História FLASHES N' MEMORIES (jjk x pjm) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Bts, Fanfic, Jikook, Jimin, Jungkook, Yaoi
Visualizações 76
Palavras 1.189
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


olá, bem-vindos á minha história~

essa é a minha primeira fic jikook (de muitas que ainda pretendo escrever), então espero que gostem, de vdd!

é issooo, boa leitura! ♡

Capítulo 1 - Butterfly


Fanfic / Fanfiction FLASHES N' MEMORIES (jjk x pjm) - Capítulo 1 - Butterfly

06:00h

O despertador soou em alto e bom som por todo o quarto, fazendo qualquer resquício de sono que eu sentia se esvair num sobressalto.

"'Cause it's thrilleeer, it's thrilleeeer night..."
A música soava insistentemente fazendo meus ouvidos zunirem e minha cabeça doer em irritação.

- Humpf... -grunhi, tateando embaixo do travesseiro procurando meu celular - é, é...bom dia pra você também Michael.

Desliguei o alarme e me levantei da cama esfregando os olhos. Olhei pela janela e pude notar o quanto o dia estava ensolarado e bonito. As ruas ainda estavam molhadas por conta da tempestade que caíra ontem à noite, porém o amanhecer estava mais vivo, com mais cor e isso já bastava.

Estávamos em temporada de chuvas na cidade então raramente se podia contar com a ilustre presença do sol - mas, vez ou outra, o destino se mostrava misericordioso e resolvia devolver um pouco de fulgor em meio a toda essa opacidade monótona.

Enquanto eu admirava as ruas, uma pequena borboleta pousou em um galho de árvore bem próximo à janela. Ela era bem pequena mas possuía um tom de azul bem forte e chamativo.

Não sei bem o por quê, mas aquilo me chamou tanto a atenção que eu me levantei da cama e caminhei em direção a janela, abrindo-a com cuidado.

- E aí amiguinha - falei enquanto a olhava com mais atenção - você é muito bonita sabia?

A borboleta bateu suas asas levemente e se empoleirou em um galho ainda mais próximo, quase enconstando em minha mão que estava apoiada no vão da janela.

Sorri e estiquei um dedo em direção a ela, querendo tocá-la. E - para minha surpresa - a mesma voou em minha direção e pousou ali calmamente.

Aproximei o rosto de minha mão e observei-a com atenção. Ela era realmente muito bonita - de perto dava pra admirar melhor sua cor intensa e também umas manchas amareladas espalhadas por toda sua extensão, que se assemelhavam à pupilas.

Fiquei, por um certo tempo, contemplando-a quando de repente ela pareceu pesar em minha mão. Seu peso, antes quase imperceptível, se multiplicou e eu parecia estar carregando uma placa de mármore. Eu mal tive tempo de raciocinar, minhas pernas fraquejaram e eu perdi o equilíbrio caindo com tudo no chão.

Arregalei os olhos quando vi a borboleta voar em círculos, batendo as asas de forma surpreeendentemente rápida. Uma brisa muito fria adentrou pelo quarto, fazendo os pêlos da minha nuca se eriçarem. A borboleta continuou o que estava fazendo, formando um vórtex bem no centro do quarto, fazendo os móveis e objetos serem sugados para o interior da coisa.

Tentei me levantar mas senti meus pés serem puxados com violência e eu ser arrastado com toda força pelo chão. Tentei me agarrar ao pé da cama mas a mesma estava sendo arrastada junto. Gritei em desespero sem saber o que fazer, quando o criado-mudo veio voando em minha direção e me acertou em cheio bem na cabeça.

Senti uma dor lacinante se espalhar por todo meu corpo e um líquido quente derramar sobre minha testa. Fechei os olhos com força e então mergulhei na escuridão.

***

Acordei me sentindo meio zonzo. Meus olhos doíam e meu corpo todo estava dormente. Olhei ao redor e, ao que parecia, eu ainda estava em meu quarto deitado na cama.

Beleza - pensei - esse foi de longe o pior pesadelo que eu já tive!

Peguei meu celular para olhar as horas justo no momento em que ele começou a tocar o alarme.

"primeiro dia de prisão (aula)"

Encarei a tela do aparelho e dei um suspiro alto. Não estou dizendo que odeio ir pra mais um ano de aula e ver as mesmas pessoas entediantes de sempre, mas é exatamente isso que estou dizendo.

Me espreguicei e me sentei na beira da cama. Olhei pela janela e lá estava o sol - brilhante e vivaz. Aquilo me deu um certo alívio, eu simplesmemte não iria aguentar mais um dia de chuva seguido.

Estava me levantando para ir ao banheiro, quando notei algo pelo canto dos olhos e paralisei. A borboleta. Azul. A mesma do sonho. Ela estava bem ali, no mesmo lugar, do mesmo jeito. Mas como isso era possível? 

Engoli em seco e me obriguei a olhar na direção da mesma. Ela batia as asas preguiçosamente, se aproximando vagarosamente da janela. Senti um vento frio percorrer sobre meu corpo e meus pés pareciam colados no chão, eu parecia ter entrado em um tipo de transe.

Meu coração batia forte enquanto eu olhava para borboleta. Um zunido muito alto preencheu meus ouvidos, tentei desesperadamente me mecher mas meus músculos simplesmente não me obedeciam.

Ela pousou sobre o vidro da janela e o mesmo começou a rachar, como se alguém tivesse dado um soco muito forte ou atirado uma pedra em direção ao mesmo. Quando eu estava começando a entrar em desespero, ouvi batidas altas em minha porta.

O zunido cessou e eu desabei no chão, com a respiração acelerada e os olhos arregalados.

- Jimin você... - disse minha irmã, com uma toalha enrolada nos cabelos e um secador nas mãos - hmmm, tudo bem aí?

Ela estava apoiada no batente da porta com uma expressão confusa no rosto.

- Hã?...O que? - falei, ainda me recuperando do choque.

- Por que você está aí sentado no chão com essa cara de gato assustado? - perguntou - parece até que viu um fantasma!

- É...quase isso - eu disse baixinho, me levantando - mas...o que você ia me dizer?

- Ah.. só que a mamãe pediu pra eu te avisar que você vai ter que ir de metrô pra aula hoje.

- Por que? Cadê ela? - perguntei fazendo uma careta.

- O chefe dela ligou pedindo pra ela ir mais cedo ao trabalho - ela disse revirando os olhos.

Suspirei. Minha mãe sempre passava poucas e boas na mão do chefe, ele sempre ligava pra ela do nada exigindo que ela fizesse o trabalho que os outros funcionários foram incapazes de fazer, em prazos ridiculamente curtos. Era revoltante, mas não tinha nada que pudéssemos fazer à respeito.

- Tudo bem - eu disse em uníssono - obrigada por avisar.

- De nada, e ei... - olhei pra ela - boa sorte no primeiro dia de aula!

E com isso ela piscou e fechou a porta, me deixando sozinho olhando pra janela do meu quarto - agora em perfeito estado, sem nada a não ser os galhos das ávores balançando ao vento.

Será que estava sofrendo alucinações?

***

Depois de tomar banho e me arrumar, desci as escadas e fui direto para a porta da frente, quase correndo contra o tempo pra conseguir pegar o metrô relativamente vazio - eu odiava quando estava lotado! Muita gente, muito barulho, muito suor e cecê alheio...argh não, valeu! Eu preferiria mergulhar num tanque cheio de tubarões do que me remeter à isso.

Sério.

No caminho da estação, enquanto eu admirava as árvores, me peguei refletindo sobre o pesadelo bizarro que eu havia tido mais cedo. Foi algo tão estranho, mas tão real!

Aquela borboleta...por que ela me parecia tão familiar? E por que ela apareceu exatamente no mesmo lugar fora do meu sonho?...Será que eu estava virando vidente?

Sacudi a cabeça em negação depois desse pensamento ridículo. Talvez eu só estivesse ficando maluco mesmo.



Notas Finais


moral da história: muito cuidado ao ver alguma borboleta azul por aí. elas são do mal. fim.

mentira, ainda não acabou hsjshs

espero que vcs acompanhem essa fic até o final~

obg pela atenção e até o próximo capítulo ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...