1. Spirit Fanfics >
  2. Fica comigo? Parte 2! >
  3. Ódio

História Fica comigo? Parte 2! - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Minha vida está literalmente de cabeça para baixo amigos, vou tomar umas 5 injeções para me ajudar a recuperar meu sangue, espero não ser preciso transfusão. está muito difícil, se alguém quiser ser coautor da história pra me ajuda, entra em ctt

Capítulo 10 - Ódio


 

 

 

Deste que ela desapareceu, eu não levantei da cama, não sinto mais vontade de viver, me culpo a cada respirar meu, eu deveria ter dito o que estava acontecendo, eu deveria ter buscando ajuda, eu deveria, aí ela ainda estaria aqui..

Cecília- Mari, você não pode continuar desse jeito, a polícia está fazendo o possível, vamos ter fé._ minha prima tentava de todos os modos me ajuda, mas não adiantava, eu não quero viver, não quero mais sair desse quarto.

A essa altura, eu nem pisava mais na faculdade, também não me importa em comer nada, eu só quero saber se ela ainda está viva, eu só quero ela aqui, só quero volta no tempo e proteger-la.

- eu vou na delegacia outra vez, eles tem que investigar isso melhor!_ falei me levantando

*LUISA*

Estava sentada no chão abraçando meus joelhos, não sei a quanto tempo estava ali, chorando, por que isso está acontecendo comigo?

Escuto a porta abrindo, e enxergo meu rosto, Ismael entra e me encara

- por favor, não faz nada comigo.._ implorei fungando, eu estava exausta

Ismael- levantar!_ disse, obedeci

Ismael- a parti de agora você vai trabalhar comigo_ me entregou uma identidade

Ismael- seu nome agora é Mirella, você tem 14 anos!_ eu sei que tenho cara de nova, ele estava aproveitando disso, por mim parece de menor, ele queria que eu, vendesse...drogas!

Ismael-Vou explicar tudo uma única vez, presta bem atenção. _ começou a explicar como funcionaria, o que eu tinha que aceita como pagamento, a lista de pessoas, tudo.

Ele ainda teve a cara de pau de fala que eu não precisava me preocupa, que pela a identidade falsa a polícia não puderia me prende se me pegasse, porém ele ameaçou, que se isso acontecesse não era para entrega ele e nem dizer nada que ocorreu esses dias..

Respirei muito fundo, cansada, não acredito que isso chegou a esse ponto.

Meu deus, eu não quero essa vida...

Ele me entregou a sacola, e me mandou para o ponto. Nunca me senti tão nervosa em toda minha vida. Estava assustada, com medo dessas pessoas me machucarem. A cada " encomenda " que eu entregava, e recebia o dinheiro nas mãos, eu notava minha respiração mais acelerada. Preciso arrumar um jeito de fugir daqui, porem não sei onde estou, que bairro é esse que cidade, não faço a menor ideia.

Só pensava em Mariana, o que deve está acontecendo com ela? Como ela deve está, será que ela está bem? Será que Monique fez alguma coisa? Essas dúvidas me matavam aos poucos, fora aquela vida que estava levando.

Estava exausta, e determinada a tenta colocar um fim em mim, não quero viver desse jeito. Sentia que estava sendo observada a todo momento, então nem adiantava tenta fugir

 

*Mariana*

Não posso mais fica esperando a polícia, eu vou atrás dela, eu tenho que encontra-la, eu preciso salva-la, não importa se eu perder minha vida, salvarei a dela!

Mandei mensagem para Monique, implorei para que ela me trocasse por Luisa, ela mandou um endereço, está decidindo, essa noite mesmo eu irei atrás dela.

Esperei que as meninas dormisse para sair, andei sozinha por aquelas ruas escuras, não vou desisti, eu irei até o local!

A cada passo que eu dava, sentia algo estranho, uma sensação ruim, nunca tinha sentido isso. Parecia que eu estava andando por horas, estava muito frio, a lua iluminava o céu, minha sombra era minha única companheira.

Ao chegar no endereço, vi uma casa, uma casa bem estranha, entrei, tudo estava escuro, caminhei até que vi um quarto com a porta meio aberta, entrei e encontrei Luisa.

Ela estava com uma corda em sua mão esquerda, presa em uma espécie de coluna da construção da casa, corri até ela e senti a porta sendo fechada! Mas não me importei, eu só enxergava ela na minha frente, senti minha respiração se acelerando

- Luisa?!_ chamei, ela abriu os olhos devagar e me olhou

Luisa- amor?_ ela parecia tonta e confusa

- meu deus, Luisa!_ abracei ela

Luisa- vai embora, não deveria ter vindo, você caiu na armadilha deles!_ela falou tremendo, tem algo errado com ela

- o que fizeram com vc?_ comecei a tenta desamarra-la

Luisa- tu tens que sair_ ela falava com dificuldade, tem algo muito errado

- Luisa? Vc tá drogada?_ perguntei notando suas pupilas dilatadas

Luisa- talvez, eu não sei direito, por favor você tem que me ouvir, você está em perigo_

- eu não vou deixa você!_ falei olhando em volta, preciso achar alguma coisa para quebrar essas algemas, notei uma fumaça passando pela as brechas da porta

Luisa- amor, eles vão colocar fogo na casa_ falou com dificuldade e vomitou

- o que?! Temos que sair daqui agora!_ falei notando que a fumaça só poderia ser isso

Luisa- vai! Você pode! Quebrar a porta e vai, me deixa aqui, tudo bem!

- nunca Luisa! Nunca!_

 

*Luisa*

 

O trauma estava corroendo minha mente.

Mas não podia mais ser assim, eu não podia mais deixar aquilo acontecer pra sempre. Era eles ou eu. Eles ou Mariana. E eu não ia deixar ninguém machuca-la como fizeram comigo

Decidi converter toda a minha tristeza e trauma em ódio. Eu podia ser corroida célula por célula

Comecei a tremer. Cada fibra dos meus músculos se juntou a mim na rebelião. Senti minhas pernas e braços endurecerem. Por um momento senti meu coração endurescer também.

 

Lágrimas suaves molharam meus olhos. Lágrimas de ódio. Lágrimas desesperadas por liberdade. Lágrimas de uma salvadora.

 

Mariana não demorou a perceber meu estado

 

- pensei numa coisa _respondi. Meus músculos do rosto estavam igualmente rígidos.

 

Mariana-O que?_ apontei para um móvel de madeira

- quebra ele, você acha que consegue?

Mariana- não vai dá certo

- Tem que dar, é nossa única chance_

Mariana caminhou receosa até a móvel e tentou o quebrar, ela o jogou contra a parede e ele se dividiu em dois.

- afiar um dos pedaços na porta_ disse pra Mari, ela obedeceu e começou a afiar a madeira, sentia o cheiro de fumaça forte atras da porta, com certeza não ia demora muito para o fogo chegar nesse cômodo

Mariana- consegui amor_ falou correndo até mim e tentando cortar a corda

- coloca todo seu ódio nisso! Vamos!_ gritei e vi Mariana se assusta, porem ela continuou tentando até conseguir

Mariana- vamos_ falou me ajudando a levantar, ouvimos uma espécie de explosão, a casa inteira começou a desabar

Xxxx

 

 


Notas Finais


Desculpem pelo o capítulo pequeno e qualquer erros de escrita..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...