1. Spirit Fanfics >
  2. Fix You >
  3. Luhan era inseguro

História Fix You - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiramente... Oii gente! Good Night!
Hoje era pra ser o especial de Natal mas não vai ser.
Motivos: O especial ficou melhor para o final da fic no ano que vem.

Então hoje teremos a continuação normal com um toque de véspera de Natal pra não perder a graça.

Segundo.
Vai ter alguns erros, não me culpem... Está insuportavel escrever pelo google docs, ele apaga coisas que não deve apagar e cria palavras que eu nn escrevi.
Ta horrível.
Me desculpem ta?
Boa leitura bebes

Capítulo 3 - Luhan era inseguro


Depois de se formar aos dezenove anos, Luhan conseguiu seu primeiro emprego em uma empresa de advocacia famosa e bem sucedida de Seul. Han sempre foi um garoto promissor, dotado de inteligência e persistência, o que conquistou a todos os acionistas e clientes que lhes foram apresentados. Nesse meio termo, ele conheceu Kim Jongin, um homem bonito e robusto, sócio e vice diretor da empresa em que trabalhava, em pouco tempo se tornaram grandes amigos. Entretanto, como resultado da vasta aproximação, se apaixonou antes que pudesse perceber.


— então… — Luhan sentou-se ao lado de Jongin, estava sério e sem graça diante da situação. — vocês dois estão morando juntos desde o desastre?


Após o vergonhoso flagra de Luhan, kim supôs que o melhor era contar toda a história para o mesmo; Sehun não estava indo com a cara do garoto mas preferiu não ser antipático. 


— Yes! — Oh exclamou, sentou-se na poltrona e cruzou as pernas. — digamos que o Hyung foi meu herói… — riu, demonstrava um olhar de confiança e superioridade.


— uhum, provavelmente eu estava louco quando decidi trazer esse encosto pra cá — retrucou Jongin, ao piscar o olho de forma casual para Luhan.


— O que você quer dizer com isso, idiota?! — gritou Sehun, jogando o travesseiro no rapaz.


Apesar de tudo, Luhan estava com ciúmes de Sehun, pois, ao olhar para os dois, sentiu que nunca teve chance de ganhar o coração de Jongin. Pensamentos como esse martelavam em sua cabeça, e ele se sentia egoísta por isso; Kim parecia tão feliz, mas não era por sua causa.


— entendo… — Luhan murmurou, os dois garotos guiaram sua atenção para o mesmo. Cabisbaixo, Ele sorriu e apertou uma das almofadas com força para conter seus sentimentos. — então chegou a minha hora de ir. — se levantou com um sorriso forçado, ajeitou sua roupa dando dois tapinhas no short para tirar a poeira.


— An? Mas já? — Sehun indagou. Mesmo não gostando muito do garoto, sua presença não o incomodava.


— estamos assistindo um filme, não quer ver com a gente? — Jongin se aproximou, pôs a mão sob o ombro do rapaz e sorriu.


Luhan negou ao balançar sua cabeça de um lado para o outro, sinceramente, so sentia vontade de escapar o mais rápido possível daquele lugar. — Obrigado, mas eu preciso ir. — se apressou ao pegar as sacolas que estavam em cima do balcão, deu de costas para os dois e saiu quieto pela porta da frente.


Sehun bufou, havia entendido a reação de Luhan, mas tinha certeza que Jongin era lerdo demais para ver o que tinha acabado de ocorrer na frente de seus olhos. 


— Eu não entendi nada...


— você nunca entende nada…. idiota — Sehun lhe interrompeu, caminhando até o sofá, deitou inconformado e voltou a assistir. 

Jongin, sentiu-se aflito, mas naquele momento não saberia como reverter aquela situação, ainda mais quando não entendia o motivo de tal confusão.


Fix You.

Capítulo III: Luhan era inseguro.


Pela primeira vez em séculos, Sehun sentiu vontade de escapar daquele luxuoso apartamento fechado para ir às compras sem a presença um tanto incômoda de Jongin.  Não se lembrava da última vez que comprou para si mesmo uma roupa decente para se vestir; estava tão acostumado a usar algumas peça velhas de Kim que acabou por esquecer a sensação de ter algo novo e seu para usar.


Mesmo com a persistência de Jongin ao tentar lhe convencer a pegar alguns trocados emprestado, Sehun se recusou do início ao fim, afinal, nunca se sentiu bem em usar dinheiro dos outros. 

O menor logo lembrou de uma pequena quantia guardada no banco, a qual sempre guardou caso houvesse a chance de ser demitido ou chegasse a perder a sua casa e tivesse que hipotecar.


— é pra ironizar? — murmuro, ao entrar em uma loja de calçados. 


Já se passavam das 10:30 da manhã, a movimentação do Shopping estava assustadoramente agitada, era de se esperar na véspera do natal. As pessoas se esbarravam uma nas outras, eram roubadas no meio da multidão furiosa, discutiam e gritavam como animais sedentos por sangue; Sehun observava tudo pelo lado de dentro da loja e percebia que nada havia mudado depois de ter se exilado do mundo. As pessoas ainda agiam como animais.


— posso te ajudar, senhor? — um funcionário aproximou-se com um par de sapatos em suas mãos.


— Ah, claro… — Sehun virou para o belo rapaz robusto que havia lhe dirigido a palavra tão formalmente, sentiu-se surpreso ao ver quem estava parado diante de si. — você não é aquele garoto de ontem? Luhan?


O homem bufou, certamente aquele encontro estava longe de fazer parte de seus planos. Mas afinal, Sehun estava curioso, o que poderia fazer um rapaz que trabalhava na mesma empresa que jongin conseguir um trabalho de meio turno como um atendente em uma loja de sapatos qualquer.


— S-im, em que posso ajuda-lo? — Luhan indagou.


— Você esta bem? — Sehun insistia.


— E-stou sim… Em que posso ajuda-lo?! — retrucou Luhan, dessa vez uma gota de suor escorreu em seu rosto, seus olhos faziam uma espécie de sinal para que Oh olhasse para o lado esquerdo do local.


Sehun esteve confuso até perceber um rapaz encostado na parede, ele usava uma roupa diferente dos outros funcionários e em seu crachá estava escrito "supervisor". Supôs que aquele era o motivo da inquietação de Luhan, então sorriu e assentiu. 


— Estarei naquele restaurante bem ali — Sehun apontou para o outro lado do Shopping. — venha quando acabar, eu pago seu almoço.


Luhan suspirou, estava tão  aliviado que nem mesmo sentiu-se surpreso ao receber aquele pedido vindo de alguém que mal conhecia e, provavelmente temia conhecer.


— tudo bem.


— mas antes, empacote esse par para mim, eu adorei eles! — Oh deu uma piscadinha discreta para Luhan, que sorriu ao entender suas intenções.


— C-laro?!



Enquanto esperava Luhan, Oh decidiu avisar para Jongin que demoraria um pouco para chegar em casa. Pegou seu celular e percebeu uma notificação na tela de bloqueio, era uma mensagem de Jongin.


Kim Jongin disse (10:40):

Recebi uma chamada estranha. Vou ter que ir trabalhar mais cedo. Tudo bem?


Você disse (10:52):

Tá bem. Vou almoçar por aqui. Não se esqueça de comer.


Kim Jongin disse (10:53): 

Não sou eu quem se descuida aqui. Haha. Te vejo no jantar. Ps: que você vai fazer como um bom esposo.


Você disse (10:53):

Desde quando sou seu marido? Haha.


Kim Jongin disse (10:55):

Moramos juntos a 2 meses, você cozinha pra mim, eu lavo as roupas, você tira o lixo. Quer que eu diga algo mais?


Você disse (10:57):

Vai trabalhar Jongin. Tchau.


Sehun desligou o aparelho e pôs bolso. Nunca havia pensado sobre sua convivência com o Kai, muito menos o que aquilo parecia ser. Isso lhe incomodou de uma forma que não esperava, será que Jongin estava falando sério?


— desculpa a demora — Luhan dizia ao sentar-se na cadeira posicionada em sua frente.


 Sehun acordou de seus desvaneios e lhe comprimentou. Por um mísero segundo esqueceu o motivo de estar ali, não podia repetir isso e muito menos fazer Luhan sentir-se desconfortável em conversar com ele.


— O que você quer pedir? — Oh segurou o cardápio com cuidado, fitava um delicioso sushi estampado na capa.


— O que eu quero... — Luhan resmungou cabisbaixo, apertava a toalha da mesa ao tentar conter-se. 


Sehun virou-se para o lado, deu sinal para que um dos garçons lhe atendesse o mais rápido possível.  


— Eu quero que você aceite os sentimentos de Jongin. — o garoto exclamou ao avançar sob a mesa, era de se perceber que seu temperamento era um pouco excessivo. 


Sehun bufou, guiou seus olhos até o rapaz e lhe viu cabisbaixo. Certamente, se o plano de Luhan era lhe convencer de que se importava com os sentimentos do Kai acima de tudo, estava falhando miserávelmente. Sehun conseguia ler a personalidade de uma pessoa apenas de olhar para seu rosto, dizia ser seu super poder. Naquele momento estava bem claro que Han era como ele, ridiculamente inseguro e incapaz de correr atrás de quem ele ama.


— Se você quer fazer dessa forma.. — Oh encarou firmemente o mais velho, cruzou seus braços e sorriu. — Então que seja.


Notas Finais


Ai o Jongin chamando o Sehun de Marido.. Seria meu sonho?
O que será que o Luhan vai fazer?

Quer um spoiler?
O Luhan não é um vilão, mas muita agua vai rolar haha
Boa noite.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...