1. Spirit Fanfics >
  2. Five Nights at School >
  3. Passeio em família.

História Five Nights at School - Capítulo 71


Escrita por:


Notas do Autor


Olá! Tudo bem com vocês? Bom, aqui está mais um capítulo da madrugada... pois eu estou bem adiantado com os capítulos de FNaS pro finalzinho do mês que está acabando. Enfim...

Boa leitura! Divirtam-se! Avisem qualquer erro e é "nóis"! o/

Capítulo 71 - Passeio em família.


Fanfic / Fanfiction Five Nights at School - Capítulo 71 - Passeio em família.

 ~Ponto de vista do Freddy~

Estava lendo um livro na cozinha, e agora vem à sua mente a seguinte pergunta: o dia tem que estar extremamente entediante para o Freddy ler um livro, certo? Pois é! Eu, Frederick FazBear, não sou um menino que se interessa muito por livros, sou uma pessoa que prefere viver perigosamente.

Porém, o grupo do Toy Freddy desapareceu da mansão! Chica, Bonnie, Mangle e Foxy saíram, eles estão com essa mania de saírem juntos como se fosse um encontro de casais sem o Foxy realmente namorar a Mangle. Também tem o trio especial dos seres estranhos, Shaddy, Plush e Shadow Bonnie, estes devem estar brincando com o Davy Jones no quintal.

Ouvi o barulho do portão abrindo e fui correndo ver quem era. Normalmente eu não me empolgo com esse tipo de coisa, mas hoje o dia está tão chato que qualquer coisa pode animar-me! Cheguei à sala de estar e vi o meu irmão mancando, ele ainda não estava totalmente bem, mas já conseguia andar sem o uso de muletas.

– Golden! – Gritei animado e corri em sua direção para abraçá-lo.

– Olá, Freddy! – Ele retribuiu o abraço.

– Não me diga que você veio sozinho do hospital até aqui! – Perguntei e separei-me do abraço.

– Lógico que não, bobo! Minha mãe trouxe-me de carro. – Golden falou sorrindo e a minha mãe entrou na sala em seguida. – Já vou avisando que hoje ela está inspirada. – Golden disse e eu arregalei os olhos.

– Tchau! – Gritei, estava pronto para sair correndo, mas minha mãe segurou-me pelo braço. – Não! Tarde demais! – Berrava desesperado enquanto Golden apenas observava a situação.

– Pare de escândalo, Frederick! – Minha mãe falou, logo parei de debater-me. – Rapazes, eu sei que o podemos fazer hoje! – Minha mãe disse com um largo sorriso.

Às vezes minha mãe endoida e obriga Golden e eu a fazermos coisas do tempo dela ou, em alguns casos especiais, do tempo paleolítico!

– Podemos pescar! – Minha mãe exclamou sorrindo, Golden e eu entreolhamo-nos desesperados.

– Eu acho que eu prefiro jogar vídeo-game mesmo. – Consegui fazer com que a minha mãe soltasse-me. Sentei-me no sofá e liguei o console.

– Eu também! – Golden exclamou e sentou-se ao meu lado, em seguida, pegou um controle.

– Hoje não, mocinhos! Vocês quase não saem mais de casa! Estão muito distraídos com a tecnologia! – Minha mãe simplesmente desligou o vídeo-game e arrastou Golden e eu até o carro.

– Quase não saio mais?! Eu sou a pessoa que mais tira a bunda do sofá nesta história inteira! – Exclamei irritado. – Bonnie, Chica e Foxy sempre escapam das piores aventuras. – Disse cabisbaixo e Golden assentiu. – É culpa do romance! Malditos sejam! – O gritou ecoou pela mansão inteira. Nossa mãe jogou a gente para dentro do carro.

– Acabei de voltar do hospital e estou sendo tratado dessa forma. – Golden disse sério e cruzou os braços. Minha mãe entrou no automóvel e ligou-o.

– Estou irritado! – Abri a janela. – O Bonnie e a Chica não desgrudam um do outro, isso é uma merda! Algo me diz que o Foxy ficará exatamente assim com a Mangle, grudado nela! Eu odeio esses casais que esquecem de seus amigos assim que oficializam o namoro! – Coloquei minha cabeça para fora do carro e gritei.

– Pare de gritar, Frederick! – Minha mãe retrucou brava.

Após sermos obrigados a ir pescar com a nossa mãe, restava a nós somente esperar o carro chegar ao nosso destino, ou seja, o pesque e pague.

~Cinquenta minutos depois~

– Chegamos, crianças! – Minha mãe disse e saiu do carro, resolvi olhar o local pela janela e só consegui ver um rio.

– Mãe, algo me diz que isso não é um pesque e pague. – Falei desconfiado e saí do carro junto com o meu irmão.

– E não é! Nós pescaremos neste rio mesmo, sem o auxílio de um pesque e pague ou coisas do tipo! Nós fazemos tudo de forma natural, meninos! – Minha mãe disse sorrindo, Golden e eu voltamos ao carro correndo (e mancando). – Tratem de sair desse carro ou ficarão de castigo por duas semanas! Estão ouvindo? – Minha mãe gritou, Golden e eu saímos do carro correndo (e mancando).

– Às vezes ela realmente fica descontrolada. – Golden disse enquanto caminhávamos em direção a ela.

– Concordo. – Respondi cabisbaixo.

Chegamos perto de nossa mãe, ela estava na beira do rio, havia um sorriso grandioso em sua expressão. Percebi que ao lado dela havia diversos equipamentos: três varas de pesca, um pote de iscas (que não eram minhocas) e uma canoa.

– Ela parece mais feliz do que a Chica quando começou a namorar o Bonnie. – Sorri de canto e Golden suspirou.

– Sally, você sabe que é tarde. – Golden disse em um tom de deboche. – Mas não olhe para trás com rancor. – Eu ouvi ele dizer (Autor: Referência que poucos vão pegar!).

– É complicado! Continuo imaginando que poderia ser eu divertindo-me com o Foxy e a Chica nesse instante! – Exclamei inconformado. – Além de estar comendo alguma coisa gostosa no shopping. Por que ela preferiu o outro? – Ajoelhei-me no chão.

– Ao invés disso está aqui comigo no meio do nada. – Golden disse.

– Exatamente! – Estava quase chorando.

– Aliás, mãe, o que você vai fazer com este equipamento? – Golden referiu-se à canoa.

– É óbvio! Vamos colocá-la em cima de uma árvore! – Ela respondeu, Golden e eu ficamos confusos. – É mentira, bobos! É claro que colocaremos ela sobre a água para entrarmos e conseguirmos ficar na região central do rio, onde há vários peixes. – Ela disse, Golden e eu olhamo-nos.

– Mãe, eu não queria dizer nada, mas parece que choverá em breve. – Golden disse observando o céu. Realmente, havia dezenas de nuvens e o céu estava completamente cinza.

– Chuva?! Que chuva, moleque?! Está um baita sol! – Minha mãe exclamou. De repente, as nuvens afastaram-se umas das outras, revelando um céu azul e uma forte luz solar que iluminou o rio inteiro.

 – Puppet ficaria com inveja desse poder. – Observava o lindo céu azul.

– Poder? Não é poder, filho! É a mãe natureza! Vamos pescar! – Minha mãe colocou a canoa sobre o rio, em seguida, deu uma vara de pescar ao meu irmão e outra vara de pescar para mim.

– O autor deve odiar-me. – Golden falou enquanto entrávamos na canoa. – Primeiro capítulo que eu volto e isso acontece! – Suspirou e revirou os olhos.

– Nem reclame, Golden! Se você soubesse pelo o que eu passei enquanto você tava no hospital. – Falei irritado e ele calou-se. – Então, mãe, quando iremos embora? – Perguntei, pronto para lançar o anzol ao rio.

– Vamos embora quando todos pescarem pelo menos um peixe. – Minha mãe disse e viu que eu estava pronto para lançar o anzol. – Calma! Ainda não! – Ela berrou, assustando Golden e eu. Resultado? Eu e meu irmão caímos da canoa e fomos direto ao rio, que estava gelado para caralho!

– Frio! Frio! Frio! Frio! Frio! – Golden e eu tentávamos desesperadamente subir na canoa de novo.

– Pronto! Se acalmem! – Minha mãe ajudou-nos a sair do rio gelado.

– Frio! Frio! Frio! – Golden e eu continuávamos tremendo por causa da água gelada, eu, por exemplo, não parava de esfregar uma mão na outra.

– Voltando ao assunto, eu só queria avisar a você que se deve colocar a isca no anzol antes de lançá-lo ao rio. – Minha mãe disse e apontou para o pote de iscas.                

Depois que Golden e eu aquecemo-nos, não o suficiente para estarmos quentinhos, mas o suficiente para conseguirmos concentrar-nos em outras coisas, pegamos nossas varas de pesca, colocamos a isca no anzol e lançamos-o ao rio.

– E agora, mãe? – Perguntei entediado.

– Apenas aguardar. – Minha mãe respondeu, Golden e eu calamo-nos, esperávamos que algo acontecesse.

~Três horas depois~

Aquilo estava extremamente chato! Golden e eu estávamos na mesma posição há horas e nada acontecia! Entretanto, após muita espera, o meu anzol começou a ser puxado por alguma coisa, fiquei desesperado e comecei a puxar a vara de pesca em minha direção.

– Fisguei! – Gritei animado, sem parar de puxar a vara de pesca.

– Ótimo! Vamos sair logo daqui! – Golden exclamou e começou a ajudar-me. Conseguimos puxar o peixe para dentro da canoa, ele não era nem muito grande e nem muito pequeno, era um tamanho intermediário.

– Que legal! Vamos embora! – Peguei um remo e comecei a remar em direção à superfície.

– Não! O Golden ainda não conseguiu pegar um peixe! – Minha mãe pegou o remo de minha mão e, por descuido, deixou ele cair no rio.

– Não! O remo! – Gritei enquanto o remo boiava na água.

– Mãe, já são quase seis horas! Vamos sair logo daqui! – Golden disse sério e minha mãe suspirou.

– Tudo bem, mas só dessa vez. – Minha mãe respondeu e começou a procurar algo. – Cadê o remo? – Restou-me somente apontar para o remo boiando no rio.

– Você tomou ele da minha mão e fez o único remo cair no rio! Satisfeita? – Perguntei olhando para a minha mãe, que ficou pensativa.

– Na verdade , não! Contudo, acho que conseguiremos nadar até a superfície se for preciso. – Ela disse séria.

– Nem fodendo! – Golden e eu encolhemo-nos no canto da canoa.

– Vamos, meninos! Não eram vocês que se intitulavam aventureiros? – Minha mãe simplesmente agarrou Golden e eu pela gola da camisa e lançou-nos ao rio.

– Meu passado me condena! – Gritei desesperado.

– Eu amo esse filme! – Golden gritou enquanto nadávamos em direção à superfície.

– Não estou falando do filme! Estou referindo-me ao meu próprio passado! – Berrei e, finalmente, cheguei à superfície.

– Entendi. – Golden deitou ao meu lado, estávamos ofegantes de tanto nadar. – Cadê a nossa mãe? – Ele perguntou confuso.

– Não é ela ali? – Quando percebemos, nossa mãe já estava entrando no carro. – Como ela chegou ao carro tão rápido? – Perguntei e levantei-me do chão.

– Eu sou uma ninja! – Ela respondeu e Golden e eu trocamos olhares. Entramos no carro sem nos importarmos com a canoa, iscas e varas de pesca que estavam sendo deixadas para trás.

– Imagina que incrível se o carro quebrasse agora e a gente ficasse preso na floresta. – Falei pensando na situação.

– Não seria incrível! – Minha mãe disse e tentou ligar o carro, mas não conseguiu. – Que droga de carro! Liga! – Ele tentava ligar o automóvel, mas nem uma de suas tentativas funcionaram.

Após mais algumas tentativas frustradas, percebemos que havia fumaça saindo do capô do carro.

– Corram! – Gritei, abri a porta do carro e saí correndo. Minha mãe e Golden seguiram-me.

Desesperado, corri por minha vida e joguei-me no chão, meu irmão e minha mãe fizeram o mesmo. Após isso, o carro explodiu, os dois ficaram encarando-me.

– Imagina que incrível se o Freddy fosse um boca santa filho de uma... – Golden parou de falar assim que percebeu que nossa mãe olhava torto para ele. – Pessoa linda! – Forçou um sorriso. – E agora? O que faremos? – Perguntou sério.

– Agora fodeu, meu irmão. – Respondi.


Notas Finais


Pergunta do capítulo:
Vocês já foram pescar alguma vez?

Até <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...