História Finding Love - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Exo
Visualizações 250
Palavras 2.113
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Me perdoem por toda essa demora, eu queria ter atualizado antes, mas estou tão enrolada com as coisas da escola, que foi impossível, desculpem ;-;

Quero ver se alguém pega as referencias, eu D-U-V-I-D-O.

Capítulo 29 - Fase Two: Maybe...


Fase Two: Maybe...

 

Tudo estava escuro, e eu queria sair o mais rápido possível, mas não conseguia. Meus braços e pernas estavam envoltos em correntes grossas demais, e eu fiz toda força possível, que de nada adiantou. Era silencioso demais, e eu não aguentava aquilo.

As coisas passavam como flashs em minha mente rápido de mais, literalmente faziam minha cabeça doer, e eu já havia tentado dormir, mas não consegui. A escuridão não tinha fim, e não havia nenhum resquício de luz, aquilo estava me enlouquecendo.

Algo queimava em minhas coxas, e havia uma risada alta de vez em quando, mas nada que eu realmente conseguisse ver. Pareciam fios, fios finos que tocavam meu corpo, como se me amarrassem. Davam choques de leve e então queimava, logo depois.

Certas vezes, era capaz de ouvir as vozes dos garotos. Kai, Baekhyun, SeHun, SuHo, XiuMin, D.O., Chanyeol... Mas nunca Chen. Nunca escutava Chen, onde ele estava? Por que havia me deixado sozinha? Por que eu estava nesse escuro e eles sequer vieram atrás de mim? Algumas vezes haviam cliques, e então flashs pequenos e rápidos de luz, mas sumiam tão rápido quanto vinham.

Minha mente estava estável, e eu já estava cansada de criar diversas histórias e poemas, algumas vezes eu imaginava minha vida daqui muitos anos, minha filha crescida, e o meu bebê conosco. Havia criado uma pequena musiquinha, ela fazia sentido para mim, mas em certos momentos, eu a esquecia do nada.

—Por que se esconde por aí? Quando tem música nos corredores? Tudo que vejo é uma sala vazia... — O ritmo era lento, se é que realmente havia um ritmo no que eu cantarolava baixo. — Sem mais diversão e música não. É tão bom sempre cantar... Dançar, girar e voar... — Minha voz ia sumindo aos poucos, era um tanto melancólico. — Tem alguém aí?

Eu perguntava mesmo sabendo que não haveriam respostas. Se eu estava presa em minha própria mente, onde estava LuHan? Por que ele não falava comigo, por que não me ajudava? Por que não havia luz? O que eu havia feito de errado para estar presa aqui?

Por que eu estou presa?

 

Kim Jongin P.O.V. On:

 

Não me cansava daquilo. Observá-la era meu maior passatempo, mesmo que estivesse quase como uma pessoa morta, ela continuava absurdamente linda. Eu a cuidava todos os dias, e conversava com ela, não poderia deixá-la sozinha. Eu apenas saía do quarto quando SeHun estava presente, ele não gostava da minha presença.

—Tenha um bom dia, querida. — Sorri assim que entrei no quarto, abri as cortinas e a descobri com cuidado. — Está um dia bonito lá fora, os pássaros cantam e o sol está radiante, assim como o seu sorriso.

Eu não precisava de uma resposta. No fundo, bem no fundo, algo me dizia que ele ficava feliz em me ouvir, então não ligava quando os outros garotos diziam que eu estava ficando louco, Yoora era a minha loba, e eu cuidaria dela até que acordasse.

Meu ritual era o mesmo todos os dias. Primeiro, eu jogava fora as flores que SeHun trazia toda noite, não entendia o por que de ele continuar trazendo, se eu sempre as jogava no dia seguinte. Então, eu a despia, dava banho e a vestia novamente, as vezes não era exatamente nessa ordem, mas ninguém precisava saber do que fazíamos sozinhos. As vezes, eu a levava para tomar Sol, e os meninos também vinham vê-la e conversar com ela.

Geralmente, Baekhyun era o primeiro a aparecer, checar se ela estava bem, ele estava desconfiado, mas não poderia provar nada. Então vinham XiuMin e SuHo, juntos. Eles ficavam pouco tempo e diziam palavras de conforto como “Sentimos sua falta”, “Espero que você fique bem” e “Traremos seu bebê de volta, é uma promessa”. D.O. vinha na hora do almoço, afinal, ainda éramos humanos e precisávamos nos alimentar. Chanyeol aparecia uma vez a cada semana, e ficava apenas olhando, sem dizer nada, parecia imerso em pensamentos.

Então, o último a aparecer sempre era SeHun. Ele vinha apenas de noite, e me mandava sair. Mesmo a contragosto, SuHo me fazia sair e me mandava ir dormir. Eu obedecia, SeHun não faria nada a ela, ele apenas chorava e pedia inúmeras desculpas, ao menos era isso que eu escutava do meu quarto. Não tivemos mais notícias de Chen ou Lay, e nem sequer fazemos ideia de onde eles estejam.

Angel também não voltou a aparecer, isso deixava XiuMin um pouco triste e para baixo. Eu não gostava de ver o hyung daquela maneira, para baixo. Mas o que eu poderia fazer? Ela sempre sumia, e ficava anos sem aparecer.

—SuHo está nadando lá em baixo, ele parece relaxado. — Sempre tentei descrever tudo que acontecia ao redor, pensava que assim, ela poderia se manter dentro de tudo. — 11 está observando, sentadinha longe da piscina, com pernas de índio.

11 estava sempre falando com Yoora. Ela parecia não entender o por que de a mãe não acordar, e nós sempre dizíamos para ela abraçá-la e dizer o quanto a amava, quem saber isso fosse um incentivo para que Yoora acordasse.

Apesar disso, os dias pareciam passar se arrastando completamente. Nada mais de interessante parecia acontecer. Não havia mais ação e tudo parecia bem desanimado sem Yoora.

Ouvi a campainha tocar lá embaixo, mas nem me importei muito. Mas então ela tocou novamente, e eu tive de descer e abrir a porta. Dá onde eu conhecia aquela garota ruiva mesmo? Ah, sim... Ela salvou SuHo quando ele desmaiou no lago.

—SuHo está? — Seu rosto parecia assustado, ela carregava um bebê pequeno, ela também estava com o rosto todo machucado. — Por favor, me diga que ele está!

Eu assenti e dei espaço para que ela entrasse. Levei-a até a piscina e ele correu em nossa direção, parecia preocupado com a ruiva, eles esqueceram completamente da minha existência ali.

—Jia-Sung! — SuHo a analisou com os olhos, com um semblante preocupado. — O que houve com você, afinal, o que faz aqui?

—Eu fugi do Kris. — A ruiva suspirou, aqueles machucados em seu rosto pareciam estar doendo muito. — Por favor me ajude, ele quer matar o bebê, não deixe que isso aconteça!

Então aquele era o bebê da Yoora? Estranhamente, parecia não ter crescido muito. E por que aquela ruiva estava tão preocupada assim como o bebê? Não fazia sentido algum... SeHun correu em nossa direção e eu sinceramente achei que ele fosse matá-la, mas não o fez.

—Você pode me dar o meu filho? — Foi apenas o que ele disse, ela sorriu fraquinho e entregou o bebê a ele, que sorriu, sim, Oh SeHun sorriu, isso foi muito estranho. — Hey filho, sou eu, o papai.

—Kai, venha me ajudar a cuidar dela. — Eu iria protestar, mas eu nunca conseguia ir contra ele, e sinceramente, eu odiava isso. — Agora, venha logo.

SuHo cuidou do rosto da ruiva com o maior cuidado do mundo, e eu o auxiliava em alguns momentos. Ele tinha todo cuidado em limpar o sangue seco e fazer os curativos na precisão certa, afinal, ele já havia cursado medicina, certo?

—O que foi que te levou a abandonar o Tao? — SuHo perguntou, se sentando ao lado da garota, que respirou fundo e pegou ar para que começasse a falar. — E como você ficou machucada desse jeito?

—Yoora queimou o rosto do Kris naquele dia. — Ela começou a contar a história. — Ele tentou matar o bebê, e acabou me ferindo também. Então Sun nos tirou dali e cuidou de nós até que estivéssemos curados, mas ela é completamente louca pelo Kris, e quis nos entregar para ele.

—Mas será possível que não se pode confiar nem na sua própria sombra? — Resmunguei baixo, o hyung me olhou feio, como se mandasse que eu não interrompesse, pedi desculpas com o olhar.

—Kris está com um verdadeiro ódio da Yoora, eu acho que ele quer matá-la... Ele acha que se fizer isso, LuHan vai tomar o controle do corpo dela, tudo que ele quer é o LuHan, ele quer achar um jeito de ficar com o LuHan. — Ela se encolheu um pouco, parecia realmente com medo e assustada.

—Quando foi que Kris ficou doente desse jeito? — SuHo apertou as mãos, suprindo a necessidade de dar um soco em alguém, eu conhecia muito bem aquela sensação. — Não acredito que ele está fazendo isso só por causa do LuHan.

—Eu também acho que o Tao está sendo ameaçado pelo meu laboratório, mas ele não me disse absolutamente nada. — Jia-Sung gemeu baixinho de dor, realmente, ela estava acabada.

—Por que não nos conta como era no seu laboratório, camarão? — XiuMin desceu as escadas seguido de Chanyeol, ela bufou pelo apelido e assentiu, abraçando as próprias pernas.

—Quando fui mandada para lá, eu deveria ter por volta de onze anos. Eu tinha tido um câncer nos ovários, e o diretor daquele local prometeu aos meus pais que podiam me curar. — SuHo abaixou a cabeça, já que parecia doloroso para ela falar sobre aquele assunto. — Foram diversos tipos de experimentos, coisas das quais eu prefiro nem me lembrar.

—E quando Kris e Tao chegaram lá? — Chanyeol a cortou e ela pareceu engolir o choro. — Não quero ser rude, mas eu não consigo me aguentar mais, preciso entender tudo isso.

—Está tudo bem... — A ruiva respirou fundo. — Kris foi o primeiro a chegar, ele foi recebido de braços abertos e meio que mandava no local, eu não sei por que... — Puxou os cabelos compridos vermelhos em frustração. — Ele escolhia algumas meninas e as levava para onde morava, eu fui uma delas.

—Por que ele fazia isso? — XiuMin hyung não parecia confiar muito nela, eu podia perceber isso. — Diga logo, camarão.

—Nos usava como escravas, fazia o que queria e depois nos jogava num quarto sujo, nos deixava dias sem comer e ficávamos noites sem dormir. — Seus olhos estavam cheios, e ela cobriu o rosto completamente. — Quando Tao apareceu, ele pediu para Kris para que me desse a ele, sendo assim, ele não poderia mais encostar em mim, fugimos dele diversas vezes, mas Kris sabe algo, algo que faz com que Tao e Lay façam tudo que ele manda.

—Isso significa que ele usa chantagem como método de fazer com que os outros sujem as mãos em seu lugar. — Chanyeol concluiu, cruzando os braços. — Se o que eu sei estiver certo, são dois laboratórios diferentes, que não tem nenhuma ligação entre si. O nosso quer usar Yoora como método de criar seres com poderes divinos, provavelmente querem criar um exército... — Respirou fundo, fechando os olhos. — Existe uma lenda antiga, de uma alcateia de lobisomens que disputou uma única loba, houve um vencedor, mas... Ela acabou passando por todos eles, e deu continuidade a geração daquela alcateia.

—Como cacetes você sabe disso? — Perguntei confuso, Chanyeol realmente me dava medo as vezes, ele falava coisas que não faziam o menor sentido, pareciam viagens de alguém que tinha usado algum tipo de alucinógeno. — Você está usando alguma substância?

—Eu andei praticando como ler as mentes das pessoas... — O Park deu de ombros, e acabou soltando um riso debochado. — Deviam tomar cuidado com Kyungsoo, ele sabe bem mais do que aparenta.

Acabei decidindo que deveria voltar velar a minha garota, mas não fui capaz de entrar, SeHun estava lá com o bebê, conversando com ela. Aquilo me dava raiva, ele acha que é especial só por que eles tem um filho juntos? O que esse desgraçado tem que eu não tenho? O que Chanyeol, Chen, SuHo e SeHun tem que eu não tenho?

—Nosso bebê está aqui, o nosso filho... — SeHun se deitou ao lado dela, e o bebê se aconchegou no peito dele, enquanto passava a observar pela primeira vez, o rosto da mãe. Logo, ele estendeu a mãozinha, e a pousou no rosto de Yoora. — Viu só, ele gosta de você.

Foi então que algo aconteceu. Eu tenho certeza que foi o bebê. Yoora abriu os olhos, eles estavam numa coloração diferente, uma espécie de cinza lindo. Ela se virou para encarar os dois e passou a chorar os observando. SeHun entregou o bebê a ela, que o abraçou forte, como se fosse a primeira vez, e de fato, era. Meu peito doía, não era eu ali.

—Ele é lindo, certo? — SeHun perguntou e ela assentiu sorrindo, mas logo, aquele sorriso morreu, ela adquiriu uma expressão dolorosa, SuHo entrou no quarto e pegou o bebê, como se soubesse que algo aconteceria.

—Tire ele de dentro de mim... — Yoora agarrou o braço de SeHun, o olhando quase suplicando, ele quem? — Tire ele de dentro de mim! — SeHun fez uma expressão de dor, ela cravou as unhas nele. — TIRE ELE DE DENTRO DE MIM!

Talvez... Só talvez... Eu pudesse ajudar, mas não queria.  


Notas Finais


E então gente, o que acharam?

Vejo vcs nos comentários ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...