História Flame of Desire - Capítulo 35


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Albert Spencer (Rei George), August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Elsa, Emma Swan, Fa Mulan, Henry Mills, Lacey (Belle), Liam Jones, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Neal Cassidy (Baelfire), Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sidney Glass, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Vovó (Granny), Xerife Graham Humbert (Caçador)
Tags Swanqueen
Visualizações 1.219
Palavras 2.509
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Intersexualidade (G!P)
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 35 - Capítulo 34


Fanfic / Fanfiction Flame of Desire - Capítulo 35 - Capítulo 34

Regina desviava o olhar de Emma para Ariel e suas mãos agarradas no ombro da loira. Belle que estava atrás da advogada, respirava fundo, pedindo à forças maiores que nada acontecesse entre as duas.

A loira engoliu em seco, estática, enquanto olhava para Regina.

— Claro que n... — disse Emma, sendo interrompida.

— Se fosse em outros tempos, eu diria que sim. Você estaria atrapalhando... — disse Ariel, soltando Emma e pegando sua bolsa na poltrona — Mas os tempos agora são outros... — ergueu a sobrancelha, olhando para a advogada — Como está, Regina?

A morena continuou intacta, ignorando sua pergunta.

— Ok... — Ariel soltou um meio sorriso e virou o rosto para olhar Emma — Adeus, Swan — inclinou-se para beijá-la no rosto, mas a loira afastou-se.

A ruiva caminhou de maneira sensual, passando propositalmente na frente de Emma.

Regina respirou fundo e manteve a compostura, parada no meio da porta, sem dizer uma palavra sequer enquanto encarava Ariel que vinha em sua direção.

As duas trocaram um olhar fatal quando a ruiva parou em sua frente. A advogada permaneceu parada na porta, trancando sua saída.

Emma engoliu em seco, sentindo o coração acelerar com medo do que poderia acontecer em seguida. Podia sentir a faísca entre as duas. Fez menção de ir até elas, quando Ariel pediu passagem.

— Você vai ficar parada aí, ou vai me dar licença? — perguntou Ariel.

Regina continuou firme, encarando-a sem respondê-la e Belle imitou o gesto da advogada, atrás dela.

Ariel bateu os pés impaciente, sentindo-se intimidada.

Regina abriu espaço, sem deixar de encará-la. A ruiva esboçou um sorriso debochado e passou, virando o rosto para trás, dando uma última secada na ex-mulher.

A secretária se retirou aliviada quando viu Ariel entrar no elevador.

Regina suspirou pesadamente e bateu a porta com toda força. Precisava descontar a raiva em algo.

Eres una pendeja! — xingou, em espanhol.

Virou-se para Emma que a olhava tensa.

— O que foi? — perguntou rudemente — Ariel comeu a sua língua?

— Regina...

— Toma o seu café! — disse grosseira, aproximando-se e lhe entregando o copo térmico da Starbucks sem delicadeza nenhuma.

A loira pegou o copo, aproveitando para puxá-la pelo braço.

— Você não precisa agir e nem falar desse modo comigo — disse firme, olhando em seus olhos.

— Ah, não? — dizia irritada — Então me explique o que ela fazia agarrada em você!

Emma apoiou o copo na mesa, encostando-se na mesma.

— Não fazia nada, Regina. Você abriu a porta justamente na hora em que ela ficou irada quando lhe contei que vamos nos casar.

A advogada se retraiu.

— E como ela veio parar aqui? Eu nem sequer demorei 5 minutos, Emma!

— Eu vou saber? Entrei e ela já estava na sala.

Regina suspirou, virando-se de costas e caminhando até o sofá que havia perto da porta.

Hija de p... — dizia para si mesma, sentando-se. Soltou um gemido ao sentir o desconforto no meio das pernas.

Emma a observou e pegou o café, indo até ela, sentando-se ao seu lado.

— Vamos conversar com Ingrid sobre essa sua dor...

— Não é nada, Emma! Você que me fodeu forte demais! — soltou.

A loira engoliu em seco.

— Compraremos uma poma...

— Ela te seduziu? — Regina a cortou, virando o rosto para olhá-la.

— O quê?

— Eu vi a forma como ela se insinuou pra você.

— Eu não...

— Não minta para mim! Me responda! Ela te seduziu? — vociferou.

Emma a olhou.

— Ela tentou.

— Você se sentiu atraída?

A loira negou com a cabeça.

— Responde!

— Claro que não! Eu não senti nada! — Emma aumentou o tom.

A advogada a olhava, tentando decifrar algum deslize na mulher.

— Regina, não há nada nesse mundo que me faria trair você. Eu te amo! Você não entende isso? Acha que eu faria tal coisa? Jogar fora a oportunidade de reviver o nosso amor, depois de quinze anos? Você não confia em mim?

A advogada suspirou.

— Me desculpe... — levantou-se, caminhando em direção à enorme janela — Eu acho que são os hormônios... — cruzou os braços — Tive vontade de puxá-la para fora pelos cabelos.

Emma segurou o riso e tomou um gole de café enquanto a observava. Nunca havia conhecido esse lado da advogada. Nunca fora possessiva.

— Você jamais agiria dessa forma. É uma mulher de classe. Apesar de ter achado por um momento que fosse capaz...

— Eu estava quase perdendo a razão. Mulherzinha inconveniente.

— Eu não deixaria que isso acontecesse... — terminou de tomar o café.

— Vocês viveram juntas, tiveram uma historia e isso é fato. Não posso mudar seu passado. Mas, me sinto insegura. Tenho medo de perdê-la. Outra vez. — admitiu.

A loira levantou-se e foi até ela, lhe abraçando por trás.

— Não me importa o passado. Me importa o presente. O futuro que nós vamos construir. Você não vai me perder... — sussurrou em seu ouvido — Nunca mais... Nada vai nos separar. — acariciou a barriga de Regina, beijando seu pescoço.

A advogada se recostou no corpo da mulher, aconchegando-se em seus braços.

— Você promete?

— Eu prometo.

— Promete que não vai sair do meu lado — pediu, apertando os braços de Emma ao seu redor.

A loira escondeu o rosto no vão do pescoço da advogada. Compreendia que Regina estava sensível.

— Eu prometo, meu amor.

Regina fechou os olhos, soltando um suspiro.

— Você acha que Ariel se conformou depois de saber que vamos nos casar?

— É provável que sim. Agora ela vai correr atrás de algum milionário para bancá-la.

— O "Giorgio". — Regina disse repentinamente, em tom malicioso.

Emma afastou o rosto de seu pescoço.

— Você não esqueceu esse homem?

A advogada riu, virando-se de frente para Emma. Enlaçou o pescoço dela e beijou seus lábios.

— Pelo que vejo, você gostou dele mesmo... — continuou a loira enciumada.

— Claro que não. Nem reparei naquela lista horrenda. Não havia nenhuma Emma Swan para que eu pudesse seduzi-la e me apropriar de sua herança — disse de modo maquiavélico.

Emma a olhou semicerrando os olhos.

— Eu sempre soube que esse era o seu real objetivo.

— Sinto lhe informar, mas agora é um pouco tarde demais. Eu estou grávida! — sorriu, colando seu corpo no da loira.

Pendeja! — Emma a imitou, fazendo a advogada rir.

As duas beijaram-se. Emma a abraçou pela cintura, apertando-a contra seu corpo. O beijo se estendeu, quando a língua da loira invadiu os lábios grossos da advogada. As línguas estalavam uma na outra, em uma dança sensual. O membro de Emma pulsava dentro da calça, clamando por Regina, que sentiu o leve roçar do volume em sua virilha. A advogada gemeu entre o beijo, mordendo o lábio inferior da loira.

Emma deslizou as mãos por baixo do vestido da morena, apalpando suas nádegas. Em um lampejo, Regina interrompeu o beijo.

— Emma, vamos nos atrasar... — sussurrou.

A loira continuou beijando-a, distribuindo beijos pelo seu pescoço.

— Emma... — apertou os braços dela, chamando sua atenção.

— Tudo bem... — soltou um suspiro, se afastando de Regina. Sentou-se em sua poltrona para assinar os documentos que haviam em sua mesa.

A advogada ajeitou o vestido e se moveu até o sofá, abrindo o pacote para morder o sanduíche que havia comprado.

— Precisamos conversar com Belle... — Emma dizia sem olhá-la, enquanto rabiscava os papéis — Sobre o nosso casamento.

Regina assentiu, mastigando o sanduíche. A loira desviou o olhar para ela e a advogada esboçou um sorriso angelical.

— Meu Deus. Você é linda até comendo... — Emma disse, voltando sua atenção aos documentos.

— E você é sexy até assinando papéis.

As duas riram.

Emma acionou a comunicação interna, pedindo a presença de Belle.

A secretária abriu a porta e Regina se levantou, colocando o papel no lixo.

— Pode entrar, Belle. Sente-se, por favor. — disse Emma, apontando para a poltrona em sua frente.

Ela fechou a porta e sentou-se, tensa. A advogada deu a volta na mesa, parando ao lado de Emma.

— Então, Belle... Sei que sempre prezei em termos uma relação muito profissional... — começou Emma — E que no decorrer dessas últimas semanas, nós ultrapassamos esse vínculo. Você se mostrou uma pessoa em quem eu sei que posso depositar minha confiança e amizade.

Belle assentiu, com os olhos brilhando.

— Então, eu quero lhe fazer um convite. Eu e Regina.

A secretária ergueu as sobrancelhas.

— Você gostaria de ser nossa madrinha de casamento?

Regina a olhava de forma ansiosa. Belle abriu a boca, estupefata, para sorrir largamente logo em seguida.

— É claro! Nossa! Digo, seria uma grande honra! Eu adoraria!

Emma esboçou um sorriso e Regina deu a volta na mesa para abraçá-la.

— Obrigada, querida!

A secretária retribuiu o abraço, levantando-se. Emma repetiu o gesto, agradecendo Belle.

— Eu fico muito feliz de vê-las juntas.

A advogada sorria agarrada à Emma.

***

Regina abriu a porta do apartamento, jogando a bolsa sobre a mesa de centro da sala. Jogou-se no sofá, deitando-se exausta.

Emma fechou a porta e tirou os saltos. Caminhou até a advogada, levantando suas pernas do sofá para se sentar.

— Ingrid é maravilhosa... — disse Regina, apoiando um de seus braços sobre o rosto.

— Ela é uma ótima profissional... — concordou, tirando os saltos da morena.

Regina fechou os olhos, soltando um gemido satisfatório ao sentir a loira massagear seus pés.

— Hum... Eu estava precisando disso...

Emma se ajeitou, recostando-se de lado enquanto admirava a advogada.

— Não vejo a hora de fazermos o ultrassom... — disse, fazendo movimentos circulares por toda sola do pé de Regina.

A morena sorriu e abriu os olhos.

— E poder escutar o coraçãozinho...

— Vai ser o dia mais feliz da minha vida — a loira suspirou.

Regina se ergueu, sentando-se e inclinando o corpo até Emma. Segurou o rosto dela carinhosamente e beijou seus lábios.

— Eu te amo — sussurrou.

— Eu te amo mais...

A advogada se ajeitou, abraçando Emma de lado.

— Você disse que quer se casar em menos de um mês?

— Eu quero. Você não?

Regina deitou o rosto no ombro da loira, afastando-se o suficiente para poder olhá-la.

— É claro que eu quero... — acariciou seu rosto.

— Precisamos encontrar uma cerimonialista perfeita o quanto antes. Amanhã mesmo resolverei isso. — dizia, olhando para o nada — Temos que definir o local... Eu estava pensando no The Frick Collection, é sofisticado. A arquitetura é impecável e...

— Emma, não... — puxou o rosto da loira para si — Nada sofisticado, por favor. Vamos fazer diferente dessa vez. Eu quero que seja tudo diferente.

A loira suspirou.

— Você tem razão.

— Vamos fazer uma cerimônia simples, somente com as pessoas especiais das nossas vidas. Me deixe fazer isso, eu cuido de tudo...

— Tudo, não... Vamos fazer isso juntas.

— Precisamos falar com Ruby sobre o convite para ser madrinha...

— Falaremos.

— E os padrinhos? Eu estava pensando em nossos filhos. Gostaria de convidar Henry e Andrew.

O rosto de Emma iluminou-se.

— Eu acho que eles irão ficar muito contentes.

Regina lhe deu um selinho.

— Vou tomar um banho. Você vem?

— Claro que sim.

Ela levantou, sendo acompanhada por Emma.

— Depois poderiamos pedir sushi, o que acha? — perguntou, caminhando no corredor em direção ao banheiro.

— Nada de peixe cru. Você ouviu Ingrid... — respondeu Emma, seguindo-a.

— Mas estou com desejo! — retrucou.

— Não seja uma grávida birrenta, Regina Mills.

— O seu filho nascerá com cara de peixe!

As duas riram entrando no banheiro e despindo-se entre beijos.

***

Regina estava sentada sobre o colo de Emma na cozinha, enquanto degustavam a pizza de calabresa que haviam pedido.

— Essa pizza é mil vezes melhor que aquela que nós pedimos outra vez... — a advogada disse, tomando um gole de suco.

Emma concordou com a cabeça, enquanto mordia outro pedaço.

— Sabe que eu nunca imaginei que estaríamos aqui, na minha cozinha, escutando Norah Jones enquanto comemos pizza às 22hrs da noite... — Regina dizia sorrindo, com um braço em torno do ombro de Emma.

A loira sorriu, virando o rosto para olhá-la.

— E você no meu colo. Esperando um filho nosso.

Regina beijou seus lábios.

— É tão surreal... Zelena vai ficar doida quando souber — ela dizia, animada.

— Como ela está? E Margot? Deve estar uma moça.

Regina havia convidado Zelena para ser a madrinha do filho na época em que estava grávida de Andrew. Regina e Emma haviam batizado a filha dela também, chamada Margot.

— Está bem, mudou-se para Itália. Mas quase não nos falamos, anda sempre muito ocupada... — lamentou — E Margot, está linda!

— Zelena continua casada com Chad?

— Sim...

— Eles se conheceram naquela festa em que você me disse que estava grávida. Você lembra? Ela caiu de quatro...

Regina riu.

— Você o levou na festa e foi amor à primeira vista. Ela ficou grávida um mês depois que fiquei de Henry!

— Vamos convidá-los para o nosso casamento.

A advogada assentiu.

— Com toda certeza. Zelena que me levou na festa do Whale. E foi lá, que nós começamos a nossa historia... — passou o outro braço em torno do pescoço de Emma.

A loira beijou seus lábios demoradamente.

— Sabe o que eu estava pensando? — Regina perguntou em um sussurro.

— Hum?

— Em convidar Rose para batizar nosso filho.

Emma a olhou admirada.

— Meu amor, tenho certeza que esse é o maior sonho dela.

Regina sorriu.

— Eu vejo o quanto ela está ansiosa pelo nascimento. Mary e David já batizaram Henry, não iriam ficar chateados...

— Claro que não. Apesar de Mary ser ciumenta.

A advogada deitou o rosto no ombro de Emma.

— E gostaria que Graham batizasse também.

A loira abraçou seu corpo.

— Ele vai amar.

Regina sorriu, fechando os olhos.

— Vamos pra cama. Você está cansada.

A morena fez menção de levantar, mas Emma a impediu, pegando-a no colo. Ela sorriu se agarrando em seu pescoço.

— Emma... — disse, mirando os olhos da loira.

Emma entrou no quarto, deitando-a na cama.

— O que foi, meu bem... — dizia, retirando o roupão da advogada e cobrindo seu corpo com o cobertor.

— Estou com abstinência sexual...

A loira sorriu, inclinando-se para beijá-la.

— É sério, Emma. Já faz 1 dia que não fazemos amor. Você me acostumou mal. — segurou o rosto da loira.

— Regina, eu estou quase enlouquecendo. Mas, você está dolorida. — apoiou as mãos na cama, evitando o peso em cima dela.

— Não me importo. Eu quero você. — disse firme, deslizando as mãos por dentro do roupão de Emma, alisando suas costas.

— Você ouviu o que Ingrid disse... Sem sexo por enquanto. Temos que moderar.

Regina bufou.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...