História Five Days - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Visualizações 3
Palavras 1.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - O n e d a y


 Estava sentado ao seu lado, o observando dormir serenamente na maca do hospital. Depois do ocorrido à um dia atrás, ele passou a perder muito sangue e tinha que ser socorrido imediatamente.

  Gostaria de saber, o que ele pensa e o sobre o que ele passa. Jeongguk sabe que eu o amo com toda a certeza do mundo, então por quê? Por que querer tanto me deixar sem me dar respostas, sem saber exatamente dos motivos para tudo isso?  

Ele não poderia ser egoísta, eu muito menos. Sei que o mais novo passa por algo conturbado, família é um dos motivos, mas ainda assim queria saber mais. Ele não me contaria e não seria hoje ou amanhã que vai me contar. 

  Não conseguia imaginar minha vida sem ele, estávamos juntos à 3 anos. Ele sempre me contava as coisas e agora se fechou tão de repente comigo, sabia dos problemas psicológicos que enfrentava, por isso fazia questão de acompanhá-lo no psicólogo toda quarta-feira. 

  Meus pensamentos são interrompidos pelo mais novo, estava acordando aos poucos e agora me fitava meio grogue.

 — Está aí à muito tempo? - Jeongguk me questiona sentando-se na maca e recostando-se na almofada. 

 — Passei a noite toda em claro o observando, e me perguntando o que eu poderia fazer para acabar com tudo isso... - minha fala morre aos poucos, fito o chão perdido em pensamentos, eu era assim. Começava a divagar e a resolver problemas internos silenciosamente, deixando as pessoas de fora meio irritadas.  

Jeongguk pega minha mão, fazendo minha atenção voltar à ele. Sorriu fraco olhando em meus olhos, querendo me dizer que está tudo bem e que não deveria me preocupar. Ele fazia isso sempre quando acabava na cama do hospital e eu sempre sei que não está tudo bem, sempre vai acabar do mesmo jeito, não importando quantas vezes ele diga que está bem.

 — Não Jeon, não está nada bem. - solto minha mão da sua e me levanto da cadeira, me afastando do garoto que habitava todos os meus pensamentos nas últimas 48 horas, senão, desde que eu o conheci. 

 — Vou ficar bem, você lembra do que eu falei certo? - me viro para ele, o olhando pasmo. Se lembrava como se ele tivesse acabado de pronunciar a frase mais aterrorizante da minha vida, não estou exagerando quando se trata do amor da minha vida, me dizendo aquelas terríveis palavras, na frase que antigiu meu peito como uma facada afiada e em chamas. — Sei que vai conseguir, TaeTae. - sorriu para mim, de uma forma tão adorável, mas tão triste, e o ar do hospital não ajudava nem um pouco das coisas se amenizarem. 

 — Não importa o que aconteça, saiba que eu te amo muito. Sou capaz de tudo pra ver um sorriso nesse seu rosto lindo. - sento na cadeira novamente na cadeira segurando suas mãos delicamente, até porquê seus braços estavam costurados. 

  Não sou capaz de pensar em mais nada. Sentia seus doces lábios nos meus, como um pedido de socorro, mas ainda assim transmitia amor e afeto, o tipo de beijo que ele sempre me dava. Terno, dócil, com alguma mensagem através, que eu só conseguia adivinhar pelo tipo de situação que sempre nos encontrávamos. 

 — Eu acredito em você. Eu também te amo muito, hyung.                                 

  ×××× 

  Jeongguk tinha dado alta no mesmo dia à tarde. Seus braços estavam melhores, mas ainda ardiam, segundo ele. Para compensar os dias no hospital, estava levando o garoto para um starbucks. Seu lugar preferido. 

 — Hyung, eu quero um capuccino cheio, cheio de creme. - o mais novo falava aquilo com tanta animação que parecia uma criança. Como eu amo esses momentos. 

 — Claro, amor. - sorrio para ele, entrando no estabelecimento e indo em direção ao balcão, pedindo pro mais novo sentar em um banco ao meu lado.  

Havíamos feito o pedido, a garçonete já tido entregado seu capuccino cheio de creme e meu simples capuccino normal. Via o garoto ao meu lado se divertir com o creme, quando o mesmo formava um bigodinho em cima dos seus lábios superiores.  

Como eu queria que esses momentos se extendessem para sempre...                              

××××  

Pensava nas palavras do dono de minhas preocupações e incertezas, o Jeon nunca brincava com coisas sérias. E aquilo ultrapassava o termo seriedade. Pensava em coisas que podiam ajudar meu garoto à encontrar algo que pudesse o mudar de ideia. Já que esse algo não poderia ser um alguém, no caso eu.

 — Amor! - Jeonggukie me chama de meus devaneios, estava ainda mais perdido em pensamento do que já estive antes. — Hyung, está pensando naquilo de novo? Sabe que não gosto quando fica assim. 

 — Então por quê me disse aquilo? Sabe que jogar aquelas palavras na minha cara não me deixaria mais relaxado, não é? - falo já um pouco irritado, como Jeongguk queria que eu parasse de pensar naquilo que me disse? Parar de pensar em algo que poderia salvar sua vida?

 — Eu passo por problemas. Hyung, às vezes nós não conseguimos aguentar tudo que a vida prepara pra gente. E eu não aguento mais, entende? - o olho com os olhos já um pouco marejados, de raiva, tristeza e principalmente culpa. 

 — Ainda não falou o porquê me disse aquilo. 

 — Porque como qualquer pessoa, eu tenho esperanças, mesmo que pequenas. E você é a minha, sei que vai conseguir me deixar o máximo feliz possível e assim poderemos viver a vida, mesmo que um pouco perturbada, por minha parte. - ele fala aquilo com tanta convicção, ele não deveria confiar tanto assim em mim. 

 — Não jogue tudo isso pra mim, no final, não sei se vou conseguir. Jungkook, olha pra mim. - encaro seu par de olhos negros intensamente, querendo despejar todo o sentimento através de minhas próximas palavras. — Se você morrer, pode ter a total certeza, que morrerei junto. 

  E assim em anos, sou capaz de ver uma única lágrima escorrer de seus olhos.


Notas Finais


espero que estejam gostando, favoritem ou comentem pra eu saber, please 💞💞💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...