História Férias de primavera - Momentos de descoberta. - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Tags Aomine, Drama, Kuroko, Kuroko No Basket, Kuroko No Basuke, Romance, Yaoi
Visualizações 33
Palavras 4.337
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Heu you!
Bem safadinho para matar um pouco de saudade de vê-los juntos de vez hahaha.
Porém, prometo que o próximo capítulo irá trazer fortes emoções!
Espero que gostem.
ENJOY IT!

Capítulo 30 - Wonderwall


Fanfic / Fanfiction Férias de primavera - Momentos de descoberta. - Capítulo 30 - Wonderwall

*Aomine Daiki part*

Aquelas quatro semanas que se passaram depois da morte do meu pai não foram nada fáceis. Tudo parecia inquietante, nada parecia bom, nada me alegrava.

Eu me pegava em um insistente pensamento de que eu poderia ter feito mais. Aproveitado mais a companhia dele e inclusive ter escondido quem eu realmente era. As vezes eu me pegava tendo uns pensamentos meio perturbados de que de fato eu não era gay e que tudo aquilo era só uma fase. Claro que esses pensamentos me atingiam em cheio quando eu estava dormindo na casa dos meus pais. Meu quarto parecia de outra pessoa, porque tudo ali me arremetia a terrível briga, o terrível soco e a terrível sensação de que eu talvez tivesse falado demais.. eu não conseguia dormir com a luz apagada naquele quarto, então mantinha um pequeno abajur ligado no canto em alguma tomada próxima a minha cama. Kagami iria me zoar para sempre caso visse, mas o escuro era o pior momento para que eu ficasse sozinho.

Depois de um pesadelo do qual eu via meu pai batendo no Tetsu enquanto o Kagami segurava, eu acordei assustado. Me dirigi pela casa escura apenas iluminada pela lanterna do meu celular, entrei no quarto da minha mãe e me deitei ao lado dela.

Eu sempre fui muito apegado a minha mãe, ela sempre sabia como me acalmar, as brigas delas sempre vinham acompanhados de um risinho debochado de canto que eu conhecia muito bem. Quando ela não me pediu para ficar um ano antes e não me defendeu do meu pai, eu me senti traído, como se não fosse haver mais ninguém no mundo capaz de me amar como minha mãe fazia, eu estava sozinho. 

Claro que o Bakagami e o Tetsu me ajudaram da melhor maneira que eles podiam, mesmo assim, o gosto constante do amargo da rejeição não saia da minha boca.

Com a morte do meu pai, minha mãe parecia ainda mais forte do que antes, e ela se demonstrava assim principalmente na minha frente. Ela sabia que dos seus três filhos, eu era quem sentia uma culpa maior, e o sentimento era recíproco. Minha mãe sentia uma culpa sem tamanho por não ter conseguido se impor e feito com que meu pai e eu fizéssemos as pazes e isso tornava um peso ainda maior, porque ela não havia tentado.

Eu gentilmente abracei a minha mãe por trás como eu sempre fazia sempre que dormia lá, e como se ela já soubesse, ela acordava e pegava minha mão levando até a sua boca pra um beijo.

- Outro pesadelo, filho? - perguntou ela se virando para mim - o mesmo da outra vez? 

- Sim - concordei fechando os olhos e afastando as imagens para longe - odeio me sentir assim. 

- Filho - disse ela passando a mão no meu rosto - Seu pai amava você. Por mais que ele sempre parecia distante, ele adorava te elogiar em como você estava crescendo, em como você era bom no basquete, como você se parecia com ele também. - ela soltou um riso - ele morria de ciúmes que você se parecia mais comigo do que com ele, mas sempre falava que você era marrento igual a ele.

- Eu nunca quis decepcionar vocês, mãe - disse com a voz ficando embargada 

- E você não decepcionou filho - disse ela mantendo a mão quente no meu rosto - Eu me arrependo de não ter agido diferente.

- Tudo bem - disse abrindo um sorriso para que ela não começasse a chorar - Eu senti saudades das nossas conversas.

- Eu também senti - ela se aproximou e me deu um abraço - Temos orgulho de você e de como você se manteve fiel a quem você é, filho. Mesmo eu achando que dois namorados é muito.

Não pude deixar de rir. Minha mãe sempre me falava que dois namorados era exagero e que eu deveria escolher. E eu sempre dizia para ela que era impossível. Depois que ela começou a conhecer um pouco mais os meninos, ela ficava indignada como nós três éramos estranhamente diferentes e mesmo assim nos dávamos bem. Ela sempre dizia que o Kagami era o responsável, Tetsu era o carinhoso e eu era o que tirava os dois do sério. Depois de algumas visitas deles em casa, ela começou a se afeiçoar a eles, e depois de tanto relutar, ela entendia a minha opção de querer manter os dois por perto “Essa geração nova é muito evoluída para minha cabeça” dizia ela em tom de brincadeira sempre que eu lhe contava algo que havia acontecido.

A reaproximação da minha mãe foi o maior motivo para que eu conseguisse parar de sabotar meus sentimentos. Eu não me sentia no direito de aproveitar os meninos como eu deveria desde a morte do meu pai. Parecia constantemente que eu estava errado em estar sendo feliz com algo que meu pai abominava.

- Seu pai pode nunca ter assumido, mas ele sempre quis que você e seus irmãos fossem felizes - disse a minha mãe outro dia - E mesmo que silenciosamente, ele te admirava por ter sido o único que o enfrentou. Ele nunca iria querer ver você se arrependendo por isso. Se você o afrontou para ser feliz, não faça com que isso tenha sido em vão.

As palavras da minha mãe mais os ensinamentos de Michi de que nada é em vão, começaram a fazer com  que eu me sentisse mais conformado. 

E todos esses sentimentos novos, me fizeram voltar a ver os meninos como antes.. com amor, carinho, respeito e tesão.. claro! E eu sabia que eles estavam fazendo o melhor deles para que eu me sentisse bem novamente, e minha admiração pelo nosso relacionamento só aumentava, ainda mais por saber que eu precisava apenas estar perto deles para me sentir completo, mesmo que não houvesse sexo, porque nossa relação estava sendo construída principalmente em cima de uma verdadeira amizade.

XXX

- Esse lugar é legal mesmo né, Taiga? - disse olhando impaciente para as fotos no celular dele enquanto nós dois esperávamos Tetsu sair de casa - porque foi caro.

- É sensacional - respondeu ele animado - Tem um restaurante super chic com todo tipo de comida maravilhosa e os quartos tem hidro e uma cama enorme.

- E a gente precisava mesmo vir de terno? - disse olhando para meu terno novo que acompanhava uma camisa branca.. mas nos recusamos a usar gravata - Me sinto velho.

- Você fica mais bonito do que pensa - Kagami colocou a mão por dentro do meu paletó e puxou o suspensório - Nem parece você.

- Baka - revirei os olhos me voltando aos risos dele; Kagami também estava lindo com aquela roupa, os cabelos ruivos levemente jogados para trás lhe davam a impressão de um gângster - Você está sexy

Ele abriu um sorriso malicioso e se aproximou dos meus lábios para me dar um selinho demorado. Ele não estava pouco se importando que estávamos na frente da casa do Tetsu e que qualquer pessoa poderia ver. Ele provavelmente devia estar com muito tesão mesmo, porque raramente gostava de demonstrar carícias em público.

- Eita - disse uma voz saindo da casa - Vocês estão apressadinhos - me virei e vi o Tetsu usando o mesmo terno que nós dois, só que os suspensórios um pouco mais amostra. Seus cabelos azuis estavam também jogados para trás lhe tirando o ar de angelical para um ar de travesso.

- Então vamos logo que eu estou com fome - disse o Kagami dando um selinho no Tetsu depois de mim - E a gente precisa fazer o check-in as 20h no hotel.

A ideia de passarmos o final de semana no Hotel partiu do Kagami depois da terceira vez que quase fizemos sexo. Não que eu me importava onde eu ia fazer, mas eu já tinha estragado isso para o Tetsu e não queria repetir a mesma burrada agora que finalmente estávamos nós três juntos.  Kagami tinha um amigo que conhecia alguém que trabalha nesse hotel super chic no centro da cidade. Conseguimos reservar o hotel mesmo sendo menores por causa desse contato e passamos a semana inteira ansiosos. Kagami fez a gente comprar roupas novas e até me convenceu arrumar meu cabelo... Por mais que ele fosse um cara caseiro, Kagami gostava de ter ocasiões especiais em determinados assuntos, mesmo que ele negasse.

Mas para a minha surpresa, Tetsu parecia tão eufórico quanto. Principalmente porque das últimas vezes que nos pegamos mais fortemente, ele parecia ainda mais excitado do que eu e o Kagami juntos, como se estivesse ansiando isso há tempos.

Não nego, eu também queria! Finalmente eu estava conseguindo separar luto com poder ser feliz. E por mais que eu tentasse demonstrar um cara mudado quanto a sexo, eu vivia me pegando roçando no Taiga e no Tetsu durante a noite enquanto eles dormiam.

...

- Uau - disse o Tetsu enquanto esperávamos o Kagami voltar com o check-in - esse lugar é lindo.

- Sensacional mesmo - eu disse olhando para o lustre que parecia quase inalcançável de tão alto que era o teto.

Uma moça simpática nos levou até um restaurante igualmente impressionante, com cores de marfim com dourado por toda sua extensão.

Ela pediu para que a gente a acompanhasse até uma mesa que ficava dentro de um cômodo confortável, onde tinha uma mesa com quatro cadeiras, uma mesinha de canto e um sofá que ornava perfeitamente bem com as paredes. 

- Super reservado mesmo, Taiga - disse o Tetsu retirando o paletó e entregando para a moça - gostei.

- Bom - disse o Kagami também se retirando o paletó - Eu sabia que algumas pessoas poderiam não gostar de ver três caras juntos, então pra evitar qualquer problema... A mulher do meu amigo que trabalha aqui me fez um bom preço.

- Estou morrendo de fome - disse admirando mais uma vez o teto que parecia ainda mais longe; o cômico da sensação que eu estava sentindo é que pela primeira vez em tempos eu estava com borboletas no estômago, esse era nosso primeiro encontro oficial.

Após a moça nos servir com nossos respectivos pratos, a conversa na mesa variava de basquete, música, apartamento, trabalho e futuro em questão de instantes. Nenhum de nós estávamos bebendo álcool, mas eu poderia dizer que sim. Pois, cada minuto que passava ficávamos mais alegres, mais a vontade, e principalmente um tirando o sarro do outro. 

Quando as sobremesas chegaram eu já estava me sentindo extremamente cheio, mas sobremesas com chocolate eram a minha tentação, principalmente chocolate belga.

- .. Então - disse o Kagami chamando a moça para informar que estávamos indo para o quarto - foi assim que eu aprendi a andar de skate.

- Eu nunca vou conseguir imaginar você andando de Skate - disse tentando imaginar - você parece ser alto demais pra isso.

- Não era o melhor, mas tinha gente pior do que eu.- ele pousou às mãos no meu ombro e nos do Tetsu até chegarmos no nosso quarto

O quarto era ainda mais lindo, era cinco vezes maior que a sala do apartamento, o banheiro era maior que o nosso quarto e a hidro era extremamente interessante.

Jogamos nossos paletós em cima da cama e fomos até a varanda admirar à vista, que parecia mais um quadro da cidade inteira. As luzes das casas e dos outros prédios davam a sensação de ser uma cidade enorme. As Sakura’s ainda mais floridas espalhavam-se por todo canto. Uma noite perfeita.

- Adorei vocês de suspensórios - disse Tetsu sentando na cama e testando para ver se era macia - Vocês parecem aqueles caras que são da FBI que mostram nos filmes.

- Olha quem fala - me joguei do lado do Tetsu e passei a mão por todo o seu suspensório descendo e subindo pelo seu abdominal abrindo mais dois botões da sua camisa branca, deixando seu peitoral levemente exposto - Você vestido assim até parece o Tetsu pervertido que conhecemos.

- Não sou pervertido - disse ele buscando o olhar do Kagami para que ele concordasse, o que não foi retribuído, pois Kagami estava com um leve sorriso no rosto.

- Bom - Kagami espreguiçou os braços para trás fazendo com que toda a sua silhueta ficasse marcada pela camisa levemente justa ao seus músculos - O que vocês querem fazer primeiro? 

- Primeiro - eu disse babando naquele corpo junto com o Tetsu - você deveria tirar a camisa e ficar com os suspensórios, só pra gente dar uma analisada melhor.

- Tá achando que sou stripper é? - respondeu o Kagami levemente corado - Não sei ser sexy!

- Você sabe mais do que imagina - respondeu o Tetsu animado com a ideia - Tira a camisa vai.

Kagami parecia relutante em entrar na brincadeira, mas Tetsu e eu estávamos colocando muita pilha, até colocamos uma musica que sabíamos que o Kagami adorava e já havia inclusive mencionado que faria strip-tease com ela um dia.. Another one bites the Dust do Queen. Quando a música começou a sair do meu celular, Kagami não conteve o sorriso, se afastou um pouco mais da gente para que pudéssemos ter uma visão melhor do show e como se já tivesse ensaiado, ele começou a bater uma das pernas no ritmo da música e abrindo botão por botão da camisa branca.

Eu e o Tetsu mudamos nossas feições de achar engraçado para Interesse total, quando Kagami estava chegando na metade da camisa enquanto formava as palavras com a boca “Are you ready? “junto com a música. Ele levemente passou a mão no cabelo pra trás que agora insistia em vir pra frente, dando a ele um ar de ainda mais sexy. Puta que pariu, ele estava sexy demais tirando aquela camisa.

Ele agora terminava de tirar a camisa enquanto falava “... another one bites the dust” 

Virou de costas para gente, como se estivesse exibindo os músculos, levantou o braço rodando a camisa e jogando em qualquer canto. 

Depois olhou pra gente rindo, porém totalmente sem camisa e só de suspensórios. “....Hey, I’m gonna get to you” então ele começava a se aproximar de mim e do Tetsu na cama, e levemente se curvou para o Tetsu primeiro lhe dando um beijo extremamente excitante, depois ele olhou para mim e com um sorriso úmido dos beijos do Tetsu, ele puxou a minha cabeça e começou a me envolver nos seus lábios, excitantes, invasivos e deliciosos “..Another one bites the dust”

Eu Comecei a me sentir extremamente excitado beijando Tetsu e o Kagami ao mesmo tempo enquanto a música começou a tocar a última estrofe.

A música acabou e começou a tocar alguma do Arctic Monkeys que se chamava my propeller, um tanto provocativa tambem “..I can’t hold on the urgency” disse o Kagami no meu ouvido fazendo com que eu ficasse excitado demais para me segurar com aquilo.

Puxei o Tetsu para que ele ficasse mais próximo, terminei de desabotoar a camisa dele um tanto quanto apressado, ele se mantinha beijando o tórax do Kagami e passava a mão por toda a extensão dos músculos, enquanto Kagami dava leves mordiscadas no meu pescoço tirando também minha camisa.

As musicas parecia que haviam ficado mudas, assim como o mundo inteiro, nenhum dos três estava mais aguentando esperar.

Me ajeitei um pouco mais na cama enquanto o Kagami se mantinha por cima de mim e do Tetsu se apoiando com os braços e joelhos.

Tetsu começou a abrir o zíper da calça do Kagami fazendo ele dar uns suspiros mais intensos quando Tetsu foi beijando seu corpo até aquela região. 

Kagami deixou um dos suspensórios pendendo sobre o braço dando a ele um ar ainda mais excitante.

Eu nunca me permiti ficar por baixo, mas Kagami estava tão ofegoso com a suas mãos me apertando e massageando meu penis por cima da calça, que eu estava começando a aceitar a ideia do porque ele parecia ainda mais selvagem essa noite. Ele iria querer se vingar.

“It’s a necessary... evil” 

Não demorou muito para o Kagami começar a soltar uns gemidos ainda mais gostosos, quando reparei que o Tetsu estava fazendo sexo oral nele, ele olhou pra mim com seus olhos vermelhos e como se estivessem ainda mais intensos ele começou a puxar meus suspensório fazendo com que repelisse no meu tórax com força. Era excitante. Ele estava me provocando, ele sabia que dor e prazer era algo tênue para mim.

Quando a mão quente dele chegou no meu penis ereto, eu só conseguia me deliciar ainda mais com os gemidos roucos que ele dava por causa do ótimo trabalho que o Tetsu estava fazendo, isso me excitava, mas sentir ele me masturbando enquanto seus próprios olhos reviravam de prazer, era alucinante.

Kagami começou a retirar os suspensórios do meu ombro enquanto ele lambia toda a minha barriga até dar um beijo por cima da cueca, fazendo com que tivesse pequenas ereções naquele momento.

Tetsu voltou para cama com os lábios um pouco inchados, me fazendo esticar os braços e puxa-lo pelo pescoço para poder beija-lo. Seus lábios doces, afrodisíacos, excitantes e com gosto do pênis do Kagami me fez puxa-lo ainda com mais força para poder enfiar a minha língua com mais precisão.

Soltei um gemido alto quando senti a boca do Kagami engolir totalmente meu membro...

“My propeller won't spin And I can't get it started on my own. When are you arriving?”

Sua boca era quente por dentro, comecei a me mexer para que ele chupasse com mais força, Tetsu desceu ao lado do Kagami e os dois começaram a chupar inteiro naquela região do pênis e testiculo me fazendo pedir por mais.. quando senti uma língua encostando no meu ânus eu estremeci, eu sabia que o Kagami queria algo.. Tetsu me chupava cada vez mais fundo enquanto Kagami passava um líquido que eu conhecia bem no meu ânus, ele pressionou os dedos e antes que eu pudesse tentar reagir com meu corpo já relaxado, ele enfiou, me fazendo ver estrelas. Tetsu estava ainda mais intenso fazendo o boquete e eu conseguia prever que logo eu ia gozar na boca dele, e ele ia engolir como ele havia feito antes... aquela cena do Tetsu limpando a boca cheio de gozo da outra vez, me fez quase gozar de verdade.

Kagami acrescentava o terceiro dedo..

- Taiga... - gemi mais alto do que pensei - você me paga filho da puta.

Puxei o Tetsu para cima, pois sabia que se ele continuasse, eu ia gozar antes de todos eles. Enquanto Kagami se mantinha firme no trabalho de me preparar para enfiar, eu comecei a ajudar o Tetsu a tirar o resto da roupa, pedi para ele se aproximar ainda de joelhos e como se fosse um doce para acalmar alguém que estava com dor, eu comecei a chupar o Tetsu.. que saudade que eu estava to gosto dele.. dos gemidos nada controlados dele me chamando por Daiki, do rosto dele corado e olhos dilatados. Tetsu era a personificação da pureza constante e eu adorava invadi-lo rompendo isso totalmente.

Comecei a sentir uma dor mais intensa sendo empurrado contra meu corpo, e como se eu sentisse cada centímetro daquela penetração, pude ver o olhar de satisfação do Kagami ao olhar para mim.

Ele começou a se mover lentamente, se apoiando próximo da minha cabeça e fazendo movimentos leves, ele deu uma leve afastada do abdômen, pois o Tetsu estava me chupando enquanto Kagami fazia as penetrações.

Doia pra porra! 

Mas estava começando a ficar mais gostoso com o Tetsu me chupando durante, faltava tão pouco para eu gozar.. E eu pude perceber que o Kagami também estava, pois assistir o Tetsu fazendo sexo oral enquanto o outro não conseguia parar de gemer.. ninguém aguentaria.

Depois de umas 6,7 ou 10 penetrações extremamente rápidas e sincronizadas, eu senti Kagami me preencher com seu gozo enquanto eu fazia o mesmo na boca do Tetsu. 

Não pude deixar de assistir, ele limpando o canto da boca com a parte de trás da mão. Kagami parecia tão fascinado quanto eu com aquela cena, para me deixar ainda mais excitado, Kagami lhe deu um beijo, e como se os dois estivessem nesse momento brigando com quem engolia meu gozo, Kagami abraçou o Tetsu e começou a beija-lo com força o largando do meu lado na cama.

Puta que pariu.. eu já estava ficando excitado só de olhá-los.. 

Eu sabia que fazer sexo com os dois iria exigir mais de mim do que três jogos de basquete no mesmo dia contra a geração milagrosa. Éramos três fogosos por sexo, três pessoas diferentes, mas que não sabia esconder e nem fazia questão de sentir e demonstrar Tesão.

A excitação de ver o Kagami deixando marcas no Tetsu me fez levantar, eu era o cara que deixava marcas no Tetsu. Eu estava tão entorpecido em ser fodido e chupado ao mesmo tempo, que nem reparei a leve dor nas costas, empurrei o Taiga um pouco e puxei o Tetsu para mim. Comecei a beija-lo deixando chupões por todo seu pescoço, Kagami fazia a mesma coisa só que descendo pelo resto do corpo. Parecíamos dois leões com uma presa.

Tetsu se contorcia quase que implorando por mais. E eu não pude deixar de admirar por meros segundos aqueles olhos se revirando de prazer enquanto Kagami começava a fazer sexo oral nele. 

- Tetsuya - disse ofegante no ouvido dele - você é um pervertido.

- Então me coma - disse ele abrindo um sorriso quando viu a minha expressão de “puta que pariu”; para finalizar, ele se contorceu um pouco mais revirando os olhos e disse entre gemidos - os dois! 

Kagami olhou para mim como se estivesse pensando o mesmo que eu, Tetsuya era de fato um pervertido. Eles estavam adorando!

Eu comecei a enfiar os dedos dentro do Tetsu colocando ele de quatro, sempre foi a posição favorita dele, enquanto eu fazia isso, ele fazia sexo oral no Kagami. E o olhar do Taiga se encontrava ao meu quase como um pedido de socorro, porque eu e ele estávamos em um nível de excitação fora do comum.

Eu estava excitado demais, passei meu Penis na entrada do Tetsu fazendo com que ele se contorcesse inteiro pedindo para que eu enfiasse logo. Comecei a pressionar e estava apertado como se fosse a primeira vez, Tetsu começou a gemer ainda mais alto enquanto mantinha o penis do Kagami em sua boca.

Comecei a enfiar ainda mais fundo apreciando aquele prazer que era poder meter no Tetsu. Comecei com movimentos leves e que não demorou muito pra virarem tapas, o marcando por inteiro, deixando ele todo vermelho, e ele pedindo por mais. Comecei a meter ainda mais violentamente, até reparar o Kagami me fazendo sinal para que nós dois trocássemos de posição. 

Foi a vez do Kagami meter enquanto o Tetsu mantinha o sexo oral em mim, o que ele conseguia fazer incrivelmente bem mesmo com o Kagami o empurrando para frente e para trás com as estocadas também violentas dentro dele.

Mas Tetsu não estava satisfeito ainda.

Assim como na primeira vez, Kagami deitou o Tetsu por cima do próprio corpo enfiando seu penis dentro dele, o   apertando contra seu tórax lhe dando incontáveis mordidas na boca. Eu me posicionei atrás e passando um pouco mais de lubrificante, eu comecei a dividir o espaço do Tetsu com o Kagami, Tetsu começou a gemer muito alto, fazendo com que o Kagami amarrasse um pano na boca dele, fazendo com que todos nós admirasse ainda mais a cena de ver o Tetsu amarrado. Comecei a meter mais forte, enquanto o Kagami tentava se manter no mesmo ritmo.

Estava muito gostoso, enquanto eu enfiava, Kagami saia e vice e versa. Eu sentia o penis dele roçando no meu me fazendo ficar ainda mais excitado. Eu dava uns tapas na bunda do Tetsu fazendo ele gemer ainda mais alto. 

As penetrações começaram a ficar mais decisivas, eu e o Kagami diminuímos o ritmo e nós três estavamos apreciando aquela penetração múltipla por cada segundo que fosse, Tetsuya gozou, fazendo o Kagami gozar dentro dele e molhando totalmente meu penis, que agora também estava saindo um gozo tão intenso quanto o primeiro.

Nos largamos na cama mortos, sem processar nada, tentando recuperar todo o fôlego que havíamos perdido. 

Foi Tetsu quem sugeriu para que fôssemos para hidro, e sem mais delongas entramos naquela água maravilhosa que massageava toda as nossas costas e aliviava nossos penis que latejavam intensamente e principalmente aliviava nossos músculos a ponto de tirarmos um cochilo básico com o Kagami e eu abraçados com o Tetsu no meio entre nós dois.

Puta que pariu!!! 

Eu nunca imaginei que fosse sentir mais prazer na vida do que eu senti quando eu fiz sexo a primeira vez com o Tetsu, o cara que eu amava e tinha um carinho imensurável.. ou quando eu consegui dominar totalmente o Kagami fazendo ele dar pra mim ..mas eu percebi que é possível sentir um Nirvana ainda mais intenso quando você faz sexo com duas pessoas que você ama com ainda mais certeza, sem medos, sem receios, sem insegurança... Eu nunca pensei que fosse me tornar a pessoa que sou hoje, o que leva os dois para cama pra que ninguém morresse afogado em uma hidro. O que cobre os dois para que nenhum pegue resfriado, o que ajeita o Tetsu no meio e da um selinho no Kagami e no Tetsu antes de me aconchegar ainda mais perto deles.

O que fala Eu te amo antes de dormir, mesmo que eu não fosse ter resposta porque ambos já dormiam.

A última parte de Wonderwall do Oasis começava ecoar bem distante agora que eu estava finalmente pegando no sono também.

 

“I said maybe, you're gonna be the one that saves me... and after all, you're my wonderwall...” 

 

 

[....]

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Ufa!!
Ainda bem que a mãe do Aomine se reaproximou dele, a dor parece mais sustentável agora, né?
Esses três são safados demais, confesso que a ordem das músicas foram exatamente essas enquanto eu escrevia, hahaha.
Nunca ia imaginar que Queen daria para ser usada dessa forma, mas na minha cabeça funcionou super bem!
Prometo que no próximo capítulo vamos dar uma avançada na estória, acho que já deu para entender que os três estão amando essa relação.
Quem quiser ouvir as musicas:
Queen: Another one bites the dust.
Arctic Monkeys: My Propeller (essa musica é muito sexual hahaha)
E Oasis: Wonderwall
Não estou conseguindo colar o link das musicas aqui porque estou pelo celular.. sorry!!!
Espero que tenham gostado,
Estou tagarela hoje hahaha

beijos beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...