História FILLIE-Novos sentimentos - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Dustin Henderson, Eleven (Onze), Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Will Byers
Tags Fillie, Finn Wolfhard, Mileven, Millie Bobby Brown, Romance, Stranger Things
Visualizações 123
Palavras 1.768
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii!❤️
Passem lá nas notas finais pff!

Capítulo 30 - Parque


Millie on

Após ler aquela adorável mensagem de Finn havia dormido.

Agora estava no café da manhã com o restante do elenco.

— Estou pensando em comprar uma casa aqui em Atlanta. — Joe diz aleatoriamente e todos o encaramos.

— Está pior que os Sink. — Noah brinca e Sadie o olha com repreensão, rio.

— Estou falando sério. Preciso de umas festinhas. — Joe diz com um sorriso nos lábios.

— Eu quero estar na lista. — Noah diz.

— Festas pra pessoas maiores que você. Se é que me entende. 

— Vocês vivem de festas! — Matt afirma. 

E apartir daí se iniciou uma discussão sobre a “nova casa de Joe.”

Finn estava sentado á minha frente comendo sem nem ligar pro assunto, rio o encarando.

— O quê foi? — Ele pergunta com um sorriso também.

— Uma guerra acontecendo e a gente aqui comendo, como se não existisse mais nada de importante no mundo. — Digo e ele ri.

— Simplesmente a gente sendo a gente. — Ele afirma. Ficamos em silêncio por uns minutos até que Finn o quebrar:

— Planos pra hoje? — Pergunta.

— Na real... Não. Só tenho uma gravação noturna, e a tarde eu provavelmente sairia com Romeo se “aquilo” não tivesse acontecido ontem. — Observo Finn se remexer irritado quando falo de Romeo.

— Aquele cara voltou a te irritar de novo? — Ele pergunta inquieto.

— Quem disse que ele me irrita? — Brinco e ele franze os lábios. — Só brincadeira... Ele não me mandou nem uma mensagem, nem ligação, nem nada... — Esclareço e ele solta o ar dos pulmões.

— Ele entendeu meu recado. — Finn diz baixo, mas consigo ouvir perfeitamente.

— E você? Planos? — Mudo de assunto.

— Não. Depois do café vou simplesmente me jogar na cama e fazer nada. — Finn diz e eu rio.

— Minha rotina... 

— Que tal muda-lá? — Finn pergunta com um sorrisinho nos lábios.

— O quê? — Havia ouvido perfeitamente bem, mas insisto em perguntar.

— Tenho uma idéia... Me encontre aqui em 15 minutos. E por favor, não vista moletons. — Ele diz se levantando, o acompanho.

— Ei! O quê você tem contra meus moletons?!

— Olha o sol que está lá fora, Millie. — Ele diz  rindo e eu rio também.

— Ok, chato. — Brinco e entro no meu trailer. 

Calço um tênis da adidas e visto uma blusa rosa  com um short preto básico. Ponho um óculos escuro e saio pra fora.

Finn estava me esperando sentado em uma mesa do refeitório, começo a rir.

— O quê? — Ele pergunta.

— Você está coberto de protetor solar! Onde vamos? No deserto? — Rio do estado dele. Finn estava mais branco que o normal e possuía óculos escuros. Usava uma bermuda verde que lhe caiu muito engraçada e fofa ao mesmo tempo. Ele tinha uma espécie de “mala” em mãos.

— Engraçadinha você em... Eu só tenho que proteger minha pele “neval”. — Finn diz e eu rio mais ainda.

— “Neval”? — Rio histéricamente enquanto caminhamos em direção ao carro.

 

— Nem pense nisso. — Finn me puxa quando eu abro a porta para entrar no carro.

— O quê? Como assim?

— Vamos caminhar, Brown. — Ele diz com um sorrisinho nos lábios.

— Oh céus! Onde eu fui me meter?! — Dramatizo e ele ri.

— Vamos logo. — Ele me puxa e começamos a andar.

O sol hoje estava escaldante. O calor estava imenso, já estava começando a suar.

— Fica com esse boné. — Finn diz me entregando seu boné.

— Não precisava... 

— De nada. — Ele diz com um sorriso.

 

— Venha. Vamos comprar algumas coisas.— Ele me chama quando passamos em frente à uma mercearia.

Logo que entramos na mercearia Finn diz:

— Pegue todo tipo de besteira que puder! — Rio. 

Corro para o corredor onde ficavam as chips e Finn corre para um de chocolates. 

A mercearia era maior do que eu imaginei e eu não sabia onde estava indo.

Estava caminhando com minha cesta na mão e quando me dou conta estou em uma área onde pessoas almoçavam.

Oh! Onde está Finn?

Volto pelo mesmo caminho e começo a procurar Finn desesperadamente.

Meu celular começa a tocar e eu dou graças a Deus quando vejo o nome de Finn estampado ali.

— Alô? Finn?! Socorro! 

— Millie? Está tudo bem? Onde está você? — Ele pergunta desesperado.

— Eu só me perdi, mais nada. — Digo e ouço um suspiro de alívio na outra linha.

— Menos mal... Onde você está? — Ele pergunta e eu confiro onde estava.

— Eu estou na parte das frutas.

— Nem me venha com frutas, Millie! — Ele diz rindo e é inevitável não rir também. Eu sei que Finn odeia frutas.

— Eu só estou aqui, seu bobo! 

— Hoje você está com uns apelidos carinhosos hein. — Ele brinca e eu rio.

— Não vai vir me buscar não? 

— Ah sim. Estou indo. — Finn diz e eu encerro a chamada.

 

Após alguns segundos seus cabelos cacheados aparecem em meu campo de visão.

— Te encontrei! — Gritamos em uníssono e depois rimos.

— Ok. Agora vamos pagar essas coisas! — Ele diz e partimos para o caixa.

A atendente com cara de bosta passava as compras com desdém. 

— Não acredito que você comprou Snickears! Ah! Por isso eu te amo! — Grito e ele me olha desentendido, mas esboça um sorriso tímido.

O quê eu disse?

 

— 65 reais e 50 centavos. — A atendente diz com sua voz irritante. Então ela ergue o olhar pra nós e arregala os olhos. — Oh! Vocês são...?

— Finn Wolfhard e Millie Bobby Brown?! — Finn diz.

— Sim?! —  A atendente pergunta ainda desentendida.

— Não. Eu sou Noah Schnapp e ela Sadie Sink. — Finn brinca.

Hoje o garoto tá que tá.

— Finn! — Lhe dou um cutucão.

— Somos Finn e Millie mesmo. Pode deixar isso em sigilo? — Ele pergunta sério e ela assente.

— Então... 65 reais e 50 centavos... — Ela nos alerta.

— Ah claro. — Finn diz tirando a carteira do bolso. Ele paga e saimos rindo.

— Finn você é louco! — Gargalho.

— Um pouco... — Ele diz rindo.

— Onde estamos indo? — Pergunto curiosa.

— Já estamos chegando. Só uns minutinhos... — Ele diz e continuamos caminhando.

Após uns minutos Finn quebra o silêncio:

— Chegamos! — Ele diz quando passamos por um parque. 

O lugar era lindo. Árvores espalhadas por todo local, a grama verde e bem cuidada, pessoas caminhavam ali, crianças corriam e brincavam nos brinquedos que haviam ali. No meio um mini lago limpinho onde havia uma ponte para o outro lado.

Era realmente um paraíso.

 

— Esse lugar é lindo! — Digo boquiaberta.

— Realmente...

Caminhamos lentamente até um lugar mais reservado. Em baixo de uma árvore onde frestas de sol batiam.

E eu me pergunto por quê gostamos tanto de árvores?

 

— Vamos deixar nossas coisas aqui! — Finn diz espalhando um pano pelo chão e colocando nossas comidas no local. Finn pensou em tudo.

Me sento no pano e Finn senta do outro lado.

— Oh, hoje você trouxe outro Lays. — Finn diz observando o que havia pegado. 

— E você trouxe tudo que eu mais gosto no mundo. — Digo e ele sorri. 

— Eu me trouxe. — Ele brinca e eu rio.

— Menos... — Digo, mas no fundo eu sei que é verdade. E Finn também sabe.

O bom da nossa amizade é que não temos rótulos; Contamos tudo um ao outro e falamos tudo que se passa na nossa cabeça por mais ridículo que seja.

— Tive uma idéia! Me siga! — Finn diz e começa a correr.

— O quê? Espera! — Grito correndo atrás dele.

Finn para na área dos brinquedos. Havia um escorregador ali, também possuia uma gangorra e balanços enormes.

— Não me diga que...

— Vem comigo, Mills! — Finn grita se sentando na gangorra e eu gargalho.

— Você está muito louco hoje! — Brinco.

— Só sobe aí logo! — Ele diz e eu me sento do outro lado da gangorra.

 

— Finn não me deixa aqui no alto! — Grito. Finn estava achando o máximo me deixar parada no alto, Ele ria histéricamente igual um louco, mas não consigo conter meu riso também.

— Eu posso pensar no seu caso. 

— É sério, Finn! Me desce! — Grito e ele me desce em uma batida brusca. — Eu não acredito que você fez isso! — Ele gargalha sem parar e eu também.

— Vamos ali agora! — Ele grita correndo pro escorregador. Uma criança nos via subindo a escada com uma expressão desentendida.

Finn desce rápido. Mas como suas pernas são gigantes ele era quase do tamanho do escorregador.

— Vai Mills! Desce! — Ele grita.

— Finn, tá todo mundo olhando! — Digo rindo.

— Oi todo mundo! — Finn grita para as pessoas que nos olhavam e então volta o olhar pra mim.

— Finn!

— Eu vou aí te empurrar! — Ele grita e começa a subir as escadas, eu estava sentada no início do escorregador.

— Finn, não faz isso! — Grito.

— Ha!! — Ele grita me empurrando.

— Nã...!! — Começo a gritar.

Rapidamente chego ao fim e lanço um olhar mortal à Finn. Que não para de gargalhar desde que pisou o pé nesse lugar.

— Te matou? — Ele pergunta me dando a mão pra levantar.

— Eu não, mas quem vai sair morto daqui é você. — Brinco e ele ri.

Retornamos ao nosso “pano” e começamos a comer nossas besteiras. Conversamos assuntos aleatórios e eu não conseguia parar de rir nem um segundo. Finn estava no mesmo estado.

— Millie, eu preciso te entreg... —- Finn começa a dizer.

— Olha só! Quem está aqui! — De repente Íris aparece atrás de Finn, fazendo com que o sorriso do meu rosto evapore.

— Íris?! — Finn pergunta tão desentendido quanto eu.

— Sim, eu estou em Atlanta. — Ela responde com um sorriso no rosto. — É sempre bom te ver, Finn. Aliás, tenho que te fazer um convite! — Ela diz eufórica e Finn me olha com os lábios franzidos.

— Deixa que eu te mando uma mensagem, ok? É melhor. — Ela diz olhando diretamente pra mim. 

— Tá... — Finn diz confuso.

— Ah! Então tchau, baby! — Ela o abraça apertado. — Tchau, Millie... — Ela diz com desdém e então sai.

— Essa garota denovo... — Digo baixinho, mas pelo visto Finn ouviu.

— É... — Finn diz apreensivo.

— Acho melhor voltarmos... Jajá vai escurecer. — Digo, mas na real eu não me importava em passar a noite e a madrugada aqui com Finn. Mas Íris cortou qualquer tipo de clima que estava havendo, e eu tenho certeza que ela vai se jogar pra cima dele enquanto tiver chance.

— Ugh... Ok... — Finn diz e caminhamos de volta para os estúdios em total silêncio.

— Bom... Adeus, Finn! Obrigado pelo dia! Foi realmente incrível! Eu adorei tudo! — Digo sincera. Ok, menos a última parte.

— Oh... De nada! Desculpe por Íris... — Ele diz.

— Você não tem que se desculpar de nada, eu não ligo. — Digo e eu acho que foi meio duro da minha parte.

Eu me expressei totalmente errado... Mas agora já foi.

— Oh... Ok. Tchau, Mills. — Ele diz indo em direção ao trailer.

— Finn espera! — Digo e o puxo pra um abraço caloroso. — Obrigada mesmo!

— Não precisa agradecer... — Ele diz parecendo chateado e entra no trailer.

 

O quê eu fiz dessa vez?...

 

 

 

 

 


Notas Finais


Millie perdida KKKKKK
Esse passeio❤️
Oq será que o Finn ia entregar pra Millie? vish...
Todo dia um atrapalha nosso Fillie...

Bom gnt, agr to aqui pra agradecer por vcs que passaram na minha fic nova. Sério eu fico muito feliz❤️ obrigada!
E sobre eu postar o cap da fic nova hj... Eu resolvi postar desse aqui, pq se eu postar das duas hoje vai dar uma confundida...
Mas eu trago em breve! Bjs...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...