1. Spirit Fanfics >
  2. Flames >
  3. Três semanas depois

História Flames - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


gente, vcs n tem noção do trabalho q esse cap deu :(( eu apaguei ele sem querer, por isso ele n saiu antes.

mas queria deixar uma coisa avisada para vocês, chega de briga Zaiana nessa história! a tendência daqui pra frente é melhorar

alias, vcs vao perceber uma mudança de comportamento deles nos proximos capitulos, aguardem.

boa leituraaaa

Capítulo 10 - Três semanas depois


Fanfic / Fanfiction Flames - Capítulo 10 - Três semanas depois

— Caralho, assim não tem como te defender Malik!

Esse foi Niall depois que contei tudo o que tinha acontecido nas últimas semanas entre Diana e eu, mas esse lamento em específico foi por causa do que contei sobre nossa última briga. O que estava pegando é que fazem três semanas desde que vi Diana pela última vez, em um tribunal, com um daqueles seus vestidos sexys e com aquele seu ar de superioridade de todas as vezes. Eu duvidei para caralho que ela seria capaz de ignorar tudo o que vivemos — que nem tinha sido tanta coisa assim — para seguir o baile sem precisar se preocupar se tinha uma gangue atrás dela, mas foi o que ela fez com maestria.

São quase três semanas sem vê-la e o mesmo tempo que ela ignora minhas mensagens, minhas ligações. Se eu vou na faculdade não a encontro, se vou em sua casa também não tem ninguém e no escritório muito menos. A garota tinha sumido do mapa completamente.

— Não fala como se você não soubesse quem eu sou Niall! — falei andando de um lado para o outro naquela sala.

— Mano, a gente sabe exatamente o que você é e é por isso que a gente está tão puto. A mina é a maior responsa e você pisa na bola desse jeito? — Louis questionou meio incrédulo.

— É por isso que você está murcho desse jeito esses dias? — o loiro questionou.

— Que murcho o que? Ela não é a única garota do mundo, não vou ficar me arrastando por ela — dei de ombros.

— Se você diz — Niall largou de mão.

— Se ela seguiu o baile tão facilmente, não é nada que eu também não possa fazer — não era mentira.

— Ela está seguindo o baile de consciência limpa, já você eu não sei — Louis disse.

— Como se algum dia eu me importei com porra de consciência. Se minha consciência fosse pesar, seria pelo tanto de merda que eu já fiz na vida, não pela porra de uma garota. Se liguem! — já estava ficando de saco cheio daquele julgamento, se eu soubesse não teria nem contado.

— Que se torna mais uma merda feita na sua vida, não é? — Niall já estava me tirando do sério com aquele papo.

— Vocês falam como se nunca tivessem vacilado — me irritei. — Cuidem da vida de vocês, me esqueçam! Quer saber? Hoje a noite vou fazer essa garota sair da minha cabeça, ou eu não me chamo Zayn Malik!

— Se você acha que assim vai esquecer — Louis deu de ombros.

Aquele papo já tinha me cansado e eu não queria nem pensar mais naquilo, se Diana não queria mais nada comigo, pois bem. Ótima escolha a dela, por que eu não sou o cara que faz o tipo dela, eu sou o cara que faz o tipo de qualquer uma.

Já eram 20h da noite quando trancamos todo o galpão e saímos de lá, a maioria dos membros da gangue deveriam estar organizando um racha no certo de Los Angeles ou começando os trabalhos na nossa outra boate. Os garotos foram para suas casas se aprontarem para colar por lá também, coisa que eu faria assim que tomasse um banho e ficasse gatão para mais uma noite.

Tomei um banho rápido e vesti uma camiseta e uma calça preta, calcei meus tênis verdes para dar uma diferenciada. Passei meu perfume de sempre e dei uma arrumada no cabelo, coloquei a carteira e o celular no bolso e antes de sair dali peguei uma das minhas jaquetas de couro preta.

— Mais uma noite fora de casa ou posso esperar você voltar, Menino Malik? — Marlee perguntou enquanto eu pegava a chave da minha Bugatti La Voiture no chaveiro do meu escritório.

— Você sabe que nunca precisa me esperar, Marlee. Eu sempre chego — lhe lancei uma piscadela.

— Posso pelo menos ter esperanças de você voltar com uma companhia hoje? — ela me seguia enquanto eu saia para ir até o estacionamento.

— E quando foi que eu voltei acompanhado? — a encarei.

— Bom, quando você trouxe a Srta. Shepherd aqui — ela falou meio envergonhada.

— Aquilo foi um erro, não vai mais acontecer — respirei fundo. — Nunca mais.

Não falei mais nada antes de entrar no meu carro e sair. Peguei um caminho mais curto até a boate para ter menos tempo sozinho e menos tempo para pensar em merdas, eu sabia que se eu ficasse pensando demais, minha mente me levaria a um lugar que eu tinha que evitar. Nem que fosse só por essa noite. Assim que cheguei a Seven, mais uma das minhas boates em Los Angeles, uma fila enorme se formava na frente e isso era um ótimo sinal. Antes de entrar uma garota me chamou atenção, ela era ruiva de cabelos curtos e era gostosa para caralho.

— Posso saber o nome desse anjo? — falei pegando a mão dela e dando um beijo ali.

— Amber e o seu? — ela me deu um sorriso sedutor.

— Zayn. Quer entrar? — aquele tom galanteador não saia da minha voz, hoje era dia de caça.

— Eu vou encontrar com umas amigas lá dentro, seria ótimo.

— Então vem comigo — a puxei pela mão para me seguir. — Ela está comigo, relaxa — falei antes que os seguranças a barrassem.

Entramos na boate e uma música dançante tocava em um tom ensurdecedor, as pessoas dançavam por todos os lugares e enquanto isso eu passava entre elas de mãos dadas com aquela gata indo em direção a área vip. Enquanto subia as escadas consegui ver Niall debruçado no parapeito olhando para a pista de dança, ele bebia algo enquanto Louis estava tranquilão fumando um baseado.

— Quem é essa? — Niall questionou, mas ainda olhando fixamente para a pista de dança.

— Essa é a Amber, minha companhia de hoje — cheguei mais próximo dele e sussurrei em seu ouvido — e quem vai tirar Diana da minha cabeça na primeira sentada — Niall revirou os olhos ao escutar aquilo.

— Eu não ficaria tão confiante, mas se você acha vai fundo — ele disse dando de ombros.

— Você está um pé no saco hoje viu? Que bicho te mordeu? — foi o que eu falei antes de dar as costas a ele e ir sentar com Louis. — Passa um aí — pedi e ele me deu um beck.

Eu alternava entre beber, desenrolar um papo com a ruivinha e tragar o beck, para a minha sorte ela não se importava muito com isso. a noite corria e enquanto isso eu não tinha pensado em Diana uma vez sequer, parecia que aquela gata do meu lado misturado com álcool e uma erva da boa eram o antidoto para aquela merda que eu estava sentindo antes. O beijo com aquela ruiva não era coisa de outro mundo, mas dava para levar uma nota sete.

— Vamos ali comigo? — sussurrei em seu ouvido.

— Sozinhos? — ela me olhou meio indecisa.

— Prometo que não faço nada que você não queira — pisquei para ela e lhe dei um selinho.

— Tudo bem — ela sorriu.

A puxei pela mão caminhando até onde era o meu escritório naquela boate, ela não iria ser a primeira com quem eu fodia ali e nem seria a última. Tranquei a porta enquanto ela dava uma geral no lugar, a janela nos dava vista para a praia e o reflexo da lua no mar. Não iria perder tempo com preliminares, então a coloquei em minha mesa logo em seguida levando minhas mãos até a barra da saia que ela usava, a puxando para baixo junto com sua calcinha.

Ela parecia tão bem resolvida quanto a outra, pois logo tomou a iniciativa de tirar minha camisa enquanto eu tirava sua blusa e seu sutiã. Beijei seu pescoço e senti nossas intimidades se roçarem me fazendo sentir como ela estava molhada, desci minhas mãos para sua bunda a fazendo se mover um pouco mais para perto de mim, dei uma tapa estalada em sua bunda, com certeza deixaria marcas.

— Vamos Zayn, acabe logo com isso — ela grunhiu jogando sua cabeça para trás.

— Você é apressada demais, bebê — falei sorrindo malicioso vendo aqueles seios fartos na minha frente.

Eu passei os dedos em sua intimidade a fazendo morder seu lábio inferior, vendo que ela já estava muito excitada, coloquei o preservativo e a penetrei calmamente, o que a fez se contorcer na mesa. Comecei dando leves estocadas enquanto ela estava com os olhos fechados e ainda mordendo o lábio, mas ousei em levar minhas mãos até seus seios os apertando e a fazendo rebolar um pouco ali. Num movimento rápido a peguei no colo e a levei assim até um sofá pequeno que tinha ali, a fazendo ficar no meu colo e com todo o controle agora. Ela sentava e rebolava no meu membro enquanto eu a estimulava com tampas e falando coisas que Diana nunca aceitaria ouvir, mas foda-se.

— Caralho! — falei sorrindo ao ouvi-la gemer enquanto acariciava os seus próprios seios.

— Isso Zayn, assim — ela disse com um sorriso malicioso no rosto enquanto eu a ajudava nos movimentos.

Continuei com os movimentos até chegarmos aos nossos limites deixando aquela garota deitada completamente nua no meu sofá, enquanto eu estava ao seu lado pensando no que tinha acabado de acontecer. Tenho certeza que se fosse com Diana, aquela porra tinha sido mil vezes melhor. Caralho, meu pensamento está fodido com essa menina. Vestimos nossas roupas e retornamos a boate, que parecia ter lotado mais desde que tínhamos saído.  Voltei para o sofá aonde estava sentado antes e Louis não estava mais lá, Amber logo saiu para ir procurar as amigas e Niall chegou com um copo de gin na mão.

— Como foi a foda? — o olhei estranho.

— Está me estranhando? Quer saber como eu transo agora? — me afastei um pouco.

— Não, mas eu tinha que ter uma deixa para te dizer que o Louis está lá em baixo e ele mandou essa mensagem aqui — Niall disse me mostrando a tela do seu celular.

Tommo: caralho a Di está aqui!

Tommo: mano, ela está de cabelo verde! Está gata para um cacete!

Tommo: foto anexada.

Logo abaixo daquelas mensagens tinha uma foto tirada de Diana sem que ela percebesse, ela estava sorridente e com os cabelos que antes eram longos e pretos, agora tinham pontas roxas.

— Que se dane! — falei relaxando no sofá.

— Você quem sabe — Niall se levantou e foi de voltar para o parapeito.

Aquela noite devia servir para eu tirar Diana de uma vez por todas da minha cabeça, mas nem fazendo exatamente tudo o que eu sempre fiz antes dessa garota entrar na minha vida, eu consigo fazer tudo voltar ao normal. Na hora da transa eu pensava nela, mesmo que por dois ou três segundos, mas eu pensava; quando eu tentava me distrair com álcool descubro que na verdade ela está no mesmo lugar que eu. O que eu precisava fazer para tirar aquela porra de garota da cabeça? E o pior é que sabendo da presença dela ali eu ficava me segurando para não ir atrás dela e perguntar porque que não me atende, porque que não me responde, mas eu não faria isso. Se ela achava que eu iria rastejar por ela, estava muito enganada.

Depois de alguns minutos Niall tomou o mesmo rumo de Louis e desceu para a pista de dança, talvez pegasse uma ou duas ali, mas no porre que ele estava hoje eu duvido muito que passe disso. Agora era a minha vez de ficar curvado naquele parapeito como uma águia olhando para a presa. Diana estava lá, mais sexy do que nunca com os cabelos pintados e com aquela roupa preta de fazer qualquer um se amarrar. Estava tocando reggeaton e ela estava dançando com aquela amiga dela.

— Cara, pode babar — logo percebi a presença de Louis ao meu lado. — Ela está gata para caralho!

— Tanto faz, estou pouco me fodendo — dei de ombros logo bebericando meu whisky.

— Fala isso, mas não para de secar a menina — Louis falou em um tom brincalhão, mas não deixava de ser verdade.

Eu estava vidrado naquela menina, a cada movimento que ela fazia meus olhos a acompanhavam e eu torcia para que ela conseguisse notar minha presença ali, mas ela estava ocupada demais dançando com um playboy.

— Por que você não desce lá? — bufei, lá vem ele com esse papo de novo. — Relaxa mano, é só para marcar espaço. Os caras tão caindo em cima dela toda hora, se ela te ver lá nem fodendo vai te ignorar.

— Diana é uma caixinha de surpresa, nunca se sabe — eu estava desencorajado.

— Olha só quem está chegando mais — Louis apontou com a cabeça para Niall que tinha acabado de abraçar Diana. — Acho que essa pode ser sua deixa também.

Fiquei ali parado durante alguns instantes vendo Niall e Diana dançarem enquanto conversavam, provavelmente aos berros por causa da música alta. Ela estava ensinando um passo de reggeaton que estava fazendo com Sierra e o mauricinho antes, eles riam e pareciam estar se divertindo muito. Algo me dizia que nunca ia ter momentos como aqueles com aquela mulher, mas não por causa dela, mas sim pela minha cabeça dura.

— Não vai adiantar nada você ficar aí de farol — Louis insistiu.

Respirei fundo e me desencostei do parapeito e virei a dose de whisky que eu estava bebericando antes, deixei o copo em cima da mesa e comecei a descer as escadas indo em direção a pista de dança. Quando consegui visualizar onde Diana estava, vi ela tirando fotos com Niall e Sierra. Ela estava de costas para mim enquanto eu ia me aproximando, mas Niall fez um sinal com a cabeça indicando que eu estava me aproximando e ela logo se virou, mas diferente do que eu achava, ela não desfez o sorriso.

— Que surpresa você por aqui, babygirl — falei parando em sua frente.

— Não vai dizer que essa boate também é sua — ela disse meio sarcástica.

— Se você quer mesmo saber — me aproximei do ouvido dela, afastando seu cabelo com a mão e deixando seu pescoço nu — é minha sim. Algum problema?

Voltei a me distanciar dela e a encarei. Ela estava com uma expressão meio extasiada como se esperasse que eu fizesse mais, mas logo tratou de retomar aquele ar de superioridade que ela sempre teve.

— Me diga você, já que é o dono. Algum problema em eu estar aqui? — seu olhar era desafiador e provocante.

— Nenhum. Pelo contrário, fico muito feliz de revê-la após todas as mensagens, ligações, sms’s e recados ignorados — Diana engoliu em seco, parecendo envergonhada. — Isso é coisa do passado, relaxa.

— Achei que você não esperasse mais nada de mim, você mesmo quem disse que não consegue nutrir suas relações.

Voltei a me aproximar da sua orelha e pescoço, sabia que ficando perto dali mexia não só com seu psicológico, mas também com o seu desejo.

— E não consigo, mas a porra de uma garota de um metro e meio que se acha a pica das galáxias mudou tudo isso — falei e quando voltei a encara-la ela estava com os olhos arregalados, mas que logo se normalizaram.

— Garanto que não pensou isso enquanto estava com aquela garota lá em cima — foi a minha vez de ficar surpreso. Como ela sabia? — Eu não sou tão tola quanto você pensa, Malik. E nem sou dessas que cai no seu papo por uma cortesia em boate — e o jeito imponente dela tinha voltado como um soco no meu estômago.

— A garota não tem nada a ver com isso, foda-se a troco de que ela ficou comigo, pouco me importa — e meu jeito grosso voltou junto. — Mas você está enganada para cacete se acha que não penso em você.

Eu precisava me controlar, mas não conseguia. Na minha corrente sanguínea circulava álcool, substancias e isso me fazia ficar completamente sem filtro, mesmo que eu lutasse contra e tentasse medir as palavras. Diana me encarava esperando eu continuar a falar e isso foi como um estimulo para que eu soltasse o que eu estava tentando segurar até agora.

— Eu estava fodendo aquela garota e só pensava em você, ela fodia bem para caralho, mas não tanto quanto você e toda vez vinha uma cena do que rolou naquele escritório — Diana respirou fundo e eu fiz uma pausa, para repensar minhas palavras. — Eu sei que eu fui um filho da puta naquele dia com você, aliás, com sua mãe também mesmo que ela nem tenha noção do que eu fiz — Diana assentiu concordando — mas desde aquela conversa eu decidi que seria tudo diferente.

— Duvido muito, no dia seguinte você voltou a me usar Malik! Precisei prestar depoimento sobre um “roubo” em uma boate, isso te faz lembrar algo? — ela me olhava como um olhar desafiador. — Minha mãe não sabia daquela noite, mas descobriu depois que um policial foi bater na minha porta com uma intimação dizendo que eu tinha sido citada no depoimento de Zayn Javadd Malik.

— Grande merda, Dils! Foi você mesma que disse que seria meu álibi se caso desse merda — eu já estava ficando impaciente. — Eu só resolvi do meu jeito, não tinha como não citar você ou Waliyha. Entende que se eu tivesse como te poupar dessas coisas, eu pouparia assim como faço com a minha família ou com os garotos.

Naquele momento estávamos protagonizando uma puta briga no meio da pista de dança, atraindo olhares de todos ao nosso redor. Aquilo estava me dando nos nervos, por que aquela garota tinha que ser tão complicada? Logo Niall e Louis se aproximaram de nós, Louis atrás de mim e Niall pondo as mãos nos ombros de Diana.

— Acho melhor vocês conversarem melhor lá em cima — Niall sugeriu.

— Pois é, tão chamando atenção para caralho aqui — Louis falou.

— Esse bando de curioso. Vão cuidar da vida de vocês! — exclamei vendo que realmente muitas pessoas estavam paradas prestando atenção na nossa conversa. — Vamos para o meu escritório, precisamos mesmo conversar — pela primeira vez na vida, eu estava pedindo algo a uma garota.

— Vai amiga, se alguma coisa acontecer você chama a polícia — Sierra disse em tom de brincadeira e eu revirei os olhos.

— Lá fora. Não quero sentir cheiro de ambiente pós sexo — ela disse em um tom autoritário.

Arregalei os olhos pelo o que ela disse e logo passei pelos meninos a seguindo, eles estava rindo da minha cara e fazendo um sinal de “se fodeu” para mim, Sierra fazia sinal de “eu te mato”, mas aquela dali não amedrontava ninguém. Sai da pista dando dedo do meio para todos eles e logo Diana e eu estávamos parados no estacionamento. Me encostei no meu carro e pus as mãos para dentro dos bolsos do meu casaco enquanto Diana se abraçava para se esquentar.

— E então... — ela começou para que eu abrisse o bico.

— Eu não estou te pedindo em casamento Dils, mas é foda ficar o dia inteiro sem receber se quer uma ligação sua reclamando de algo — ela deu um sorriso de lado, quase imperceptível. — Eu me fodi demais nisso tudo por que me apeguei a ideia de ter alguém para dividir o que eu sinto, me fodi porque toda vez que falo um palavrão e você não está lá par me repreender eu penso “porra, se a Dils estivesse aqui estava me comendo vivo por que falei isso”. Ah, e o mais importante, me fodi por que nem bebendo, nem fumando e nem transando eu tiro você da cabeça.

— Uau, que coisa mais romântica — ela ironizou. — O pior é que só de pensar em você com outra, me dá nos nervos — ela revirou os olhos — mas me diz por que você se nega tanto a se abrir com uma mulher?

— Não é isso que importa agora, Dils — segurei sua mão e a puxe devagar para perto de mim. — Eu não quero me abrir com mais ninguém, me sinto bem se isso for uma coisa só nossa.

— E eu me sinto bem sabendo que você se sente livre para fazer isso comigo — ela deu um sorrisinho enquanto envolvia seus braços no meu pescoço.

— Então por que a gente está brigando por coisa que passou? — dei um selinho nela, a envolvendo pela cintura.

— Não vou namorar com você Malik — ela disse rindo.

— E quem disse que eu quero? — ela riu jogando a cabeça para trás. — Só de você parar de me ignorar já está bom para caralho.

— Por mim está ótimo assim — ela me deu outro selinho.

— Antes de te beijar, só queria deixar bem claro que você ficou linda para cacete com esse cabelo verde — suspirei.

— Eu sei e sabia que você ia gostar — ela piscou para mim.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...