História Fiction - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baeksoo, Bruxaria, Exo, Fantasia, Menção!xiuchen, Soobaek, Sukai!kids
Visualizações 33
Palavras 2.512
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores, tudo bom?

Estamos na reta final! Podemos dizer que esse é o penúltimo cap. Espero que gostem assim como eu gostei. Boa leitura!

Capítulo 9 - Estranha figura


Baekhyun sentiu a cabeça girar e o coração doer, temendo o que aquele estranho veio fazer ali. Mesmo hesitante permitiu a entrada. Era um homem alto, com cabelos pretos e muito pálido. Ele sorriu feliz ao ver Kyungsoo, Do, no entanto apenas olhou confuso.

— Pode entrar e se sinta a vontade. — O homem se sentou em uma poltrona de frente a Kyungsoo, Baekhyun estava muito incomodado com tudo isso, se sentou do lado do marido e buscou por suas mãos. — Qual o seu nome?

— Está exatamente como anos atrás.  Eu sabia que seria assim e mesmo assim estou um pouco impressionado. E você, senhor Baekhyun, é bom finalmente te conhecer.

— Quem é ele, Kyungsoo? — Perguntou Baekhyun bravo, Kyung apenas o olhou perdido. — Não me interessa quem é você, saia da minha casa.

— Mil perdões, eu apenas me empolguei. Me chamo Oh Sehun, vocês não me conhecem mas, eu conheço vocês.

— Deixe de brincadeiras.

— O senhor já deve ter se questionado o porquê Do Kyungsoo não ter envelhecido, e o que são aquelas coisas na floresta. Eu posso esclarecer tudo isso. — Sehun tinha uma postura impecável e era como se nada ali o atingisse.

— Tem nossa total atenção. — Kyungsoo disse já assumindo a postura que ele usava em campo de batalha, todo ereto, postura tão impecável quanto à de Oh. Por um momento Baekhyun achou que Sehun tinha ficado com vergonha.

— Eu sou um bruxo. — Baekhyun o olhou irritado e já ia se levantando para expulsar aquele fulano, isso se tivesse conseguido, seu corpo parecia não estar obedecendo a seus comandos. — Desculpa por isso, eu posso provar o que estou falando. — Olhou para um dos quadros na estante e o quadro veio até si, nas mãos de Sehun.

— Como Kyungsoo, acabou de dizer, tem nossa total atenção. — Oh deu aquele sorrisinho enigmático, começando seu relato.

Para começar, acho importante dizer o porquê daquela unidade especial. Bem, era para me proteger. Nós bruxos nos organizamos em clãs, e às vezes entramos em divergência. Meu clã, nunca se deu muito bem com os Ozila, e tudo piorou quando Wu Yifan assumiu como líder.

“Ele começou uma caçada, e tivemos que fugir. Wu ficou muito poderoso, tanto que colocou humanos para lutar em nossa guerra, uma verdadeira fortaleza para protegê-lo, foi algo realmente assustador. Vimos-nos obrigados a fazer o mesmo, utilizamos de antigos favores conseguimos que a Coréia do Sul fornecesse os soldados que precisávamos. E então cansada de fugir minha mãe criou uma forma de deter aquele homem.”

“Yifan descobriu o plano todo e me seqüestrou, eu tinha apenas oito anos. Fui levado para a sua fortaleza, ele queria fundir minha magia a dele, como castigo para minha mãe, já que obviamente eu não sobreviveria a isso. Reuniram os melhores de todas as espécies, e imagina a surpresa quando descobriram que nenhum ser sobrenatural entrava ali, apenas humanos passavam pela barreira.”

“Para nossa sorte a fusão só poderia ocorrer quando eu completasse dez anos. Então uma mega operação foi montada, e o nome de vocês foi citado, Do Kyungsoo e Byun Baekhyun. Homens fantásticos. Um conseguia entrar em qualquer sistema que quisesse e o outro conseguia chegar e entrar em qualquer lugar que mandassem sem contar o quão bom em armas os senhores são. Achei tão incrível como trabalhavam com o senhor Byun colocava e tirava o senhor Do com segurança dos lugares. Vocês não têm noção o quão frustrante pra minha mãe foi quando vocês dois se negaram a voltar, mas ela entendia que não sabiam de nada e que tinham uma família que dependia apenas de vocês. Foi por isso que o acordo foi aceito, ela poderia substituir um de vocês.”

“Infelizmente a primeira missão foi um fracasso, como deve se lembrar senhor Do. Yifan mudou de localização, e tinha a plena certe que conseguiria lidar com o exercito de humanos, sofri na mão dele toda vez que chegava perto de mim era uma agressão diferente. Eu estava com medo e sozinho, tentava manter a esperança que me encontrariam, confesso que por um momento a perdi.”

“Numa final de tarde ouvi uma grande explosão, aquilo realmente pegou o inimigo de surpresa. Achei que iriam conseguir fugir mais uma vez, mas, não deu tempo. O prédio central foi invadido e pequenas explosões começaram. Vocês sem saber tinham imobilizado Yifan, para que o plano da minha mãe pudesse ser executado.”

“Vi quando começaram a evacuar o prédio, saíram gritando que o prédio iria desabar e realmente fizeram tudo que poderiam para salvar algumas vidas. Só que eu estava em um cômodo isolado perto da central, ninguém me ouviu chamando, minha voz estava tão fraca. Do Kyungsoo, você estava na central, eu ouvi quando falaram que tinha que sair de lá. Eu me desesperei e comecei chorar, e foi ai que você me ouviu e se recusou a deixar alguém para trás. Lembro claramente até das suas palavras ‘Ouviram isso? Parece ser uma criança. ’ E te responderam ‘Foi impressão sua, vamos Do à bomba já foi instalada, isso aqui vai desabar na nossa cabeça. ’ Fiquei com tanto medo que você o ouvisse e fosse embora, mas sua resposta foi ‘Vá você então Chanyeol, me recuso a deixar alguém para trás, principalmente se for uma criança. ’ Aquilo me aliviou tanto.”

“A porta onde eu estava começou a ser forçada, e em um estrondo foi derrubada. Você apareceu e veio me acalmar, o senhor estava tão sereno que aquilo me acalmou e eu confiaria em qualquer coisa que me falasse, depois de semanas finalmente eu vi alguma gentileza. Poxa alguém estava se importando comigo. Me prometeu que eu estaria bem, e que sairia dali e que tudo ficaria bem, me pegou no colo e saiu correndo pelos corredores e quando finalmente a saída estava próxima as criaturas de Yifan apareceram, eu fiquei com medo, sabia que não me deixariam sair dali”

“Lembro como se fosse hoje, seu olhar assustado quando viu aquilo. Fui colocado no chão, você se abaixou e olhou nos meus olhos e sorriu de forma bonita. Eu nunca soube como conseguiu me dar aquele sorriso, afinal para onde o medo tinha ido? Seus olhos escondiam realmente bem. Você me disse ‘Eu te prometi que sairia daqui, e você vai sair. Escute bem o que falarei, vou distrair aquelas coisas feias e você irá sair correndo com toda força que tem, não pare de correr até se sentir seguro. ’ O olhei tão assustado. ‘ Mas, e o senhor? Eu não quero que o hyung se machuque. ’ E você me acalmou. ‘O hyung vai logo atrás, quando eu gritar já, você corre. Espero que meus filhos, sejam tão lindos quanto você, meu marido iria te achar a coisa mais linda. ’ Você se levantou e começou a lutar contra aquilo, quando ouvi o já comecei a correr com toda minha força, não lembro de muita coisa. A não ser que olhei para trás e você estava lá com uma arma na mão.”

“Corri igual um desesperado, e consegui sair. Minha mente estava em branco, senti braços me parando e gritando que tinham achado uma criança. O prédio explodiu, e meu peito ficou pesado. O soldado gentil não tinha conseguido sair de lá.”

“Reencontrei a minha mãe, e assim como me prometeu tudo ficou bem.”

Você era aquele menino. — Murmurou Kyungsoo com lagrimas nos olhos. — Que belo rapaz você se tornou.

— Você não tem noção, o quão é bom é te ver novamente.

Sehun secava o rosto com a mão fungando. Baekhyun ficou um pouco estático, tentando digerir tudo que tinha ouvido.

—Então, aquelas missões todas eram porque vocês estavam em guerra... — Baekhyun murmurou, Sehun viu que não precisava responder. Byun estava apenas assimilando tudo.

— Sehun, como eu posso estar aqui? Era para eu estar morto. — Baek segurou a mão do Do forte, ouvir aquilo o perturbava demais.

— Aquilo que vocês achavam que era uma bomba, na verdade, era o plano da minha mãe. Yifan era muito forte, não tinha realmente um jeito de matá-lo. Então, o prendemos em uma dimensão prisão, tudo vivo que estava naquele prédio foi para lá junto com ele. — Oh o olhou e deu um sorriso triste. — Você estava lá também, não tinha como te tirar de lá sem liberar Yifan e as criaturas dele.

— Entendo... Como sai de lá?

— Os seguidores do Wu nunca desistiram dele, existe uma caixa que é como se fosse à chave daquele mundo. Essa caixa foi perdida entre os destroços. Ficamos tranqüilos, porque apenas os mais poderosos dos nossos conseguiam abrir. — Deu uma pausa e respirou fundo. — Não contávamos que eles achariam um feitiço de contra ataque, alguém com laços com alguém dentro da caixa conseguiria abrir. Para a infelicidade deles, Yifan era tão canalha que não tinha laços com ninguém.

— Isso não explica nada. — Falou Baekhyun. — Se ele não tinha esses laços, como a caixa foi aberta? Por que ela foi, não foi?

— Ele não tinha, mas Kyungsoo sim. Ele sempre considerou a sobrinha do senhor como se fosse uma filha, amava ela dessa forma. Acredito que o objetivo era o senhor Baekhyun pegar a caixa, mas o pequeno Jongin foi suficiente.

— Então foi meu neto que abriu? Deuses que perigo esse menino correu.

—Tudo que estava lá dentro saiu? — Perguntou Do.

— Sim, as criaturas e Yifan. Ainda não o localizamos, mas vamos. O lugar daquele homem é dentro da caixa, tudo que saiu tem que voltar.

— Isso quer dizer que Kyungsoo também?

— Desculpa, mas sim.

[...]

— Kyungsoo eu não vou aceitar isso! Não quero perder você mais uma vez, eu não vou agüentar tudo de novo, não vou!— Gritou Baekhyun, andando de um lado para outro no quarto, ele não aceitava aquela situação.

— Amor, eu não vou porque quero! Você ouviu as mesmas coisas que eu, quando eles realizaram o encantamento vou ser puxado junto.

— E por que não podem te deixar para fora, Soo? — Perguntou Baekhyun choroso. — Por que eu tenho que ficar mais uma vez sem você?

Kyungsoo sorriu triste, mesmo que Baekhyun tenha mudado em algumas coisas permanecia igual em outras. Levantou-se da cama e foi até o marido o abraçando forte, queira tanto ter uma forma de nunca o ver chorando daquela forma.

— Já parou pra pensar que não seria justo? A gente se ama para um caralho, se tivéssemos um final feliz Romeu e Julieta ficariam irritados. — Riram tristes.

—Sabe se você ficasse aqui, brigaríamos para um caralho, você iria implicar com os meus doces. E ainda por cima roubar toda a atenção do meu neto, seu cretino, é bom que vá mesmo. — Não agüentando agarrou com mais força Kyungsoo contra si, e os dois começaram a chorar ainda mais.

— É melhor mesmo seu irresponsável, não sei para que tanto doce. Aceita que Jonginnie gosta mais de mim do que de você. — Escondeu o rosto no pescoço do amado, e não segurou os soluços. — Baekhyun...

— Ta tudo bem, amor. Vai ficar tudo bem enquanto você estiver me abraçando assim.

— Quero passar todos os momentos que eu conseguir com você, então não se atreva a nem um segundo ficar longe.

— Eu ia dizer a mesma coisa.

Segurou Do pela cintura e o trouxe para mais perto, selou aqueles lábios bonitos até aprofundar o beijo. Cada minuto tinha que ser aproveitado.

[...]

Jongdae estava na cozinha preparando chá, não estava conseguindo dormir de jeito nenhum. A conversa de mais cedo estava o perturbando. Baekhyun e Kyungsoo tinham falando com todos eles, menos Jongin. E aquela história era muito absurda, já estava a ponto de ligar para um hospício e internar seu pai e Kyungsoo quando aquele homem estranho chegou, e mostrou como obtinha poderes.

A pedido dos seus pais Oh veio na hora do jantar e nos mostrou como tudo, por mais absurdo que fosse, era verdade.  

Kyungsoo estava então realmente vivo, e o porquê ele aparentar ser tão jovem foi explicado. Mas, ele não tinha muito tempo aqui. Ouviu os gritos do seu pai, ele era o mais abalado, e não queria nem saber como o pequeno Jongin iria ficar quando descobrisse que ser querido capitão, iria voltar a ser apenas histórias.

Byun queria não estar tão abalado com aquilo, mas estava. Tantas e tantas vezes que sonhou em conhecer Kyungsoo, e la estava ele sendo aquilo que Baekhyun tinha dito que ele era, não queria perder aquilo novamente. Ouviu um barulho e viu sua irmã entrando.

—Posso te acompanhar nesse chá ai ou vai subir?— Perguntou ela se sentado na cadeira.

—Queria mesmo companhia, Minseok está lá em cima roncando. — Disse rindo, preparou uma xícara para sua irmã e se sentou perto dela. — Jongin demorou a dormir?

— Não, era apenas eu que não queria solta-lo. Isso é tão doido, Dae. Até ontem ele estava morto, agora ele voltou e descubro que meu filho correu perigo. Eu estou assustada com tudo isso, papai e Jongin vão ficar tão mal, você vai ficar mal e eu não sei o que fazer. — Byun a puxou para um abraço.

— Vamos superar isso juntos. Como uma família.

— Não é só isso.

— O que foi? — Soltou a irmã, enquanto ela mordia a boca nervosa.

—Aquele desgraçado entrou na justiça, e conseguiu que no dia do aniversário do Jongin passasse com ele e a esposa. Eu não sei como dizer isso ao meu filho. Nem isso eu tenho coragem de dizer a ele, como vou dizer que o homem que ele pegou amor vai ter que ir embora?

—Noona, você não tem que fazer nada disso sozinha. Estamos aqui com você.

Sook sorriu e aceitou de bom agrado o abraço do irmão.

Terminaram o chá e subiram cada um para seu quarto. Jongdae entrou e se surpreendeu quando viu Minseok sentado esperando por ele.

— Está acordado há muito tempo, meu amor? — Perguntou Dae indo se deitar, fazendo Minseok fazer o mesmo e assim se ajeitou nos braços do mais velho.

— Não, eu acordei agora. Você está bem amor? Quer conversar?

—Está tudo uma loucura, Min. Eu não faço ideia do que fazer, e isso me perturba tanto.

— Nah está tudo bem não saber o que fazer. Pra tudo se tem uma solução, a gente vai quebrar um pouquinho a cabeça só. Te garanto que vamos achar.

— E se não acharmos?

— Tentamos de novo. — Byun murmurou um “que namorado idiota que eu tenho” e o beijou, porque beijar Minseok sempre espantava a tristeza para longe.

[...]

Kyungsoo deixou Baekhyun dormindo e saiu do quarto de forma silenciosa. Deu uma volta pela casa, tinha perdido o sono, o pensamento não o deixava em paz para descansar. Foi até a cozinha e viu que alguém tinha ido dormir tarde, foi até a pia e lavou o que tinha ali. O sono não dava as caras, então saiu indo para o jardim, para sua curiosidade Sook estava ali encolhida olhando para o nada.

Foi até ela se sentou do lado da mulher. Sook olhou para o Do e encostou a cabeça em seu ombro, Kyungsoo a envolveu em um abraço.

Muitas coisas precisavam ser ditas, mas o silencio era mais reconfortante para ele eles naquele momento.


Notas Finais


Não me odeiem muito 'kay? Caso tiver algo errado, eu ficaria super grata se me falassem.

Não desistam de mim, e até o próximo. Beijos e abraços meus amores!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...