História Filha das Ruas - Capítulo 43


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 151
Palavras 2.727
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Filha das Ruas em um mês atingiu um número que eu n acreditava que iria chegar em pelo menos um ano, obrigada mesmo a todos que estão lendo e principalmente o que estão comentando, eu amo vocês de verdade, estão me dando mais e mais vontade de seguir com Isso.

Boa leitura

Capítulo 43 - Erick vs Bieber


Luna

Incrível como alguém pode simplesmente ter raiva de outra sem ao menos conhece-la, por um calculo errado uma peça ao contrario ou simplesmente uma teoria sem provas, Justin tinha uma raiva infantil pelo o homem em nossa frente que eu não entendia, um ciúmes doentio? Talvez.

  - Luna.- Elise veio ao meu encontro, ignorando a cara de merda de Justin, a abracei o mais forte que eu podia, já que devido aos milhares de medicamentos que tomei a semana toda, meus braços estavam doloridos.- Como vai?

  - Bem.- A soltei, indo direto para os braços abertos de Anna.- Não imaginava que vocês faziam tanta falta.- Sorri, encarando as duas, logo voltei meus olhos para Justin que finalmente tinha tirado os dele de Erick, e sorria para nós enquanto acenava para Elise e Anna.

  - Erick, seja educado.- Erick parou de olhar Justin e veio em nossa direção, apenas o comprimentei com um breve abraço, não queria aumentar a fúria sem sentido de Justin, o mesmo que não fez absolutamente nada, nem um aceno ou pelo menos piscou pra mostrar que estava feliz em ve-lo ou sei lá, nada!

Sim, aquilo estava me irritando de um modo fenomenal, já que pelas minhas lembranças Erick não fez absolutamente nada que alavancasse esse sentimento de Justin, a cada segundo que passava eu tinha mais e mais certeza que aquilo não passava de puro ciúmes, talvez pelo fato dele ter sido um namoradinho de infância? Impossível!.

  - Só um momento.- Cochichei, os vendo assentir com a testa franzida, peguei Justin pelo braço o puxando comigo para o andar de cima da casa, abri a porta que dava acesso ao meu quarto e praticamente o arremessei dentro do mesmo, arremessei mais ou menos já que Justin é três vezes maior que eu, então eu só dei um empurrãozinho reverso.

  - Vem ca, custa mostrar 1% de simpatia?- O olhei, empurrando a porta com o pé.- Poxa Justin, o cara não te fez nada.

  - Luna, eu sou homem e vejo como aquele imbecil te olha, além do mais, ainda não saiu da minha cabeça o que ele me disse na farmácia.

  - O que ele disse na farmácia não faz o menor sentido.- O empurrei na cama, me sentando em seguida.- Deveria ignorar suas palavras patéticas e seguir em frente, mas não, vou corroer essa merda até a minha morte.- Revirei os olhos.- Qualé Bieber, da uma chance para o cara, ele é filho da Elise, um motivo para você dar essa chance.

  - Gosto da Elise.- Deu de ombros.- Mas isso não é motivo pra que eu goste do filho dela.- Bufei.

  - Justin, me diz, o que o Erick fez pra você ficar assim para o lado dele? Se me der uma razão engolivel eu juro que paro de encher teu saco e de quebra ainda deixo você infernizar o dia dele, disfarçadamente é claro.- Justin suspira se levantando.- Não vale o dia que ele quase me atropelou.

  - Tudo bem...Ele quer tirar você de mim.- Bufei.

  - Não já conversamos sobre isso?

  - Sim, e pra você isso é besteira da minha cabeça.- Revirou os olhos.- Mas não é, eu vejo nos olhos dele e...

  - Justin, parou.- Levantei, e instintivamente o abracei, sentindo seus braços apertando minha cintura em resposta.- Por favor, nem que seja só hoje, deixa seu ciúmes de lado e da uma chance para ele.- Sussurrei.- Por favor, por mim.- Fiquei na ponta dos pés, apenas para conseguir encarar os seus olhos sem ter que desviar do seu queixo a cada movimento que ele faz.

  - Tudo bem.- Falou, com a maior cara amarrada é claro.

  - Obaaaa.- Fiz uma dancinha ridícula como comemoração, o que fez Justin rir, em seguida senti suas mãos grandes em minha cintura, me puxando de uma maneira ágil, o que fez nossos lábios colaram com força.

Iniciamos um beijo particularmente feroz, as mãos de Justin apertavam com força minha cintura, enquanto as minhas passeavam sem destino por suas costas, comecei a caminhar meio que automático para trás, e assim que senti meus pés tocando a madeira da cama parei, parando juntamente o beijo, Justin encarou a cama com um sorriso maldoso nos lábios, e logo eu entendi, já que sem dó ele me empurrou para cima da mesma, se deitando no meu corpo, enquanto voltava a me beijar.

Não tinha mais controle do meu corpo a partir daquele momento, o que ele queria estava fazendo, onde minhas mãos queriam ir elas iam, sentindo cada centímetro das costas de Justin, e com os 5 segundos de coragem que vinheram sobre mim, coloquei as mãos por dentro de sua camisa, sentindo sua pele se arrepiar com meu toque, comecei a arrasta-las lentamentamente, como se explorasse o novo território, as escorreguei para frente, descendo rapidamente para o seu abdómen.

Ah, como eu queria tocar aquela região, só não sabia que a vontade era tanta, até agora.

  - O que está fazendo?-  A voz de Justin soou em um sussurro, me fazendo abrir os olhos e sair daquele transe maravilhoso.

  - Eu não sei.- O vi sorrir e encarar minha mão que ainda estava dentro de sua camisa, e sinceramente, eu não estava afim de tirar ela da li não.- Estávamos conversando e...- Arfei, sentindo sua boca passando pela minha orelha.- Estávamos an...

  - O que?- Sussurrou no meu ouvido, fazendo cada pelinho do meu corpo arrepiar.- E o que?

  - Eu...- Sua boca traçava um perfeito caminho pela minha nuca, me fazendo perder literalmente os sentidos.- Justin...- Gemi, senti Justin parar de fazer o que estava fazendo e me encarar, eu podia jurar que seus olhos brilhavam.- Por que parou?- Estava me espantando com minha próprias palavras.


 - Luna...Droga.- Riu, eu via nitidamente o suor passeando por seu rosto.- Não sabe o quanto quero isso e sinto o quanto quer também.- Passou a mão entre minhas pernas, me fazendo sentir aquela região latejar em resposta.- Está molhada pela primeira vez em quase 3 meses comigo, estou orgulhoso de mim mesmo.- Riu, enquanto eu apenas sentia minhas bochechas queimando.- Não sabe o quanto me dói dizer isso mas, temos que descer.

  - Ai Meu Deus.- O empurrei de cima de mim, começando a rir.- Nossa.- Passei a mão pela minha testa, sentindo o quanto suada estava.- Calor né?- Justin riu, se levantando da cama, mas antes que o mesmo abrisse a porta eu o parei.

Juro, que olhei primeiro para o seu rosto assim que ele levantou...Ta! Eu não juro nada.

  - Vai no banheiro.- Comecei a rir.- Depois a gente desce, te espero aqui.- Justin encarou o volume formado em sua calça rindo, rapidamente correu para o banheiro e fechou a porta, me deixando ali, estática com o que havia acabado de acontecer.

[...]

  -  Meu Deus.- Falei de boca cheia.- Anna, que bolo bom.- Acho que eu estava repetindo isso pela 5° vez em 7 minutos, já que todos disseram a mesma coisa.

  - Já entendemos Luna.- Dei risada.

Estávamos a pelo menos 1 hora Naquela mesa, conversando e rindo, todo mundo, até Justin estava mais extrovertido do que o normal, o único que eu ainda não tinha ouvido a voz alo naquele meio, era Erick, que se manteve calado o almoço todo, eu sentia o peso do seu olhar em mim algumas vezes mas preferi ignorar, Justin é atento e do jeito que é ciumento em relação a ele, qualquer olhar meu em falso Iria acordar a fera.

  - Conte sobre o seu trabalho meu filho.- Elise falou sorridente, Erick pelo contrario não demonstrou nem uma emoção diante da animação da mãe, apenas ajeitou sua postura na cadeira e coçou a garganta.

  - Eu apenas transporto cargas, de um pais para o outro.- Deu de ombros, tomando um gole do suco, fixando seus olhos em mim.- E você? Além da lanchonete o que pensa em fazer Luna?- Pela primeira vez naquele dia eu o vi sorrindo.

  - Por enquanto eu não sei.- Dei de ombros.

Sim, eu sabia, mas eu não ia simplesmente jogar ao ventos tudo que eu tenho em mente.

  - Luna é esperta.- Justin disse me olhando.- Sei que logo logo ela pensará em algo.- Piscou na minha direção, me fazendo sorrir de lado.

  - E você Bieber.- Justin encarou Erick.- Soube que a E.C.O passará por suas mãos.- Respirei fundo, olhando para Justin de um modo que não transparecesse meu nervosismo.

Eu não contava com o fato de que eles iriam realmente conversar.

  - Acho que todo mundo sabe não é?- Riu sem ânimo.

  - Cuidado para não fazer o mesmo que seu pai.- Sorriu.

Puta que pariu.

  - Crescer e mostrar a empresa para o mundo?- Falou ríspido.

  - Quebrar e enfia-la no buraco.- Erick retrucou no mesmo tom, ouvi Justin suspirar.

  - Todos cometemos erros.- Respondeu de uma maneira calma, sorrindo em seguida.

Coloquei minha mão na coxa de Justin, apertando de leve enquanto o olhava, e surpreendemente ele estava com uma feição calma, mas eu estava temendo que fosse apenas por fora mesmo.

  - Tudo bem?- Sussurrei, o vendo assentir.- Vou ao banheiro.- Falei dessa vez alto, me levantando rapidamente.

Eu deveria deixar Justin naquela mesa com Erick e companhia? Provavelmente não, mas ei realmente precisava ir no banheiro, e mesmo depois daquela troca de farpas desnecessária entre os dois, eu ia levantar de qualquer jeito.

Segui o mais rápido possível para o banheiro do andar de baixo mesmo, abri a porta literalmente atropelando a maçaneta.

mas assim que fui fechar Erick entrou atrás de mim  com uma velocidade incrível, fazendo meu coração praticamente saltar pela boca.

  - Erick, o que... Sai daqui.- Falei rápido.

Erick fez sinal de silêncio com a mão, enquanto fechava a porta atrás de si.

  - Se queria conversar poderia ter me chamado na mesa mesmo.- Revirei os olhos, me apoiando na pia de mármore preto, que cintilava.

  - Para o seu namorado estressadinho colocar uma daquelas facas em cima da mesa no meu cérebro? Não obrigada, prefiro um lugar mais privado.- Apontou em volta de si.- Não se preocupe, quero apenas alerta-la.

  - Me alertar? Sobre?

  - Seu namorado, pequena Luna.- Se sentou no vaso sanitário, me dando uma cena teoricamente engraçada.- Sabe que a empresa é a coisa mais importante para ele, não sabe?

  - Onde quer chegar com...

  - Não sabe?- Me cortou, bufei.

  - Óbvio, o que tem?

  - Não tem medo dele te deixar por causa dela? Ou pior, usar o seu dinheiro para dessaruinar, essa palavra existe?- Riu.- Reerguer a empresa de uma nova crise.

  - A E.C.O está em um ano maravilhoso, as procuras pelos seus advogados esta cada vez maior, não haverá uma nova crise tão cedo, tudo que está me falando não faz o menor sentido.- Franzi minha testa, realmente interessada onde ele queria chegar com aquele papo ridículo.

Ao mesmo tempo passava sobre minha cabeça tudo que Justin me disse no dia em que ele foi na farmácia, meu coração palpitava de um modo alto, me dando a certeza de que Erick podia ouvir meu medo, afinal, ele não estava me mostrando ser o Erick que conheci na escola, o menino de franjinha que me emprestou uma caneta colorida, o menino que tinha as covinhas mais lindas que eu já tinha visto, até conhecer Justin.

Ele estava querendo mesmo me fazer temer as ações de Justin, o que me da uma consciência das palavras que Justin me disse a 2 semanas atrás, não sei se ele quer mesmo me tirar dele, mas sei, que ele está tentando.

Ou pelo menos acho que sei.

Ele disse em roubar meu dinheiro, roubar o meu...

  - Espera.- O olhei.- Você disse, usar o meu dinheiro? De que dinheiro está falando?

  - Não se faça de sonsa.- Riu.- Estamos ou não falando de 47 milhões de dólares?

Engoli em seco, percebendo o quão fodida eu estava.

  - 47 milhões?- Dei risada.- Nossa, é uma quantidade imensa de dinheiro, eu não tenho tudo isso, aliás.- Pigarriei.- Se eu tiver 1 dólar no bolso é muito, está delirando, ou simplesmente errou a Luna.- Me direcionei para a porta, pronta para sair o mais rápido dali.

  - Bom.- Erick se levantou, segurando com força minha mão que estava na maçaneta, enquanto com o outro braço me cercava na porta.- Se eu estiver delirando, ou procurado a Luna errado, o meu aviso eu já dei.- Abriu a porta, colocando apenas a cabeça para fora, provavelmente olhando se tinha alguém por perto.- Depois não diga que eu não avise.- Disse por fim, me dando um beijo na testa, logo depois saindo.

Minha primeira reação? Limpar aquele beijo nojento que estava na minha testa, logo depois fechei a porta, me sentando no local onde Erick estava a segundos atrás.

Ele sabe da minha herança, ele sabe de algo envolvendo a E.C.O. E pior, ele sabe algo envolvendo Justin, e eu? Apenas sei que fui enganada por um amor de infância, enganada por uma pessoa que eu achava que era uma coisa e acaba de se mostrar outra, ai Meu Deus como vou olhar para Elise agora sabendo que o filho dela é um completo cretino e provavelmente manipulador?

E minha confiança sobre os dias que virão? Sobre monha fortuna? Quem contou a ele?

Por que tantas perguntas em volta de uma pessoa só?

Me assustei com as batidas que vinheram do outro lado da porta.

  - Luna? Está tudo bem?-  A voz de Justin cruzou o pedaço de madeira branca, me fazendo acordar e tomar uma decisão rápida, e espero, que eu não me arrependa de esconder o que ouvi aqui dentro.

  - Estou.- Apertei a descarga, mesmo sabendo que eu não tinha feito nada.- Só... Um enjôo, já passou.- Abri a porta, dando de cara com Justin.

  - Ainda uma reação aos medicamentos?- Assenti, reparando que Justin tinha em suas mãos meu casaco.- Não estou com frio.- O olhei sorrindo.

  - Eu sei, mas é que Erick acabou de ir misteriosamente embora.- Sorriu, dei risada.- E estava pensando em irmos também, sabe.- Me puxou pela cintura, colando nossos corpos.- Continuar o que paramos.

 

  - Baixa o fogo Christian Grey.- Sussurrei em seu ouvindo rindo.- Não estou bem.- Peguei em sua mão, o puxando para sala.

[...]

  - Tem Certeza que a Ferrari foi um bom gasto?- Falei encarando o carro, enquanto esperando Justin abrir a porta da casa.

  - Claro, por que não seria?- Me puxou para dentro de casa, me agarrei em sua cintura.

  - Ah, nada, sabe? Talvez a empresa do seu pai precisa desse 1 milhão.- Dei de ombros.

  - A E.C.O está em uma fase sensacional, por que precisaria de uma quantidade que não faz nem diferença agora?

  - Nada.- O soltei.- Apenas preocupação, preciso disso, já que sou uma quase dona de empresa não é?- Sorri, me jogando em uma das poltronas.- Amanhã é domingo, poderíamos sair.- O olhei, mudando completamente de assunto.

  - Sair?- Se sentou ao meu lado.- Você está querendo sair? Ta tudo bem?

  - Eu apenas queria comemorar o meu suposto aniversário.- Sorri, vendo Justin franzir a testa.

  - É seu aniversário amanhã?- Se levantou.- Por que não me contou?

  - Não é uma coisa que eu ache importante, ou goste de comemorar, afinal, é o dia em que fui abandonada.- Encarei o chão, estava encomodada com o assunto.

Realmente não era uma coisa que eu goste de comemorar, o dia do meu aniversário foi datado no dia em que Fernanda me "ganhou" friamente, não sei o dia que nasci, posso ter feito 20 anos a meses atrás, ou a dias, ou estou adiantada, mas é a data que tenho.

  - Podemos fazer nada.- Levantei, mas Justin me puxou de volta, dessa vez, direto para o seu colo.- Ei

  - Acha mesmo que não vou fazer nada no seu aniversário?- O olhei.

  - Tudo bem.- Dei risada.- Com uma condição, sem festas.

  - Sem festas.- Justin agarrou minha cintura, me fazendo virar, ficando de frente em seu colo.- O resto pode?- Sorriu.

  - No que está pensando?

  - Almoço?- Beijou meu rosto, me impulsionando para levantar com ele.- Jantar?  Uma pequena reunião em família? Um bolo feito por Elise?

  - Gosto.- Sorri.

  - Prometo que será um dia inesquecível.- Recebo um selinho rapidinho, o vendo tirar a camisa, enquanto seguia para o quarto.

  Peguei meu celular do bolso e rapidamente digitei uma mensagem para Meg.

  Mensagem enviada

Luna: Amanhã de manhã na Bert's.

Meg: Aconteceu algo?

Luna: Aconteceu.)

Eu iria sustentar um segredo,

mas não sozinha.


Notas Finais


Sei que todos amam o Erick e tal, MENTIRA NOIS ODEIA ELE DEMAIS, ELE QUER SEPARAR OS BEBES TAMBEM JOGANDO CALUNIA PRA CIMA DA NENÉM.

Hoje vou postar mais 2, bjos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...