que me achou linda ao me ver por lá. – Falei me segurando para não dar risadas. – Faz um tempo que não nos vemos e isso o fez me achar muito mudada.

      – Oh, mas era só o que faltava! Ele ficou te paquerando?

      – Pior que sim. – Falei.

      – E não falou nada para impedir que isso continue?

      – Ele sequer me deixou falar quando me cobriu de elogios. – Falei.

      – Ele é um abusado! Um atirado! Por favor, não de confiança a ele!

      – Ora, e você vai ficar assim de novo?

      – Pensei que gostasse de mim como disse. – Ficou emburrado.

      – E gosto. – Falei. – Isso não é suficiente?

      – Mesmo assim, não me agrada que fique outro assim tão próximo de você! Será que ele não percebe que é inconveniente?

      – Vai criar caso de novo? – O fitei.

      – Ora, eu não tenho como não ter ciúmes! Ele é muito abusado estando contigo! Já pensou se ele te agarrar um dia?

      – É, eu sei que está com ciúmes. – Falei sorrindo. – E isso é uma gracinha de se ver!

      – Não ria! É sério!

      – Ele não me ligou, Jimin! – O fitei. – Eu estou brincando contigo!

      – Eu só não te jogo na piscina agora, porque está com o celular na mão! – Zangou-se. – Isso não se faz, sabia?

      – Você é um amor quando está enciumado. – Falei.

      – Vamos ver se vai gostar quando o mesmo acontecer contigo.

      – Não tenho ciúmes de você.

      – Vamos ver até quando! – Disse ele.  

      – Ui, mas que medo! – Falei, e nesse momento meu celular tocou.

     Minha mãe chegou e já estava me apressando por estar parada na porta do centro poliesportivo. Falou comigo brevemente e logo eu tive que me apressar. Se estivesse sozinha, já teria ido embora. Mas eu estava ali com Jimin – que estava chateado e com os braços cruzados. E isso, me fez demorar.

      – Já vou indo!

      – Vá! Vá encontrar seu amigo! – Falou sem me olhar.

      – Talvez eu vá mesmo e sabe por quê?

      – Porque quer me deixar com ciúmes.

      – Porque você disse que me beijaria caso ele aparecesse outra vez e isso é bem o que eu quero. – Falei.

      – Legal! – Não me olhou.

      – Me da um abraço! Eu já vou!

      – Vá pedir ao seu amigo! – Falou.

      E foi nesse momento que eu o abracei a força. Sorridente, eu fui com os braços abertos até ele e sendo assim, ele não resistiu. O abracei com toalha e tudo e ele logo em correspondeu. Foi carinhoso e deixou todo o ciúme de lado naquele instante.

      – Até logo, bobinho! – Falei ao dar um beijo em seu rosto.

      – Até logo, bobona! – Disse ele, me mostrando um sorriso tímido.

      – Te ligo mais tarde! – Falei e ele assentiu.

      Após isso, acenei pra ele enquanto ele não resistiu por fazer o mesmo. Arrumei minha bolsa em meu ombro e logo fui para o lado de fora. Encontrei minha mãe junto ao meu irmão e sendo assim, fomos para casa após nossas atividades.

      Depois de um belo banho ao chegar em casa, fui descansar depois de tanto esforço. Já na parte da noite eu ajudei Hyunseok com o dever de casa enquanto minha mãe fez o jantar e ao final de tudo, nos sentamos à mesa e contamos como foi o nosso dia. Porém, a conversa não acabou ali.

      Já no quarto, revisando meus textos antes de dormir, ouvi alguém batendo na porta do meu quarto. Logo imaginei que era minha mãe – já que naquele horário, Hyunseok já estaria dormindo. Disse que poderia entrar, e foi logo ao me cumprimentar que ela iniciou o assunto que pretendia.

      Sentada na beirada de minha cama, ela começou a falar sobre uma novidade. Relembrou-me da sua luta contra tudo que ela tinha no que se referia aos problemas emocionais e psicológicos. Falou o quanto já tinha se esforçado e falou do tempo que ela estava sempre fazendo a mesma coisa sem parar.

      Foi aí que ela disse que pensou em fazer algo novo. Pensou que isso a faria espairecer um pouco, pensou que isso a ajudaria muito e foi aí que ela acabou comentando sobre essa ideia com minha avó – sua mãe.

      Ela concordou com tudo e a apoiou. Disse que se pudesse ajudá-la, faria com o maior prazer e foi ai que minha mãe aproveitou. Minha mãe falou que gostaria de uns momentos relaxantes, gostaria de calmaria de ver coisas novas. Falou sobre um Spa mais ao sul da província, perto das montanhas – e foi aí que minha avó concordou.

      Dinheiro para as despesas minha mãe não tinha e isso minha avó sabia. Mas se ela poderia ajudar e fazer sua filha ficar bem, ela acabou aceitando fazer tudo por ela. Disse que minha mãe poderia correr atrás da reserva para alguns dias e isso, já estava feito.

      Ela iria na quinta feira – e voltaria no sábado.

      Fiquei muito alegre e a parabenizei pela oportunidade. A abracei e falei que isso a faria se sentir muito mais animada com tudo – principalmente com o tratamento. Iria relaxar, iria se cuidar e ia descansar muito daquela rotina tão atribulada.

      Ela disse que sabia que poderia contar comigo. Ficou sorridente e me contou suas expectativas. Disse que tudo estava certo, e foi aí que ela tocou em um ponto: como ficaríamos, Hyunseok e eu?

      Sugeri que fossemos ficar com meu pai por esses dias e ela aceitou. Prometeu que iria entrar em contato o quanto antes e se tudo desse certo, iríamos para a casa dele já na quinta feira. Falei que ficaríamos bem com ele e que ela poderia aproveitar seu momento relax.

      E foi com um belo sorriso animado de minha mãe que a conversa acabou. Ela disse que só contaria a Hyunseok quando tudo estivesse confirmado, e disse que ligaria para o nosso pai em breve. Desejou-me boa noite e depois de ter se alegrado muito, ela foi dormir.

Quinta feira

      Meu pai buscaria a mim e ao meu irmão logo após o horário de almoço. Minha mãe pegaria um taxi logo depois disso para ir ao Spa onde passaria algo perto de três dias e sendo assim, meu irmão e eu tivemos que arrumar tudo o quanto antes.

      Hyunseok não iria para as suas atividades da tarde naquele dia – e eu também não encontraria Jimin no centro esportivo naquela quinta como de costume. Já estaríamos na casa do nosso pai naquele momento, então foi aí que eu tive uma ideia.

      Eu não queria deixar de ver Jimin. Aquele era um de nossos dias marcados para nos encontrar e conversar um pouco, então eu não quis abrir mão. Arrumei minhas coisas o quanto antes e ainda pela manhã, eu resolvi ir até a praia para me despedir dele – por mais que fosse só por alguns dias. Dei esse como o motivo real quando falei sobre a ida até lá com minha mãe e ela aceitou – porém não sei se acreditou.

      Já arrumada para esperar meu pai, eu fui até lá perto da hora do almoço. Fui me aproximando e assim que atravessei a rua e cheguei ao banco de areia, confesso que voltei a me sentir em casa aos poucos. Todo o meu trauma estava indo embora lentamente e depois de muito tempo de tratamento e algumas aulas, eu já estava vencendo-o.

      Eu ainda não tinha voltado a me molhar nas águas do mar, porém não tinha mais receios de me aproximar dele. Olhar pra ele e admirar já não era mais um problema. E sendo assim, aos poucos eu fui me arriscando mais para poder ter mais confiança.

      O primeiro passo foi voltar a olhá-lo pela janela do meu quarto. Após isso, voltei a dar passeios pela orla. Alguns dias até andei pela areia e isso foi de extrema tranquilidade pra mim. Repeti isso outras vezes e sendo assim, e já me sentia a vontade – não completamente, porém esse dia ainda chegaria.

      Então, sendo assim já não teria mais problemas caso eu me aproximasse. Era cedo para ir até as águas e mergulhar, mas ir apenas para admirar era algo que eu já não estava mais me privando.

      Caminhando aos poucos, eu fui andando pela areia enquanto meu cabelo foi bagunçado pelo vento forte misturado com a maresia. Fui ficando sorridente aos poucos quando comecei a chegar perto e assim que me vi de frente ao local, olhei pra dentro e pensei em fazer uma surpresa.

      – Está perdida? – Vi Jungkook aparecer, usando sua sunga, boné e a blusa do corpo de bombeiros.

     – Dessa vez não. – Falei. – Vim falar com Jimin enquanto ainda tenho tempo, ele está? Sabe dizer?

      – Está na água! – Ouvi a voz de Taehyung.

      – Acho que ela perguntou pra mim. – Jungkook deu de ombros quando Taehyung apareceu.

      – Ai, para de ser chato! – Taehyung o fitou.

      – Está na água fazendo algum salvamento ou algo assim? – Me preocupei.

      – É que ele chegou faz pouco tempo e antes de começar o trabalho costumamos dar um mergulho. – Taehyung explicou.

      – É, mas ele já está vindo. – Disse Jungkook.

      – Já? – Perguntei.

      – Olha pra trás. – Disse ele, levantando o queixo na direção que ia a sua frente.

      Nesse momento, eu me virei para onde ele apontou e sendo assim, vi Jimin se aproximando. Vi enquanto ele passou a mão por seu cabelo para tirá-lo de sua testa, jogando-o completamente para trás. Passou a mão pelo rosto, arrumou a sunga e mais uma vez eu vi sua tatuagem tão bonita.

      Sorri ao vê-lo de um jeito como se fosse câmera lenta.  Ele veio andando aos poucos enquanto que ao dar passos, seus músculos das pernas ficavam marcados. E posso dizer mais uma vez e com toda certeza...

      Que gato!

      Ao me ver, sorriu envergonhado. Sacudiu a cabeça mais uma vez para arrumar o cabelo e sendo assim logo acenou pra mim. Respondi ao seu gesto e enquanto isso fiquei ao lado de seus amigos apenas esperando ele chegar – enquanto continuei a olhar sua tatuagem de longe.

      – Oi! – Falei com ele.

      – Oi, peixinho! – Sorriu na frente de seus amigos. – Só não te abraço agora porque estou todo molhado!

      – Tem uma toalha lá dentro. – Disse Taehyung, fazendo piada.

      – Já ouviu seu amigo. – Falei.

      Nesse momento, ele sorriu convencido de que eu não o pouparia de um abraço. Jimin seguiu para o lado de dentro e depois de poucos segundos, ele apareceu vestindo a blusa do corpo de bombeiros. Sendo assim, já chegou me abraçando sem perder tempo.

      – Pensei que já tinha ido pra casa de seu pai.

      – Vou daqui a pouco, mas antes eu queria me despedir.

      – Puxa vida, você diz como se fosse embora do país.

      – Não é isso, mas de qualquer forma eu queria te ver.

      – Hummm! – Taehyung e Jungkook riram.

      – Vocês não têm nada pra resolver lá dentro? – Jimin riu.

      – Se você dizer dez pratas eu posso procurar algo pra fazer lá. – Jungkook riu.

      – Vinte pratas, porque isso se aplica a mim também. – Completou Taehyung.

      – É sério? – Jimin os fitou.

      – Não. – Eles levantaram-se de onde estavam sentados e saíram logo em seguida, ainda rindo da piadinha.

      – Nossa, mas que engraçadinhos... – Jimin debochou.

      – E então? – Falei quando estávamos a sós.

      – Você está linda! – Sorriu segurando minha mão.

      – E o que dizer de você saindo da água? – Fiquei sorridente.

      – Esteve me observando?

      – Sim, e é uma pena que tenha feito isso tão rápido.

      – A água estava gelada. – Ele riu.

      – Estou vendo! Seus lábios estão bem pálidos!

      – Não quer aquecê-los? – Riu.

      – É o que quer?

      – E o que você acha? – Ele respondeu.

      E foi nesse momento que meu celular tocou. Ao atender, meu irmão passou para a minha mãe e logo comecei a falar com ela. Avisou-me que meu pai já estava a caminho e sendo assim, eu teria que voltar pra casa o quanto antes para almoçar e esperá-lo.

      – Tenho que ir. – Falei ao desligar.

      – Assim tão rápido?

      – Eu só vim dizer um oi.

      – Esteve com saudades?

      – Que convencido...

      – Não é crime admitir, sabia?

      – Quando for verdade, eu admito. – Falei. – Mas no momento, é melhor você se acalmar um pouco.

      – Tudo bem, como quiser. – Ele riu.

      – Ganho outro abraço?

      – Quantos desejar. – Ele respondeu.

      Nos abraçamos mais uma vez e eu pude sentir em minha pele o cabelo molhado de Jimin enquanto ele repousou sua cabeça em meu ombro. Ficamos assim por um tempo e posso dizer que fazer aquilo enquanto sentia acalmaria do barulho das ondas ao fundo foi sensacional.

      – Até logo! E faça boa viagem! – Disse ele.

      – Obrigada! Espero falar contigo mais tarde! – Falei.

      Ficamos totalmente sem jeito nesse momento. Jimin tinha minhas mãos entre as suas e foi olhando em meus olhos que ele sorriu. Fiquei sem jeito, mas aos poucos eu as fiz escorregar até me ver livre de seus dedos. Sorrindo, eu fui indo embora aos poucos, mas foi depois de dar uns passos que eu parei de andar.

      Olhei pra trás e vi que Jimin estava voltando ao posto dos salva vidas. Voltei a andar atrás dele sem ser notada e assim que cheguei perto, o cutuquei no ombro. Ele virou-se em minha direção o quanto antes e sendo assim, eu lhe roubei um selinho.

     Fiquei sorridente com isso e ele ficou totalmente corado pelo beijo surpresa. Senti que ele queria mais – e eu também – porém eu tinha que ir embora e deixei claro isso a ele. Voltei a acenar em tom de despedida depois do simples beijo e após isso, saí voando pra casa – totalmente eufórica.

      Quando cheguei, ainda muito animada, já vi a mesa posta. Antes de mais nada já fui lavar as mãos e logo juntei-me a minha mãe e meu irmão ali para o almoço. Fiz isso correndo e enquanto eu comia a sobremesa, meu pai chegou.

      Para não atrasar minha mãe, larguei tudo lá e fui me adiantando com meu irmão. Nos despedimos dela ainda no apartamento e descemos sozinhos para encontrar com nosso pai. Nos surpreendemos ao ver Haruna na cadeirinha do banco de trás, e ao cumprimentá-la, é que finalmente fomos para a sua casa.

      Aquele passeio para a casa do meu pai foi totalmente inesperado e totalmente não planejado. A ida de minha mãe ao Spa foi totalmente surpresa e sendo assim, eles tiveram que combinar tudo para não nos deixar sozinhos – até porque ambos não queriam isso.

      Minha mãe ligou para meu pai e assim combinaram. Iríamos na quinta feira na hora do almoço e voltaríamos no sábado a tarde. Passaríamos pouco tempo com ele, mas mesmo assim já seria bom para nós – que sempre nos agradávamos de estar com sua nova família.

      Porém, fomos em dias úteis da semana e sendo assim, não tivemos muitas atividades. Haruna ainda estava tendo aulas, Young ainda estaria trabalhando e meu pai não estaria diferente. Porém, como eles estavam em casa em horários alternados, não ficaríamos sozinhos.

      O máximo que fizemos foi ir tomar um sorvete no centro da cidade – que era bem perto. Ficamos em casa enquanto eu aproveitei para adiantar meus textos e meu irmão aproveitou o videogame liberado. Ficamos apenas descansando sem ter tantas obrigações por ali e assim foi nossa ida até lá.

      Mas, não reclamo. Sabíamos que eles teriam suas obrigações e que não iriam parar por causa de nós. Ficamos quase sozinhos por um tempo, mas quando a noite chegou, fomos todos jantar num restaurante e mais uma vez a família ficou completa. Young fez de tudo para nos agradar e Haruna não saiu de nosso lado.

      Conversamos ao chegar em casa, brincamos com os menores e comemos sorvete vendo vídeos engraçados na TV. Confesso que estando com eles, não precisaríamos de grandes programas para nos alegrarmos. A família nova de meu pai já era muito auto astral e sendo assim, sempre nos agradávamos em estar lá.

      Minha mãe mandou mensagens na sexta a noite e eu contei pra ela como tudo estava. Falei sobre estarmos alegres com meu pai e sendo assim ela ficou mais tranquila. Me contou como foi tudo na chegada ao Spa e disse que em breve teria uma sessão de acupuntura. Disse que tinha se agradado do local e depois das atividades no yoga, ela logo já ficou mais animada ainda.

      E ao vê-la daquela forma, até eu me alegrei. Disse que ela teria que aproveitar muito o tempo livre para relaxar e ela disse que faria isso. Disse que estava tudo bem com a gente, enviei fotos e ela fez o mesmo. Só depois de um bom tempo de conversa é que ela resolveu desligar.

      Já na hora de dormir, novamente me dividi entre Haruna e Hyunseok. Eles não abriam mão de estar junto comigo – principalmente Haruna, que pouco tinha essa chance. Então sendo assim, estando com os dois, eu teria que dar atenção igualmente.

      Na sexta feira, Hyunseok e eu ficamos sozinhos depois do almoço – porém, logo nosso pai chegou. Young trabalhava meio período e enquanto estava a fazer isso, meu pai ficava em casa. Após, ele ia e ela ficava. Haruna chegou logo depois e enquanto isso, aproveitamos para ver um filme todos juntos.

      Confesso que me diverti e me distraí com eles o tempo todo. Estar com meu pai e meus irmãos era sempre muito bom e dessa vez não foi diferente. Arrumamos ocupações até a noite e quando Young chegou, novamente saímos para jantar – porém em outro lugar.

      Após todo aquele passeio já com nossa madrasta junto a nós, resolvemos ir até uma pracinha que tinha perto da casa deles. Ali deixamos Hyunseok e Haruna brincarem um pouco enquanto os observamos e quando já era tarde, resolvemos ir embora.

      Fiquei tão distraída, que sequer pensei em pegar meu celular para usar. Chegando em casa eu o tirei do bolso, deixei sobre minha cama e fui ao banho. Coloquei minha roupa de dormir, arrumei minha cama e só então eu fui pegá-lo. E ao fazer isso, fiquei surpresa com o que vi.

      Jimin tinha enviado uma foto com Jack no colo.

      Ao ver o tal cachorrinho, fiquei muito apaixonada. Ele era pequeno e realmente parecia um filhote. Estava todo alegre com a linguinha pra fora como se estivesse sorrindo e feliz. Tinha as orelhinhas dobradas e tinha um olho com uma mancha preta em volta assim como Jimin disse.

      Abri um sorrisão ao vê-los juntos, porém me zanguei logo após. Jimin disse que me levaria para buscar Jack na clinica veterinária, porém isso não aconteceu. Fiquei contrariada, mas ao ver aqueles dois ali eu não tive como não voltar a sorrir.

     Liguei pra ele quando já era perto de onze da noite. Eu já estava na cama – mesmo não pretendendo dormir – porém pensei que ele não estaria dormindo ainda. Era uma sexta à noite, então pensei que ele me atenderia de primeira.

      Porém, não atendeu.

      Olhei para a data de sua mensagem e vi que ela foi enviada na parte da tarde. Demorei tanto a ver que sequer consegui falar com ele no momento. Tentei novamente, porém fiquei sem ter resposta. Enviei mensagem avisando que não conseguia falar, porém nem isso eu acredito que chegou até ele.

      Será que teria acontecido algo?

      Por que não respondeu?

      Qual foi o motivo?

      Fiquei com tantas perguntas na cabeça que acabei perdendo o sono. Eu já queria ir dormir para não acordar tarde na próxima manhã, porém entendi que não conseguiria. Acendi a luz do quarto dessa vez – já que Haruna e Hyunseok não dormiriam comigo – e logo peguei meu notebook.

      Já era meia noite e meia quando eu comecei a reler os textos. Foquei em me empenhar neles para corrigir o máximo de laudas que eu conseguisse naquele momento, mas quem disse que Jimin saiu de meus pensamentos e me deixou fazer meu trabalho em paz?

      Duas da manhã foi quando eu desisti e desliguei no notebook. Me joguei na cama, depois de ter apagado a luz e então, peguei o celular mais uma vez. Eu tinha ligado quatro vezes pra ele e tinha enviado três mensagens. Tentei contato como pude, mas não tive resultados.

      Fiquei com os pensamentos longe e neles só havia espaço para Jimin. Lembrei quando lhe roubei um beijo bem simples na praia e me arrependi por ter sido tão simples assim. Poderia ter sido melhor. Mas, tínhamos tempo de resolver isso.

      Pensei então em ver sua foto novamente com Jack no colo. A abri no celular e logo voltei a sorrir depois de ver aquelas coisas tão fofinhas ali. Dei zoom em Jack, porém logo voltei a cobiçar Jimin. Fiquei com coração nos olhos, porém isso não acabou com minhas duvidas sobre o sumiço de Jimin.

      Já era quase três da manhã quando eu não aguentei mais ficar com os olhos abertos. O sono foi tamanho, que creio que acabei dormindo com o celular nas mãos. Porém, pouco tempo depois ele tocou e vibrou – fazendo-me acordar assustada. Me assustei e arregalei os olhos, porém ao ver que era Jimin, me acalmei.

      – Oi! – Atendi.

      – Espero não tê-la acordado.

      – Eu estava acordada. – Falei coçando os olhos.

      – Desculpe pelo horário, é que acabei de chegar e já vou me deitar. Vi suas ligações e mensagens há pouco tempo, então quis ligar logo.

      – Acabou de chegar?

      – Aproveitei que não tinha nada para fazer nessa sexta feira a noite e fui com meus amigos pra um bar beber um pouco.

      – Jungkook e Taehyung?

      – Sim.

      – Não sabia que bebia. – Sorri.

      – E muito. – Riu.

      – Não imagino isso olhando pra você.

      – Mas não se preocupe, fomos e voltamos de taxi já que todos tinham a intenção de beber. Voltamos em paz e em segurança antes que comece a me julgar. – Riu.

      – Eu não ia falar nada, bobão. – Sorri.

      – Bebi muito, porém me sinto sóbrio.

      – Muito quanto?

      – Algumas poucas latinhas... Sabe, pouca coisa.

      – Sei, é eu sei. – Dei risadas.

      – Acontece que minha tolerância a álcool é forte.

      – Bom pra você, se é comigo eu já estaria rindo a toa. – Falei.

      – Imaginei a cena. – Ele riu. – E você o que fez hoje?

      – Saí a passeio com meu pai, meus irmãos e minha madrasta.

      – E se divertiu?

      – Bastante. – Sorri. – Impossível estar com eles e não gostar.

      – Viu a foto que eu te enviei?

      – Vi e me zanguei, se quer saber!

      – Se zangou?

      – Você disse que iríamos juntos buscar o Jack.

      – A clínica me ligou hoje cedo e disse que ele já estava bem para ir pra casa. Sendo assim eu tive que buscá-lo o quanto antes.

      – Ah, sim... – Pensei. – Sendo assim, está perdoado!

      – Mas em breve você irá vê-lo! Enviarei mais fotos!

      – Tudo bem! – Falei.

      – Bom, acho que agora vou desligar... Estou ficando com sono e não quero atrapalhar sua noite também.

      – Ah, ainda não! Por favor!

      – Já está tarde...

      – É que... Me conte como foi seu dia!

      – Faremos isso quando amanhecer, eu realmente queria ir dormir o quanto antes, pois me vejo cansado.

      – Ora, não seja irredutível!

      – Eu liguei, mas não pretendia demorar.

      – Nem se eu te disser que senti saudades?

      – Eu ouvi isso mesmo? – Riu.

      – Sim. – Falei. – Eu... Estive pensando em você essa noite.

      – Está melhorando. – Riu outra vez.

      – Será que podemos fazer chamada em vídeo? – Sugeri querendo vê-lo.

      – Conseguiu me convencer. – Disse ele. – Vou acender a luz e já te ligo de novo, está bem?

      – Ok! – Assenti sorridente.

      Mesmo com sono e ainda sem enxergar muito bem, levantei da cama e acendi a luz do quarto. Voltei pra cama, arrumei meu cabelo, joguei o cobertor por cima de mim e nesse momento, Jimin voltou a ligar.

      – Oi! – Disse ele.

      – Saudades desse sorrisinho.

      – E pensar que você negou que sentia saudades de mim. – Riu.

      – Eu disse que confirmaria no dia que fosse verdade. – Falei toda risonha. – E você? O que sente?

      – Me sinto igual. – Disse ele. – Me costumei a ver você sempre nos mesmo dias, então enquanto não acontece, parece que falta algo.

      – Seu dia fica incompleto quando deveria me ver e isso acaba não acontecendo? – Sorri.

      – Pare de me deixar envergonhado. –Tampou o rosto.

      – Só queria saber... – Sorri.

      – Convencida!

      – Tudo bem, não vou perguntar mais já que ficou todo bobinho aí. – Falei. – E então, não vai me mostrar o Jack?

      – Está dormindo bem aqui do meu lado, consegue ver? – Ele tentou mostrar com a câmera quando só o que eu vi foi o focinho.

      – Quero poder pegá-lo no colo o quanto antes! – Falei.

      – Qualquer dia desses podemos dar uma volta quando ainda for cedo. – Disse ele. – Sendo assim, levamos Jack para passear junto com a gente.

      – Eu vou adorar fazer isso! – Falei.

      – E falando nisso, quando vamos ao cinema juntos?

      – Tem pressa? – Provoquei.

      – Sim, já que no outro dia meus amigos atrapalharam meus planos.

      – E que planos eram esse? – Sorri.

      – Você deve descobrir no dia que fomos lá outra vez. – Riu.

      – E se eu não quiser ir? Hein?

      – Ah, mas eu sei que quer. – Riu.

      – Pois é. – Sorri tímida e logo bocejei.

      – Vamos desligar, peixinho... Prometo que te ligo amanhã assim que eu acordar já que não vou trabalhar.

      – Vou acreditar em sua promessa, está bem?

      – Dou a minha palavra. – Disse ele, sorridente com o cabelo bagunçado.

      – E sobre o cinema, acredito que podemos ir no domingo.

      – Que dia você volta?

      – Amanhã mesmo, porém tenho coisas a fazer em casa então não poderei sair.

      – Marcamos para domingo. – Ele disse e eu assenti. – Às sete parece pra você um bom horário?

      – Sim! Pode ser! – Falei, já convencida de que não seria um problema para minha mãe permitir.

      – Tudo bem! Espero vê-la o quanto antes para matar a saudade! – Sorriu.

      – Desejo o mesmo, Jimin. – Falei sorrindo.

      – Boa noite, minha linda! Te ligo amanhã de manhã!

      – Minha linda... – Fiquei corada e tampei os olhos.

      – Pode me chamar de lindo também, eu não ligo! – Riu.

      – Não seja bobo! – Fiquei tímida.

      – Estou esperando...

      – Boa noite, gatinho! – Falei acenando. – Até logo mais!

      Acenamos um para o outro totalmente envergonhados. Terminamos a chamada logo depois disso e ainda com um grande sorriso no rosto eu fiquei ao pensar nele. Com o celular na mão eu fiquei olhando sua foto com Jack e foi bem assim que eu acabei dormindo – com Jimin em meus pensamentos, eufórica para o nosso encontro e com muita vontade de beijar aquela boca de novo.


Notas Finais


E aí, o que estão achando? Quais são as intenções de Jimin para o encontro? O que acharam de Seulgi falando sobre seus sentimentos? E o que acharam de Jack? Contem pra mim!
Não se esqueçam de apoiar com comentários, é sempre muito importante! ♥

Beijos! Até a próxima! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...