História Festa Mexicana - Simbar - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Simón
Tags Simbar, Sou Luna
Visualizações 231
Palavras 1.961
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 16 - Capítulo 16


Fanfic / Fanfiction Festa Mexicana - Simbar - Capítulo 16 - Capítulo 16

Simon POV


Dava voltas na cama tentando dormir mas não deixava de pensar no que o Matteo falou. Estaria mesmo pronto para seguir em frente? Conseguiria esquecer a Âmbar?  Poderia deixar de sentir tudo o que sinto por ela alguma vez na vida? Ou pelo menos deixar de pensar nela um segundo que fosse?

A resposta era NÃO. 

Não! Eu não poderia seguir em frente.

Não! Eu não poderia simplesmente esquecer.

Não! Eu não poderia deixar de sentir tudo o que a Âmbar me faz sentir.

E não! Eu não poderia tirá-la do meu pensamento.

Eu amo a Âmbar Smith.

 Amo de uma forma tão profunda e intensa que ninguém poderia me fazer esquecê-la. Nem mesmo o tempo. Ou ela estando com outro cara.

Aquele deslumbrante sorriso, a sua doce voz quando canta e a sua rouca e ofegante voz quando geme, cada detalhe de seu corpo, os seus belos olhos azuis, cada mania dela, o seu cheiro que me leva a loucura, até cada defeito que a minha linda princesa tinha.

Não podia apagar nada disso.

Acabei por passar a noite acordado a questionar-me sobre os sentimentos de Âmbar. O porquê de não me amar mais.

Levantei-me ao ouvir o galo, olhei para Ramiro que também já estava acordado. Descemos juntos e nos sentámos á mesa com todos. Comemos o pão feito por Delfina e Jazmin e bebemos o leite ordenhado da vaca por Luna e Matteo. Era uma refeição simples, o que me intrigou ver a Âmbar comer com um sorriso na cara, a rir com a Emma e Luna sobre alguma coisa.

Eu sorri sozinho ao vê-la a rir. Ao vê-la feliz. Estava a ver a verdadeira Âmbar. Eu tirei o maldito sorriso quando percebi que estava quase babando enaltecendo a beleza de Âmbar. Tinha prometido a mim mesmo naquela noite que me afastaria de Âmbar até os meus sentimentos desaparecerem. Assim poderia estar perto sem sentir uma insana vontade de a beijar e até mesmo de fazer amor com ela. E pronto comecei a fantasiar a Âmbar e eu sozinhos a fazer as coisas mais insanas que possam pensar.

Matteo cutucou-me no braço discretamente percebendo que eu estava noutra dimensão com o nome Âmbar. Eu o olho agradecendo por me fazer retomar á dura realidade.

Depois de tomarmos o café da manhã, fomos para a praia. As ondas hoje estavam mais agitadas. Perfeitas para o surf.

Ramiro, eu, Pedro e Matteo entrámos com as pranchas na água. Âmbar, Jim, Yam e Delfina vinham atras de nós. Mas elas não sabiam surfar então cabia a nós ensinarmos.

-Vem cá loirinha. - falei encarando a âmbar no fundo dos seus olhos, que rapidamente se juntou a mim.

Ajudei Âmbar a subir para a prancha e ensinei-lhe o que tinha de fazer. Ela até estava a ir bem, até a prancha virar e ela cair na água. 

Eu tinha noção que ela sabia nadar, mas mergulhei em seu socorro em desespero.   Estávamos debaixo de água e ela me simplesmente me olhava, mas isso bastava para me deixar louco de desejo, ela era como uma sereia que me hipnotizava e me levava a cometer loucuras. Saí do meu transe quando ela me beijou de baixo de água. O meu primeiro impulso foi conresponder ao beijo, mas lembrei-me que Âmbar já não sentia o mesmo por mim e estava apenas brincando e me testando e isso bastou para a afastar e voltar á superfície.

-Porque você me beijou Âmbar? - falei quando ela subiu á superfície por falta de ar - Você fica falando que só quer amizade, mas vive brincando com os meus sentimentos. Só por você não sentir nada não pense que pode fazer o que quer de mim.

-Simon do que você tá falando? - fala ainda meio ofegante. Eu encaro a gota que pinga do seu cabelo para seu corpo e vejo-a escorrer por cada centímetro.
Talvez tinha exagerado. Mas eu estava realmente chateado por ela me ter beijado. Ela sabia que eu não resistia ao seu beijo. E que eu a amo mas mesmo depois de me dizer que só quer amizade fica me beijando.

Peguei na minha prancha e saí em direção á areia deitar-me na minha toalha, rapidamente Matteo se juntou a mim.

-Que se passa amigo? Têm estado muito pensativo e aposto meus testículos que a dona do seu pensamento têm olhos azuis, é loira e se chama Âmbar. - fala num tom irónico, franzindo uma sombracelha á espera que lhe contasse o que vai no fundo da minha alma, neste caso no coração.

-Sim ela sempre será a dona do meu pensamento. Por muito que queira lutar contra isso ... - olho descaradamente para a Âmbar a brincar na água com Ramiro. Estavam muito próximos que até chegava a ferver as minhas veias de ódio. Âmbar era minha. Pelos menos era assim que queria.  Acabei por deixar a frase no ar me perdendo na deslumbrante visão que apanhava de Âmbar.

-Vamos fazer uma festa isso ajudará você a afastar Âmbar de seus pensamentos. - afirma cheio de certeza e eu franzo a sombracelha e a minha testa mostrando o quanto eu duvidava daquela afirmação. - Você vai ver. Bebe um pouco, relaxa, dança com o seus amigos. - fala olhando o horizonte e a linda paisagem que tinhamos. O sol brilhava e os seus raios de sol afundavam no imenso o oceano que refletia o enorme céu limpo e azul. As ondas estavam agitadas e os nossos amigos estavam a fazer surf, outros a dançar na areia, outros a dar um mergulhos. Ouvíamos os seus risos, as gaivotas que pairavam, e as ondas. Isso trazia alguma paz. -Até a podemos organizar aqui. - acaba concluindo após apreciar cada detalhe da praia.

Depois disso passamos a manhã na praia, jogamos todos vôlei e futebol, dançamos e cantámos, todos unidos sem qualquer tipo de drama. Acabamos por almoçar pela praia e depois regressamos a casa para tomarmos um banho. De tarde fomos para a aldeia mais próxima da propriedade de Emma de bicicleta. Ao chegarmos á aldeia passamos pelo mercado para comprar algumas coisas. Como algumas bebidas como refris, com álcool, .... Compramos também alguns aperitivos.

Passamos o resto da tarde na aldeia e quando a noite já ameaçava pairar voltamos para a casa de Emma. Trouxemos jantar já feito da aldeia o que nos livrou da tarefa de cozinhar. Depois nós, garotos, saímos mais cedo deixando as garotas se preparando enquanto nós preparavamos a festa na praia. Ia ser uma festa simples. Nada com muitos enfeites mas prometia 100% de diversão segundo Matteo. Por voltas das onze da noite as garotas chegaram e pude ver que ao lado de âmbar no fim do grupo e um pouco mais afastada caminhava o rapaz do salão de videojogos.

Engoli um seco, e bebi um copo da primeira bebida que vi, engoli num único gole tudo que colocará no copo. Era forte e senti a minha garganta arder. Mas era isso que precisava. 

Estávamos a dançar, e havia três tipos de pessoas na festa. O de Nina, Eric, Luna, Michel, e Emma que estavam completamente sóbrios, que a única bebida que tomavam era água, os sucos naturais e alguns refris. Depois tinhamos o de Jazmin, Delfina, Pedro, Jim e Yam que estavam um poucos alegres pois tinham bebido um ou outro copo de álcool. E por fim tínhamos o meu, de Âmbar, do rapaz do salão de jogos, Matteo e Ramiro que se resumia a muito bêbados, praticamente alterados.

Não sei se foi o facto de ter bebido mas estava cheio de coragem para ir atrás do amor da minha vida. Então procurei pela minha loirinha e assim que vi fui direito a ela. Virei-a e beijei-a sem dar tempo se quer para eu pensar.

Mas o gosto do beijo não era o de Âmbar. Não sentia nada. E sentia olhares sobre mim. Afastei-me rapidamente confuso, a minha cabeça estava ás voltas pelo álcool.

-Simon? - ao ouvir a voz da garota que beijei percebi que era a Emma e abri os olhos para olhar para ela. Mas rapidamente o meu olhar passou por ela e fitei pelo seu ombro a Âmbar que me encarava. O beijo era para ela.

Senti um vazio no peito quando âmbar se aproximou do rapaz do salão de jogos e o beijou, ele correspondeu ao beijo e colocou as suas mãos sobre o corpo de âmbar. A minha Âmbar! Voltei a sentir as minhas veias arderem de raiva. Âmbar estava a beijá-lo como vingança. Pude ver a mão descarada do garoto dirigindo-se para a bunda de Âmbar e apertando com força. Sem pensar duas vezes fui na direção deles deixando Emma confusa para trás.

Eu estava cego de raiva e ciume. E tinha consumido muito álcool o que deixava os meus nervos ainda mais á flor da pele. Eu queria socá-lo. Agarrar a Âmbar e ir embora dali com ela. Fazer amor com ela e amanhã estarmos juntos.

No meio do caminho parei. Âmbar não era minha. Ela deixou claro que só queria ser minha amiga. E seria um erro ir para cima do garoto. Voltei de costas e voltei para junto das bebidas mas em vez de beber outro copo da bebida que me estava a deixar completamente alterada bebi uma garrafa de água. Pude perceber ao longe que Âmbar soltara o garoto quando percebeu que tinha ido embora e me olhou com tristeza. Como se o facto de ter desprezado ela com o outro homem que não fosse eu a tivesse machucado.

Não entendia o porquê de me olhar tão sério. Era ela queria ser apenas minha amiga, e ela era que já não sentia qualquer sentimento por mim.


Âmbar POV

Simon tinha virado as costas e ignorado o facto de ter beijado outro rapaz. E ainda tinha beijado Emma. Isso mexeu comigo pois percebi que a minha proposta absurda de sermos amigos foi para além do que esperava, eu simplesmente precisava de um tempo. Não que já não tivesse perdoado Simon por não ter confiado em mim. Mas sentia muita coisa no momento. Ainda sentia a dor da traição de Benício e Emília. O abandono dos meus pais e da minha madrinha. Mas o que naquele exatamente momento me perturbava  era aquela maldita pergunta. "Porque Simon tinha parado de me amar?".

Foi essa pergunta que me repeti a mim mesma até o final da noite. Eu estava muito bebada mas acabei por ficar sentada o resto da noite matando a minha sanidade que restava com a maldita pergunta tentando obter respostas. Não conseguia entender. Teria sido Emma que lhe roubou o coração de Simon? Teria ele levado a sério aquilo da amizade e esqueceu-me para fazer-me a vontade?

O Eddie insistia depois do beijo que lhe tinha dado. Já me estava a irritar a sua insistência e curiosidade pelo beijo. Queria gritar na sua cara que o beijei a pensar noutro e que foi uma tentativa falhada de me vingar e fazer ciúmes para tentar despertar qualquer sentimento no homem que amo.

A noite passou devagar para mim, fiquei apenas encarando as ondas do mar e o luar refletido no oceano. Isso me fez recordar a minha noite de amor com Simon depois da maldita festa de máscaras. Ao me recordar dessa noite o encarei, ele estava do outro lado do grupo sentado um pouco afastado a observar o luar também. Teria ele se lembrando também? Ou até isso teria caído no esquecimento como o seu amor por mim

Não iria conseguir tirar Simon e esta dúvida enterna do meu pensamento. Não agora, e nem nunca. Não haveria tempo nem distância que apagasse o sentimento ardente e profundo que eu sentia por Simon. Nada que ele fizesse me faria deixar de amá-lo. Eu acreditava cegamente por uns momentos que com ele se passava o mesmo.


Notas Finais


Que bobinhos 🙄🙄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...