1. Spirit Fanfics >
  2. FetShe >
  3. Quinto Capítulo;O Diário Parte 2

História FetShe - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Quinto Capítulo;O Diário Parte 2


𝑃𝑂𝑉 𝑁𝑜𝑟𝑚𝑎𝑛𝑖  𝐾𝑜𝑟𝑑𝑒𝑖

Com o álbum de fotos sobre meu colo, deixei que uma lágrima solitária escorresse pela minha face, era tão feliz quando pequena que se eu tivesse a mínima ideia de quão  cruel o ser humano pode ser, nunca teria um dia pensando em ser adulta. Ter independente é bom sim, mas viver com pessoas que não te olham além do seu corpo ou de sua cor de pele, me causava tantas dores de cabeça. A cada pessoa que foi racista comigo, eu apenas pedia que no futuro eles mudassem sua forma de pensar, uma cor de pele não define ninguém e sim o caráter que poucos tem. O mundo é composto por milhares e milhares de pessoas e em cada país uma grande porcentagem tem preconceito com cor, sexualidade, o jeito de se vestir e até a forma de  andar. O que eles deveriam aprender é o seguinte, opinião é que nem respiração cada uma tem a sua, então guarde o comentário homofóbico para você. Guarde a piadinha "só é lésbica por que ainda não comi", acha mesmo que a garota é lésbica só por que um babaca com pinto pequeno, ainda não foi com ela para cama, me poupe. Fulano só anda com a mesma roupa todo dia, se está incomodando compre uma nova aí você verá ele usando outro, e só para ressaltar roupa não é algo descartável se eu gosto eu uso mesmo que eu tenha usado ela semana inteira, lavou tá novo. A filha da vizinha só falta colocar o short no útero, o que há de errado nisso? O corpo é dela, e se quiser por o short enfiado todo no rabo não vai ter um ser que faça ela tirar. O povo tem que entender que estamos no século 21, as coisas evoluíram os tempos de namoro de porta, mulheres com vestidos longos etc ficou a décadas atrás, as coisas estão em um novo patamar.

Inclinei o corpo para frente e coloquei o álbum dentro da gaveta, e com isso levei a mão até o meu rosto enxaguando algumas lágrimas saíram por teimosia mesmo, segurei a bolsa em meu ombro. Mais um dia estou indo trabalhar naquele serviço, antes eu era a gerente da distribuidora central dos comerciários Mahone, porém teve um dia enquanto terminar de preencher os relatórios das distribuições. O padrão vulgo Austin começou a dar em cima de mim, até então eram apenas palavras que me deixavam desconfortáveis e de modo educado pedir que ele se colocasse em seu lugar, então "tudo bem" até aí passou alguns meses, até que ele chegou na empresa com uma ressaca que de longe poderia se ver, e me pediu que eu lhe servisse pessoalmente um café bem forte e amargo e claro que eu não estava afim de fazer isso, até propus que o Rodrigo fosse em meu lugar mas a sua ordem era clara, apenas Normani Kordei irá entrar aqui. E com um medo tive que levar o café para o infeliz, fiz o percurso até sua mesa e deixei o café ao seu lado e já iria sair como planejado. Mas sua mão firme prendeu o meu braço esquerdo me parando em meu lugar, e ele se levantou eu não sentia mais as minhas pernas de tanto medo que sentia naquela hora e com um puxão feito por ele fui virada, e ficamos frente a frente as suas mãos subiram pela minhas pernas até tocar a minha calcinha, cadê a sua voz agora Normani? Grite por ajuda. O meu subconsciente gritava, e vir o mesmo tirando de suas calças seu membro ereto o empurrei com força de perto de mim, e em seu olhar vi que estava coberto de raiva, lembro-me como se fosse hoje às palavras que ele me disse.

𝙵𝚕𝚊𝚜𝚑𝚋𝚊𝚌𝚔 𝙾𝚗:

𝙷𝚘𝚕𝚖𝚋𝚢 𝙷𝚒𝚕𝚕𝚜, 𝙻𝚘𝚜 𝙰𝚗𝚐𝚎𝚕𝚎𝚜 - 𝟷𝟶/𝟶𝟸/𝟸𝟶𝟸𝟶

𝙷𝚘𝚛𝚊𝚜:𝟽:𝟹𝟾 𝚊.𝚖

Sentia meu corpo tremer dos pés a cabeça, os olhos do homem em minha frente faiscavam em raiva, mas o mesmo ainda segurava o seu membro em mãos, e mastubarva o mesmo de forma lenta. Virei meu rosto para lado para não ficar vendo aquela cena asquerosa, e ouvir sua voz rouca devido o tanto que bebeu noite passada.

_ Vem aqui Normanizinha sei que você quer chupar ele, então deixe de besteiras... Só está nós dois aqui, juro que e não irei dizer pra ninguém

Ele dizia se aproximando e com isso empurrei novamente para que saísse de perto, e o seu tom de voz começou a ficar mais agressivo e autoritário. Enquanto quando fiz menção de sair daquela sala, suas mãos seguraram o meu braço com uma carta força.

_ Se fosse ainda no tempo da escravidão, você estaria implorando para tê-lo em sua boca. Acho que deveria voltar a esse tempo, só assim eu te mostraria quem mandar de verdade aqui, iria te foder até você chorar sangue.

_ Você acha mesmo que eu irei me rebaixar o seu nível, se está acostumado a fazer isso com outras funcionárias, pois vá tirando sei cavalinho da chuva. Comigo o buraco eu mais em baixo, e esse negócio que você chama de pênis está mais para enfeitinho de natal.

E dito tal coisa vi que sua mão se ergueu em direção a minha face, e surrurrei para que ele batesse e o mesmo lembrou que não poderia fazer isso dentro da empresa, então abaixo a mão lentamente e andou até a sua mesa e ainda movia de forma asquerosa a sua mão sobre sua parte íntima, e nisso sentou na cadeira giratória e afastou a mesma apenas o suficiente para que eu olhasse o que ele fazia

_ Eu queria que você apenas desse uma chupadinha, mas agora as coisas mudaram tire sua roupa e venha sentar aqui nele... Você tem duas escolhas Normani transa comigo agora ou será rebaixada para um cargo menor!

Então dando uma meia volta sair dali batendo a porta com força, e tentei ao máximo evitar ele pela empresa mesmo que fosse necessário lhe entregar documentos.

𝐹𝑙𝑎𝑠ℎ𝑏𝑎𝑐𝑘 𝑂𝑓𝑓:

E sim, fui atrás dos meus direitos tentei fazer uma denuncia, porém não tinha prova alguma contra o infeliz. A contra gosto permaneci trabalho na empresa dele, porém em um cargo menor mas que era digno, recebia um salário mínimo mas eu poderia muito bem conseguir algo mais lucrativo, mas o meu foco era conseguir juntar algumas provas e iria atrás de pessoas que talvez já foi aliciada por ele, poderia até me foder por está me metendo com pessoas que tem dedo podre mas não me importaria queria ver ele atrás das grades, e eu soube que abusador de mulheres, vira princesinha na cadeia e seria bom vê-lo sofrer.

[...]

Entrei no supermercado e acenei para alguns dos meus colegas de serviços mas não dei muita corda e apenas fui para o caixa, e com isso sentei no banquinho esperando o primeiro cliente do dia. E  quando vi uma senhora  com um carro cheio de compras, levantei e liguei o computador para enfim da início a mais um dia de luta, não sei o que pior se é ficar no caixa ou repor as coisas nos lugares quando o cliente não desejava levar, mas eu acho que fazer cancelamento da compra devido não ter dinheiro suficiente é o mais chato de resolver, pois tem que chamar o "gerente" e só ele tem o código do cancelamento, e a caixa registradora só abre quando eu coloco no sistema que necessita de troco.

Olhei para o meu relógio de pulso e já faltava apenas 39 hora para que eu fosse embora, no ponteiro marcava 14:15 e eu já me alongava para enfrentar uma enorme caminhada até a minha casa e com um sorriso puxava para perto a plaquinha de "caixa fechado" até que vi duas mulheres correndo até a mim e o meu sorriso se desmanchou mas tive que refaze-lo e com uma cara de poucos amigos comecei a escanear a compras das duas, até que parei por um segundo e olhei para um rosto familiar e se não estiver enganada ela deve ser a Camila Cabello e a garota a sua esquerda deve ser a Diana do outro dia, porém não dei bola para ela apenas continuei meu serviço depois de tudo passado e ensacados, passei o cartão na máquina e girei a mesma em sua direção para que ela colocasse a senha e a sua amiga tentou conversar comigo, e para que ela não se sentisse tão rejeitada apenas dei um meio sorriso mas a minha fala foi direcionada para apenas quem estava comprando.

_Tenha uma boa tarde senhoras

Olhei para o relógio e vi que já podia sair pois já daria meu horário, enquanto arrumava as minhas coisas na bolsa vi um pequeno caderno de anotações então peguei ele e de forma cuidadosa abri em uma página qualquer.

𝙳𝚒𝚊𝚛𝚒𝚘

𝟸𝟾/𝟶𝟻/𝟸𝟶𝟷𝟾

Confesso que chupar um pênis nunca foi uma coisa que eu quisesse fazer, só de imaginar pôr na boca uma coisa que sai xixi pela cabecinha me dava uma ânsia de vômito. Mas como o diabo é moleque e a curiosidade de saber qual é a sensação, tive que tentar fazer e tenho que dizer não é algo ruim de ser feito mas no começo foi estranho devido eu já estava começando com um pensamento negativo.

Mas com a ajuda do garoto consegui fazer direitinho, e agora não tenho mais um tabu em relação a isso e até quero fazer novamente. Agora posso me considerar uma pessoa que já provou quase de tudo, só falta arranjar uma menina que deixe eu fazer o que eu quero em seu corpo.

Fechei o livro e ergui a sobracelha quem perdeu isso com certeza não deseja que caia em mãos erradas, então retornei a abri mas não para ler sim em busca de alguma informação, mas a pessoa foi cuidadosa com isso pois não havia nenhuma informação sua. Estava quase desistindo daquilo até que vi um nome que era familiar Dinah Jane, poderia ler o que tem escrito sobre ela? Poderia! Mas não irei invadir a privacidade, da Camila isso mesmo se tem o nome da Dinah, isso significa que não é dela e sim da Camila Cabello Safadinha.

Estralei os dedos quando lembrei que a Dinah havia me entregado um de seus cartões de trabalho, busquei pela minha bolsa e acabei esquecendo que tinha jogado o mesmo fora. Então teria que ter a sorte de mama não ter jogado o lixo do meu quarto fora, e caso isso tivesse acontecido não teria como enviar mensagem no Instagram dizendoo "Achei teu diário, sua safada que gosta de fazer boquete". E com os dedos cruzados sair do mercado em passos ligeiros, para conseguir chegar a tempo de pegar o número e deixa consciente que não caiu em mãos erradas e eu poderia lhe devolver amanhã mesmo... Entrei em casa jogando a mochila no sofá e corri até o meu quarto, olhei para a lixeira pequena e como esperado não tinha mais nada ali então sentei sobre a cama e bufei. Olhei para o pequeno diário e murmurei "sua dona deve está pirando" e quando olhei novamente para frente, vi um cartão todo amassado e com um sorriso fui até o mesmo e constatei que era o número da Dinah, e sem mais delongas disquei para aquele número.

Discando para 235-***-***

-Hey, sou eu Normani do supermercado... Estou em mim mesma garota, se não te quero é por que você não me chama atenção... Não liguei pra falar com você... Não desliga e sobre o Diário da Camila... Sim está comigo, venha buscar... Amanhã na praça central... Não Dinah na minha casa, você não vem!

𝑃𝑂𝑉 𝐷𝑖𝑛𝑎ℎ 𝐽𝑎𝑛𝑒

𝐻𝑖𝑑𝑑𝑒𝑛 𝐻𝑖𝑙𝑙𝑠 ,𝐿𝑜𝑠 𝐴𝑛𝑔𝑒𝑙𝑒𝑠 - 10/02/2020

ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠:19:35

E quando a ligação foi encerrada tratei de salvar seu número, até por que eu não perderia essa oportunidade. E rapidamente busquei pelo número da Chancho, ela ainda deve está agoniada com essa situação toda. Umas 15:20 da tarde ela me ligou desesperada a procura de um tal de diário, e eu tive que procurar por todas as compras e quando disse que não estava ali pude ter a certeza que deu para ouvir o coração dele batendo de forma acelerada, ela me fez percorrer todo caminho que fizemos até mesmo ir no supermercado atrás porém se tivesse lá alguém já teria pegado, então cancelei a busca por lá e voltei para casa, e tentei dizer a ela que compraria outra já que foi por minha causa que ela perdeu porém ela disse que tinha um significado aquele pequeno caderno.

Ligação de Voz....

_Chanco a Normani achou seu caderno, amanhã irei pegar... Tudo bem não vou ler nada... Ta bom garota, deve ter alguma safadeza né... Você tem cara que gosta disso... Ta bom beijos...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...