História Filho da Lua - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Bts, Jeongguk, Jungkook, Lobo, Wolf
Visualizações 29
Palavras 1.999
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"Amas isso lá é hora de postar capítulo?"
É, quando sua mãe não aguenta te ver feliz com nada que já quer tomar de você. Mas enfim, não sei se vou poder postar mais tarde, então aqui está mais um capítulo. Boa leitura 💛

Capítulo 20 - Nov 4


Ah, não, de novo essa sensação de ver tudo em câmera lenta, não. Abri meus olhos a uns 10 segundos e a informação de onde estou demorou exatamente esses 10 segundos para ser processada pela minha cabeça. Estou de volta ao porão, tenho um palpite sobre o porquê estou aqui e ele não me é nada agradável. Fora o incidente irritante, ontem à noite foi bem divertido, ir à floresta sempre me deixa animado, é um dos poucos momentos em que posso me desligar completamente dos meus problemas e me entregar ao lobo sem que uma culpa esmagadora paire sobre mim. Bom, até hoje não fiz nada muito grave, só mastiguei a pata de alguém, comi uns animaizinhos, que me fizeram ficar triste depois, brinquei na terra e me cocei em árvores. Para falar a verdade, me pergunto como eu sou tão descontrolado quando em forma humana com influência do lobo, mas pareço uma criança quando sobre as 4 patas. Não que eu esteja reclamando, longe de mim, pelo menos não preciso acordar no dia seguinte com a notícia de que arrumei alguma confusão, apesar de que sinto uma pequena ardência na bochecha esquerda. Provavelmente foi culpa daquela intrometida, mas isso é estranho, Yeon já me quebrou inteiro e no dia seguinte os ferimentos não passavam de marcas quase invisíveis, tenho certeza de que esse foi o meu único machucado, por que ele continua aqui? Mais importante que isso, ouço uma respiração muito próxima a mim, mas não consigo identificar quem é, não sinto seu cheiro… pior, não consigo sentir o cheiro de nada e o meu nariz dói muito por dentro, ele não está entupido ou algo assim. Não sei se devo me preocupar com isso ou com o fato de ter uma boa ideia de quem está ao meu lado. Eu poderia me fingir de morto, mas tenho certeza de que meu pai já sabe que estou acordado e está apenas esperando o momento certo para começar a bronca. Respirando o mais fundo que meu nariz dolorido permite e virando a cabeça lentamente por conta lerdeza que a droga me deu, finalmente consigo um pouco de coragem para olhar meu pai nos olhos.


ㅡ Considerando que eu exagerei um pouco na dose de novo, vou te dar 15 segundos pra tentar explicar alguma coisa. ㅡ ele parece bem zangado.

ㅡ Não tenho o que explicar.

ㅡ Eu não acredito que você realmente saiu depois do que nós conversamos.

ㅡ Me desculpe, okay? Não foi culpa minha.

ㅡ Ah, não? E de quem foi? Minha?

ㅡ Foi dela… ela me chamou, não tive como resistir, foi mais forte que eu. ㅡ comecei a disparar as palavras na maior velocidade que consigo no momento.

ㅡ Eu sei o que é isso, jeongguk, sei que era sua Lua, sei da sensação e blá blá blá, mas será que você, por um segundo sequer, pensou em simplesmente falar comigo?

ㅡ Como eu faria isso? Eu não podia abrir a porta e ir até você.

ㅡ Não fale como se isso fosse uma missão impossível, você poderia ter batido na porta, passado um bilhete por baixo dela, gritado, QUALQUER COISA, mas preferiu sair sem dar nenhuma satisfação depois de eu ter dito pra não fazer isso.

ㅡ Quando dei por mim, já não era eu mesmo. ㅡ falei muito baixo, mas tenho certeza de que ele me ouviu muito bem.

ㅡ Você tem ideia do quanto sua mãe ficou preocupada? Eu abri a porta pra entregar o jantar e o meu filho, que eu MANDEI ficar em casa, não estava mais lá, assim como a janela.

ㅡ Vocês sabem pra onde eu vou quando isso acontece!

ㅡ Você não entendeu NADA do que eu disse? Não se trata só de você, e sim da alcateia inteira. Não só você poderia ter encontrado alguém muito maior e se machucado, aliás, olhe esse corte na sua cara, como poderia ter machucado alguém. Como você conseguiu isso?

ㅡ Encontrei uma alfa no meio da floresta… ㅡ estou um pouco hesitante em contar isso, assim que a palavra “alfa” saiu da minha boca, ele suspirou fundo de um jeito tão raivoso quanto o olhar que ele direciona a mim ㅡ nós brigamos, ela fez isso em mim ㅡ apontei para minha bochecha ㅡ e então eu mastiguei a pata dela.

ㅡ Percebe que é ISSO que eu tou tentando evitar?

ㅡ Eu era mais forte que ela, ela não conseguiu fazer mais nada.

ㅡ Sim, você era, mas e se não fosse? Poderia estar morto ao invés de dopado agora.

ㅡ Você tá exagerando.

ㅡ Exagerando? Você machucou uma garota ontem. É o nosso único lúpus, ela não precisa ser nenhuma gênia pra descobrir quem fez aquilo, se ela lembrar do seu cheiro, e eu já disse que não posso te proteger das nossas leis. Se cogitarem que você representa algum perigo, não vou poder fazer nada. Não quero o pai de ninguém batendo na minha porta.

ㅡ Mas ela me atacou primeiro!

ㅡ NÃO ME IMPORTA! ㅡ ele usou sua voz de alfa, fazendo-me encolher sobre a cama ㅡ Não teria acontecido nada se tivesse me obedecido. Agora beba, vai passar um pouco do efeito do sonífero. ㅡ ele me entregou um copo com água, que estava em cima do criado-mudo.

ㅡ Então… ㅡ pergunto depois de beber todo o líquido ㅡ tá tudo bem agora?

ㅡ Não, não está. Ainda vou pensar em um castigo à altura pra você.

ㅡ Okay. ㅡ depois de alguns segundos, finalmente me lembro dos meus outros problemas. ㅡ O que aconteceu com o meu nariz?

ㅡ Como assim?

ㅡ Ele tá doendo e não consigo sentir o cheiro de nada.

ㅡ Como vou saber? Talvez eu soubesse se você estivesse em casa ontem à noite.

ㅡ Tá, ㅡ agora ele vai me dar patadas a cada oportunidade ㅡ sabe pelo menos porque minha bochecha ainda não sarou?

ㅡ Ela podia ter algo de prata em uma das garras. Prata é uma das duas coisas que podem de dar uma cicatriz e a única que desacelera sua regeneração.

ㅡ Qual é a outra coisa?

ㅡ Uma marca matrimonial, mas esqueça isso por agora. Vamos lá pra dentro.


Ele se levantou da cadeira, onde estava sentado à minha frente, e me ajudou a fazer o mesmo, então seguimos em direção à porta da cozinha.


ㅡ Mamãe não tá em casa?

ㅡ Tá, sim.

ㅡ Então por que vamos simplesmente entrar?

ㅡ Você disse que não tá sentindo cheiros, então tá tudo bem. Ela sente sua falta… melancia. ㅡ ele disse a última coisa muito baixo, tanto que eu quase não ouvi.

ㅡ O que?

ㅡ Ela quer muito te ver.

ㅡ Certo… mas e se eu ficar louco do nada?

ㅡ Não vai. Eu tou aqui e Yeon também, caso algo aconteça.

ㅡ Certo. Que horas são? ㅡ ele puxou a manga da camisa para olhar o relógio.

ㅡ 12:57pm, o almoço já tá na mesa.


Chegamos à porta, ele a abriu e me deixou entrar primeiro.


ㅡ Meu filho!


Ao ouvir a voz dela, minhas pernas criaram vida própria e viraram em torno de si mesmas na direção do quintal. Foram bem mal sucedidas porque ainda estou lerdo e meu pai me segurou a tempo de me trazer de volta à cozinha.


ㅡ Fique calmo, sem olfato, lembra?


Respiro fundo e realmente continuo consciente com ela bem na minha frente, nada mudou, a não ser pela vontade idiota de lambê-la e ter um rabo para abanar. Isso me deixa um tanto aliviado, mas ainda assim é uma situação estranha, não falei com ela depois do que aconteceu. Sei que ela não está zangada, mas continua estranho. No entanto, estou feliz por poder estar tão perto, senti tanto a falta dela que nem consigo colocar isso em palavras, sou péssimo com essas coisas. Ela abriu os braços, sorrindo para mim, e novamente minhas pernas tomaram o controle da situação, dessa vez me carregando em direção a ela. Agora estou envolvido em um abraço quente, apertado e tão aconchegante quanto o abraço de uma mãe poderia ser. Claro que retribuí, mas de repente ela agarrou meus ombros, me afastou de si e começou a me sacudir. Ela é uma ômega, mas ainda assim é muito forte.


ㅡ NUNCA MAIS FAÇA ISSO DE NOVO, JEON JEONGGUK, VOCÊ ME ENTENDEU? ㅡ então me puxou de volta e abraçou mais forte que antes ㅡ Fiquei tão preocupada com você.

ㅡ Me desculpe, mãe, ㅡ disse quando finalmente consegui me recuperar do choque ㅡ eu já entendi. ㅡ daí ela começou a me apertar demais.

ㅡ Desse jeito vai matar o pirralho, mãe.


Yeon entrou sorridente, mas não de um jeito bom, foi de um jeito debochado. Aposto que ela tava escutando do outro lado da porta do porão enquanto meu pai brigava comigo. Posso cuidar disso mais tarde, o importante agora é que deu certo, mamãe me soltou e agora finalmente posso respirar direito, ela nos mandou sentar e assim o fizemos, logo começamos a nos servir e comer, já que a refeição estava posta. Resolvi não usar canudos dessa vez e comer de garfo e faca como todo mundo, não está sendo uma tarefa difícil, estou habituado a segurar coisas quebráveis e não tive mais nenhum acidente, então isso não é mais um problema.


ㅡ Parece que faz anos que não almoçamos todos juntos. ㅡ mamãe observou, ela parece realmente animada com isso.

ㅡ Nem todos, onde está o Nam? ㅡ não que eu sinta falta dele berrando, mas a cadeirinha de bebê fica tão vazia sem em cima todo sujo de alguma coisa.

ㅡ Ele estava muito sonolento, então o alimentei mais cedo e pus pra dormir. Poderá vê-lo mais tarde.

ㅡ Jeongguk, maçãs! ㅡ Yeon diz aleatoriamente.

ㅡ O que? ㅡ não estava prestando atenção, então não tenho certeza do que ouvi.

ㅡ O molho de pimenta, não alcanço. ㅡ O que isso tem a ver? Ele está mais perto de mim, mas que maçãs? Tenho quase certeza de que ela disse maçãs. Entrego o frasco para ela com uma expressão confusa ㅡ O que foi?

ㅡ Nada… acho que o efeito do remédio ainda não passou.

ㅡ Quando terminarmos, quero que tome um banho e fique apresentável, ㅡ verdade, ainda estou todo sujo de terra e grama ㅡ comprei algumas camisas pra você, estão no seu guarda-roupas. ㅡ meu pai interrompe meu momento de confusão mental.

ㅡ Vamos sair? ㅡ ele negou com a cabeça ㅡ Receber visitas? ㅡ agora foi uma afirmação ㅡ Quem são?

ㅡ Você vai descobrir quando chegarem. Agora, morangos.

ㅡ Hã?

ㅡ Se apresse! Eles não têm hora exata pra chegar!

ㅡ Você tem que parar de dar aquela coisa pra ele, pai. Tá derretendo o pouco cérebro que o coitado tem.

ㅡ Nossa, você deve ter tomado bastante quando tinha minha idade. ㅡ nossos pais tentaram conter o riso, mas ele escapou por pouco.

ㅡ Não precisei, eu não era um monstro descontrolado à força.

ㅡ Que bom que não, você não ia aguentar uma semana do que eu passo.

ㅡ Passa por ser um pirralho mimado, que não é forte o suficiente pra lidar consigo mesmo.


Ouch! Essa doeu! Eu sei que essa é a verdade, mas ela não precisava tocar na minha ferida com tanta maldade assim.


ㅡ Ah, o que foi? O bebê vai chorar agora?


É engraçado como passamos de implicâncias fraternas para uma tentativa de degolar um ao outro, né? Mas não conseguimos cumprir nosso objetivo, nos soltamos assim que a voz de alfa do meu pai rosnou para nós. Até mamãe se encolheu.


ㅡ Será que vocês podem comer CALADOS, ou é pedir muito?

ㅡ Podemos. ㅡ ela e eu dissemos juntos.

Mel.


Ele sussurrou novamente, por que todos estão tão estranhos hoje? Isso não é coisa da minha cabeça, não estou tão dopado assim para ficar imaginando palavras na boca dos outros. Agora que já terminei o almoço, vou tomar um banho, talvez isso me acorde de vez. Levanto com o meu prato e o levo para a pia, dizendo um rápido “com licença” antes. Assim que minha mão toca a maçaneta da porta do quarto, sou interrompido.


ㅡ Filho, cerejas, coloque essas roupas aqui na porta quando terminar seu banho.

ㅡ Certo…


Eles estão brincando comigo? Ou eu realmente estou ficando louco? Enfim, tanto faz, vou tomar logo o meu banho.


Notas Finais


Saindo de fininho, não tenho muito o que falar aqui hoje :v
Espero que tenham gostado, até o próximo 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...