1. Spirit Fanfics >
  2. Flor da Meia-noite - Park Jimin >
  3. Sonhos

História Flor da Meia-noite - Park Jimin - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Sonhos


CAPÍTULO 1


🌺 SONHOS 🌺




Segunda-feira,

19 de novembro de 2020, 09:32 AM


Cinquenta e cinco menos trinta e dois é igual a vinte e três.

Isso!

Faltam exatos vinte e três minutos para a terceira aula acabar e eu não precisar mais ouvir a Sra. Forkwood falar sobre como Eva fez com que ela e Adão fossem expulsos do paraíso.

Entenda, apesar de eu achar super interessante esse tema a Sra. Forkwood faz com que ele fique extremamente entediante. Ela conta os fatos tão lentamente que as vezes acho que sua intenção é nos fazer dormir.

E pode acretidar, nós dormimos.

Dou uma espiada na sala e vejo várias pessoas de cabeça baixa. A maioria dos alunos estão dormindo, e o resto está fazendo outras coisas como mexer no celular, jogar conversa fora e resolver questões de outras matérias.

Callie Cameron, uma garota alta e loira sentada em minha frente - que também é minha melhor amiga - está trocando bilhetes com seu namorado Nolan Evans. E Harper Owen - minha irmã - está digitando furiosamente no celular.

Não sei o que está acontecendo com ela ultimamente, ela anda distante, inquieta, estranha - mais do que o normal -, e isso me preocupa. Conversei com ela sobre isso mas a única coisa que ganhei em troca foi um dar de ombros.

Mas eu vou descobrir.

Hoje.

Anoto isso em minha lista mental.

Objetivo do dia: Descobrir o que está incomodando Harper.

Batuco os dedos na mesa e olho para a Sra. Forkwood. Ela está passando um texto no quadro negro sobre a hierarquia dos anjos. Um texto que provavelmente ninguém vai copiar. Nem mesmo eu.

Ela se mudou para Rufleews - uma pequena cidade na costa leste dos Estados Unidos, que, por acaso, é onde moro - no começo do ano letivo - junto de outros cinco alunos -, o que foi uma novidade, já que a última vez que alguém se mudou para cá foi a quinze anos atrás. Mas o que a torna estranha não é suas roupas e nem sua paciência infinita, mas sim o fato de não ter antecedentes. À alguns dias atrás eu fui até a sala de arquivos da escola - não me pergunte o porque - e acabei dando uma espiada em seu arquivo, só havia seu nome e sua foto lá, nada mais, nada menos.

Mas o fato mas estranho é que eu achei mais dois arquivos vazios. O de Jayce Chase, e o de Christian Zane. Eu sei que a escola pode ser descuidada as vezes, mas não ao ponto de manter arquivos vazios.

Jayce Chase está no terceiro ano. Ele namora Makayla Jordan, a melhor amiga de Harper. Ele é estranho, é claro, mas tem algo nele que me deixa com ar de duvida. Ele sempre olha para minha irmã como se esperace algo dela, sendo que ele namora com Makayla, e isso me deixa nervosa.

E Christian... bom, Christian e eu temos um lance. Nada sério, é claro, mas ficamos as vezes. Ele também estuda no terceiro ano, mas não é do tipo sociável, acho que fui a primeira pessoa com quem ele falou aqui, e eu gosto disso, sabe, ter a atenção dele só para mim.

Podem me chamar de egoísta e tudo mais, mas eu nunca tive algo só meu, sempre tive que dividir tudo com Harper. Já comentei que somos irmãs gêmeas idênticas? Não? Então agora vocês sabem. Harper é minha irmã gêmea, dois minutos e quarenta segundos mais velha, e que sempre, sempre rouba as atenções para si, e é por isso que eu não tenho nada, por que onde estou Harper está, e ela sempre chama atenção com suas roupas extravagantes e sua personalidade hiperativa.

Não sobra nada para mim. Ela pega tudo.

Eu neguei para mim mesma por um tempo, tipo, ela é minha irmã e eu a amo, e não tenho que sentir inveja dela, mas a verdade é que eu sentia - ainda sinto -, e fico mais do que feliz de ter Christian como segredo. Como meu segredo.

Mas não é como se eu confiasse nele, não. Deus sabe que Christian é estranho, e seu arquivo vazio deixou ele mais suspeito ainda, mas... que seja, pelo menos ele beija bem.

Sorrio com satisfação.

Harper nem sonha que eu esteja ficando com Christian. Mas o que mais me satisfaz é o fato dele ter escolhido a mim, e não a ela.

Harper e eu somos completamente iguais. Mesmo corpo pequeno e esguio, mesma pele alva e macia, mesmo cabelo grosso e preto como a noite, e os mesmo pares de olhos Azul Royal. Completamente iguais mas completamente diferentes.

Enquanto sou calma e divertida Harper é tempestuosa e mal-humorada. E parece que quando ela está por perto eu simplesmente não existo.

Eu aceitava isso numa boa. Mas tudo mudou quando Park Jimin chegou.

Lembra quando disse que mais pessoas haviam vindo para cá? Além de Jayce, Christian e a Sra. Forkwood também chegaram a família Park.

A mesma é composta por cinco membros. Jackson Park, o chefe de família e cirurgião do único Hospital da cidade. Sua esposa é Liliana Park, ela é médica e trabalha junto com o Sr. Park. Junto eles têm três filhos. O mais velho é Ethan Park, ele está no terceiro ano e sua irmã mais nova Park Jane está no primeiro. E por último mas muito importante vem Park Jimin, sem sombra de dúvidas o garoto mais lindo que eu já vi, ele veio da Coreia do Sul junto de sua família no começo deste ano - dei uma olhadinha no arquivo dele -, e mora aqui deis de então.

Jimin estuda no segundo ano, mesma sala que eu e Harper, e assim que ele entrou na escola fiquei completamente louca por ele e disse isso à Harper, porque eu conto tudo para ela, e um dia depois de eu ter falado para ela o que sentia por ele a mesma começou a sair com ele, e isso me machucou muito, porque Harper sabia como eu me sentia em relação a Park.

Foi nesse momento que percebi que se quisesse algo meu, teria que parar de pensar em minha irmã gêmea. Então mal nos falamos deis de então.

Quer saber, não irei me preocupar com ela, não depois do que ela fez.

✖Objetivo do dia: Descobrir o que está incomodando Harper

Cruzo os braços e encaro o ventilador de teto. Ele está rodando lentamente, mas a essa altura tudo me parece lento, o relógio, o vento, as vozes, meu pulso.

Solto um suspiro fundo e deito a cabeça na mesa. De repente com sono. Minhas pálpebras parecem pesar uma tonelada, e não há nada que me impessa de fecha-las.

Sono.

Sono.

E mais Sono.

- S/n.

Levanto a cabeça quando ouço meu nome ser chamado, mas quando olho aos lados ninguém está me chamando, pois a sala está vazia.

Merda.

Para onde foi...

Eu sei o que está havendo.

Uma visão.

Isso vem acontecendo deis do meu aniversário de dezesseis anos, de lá para cá venho ouvindo vozes, tendo pesadelos e sensações estranhas, como se alguém estivesse me tocando, como se alguém estivesse me seguindo.

Não sei explicar como isso está acontecendo, e nem o por quê. No começa era fraco, mas de alguns dias para cá vem acontecendo com mais frequência, como se algo estivesse chegando... algo ruim, muito ruim.

A sala à minha volta está completamente vazia com exceção da minha cadeira e de mim.

Levanto-me rapidamente e quase caio para trás quando vejo uma figura em minha frente.

Um homem. Alto, forte, com o cabelo mais dourado que ouro e os olhos mais azuis que o céu.

Um anjo. Pensei.

Mas algo nele me é familiar, tenho quase certeza absoluta que já o vi antes, mas não me lembro onde e nem quando. Meus pensamentos estão embaralhados.

- Está correta. - Sua voz é suave e doce, e a sensação que tive era que mil sereias estavam cantando ao mesmo tempo. E eu soube naquele momento que se ele me pedisse para pular de um prédio, eu pularia. Mas não sei ao certo sobre o que eu estou certa, sobre ele ser um anjo, ou que eu o conheço. É mais provável ser a segunda alternativa.

Não soube o que dizer por um momento, estava tão hipnotizada por sua beleza que perdi a voz e a noção de meus pensamentos.

Sim. Aquele homem era, sem sombra de dúvidas, um anjo.

E... oh, Deus. Se anjos são assim eu quero ir para o céu.

Mas minha linha de pensamento é interrompida outra vez quando ele se pronuncia novamente.

- Não posso demorar muito, estou me arriscando estando aqui, então ouça-me com atenção. O dia do pagamento está chegando, e a dívida será cobrada, queira ele ou não.

Sua voz começa a falhar e seu corpo a ficar turvo. É como se estivéssemos em uma chamada telefônica e ele estivesse indo para um local sem área. Estava falhando.

- O quê? - consigo perguntar.

- Diga a Aaron Owen que estamos vindo, e que a dívida será cobrada.

Uma nuvem preta surge aos meus pés, me sugando para baixo, para longe dessa dimensão e para longe do anjo.

- Que dívida? - Pergunto com esforço, estou me sufocando, a nuvem preta está me sufocando.

- Apenas diga isso a ele. Isso é tudo que você precisa saber, por ora. - completa ele.

A imagem começa a tremular e tudo fica preto. A nuvem preta me trás de volta e eu acordo.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...