História Finalmente Aconteceu!! - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Lila Rossi (Volpina), Luka Couffaine, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain, Wayzz
Tags Ladybug, Marichat, Miraculous, Romance
Visualizações 16
Palavras 3.299
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá galera! Espero que vocês estejam bem

Gostei muito de fazer esse cap para vocês ^^ tentei deixar poucos erros, como eu sei que tem faz de MariChat lendo minha fanfic, vocês vão gostar muito dessa 😉

Bom... Não tenho mais nada para declarar, fiquem como cap

Capítulo 4 - Pensamentos...


Fanfic / Fanfiction Finalmente Aconteceu!! - Capítulo 4 - Pensamentos...

Não esperava o gatuno esta noite, na verdade não esperava vê-lo em momento nenhum como Marinette! Enquanto estava em meus devaneios, o gatinho aproveitou para observar meu quarto, me tirando dos meus pensamentos com seu riso, quando fui notar o que ele estava fazendo fiquei de olhos arregalados, eu tinha esquecido completamente das fotos do Adrien espelhadas na parede.

-hey! Você é um enxerido sabia!?-vou para sua frente, irritada e ríspida, ele continuava rindo como se fosse a piada mas engraçada que já ouviu em toda sua vida.-qual a graça?-fico confusa, mas não deixo a raiva sair de mim e não deixaria tão cedo com este projeto de gato por perto.

-a graça é que você prefere este mimadinho , você tem um gatinho na sua frente que pode ser todo seu! É só pedir.-agora foi a minha vez de entrar na gargalhada constante, sério que ouvi isto saindo da boca do mais convencido de Paris?

-este mimadinho é bem mais interessante que você! E eu achei que estava apaixonado pela Ladybug.-vou pegando as fotos enquanto falo, o deixando pensativo  e um pouco cabisbaixo, depois de guardar todas me viro para ele, parecia que estava deprimente, um olhar tristonho que não iria sair tão cedo, suas orelhas baixas como se tivesse pesadas e seu rabo, que antes balançava constantemente, balançava pouco e só a ponta.-disse alguma coisa errada?-não vou mentir, estou muito preocupada com o Chat agora, ele nunca ficou assim.

-não é você, se trata da Ladybug... Ela...-deu um longo suspiro,lacrimejando um pouco, chego perto dele lentamente, querendo reconforta-lo -ela não dá a mínima para mim...! Eu faço tudo para agrada-la, diverti-la e até para fazer ela me amar,mas a única coisa que ganho é ignorância, negação e ironia! Eu não aguento mais isso! Eu amo ela! Amo de verdade, mas não aguento mais ser rejeitado...-o escuto atentamente, se debulhando em lágrimas, não sabia que o amor dele por mim era verdadeiro, quer dizer pela Ladybug. O abraço fortemente, sentindo suas lágrimas no meu ombro e seu aperto em minha cintura que aumentava a cada soluço.

-eu sei como é se sentir rejeitado... Mas é assim, precisamos aceitar os sentimentos dos outros, mesmo que isto nos machuque e nos quebre por dentro... No final é só juntar os cacos e recomeçar com uma pessoa que realmente te dê o valor que merece e que te ame na mesma intensidade.-quando termino a frase sinto uma lágrima deslizando gentilmente pela minha bochecha, me fazendo dar um suspiro trêmulo. Fico surpresa ao notar que seu choro ia diminuindo, ele me olha com um olhar contagiante, fazendo meu corpo ficar um pouco mole, mas sou segurada firmemente pela cintura, depósito minhas mãos em seu rosto calmamente.-um passo de cada vez...-minha voz estava trêmula, não aguentava ver o gatinho daquele jeito.

Ficamos nos olhando por um tempo, logo sinto ele se aproximar e me prensar em seu corpo, eu não iria impedir, não tinha como... Ele estava magoado e eu era seu apoio naquele momento, se acontecer sei que não será verdadeiro e sim uma forma de consola-lo. Fecho os olhos esperando seus lábios nos meus, mas em vez disso recebo um beijo demorado em minha bochecha, onde havia o rastro da lagrima, o olho surpresa, eu esperava por esse beijo, estava necessitada tanto quanto ele. Estava abalada com o fato de não ser a garota que meu amado tanto espera, eu também preciso de apoio, mas um apoio amoroso, aconchegante...

-obrigado, my prin...-não consegui evitar, era mais forte que eu. Tinha o beijado apaixonadamente pensando em Adrien e em como não queria de jeito nenhum perdê-lo, meu beijo é correspondido depois de segundos , recebendo uma mão na minha nuca, aprofundando mais, abraço seu pescoço fortemente.

Ele me levanta e cruzo as pernas em sua cintura, sendo prensada levemente na parede. Eu estava amando aquele momento e só queria mais e mais. Fico arrepiada quando ele passa a mão lentamente pela minha coxa, subindo para a cintura e refazendo o trajeto, parecia que ele também estava apaixonado, não sentia um pingo de malícia ou desejo, só carinho e afeto. Isso tava acabando comigo, me dividindo entre Adrien e o Noir... Se eu não consigo ter o amor do Agreste, por que não do gato de rua não é mesmo? Mas estou com receio de magoa-lo... E se o que cresce dentro de mim por ele for falso? Um sentimento de tristeza que só se alimenta com este caloroso beijo? Não posso fazer isso com ele.

Paro o beijo instantaneamente o deixando confuso,  nos dois estávamos ofegantes, mas ao mesmo tempo querendo mais, mais carícias, mais beijos, mais amor. Fecho os olhos fortemente, tentando pensar no que estava sentindo por ele, como seria amor se só o conheço a pouco tempo? Eu só lutava com ele, mas agora que estou o conhecendo, sinto algo por ele, mas não sei o que é, seu significado, sua existência.

-o que houve, my princess? Você está bem? Fiz alguma coisa de errado?-perguntou rapidamente, parecia preocupado e provavelmente estava acontecendo uma confusão na cabeça do gatinho, isso eu tenho certeza.

-desculpe, eu estou bem sim e você não fez nada de errado, pelo contrário!...-dou um sorriso meigo que é correspondido por um sorridente, logo se aproxima novamente de mim mais o interrompo com meu indicador em seus lábios.-mas... Eu estou com medo...-novamente a confusão paira em seu rosto.

-com medo de que?-estava intrigado em saber e eu não tinha resolvido se contava de cara ou aos poucos, que complicação!

-é que eu não tenho certeza do que sinto por você, gatinho... Estou com medo de te magoar se isso continuar...-digo com dificuldade, como se as palavras tivessem instalado em minha garganta e tinha que forçar sua saída, o que eu não tinha entendido foi seu riso.

-está se preocupando com isso agora, Mari? Quer mais do que ficadas com seu gatinho aqui? Já que me colocar coleira?-arregalo os olhos, corando violentamente, ele continua a rir, mas aos poucos para.-olha... Não se preocupe com isto agora, estamos tendo um lance muito bom aqui e eu não quero que nada estrague nosso momento...- disse pegando em meu queixo, dou um pequeno sorriso e ouço seu anel apitar seguido de um resmungo do felino, me fazendo dar um leve riso.

-parece que seu anel acabou de estragar o momento.-sou colocada no chão, mas continuo prensada na parede. To começando a gostar disso. Ele vai até meu ouvido.

-deixe a janela aberta...-fiquei mais corada e comecei a ficar um pouco ofegante, recebendo uma lambida e uma mordida leve em minha orelha, me fazendo arrepiar até a espinha.

Foi até minha boca e começou um beijo lento e muito bom por sinal, parando para mordiscar meu lábio inferior e continuando até ser interrompido por outro alerta vindo do seu anel, revirou os olhos, logo me deu um selinho, indo direto para a janela e pulando, indo para sua casa, suponho.

E lá estava eu, parada, imóvel, ofegante e corada. Como deixei chegar a esse ponto? Eu estava conversando nesse estante que ele era meu melhor amigo e meu parceiro, mas agora eu estou muito confusa e indecisa. Será que eu deixo a janela aberta?  Será que eu vou esquecer do Adrien enquanto estou com o Chat Noir? Será que vou amá-lo mais do que eu amo o Adrien? Estas são perguntas que só poderiam ser respondidas no futuro.

Dou um suspiro e me assusto com a minha porta sendo aberta, uma tigela de biscoitos acompanhados por um copo de leite quente apareceram, me recomponho e vou até eles e os pego, vendo minha mãe com o sorriso radiante de sempre.

-olá querida! Achei que seria uma boa um lanchinho antes de dormir.-e agora que eu fui pensar nisso, será que meus pais ouviram alguma coisa?! É melhor descartar esta teoria, nós não fizemos nenhum barulho e se tivesse feito minha mãe iria ter escutado, ela tem um ouvido muito aguçado para a idade dela.

-ah! Obrigada mãe! Estava mesmo ficando com fome.-dou um sorriso e vou até a escrivaninha, colocando a tigela e o copo em cima da mesma, quando me viro para a porta, já estava fechada, me deixando aliviada e grata, sento em minha cadeira e começo a comer.

Depois de alguns minutos vejo Tikki devorando um dos biscoitos, roubando um riso meu, que chamou a atenção dela, a mesma ficou encolhida e mais vermelha que o normal, estranhei um pouco, foi aí que eu lembrei do que havia acontecido e fiquei vermelha novamente, colocando outro pedaço de biscoito para dentro, ficando quieta e encolhida.

Passou um tempo e eu já estava em minha cama, entrando em uma sono profundo com Tikki adormecida em meu travesseiro.

__Adrien Agreste_

Estava relembrando mais uma vez o que acabou de acontecer na casa da Mari. Eu me deixei levar? Um pouco... Mas também eu era o Chat Noir naquele momento, claro que eu iria aproveitar aquele momento com a azulada. Além de comprovar que ela gostava de mim tive a melhor noite da minha vida! Quem diria que a Marinette tímida e fofa poderia fazer uma coisa dessas. Meus pensamentos foram interrompidos com um odor de queijo podre vindo de Plagg, que estava na minha frente, pensativo.

-o que foi, Plagg? Vai comer seu queijo fedido e me deixe em paz um pouco.-fico meio irritado com o atrevimento dele de interromper meus pensamentos meio pervertidos com a Marinette.

-você estava babando... Estava pensando em que?-coro, ficando com os olhos arregalados, desvio o olhar para a janela, me sentando na cama, coçando a nuca, dando um leve suspiro.

-como eu não tinha reparado nela antes, Plagg? Eu poderia estar com a Marinette esse tempo todo, mas só tinha olhos para uma garota que estava nem aí para meus sentimentos! E eu rejeitei ela como Adrien...-fico emburrado e deito rapidamente na cama, ficando de lado, sou um tolo mesmo.

-é né, que pena... Mas você tem ela como Chat, não é?-Plagg tem razão, já basta pra mim te-la como Chat Noir, mas eu não poderia beija-la, agarra-lá ou abraçá-la como Adrien... Tenho que bolar um plano para resolver isso.

Enquanto pensava em um plano perfeito para te-la por completo adormeço profundamente.

_Marinette Dupain-Cheng_

/De manhã/

Realmente foi uma boa ideia vestir algo diferente hoje, eu me sinto ótima desde ontem à noite, não consigo parar de sorrir! Talvez seja por causa da visita inesperada, mas vou descartar isso por enquanto, não quero me deixar levar e ficar corada no meio da aula. Estava usando um vestido rodado vermelho simples, acompanhado por um salto baixo branco e aproveitei para usar uma das bolsas que havia feito, uma preta cheia de detalhes brancos, usaria ela para manter Tikki escondida. Pego minha mochila, chamando a joaninha para dentro da bolsa, assim fez, arrumei meu cabelo em um coque e passei protetor labial, que deixou meus lábios rosados, passei também um lápis de olho.

Desci as escadas apressada, pegando alguns cookies e colocando na bolsa, peguei um suco de caixinha e uma maçã, estava atrasada e não perderia mais um segundo em casa, meu dia começou bem,nada irá estraga-lo. Desci a escada que dava para padaria tomando meu suco, joguei fora quando acabei e comecei a comer a maçã, me despedi dos meus pais e fui correndo para a escola. Como é que uma aluna que mora do lado da escola se atrasa tanto? É extraordinário. 

Tinha entrado na sala, muito ofegante, ajeitei minha postura e olha para mesa da professora, para minha sorte ela não tinha chegado ainda, suspirei aliviada e fui para minha cadeira, depositei a mochila no chão e me encostei, relaxando, até ouvir a voz da morena.

-olha a Marinette! Esta maravilhosa! Parece que sua visita à casa dos Agrestes deu resultado em!-a olho, percebendo sua empolgação e orgulho, reviro os olhos e me viro para ela, meio cabisbaixa, logo o rosto dela muda, ficando tristonha.

-eu ia contar, mas aí ele identificou a letra da carta que eu envie no dia dos namorados e disse que gostava de outra pessoa... Eu não pôde contar, Ayla...-digo mais cabisbaixa ainda, lacrimejando, olhando para baixo tendo o desejo de sumir daqui o mais rápido possível.

-ahh amiga... Não fique assim... Existem muitos pelo mundo que merecem seu amor e...-a olho, quase chorando, deu um suspiro e me abraçou fortemente, a retribuo depois de segundo.

-eu não quero falar sobre isso, Ayla... Eu amo o Adrien, só ele...-uma lágrima caiu sem minha permissão e as outras seguiam o mesmo caminho, me afundei em seu ombro, não conseguindo segurar os soluços e o choro.

-tudo bem... Vai ficar tudo bem...-consigo controlar o choro é sessar aos poucos, paro o abraço, me levantando e indo até o banheiro.

Me admiro no espelho e vejo que não a nenhuma falha do lápis, mas estava muito vermelha, principalmente no nariz, é nessas horas que eu me xingo mentalmente por ser tão branca. Me encosto na parede e vou de encontro ao chão, olhando para cima deixando escapar uma lágrima, logo fecho meus olhos fortemente e meus lábios também. Como eu queria que Chat Noir estivesse aqui.

_Adrien Agreste_ 

Tinha acabado de chegar na sala, super contente, Nino até estranhou, mas achou que era por causa do dia, então deixou de lado. Olho para a cadeira de Marinette, vendo só a mochila e nenhum sinal da azulada, começo a ficar preocupado e intrigado, olho para Ayla, que desvia o olhar para o celular. Foi aí que eu me lembrei, a Mari deve estar trancada em um box, chorando e se lamentando por não ser a Ladybug. Aproveito que a professora não tinha chegado ainda e vou de encontro a ela.

_Marinette Dupain-Cheng_

-fique calma, Marinette... Sei que isso pode ser doloroso, mas precisa se controlar ou será akumatizada-ouço mais um dos seus conselhos, tentando me acalmar e fazer com que eu me recomponha. 

Eu tento várias vezes parar os desesperados soluços que saiam de mim, mas lembrava da ausência do gatinho, me fazendo soluçar mais ainda. Por que estou precisando tanto da companhia dele? Talvez seja pelo acontecimento de ontem, ninguém tinha me beijado com tanta paixão assim, isso meio que me reconfortou por dentro, me sentindo segura em seus braços... Vou parando de soluçar aos poucos, me recompondo e me levantando.

Viro pro espelho para pegar alguns papéis, enxuguei devagar os rastros e sai do banheiro, me esbarrando em alguém e quase me chocando com o chao, mas sou segurada firmemente, me levantando, vejo com clareza quem era e estava desejando que não fosse essa pessoa.

-Mari... Estava chorando...?-pegou em meu rosto cuidadosamente, me acariciando, ainda me segurava com vontade, como se não quisesse a ausência do abraço, mas eu queria ou desmoronaria novamente.

-sim... Mas não se preocupe, não foi nada demais-olho para o lado, tentando não retribuir o abraço. Ele vai em direção a minha nuca com a mão e força minha cabeça, me levando até seu ombro, tornando recíproco o abraço.

-eu nunca vou entender o ciclo menstrual das mulheres, mas sei como amenizar a dor-foi um alívio enorme ouvir aquilo, agora eu estava retribuindo com mais vontade, surpreendendo ele, que aperta mais minha cintura, acabo soltando um gemido leve, como reclamação, olho de relance para ele, estava mordendo o lábio inferior, como se tivesse se segurando.

_Adrien Agreste_

Ela tinha mesmo que gemer! Agora!? Fico mordendo meu lábio inferior meio fortemente, me segurando para não ataca-lá aqui mesmo. Sei que ela está com o Chat, que no caso sou eu como herói, então ela não iria me trair, na verdade trair o Chat Noir, isso dá uma confusão mesmo. A afasto e acaricio uma mecha do seu cabelo, depositando um leve beijo em sua bochecha.

-espero que isso passe logo.-me retiro do local o mais rápido possível, dando de cara com o caos que estava nessa escola.

Alunos correndo e gritando como se fosse o fim do mund, mais um akumatizado, quando fui ver era a professora, por isso que estava demorando tanto para aparecer.  Ela se denominava Zombizou e á cada beijo que lançava um se transformava em um zombie dos beijos. Corri para uma sala qualquer, conferi se estava vazia e me transformei.

_Marinette Dupain-Cheng_

Isso me confundiu aqui, mas não dava tempo para isso, nossa professora havia sido akumatizada e parece que esse akuma não está para brincadeira, me transformei e sai, vendo o desespero das pessoas é um monte de zombies indo atrás, um grupo veio atrás de mim, então eu corri para uma sala que eu achei que estava vazia, mas dei de cara com o meu parceiro.

-oi gatinho...-dou um sorriso de lado. Ele estava sentado na mesa, apoiando o braço em seu joelho com o bastão em mãos, logo coçou a nuca e sorriu.

-oi my lady! Ia ligar para você agora.-Se levantou e veio até mim, guardando o bastão, mostrando aquele sorriso galanteador, queria tanto beija-lo, mas naquele momento eu não podia, não posso confundir a cabeça dele agora.

-bem... Parece que essa akumatizada foi bem planejada, vamos tentam sair daqui.-ele afirma, se preparando, logo chuto a porta, me impressionando com a escuridão que havia se formado lá fora, andamos até lá e a porta foi fechada, corro até ela para tentar abrir, sem sucesso.

-olá Ladybug e Chat Noir! Bem-vindos, eu sou o Criador! Como vocês não foram planejados por mim, irei aniquila-los.-de repente tudo se clareou, revelando o verdadeiro akumatizado, que estava em cima de um livro enorme e voador, esboçando um sorriso maligno.

Pego meu Ioiô e Chat o bastão. Estávamos em uma luta insana com o Criador, que desviava de todos os ataques, Paris já estava em chamas e sem vida ao olhar. Chat Noir foi atingido no abdômen, ficando inconsciente no chão e eu já estava ficando fraca, não tinha mais nada para fazer. 

Sinto uma tontura imensa, observando um vulto cinzento ocupando minha visão, me impedindo de ver com clareza o que tinha acabado de acontecer, sinto a magia negra me consumindo e me corroendo aos poucos e minha própria magia se esvaindo completamente. Logo vejo meus brincos no chão, desta vez conseguia enxergar e estava desejando não ter conseguido, um caos horripilante em Paris, meus ferimentos gravíssimos vindo átona por causa da falta de adrenalina, percebo o gatuno desmaiado ao meu lado, minha mente estava sendo consumida por ele, o homem que era para estar de joelhos, implorando por perdão e misericórdia, mas os papéis naquele momento estavam invertidos.

-finalmente... Está diante de mim, Ladybug...-sua voz rouca ecoava pelos arredores, com o som do fogo de fundo.

-por que isto? Por que este alvoroço todo?-me pergunto mais do que para ele, o mesmo da um riso que me enoja, acabo cuspindo por causa do sangue em minha boca.

  Vejo seus pés se aproximando cada vez mais, a cada passo que dava não sentia mais meu corpo, tento evitar mas já era tarde demais, estava usando um traje igual o meu, mas era diferente, continha detalhes negros nas pontas, um lenço que rodeava minha cintura com uma cauda que ia até o chão aparentemente e minha máscara estava completamente negra.

-você servirá a um propósito nobre, isto eu lhe garanto!-sinto minha cabeça sendo forçada a olhar pra cima, enxergando sua face coberta pela máscara.-mas não lhe garanto que será libertada tão cedo.-Logo começo a me contorcer de agonia, por não ter mais controle do meu corpo, ele pega os brincos e eu olho pro garoto com traje preto ao meu lado pela última vez antes de virar serviçal.


Notas Finais


Se quiserem deixar um comentário sobre o que vocês querem no próximo cap ou o que esperam, irei responder a todos ^^

Byte bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...