História Fio de Sangue - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, Personagens Originais
Tags Akai Ito, Chae Hyungwon, Destino, Drama, Hetero, Heterossexualidade, Hyungwon, Hyungwon Chae, Kpop, Monsta X, Romance, Vampire, Vampire!au, Vampiro
Visualizações 20
Palavras 2.153
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Literatura Feminina, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - O Destino Final


Fanfic / Fanfiction Fio de Sangue - Capítulo 15 - O Destino Final

A quietude voltara a dominar o clima marítimo, apenas alguns sons ecoavam quando Anya fungava com lágrimas que desciam de seus olhos de gelo. Até as ondas pareciam se acalmar como um gesto de lamento aos dois, por mais que Hyungwon já estivesse habituado com o silêncio, o mesmo começou a se incomodar com este que percorria por entre eles. Pensou e pensou com a cabeça ficando levemente dolorida, procurou por assuntos e palavras inteligentes, talvez para acalmar um pouco a loira. Então a única coisa que lhe veio fora uma conversa que teve com seu pai havia muitos anos.

- Uma vez o meu pai me contou sobre a teoria, ou era boato - Finalmente interrompeu a quietude incômoda, disse direcionando seu olhar apenas para o mar - de como surgiu a primeira pessoa com vampirismo. Segundo esse boato, foi uma mulher que lambeu o sangue de seu filho quando o mesmo se cortou enquanto brincava - Anya o olhou, com seus olhos ainda avermelhados - Então algo dentro dela se modificou e a mutação foi se desenvolvendo aos poucos, como se o corpo dela agisse por conta própria. Eis que um dia ela descobriu que estava grávida, depois de nove meses nasceu sua filha, que apresentava um comportamento estranho, tipo olfato, visão e audição mais aguçados. Além de que as vezes ela aparecia com a boca suja de sangue, depois de um tempo começaram a encontrar corpos de pequenos animais atrás da casa. Desde então, mãe e filha saíram fazendo vítimas pela cidade, e foi se proliferando pelo mundo lentamente - A moça permaneceu quieta depois de o rapaz terminar de falar, também direcionou seu olhar para o mar, visualizando o horizonte que se formava tão distante.

- Interessante - Por fim resolveu responder com a voz anasalada - Essa foi realmente uma história muito interessante, a que eu ouvi foi que a mutação se desenvolveu como uma evolução da espécie humana, que nem uma forma de defesa - Ficou alguns segundos quieta, ponderando, até concluir calmamente - talvez nunca saberemos, porque ambas lendas não fazem muito sentido. Já que temos que trocar sangue ou bebê-lo em grande quantidade - Olhou para o rapaz que também a olhava - quero dizer, deve ser muito mais complexo do que aparenta ser.

- Claro - Replicou com um arfado - O repórter na televisão disse sobre alho e água benta, ele só podia estar brincando, não é?!

- Por que ele estaria brincando? - Anya perguntou sem esboçar reação.

- Porque não tem efeito algum em nós, só faltou falar de prata, cruz e espelho - Segurou uma risadinha irônica, mas a moça permanecia seria.

- Funcionaria na minha irmã que tem alergia a alho, mas realmente o resto é uma baboseira imensa - Enfim curvou sua boca esboçando um pequeno sorriso.

- Devemos agradecer a Hollywood?

- Com certeza, o mesmo serve para princesas perfeitas e finais de "felizes para sempre" - Fez aspas com as mãos ao mesmo tempo em que revirava os olhos - Eu estou com medo, Hyungwon - Tornou a falar abaixando a cabeça.

- Do que pode acontecer com nós agora?

- Claro, aquela menina não devia ter visto. Não apenas por egoísmo de querer ficar bem, mas também pelo fato de que ninguém merece ver uma pessoa que ama morrer na sua frente, sem poder fazer nada - Suspirou lamentando-se - Foi exatamente assim que aconteceu com nós. Creio que seja o mesmo sentimento de impotência, incapacidade, inutilidade, tudo que você pensa de negativo a respeito de si mesmo vindo a tona.

- Você tem razão, Anya - Também abaixou a cabeça.

- Eu estive pensando em algo, só não sei se você vai achar uma boa ideia, mas é meio que um jeito de fugirmos, se não for covardia.

- Pode dizer - Seus olhares se encontraram.

- E se voltássemos para a estrada do desfiladeiro? Onde nós, nós - Ficou envergonhada de dizer que fora onde aconteceu o primeiro beijo deles.

- Eu já entendi - Interrompeu o constrangimento da outra, então sorriu vendo suas bochechas rosadas - Você está pensando o mesmo que eu?

- Depende do que você está pensando, Senhor Chae.

- Desfiladeiro, nossa pena de morte - Disse balançando as mãos, parecendo sem jeito.

- Eu não estava pensando exatamente isso, mas já que você sugeriu... - Suspirou -Podemos drenar alguém antes?

- Mas é claro.

- Também quero fazer algo a mais.

- Sim?

- Beber e dançar a nossa última canção.

- Sim, Senhorita, Madame Mikhaylova - Se levantou estendendo a mão para ela - Perto de praias normalmente tem lojas vendendo coisas.

- Claro, evidentemente - Aceitou sua mão.

Ainda sentindo a areia em seus pés, caminharam até onde havia asfalto, que ainda estava um pouco morno. A moto não encontrava-se muito longe do local, logo, não demoraram e subir na mesma para procurar alguma loja pela região. O pequeno estabelecimento em que pararam era tão pequeno quanto a lanchonete da noite anterior, no letreiro também anunciava o funcionamento de vinte e quatro horas. Branco, creme, bege e rosa claro, eram os tons mais predominantes ali, o balconista ficou quase tão pálido quanto os que estavam entrando pela porta de vidro no momento em que os viu. Hyungwon encaminhou-se até os fundos, enquanto a loira ficara parada esperando, o rapaz em estado de choque, pegou um copo de água em seu lado, colocou a mão dentro do recipiente e começou a jogar algumas gotas em Anya.

- Que merda você está fazendo, energúmeno intolerável?! - Perguntou ela, tentando proteger-se com os braços finos. 

- Água benta, assim como Joseph Louis falou na reportagem dessa tarde - Não parou.

- Pare de jogar isso em mim, só me molha, não tem outro efeito! - Suas bochechas começaram a tomar alguma cor, um enrubescimento que não estava ali havia algum tempo.

- Não! Morra, sua vampira dos infernos!

- Mas por quê?! 

- Porque senão você vai me matar.

- Eu nunca iria querer provar de você - Nesse momento o balconista parou para escutar melhor - sinto em lhe dizer, mas seu cheiro é asqueroso. E esses alhos não servem de nada - Apontou para as cabeças de alho coladas logo atrás do mesmo - Hollywood os deixaram burros, aliás, essa planta tem um odor mais agradável que o seu.

- Morra, vampira repugnante! - Quase sem reação, ele apenas tornou a jogar água benta na moça.

- Não acredito que vou fazer isso, mas você me aborreceu de verdade! - Vociferou dominada pela ira.

- Não me toque, senão vou ligar para a polícia! - Numa tentativa de ameaça, jogou todo o conteúdo do copo no rosto de Anya.

- Você já devia ter feito isso há muito tempo, Filho de uma puta! - Tirou sua adaga da mochila, com as mãos levemente trêmulas por conta da ira.

E antes que o rapaz pudesse ter qualquer outra reação que fosse, a loira fez mais uma vítima, novamente enfiara seu punhal no pescoço gorducho do outro. Só então Hyungwon retornou com duas garrafas de vidro.

- Anya, o que você fez? - Perguntou ele encarando o corpo do balconista se debatendo no chão, enquanto alguns jatos de sangue voavam de seu pescoço.

- Ele jogou água em mim, não estou mais ligando para as consequências. Vamos apenas aproveitar que ele já está morrendo, por mais que seu cheiro seja ruim, ele não vai ter sido um completo desperdício.

Portanto o fizeram, o rapaz de cabelos pretos não pareceu relutar em nenhum momento, apenas aceitou a proposta da moça. Ela drenou primeiro, apesar de não muito, seguida de Hyungwon, Anya observou tudo segurando as garrafas para ele, com um pouco de impaciência, balançando os pés. A ação foi feita rapidamente, levaram menos de vinte minutos para terminar, depois voltaram para o automóvel. E antes de subirem, guardaram as bebidas não pagas com cuidado na bolsa, logo após a celeridade tornou a soprá-los.

Os cascalhos da estrada pulavam conforme a borracha dos pneus faziam atrito no asfalto, a lua iluminou o caminho durante todo o percurso. O indicador de gasolina já indicava que o combustível estava acabando, por sorte ou coincidência, foi o suficiente para conseguirem chegar até a estrada do desfiladeiro. Onde deram seu primeiro beijo embaixo daquela chuva gelada que deixava suas roupas encharcadas. Hyungwon posicionou seu pé no chão para manter o equilíbrio, Anya desceu e observou ele colocando a moto no encostamento. Trocaram olhares e como se já realmente lessem a mente um do outro, deitaram no terreno terroso próximo de ali, abriram as garrafas e começaram a beber, consequentemente, os embriagando aos poucos.

- Você acha que temos uma missão na vida? - O rapaz perguntou de repente.

- Isso é relativo a seu ponto de vista - Ele a olhou com uma dúvida estampada no olhar, portanto ela continuou - Quero dizer, podemos ter missões, só que nós fazemos elas. Uns estão aqui para ajudar o próximo, outros para aproveitar a vida, ou encontrar o amor, formar sua própria família... - A voz doce sumiu.

- E qual é a sua missão, Anya? - Demorou um tempo até ponderar suas palavras.

- Não sei, Senhor Chae - Soltou um pequeno arfado - Qual é a sua?

- Acho que já completei ela - Os olhares tornaram a se cruzar - Fazer tanta merda para chegar ao ponto de ser procurado em vários países - Deram sorrisos serenos - Bom... Anya Mikhaylova, vamos dançar agora? - Perguntou se espreguiçando, reunindo forças para levantar, enquanto a moça o olhava confusa.

- Mas aqui não há música.

- Isso não é um problema - Levantou-se do chão e novamente estendeu a mão para ajudá-la - não precisa escutar a música, só precisa senti-la, feche os olhos e faça isso. Só sinta - Ela segurou a mão e foi puxada, a guiara até o meio da estrada.

- Cigarettes After Sex? - Perguntou com a voz gentil quando pararam, já fechando os olhos.

- O que você preferir.

Assim, Hyungwon segurou a cintura de Anya com delicadeza, a mesma voltou a apoiar sua cabeça no peitoral da rapaz, movimentando os pés, não demoraram a encontrar o ritmo perfeito. Era realmente como se ambos escutassem alguma música, melodia, ou qualquer coisa que fosse, pois o ambiente não estava silencioso, por mais que se encontrasse deserto. Em seus ouvidos ecoavam sons suaves, de olhos fechados tudo parecia ser mais simples e sincero.

- Você está escutando? - A loira perguntou.

- Sim - Replicou com um murmúrio.

E involuntariamente eles tornaram a aproximar suas cabeças, como dois ímãs de polos diferentes que se atraem. Os lábios se aproximaram o suficiente para se tocarem de forma carinhosa, assim aconteceu o segundo beijo, quase tão genuíno quanto o primeiro. Mas dessa vez ficaram no rito por mais tempo, sabendo o que iria acontecer dali poucas horas. Em seguida, voltaram a ficar abraçados, e assim permaneceram por vários minutos, apreciando cada milésimo. Inspirando, sentindo o ar a invadir seus pulmões, corações batendo lentamente, arrepios por conta da brisa.

No momento em que cessaram os movimentos, o rapaz desceu sua mão até encontrar a de Anya, entrelaçaram os dedos e sentaram nas pedras. Aguardaram até o sol começar a dar sinais de sua aparição, com o céu ganhando tons variados entre rosa, laranja, amarelo, azul e roxo, era um arco-íris visto por uma outra maneira. Uma visão realmente muito bela para se recordar, ambos se entreolharam ao mesmo tempo, assentiram com a cabeça e se levantaram, sentindo-se quase preparados. Caminharam vagarosamente até onde o veículo estava parado, logo viraram seus corpos, ficando frente a frente.

- Obrigada por tudo, Senhor Chae.

- Eu que agradeço, Anya - Selaram os lábios pela última vez antes de subirem na moto - Pronta? - Hyungwon perguntou direcionando o guidão para o penhasco.

- Não tenho muita certeza, mas acho que sim. - ela respondeu a olhar para a mão do rapaz, por um momento pôde ter o vislumbre de um fio vermelho ligado em seu dedo mindinho. Entretanto Anya não disse ao outro, apenas ilustrou um pequeno sorriso.

- Não precisa mais ter medo, vou te procurar na nossa próxima vida, nem que eu tenha que ir até o inferno, o farei de bom grado.

- Faço de suas palavras as minhas, nós podemos conseguir tudo - E com um sorriso nos rostos, por mais que se sentissem infelizes permanecera estampado - Vou estar esperando - Sussurrou ao mesmo tempo em que segurou mais firme na cintura do rapaz, e como um sopro no vento ele deu partida, sendo levados até o maculável.

Assim a aventura excêntrica dos dois pálidos teve fim, alguns consideram este como um desfecho triste, porém, foi o mais feliz que puderam ter. Afinal, estavam destinados a viverem juntos, mas não naquela vida. 


Notas Finais


E acaboooooou, espero que tenham gostado! ;*
Tenho outras fics, se tiverem interesse para levantar o astral (caso a bad tenha chegado), sintam-se livres para dar uma olhada:

https://spiritfanfics.com/historia/olhe-para-mim-uma-ultima-vez-9182847
[• Kookmin/Jikook • Vida real • JiminBottom •]

https://www.spiritfanfiction.com/historia/sobrevivendo-a-uma-invasao-alienigena-com-taehyung-11051836
[• VHope!Mention • Crack!Fic • OneShot •]

https://spiritfanfics.com/historia/carta-do-futuro-para-hoseok-10066274
[• Yoongi!Centric • OneShot • Yoonseok!Mention •]

https://spiritfanfics.com/historia/mamae-acho-que-eu-gosto-das-duas-frutas-10417424
Uma pequena crônica em homenagem ao dia da visibilidade bissexual!

https://spiritfanfics.com/historia/tao-doce-quanto-pimenta--hiatus-8895116
[• Suga/Yoongi • Romance • Drama •] (está em hiatus, mas estou reescrevendo, então pretendo voltar com ela logo logo.

(BLACKPINK) Amor de Verão [• Jisa/Lisoo • ShortFic • Férias!AU •]:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/amor-de-verao-11127542

Obrigada por lerem, até a próxima! ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...