História Férias de primavera - Momentos de descoberta. - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Tags Aokaga, Aokagakuro, Aokuro, Kagakuro, Políamor, Romance, Yaoi
Visualizações 112
Palavras 3.872
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey gente!!
Esse capítulo é bem tranquileba, mais um “encher linguiça”. Hahaha mas o bom que da pra ter um pouco de ideia da relação deles juntos agora, já que todo mundo decidiu aceitar a ideia do Daiki.
Espero que gostem,

ENJOY IT!

Capítulo 29 - Day-off


Fanfic / Fanfiction Férias de primavera - Momentos de descoberta. - Capítulo 29 - Day-off

*Kuroko Tetsuya part*

Aomine pegou uma semana de afastamento do trabalho e junto com sua família foi passar três dias em uma antiga fazenda em que ele morava na infância.

Kagami e eu não fomos junto, primeiro porque Kagami tinha que trabalhar e segundo porque era um momento deles.

Passei os dias na casa do Kagami para poder lhe fazer companhia durante a noite, por mais que ele negasse, ele não estava conseguindo dormir sozinho com medo. 

Nós dois trocamos a cama do Kagami para uma de casal e consertamos a cama de solteiro do Aomine, consertamos também todos os outros possíveis móveis quebrados dentro do quarto que o Aomine havia destruído.

Os três dias com o Aomine longe não foram os melhores, pois ele parecia triste por estar longe. Kagami, assim como o próprio Daiki, ficava no trabalho só meio período, então durante o período das férias, ele conseguia trabalhar na parte da manhã tendo a tarde livre para que a gente pudesse ficar juntos.

Arrumamos todo o apartamento para que quando o Aomine chegasse, se sentisse confortável.

...

Kagami e eu estávamos deitados no sofá assistido os jogos reprisados da NBA quando ouvimos a porta abrir. Aomine abriu um sorriso quando nos viu.

- Como eu estava ansioso pra ficar perto de vocês - disse ele largando a mochila em qualquer canto.

- Pô Aho, guarda no lugar certo - disse o Kagami recebendo um selinho dele enquanto o próprio Daiki revirava os olhos. 

- Deixa aí, mãe.. depois eu levo - Aomine me puxou pelo braço para que eu pudesse ficar sentado - Aí, depois daquele beijo do hospital eu estava salivando pra te beijar de novo Tetsu- Aomine me puxou para cima para que eu ficasse agora de joelhos no sofá, me deu um beijo intenso segurando a minha nuca e me apertando ainda pra mais perto com a outra mão.

- Que bom que você voltou Daiki - disse quando a gente se afastou - conta pra gente como foi.

A expressão do Aomine passou de cansado para extremamente triste.

Ele se jogou no canto do sofá fazendo com que eu ficasse no meio.

- Foi triste.. foi horrível.. mas foi bom - ele disse forçando um sorriso - eu adoro aquele lugar, meu pai, eu e meus irmãos íamos caçar insetos lá.

- Insetos? - questionou Kagami - que Hobbie esquisito.

- É - disse o Aomine se acomodando ainda mais no sofá e passando os braços em volta de mim - Para pessoas medrosas que nem você, é mesmo.

- Não sou medroso - rebateu Kagami fazendo uma cara feia 

- Enfim, foi bom ficar perto deles esse tempo, sabe? Minha mãe basicamente quem nos consolou o tempo todo. Jogamos as cinzas do velho em um montanha alta, onde ele gostava de ir muito. Fizemos uma fogueira e choramos. Contamos nossas historias favoritas e por fim, todo mundo confessou algo que nunca teve coragem de falar pra ele. Minha mãe ficou abaladíssima nessa parte - Aomine deu um longo suspiro e desviando os olhos da TV olhou para mim e para o Kagami que estávamos atentos a cada palavra - Eu já disse que eu estava ansioso pra estar aqui perto de vocês? 

- Já sim - disse me aconchegando nos braços dele fazendo com que ele me desse um abraço

- Minha mãe me chamou pra morar com ela de novo - disse o Aomine tentando parecer descontraído

Kagami ficou quieto, eu sabia de todo nosso esforço para que pudéssemos arrumar o apartamento pra que o Aomine se sentisse ainda mais confortável, eu só não tinha percebido que o Kagami havia sugerido isso exatamente por temer que o Aomine fosse embora.

- Bom - disse o Aomine fitando os olhos do Kagami - Eu disse que ia pensar, que nós dois estávamos trabalhando e que estávamos tentando nor tornar independentes.

- E ela reagiu bem? - perguntou o Kagami com uma voz séria.

- Ela disse que eu tinha que focar nos estudos.. mãe, sabe como é. Mas ela disse que não queria ficar sozinha em casa - Aomine segurou a mão do Kagami  por cima das minhas pernas - Eu disse pra ela que ia passar uns dias lá com ela durante a semana.

- É uma ótima ideia - respondi para que o clima chato fosse quebrado - acho que da pra vocês conciliarem bem.. e durante as férias, quando o Aomine estiver na casa da mãe dele eu durmo aqui você, Taiga.

- Eu estava pensando isso mesmo - disse o Aomine - Mas você deveria dormir aqui quando eu estivesse também Tetsu.. e Taiga, não precisa ter medo do escuro..

- Não tenho - disse o Kagami soltando um sorriso - Você vai continuar trabalhando? 

- Claro que eu vou, Baka - respondeu o Aomine dando um tapinha na mão do Kagami - você acha que da pra confiar nesses bombeiros? 

- O que tem haver? - disse o Kagami me puxando pra tirar dos braços do Aomine.

- Podemos trazer os colchões para a sala hoje? - perguntou o Aomine 

- Vai lá levar sua mochila pro quarto, Baka - disse o Kagami apontando para a mochila no chão - Ficamos dois dias limpando esse lugar. 

- Saco! - disse o Aomine se levantando, pegando a mochila e indo em direção do quarto.

Quando o Aomine entrou no quarto e acendeu a luz soltou uma exclamação de felicidade, ouvimos ele se jogando na cama de casal e depois voltando até a sala com um sorriso no rosto - Não vejo a hora de deixar de me sentir triste.

Não sabíamos o que responder para aquele comentário, mas estendemos nossa mão para que deitasse no sofá com a gente. O que ele fez de maneira bem destrambelhada, porque ele se jogou de fato em cima da gente nos machucando com o cotovelo.

Quando começou a ficar mais tarde, Kagami pediu uma pizza para que não precisássemos gastar energia fazendo comida. 

Levamos os colchões para sala para assistirmos algum filme aleatório. Fizemos uma cama gigante afastando os sofás e juntando o colchão de casal com o de solteiro.

A pizza chegou meia hora depois e nos acomodamos na nossa super cama. Aomine escolheu um filme do Star Trek que ele estava com vontade de assistir de novo, como ele estava triste, apesar de tentar demonstrar o contrário, deixamos ele escolher o que ele quisesse.

- Eu amo esse filme - disse o Aomine quando o filme acabou - Nem lembro quantas vezes assisti.

- Só comigo, umas três - disse o Kagami - e deixa o Tetsuya no meio agora - Kagami me puxou por cima do Aomine - Você é muito egoista.

- Desse jeito vou ficar com ciúmes - Aomine abriu um sorriso e me abraçou por trás - Eu estou muito feliz em estar perto de vocês, quase esqueço o vazio constante que eu estou sentindo.

Mais uma vez, não sabíamos o que falar. Desde que chegara, Aomine lançava piadinhas auto-depressivas nos deixando totalmente sem palavras, era horrível ver aquele menino que adorava tirar um sarro, sofrendo.

- Daiki - eu disse me virando para ele - Você sabe que você pode sempre contar com a gente, né?

- Eu sei - disse ele passando os dedos nos meus cabelos - Mas.. eu não sei como lidar com isso.. Acho que nunca vou superar.

- E não vai - respondi dando um beijo na testa dele - Você nunca vai superar 100%, mas a dor fica mais suportável e depois você só se apega às lembranças boas.

Eu havia perdido meu pai quando ainda tinha 8 anos de idade, e apesar de muito novo, as coisas que eu fazia com meu pai na época ainda eram muito vívidas na minha memória.

- Como foi pra você, Tetsu? - perguntou o Aomine com os olhos lacrimejados - Como você lidou?

- Meu pai morreu em um assalto - eu disse dando um leve suspiro - então foi do nada que nem foi pra você. Eu tinha o visto de manhã, ele me levava para escola e a noite minha mãe estava chorando me contando o que tinha acontecido... eu lembro que eu não acreditava, mesmo depois da cremação.. acordava todos os dias de manhã na esperança de que meu pai que ia me levar para a escola. Eu não chorei durante uns três meses, eu realmente não acreditava. Um dia, eu acordei e não conseguia parar de chorar.. eu tinha certeza que ele não voltaria mais.

- Meus pêsames, Tetsu - disse o Aomine me dando um abraço apertado - Eu só me arrependo de não ter tentado... procurado... falado com ele, sabe? Me desculpar por algo que eu não sei o que é.. dizer que eu não queria decepciona-lo por ser gay.

- Você não o decepcionou por ser gay - disse o Kagami - seu irmão tem razão, seu pai só temia o desconhecido, como muitas outras pessoas mais velhas.. como meus próprios pais.

- Eu sei - disse Aomine começanco a deixar umas lágrimas caírem do seu olho, e como se estivesse com vergonha, começou a limpá-las o mais rápido que pode.

- Pode chorar, Daiki - disse o Kagami se aproximando dele e dando um beijo na testa também - Vamos estar aqui por você, pra sempre!

Acabamos que deixamos o Aomine dormir no meio, eu e o Kagami o abraçamos enquanto ele chorava até pegar no sono, logo em seguida dormimos também.

XXX 

Os dias iam se passando e o Aomine demonstrava algumas melhoras. As recaídas aconteciam principalmente durante a noite e principalmente no dia seguinte quando ele voltava da casa da sua mãe. Voltar a trabalhar foi ótimo para ele, porque ele conseguia manter a mente ocupada. Os amistosos de basquete na rua que fazíamos também o ajudava a esquecer o quanto ele se sentia triste. Vire e mexe ele dizia “Ironia do destino. Esperei tanto para que pudéssemos ficar nós três e agora eu só sei reclamar” É claro que ele falava isso porque desde que eu e o Kagami resolvemos tentar, não havíamos feito sexo. Entre nenhum de nós.. o que era super compreensível já que o Aomine estava sempre muito cabisbaixo durante a noite, que era a hora que nós três ficávamos juntos.

Kagami e eu fazíamos de tudo para agradar o Aomine, seja com a comida favorita dele, filme ou qualquer coisa que lhe agradava. Tudo que queríamos, era que o Aomine conseguisse ficar melhor. 

Quando o irmão do meio do Aomine, Michi, veio passar uns dias das férias com a mãe dele, Aomine deu uma melhorada significativa.. principalmente porque Michi conseguia dar uma visão totalmente amigável sobre a morte e os papéis que cada um tem no planeta. Aomine deu uma melhorada no humor e começou a se apegar a esse pensamento de que nada acontecia em vão. Quando dormíamos juntos, ele já não chorava tanto e as piadinhas auto-depressivas começaram a ficar menos frequentes.

- Eu amo domingo - disse o Aomine se espreguiçando na cama e colocando a mão na boca do Kagami enquanto ele bocejava para irritá-lo.

- Domingo é um dia muito bom - falou Kagami empurrando a mão dele - principalmente quando você trabalha.

- Concordo - disse ele.

Eu ainda não tinha acordado totalmente, então mantive meus olhos fechados enquanto eles conversavam.

Eu senti o Aomine se aproximar da minha orelha e dar um beijo fazendo com que eu me arrepiasse inteiro. 

Então o Kagami fez a mesma coisa do outro lado.. eu automaticamente abri os olhos e fiquei olhando para o rosto deles que era de pura sapequice.

- ..Morning sweet - disse o Kagami me dando um selinho

- Hoje vamos ter nosso dia de preguiça.

- Vocês me chutaram horrores essa noite - eu comecei a me espreguiçar e desviei da mão do Aomine que estava indo direto para a minha boca enquanto eu bocejava.

- Desculpa - disse o Aomine - tive uns sonhos de aventura essa noite.

- Você parece bem - eu disse passando a mão no rosto dele - está mais animado hoje.

- Sonhei com meu pai - disse ele levantando um pouco e se apoiando no cotovelo - Estávamos caçando e foi nostálgico.

- Nunca vou entender esse lance de insetos - Kagami se colocou sentado - é nojento.

- É nojento - repetiu o Aomine zombando a voz do Kagami - você que é chato.

- Eu sou chato? - disse o Kagami rindo e puxando o Aomine pela gola da blusa - Você que me irrita - Kagami deu um beijo nele e o afastou dando um empurrãozinho.

- Nossa, estou doido para fazer varios nada com vocês hoje - Aomine olhou para gente maliciosamente 

- Esse seu olhar que é nostálgico - eu disse me colocando sentado também - nem lembro a última vez que vi.

- Pois é, com tudo que aconteceu e eu ando sentindo.. eu sempre percebo como eu não estou aproveitando as coisas boas - Aomine fechou os olhos como se tivesse tentando manter todos os sentimentos bons, afastando os ruins.

Kagami deu um tapa na cabeça dele por trás fazendo com que ele abrisse os olhos, Aomine pulou através de mim para subir em cima do Kagami e prender os braços dele do lado do corpo, mantendo seu joelho pressionando. 

- Aí Aho - disse o Kagami tentando se soltar - Que caralho!!! Você me pegou de surpresa. 

- Você que é fraco, Bakagami!! - disse o Aomine tentando se segurar em cima dele.

Kagami começou a se mexer mais violentamente até fazer o Aomine cair da cama.

- Urgggh!! - disse o Aomine com a bunda no chão - Você me machucou.

- Larga de ser fresco - disse o Kagami estendendo a mão para puxar ele de volta para cama; mas ele foi surpreendido com um puxão para o chão também.

Aproveitei que a cama agora estava sem os dois e comecei a me espreguiçar de verdade, porque eu realmente estava me sentindo meio dolorido dos chutes noturnos.

Antes que eu pudesse abrir os olhos, senti duas mãos segurando meu braço pra trás, e outras duas começando a fazer cócegas no meu pé. Aomine segurava, Kagami fazia as cócegas.

- Parem!!! - disse me debatendo na cama - Vocês sabem que eu odeio isso.. 

Kagami apoiou suas mãos no meu joelho  e se aproximando lentamente, me deu um selinho. 

- Pelo amor, Taiga - disse o Aomine soltando meus braços - se fosse para dar um beijo feio desse eu que tinha ficado cuidando das pernas.

- Pode voltar para a sua posição então - disse o Kagami se aproximando de novo - Tetsuya é meu!

E agora muito mais intenso, Kagami me deu um beijo gostoso, segurava a parte de trás do meu pescoço e controlava totalmente o ritmo. Parando aos pouco, ele começou a chupar a parte de baixo dos meus lábios me fazendo sentir uma excitação entre as pernas. Fazia tempo que eu não o beijava assim.

Ele foi parando os beijos da boca e começou a passar para a bochecha, até olhar para o Aomine com cara de quem havia ganhado uma batalha. 

Aomine estava parado sem mexer um músculo, estava totalmente hipnotizado, ainda de joelhos na cama, ele mantinha um sorriso safado, seus olhos estavam vidrados no beijo. 

- Quer também? - perguntei olhando para o Aomine fazendo com que os dois olhassem para mim um tanto surpresos

Me coloquei de joelho na frente do Aomine e contornei meus braços em volta do seu pescoço, comecei a mordiscar os lábios inferiores dele provocando para que ele me pegasse logo pela cintura. Mas ele parecia estar se deliciando com a tortura. Ele já não ria mais. Ele fechou os olhos e como se estivesse lembrando da sensação que era poder se dar o direito de se divertir, ele lentamente abriu os olhos e com uma força já conhecida me agarrou pela cintura, passou uma das mãos para trás da minha cabeça, e começou a invadir a minha boca com a sua língua insistente procurando pela minha, quando a minha língua entrou na boca dele, ele a manteve lá, chupando-a como se estivesse finalmente saciando a vontade de tomar o sorvete mais gostoso do mundo.

Kagami que parecia se divertir agora com a cena de nós dois nos beijando, ele também se ajoelhou atrás de mim, começou a dar mordidas na minha orelha fazendo eu me arrepiar inteiro. Aomine parou de me dar beijo e se esticou um pouco mais para cima para começar a beijar o Kagami atrás de mim. Para facilitar o beijo deles, eu abaixei um pouco e levantando a camisa do Aomine, eu comecei a beijar sua barriga cheia de gominhos, passando a mão até as suas costas e depois descendo apertando um pouco mais, e descendo ainda mais os beijos, até chegar próximo ao pé da barriga dele.

Kagami me puxou para trás e me mantendo preso deitou comigo por cima dele, Aomine veio por cima e me deu um selinho com um sorriso no rosto.

- Tetsuya seu safado - disse o Aomine beijando meu rosto inteiro agora.

- O que foi? - perguntei tentando olhar para o Kagami que me mantinha preso.

- Agora não - disse o Kagami no meu ouvido - muito cedo ainda.

- Mas já são quase 10am - respondi incrédulo - Já fiz muito mais cedo com vocês antigamente do que isso.

Os dois começaram a dar uma gargalhada um tanto irritante. Eu odiava quando eu não entendia a piada.

Kagami me soltou, sentei em cima dele e olhei para trás pra os dois bestas deitados na cama e rindo de mim, sem que eu entendesse nada.

- Que foi? - perguntei - O que tá acontecendo? 

-  Como você pode passar de inocente para um doido por sexo em segundos, Tetsu? - disse o Aomine fazendo carinho no meu rosto - Não que eu não esteja excitado, porque eu estou pra caralho, mas é que eu e o Kagami combinamos que a nossa primeira vez oficial ia ser em um lugar especial.

- E desde quando vocês ligam pra isso? - perguntei tentando controlar a minha própria excitação e deitando entre eles - digo, Taiga até entendo.. mas você Daiki, qualquer canto era canto.

- Eu sei - disse ele ainda tentando conter o riso - Maaas é que eu e o Taiga queríamos que fosse especial dessa vez.

- Pra vocês é fácil falar - disse revirando os olhos - Vocês fizeram sexo mais do que eu.. a última vez foi literalmente com vocês, bakas.

- Falando nisso - disse o Kagami levantando um pouco o corpo - Vai ser a primeira vez do Aomine também, por isso tem que ser mais especial Tetsuya pervertido.

- Primeira vez? - perguntei olhando para o Kagami sem entender - como assim? 

- O cu que vai ser minha primeira, Bakagami... já falei pra você esquecer dessa ideia - disse o Aomine também se colocando um pouco mais levantado e com uma cara de incrédulo.

- O cu mesmo, Aho - disse o Kagami dando uma gargalhada - Você acredita Tetsuya que ele está com medo? 

- Que? - perguntei sem entender - Que conversa estranha é essa? 

- Intimidade é uma merda mesmo - disse o Aomine praguejando enquanto voltava a se deitar.

- Acontece - disse o Kagami levemente vermelho e totalmente sem graça - Que eu e o Aomine não fizemos sexo durante o tempo que ficamos juntos. Máximo uma mastubarçãozinha.

- Ideia de Jerico desse aí - disse o Aomine com as mãos nos olhos.

- Eu disse pra ele que não íamos fazer sexo até que você soubesse da gente... nos mantemos puritanos assim até aquele dia que você nos viu e ele conversou com você e blábláblá 

- Só que - continuou o Aomine - que eu e o Kagami nunca havíamos definido quem ia fazer o que... e acabou que EU GANHEI e enfim.. - Aomine disse também constrangido.

- Sério?? - Olhei para o Kagami incrédulo - Eu jurava que você não ia ceder nunca.

- Ele não ganhou porra nenhuma!!! - respondeu Kagami super vermelho de vergonha - Eu deixei, queria experimentar e eu não queria que sempre fosse uma briga.

- Aí na cabeça dele - continuou o Aomine - a gente vai começar a revezar quem vai fazer o que... mas eu nunca concordei. 

- Que interessante - respondi - Vocês tem sorte que eu realmente gosto da posição que fico.. mas eu ia adorar experimentar algo novo um dia 

- Aí nem vem - disse o Aomine dando um cheiro no meu cangote - Deve doer pra porra, já falei que não vai rolar.

- Mas é uma dor gostosa - respondi pra ele - pensei que você gostasse de dor.

- Você que gosta de dor Tetsu - rebateu o Aomine - Como você aguentou nós dois? Digo, Kagami quase não me aguentou sozinho 

- Vai se foder, Ahomine - disse o Kagami esticando o braço para dar outro tapa nele - Dói pra porra mesmo, mas melhora depois.

- Se vocês gostam... pra que mudar a ordem das coisas? - perguntou o Aomine se desviando do tapa.

- Relaxa Daiki, eu faço com carinho - Kagami esticou a mão e apertou a bunda do Aomine fazendo com ele tentasse se afastar.

- Vocês são dois bestas - disse me colocando sentado - Se não vamos fazer nada, pra que vamos ficar falando dessas coisas? 

- Está excitado Tetsu? - Aomine passou a mão por cima do pênis que estava excitado - Que saudade de experimentar você!

- Vamos fazer algo para comer então, para afastar os pensamentos pervertidos do Tetsuya- disse o Kagami me roubando um beijo quando levantou - To morrendo de fome.

- Eu também estou - Aomine fez o mesmo gesto, roubando um beijo ao levantar.

Os dois saíram do quarto, me deixando sozinho.

Eu voltei a me deitar na cama tentando acalmar meus hormônios que estavam a flor da pele. Eu realmente estava com saudades dos toques deles e dos beijos. Os dois me excitavam de maneiras diferentes mas igualmente prazerosa.

Eu sabia que no fundo, estava muito cedo para o Aomine e que ele ainda não se sentia confortável em desvincular a perda do seu pai com qualquer outra felicidade que ele poderia sentir, ele se sentia de alguma forma injusto. E eu sabia também que fazer em um lugar especial sempre foi importante para o Kagami, ele realmente valorizava esse tipo de coisa. Mas eu sou mais parecido com o Aomine, qualquer canto é canto, contanto que seja com eles, é especial de qualquer jeito..

- Para de se masturbar e vem tomar café Tetsu - gritou o Aomine da cozinha.

- Mas lava a mão antes - gritou o Kagami.

- Você é chato Bakagami - resmungou o Aomine.

Não soube o que o Kagami respondeu depois, pois eu entrei no chuveiro e comecei a tomar um banho gelado para apagar o fogo, porque eu estava realmente excitado.

 

 

 


Notas Finais


Ainda estou meio de luto com a morte do pai do Aomine, por isso que não consegui fazer nada mais... hmmm concreto hahaha.
Próximo capítulo vamos ter a visão do Aomine sobre a perda do pai e de como ele está superando.. talvez fique mais fácil de ver a superação dele sobre tudo isso.
Obrigada por lerem!

Beijos beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...