1. Spirit Fanfics >
  2. Fifty Shades of Jungkook (REESCREVENDO) >
  3. Capítulo - 03 "bônus"

História Fifty Shades of Jungkook (REESCREVENDO) - Capítulo 4


Escrita por: e JKofficial


Notas do Autor


Olá, como vão?

Particularmente eu amei esse banner, vocês gostaram?

Continuação do capítulo anterior aqui ok? 🤗❤

O capítulo ficou pequeno mas relevem ok?

Boa leitura 📖🤗

Capítulo 4 - Capítulo - 03 "bônus"


Fanfic / Fanfiction Fifty Shades of Jungkook (REESCREVENDO) - Capítulo 4 - Capítulo - 03 "bônus"

Continuação...

- Possívelmente . Embora existam pessoas que diriam que eu não tenho coração.

- Por que eles diriam isso?

- Porque me conhecem bem. - Dou um sorriso irônico. De fato,ninguém me conhece tão bem, talvez Hyuna.

Pergunto-me o que faria a Srta. Kang. A garota é uma massa de contradições: timida, inquieta, obviamente brilhante e excitante como o inferno. Sim, está bem, admito. Ela é uma pequena peça atrativa..

- Seus amigos dizem que você é fácil de conhecer?

- Eu sou uma pessoa muito privada, Senhorita Kang. Eu percorro um caminho longo para proteger minha privacidade. Eu não costumo dar entrevistas - Fazendo o que faço, vivendo a vida que escolhi, necessito minha privacidade.

- Por que você concordou em fazer essa aqui?

- Porque eu sou um benfeitor da Universidade, e para todos os efeitos, eu não consegui tirar a Senhorita Kim de minhas costas. Ela insistiu e insistiu com meu pessoal de Relações Públicas, e eu admiro esse tipo de tenacidade.

- Você também investe em tecnologias agricolas. Por que você está interessado nesta área?

- Nós não podemos comer dinheiro, Senhorita Kang, e existem muitas pessoas neste planeta que não tem o suficiente para comer.

- Isso soa muito filantrópico. Eu algo que você sente apaixonadamente? Alimentar os pobres do mundo?

Considera-me com uma expressão excêntrica como se fora uma classe de quebra-cabeças para ela, mas de forma nenhuma vou querer esses grandes olhos azuis olhando dentro de minha alma escura. Isso não é uma área aberta à discussão.

Nunca.

- São negócios astutos. - Encolho-me, fingindo aborrecimento, e imagino agarrar sua boca inteligente para me distrair de todos meus pensamentos sobre a fome.

Sim, essa boca necessita de educação. Agora esse pensamento está aparecendo e me deixo imagina-la de Joelhos ante mim.

- Você tem uma filosofia? Nesse caso, qual é?

- Eu não tenho uma filosofia como essa. Talvez um princípio do orientador Carnegie: "Um homem que adquire a habilidade de tomar posse completa de sua própria mente, pode tomar posse de qualquer outra coisa a que ele por justiça tem direito". Eu sou muito peculiar, impulsivo. Eu gosto de controlar, a mim mesmo e aqueles ao meu redor.

- Então você quer possuir coisas? - Seus olhos se aumentam.

Sim, bebê. Você, em primeiro lugar.

- Quero merecer possui-las, mas sim, no resultado final, eu quero.

- Você soa como o consumidor irrevogável. - Sua voz tem um matiz de desaprovação, me enfurecendo de novo. Soa como uma garota rica que teve tudo o que queria, mas quando olho mais de perto a sua roupa, está vestida com vestuários do Walmart, ou possivelmente da Velha Marinha, sei que não é. Não cresceu em uma casa próspera.

Realmente poderia cuidar de você.

De onde essa merda veio? Embora agora que o considere, necessito uma nova Sub. Passou o que, dois meses desde Anah? E aqui estou. Salivando por uma garota de cabelo marrom. Eu tento um sorriso e

concordo com ela. Nada mal com o consumo... depois de tudo, é disso que vive a economia americana.

- Você foi adotado. Até que ponto você acha que isto formou o que você é?

Que merda tem que ver isso com o preço do azeite? Franzo-lhe o cenho. Que pergunta ridícula. Se tivesse estado com a puta viciada em Crack, provavelmente teria morrido.

Deixo-a plantada sem uma resposta, tratando manter o nivel de minha voz, mas ela me empurra, exigindo saber quantos anos tinha quando fui adotado.

Faça-a calar, Jeon!

- Esse material é de registro público, Srta. Kang. - Minha voz é fria como aço. Ela deveria saber essa merda. Agora parece arrependida.

- Você teve que sacrificar uma vida familiar por seu trabalho.

- Isso não é uma pergunta - digo.

Ruboriza-se de novo e morde esse maldito lábio. Mas tem a graça de desculpar-se.

- Você teve que sacrificar uma vida em família por seu trabalho?

Oque eu quero com uma família de merda?

Eu tenho uma família. Eu tenho um irmão e uma irmã, pais amorosos. Eu não estou interessado em estender minha família, além disso.

- Você é gay, Sr. Jeon?

Que merda! Não posso acreditar que ela disse isso em voz alta!

A pergunta não pronunciada que minha propria família não se atreve a perguntar, para mim muito menos.

Como ela se atreve!

Tenho que lutar com o impulso de arrastá-la de seu assento, incliná-la sobre meu joelho e açoitá-la até tirar toda a merda dela; logo fodê-la sobre meu escritório com suas mãos atadas fortemente atrás de suas costas. Isso responderia sua pergunta. O quão frustrante é essa mulher? Tomo uma respiração profunda e tranquilizadora. Para meu prazer vingativo, ela parece extremamente envergonhada por sua própria pergunta.

- Não, ________ , não sou. - Levanto minhas sobrancelhas, mas mantenho minha expressão impassivel.

________. um nome encantador.

Eu gosto da forma em que minha língua o envolve.

- Peço desculpas. Isso está hum.. escrito aqui. - nervosa,coloca seu cabelo atrás de sua orelha.

Não conhece suas próprias perguntas. Talvez não sejam dela.

Pergunto-Ihe e fica pálida. Merda, ela é realmente atraente, em uma forma discreta. inclusive chegaria a dizer que e formosa.

- Err... não. Jisoo, a Srta. Kim, ela compilou as perguntas.

- São colegas do jornal estudantil?

- Não, é minha companheira de quarto. - Não é assombroso que esteja em todas as partes. Arranho meu queixo, debatendo se lhe dou um mau momento.

- Você se voluntario para fazer essa entrevista? - pergunto e sou recompensado com seu olhar submisso: olhos grandes, nervosos por minha reação.

Eu gosto do efeito que tenho nela.

- Eu fui sorteada. Ela não está bem. - diz brandamente.

- Isso explica muitas coisas. - Alguém bate na porta e logo aparece Mina.

- Sr. Jeon, perdoe-me por interromper, mas sua próxima reunião será em dois minutos.

- Nós não terminamos aqui, Mina. Por favor, cancele minha proxima reunião.

Mina assente, me olhando boquiaberta. olho para ela.

Poha! Agora! Estou ocupado com a pequena Senhorita Kang aqui. Mina se ruboriza, mas se recupera logo.

- Muito bem, Sr. Jeon. - diz, e girando sobre seus pés, deixa-nos.

Volto minha atenção de novo para a intrigante e frustrante criatura em meu sofá.

- Onde estávamos Senhorita Kang?

- Por favor, não gostaria de atrapalhar suas obrigações.

OH não, bebê. É meu turno agora. Quero saber se há algum segredo que eu possa descobrir por trás desses olhos formosos.

- Quero saber sobre você. Eu acho que isso é justo. - Enquanto me inclino para trás e pressiono meus dedos contra meus lábios, seus olhos se movem rápido para minha boca e trava. OH, sim... O efeito comum. E é tão gratificante saber que não é completamente inconsciente a meus encantos.

- Não há muito que saber - diz, retornando seu rubor. Estou intimidando-a.

Ótimo.

- Quais são seus planos depois que você se formar?

Ela se encolhe.

- Não fiz nenhum plano, Sr. Jeon. Só preciso passar em meus exames finais.

- Nós temos um excelente programa de estágio aqui. - Porra. Por que disse isso?

Estou rompendo minha regra de ouro: jamais fazer sexo com minhas funcionárias. Mas Jeon, não está fodendo essa garota. Ela parece surpreendida e seus dentes se afundam de novo em seu lábio. Por que isso é tao excitante?

- Oh. eu vou pensar nisso - resmunga. Depois, em um ultimo momento diz: - Ainda que eu não tenha certeza se me encaixaria aqui.

Por que diabos não? O que está mal com minha companhia?

- Por que diz isso? - pergunto.

- É óbvio, não é?

- Não para mim. - Sua resposta me confunde. Ela está nervosa de novo quando se estira pelo mini gravador. Merda.

Está indo. Mentalmente, percorro meus horários para essa tarde.. não há nada que me entretenha.

- você gostaria que eu mostrasse ao redor?

- Eu estou certa que você está extremamente ocupado, Sr. Jeon, e eu tenho uma longa viagem.

- Você vai dirigindo de volta para a DSU Daegu? - Olho através da janela. Esse tipo de viagem é um inferno e está chovendo, mas não posso proibi-la. O pensamento me irrita.

- Bem, é melhor você dirigir com cuidado. - Minha voz é mais severa do que me proponho.Ela guarda o mini gravador. Ela quer sair de meu escritório e, por alguma razão que não posso explicar, não quero que vá. - Você conseguiu tudo o que precisa? - Adiciono em um claro intento de prolongar sua estadia.

- Sim, senhor. - diz lentamente.

Sua resposta me deixa aniquilado, a forma em que soam essas palavras, saindo dessa boca inteligente, e brevemente imagino essa boca a minha disposição e me chamando.

- Obrigada pela entrevista, Sr. Jeon.

- O prazer foi meu - respondo sinceramente, faz muito tempo que não estou fascinado por alguém. O pensamento é inquietante. Ela para e estendo minha mão, impaciente por toca-la.

- Até a próxima, Senhorita Kang. - Minha voz é baixa e ela coloca sua pequena mão na minha. Sim, quero açoitar e foder essa garota em meu quarto de jogos. Tê-la atada e esperando... necessitando-me, confiando em mim.

Travo.

lsso não vai acontecer, Jeon.

- Sr. Jeon. - Ela assente e retira sua mão, rápido... muito rápido.

Merda, não posso deixar que vá assim. É óbvio que está desesperada para sair daqui.

A irritação e inspiração me golpeiam simultaneamente quando a vejo fora.

- Só assegurando que você passe pela porta, Senhorita Kang - Ela se ruboriza novamente, uma deliciosa sombra rosada.

- Isso é muito amável de sua parte, Sr. Jeon. - cospe.

Senhorita Kang tem dentes!

Sorrio atrás dela quando sai e a sigo em seu caminhar. Tanto Mina como Yuna levantam o olhar com surpresa.

Sim, sim. Só estou vendo a garota sair.

- Você tem um casaco? - pergunto.

- Sim.

Franzo o cenho a Yuna, que imediatamente salta para recuperar seu casaco. Pegando-o, a olho para que saia. Jesus, Yuna é irritante..girando ao meu redor todo o tempo. Hmm. O casaco é do Walmart.

A Senhorita Kang _______ deveria estar melhor vestida.

Sustento-o para ela e o coloco sobre seus ombros magros, toco a pele da base de seu pescoço. Ela fica quieta ante o contato e empalidece.

Sim! Ela está afetada por mim.

Saber disso é imensamente prazeroso. Caminhando para o elevador, pressiono o botão para chamá-lo enquanto ela está parada inquieta ao meu lado.

OH, eu posso acalmar seus nervos, Bebê.

A porta se abre e ela logo entra, ela se vira para me enfrentar.

- ________. - murmuro, dizendo adeus.

- Jungkook. - ela sussurra. E as portas do elevador se fecham, deixando meu nome pendurado no ar, soando estranho, desconhecido, mas atrativo como o inferno.

Porra. O que foi isso?

Preciso saber mais sobre essa garota.

- Mina! - cuspo quando caminho de volta a meu escritório. - Ponha o Jung na linha, agora!

Enquanto me sento no escritório e espero a chamada, olho as pinturas na parede de meu escritório, e as palavras da Senhorita Kang retornam a mim: "Elevando o ordinário ao extraordinário".

Facilmente ela poderia estar se descrevendo.

Meu telefone vibra.

- Jung está na linha para o Senhor.

- Passe a ligação.

- Sim, senhor. - Ela diz e logo ouço a voz do citado.

- Jung falando.

- Jung, necessito de uma investigação profunda.

- Quem devo investigar Sr. Jeon?

- Kang ________.


Notas Finais


Oque acharam?
Deixem comentários e favoritos❤❤

⚠Estou tentando mudar os banner dos capítulos anterior porém a internet tá uma merd*😑

Até o próximo 😚📖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...