História Fire demon - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Bia, Castiel, Dajan, Dakota, Dimitry, Iris, Jade, Kentin, Kim, Lysandre, Melody, Nathaniel, Peggy, Personagens Originais, Priya, Rosalya, Violette
Visualizações 5
Palavras 2.287
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Científica, LGBT, Luta, Magia, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Me desculpem pela demora '^^.
UM BEIJO, UMA GOIABA, UM QUEIJO E ATÉ AS NOTAS FINAIS!!!

Capítulo 4 - Um pouco da minha história


~Pov Cassandra~

Chegando em casa, eu fui direto tomar banho e trocar de roupa, eu só queria dormir até o próximo dia, mas eu sabia que as coisas não seriam tão fáceis assim, pouco tempo depois painho me chamou para conversar, eu sei que o Ren tinha contado pra ele e eu também sei que painho notou os machucados no rosto dele:
Haru- Cassy, eu já não te disse antes que é pra você não usar a violência para proteger seu irmão?- Ele disse aquilo calmo, mas eu sabia qual é o seu tom de reprovação.
Eu- Hai...- Respondi baixinho.
Haru- "Suspiro" Filha, eu odeio brigar com você, mas você sabe que eu irei ter que te castigar, não é?- Eu assenti com a cabeça- Você vai recomeçar as aulas de judô- Eu olhei pra ele surpresa.
Eu- Mas pai!- Tentei argumentar com ele, mas ele me cortou.
Haru- Sem "mas" Cassandra, se você não aceitar eu irei fazer aquilo lá- Eu olhei pra ele paralisada.
Eu- NÃO, aquilo não!- Exclamei desesperada- Ok, ok, eu aceito fazer judô, mas por favor, encontre alguém que não seja entediante.
Ele olhou pra mim com seus olhinhos brilhando e assentiu com a cabeça, é melhor fazer judô do que aquilo, vocês devem estar curiosos em relação a "O que é aquilo?", então, senta que lá vem história.
Diferente do meu pai e do meu irmão, eu sou um demônio, mas os dois sabem e por isso tendem a ficar muito preocupados com a minha falta de controle sobre a raiva (Pois mesmo que eu tenha vivido com humanos desde os meus 5 anos, as minhas emoções são mais difíceis de controlar, pois eu teria que ser teoricamente um demônio de batalha, e nós somos ensinados a não ter piedade em guerras), então quando eu tinha 8 anos, o inesperado aconteceu, eu acabei me descontrolando mais que o normal e eu acabei entrando em combustão espontânea (Ou seja, eu peguei fogo), aquilo foi um choque para todos os presentes, ainda me lembro como se fosse ontem.
                                                                                                  ~Flashback on~
Eu só tinha 8 anos na época, eu ainda não sabia controlar pelo menos o básico, eu e meu irmão fomos convidados para uma festa de uma garota da minha primeira antiga escola, ela era muito mimada e idiota, mas meu pai disse que se eu estava convidada, o mínimo que eu poderia fazer é dá os parabéns e dá um presente, se ela aceitasse ou não, problema é dela.
Chegando o dia, eu e meu irmão entramos na casa dela, era uma festa exagerada com um monte de criança que pareciam ser ricas, enfim, fomos direto botar o presente com os outros:
Ren- Onee-chan- Ele me chamou com uma voz tensa.
Eu- Sim Ren?- Perguntei a ele.
Ren- É que...- Ele começou a falar meio exitante- Eu não acho que a Shion nos convidou de forma... Amigável, eu acho que ela está planejando algo contra a gente.
Eu- E você acha que eu não sei?- Respondi em voz baixa- Por isso teremos que ser bem cautelosos, não se afaste de mim, ok?-Ele só assentiu com a cabeça.
Fomos para um canto da festa e ficamos conversando até dá a hora do parabéns. Depois de darmos o parabéns, Shion foi abrir os presentes, todos os presentes dela foram caros, exceto os nossos (Era uma receita que nosso pai sempre faz para os nossos aniversários, então ele achou que seria uma boa ideia mostrar para outras pessoas), mas pelo visto o superficial é mais importante do que algo feito com carinho e amor.
Shion- HAHAHHAHAHAHA! UMA TORTA? TINHA QUE SER PRESENTE DE POBRE!- Ela falou aquilo tão alto que todos escutaram.
Todos começaram a rir de nós, e aquilo nem foi tão ruim quanto o Ren sair correndo pro banheiro, agora eles tão pedindo pra levar uma porrada, eu comecei a dá na cara de uma garota perto de mim, depois de perceberem o que eu fiz, quase todos se afastaram, exceto 4 garotos.
Eu fiquei tão ocupada lutando com eles que eu não tinha percebido que um garoto entrou no banheiro, e foi ali, naquele banheiro, que aconteceu um dos atos mais horríveis que um ser humano pode fazer, meu oni-chan tinha sido abusado. Percebi tarde demais, e aquilo custou a virgindade e auto-estima do meu irmão, eu não me lembro do que eu fiz exatamente, mas imaginem a seguinte cena: Uma casa completamente incendiada, com várias pessoas mortas no chão (Crianças e adultos), meu irmão ao redor de cinzas, pessoas olhando horrorizadas para mim e para a casa.
Eu estava na minha forma de demônio, eu quase tinha perdido completamente o controle (Pois se realmente eu tivesse perdido o controle, teria dado mais merda), só depois de meu irmão tocar meu rosto gentilmente que eu acordei. Eu rapidamente voltei a minha forma humana, a única coisa que eu pensei naquele momento foi "Ferrou de vez", eu não podia fazer com que todos esquecessem sobre o que havia ocorrido, não tenho esse poder, então o medo de ter que retornar pro meu reino começou a florescer.
Eu abracei desesperadamente o meu irmão, eu estava com medo, medo deles me acharem e me levarem de volta pro meu local de origem. Eu não me lembro de muita coisa depois, só lembro de um homem de olhos lilás tocar na minha testa, e eu apaguei.
                                                                                                      ~Flashback off~
E depois que isso aconteceu, painho me fez passar por um "teste" que consiste em: Eu ter que nadar em LAVA e tentar controlá-la, e sem fazer o vulcão entrar em erupção. Foi um puta de um treinamento que durou 4 meses, e isso foi lá no meu local de origem, ou seja, os vulcões eram bem mais poderosos e perigosos, ou seja, a pressão era muito maior.
Eu sabia que ele não estava falando de lava, e sim de ÁGUA, MEUS FILHOS, VOCÊS TÊM NOÇÃO DO QUANTO ISSO É MAIS PERIGOSO PRA MIM DO QUE PARECE?
Eu sou um demônio de fogo, e água é uma coisa meio perigosa pra mim quando estou na minha forma de demônio, e até mesmo quando eu estou na minha forma humana é perigoso, a minha pele queima e parece que eu vou morrer, eu fico derretendo se não me controlo, então água não é uma opção.
~Quebra de tempo~
Depois de ontem, eu duvido que aquelas pessoas queiram ser nossos amigos, acho que estraguei mais a vida social do Ren... Enfim, eu e ele nos trocamos e fomos pra escola (Dessa vez na minha moto). Quando chegamos lá, todos olharam pra nós, eu já sabia que isso ia acontecer então só ignorei, mas meu irmão parece incomodado.
Seguimos direto pra sala e sentamos nos nossos lugares, esperamos o sinal tocar enquanto conversávamos sobre Grey's Anatomy. Os alunos que entravam nos encaravam como se estivesse julgando a MIM, por quê a mim se aquela loira oxigenada foi que começou aquela merda toda? As vezes eu não consigo entender os humanos.
A aula começou "normal", exceto o fato de que eu sentia olhares em mim o tempo todo, se a gente não tivesse na aula eu com certeza teria mandado eles tomar no orifício anal. As 3 primeiras aulas acabaram e o sinal do intervalo tocou, chegando lá no refeitório, os olhares ainda estavam sobre nós.
Eu já estava começando a ficar puta, mas os sussurros sobre nós quase me fez puxar o gatilho, porém eu devo ficar sã pelo meu irmão e meu pai. Fomos rapidamente pegar nossa comida pra darmos o fora, mas parece que certa pessoa desagradável não vai me deixar em paz:
Loira oxigenada- Você acha que vai escapar pelo que fez ontem?- Ela começou com uma voz de desprezo- Ninguém mexe comigo e fica salvo!
A única coisa que eu fiz foi olhar pra ela de relance e sair com uma puta vontade de dar um soco nela.
Loira oxigenada- AAAHHH! Vai fugir, é? Não parece tão corajosa como ontem quando quase me sufocou!- A voz da razão na minha cabeça quase está desaparecendo- Só por causa de um garoto que não consegue se defender, ele nem deveria ser considerado um, ele está na altura de um verme.
Sabe quando você tá com muito ódio e te dá um branco? Foi desse jeito que eu me senti agora. Acho que se não fosse pelo meu irmão, eu teria dado um soco nela, mas ver a cara de medo dela já foi o suficiente pra eu me sentir bem e parar de sentir aquele ódio todo. A loirinha ia falar alguma coisa, mas aquela garota de cabelo branco apareceu na nossa frente:
???- Ambre, já chega! Ninguém está com paciência para ouvir as suas reclamações, Cassandra teve todo o direito de ficar brava com você, ela só reagiu de modo errado- Ela tá me defendendo?- Eu sei que ela pode ser alguém legal, é só ver como ela age com o irmão, nunca vi alguém olhar com tanto carinho assim pro próprio irmão...- Ok, ela está me defendendo- Eu acho melhor você sair do refeitório, ninguém te quer aqui.
Eu olhei pros lados e percebi que todos olhavam perplexos e até pensativos pelo que a garota disse. A tal de Ambre simplesmente olhou para ela e saiu do refeitório junto com outras duas garotas, eu olhei para aquela garota surpresa, mas ela simplesmente me deu um olhar amigável:
???- Eu sei que vocês não parecem muito confortáveis em público, mas que tal por hoje vocês se sentarem com a gente?- Ela falou aquilo enquanto nos olhava diretamente nos olhos, algo estranho- Se não se sentirem bem, podem comer fora do auditório, mas se não, terão que sentar com a gente sempre!
Eu e Ren nos olhamos, eu o perguntei mentalmente se ele quer aceitar, trocando mais alguns olhares, decidimos que sim. Quando a gente falou que sim, a garota ficou tão animada que meu irmão segurou meu braço assustado.
Pegamos nossos pratos e seguimos ela até uma mesa com aquele loirinho e mais algumas pessoas:
???- Gente, como vocês já sabem, eles são Cassandra e Ren- Ela começou a falar nos apresentando- Eu me chamo Rosalya, eles são Nathaniel, Castiel, Armin, Alexy, Iris, Bia, Kim, Violetty, Melody e Lysandre.
Eles- Prazer!- Eles falaram nos olhando curiosamente.
Eu- Oi- Falei, tentando ser o mais suave possível
Ren- O-oi...
Nos sentamos nas cadeiras vazias e eles começaram a conversar. Vez ou outra alguns puxavam assunto conosco, mas eu normalmente ficava conversando com o Ren, até que a manga do meu casaco caiu um pouco e Kim viu uma parte da minha tatuagem:
Kim- Tatuagem maneira, é do quê?- Ela falou aquilo e todos olharam para mim.
Eu fiquei paralisada, meu cérebro bugou, até que eu tive a "brilhante ideia" de tirar meu casaco. Eles só viram a tatuagem dos meus braços e já estão surpresos, imagina a da minha costa:
Alexy- INCRÍVEL!!! Ficou muito bom em você!- O entusiasmo em sua voz me assustou.
Rosa- Que bração, ein?- Falou maliciosa, me deixando estranhamente envergonhada.
Nath- Como os seus pais deixaram? Os meus iam me matar...- Ele falou com um tom um pouco triste, mas parece que eu fui a única à perceber.
Cas- Tu tem um ótimo gosto- Não é o que a maioria das pessoas pensam, mas tudo bem.
Íris- É verdade que parece ser bem a sua cara, mas o que significa?- Ela me perguntou genuinamente curiosa.
Eu- Bem... Eu não sei explicar muito bem, mas tem a ver com criaturas sobrenaturais- Comecei a explicar um pouco tímida- Eu não sou do tipo que ler romance, eu sou mais do tipo terror, suspense, sobrenatural e mitologia, então eu normalmente uso ou faço algo que tenha a ver com o que eu gosto,- Até que tô fluindo bem- Essas tatuagens seriam a representação de uma... Guerra e união, o lado direito é a guerra e o esquerdo a união,- Esse é o meu nível de simplicidade, aplausos pra mim- Tá cheio de metáforas e significados, então para entender essa tatuagem tem que olhar com atenção.- Eu pensei que eles iriam olhar desinteressados pra mim quando eu terminei de explicar, mas eles pareciam bem mais curiosos.
Eles começaram a nos perguntar um monte de coisas relacionadas a nós, o Japão e a gostos pessoais. Foi uma conversa descontraída que fez eu e o Ren ficarmos confortáveis (Ren não falou gaguejando, o que é incrível), mas o sinal dos infernos teve que tocar e acabar com o momento.
Depois de 2 aulas de Ciências (Professora meio chata, tenho que dizer) e 1 de Geografia, ficamos livres desse inferno disfarçado de escola. Estávamos prestes a ir embora quando a Melody nos chamou:
Melody- ESPEREM!- Ela parou de correr quando chegou perto de nós- Eu só queria saber se vocês estão livres semana que vem, no sábado.
Ren- Bem... Sim, nós estamos, mas porque?
Melody- É que sábado é meu aniversário, e eu vou fazer uma festa do pijama, e se não for incômodo...
Nós nos entreolhamos surpresos, era a primeira vez que alguém nos convida para uma festa do pijama:
Eu- Não é incômodo não, não temos realmente nada pra fazer no próximo sábado, então não à problema.
Ela nos deu um sorriso gentil e falou seu endereço. Depois de conversamos um pouco, painho chegou e tivemos que ir embora, hoje não foi tão ruim quanto eu imaginei, estranhamente estamos fazendo... Amigos? Não sei se devemos chamar assim, e essas pessoas não parecem tão ruins assim, são até que bem diferentes umas das outras (Principalmente o Castiel e o Lysandre, até agora não entendi como eles se tornaram amigos), acho que vai ser um ano bem interessante.


Notas Finais


UM BEIJO, UMA GOIABA, UM QUEIJO E TCHAU!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...