História Fight For You (Kyle Broflovski) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias South Park
Personagens Clyde Donovan, Craig Tucker, Eric Cartman, Gerald Broflovski, Ike Broflovski, Kenny McCormick, Kyle Broflovski, Sheila Broflovski, Stan Marsh, Tweek Tweak, Wendy Testaburger
Tags Comedia, Fluffy, Kyle, Leitor, Romance, South Park
Visualizações 15
Palavras 3.936
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


*caslirr não sabe como reagir agora, ela respira fundo.

Entãoooo... Eu geralmente não gosto de escrever 'x leitores' porque me incomodo com a gramática, mas eu tentei o meu melhor. Eu acho que ficou tudo bem aqui. Se você vir algum erro gramatical, por favor me avise!

E sim, podem chamar qualquer autoridade depois, mas eu juro que não tem nada de ERRADO aqui... Tirando o fato que estou fazendo uma história com Kyle que tem apenas 10 anos, judeu e ainda é de Jersey.

Mas já estou aqui :D
Me desculpe por ser um pecador, senhor.

euestoufazendoissopoiseuacreditoqueessemocinhojudeumereceamoreeutambémadoroele.

euvoufazerparameucriançostanentãomaisumavezdesculpeporserumapecadora.

Capítulo 1 - Fight For You. (Capítulo Único)


Fanfic / Fanfiction Fight For You (Kyle Broflovski) - Capítulo 1 - Fight For You. (Capítulo Único)


Batendo a porta atrás dele, Kyle largou a mochila no chão e se jogou no sofá, soltando um suspiro frustado. Cara, hoje parecia que não era o melhor dia para ele.

Seu pequeno irmão canadense, Ike, olhou pra ele confuso. O garoto quase nunca chegou da escola assim, uma grande merda deve ter acontecido com ele hoje para estar agindo assim. Ike olhou seu programa favorito passando na televisão e depois novamente para seu irmão, ele parecia saber o melhor agora.

"Kyle?" Ike perguntou, gentilmente acariciando sua perna para tentar chamar a atenção do ruivo. 

"Me deixa em paz, Ike." Sua voz estava abafada pelo travesseiro em que ele estava plantando o rosto. "Eu só quero ficar sozinho por um momento."

O canadense franziu sua pequena testa. Ao ouvir isso, o pai do garoto entrou pela porta da cozinha, segurando uma caneca de café na mão. "Kyle? O que há de errado?"

Kyle soltou um gemido pesado e frustado (rimas), mas não levantou a cabeça do travesseiro. Sentando-se no braço do sofá, Gerald acariciou gentilmente a cabeça de seu filho. "Está tudo bem, você pode me falar qualquer coisa. Eu posso ajudá-lo com isso."

Pensando um pouco, Kyle soltou um suspiro e se sentou, olhando para seu colo. "Bem, olha só, hoje na escola quando estava saindo o Sr. Garrison veio falar comigo e com outros alunos e nos disse que temos que ensinar os outros alunos da escola, que estão tento dificuldades em matemática." Gerald levantou uma sobrancelha, normalmente Kyle não se importava em ser o tutor de alguém desde que ele era um garoto brilhante e um aluno inteligente. (rimas. parte 2)

"Você não quer ensinar ninguém?" 

Kyle suspirou novamente e encostou a cabeça no sofá, olhando para o teto. "Não, não é isso pai... É que ... Tem essa garota..."

"Ah, eu entendi agora. Você não quer ensinar ninguém porque quer passar mais tempo com essa mocinha, não é?"

Kyle fechou os olhos e assentiu lentamente. "Eu finalmente pedi a ela para ir ao cinema na sexta-feira e o Sr. Garrison teve que vir me pedir que eu ensinasse um aluno na sexta-feira."

Seu pai assentiu em compreensão. "Está tudo bem, filho, talvez você possa convidá-la para o cinema em outro momento."

O garoto assentiu, rindo um pouco quando viu Ike aplaudir e pular em seu colo, dando-lhe um um abraço. "Viu? Até mesmo Ike te encoraja. Não se preocupe com nada, eu tenho certeza que ela vai entender se vkcê falar o motivo do cancelamento." Talvez ele estivesse certo, ela era um menina gentil e um tanto louquinha, mas ela com certeza entenderia que ele não tinha controle sobre as coisas que poderiam cair em seus ombros.

"Sim, você tem razão pai." Kyle mostrou aquele típico sorriso pequeno, abraçando o irmão com força antes de colocá-lo novamente no chão. "Tenho certeza agora que ela vai entender."

"Isso mesmo, suas preocupações podem ir embora, tá bom?"

"Sim, obrigado pai."

"Em qualquer momento."

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Kyle cantalorou uma alegre melodia enquanto saía do banheiro, apagando as luzes antes de sair e fechar a porta atrás dele, dentes agora totalmente escovados e pronto para dormir.  Ele bocejou.

Mas primeiro ele descia rapidamente para pegar um copo de água.

Uma vez já com um copo cheio de água fresquinha na mão, ele se virou para sai, ,jr da cozinha gelada, bem a tempo de ouvir o telefone da casa tocar. Deus, ele tomou um pequeno susto. Correndo até lá rapidamente, o menino atendeu, certificando-se de não acordar o resto da família. "Olá?" Ele sussurrou suavemente, olhando vem volta confirmando se estava realmente sozinho.

"Cara, que bom que ainda está acordado!"

"Stan? O que há de errado? Você geralmente não me liga tão tarde."

Stan respirou fundo do outro lado do telefone, como se estivesse se preparando para algo e isso não seria nada bonito. "Cara, eu nem sei como começar te dizer isso, mas..." Quando ele parou de falar, Kyle não pôde evitar o pequeno pânico que começou a crescer dentro dele, mas tentou manter a calma enquanto tentava fazer seu amigo continuar.

"Caramba, apenas fala isso de uma vez logo."

Stan ficou quieto por um momento. "Lembra quando você finalmente pediu para [Nome] ir no cinema com você na sexta?"

"Sim...?"

"Sim, bem, Craig marcou Clyde que marcou Token que me marcou em um post do Facebook, onde um dos caras do sexto ano falou que vai pedir para sair com ela. Ele escreveu como vai fazer para [Nome] falar 'sim' para ele na sexta-feira, na parte de trás da escola onde ficam as crianças góticas."

"O que?! Mas que porra?!" Ele com certeza tinha esquecido do plano de não acordar seus pais. "E o que [Nome] disse?"

"Ela não está online, então com certeza ela não viu o post dele ainda."

Aquele merda estava fedendo, estava fedendo mais qualquer coisa no mundo.

"Cara, o que vamos fazer? Eu sei que você é TOTALMENTE protetor quando se trata da [Nome], todos nós somos. Ela é a irmã mais nova do nosso grupo." Stan começou do outro lado da minha. "Até mesmo o gordão é protetor com ela, também... ela é a única que o alimenta."

Kyle pensou nisso profundamente, o que PODERIAM FAZER? Olhando para o relógio na parede da cozinha, soltou um suspiro frustado e sacudiu a cabeça. "Vamos falar sobre isso amanhã? Agora vamos dormir, senão não conseguiremos nos levantar cedo amanhã." Stan concordou e disse um 'até mais' antes de desligar.

Kyle fez o mesmo, o garoto suspirou, antes de arrastar os pés para as escadas e subir para seu quarto.

Uma vez lá, ele lentamente abriu a porta, fechando-a enquanto caminhava em direção a sua cama, colocando seu copo na mesa lateral antes de subir na cama. Enquanto ele estava lá, ele olhou para o teto, agora totalmente perdido em seus pensamentos.

Perdido nos pensamentos que estavam sendo ocupados por uma garota.

[Nome] [Sobrenome].

Ela havia se mudado para South Park há alguns meses com seus pais e seu irmão mais velho que estava quase terminando a escola. Desde então, Kyle não pensou em mais nada e garantiu sua amizade com ela. Foi estranho fazer amizade com uma garota no começo, mas ambos pareciam ter uma estranha sincronia e por isso Cartman gostava de provocá-lo.

"Ele escreveu como vai fazer para [Nome] falar 'sim' para ele na sexta-feira!"

Kyle suspirou e se virou na cama, de frente para a janela. Ele precisava fazer algo em relação a merda que poderia acontecer. Desde que [Nome] se juntou ao grupo, o que surpreendentemente Eric Cartman permitiu com pouca ou nenhuma reclamação, os quatro foram extremamente protetores com ela. Ela era a irmã mais nova do grupo e a única que realmente tolera Cartman e suas merdas.

Talvez seja por isso que ele a deixou entrar no grupo?

Mas de qualquer maneira, eles precisavam fazer alguma coisa.

"Eu não quero que ela seja forçada a qualquer coisa que ela não queria fazer." Ele murmurou, bocejando antes de fechar os olhos e, finalmente, ir para o mundo dos sonhos.

Ele lidará com aquele estúpido do sexto ano pela manhã.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

"Kyle!"

Afastando-se após pegar as coisas do armário, o garoto ruivo virou-se para o seu melhor amigo, que  corria na direção dele com um olhar de pânico presente no rosto. "Hey Stan, o que está-"

"É [Nome]! Craig me disse que Tweek ouviu das meninas mais velhas que ela recebeu uma carta que falava para ela ir lá fora! É aquele cara, cara!" Ele gritou, agarrando a mão de Kyle e arrastando-o para fora.

Quando se aproximaram do destino, encontraram Craig com seus amigos olhando por cima da esquina do prédio da escola, onde as crianças góticas costumavam ficar. "O que está acontecendo?" Kyle perguntou quando Stan e ele pararam diante deles.

Token se virou. "[Nome] ainda não chegou, mas aquele grandão sim."

Tweek se contorceu e segurou com força a bainha de sua camisa nervosamente. "O-Oh jesus! O n-nome dele é Mark. GAH! 

Kyle foi até eles e enfiou a cabeça para olhar em torno da esquina, arregalando os olhos enquanto olhava para o cara alto da sexta série, que tinha cabelo curto e castanho e um pouco gordo.

Não gordo como Cartman, mas um gordo Clyde. 

Kyle não pôde deixar de fazer uma careta. Sem pensar, ele fez o caminho até aquele garoto, ignorando seus amigos que o estavam chamando de volta. Ele ia cuidar daquele com ou sem ajuda deles. Quando se aproximou, Mark se virou para ele e levantou uma sobrancelha, perguntando-se por que um aluno da quarta série estava ali e o encarando com um olhar de morte. 

"Quem diabos é você?" Ele perguntou, observando enquanto o garoto mais novo endurecia seu olhar.

"Desde quando isso é da sua conta? Escute aqui, é melhor que deixa aquela garota em paz. Quero dizer, o que um aluno da sexta série quer com uma garota que ainda está na quarta série? Qual o seu problema? E o que faz você pensar que ela gostaria de sair com você? Você gosta de bisbilhotar garotinhas? Eu posso ver você crescendo para ser um fodido pedófilo!"  Com cada palavra a voz de Kyle ficava cada vez mais alta, a raiva estava correndo por suas veias. O adolescente mais alto recuou um pouco, chocado quando o menino mais novo chegou mais perto, com os olhos cheios de raiva.

"Ei, escute, pirralho!" Mark não parecia nada feliz agora, ele já não estava antes mesmo. "Eu não importo com você e com seu discursso de merda, mas eu gosto de [Nome] e eu vou sair com ela! Ela parece ser o tipo bonitinha e ela será minha namorada."

"Esse é o seu motivo? Esse é o ÚNICO motivo pelo qual você quer sair com ela? Porque ela é o 'tipo bonitinha' para você?" Kyle cruzou os braços, rangendo os dentes para o garoto mais velho.

"Sim, ela é simplesmente bonitinha. Por que mais eu namoraria ela?" Mark respondeu, olhando para Kyle como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.

Kye não pôde deixar de rosnar e empurrar o garoto mais velho no chão, com a força que ele nem sabia que tinha. "Por que mais? Por que mais? Por que não sair com ela porque ela é a garota mais legal e divertida da escola?"

Os meninos estavam assistindo aquela cena toda com os olhos arregalados, nunca viram Kyle parecer tão bravo antes, nem mesmo quando Cartman fazia as merdas dele. "Galera, estejam prontos para o caso de termos que separá-los." Stan sussurrou, voltando-se para seus amigos. "Eu tenho a sensação que isso vai ficar feio." Todos os meninos concordaram, antes de se voltarem novamente para Kyle e Mark, preparando-se para pular para o resgate de seu amigo, no caso de os dois começarem uma briga.

Kyle bateu o pé no chão e bufou, continuando seu discurso anterior. "Por que não sair com [Nome] porque ela é incrível? Porque não há nada como o sorriso dela... o tipo sutil e perfeito e totalmente verdadeiro? Você nunca vai saber o quão maravilhoso esse sorriso poderia fazer alguém se sentir!" Kyle suspirou.

"Por que não pode sair com [Nome] pelo o que ela é? Ela não é o suficiente?"

Mark zombou e revirou os olhos. "Eu não dou a mínima para isso. Eu já disse por ela ser do tipo bonitinha já está de bom tamanho para mim. Personalidade? Não importa nada para mim."

Foi então que algo dentro de Kyle deu um sinal.

"Eu vou chutar a porra da sua bunda!"

Stan e os meninos ofegaram em surpresa e em horror e correram em direção aos dois garotos. "Meu deus!" Clyde ofegou.

"Puta merda." Craig gritou.

"Kyle já está bom, deixe ele ir! Pare de socá-lo!" Stan gritou, tentando conter seu amigo furioso enquanto o mesmo dava socos no garoto. 

"Gah! Oh jesus! O nariz dele está sangrando!" Tweek exclamou, entrando em pânico enquanto assistia aquela luta.

Isso foi algo que ninguém estava esperando.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

[Nome] corria pelos corredores o mais rápido que podia, evitando os alunos que estavam em seu caminho enquanto ela tentava entrar no consultório da enfermaria.

Ela tinha ouvido de Stan que Kyle havia se ferido em uma briga com um dos garotos da sexta série. Mas o que mais chocou foi o fato de que Kyle realmente QUEBROU o braço daquele garoto, infelizmente como consequência, o ruivo foi suspenso por uma semana.

Chegando na enfermaria, [Nome] torceu a maçaneta e praticamente se jogou para dentro da sala, quase tropeçando quando ela fechou a porta atrás dela. "Broflovski!" Ela gritou, tropeçando em seus próprios pés e caindo chão. 

"[Nome]!"

Opa, esse era a voz do ser humano que ela estava procurando. A garota olhou para cima para encontrar o rosto do judeuzinho. Kyle tinha um olho roxo, um lábio cortado e uma bochecha machucado, parece que ele estava realmente ocupado.

"Me deixe ser honesta, o roxo não combina com você." Ela levantou, demonstrando um sorriso sapeca. Kyle revirou os olhos. "Eu não vou perguntar se você está bem, pois a resposta é muuuito óbvia!"

"Eu estou bem, só alguns arranhões." 

Enquanto ele falava, ela segurou a mão suavemente a mão do garoto, levando-o para a cama da enfermaria em que ele antes estava sentado. "Senta aí, meu jovem e me conta como isso aconteceu, pois o Stan estava falando muito rápido para minha cabeça processar." [Nome] perguntou, sentado-se ao lado dele.

Rindo nervosamente, Kyle olhou para o colo dele, enquanto a mão livre esfregava seu pescoço. "Eu... bem, para ser justo, ele começou... Aquele cuzão disse coisas que me irritaram eu posso ter acabado... machucado ele."

"Você quebrou o braço dele, Kyle!"

"Bem, ele pediu por isso! E onde você estava nessa maldita hora?"

"Oh~" [Nome] sorriu brilhantemente. "Eu estava com Eric e Kenny. Eles disseram que queriam CheesyPoofs então eu tive que voltar para o meu armário e dar a eles os pacotes que eu tinha." Kyle zombou e revirou os olhos, interiormente grato pelos dois garotos por distrair [Nome].

"Claro que aquele bundão iria querer comer algo simplesmente do nada."

[Nome] não podia deixar de rir, era sempre uma comédia pura para ela quando Kyle e Eric brigavam. Embora às vezes não acabasse nada bem, mas mesmo assim adianta era bom.

Uma vez que ela parou de rir, os dois simplesmente ficaram em um silêncio confortável, apenas desfrutando da companhia um do outro e amando o calor de ambas as mãos. Olhando para ele, [Nome] não podia evitar um pequeno sorriso e com Kyle era o mesmo, porém sempre ao ver o sorriso dela fazia com que sua barriga ficar com borboletas e aquilo era confuso.

Kyle não sabia o tipo de sentimentos que tinha pela garota, era o mesmo tipo de sentimento que ele sentiu por Heidi? Bom, quem sabe?!

"[Nome]?"

"Hm?" Virando a cabeça, ela cantarolou em resposta quando Kyle parecia querer tomar coragem para algo. 

O garoto suspirou. "Sobre esta sexta-feira... Bem, eu não posso ir no cinema com você, mas... eu realmente queria ir muito mesmo com você."

Ela assentiu, dando um pequeno soquinho no ombro do ruivo que sentiu uma dorzinha logo em seguida. "Cara, eu entendo!"

Kyle parecia pensar em mais alguma coisa, porém antes que pudesse falar qualquer coisa, a porta do consultório da enfermaria foi praticamente se abriu rapidamente.

"Kyle Broflovski, você está MUITO ENCRENCADO, mocinho!"

Chiando em choque, [Nome] caiu para trás sobre a cama de exame e caiu de costas no chão. Kyle se virou rapidamente e se moveu para ver se a garota estava bem. "Caramba!"

"Kyle, qual é o significado disso? Eu recebo uma ligação do seu diretor e ele me diz que você brigou e quebrou um pobre menino- oh... Olá [Nome]!" A Sra. Broflovski cumprimentou, piscando enquanto observava seu filho ajudar a garota, segurando-a protetoramente com um olhar preocupado em seu rosto. "Oh...OH!" Ela ofegou em realização, finalmente entendendo o porque seu filho de repente agiu fora de caráter e começou uma briga.

"Olá Sra. Broflovski!" [Nome] cumprimentou com seu sorriso brilhante. Ela agradeceu o garoto que havia lhe ajudado e seguiu até a porta. "Bem, eu acho que eu preciso alimentar alguns gordinhos por aí, quero dizer, pompinhos. Tchau!" Com isso, ela rapidamente correu para fora do consultório, ignorando os olhares confusos de Kyle e de sua mãe.

"Então..." A mulher cruzou os braços e olhou para seu filho que estava parado olhando para a porta. "Pode começar!"

"Puta merda...."

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

"Eu estou dizendo a você cara, isso é uma droga." Kyle gemeu, com o telefone em sua mão entrava na cozinha, pegando um prato de biscoitos antes de voltar para seu quarto. "Eu odeio ser suspenso, não há nada para fazer em casa, é um saco!"

Stan riu do outro lado da linha. "Bem, a escola não é muito divertida sem você, cara. Oh! Mas adivinhe o que aconteceu com aquele tal de Mark!"

Kyle não pôde deixar de zombar ao colocar o prato de biscoitos na mesa. "Por favor, me diga que ele foi atropelado por um caminhão." Ele ainda estava com o gosto amargo sobre aquela luta. Aquele idiota mereceu aquele braço quebrado, e se ele tentar algo novamente, Kyle quebrará seu outro braço, e talvez uma perna.

"Cartman deu a ele seus famosos cupcakes e o cara cagou tanto nas calças que todo mundo riu dele! Ele não vai poder mostrar aquela cara estranha na escola por um tempo." Stan riu.

Cartman fez o que? 

"Mas por que?"

"Porque, ele ouviu falarem sobre o que Mark queria com [Nome]. Então ele e Kenny se certificaram de chamar a atenção dela, então ela não teria que ir vê-lo."

Bom, aquilo era algo totalmente novo, Cartman geralmente nunca fazia nada para ajudar alguém, a menos que isso o beneficiasse. Talvez, apenas talvez, Cartman estivesse finalmente se tornando legal e não sendo um bunda gorda idiota completamente desagradável como ele normalmente é.

"Legal, talvez eu devesse agradecer ele então." Kyle murmurou, suspirando enquanto olhava para o relógio. Infelizmente, como foi suspenso da escola, ele também.estava de castigo, ele não poderia sair de casa, não poderia falar com seus amigos e estava proibido de assistir televisão e usar o computador durante um mês inteiro. A única pessoa que ele estava autorizado a conversa é aquela que ele deveria ajudar em matemática, Stan é apenas uma exceção.

E, infelizmente, ele não estava sendo impedido de ser um tutor para alguém da escola.

"Stan, eu ligo para você mais tarde, ok?"

"É aquele lance de ser o tutor de alguém?" Stan perguntou, sorrindo do outro lado da linha.

Kyle suspirou mais uma vez e assentiu, já sabendo que era inútil porque seu amigo não seria capaz de vê-lo. "Sim, e eu realmente só queria ir no cinema com [Nome] hoje."

Stan ainda estava com aquele sorriso no rosto. "Bem, você não precisa se preocupar tanto assim com isso." Ele mumurrou, feliz por Kyle não ter ouvido direito. "De qualquer maneira cara, eu vou te ver quando sua suspensão e seu castigo acabarem. Hah, isso provavelmente vai ficar em seus registros escolares para sempre."

Será que isso era um motivo para ficar orgulhoso? Kyle pensou enquanto ele descia as escadas com o telefone na mão, pronto para abrir a porta para quando o garoto que ele deveria ensinar chegasse. "Sim, por ela, valeu a pena. Eu não me importo com isso." De repente, o som da campainha ecoou pela casa assim que Kyle chegou à sala de estar. "Eu tenho que ir agora Stan, o garoto chegou."

Stan tentou reprimir uma risada, falhando miseravelmente. "Ok cara, eu falo com você mais tarde. Divirta-se!" Antes que Kyle pudesse perguntar o que ele queria dizer com isso, Stan já havia desligado. Piscando confuso, ele pensou em ligar novamente, mas decidiu não fazer isso agora. Encolhendo os ombros, Kyle colocou o telefone em cima so sofá e foi atender a porta.

"Ol... Olá?"

"Hey Professor Broflovski!"

Kyle piscou algumas vezes, levantando a mão para  esfregar os olhos e se certificar de que não estava sonhando. Porque lá, de pé na moldura da porta de sua casa, estava [Nome]. Ela segurava seus livros e fichário perto do peito, com aquele sorriso no rosto. "[Nome]? O que você estava fazendo aqui? Eu não tenho permissão para sair até que minha suspensão esteja terminada." Embora ele dissesse isso, ele estava feliz em vê-la.

"Rude, eu pensei que você me ajudaria com esses números malditos!"

"Ajudar? Oh!"

Ela era o 'garoto' que precisava ensinar. Ele era seu tutor! E ela sua aluna.

"Então? Sabe os números? Meus maiores inimigos?" 

"Entre!" Ele estava aliviado, dando um paso para o lado para permitir que a garota entrasse, não escondendo a pequena alegria por ela ser quem estaria ali para as aulas, claro que a garota também não escondia que estava feliz também.

"Kyle? Quem é?" Seu pai gritou, antes de sair da cozinha, com uma xícara  de café na mão. "Oh olá, você deve ser a amiguinha do meu filho [Nome]! Minha esposa falou muito de você ontem." 

"Pai!"

Sr. Broflovski riu. "Kyle realmente estava  tão preocupado em não conseguir passar mais tempo com você! Ele realmente tem um bom gosto para-"

"[NOME] QUE TAL IRMOS PARA MEU QUARTO? ASSIM EU VOU CONSEGUIR TE AJUDAR COM INIMIGOS NÚMEROS. TCHAU PAI!" Kyle gritou, tentando esconder seu constrangimento quando ele segurou a mão de [Nome], rapidamente, mas gentilmente arrastando-a para as escadas e para longe seu pai. "E não... ELA NÃO É MINHA NAMORADA!" Completou.

"Era ela?" Sra. Broflovski perguntou, colocando a cabeça para fora do batente da porta da cozinha. Sr. Broflovski riu e acenou para sua esposa. "Foi! E você estava certa querida, nosso filho conseguiu uma namoradinha."

"Meu bebê está crescendo tão rápido."

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

A tutoria foi realmente boa, Kyle tinha ajudado [Nome] e era bastante paciente e fazia de tudo para aquela cabeça de vento entendesse tudo, mas foi divertido vê-la resolvendo as equações como se elas fossem inimigos armados.

Foi bom passar o tempo que ele queria com ela. Era bom estar com ela.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

"Hey Cartman!" Kyle gritou, caminhando até o gordinho que estava em seu armário pegando algumas de suas coisas. Virando-se Cartman levantou uma sobrancelha para o judeuzinho. 

"O que você quer?" Ele perguntou, revirando os olhos enquanto se voltava para seu armário.

Limpando a garganta, Kyle suspirou e olhou para baixo. "Obrigado por... você sabe, distrair [Nome] aquele dia e por... Fazer Mark cagar nas calças com seus cupcakes." Ele resmungou, tentando não ficar bravo com o sorriso qur começou a crescer no rosto rechoncudo de Cartman. 

"Oh, é assim, hm? Bem, eu sei de uma maneira melhor para você me agradecer."

"O que você quer?"

"Primeiro!" Ele começou, esfregando o queixo enquanto pensava. "Eu quero que você me dê CheesyPoofs-"

"Aqui!" Kyle respondeu rapidamente, entregando ao menino um pacote de CheesyPoofs, sabendo muito bem que aquele bundão pediria alguma coisa. Piscando em surpresa, Cartman rosnou e pegou rapidamente o pacote, pensando de novo por uma coisa mais embaraçosa para ele fazer.

"Próximo! Eu quero que você diga: 'Oh Cartman! Você é tãooo legal e eu sou apenas um bostinha'

"Oh Cartman, você é tãooo legal e eu sou apenas um bostinha!"

Cartman grunhiu de novo e bateu o pé no chão, fazendo uma pequena birra por não conseguir humilhar aquele maldito judeu. "Porra Kyle! Tudo bem! Agora diga que é um judeuzinho viado de merda que gosta de chupar uns paus por aí."

Kyle cerrou as mãos. "Puta merda Cartman! Eu não vou falar isso!" Do canto do olho, o gordinho viu [Nome] e Stan andando em direção a eles, antes de sorrir para seu amigo/rival.

"Kyle e [Nome] juntos passeando, logos vão estar se beijando e fazendo sexo separar e o Stan vai apenas olhar." Ele cantalorou quando corria de um lado para o outro.

"PUTA MERDA CARTMAN!" 

"Quem vai fazer sexo?" 

"Kyle e [Nome] e o caso é muito sério!"

"CARTMAN!" 

"Eles estão juntos desde que [Nome] foi na casa em uma segunda-feira e aconteceu o rolo todo."

"Puta merda."

Apesar de estar com raiva de Cartman, Kye não poderia  deixar de sorrir ao ver [Nome] oferecendo uma mão livre para ele. Parecia que ignorar aquele gordo maldito seria algo bom e ficar com agora seria um bom plano.

Mas se Cartman fazer algo estúpido para arruinar isso, ele iria garantir um chute na bunda dele.


FIM!

 


Notas Finais


Eu não sei mais o que foi isso, mas espero que isso tenha sido bom, pois eu ADORO esse menino e a personalidade dele.

ENFIM

Podem chamar as autoridades!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...