História Fica Comigo - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Tags Adultério, Drama, Homossexualidade, Lésbico, Yuri
Visualizações 320
Palavras 1.599
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Como prometido e talvez parcialmente impelida por pedidos e ameaças estou postando o segundo capítulo de hoje auehueahuaehuhea (e é hoje ainda porque eu não fui dormir -.-)

Capítulo 24 - Mensagens


Chegamos na minha casa algumas horas e muitas piadinhas idiotas da Fernanda depois. Ela realmente tinha me irritado com aquela comparação esdrúxula entre filhos e o filme Alien, apesar de não entender direito o porquê... Provavelmente eu me irritei porque me ocorreu que o Beto pudesse pensar da mesma maneira, o que seria um problema para o nosso relacionamento e definitivamente não precisamos de mais um. 
             Assim que entro em casa, com a Fê me seguindo levando nossas malas, vejo minha mãe na cozinha preparando a janta. 

 

- Oi mãe! - a abracei por trás

- Luíza, sua doida, quer me matar do coração? - ela vira sorrindo e me abraça - Você deve ser a Fernanda, não? - cumprimenta a Fê com um beijo no rosto. 

- Sim! Você é a Marta, né?  - minha mãe concorda com cabeça - A Luh fala muito da senhora e já descobri de quem ela puxou os dotes culinários! - comentou ao olhar para o que a minha mãe cozinhava e usando todo o charme que tinha para ser a visita exemplar. 

- Ah, muito obrigada! - minha mãe agradeceu e podia jurar que ficou um pouco sem graça com o elogio - Você gosta de cozinhar também?

- Nããão, Deus me livre... Não sei o que seria de mim sem o delivery! - deu um sorriso sem graça enquanto a minha mãe a analisava de cima a baixo; primeira bola fora, na opinião da minha mãe, com certeza. 

- Mas você precisa saber cozinhar para fazer a janta para o seu futuro marido... Nem sempre vai dar para pedir algo. - minha mãe sorriu e eu fiquei tensa com a possível resposta da Fernanda, não tinha comentado com ela que meus pais eram um pouco retrógrados em certos assuntos.

- Bom, então ou ele vai saber cozinhar ou vamos morrer de fome... - disse sorrindo ao desconversar, provavelmente ela tinha reparado que eu fiquei tensa - E eu acho que não tem nada mais sedutor do que alguém que saiba cozinhar... - olhou de soslaio para mim sorrindo e com um brilho brincalhão nos olhos e eu não pude acreditar que ela teve coragem de falar aquilo na frente da minha mãe. 

- Mãe, vou subir com a Fê para o meu quarto e deixar as malas lá - a puxei pela mão tentando interromper a interação das duas. 

- Okay, vai lá filha... - ouvi minha mãe comentando longe enquanto arrastava a Fê para longe dela. 

 

- Você tá é louca? - comentei assim que ela entrou no quarto e eu fechei a porta - Não acredito que você deu em cima de mim na frente da minha mãe! - perguntei pasma apesar de uma parte de mim ter adorado a audácia dela; definitivamente vou ter trabalho com ela nessas férias... 

- Mas é verdade, ué! - disse se aproximando e repousando suas mãos na minha cintura - Você não sabe como fica sexy quando fica toda concentrada cozinhando... - começou a beijar e dar leves chupões no meu pescoço, me fazendo perder o senso de perigo - Você achou que eu ficava na cozinha vendo você cozinhar por que? 

- Porque você é uma esfomeada... - disse sorrindo com os olhos fechados enquanto aproveitava aqueles beijos.

- Sou mesmo e a prova disso é que quero te comer agora... - disse com uma voz lascivamente rouca no meu ouvido para logo depois tomar minha boca com a sua. 
          Não sei como a Fernanda conseguia fazer isso comigo mas, apesar de nossa amizade colorida já ter mais de dois meses, seu toque ainda me causava aquele frio na barriga e fazia meu coração acelerar e eu não tinha muita certeza de que queria que algum dia isso parasse. 
          Senti suas mãos deslizarem para a minha bunda, apertando-a com vontade no mesmo momento em que mordia e puxava meu lábio inferior e conforme voltou a explorar minha boca com a sua língua sentia suas mãos subindo pelas minhas costas procurando o fecho do meu sutiã. 
          O fato de não estarmos sozinhas em casa sequer passou pela minha cabeça, só conseguia pensar em jogar esse sutiã fora só por ter sido difícil de abri-lo e de que eu queria senti-la dentro de mim e assim que sua mão começou a brincar com meu seio esquerdo, quase morro do coração ao ouvir minha mãe batendo na porta em que estávamos encostadas, o que fez com que a Fernanda praticamente se materializasse do outro lado do quarto. 

 

- Luh, vem! A janta já está pronta! - ouvi como se ela estivesse do meu lado, afinal só havia a porta entre nós. 

- Já tô indo, mãe! - respondo tentando normalizar a respiração. 

- Caralho, que susto da porra! - a loira comenta levando a mão ao peito - Não tomava um susto assim desde quando namorava com a Camila! - completou rindo e não consigo evitar fechar a cara. Eu sabia que elas namoraram, mas jura que o primeiro pensamento que ela tinha depois de quase sermos pegas transando era a ex? 

 

-- x -- 

 

Nós jantamos uma lasanha que era praticamente a especialidade da minha mãe, o que fez com que a Fê insistisse para que minha mãe desse a receita, pois segundo ela "por essa lasanha ela até aprenderia a cozinhar" - mas se eu conheço a Fernanda, eu que iria acabar fazendo a receita... 
         Conversamos um pouco durante a janta, sem nenhum assunto específico e eu sempre sentia como se a minha mãe estivesse a todo momento analisando a Fê sem saber muito pelo o quê procurava, afinal acho que ela não tinha reparado na cantada que a loira tinha dado na cara de pau mais cedo. 

Meus pais foram dormir e nós resolvemos ver um filme - que não fosse de terror - no meu quarto. Meu quarto era relativamente grande, maior do que o de São Paulo pelo menos, sendo uma suíte e apesar de ter uma cama de casal, minha mãe tinha posto um colchão no chão depois da janta para a Fernanda. 
          Após tomarmos banho a Fê escolheu um filme qualquer na Netflix e se deitou ao meu lado na cama, encaixando o rosto na curva do meu pescoço e inspirando. 

 

- Você tem um cheiro viciante de lavanda, sabia? - ouvi o sorriso na sua voz - Você não vai me fazer dormir naquele colchão que tá no chão, né? - saiu da curva do meu pescoço e agora me encarava com cara de pidona. 

- Vou, sou egoísta com a minha cama! - resolvi brincar com ela - Agora presta atenção no filme que foi você quem escolheu... - pouco tempo depois do filme começar o celular da Fê vibra e ela sorri ao ler e começa a digitar algo. 

- Ana? - às vezes eu queria realmente conseguir conter a minha curiosidade, mas é simplesmente mais forte do que eu... 

- Não, aquela lá deve estar entretida com um argentino... - deu uma risada e continuou a digitar, me deixando puta da vida, afinal se você está na companhia de uma pessoa é grosseiro ficar no celular, não é? 

- Fernanda, presta atenção na porcaria do filme que você escolheu se não vou arrancar esse celular da sua mão como daquela vez... - falei séria a encarando.

- Tá bom! - pôs o celular no criado mudo - Só pausa o filme pra eu pegar água na cozinha... Você quer algo? - fiz que não com a cabeça e minha atenção foi para o celular que continuava a vibrar em cima do criado mudo e acabei não resistindo à curiosidade, pegando-o apenas para ver que tinham 3 mensagens da Camila não lidas. 
         Eu sabia que ler as mensagens dela era errado, mas não consegui resistir à tentação e digitei a senha que ela tinha me falado em Santos: 123123, e pra minha surpresa funcionou, fiquei feliz dela ainda não ter trocado aquela senha idiota e então me pus a ler a conversa. 

 

"Hey, tô com saudades de você" - C

"Tbm tô, já faz muito tempo desde a última vez que nos vimos..." - F

"A gente se viu ontem, sua louca! kkkkkk" - C

"Não do jeito que eu queria... rsrs" - F 

"Problema seu! Você que quis viajar com a tal da Luíza... Se tivesse ficado em São Paulo a gente poderia ter tido um ano novo muito mais interessante... ;P" - C 

"Hm, jura? E o que você faria para tornar o meu ano novo interessante? :O" - F 

"Bom, primeiro eu iria usar aquele conjunto de lingerie preto que você tanto gosta... ;)" - C

"Já ouvi falar que usar preto na virada do ano novo dá azar..." - F 

"E quem disse que eu ainda ia estar usando na virada? Você não é tão lerda assim... kkkkk" - C 

 

Como ler aquelas mensagens me embrulhou o estômago só bloqueei o celular e o devolvi para o criado mudo; não acredito que ela tava na minha cama, deitada do meu lado enquanto ficava falando putaria com a ex... Eu tenho noção de que não posso cobrar nada dela e que eu faço pior, uma vez que até namoro mas nunca fiquei conversando putaria com o Beto enquanto estava com ela ou vice-versa...
            Senti minha visão embaçada e percebi que meus olhos estavam cheios d'água, mas me recusei a deixar as lágrimas caírem apesar da vontade de chorar, de gritar e de jogar a porcaria do celular na cara da Fernanda - eu definitivamente iria tirar algumas satisfações com ela. 


Notas Finais


Gente, se der comentem - eu me baseio sobre o 'andamento' da história pelos comentários :D
Sem falar que amo ler todos os cometários <3
;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...