1. Spirit Fanfics >
  2. Febre Tropical >
  3. Final: Prêmio Tropical

História Febre Tropical - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Chegamos ao final... aí mds eu to ansiosa e ao mesmo tempo com uma pontinha de saudade, mas aliviada que consegui trazer essa fic até onde eu imaginei ela mesmo. Não revisei esse cap, mas acho que ficará para quando eu for revisar a fic toda de novo só kkk. Volto nas notas finais!
Boa leitura anjinhos~

Capítulo 14 - Final: Prêmio Tropical


Fanfic / Fanfiction Febre Tropical - Capítulo 14 - Final: Prêmio Tropical

O mês de junho foi realmente atribulado. Sem perceber os dias correram e querendo ou não, morar na mesma e dormir junto não garantia aos casais os bons momentos de relaxamento conjunto. Ou seja, namorar também se enquadrou no esquema acelerado que viviam.

Jeongin e Seungmin tinham as mesmas aulas, logo passaram um bom tempo para fortalecer a amizade… Para o Kim estava mais para passar os dias pirando com o Yang, fosse pelas manhas ou pelo temperamento de ambos que conflitavam quando estavam em picos de estresse. Tudo logo se resolvia, mas sinceramente, foram provas e seminários afins durante o mês. Só desejava uma férias tranquila e um pouco de paz novamente.

Changbin e Jisung, já um tanto mais habituados a rotina, estavam apenas cansados. O estresse não os atingia como os mais novos, mas o desgaste parecia pesar conforme passavam os anos. Quem disse que fazer música era fácil? Amavam muito o que faziam, por isso mesmo tiravam forças de sabe se lá onde. 

Não havia desculpas para perder tempo reclamando, por isso focavam a pouca energia restante em fechar bem as notas e não ter que fazer alguma disciplina novamente no semestre seguinte. Bombar uma matéria na faculdade poderia acarretar em um atraso na formação, coisa que os dois evitavam a todo custo.

No entanto, os músicos da casa não sabiam dizer ao certo em que pé estavam os dançarinos. Era curioso, pois desde que junho iniciara, eles não permitiram mais a ida dos namorados aos ensaios, assim como davam respostas evasivas ou muito vagas a respeito.

Os cursos de dança estavam com carga de atividades obrigatórias reduzidas em prol de focar no festival anual da faculdade. “Será uma surpresa”, disseram os dançarinos aos seus parceiros. Só restou ao trio músico acreditar naquilo e deixar que tudo fluísse, afinal, tinham as próprias preparações para fazer. Nem só das atrações principais vivia um festival daquele tamanho.

 

¤¤¤¤¤


 

30 de junho, domingo.

 

Barracas e mais barracas se espalhavam pelas ruas do campus universitário. O sábado anterior tinha servido para adiantar parte da estrutura mais pesada que estaria presente, como partes dos palcos e armações das barraquinhas diversas. Neste domingo, logo mais, teria tudo estaria pronto para receber alunos e o público visitantes.

As barracas estavam separadas todas por setores, organizadas entre as culturais, as de jogos, as de souvenirs, as de conhecimento, as empresariais e mais algumas outras. Havia uma enorme praça de alimentação montada em um dos grandes estacionamentos que existiam pelo campus, no caso, o que se encontrava próximo ao prédio do curso de música.

Por outro lado, um grande palco foi montado no estacionamento do prédio de dança. Até mesmo aproveitando que havia um grande gramado o qual permitiu a montagem de uma pequena arquibancada. A vista para o palco era perfeita da fileira mais alta dos bancos provisoriamente colocados para as apresentações.

Tudo parecia tomar forma depois de meses de planejamento. Muitos alunos se encontravam ocupados em cada um dos setores, afinal, eles eram os principais atuantes do dia. Suas funções eram cuidar das barraquinhas — exceto as da praça de alimentação e as empresariais — enfeitar e recepcionar o público, além claro de cumprirem com as suas agendas de apresentação.

O dia todo seria gasto dentro do campus. Os estudantes se dividiram em turnos para dar conta de todo serviço, cada turma focada em uma parte. Era a vigésima edição, então a direção da universidade sabia exatamente o que fazer e preparou os alunos para o fatídico dia.

Jeongin verificou as horas no celular, faltava uma hora para as 10h, que era o início oficial e a entrada do público. Observou com satisfação as tendas prontas, enfeitadas e todas com plaquinhas separadas por cores para cada setor, adereços como papéis em argolas ou flores eram usados para dar vivacidade as barraquinhas.

Sua satisfação cresceu ao ver que a maioria já se encontrava pronta e só fazendo pequenos ajustes em cartazes aqui e limpeza dali. Sorriu com orgulho ao ver que o dia mais esperado do ano tinha tudo para ser incrível.

A apresentação própria seria a segunda, junto a Seungmin, Jisung e Changbin, cantariam Get Cool. Era uma boa música, realmente gostou do cover. Por isso, sem mais delongas deixou o setor temático de músicas trot para ir se preparar. As salas destinadas a isso ficavam no prédio de dança, o mais próximo ao palco. Combinou de encontrar todos por lá em cinco minutos.

Tentou ligar para Hyunjin enquanto andava, mas nada. Provavelmente ele não veria as mensagens, acreditou que ao menos atenderia as ligações. Mordeu os lábios e suspirou, estava um pouco ansioso, só queria ouvir a voz do mais velho antes de se apresentar.

Seus olhos caíram um tanto tristes, no entanto afastou a negatividade como pode, bateu com as duas mãos nas bochechas como se o ato o trouxesse de volta a realidade. O namorado tinha uma performance complexa e misteriosa que seria uma das que eram mais esperadas do festival.

Não demorou muito mais para refazer sua mente e sentimentos impulsivos. O Hwang devia estar realmente ocupado afinal. Apertou o passo. Em pouco tempo reencontrou os seus hyungs. Foi se aprontar e agradeceu Jisung por ter lhe confortado com incentivos para a apresentação.

Ouviu o sinal tocar, método escolhido para avisar os alunos que iriam abrir a faculdade ao público.

 

Está aberta a 20º amostra cultural da Universidade Nacional de Artes da Coreia do Sul.

 

Neste momento sentiu o aparelho vibrar em seu bolso. O coração batia forte, sua apresentação estava mais perto, nunca tinha cantado para tantas pessoas, mesmo sabendo o quanto tinha treinado para aquilo. Ligou a tela, vendo que recebeu um áudio de Hyunjin. Deu play, pressionando mais que o necessário o celular contra a orelha direita.

 

“Innie, desculpa não poder atender antes, mas como hoje está um tanto complicado bater os nossos horários, então estou mandando áudio. Eu só quero dizer que sua voz é como ouvir os próprios anjos lhe abençoando em cada palavra cantada… Confie em você mesmo como eu confio! Prometo correr a tempo de ver sua apresentação, não estará sozinho lá, apenas relaxe e faça como nos treinos. Se divirta com os meninos no palco, com certeza seu esforço dará resultados. Eu te amo muito bebê, boa sorte!”

 

Jeongin sentiu seu coração bater mais ainda, mas por outro motivo agora. Nunca imaginou que um simples áudio poderia ter tanto resultado em si, mas funcionou. A respiração regulou e os batimentos acelerados expressavam o quanto foi significativa a mensagem de Hyunjin naquele momento.

— Tudo bem, Jeongin?

— Sim!

Jisung estava de olho no loiro, levemente preocupado com o nervosismo que ele apresentava durante a preparação. Estranhou quando viu a expressão do mais novo suavizar e os dentinhos pequenos aparecerem conforme o sorriso aumentava. A resposta pronta e animada lhe pareceu convincente, mas ainda assim apertou-lhe o ombro em apoio.

— Vamos indo gente, somos nós em cinco minutos. — Changbin disse, trazendo todos para a concentração atrás do palco.

 

E foi com a mensagem de Hyunjin guardada dentro de si, que se apresentou. Uma bela apresentação, muito divertida que chamou a atenção de mais pessoas para o palco. Uma pequena multidão se acumulou para apreciar o quarteto que apresentava com vocais e raps impecáveis um cover que condizia e muito com a animação esperada de festivais de verão.

O Yang estava radiante, parece que depois do primeiros segundos de música já tinha relaxado no palco e seguiu o conselho do namorado: divirta-se na apresentação. Seus sentimentos e expressões foram um bônus a mais, seus hyungs o acompanhando muito bem.

De longe, da arquibancada, um Hwang ofegante da corrida até ali, sorria orgulhoso e cheio de amor para a apresentação. Escapou da barraquinha temática da sua classe de dança junto com os dois Lee. Os três sentiam como se aquilo lhes tivessem dado ânimo a mais para a própria apresentação mais tarde.

— Estavam perfeitos! Agora que acabou, vamos que se o professor souber que fugimos no nosso turno estaremos ferrados! — Felix ditou agitado, eram muitas coisas acontecendo em um dia só. 

 

¤¤¤¤¤

 

— Vamos logo Changbin! — Jisung e Jeongin gritaram, até mesmo esquecendo que o outro era mais velho.

Tinham ido ao banheiro tirar os coletes que representavam que estavam na equipe de organização das tendas temáticas dos alunos de música. Estavam um tanto suados, o dia quente de verão foi agraciado com um Sol brilhante que castigou um pouco desde o meio dia. A temperatura era alta, por isso existiam várias barraquinhas vendendo bebidas, não alcoólicas, refrescantes.

Changbin queria ajeitar o seu cabelo, pois dizia estar péssimo como estava grudando em sua testa. O que acabou por contribuir para o atraso deles para ver a apresentação dos namorados que se iniciaria em minutos. O que podia fazer? Estava mais ansioso para ver Felix performando do que estava para se apresentar de manhã.

— Está ótimo. — Jisung saiu empurrando o outro de dentro do banheiro, Jeongin segurava a porta para que saíssem apressados dali. — Se o Felix ver você do palco já vai ser um milagre!

O Seo não se pronunciou, com receio de deixar transparecer sua ansiedade. Estava surpreso que os outros dois não estivessem demonstrando tais sentimentos também.

Era aí que ele se enganava, ambos estavam exatamente igual ao mais velho.

Jisung sentia as palmas úmidas, enquanto Jeongin tinha as extremidades dos dedos frias, contradizendo o calor que passou o dia todo.

O Sol se punha mais tarde no verão, então mesmo sendo cinco horas da tarde ele ainda brilhava no horizonte, para o alívio de todos presentes com menos intensidade do que nas horas anteriores. O cenário parecia bonito como um todo.

Os três se espremeram até conseguirem, por um milagre, ficar um tanto perto do palco. Afinal seus namorados seriam a apresentação seguinte já. A música já tinha parado para a troca de grupo. As pessoas a aglomeradas ainda aplaudiam a performance de estilo pop internacional.

Não demorou muito e um apresentador chamava o grupo seguinte: o DanceRacha.

Jisung já sorria e eles mal tinham entrado ainda.

Um grande alvoroço se iniciou quando o trio surgiu. Cumprimentaram a plateia ao chegar ao centro do palco. E quem estava próximo podia ver o visual impecável dos jovens que se apresentariam agora. A aglomeração pareceu aumentar, era difícil encontrar um espacinho entre as pessoas espremidas em expectativa.

Suas vestes eram leves e simples, mas lembravam bem o verão. Felix tinha um cropped amarelo soltinho sobre uma camisa segunda pele transparente colada ao corpinho magro, assim como uma calça branca apertada. Minho e Hyunjin trajavam calças pretas, o primeiro de camisa vermelha que mostrava sua clavícula, e o segundo com uma regata laranja que lhe caia perfeitamente ao corpo. Usavam acessórios e uma maquiagem que lhes realçava os traços naturais da face.

Em segundos eles se posicionaram no palco e Havana começou a tocar. A performance seguia impecável. Parecia que tudo colaborava a favor do grupo.

O entardecer já tinha chegado ao pôr do Sol, então os raios pintavam o céu em tons de amarelo, laranja e vermelho. Coincidentemente as cores das roupas pareciam mais intensas e chamativas, como se fizessem parte do cenário, criando uma harmonia bela. Era como uma pintura que se movia conforme os corpos dançavam em perfeita sincronia.

Changbin tinha uma dificuldade enorme no momento, a qual iniciou a dança sensual no centro da coreografia. Sua boca estava aberta, e nem era meme. O suor voltou a se fazer presente conforme seu corpo esquentava junto com os movimentos fluídos que o quadril do seu loirinho fazia.

Felix abriu com desenvoltura a performance. De fato uma boa escolha do grupo, pois prendeu a atenção de todos logo de cara com as roupas. Era claramente menor que os outros dois, mas tinha tanta presença de palco quanto, os olhares se perdiam tentando capturar cada ínfimo momento do trio.

Um minuto quase de apresentação e vários suspiros podiam se ouvir pela platéia. Mas de repente uma tensão foi criada com a melodia mesclada que surgiu e um novo ritmo se emendou, a voz da Camila Cabello se perdendo ao som engraçado, a voz de J Balvin tomando o seu lugar. A música que entrou era Mi Gente.

 

Si el ritmo te lleva a mover la cabeza ya empezamos como es

Mi música no discrimina a nadie así que vamos a romper

 

Os três rotacionaram e Hyunjin foi para o centro. E a mudança inesperada de música levou a uma empolgação no público. Os namoradinhos que assistiam não estavam diferentes, totalmente boquiabertos, não esperavam aquilo, quando iam aos treinos eles agiam de forma tão despreocupada. A performance estava quente, mas não vulgar, era inexplicável como havia beleza em cada passo.

 

Toda mi gente se mueve

Mira el ritmo cómo los tiene

Hago música que entretiene

El mundo nos quiere, nos quiere, y me quiere a mí

 

Jeongin porém parecia ver muito mais detalhes. Seus olhinhos brilhavam maravilhados em ver o Hwang tão profissional, mas ainda assim parecer tão tranquilo. De onde estava podia ver um sorriso divertido aparecer vez ou outra nos lábios chamativos do mais velho. Ele brilhava com uma fina camada de suor, e era uma visão surreal com os raios solares que pareciam fazer um trabalho melhor que a iluminação de palco poderia fazer.

 

Toda mi gente se mueve

Mira el ritmo cómo los tiene

Hago música que entretiene

Mi música los tiene fuerte bailando y se baila así

 

Estamos rompiendo la discoteca

La fiesta no para, apenas comienza

C'est comme-çi

C'est comme-ça

Ma chérie

La la la la la

 

Eles pareciam deuses dançando confortavelmente com o ritmo convidativo. Aos poucos as pessoas pareciam se soltar e se mover como podiam em suas próprias versões simplificadas, todos queriam dançar junto. Changbin arriscou balançar o corpo um pouco, assim como Jeongin, que sentia aquela emoção que sempre surgia ao ver o Hwang dançando. Era como se sentisse o sangue passar por todo corpo, esquentando-o de forma gostosa e um tanto instigante.

 

No le pagamos

Mas nunca paramos

Es otro palo

 

Y dónde está mi gente

Mais fais bouger la tête (trad: Mas mexa sua cabeça)

Y dónde está mi gente

Say yeah, yeah, yeah (Un, dos, tres)

 

Enquanto isso, Jisung tremia. Ao meio da música Minho assumiu o centro da coreografia, depois do pequeno momento de rap. Os movimentos deles pareceram se tornar mais fortes e precisos. O Han se apoio em Changbin, que nem notou a mão em seu ombro.

 

De esquina a esquina

Y ahí nos vamos

El mundo es grande pero lo tengo en mi mano

Estoy muy duro, sí

Okay, ahí vamo'

Y con el tiempo nos seguimos elevando

 

Que seguimos rompiendo aquí

Esta fiesta no tiene fin

Botellas para arriba sí

Los tengo bailando rompiendo y yo sigo aquí

 

Era demais para si, como o namorado conseguiu encontrá-lo ali no meio de tantas pessoas ele não sabia, mas tinha certeza que fez contato visual. Ou era paranoia sua, mas O sorrisinho faceiro que surgiu junto dos rebolados que a coreografia pedia no refrão… Jisung queria acreditar que aquela provocação era para si, esperava que fosse.

 

Y dónde está mi gente

Mais fais bouger la tête

Y dónde está mi gente

Say yeah, yeah, yeah (Un, dos, tres)

 

Ao final da performance o público gritava empolgado, aquilo tinha sido muito diferente do que viram até então. Haviam apenas mais outras três performances depois da DanceRacha. De qualquer forma, todos foram bem, mas aquilo ainda valia um prêmio e tinha outra função além de fazer um possível show para os visitantes.

— Changbin? Onde está indo? Espera a gente! — Jeongin seguiu o mais velho, puxando consingo um Jisung de bochechas coradas e de olhar distante. 

O Yang desistiu de perguntar, o som do palco era muito alto, não seria ouvido mesmo se gritasse. Tinham combinado de encontrar os namorados na praça de alimentação montada para o evento. No entanto, parece que seguiam em direção a mesma sala de espera onde se prepararam para as apresentações de manhã.

Ficava no térreo do prédio de dança, então não demorou tanto para alcançar, a aglomeração de pessoas estava toda para trás agora. Jeongin nem refletiu muito sobre o que era essa pressa toda, ainda extasiado com a performance de Hyunjin.

Não que o mais velho soubesse exatamente onde o trio dançarino estava, mas lembrava de ouvir o namorado contando empolgado sobre como seria a rotina dele no dia da apresentação. Por sorte prestara atenção ao que o seu Angel tinha dito. Esperava encontrá-los indo para aquela parte depois de fazer a confirmação da performance com os jurados nos bastidores do palco.

E foi dito e feito. O camarim improvisado não quase ninguém, pois os últimos a se apresentarem já esperavam atrás do palco, e os grupos anteriores já tinham seguido para os vestiários para um ducha ou algo do tipo. Changbin abriu a porta ao mesmo tempo que dois alunos que apresentaram antes do namorado saiam.

— Minho, o que foi aquela piscada no final da apresentação?

Hyunjin riu de Felix brincando com as sobrancelhas enquanto perguntava para o mais velho.

— Era para o príncipe, você não viu os meninos na terceira fileira?

Jisung ouviu a frase, corando novamente. Nem era nada de mais, porém o calorzinho na face sempre surgia quando o seu coração acelerava com as atitudes do Lee. Os três entraram sorrateiramente, já que estavam ali não precisariam se encontrar no ponto marcado, simplesmente iriam juntos agora.

Talvez não mais os três casais.

— Chang- — Felix notou os outros, mas não deu para terminar o que diria graças a boca faminta do Seo.

Changbin o abraçou pela cintura e aprofundou o beijo ainda mais. Ouvindo um gemido surpreso e abafado do loiro quando seus quadris se tocaram sem aviso prévio.

— Vai fazer isso com platéia mesmo, Changbin? — falou Hyunjin com zombaria.

Felix nem mesmo resistiu, se entregou ao momento e enlaçou o pescoço do menor, as mãozinhas indo aos fios escuros fazendo carinho. Separaram-se quando o ar voltou a ser prioridade. O Lee mais novo sorriu fofinho e esfregou a pontinha do nariz no de Changbin que correspondeu.

— Imagino que gostou da apresentação, Binnie? O que achou de mim?

— Não faz ideia do quanto… Simplesmente uma delícia.

— Ah não, pelo amor, vão para um lugar reservado se forem se comer! — Jisung ralhou de repente voltando ao planeta Terra depois de receber um carinho semelhante de Minho.

— Quem vê pensa que você não estava quase pedindo para o Minho fazer o mesmo. — Jeongin respondeu o Han, este que logo inflou as bochechas e não se pronunciou novamente.

O Yang sentiu a cabeça do Hwang pesar em seu ombro direito, a cintura abraçada por trás de modo firme. Teve um selar roubado quando virou o rosto para ver o maior.

— Vamos jantar, estou faminto… — O Hwang tentou trazer todo mundo de volta, afinal ainda estavam num local impróprio e poderiam ser desclassificados caso desse alguma merda. — Vocês vem? — indagou a Felix e Changbin.

Contentou-se com um acenar negativo. O Seo já levava Felix porta a fora, agarrado a cinturinha que não pretendia soltar até estar completamente dentro dele.

— Gostei tanto de ver a apresentação que agora quero comer você nessa roupinha, Lix. — Changbin sussurrou no ouvido do mais novo enquanto fechava a porta, saindo do ambiente anterior.

Tudo que Felix fez foi tremer em antecipação, sentindo o desejo crescer junto com o do namorado. Sumiram sem dizer onde estariam.

 

O quarteto restante encontrou Seungmin no caminho para a praça de alimentação, adotando-o como um filhotinho. O Kim parecia um tanto perdido por isso convidaram-no para jantar junto com eles. O jovem jurou que ficaria de vela, mas estar sozinho no meio do evento pareceu muito triste, então era melhor a companhia dos amigos.

— Chan! Você veio mesmo. Vem, vamos jantar juntos! — Jisung estava animado por encontrar o Bang, era raro cruzar com ele sendo tão ocupado como costumava ser.

E agora existiam duas velas para os dois casais… Talvez.

Jeongin ria internamente ao notar o Kim mais quieto que o comum, vez ou outra encarando o mais velho do grupo. O dia estava tão cheio de acontecimentos. Deixou-se admirar um pouco com o cuidado de Hyunjin, as feições bonitas. Por algum motivo via ele ansioso com algo.

No fim, nem se deu conta do casal minsung boiolando ao dar comida na boca um do outro. Nem viu Minho lançar olhares pesados para Jisung que chupava com gosto uma casquinha de chocolate, o sorvete lambuzando os lábios, deixando-os mais apetitosos que o próprio doce. Na opinião do Lee, claro.

O tempo voou, e com isso veio o anúncio dos ganhadores do prêmio: uma quantia em dinheiro; e uma viagem para qualquer local de escolha, com direito a acompanhante e escolha de data.

O trio dançarino estava atrás do palco esperando o anúncio de quem receberia o prêmio. Com critérios avaliados em técnica, coreografia, estilo e coesão, impacto cultural, apresentação artística e platéia. O vice-reitor, Donghae, anunciou o ganhador da 20º edição de amostra cultural da universidade…

DanceRacha

Uma grande festa, era ao que se resumia o momento!

Tanto do trio ganhador que subiu novamente para agradecer e receber um pequeno troféu, onde seria registrado o nome do grupo ganhador posteriormente, e ficaria numa sala expositiva junto aos das edições anteriores. Aquele era o prêmio simbólico, os outros seriam entregues e acertados dali uma semana com os ganhadores.

 

¤¤¤¤¤

 

Eram 19h30, o céu escuro estava enfeitado de estrelas, pelo menos as poucas que ainda conseguiam vencer o brilho noturno da cidade. Jeongin sentava na arquibancada montada para acompanhar as apresentações. Estava sozinho e esperava ali como Hyunjin o pedira por mensagem a uns quinze minutos atrás.

Não haviam nuvens, a temperatura era morna, nada que não pudesse lidar, uma típica noite de verão coreana. Estava de fato curioso com o que o namorado queria consigo onde já havia sido fechado e estava tudo vazio. O festival encerraria as 20h, mas a parte do palco já tinha sido fechada ao público.

— A luz da lua fica bonita em você, Innie.

Sua cabeça estava abaixada, pensando se mandava mensagem para o Hwang ou não, quando ouviu a voz que esperava.

— Então, você combina com a luz do Sol, Jinnie. — Teve os lábios roubados repentinamente, nem tinha notado a aproximação repentina. — Estou tão feliz por você.

Jeongin esperou Hyunjin sentar-se a seu lado para o puxar para um beijo cheio de amor e carinho. Já havia parabenizado o maior por ter vencido o concurso de dança, mas queria repetir tantas vezes achasse necessário. O Hwang se tornara muito mais importante em sua vida do que imaginou que pudesse acontecer.

— Ganhei por você. — Sorriu aberto para o menor, bagunçando os cabelos descoloridos que tinham a raiz preta e natural aparecendo.

— O que quer dizer?

— Você me ama? — Viu o menor responder sim, estreitando os olhos para a estranheza que se instalava ali. — Confia em mim? — Outro acenar positivo, o menor o olhando como se estivesse perdido. — Me respeita, bebê? — Hyunjin sorriu divertido ao perguntar pela última vez.

— Sim, sim, papi… Mas o que é isso do nada, Hyunjin? — bufou.

— Hyunjin? — Arqueou a sobrancelha.

— Ah, Jinnie, papi? — Não entendia nada, um bico inconsciente se formava em seus lábios, e o mais velho se segurou para não sair do foco e atacar o menor já.

— Isso é bom, é tudo recíproco, perguntei só porque queria ver essa sua carinha fofa confusa, Innie. — Riu ao buscar algo numa sacolinha que tinha a seu lado, pescou um pacotinho e tirou o objeto de dentro de modo que o loiro não visse.

Hyunjin se aproximou como se fosse beijar o outro, mas não o fez, levou os braços grandes até a nuca do mais novo, em um meio abraço. Seu rosto próximo a orelha direita dele e sussurrou:

— O que acha de passar a ser Hwang Jeongin?

E se afastou após verificar que o objeto estava preso corretamente no feixo. Só então o menor se deu conta que algo pendia de seu pescoço, um colar prateado. Um pingente em em ouro branco tinha a forma de anel, além de possuir uma pedra discreta e rosada encrustada nele.

— Jinnie… Mas o que signifi-

— Aceita viver uma vida toda comigo? Por mais que já moramos juntos isso não estava oficializado, mas sei que cada dia será incrível só por ter você comigo, Innie.

— E… Mas… — Estava muito sem palavras. Não esperava, foi muito repentino e claro que gostou da surpresa, mas… — Mas, por que não Yang Hyunjin?

Sorriu ao ver o maior o olhar meio chocado. Não pode deixar de brincar com ele também que parecia tão tenso, mesmo que devesse imaginar a resposta que receberia. O Hwang balbuciava tentando achar um porquê para explicar a escolha do sobrenome, afinal na Coreia teriam que adotar apenas um deles.

— Eu aceito seu bobo, e só perguntei para provocar você, mas por mim está ótimo Hwang Jeongin!

O, por enquanto Yang, sorria um dos seus mais belos sorrisos agora, e isso acalmou o mais velho que suspirou aliviado.

— Mas calma, por enquanto estamos noivos… Vamos terminar a faculdade e então casar. Por isso eu dei muito duro para o festival, queria que desse certo fazer esta surpresa simples para você, bebê.

— Tem mais coisa planejada então? — indagou surpreso.

— Sim, vamos nos casar num país que permita esse tipo de casamento e então passar a lua de mel no exterior também. O prêmio era a garantia que eu precisava para que tudo isso desse certo, afinal será um bom dinheiro e quero que seja uma boa memória para nós.

— Você realmente pensou em muita coisa… Realmente fez o pedido de casamento. — Jeongin se sentia-se corar sem saber ao certo o motivo.

— Claro, não lembra que disse que era eu que deveria pedir você em casamento, já que me pediu em namoro — respondeu com graça. — Queria fazer isso o quanto antes, Innie. Eu te amo tanto.

Sentou-se o mais próximo que a posição permitia e trouxe o menor para deitar em suas coxas, se inclinando para beijá-lo. Assim poderia ver cada detalhe do menor com facilidade. Acarinhava as bochechinhas que coravam mais que o normal no momento.

— Pena que estamos em espaço público, poderia fodê-lo agora mesmo, você está tão lindo nessa camiseta rosa e nessa bermuda colada na minha parte favorita. Seria minha comemoração de vitória.

— Meu pau? — Riu provocando o maior. Já estava habituado a essas mudanças da água para o vinho no meio das conversas deles.

— Então são duas partes favoritas, já que a sua bunda é perfeita, bebê… Oh droga, tem as coxas também… Acho que não está dando certo achar minha parte favorita, eu gosto de tudo em você mesmo.

— Em casa vamos comemorar, papi — respondeu, mesmo que soubesse que se o outro nada fizesse, ele mesmo iria pedir por isso quando voltassem.

Hyunjin o beijou novamente, se atendo a tocar o corpinho apenas em áreas não muito instigantes. Queria aproveitar um pouco o momento apenas. Quando se afastaram, viu os olhinhos de raposa do menor sorrirem para si. Em seu peito sentia que todos os critérios de um bom relacionamento eram retribuídos da mesma forma. Sentia-se feliz com Jeongin desde quando o viu pela primeira vez.

— Nos conhecemos numa época de muito calor, e desde então parece que estamos vivendo uma febre tropical — Acarinhou a pele macia da bochecha do mais novo. — Acho que é justo casarmos no verão, parece ser significativo para nós.

— Acho que somos tão quentes quanto o verão então, Jinnie.

E Jeongin tinha certeza, eles eram quentes como o verão.

 


Notas Finais


Não creio que acabou ainda... É a primeira long/ short fic que eu concluo, sempre achei que seria o tipo de autora que só conseguia fazer one-shots, e agora parece que tudo que eu ploto vai virar short ou long... a vida é uma caixinha de surpresas mesmo!

> Quero deixar meu amor, meu muito obrigada, um abraço quentinho e um beijo estalado em todo mundo que leu até aqui essa fic! Vocês são incríveis e todo apoio que recebi enquanto escrevia me motivou a fazer o melhor por ela e pelos personagens, amo vcs! <

Ela era pra ser algo muito simples, divertido e com alguns hots baseados em musicas, afinal é uma song fic... As coisas saíram de controle e o enredo se tornou um tanto encorpado por causa das fortes emoções dos personagens, eu dei voz ao que eles tinham a dizer e espero que não tenha sido enfadonho de ler ><
Acho que me sinto uma mãe que vê o filho crescido e pronto para sair de casa agora. No entanto estou mais feliz do que triste, ainda vamos nos encontrar num futuro aí... cof cof
Por agora, é isso, obrigada mais uma vez, espero poder ver vcs nas outras fics que irei postar ^^
Beijinhos anjinhos~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...