1. Spirit Fanfics >
  2. Filter - Imagine Park Jimin >
  3. Fala, vida?

História Filter - Imagine Park Jimin - Capítulo 11


Escrita por: STOBIT_

Notas do Autor


EAIIIIIIIIIIIII
gente i really cant believe that we are FUCKINGS 493!!!!!!!
sério vcs são DEMAIS pra mim, mtas emoções bicho!
quase 500 favoritos e cada vez mais leitores pra essa fanfic q eu to amando escrever!!!!!!!
eu ia atualizar amanhã, mas, como o prometido, cheguei mais cedo!

e gente KKKKKKK eu n presto né???
lá fui eu mudar a capa da fanfic de novo!!!
n fiquei nem três capítulos com a que eu fiz KKKKKKKKKKKLKLLL enfim, tudo nessa vida tem um motivo, e eu queria agradecer de CORAÇÃO pela capa linda q a @wingsfar fez!!! tô simplesmente apaixonada!!!

lá embaixo tem mais baboseira, ok?? :))

a capa de hj LKKKKKKKKKK o povo querendo gravar a briga ia ser bem assim.

falous!!

Capítulo 11 - Fala, vida?


Fanfic / Fanfiction Filter - Imagine Park Jimin - Capítulo 11 - Fala, vida?

 

Fala, vida?


 

Eu não sabia como uma semana poderia ter sido tão boa e tão ruim ao mesmo tempo. Depois de longos dias estudando como louca nos intervalos da faculdade e chegando em casa para fazer mais lições, finalmente recebi minhas merecidas férias do final de semana. E para complementar, eu simplesmente não aguentava mais trabalhar com fofoca, saber da vida dos famosos e ter que escrever sobre isso, todo santo dia. O lado bom da minha semana foi que toda vez em que eu chegava em casa cansada, cheia de fome e querendo morrer, havia um garoto asiático de cabeleira rosa fazendo algo muito bom na cozinha. 

Muito bom mesmo.

Era incrível ver como Jimin dedicava-se em fazer uma comida maravilhosa todo dia, apenas para nós dois comermos. Bem, nós dois e o tal gato. E melhor ainda foi passar a semana vendo o mesmo implorar para dormir na minha cama, como uma criança mimada, eu ri muito disso. E admito que não sou de ferro, e deixei que o Park deitasse ao meu lado uma vez. Era sexta-feira, estava um tanto frio e o garoto não parava de resmungar coisas irritantes como “Você é má, eu já disse que meu colchão está gelado!”. E de repente, as lembranças de ontem a noite vieram na minha mente, me fazendo rir:


 

“ - Jimin, se eu te deixar dormir aqui, você promete que cala essa boca até amanhã de manhã? - Com um riso alegre e concordante, ele subiu na minha cama e puxou minha coberta quase toda para ele. - Minha coberta Park Jimin!

- Hum, acho que alguém vai ter que me abraçar para não passar frio... - Riu vitorioso.

- E-eu não vou... 

- Anda logo, a gente se esquenta, vai ser um favor.

Na real, eu queria muito. A última vez que isso aconteceu, foi quando ele estava triste, e mesmo sendo um momento ruim, percebi que Jimin é tão gostosinho de abraçar. 

E sem ao menos pensar em recusar, juntei meu corpo ao do garoto. Ele que passou seus braços em volta do meu pescoço, e eu envolvi os meus em sua cintura. Meu rosto ficou ali, na curvatura do seu pescoço, sentindo o cheiro doce. Seus pés estavam gelados, e eu fiquei com raiva disso, já que na quarta-feira havíamos ido ao shopping, e eu lhe comprei mais roupas e meias, DOIS pares de meias e Jimin não usava de jeito nenhum.

- Hmm - Ele cheira o topo da minha cabeça -, lavou o cabelo?

Apenas assenti, sem forças para dizer nenhuma palavra, pois estava imerge ao cheiro de lavanda do garoto. E isso me dava cada vez mais sono.

- Cheirosa.

Quando ele disse isso, tirou um de seus braços do meu pescoço e passou a mão no meu cabelo, fazendo um cafuné. 

- Cheirosa e quentinha.

Meu coração estava a mil com apenas simples ações do garoto sobre mim, porém meu sono tomou conta do meu corpo rapidamente.”

 

Era sábado. Apenas mais um dia de farra para Ryder Jones, que hoje faria mais uma de suas misteriosas festas. E quando digo “mais uma”, quis dizer que Ryder chegou ao ponto de fazer festas em dias da semana, como no da semana passada, que foi feriado. Minha presença e a do garoto-robô já estavam confirmadas, mas tive que cancelar pelo simples fato de estar atolada de lições.

Mas como eu queria ter ido, sério! Quando na vida a gente tem a oportunidade de ir a uma festa, na quarta-feira, e feriado? Exatamente, NUNCA. Mas hoje, eu tiraria essa história a limpo. Como ele podia passar de um amigo nerd e compreensivo, para um bêbado e extrovertido em algumas horas?

Não pude pensar muito nisso, pois fui acordada dos pensamentos com um braço vindo com tudo na minha boca. Era Jimin; que havia dormido na minha cama.

- Ei! - Resmunguei sentindo dor na área afetada.

- Hum...? - Ele virou-se para mim, com o rosto inchado e totalmente confuso.

- Não devia ter deixado você dormir na minha cama.

- Pelo menos a gente se esquentou, e você estava cheirosa.

Ele sentou-se na cama, sorrindo afetado pelo sono. Eu apenas revirei os olhos, massageando minha boca que agora ardia.

- Só não te jogo na parede porque vou esperar hoje a noite, pro Ryder ficar bêbado e fazer isso por mim.

- Hoje tem festa! - Ele ergueu os braços pro alto. O filtro feliz do Jimin me deixava feliz também, às vezes.

Quando me dei conta de que era meio-dia, levantei da cama, e o meu perseguidor treinado veio atrás.

- Sabe o que eu queria fazer hoje? - Jimin perguntou enquanto comíamos.

- O que?

- Andar sozinho na rua, sem você ter que ir comigo.

Olhei para o garoto, assustada. Como assim largar esse garoto bobinho na rua? Ele vai trazer cinquenta gatos para morar com a gente. Morar que eu digo, é esse morar mesmo, já que o tal Dudu passou a ficar mais abusado, entrando na sala quando ninguém via e Jimin fazia cara de pobre coitado, fazendo com que eu deixasse o gato entrar.

- Jimin, ‘tá maluco? Se você se perder eu... 

- Eu não vou me perder você já me mostrou a rua toda.

- Ah... Não sei, eu-

- Por favorzinho…! - Ele juntou suas mãos, como uma súplica.

Porque eu não consigo falar um simples “não” para esse garoto?

- Ok, você pode ir. Mas só uma volta, sem demora!

Ele mais que rapidamente deu um pulo da sua cadeira, e saiu correndo para o quarto. Fiquei sem entender nada.

E uns minutos mais tarde, eu já havia terminado o café da manhã, quando Jimin apareceu na sala com um chinelo, calça jeans clara e uma camiseta branca simples. Deduzi que ele estava pronto para sair e ri daquilo.

- Já está de saída? Que rápido.

Então fomos até a portaria, cumprimentamos o porteiro HongJoong, e assim Jimin deu um tchauzinho, seguido por um “Já volto!”

 

Eu fiquei ali uns quinze minutos, e nada do garoto voltar. Minhas pernas estavam cansadas então voltei para dentro de casa. Mexi um pouco no celular, mas, nada me parava na mente, a não ser o pensamento de que Jimin tinha sumido, ou encontrado outra para dividir o colchão nos dias frios. 

A agonia já tomava conta do meu corpo, eu não sabia se ligava para a polícia dizendo: “Alô, polícia? Um garoto de cabelo rosa que tem as correntes sanguíneas azuis está sumido tem uns vinte minutos, ele queria andar sozinho. É só pedir para ele mostrar os pulsos, se for azul, é o meu!”

 

Enquanto eu formulava uma boa desculpa para ligar à polícia, Jimin finalmente abriu a porta. Eu literalmente relaxei no sofá.

- Voltei! - Disse, fechando a porta atrás dele.

- Puta merda, que demora! - Olhei para seus braços, que tinham uma cama de gato e ração. Mal saiu na rua e já roubou? 

- Olha, pro Dudu! - Me mostrou as duas coisas.

- Como conseguiu isso?!

- Uma moça na loja de pet shop me deu. - Fiz uma careta, sem entender. - Eu só entrei na loja para ver umas coisas, aí ela me viu e sorriu de um jeito esquisito.

- Só isso, literalmente?

- Então eu disse, “Oi, meu nome é Jimin”.

Foi o que eu entendi, Brasil? O charme do Jimin faz ele ganhar coisas de graça, e eu comprando roupa!
 


 

A tarde toda foi a maior briga. Jimin queria deixar a todo custo as coisas do Dudu dentro de casa. Queria colocar comida e caminha na sala, para que o gato não sentisse frio de noite. Mas ele era de rua, e por mais que eu quisesse deixar, primeiro o gato tinha que tomar banho. E mais que de repente, o Park se prontificou para fazer o serviço; levou Dudu para o banheiro, e de lá eu só ouvia os miados irritados do gato e os gritos engraçados de dor do Jimin, imagino que sendo arranhado. Eu ria muito daquilo, pois o garoto realmente queria que o Dudu ficasse em casa. E eu já não podia mais negar isso a ele.

 

- Pronto, tomou banho! Mal educado! - Jimin trouxe o gato enrolado em um pano, abraçado em seu corpo.

- Jimin, seu braço…! - Eu disse rindo, olhando para os braços, que tinham pelo menos três arranhões em cada.

Depois que Park secou devidamente Dudu, soltou o mesmo, que começou a andar pela casa, curioso. Então fui até Jimin, que estava arranhado, porém feliz da vida.

- A gente tem que se arrumar pra sair, mais o seu braço... - Eu disse, agora segurando o riso.

- Não tem graça! - Ele diz, tentando cruzar os braços, mas resmungando de dor logo em seguida.

- Ok, não tem graça. - Suspirei, finalmente conseguindo ficar séria. - Não quer passar pomada? 

- Não, estou bem. - Ele sorri - Vou me arrumar pra festa! 
 

Depois que Dudu finalmente parou de se aventurar pela casa, ele encontrou sua caminha e se esticou ali. Enquanto isso fui procurar algo para vestir, e achei um cropped preto, uma calça jeans larga e o mesmo tênis branco que eu sempre uso. Meu cabelo, longo e alisado estava, segundo Jimin, cheiroso. Então não tinha com o que se preocupar quanto a ele. Já a maquiagem, passei apenas um gloss com um rímel e assim, fui esperar Jimin na porta. E quando ele apareceu...

Céus!

Jimin vestia uma de suas roupas novas que compramos na última visita ao shopping na quarta-feira: Uma blusa de frio branca, de pano fino, porém quente; uma calça jeans azul e o seu típico sapato social; que ainda não era compreensível pela humanidade como esse sapato ficava lindo com qualquer coisa que ele vestia.

Ok, Jimin ficava lindo com qualquer coisa que vestia.

- Vou beber até cair! - Ele fala, e ao mesmo tempo que ri daquilo, me assustei. Jimin era tão puro antes de ir a esses lugares, eu quem o acostumei a fazer o errado.

- Que horror, não repita isso.

Ele sorriu divertido, então saímos de casa.

 

Durante o caminho que não era longo, Jimin foi falando sobre suas preocupações como “pai” do Dudu, perguntando repetidamente se eu havia fechado a porta de casa, para que o gato não saísse. 

- Será que se eu for naquela loja de novo, a moça me dá um poste de afiar as garras, de graça? - Ele ponderou, olhando para frente.

- Claro que não, garoto.

Enquanto pensava na real possibilidade de isso acontecer (que não era impossível), ouvi uma música alta mais a frente, então reparei no grande número de pessoas ao redor da casa do meu novo amigo bebum, Ryder Jones, mais conhecido por criar o caos em pessoa/robô no qual eu segurava a mão. 

Quando nos aproximamos da entrada da casa, observei de relance Ryder descer de uma cadeira, onde gritava muito ao som de uma música. E quando nos viu, veio ao nosso encontro.

- Meu Deus! Que demora porra! - Jimin riu alto daquilo, eu apenas revirei os olhos, o abraçando. - Não vou perdoar vocês por não virem na quarta! Foi sacanagem.

Depois que Ryder cumprimentou Jimin, falando besteiras como: “Já deu uns beijos nela, garoto? Não vou te ajudar nunca mais, viu!”. Eles riam juntos, como se aquilo fosse a coisa mais natural a se perguntar para alguém. Então, reparei em uma pessoa, saindo da garagem, emburrada e empurrando tudo e todos que esbarravam nela.

- Ryder Jones! - Ela veio até nós, e Ryder logo revirou os olhos antes de olhar para a mesma.

- Fala, vida? - Ele sorri para ela, e logo notei quem era.

- Raquelle! - Jimin fala, sorrindo para ela.

Sim, a namorada do Ryder. Eu não via essa garota desde que Ryder parou de falar comigo, para construir a Máquina. A verdade é que ela nunca era bem vinda nos nossos encontros entre amigos, todos detestam ela, mas aturamos por causa do Ryder. Eles se conheceram há dois anos, e não sabemos porquê ela quis namorar o meu amigo nerd, esquisitão, e agora de dupla personalidade nos fins de semana. Isso porque ela tem seus cabelos longos e pretos, sempre anda maquiada e seu estilo de patricinha felizmente não é contagiante: Saltos altos de todas as cores, camisetas decotadas, com jaquetas estilosas por cima, e leggings apertadas, que caíam muito bem em seu corpo magrinho. A conclusão é que Ryder é apaixonado por essa garota e ela, bem, deve ser por ele também.

- Vocês se conhecem? - Perguntei para Jimin, enquanto ia abraçar a garota.

- Jimin! - Ela, como sempre ignorando tudo que não lhe convém, abraçou o garoto de volta.

- Sim, nos conhecemos. Ela é a moça que me deu as coisas do Dudu.

Era só o que me faltava. 

A moça que deu em cima do Jimin sem ele entender nada, é a mesma que namora o meu melhor amigo.

- E aí, o gato gostou das coisas novas? - Ela pergunta, umedecendo os lábios.

- Sim, e muito.

Eu simplesmente não conseguia ouvir aquelas merdas, que vadia! Como ela pode trair o Ryder na cara dura assim, sem ele perceber nada? E pior, o Jimin ainda responde ela, sem entender bulhufas. Então para não me irritar, apenas sai de perto e fui pegar algo para comer. Encontrei alguns salgados, e me encostei na mesa, pensativa. Não conseguia tirar da cabeça que Raquelle, depois de tempos voltou para infernizar nossas vidas.

No momento, tocava uma música animada, todos estavam dançando. E eu comecei a me sentir sozinha, e sem jeito. Até que por milagre divino, Christian aparece para me fazer companhia.

- E aí Dubois. 

Ele encosta na mesa também, sorrindo. Quase não vi seus olhos, já que quando Chris sorri, seus olhos puxados fecham. 

- Sabe onde está a Rosé? Queria falar uma coisa com ela. 

Já tinha um tempo desde que Rosé me contou sobre seu crush no Chris, e acho que ele sente o mesmo por ela. Bom, pelo menos alguém dá certo no amor.

- Não vi, desculpa Chris. - Sorri de leve para ele, que assentiu, logo saindo de perto.

E novamente, sozinha.

Foi quando vi Raquelle e Jimin dançando juntos. Eles pulavam e cantavam sorrindo um para o outro, e ela claro, a todo segundo pondo suas mãos nos ombros do garoto. O engraçado é que Jimin não retribuiu, não encostou nela. Quando ele me viu no canto, entediada e sem jeito, sorriu e pediu licença para Raquelle.

- Porque está aqui sozinha? Não quer dançar? - Ele faz seus passinhos de dança, tentando me animar.

- Não tenho ninguém para dançar e eu estou bem aqui. - Fiz um joinha para ele, que deu uma de suas risadas meigas, me olhando e em seguida segurando minha mão.

- Quer dançar comigo? 

Tenho certeza que meu coração gritava: “Ei, Dubois! É muita emoção cara! Eu não aguento…”.

- Não precisa, e olha, a Raquelle está te esperando - Apontei para a garota, que estava de braços cruzados, de uma forma ridícula, esperando o garoto voltar.

- Mas, eu quero dançar com você. Lembra da última vez? - Ele sorri, passando as mãos no meu cabelo.

Nesse momento, eu agradeci muito a Deus por Jimin não estar no “modo vermelho”, e pelo controle estar no meu bolso, em segurança.

- Ok, eu vou. Só uma dança.

Ele assentiu, e antes que eu pudesse fazer meus passos de dança desgrenhados, começou uma gritaria maluca no fundo da garagem. 

Era Raquelle.

Tinha que ser Raquelle.

Jimin me olhou assustado, mas mesmo assim puxou meu braço para perto da confusão, onde já havia se formado a famosa “rodinha”. E foi nesse momento que percebi como Ryder fez uma péssima escolha de namorada, e como Jimin é curioso.

Os gritos vinham de duas garotas, Lilian e Raquelle, que se encaravam muito perto uma da outra, e Lilian com sua camiseta manchada de bebida.

- Ah garota! Não venha com desculpinhas! Conte para todo mundo de onde Ryder tirou essas pessoas e bebidas! - Lilian gritou, apontando para todos ali.

- EU CONTO! MAS ANTES, QUEBRO SUA CARA!

Depois que Raquelle disse isso, partiu para cima de Lilian e Ryder apareceu de repente, para tentar segurar sua namorada. Foi realmente impressionante ver como a brisa do Ryder passou rapidinho, quando ele viu que ia se encrencar.

 

E, de repente, senti água gelada ser atirada nas minhas costas.

 


Notas Finais


CARALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
alguém me segura pq puta merda em KKKKKKKKKKKKKKKKKKK
E ESSE FINAL????????????????? EU TO SEM LIMITES
a foto de capa do capítulo fez sentido só no final, mas danem-se os haters.

FALANDO EM CAPASSSS
queria dar todos os obrigadas do mundo a lind e perfeit @wingsfar q fez essa MARAVILHA de capa q vcs estão vendo aí!!!
sei q já falei lá em cima mas vale ressaltar q FICOU LINDO DMS NÉ.

voltando, eu REALMENTE AMEI escrever sobre a Raquelle aqui. ela é a minha personagem favorita!
peguei inspiração pra escrever sobre ela em um desenho que eu assistia demais da conta (e se bobear vejo até hj em), chamado "Barbie Life in the Dream House" KKKKKKKKKKKKKKKKK

a Raquelle original saiu de lá, danem-se os haters
vcs vão AMAR o jeito dela, sério.

e sobre eu ter SUPOSTAMENTE feito a dubois ficar mais caidinha ainda pelo ji, isso é cena pros próximos capítulos, seguividas, seguimores e seguiarmys.
estou dando o meu melhor nesses capítulos novos q eu escrevi e tentando incluir o MÁXIMO q eu posso a Maya e a Raquelle. porém acho q ainda n tá tããããão bom assim :(((

avisinhoxx:::::::

VOU DAR UM SPOILER FODASTICO AQUI DANEM-SE OS HATERS----
vou fazer uma pequena briguinha entre o ji com um ser aí, USANDO O FILTRO VERDE PQ ELE É MTO FODA
a prórpia dubois q vai colocar, essa cadela KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

sobre o caralhu do drama q eu prometi q nunca aparece::
eu decidi esses dias q ele vai ser um pouco mais para frente (talvez no capítulo 18 ou mais)
pq ainda tem muito mais coisas (e filtros) q eu quero colocar para a dubois interagir com o ji, e para ele interagir com os demais personagens.

entãããããão, aguardem só mais um pouquinho, ok?? :(((

não me abandonem, seguimores!

acho q é isso por hj, espero de coração que tenham gostado, e não esqueçam do comentário aqui embaixo, eu respondo na hora em!!

bjos. :))


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...