História Festa de Quinze Anos - Bibidro - Capítulo 4


Escrita por: ~

Visualizações 80
Palavras 859
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ooooi gnt, mais um ep <3
espero q gostem, fiz na rapidez mas tá ai

Capítulo 4 - Quase um trauma...


Point of View Bianca

 

Eu não sei vocês mas, eu odeio esperar as pessoas. Estava esperando o meu irmão sair pra que eu pudesse sair sem que ele enchesse meu saco, e principalmente por que ele é muito ciumento e ele com certeza iria fazer um monte de perguntas.

Meu irmão iria dormir na casa de seu amigo, acho que eles iriam fazer um trabalho sei lá, quando ouço sua voz fraca e rouca dizendo "Boa noite, Bianca! Já estou indo!"  Escuto o barulho da porta lá de baixo se abrindo, rapidamente me levanto e termino de me arrumar.

Espero uns minutos e percebo que está chovendo fraco, escuto o barulho da buzina do carro de Pedro, é estranho do nada alguém te chamar pra sair, ainda mais quem você nunca conversou. 

Corro até o carro de Pedro, abro a porta e a fecho rapidamente.

 

— Oi — disse Pedro.

 

— Oi! — disse Bianca com um sorriso bobo.

 

Até chegarmos na festa, ficamos calados, ninguém falava nada, Apenas olhares e olhares.

Parece que eu estava saindo com meu pai, sempre quando eu saio com ele, ele nunca fala nada, ele sempre argumenta que está concentrado no volante e nunca fala nenhuma palavra.

Mas eu acho muito, mas muito mesmo estranho do nada alguém me chamar pra sair pra uma festa, eu conversei com Coelha e ela apenas me mandou tomar cuidado, eu não entendi.

Saímos do carro e entramos na boate, tinha muitas luzes e pelo que eu vi, várias pessoas bêbadas. Pedro me puxou e me levou pra perto de alguns amigos que eu conhecia apenas por rosto. Pedro foi pegar alguma bebida e um dos amigos dele se aproximou de mim.

 

 

— Olá, Bianca — diz Gabriel enquanto beijava sua mão.

 

— O..oi — disse Bianca.

 

— Ah desculpe, deixe-me apresentar, Gabriel Miras. — disse Gabriel.

 

— Prazer, Bianca Tatto! — disse Bianca corada.

 

[...]

 

Point of View Pedro

 

Eu odeio perder, principalmente apostas. 

Ia pegar uma bebida quando vejo Gabriel paquerando Bianca, de maneira alguma poderia perder aquela aposta então vou na direção de Bianca. 

 

— Bianca, vamos dançar! — disse Pedro.

 

— Hum, tá, tchau Gabriel! Se possível, me liga! — Bianca sorri enquanto saía de perto de Gabriel.

 

— Então gostou do Gabriel, é? — disse Pedro enquanto me puxava pra um canto.

 

— Ah, achei ele um cara legal. — disse Bianca.

 

— Olha aqui, eu to numa aposta, tenho que te conquistar em menos de um mês, caso contrário perco R$ 200,00. — disse Pedro enquanto segurava o braço de Bianca.

 

— O que? não, você tá maluco? — disse Bianca se retorcendo para quê Pedro a soltasse. 

 

— Você vai ter que dormir comigo uma noite, querendo ou não gatinha. — disse Pedro enquanto me colocava sob à parede.

 

— ME SOLTA GAR... — Pedro tampa a boca de Bianca.

 

— Não diz mais nada, vai ser rápido, uma noite apenas. — disse Pedro.

 

— Você é um monstro, eu nem te conheço direito e já te odeio. — disse Bianca.

 

— Olha como você fala comigo, idiota. — disse Pedro.

 

— Olha nós estamos no meio de uma festa, eu posso muito bem gritar aqui agora. — disse Bianca.

 

— Tenta! — disse Pedro me encarando — Vai, tenta.

 

— Eu tenho apenas quatorze anos, você tem sei lá dezesseis, isso é... um abuso. — disse Bianca com seus olhos já saindo lágrimas.

 

— Dá pra calar a merda da boca e me entender? — disse Pedro nervoso.

 

— EU NÃO QUERO! — disse Bianca.

 

— O que tá acontecendo? — disse Total se aproximando de ambos — Pedro, o que você fez com a garota?

 

— Nada... não é Bianca? — disse Pedro me olhando com um olhar psicopata.

 

— E..eu... — Bianca fica calada.

 

Sabe, eu não queria fazer aquilo, mas não iria perder dinheiro, precisava daquele dinheiro.

Por dentro eu estava sentindo nojo de mim mesmo, Mas fazer o que, era a única maneira... Eu não quero ser considerado o garoto que não pega ninguém da escola. Esse é o meu hobby.

Bianca aproveitou que Total chegou pra atrapalhar tudo e saiu correndo.

 

— Cara, você abusou dela? — disse Total.

 

— Obvio que não. — disse Pedro.

 

— O que você fez com ela? — disse Total.

 

— Eu... — Pedro abaixa sua cabeça — Iria fazer uma grande loucura.

 

— Cara, a aposta era pra uma garota já experiente, não pra uma garota virgem. Se eu soubesse disso, nem teria feito a aposta. — disse Total.

 

— Como você sabe que eu iria... — Total corta a fala de Pedro.

 

— Sinceramente, você não tem nojo de você mesmo? Só de querer abusar de uma garota de sei lá, quinze, quatorze anos... Isso é ridículo. — disse Total.

 

— MAS VOCÊ QUE FEZ A DROGA DA APOSTA! — disse Pedro num tom mais alto.

 

— Mas não era pra estuprar uma garota. — disse Total saindo daquele lugar.

 

[...]

 

Eu estava totalmente sem saber o que fazer, saí correndo daquele lugar prometendo nunca mais voltar, eu estava traumatizada sem rumo e sem direção. Naquele dia eu prometi nunca mais confiar em mais ninguém...

Estava em choque, sentei numa praça, meus olhos estavam vermelhos de tanto chorar, Só de pensar no que poderia ter acontecido comigo eu já fico totalmente sem saber o que eu fazer.

Estava pensando em tudo que poderia ter acontecido ali se aquele garoto não tivesse chegado, ouço uma voz doce e suave me chamando, olho pro lado e era a de...


Notas Finais


devo continuar?
bjãaao


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...