1. Spirit Fanfics >
  2. Flor de Pedra >
  3. A Flor entre Pedras.

História Flor de Pedra - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Baaah, demorei. Mas eu avisei lá no grupo e nos stories o que houve
(pra quem nao viu. resumindo: meu pc me odeia)

❤️️❤️️

Enfiim, feliz aniversario pra mim !!! ❤️️ (apesar de já ter passado da meia noite) (eu e meus horários virados) e de presente FINALMENTE o ultimo capitulo dessa mini fanfic ❤️️❤️️❤️️

Espero que gostem ❤️️ E vejo voces nas outras fanfics ❤️️ (nao custa nada dar uma olhada se vc ainda não conhece)

❤️️❤️️ BOA LEITURAAA ❤️️❤️️

Capítulo 3 - A Flor entre Pedras.


Capítulo 03: A Flor entre Pedras.

 

Sasuke fechou o chuveiro e suspirou fundo, o banheiro era enorme e ainda assim estava submerso na fumaça quente da água, ele enrolou uma toalha escura na cintura deixando as enormes tatuagens coloridas a mostra e caminhou pelo piso molhado sem nenhuma pressa, passou uma toalha de rosto no espelho do banheiro para conseguir se enxergar neste, e foi então que ele a viu, parada na entrada do banheiro, os cabelos úmidos cor de rosa presos em um coque alto e bagunçado, a toalha enrolada no corpo cheio de curvas...

 

— Tem outros banheiros na casa. — Ele sequer virou-se para olhá-la. Sakura se movia devagar e sedutora...

— Você anda fugindo de mim ultimamente...

— Impressão sua.

— Mesmo? — Ela se esgueirou entre ele e a pia de mármore. — Você me pediu um tempo pra pensar, pra aceitar que eu cresci e na primeira oportunidade foi viajar, passou três meses fora, nem estava aqui no meu aniversario. Eu sou maior de idade agora e ainda assim você não chega nem perto de mim.

— Ter dezoito anos não te faz uma mulher madura.

— O que me faz então?

 

Ela perguntou, mas certamente não esperava por aquela resposta dele, que, aliás, não veio em palavras, Sasuke colocou as duas mãos na cintura dela e levantou-a, sentando-a sobre a pia gelada e úmida, ele encaixou o quadril entre as pernas dela e viu o rosto da jovem ficar vermelho, ela certamente estava nua embaixo da toalha, Sasuke não desviou os olhos dela, mas a Haruno não conseguiu mantê-los abertos quando sentiu a mão grande dele em seu joelho, lentamente subindo por sua coxa e por debaixo da toalha até alcançar o quadril volumoso, ela podia sentir seu coração saltar dentro do peito, a outra mão dele ela sentiu em seu pescoço, e instintivamente levantou os ombros, ela não conseguia abrir os olhos, estava nervosa demais pra isso, mas podia sentir ele se aproximando lentamente, e então ouviu o sussurro ao pé de seu ouvido...

 

— Você finge ser crescida e estar pronta... Mas eu não sou o único que preciso me acostumar com a ideia... — Ela finalmente abriu os olhos, o rosto vermelho os deixava ainda mais brilhantes...

— Quer dizer que não desistiu de mim?

— Oh Sakura... — Ele suspirou derrotado e levou uma mão até a cabeça. — Quando eu finalmente botar as mãos em você ninguém conseguira tirá-las.

 

Sasuke simplesmente se virou e saiu do banheiro, deixando-a sentada sobre a pia recuperando o controle de sua respiração aos poucos...

Ele estava certo, ela o queria desesperadamente e o provocava como se soubesse exatamente o que estava fazendo, mas ao primeiro retorno dele ficava nervosa como uma criança ingênua e só faltava tropeçar nos próprios pés, ela queria ser melhor que isso, queria ser a mulher que ele estava esperando ela se tornar, e não importa o que; lutaria para ser esta mulher, Sasuke era um homem lindo, apaixonante, educado, forte, certamente as mulheres fariam fila para ter uma oportunidade com ele, e Sakura não aceitaria ficar para trás, se tornaria uma mulher madura e segura de si, digna de andar de cabeça erguida e dizer a todos que Sasuke a pertencia.

As semanas se passaram, vez ou outra Sasuke e Sakura se encontravam pelos corredores da casa, entre olhares escondidos dos outros membros da família, mas ela ainda não havia feito ele mudar de ideia, ele ainda não achava que ela estava pronta para aquilo tudo, e ele não tinha pressa por isso, aguardaria o tanto de tempo que a jovem precisasse, e sabia que ela estava se esforçando para conquistá-lo de vez e sem volta, mas primeiramente ela queria se sentir uma mulher completa e autoconfiante...

 

Uma reunião foi convocada com todos os membros da família naquela tarde, Sasuke entrou no dojo e viu alguns dos outros membros já ali a espera, sentou-se e aguardou pelos outros que não demoraram a chegar, logo o líder da família entrou no lugar, Kizashi caminhava devagar, mas fazia questão de, como os outros, sentar-se no chão em posição de seiza, mantendo as tradições antepassadas, eles falaram um pouco sobre alguns assuntos e finalmente chegaram ao que realmente interessava...

 

— ...O indecente, filho da máfia italiana estará nesta festa e será nossa oportunidade para mandar um recado a seu pai. — Kizashi dizia calmamente. — Mas não iremos invadir o lugar e chamar atenção, mandaremos apenas dois de nós entregar o recado... Gentilmente.

— Não terá outros membros da família com ele? Acha que dois de nós da conta? — Um dos homens perguntou.

— Por isso mandaremos alguém que seja capaz de distraí-lo. Conhecemos o histórico do garoto, vamos usar a maior fraqueza de um homem, principalmente os ocidentais.

— Uma mulher? — Kakashi foi quem questionou, e todos ali sabiam que ele próprio já havia caído naquela armadilha.

— Exatamente, confesso que fiquei receoso, até mesmo indeciso, mas acho que já está na hora de todos os membros desta família participarem.

 

A porta do ambiente se abriu, Sakura estava parada diante de todos, e aos poucos todos foram percebendo o que Kizashi queria dizer com suas palavras. Sakura fechou a porta atrás de si e caminhou devagar até o lado do pai, sentando-se devagar, os olhos verdes se cruzaram diretamente com os ônix de Sasuke ele culpou-a por esconder aquilo dele, era um absurdo, Sakura não estava preparada de maneira alguma para participar de uma ação contra a máfia italiana, de forma alguma ele permitiria aquilo, mas antes que pudesse manifestar seu descontentemente outro o fez. Naruto levantou-se furioso entre os outros, gesticulando bravo.

 

— Isso é ridículo, Sakura não pode ir. Ela é uma criança.

— Eu não sou mais uma criança. — Ela até tentou se defender, mas Naruto apontou o dedo em sua direção como se estivesse lhe dando uma bronca.

— Você é sim! Não se meta em assunto de adultos.

— Você nunca vai me dar à chance de crescer e aprender se me deixar presa aqui. — Ela revidou.

— Você não precisa aprender nada, estaremos aqui para proteger você, você pode passar o resto da vida no quarto jogando videogame e segura.

— Eu não quero mais ficar de fora dos assuntos da família.

— Você não sabe o que quer, é uma criança. — O Uzumaki enraivecido virou-se em direção a Sasuke. — Me ajude, não deixe ela ir.

— Eu concordo com Naruto, é muito perigoso. — Sasuke finalmente se posicionou.

— Eu não sou uma prisioneira, eu tenho o direito de ir como qualquer um aqui.

— Eu concordo com os dois, a jovem Sakura correria muito risco. — Foi Neji quem se posicionou desta vez...

— Mas esta seria a oportunidade perfeita para ela aprender, além do mais, poderemos montar guarda do lado de fora para se algo sair do controle.

 

Shikamaru deu sua sugestão, mas logo todos começaram a falar ao mesmo tempo, alguns apoiando e outros não, e a reunião, sempre tão calma, tornou-se um verdadeiro caos, mas tudo aos poucos foi sendo abafado pela risada alta do Oyabun da família, e quando todos finalmente se calaram ele se posicionou...

 

— Eu não poderia ser mais feliz em ter uma família como vocês, e agradeço a todos que se preocupam pelo bem estar de nossa pequena princesa, mas temos que admitir, ela cresceu, e fizemos um bom trabalho meninos, se tornou uma linda jovem. — O homem a admirou e sorriu. — Mas ela tem razão, ela tem o direito de participar desta família não só na mesa de jantar, é uma garota esperta e vocês a ensinaram tudo de melhor que tinham a ensina-la, e agora chegou a hora de botar isso em prática. Eu também estou aflito e com medo, mas confio que vocês irão protegê-la se assim for preciso.

— Se Sakura vai, eu vou acompanhá-la. — Sasuke se prontificou, mas foi negado.

— Não. Gaara é quem irá até o bastardo italiano.

 

O barulho da faca sendo cravada no chão de madeira fez todos se virarem para o ruivo, e com um sorriso quase perigoso no rosto ele garantiu;

 

— Não se preocupem irmãos. Ninguém irá tocar na Sakura.

 

Os próximos dias foram tensos, todos estavam nervosos com aquela ação da família. O plano não era tão complicado, era bem simples na verdade; Sakura e Gaara iriam até a festa como um casal, ela seria apresentada como uma acompanhante de luxo, assim seria próxima o suficiente para ser confiável e não tão próxima para se tornar um alvo, entrariam na festa e dariam um jeito de afastar o alvo para um lugar reservado, nesse momento Sakura se afastaria para que Gaara pudesse dar o “recado” ao filho do italiano, enquanto isso os outros membros da família estariam no estacionamento do local aguardando e monitorando tudo através de câmeras escondidas nos dois, para que se necessário intervissem pela segurança da dupla, ao acabar, eles iriam embora, não para a casa, mas para não chamar suspeitas ou entregar o endereço da família, iriam para um hotel predestinado.

A noite finalmente chegou, e eles estavam mais nervosos e ansiosos que nunca, gastaram os últimos dias instruindo Sakura de cada passo que ela daria; o que poderia ou não acontecer, e ainda assim não estavam totalmente seguros, mas talvez nunca ficassem, eram certamente super protetores com a única alma feminina da família.

Gaara saiu do quarto usando um finíssimo terno preto sob medida, camisa, gravata e sapatos também pretos, os cabelos penteados, o que era realmente uma novidade, e os olhos verdes com a costumeira calmaria assassina, era um homem extremamente bonito e que certamente chamaria a atenção de todas as mulheres assim que ele entrasse no local, principalmente acompanhado da bela Sakura...

 

Sasuke aproveitou-se de um momento de distração dos outros e caminhou rápido até o quarto dela, abriu a porta como sempre; sem bater, e pegou-a ainda com um roupão preto sobre o corpo, a maquiagem e o cabelo já estavam prontos, e o vestido vermelho estava sobre a cama, e mesmo sem ele; ela estava estonteante de tão linda, o Uchiha aproximou-se e segurou-a pelo rosto com as duas mais, seu coração tremia de medo em pensar que algo poderia acontecer a ela, queria roubá-la dali e não deixa-la ir, mas tinha sido a escolha dela, ela queria aquilo e por mais que fosse difícil para ele admitir; talvez fosse bom para ela finalmente ver o que significava fazer parte daquela família, saber se defender, deixar de ser o “elo mais fraco” e se tornar sua carta na manga.

 

— Tem certeza que quer isso? — Ele perguntou.

— Sim Sasuke, eu estou pronta.

— Você não precisa ir Sakura, eu daria minha vida por você se um dia você precisar.

— É por isso que eu tenho que ir, eu não quero sempre depender de você para saber o que fazer. Eu quero ser suficientemente boa para poder dizer com orgulho que faço parte dessa família.

— Oh, Sakura...

 

As mãos dele tremiam. Sakura nunca o tinha visto assim, ele encostou sua testa na dela com os olhos fechados, as mãos desceram lentamente até a cintura e ele beijou-a, mas foi diferente, ela quase podia sentir o gosto do medo de perdê-la. Sakura enlaçou seus braços ao redor do pescoço dele e aprofundou o beijo, fazendo-o acompanha-la em algo muito mais quente e sedutor...

 

— Você vai se orgulhar de mim ao final desta noite.

— Engano seu em pensar que eu já não me orgulho...

 

Sasuke suspirou fundo e afastou-se, levando as duas mãos até a cabeça e bagunçando os cabelos negros que já eram bagunçados o suficiente, ele aproveitou a oportunidade para passar cada passo da noite com ela, e sabia que alguma coisa ia sair do controle, sempre saía, mas queria que ela estivesse o mais preparada possível, além de tudo confiava em Gaara, ele era um lunático mas era também uma das pessoas mais confiáveis e leais que já conhecera na vida. Afastou o vestido com a mão e sentou-se na cama, e viu ela se aproximar lentamente, encaixando o corpo entre as pernas dele, o homem abraçou-a, o rosto ficava a altura dos seios dela naquela posição, e o perfume dela o dominou por completo...

 

— Quando eu voltar; serei a mulher que você esperava que eu me tornasse...

— Você já é.

 

Quando Sakura apareceu usando o ousado e justo vestido vermelho, muitos deles se surpreenderam, Naruto estava praticamente chorando em um canto, ainda não tinha aceitado aquilo. Shikamaru logo apareceu, ele entregou um par de brincos para Sakura, um deles era uma pequena câmera que permitiria que eles vissem tudo que ela visse, a câmera de Gaara ficava no bolso do paletó, e qualquer um que olhasse diria que era apenas um botão. Sakura se quer sabia que a família tinha acesso a tal tecnologia, mas não se prendeu a isso.

 

— Vamos?

 

Gaara lhe estendeu o braço e ela aceitou o convite, entraram no luxuoso carro escuro, enquanto os outros membros de dividiram em duas vans, foram por caminhos diferentes para não chegarem juntos, e levantarem alguma suspeita, Sasuke estava sentado na van olhando os dois monitores, um deles mostrava o volante ao qual o ruivo estava trás, o outro era a visão da câmera no brinco de Sakura, podia-se até mesmo ver os fios cor de rosa, Sasuke estava nervoso com tudo aquilo, encarando os monitores e se preparando para ir ao encontro dos dois a qualquer momento.

Gaara desceu do carro em frente ao enorme salão, fez a volta no automóvel e abriu a porta para Sakura, logo um homem jovem de smoking branco se aproximou.

 

— Boa noite, os nomes estão na lista?

— Gaara e minha... — Ele olhou para ela e puxou-a pela cintura. — Acompanhante desta noite.

 

A imagem que aparecia agora na câmera de Gaara eram os fartos seios de Sakura apertados contra o peitoral do homem, Sasuke sentiu seu sangue ferver só de imaginar o braço do ruivo ao redor da cintura dela, desviou o olhar e tentou não demonstrar nada aos demais membros também dentro da van. Gaara e Sakura entraram no enorme salão da festa, havia muitas pessoas, muitos fotógrafos, muitos garçons, homens com galantes ternos e mulheres com longos vestidos coloridos, o casal foi atravessando o salão de braços dados e chamava atenção de muitas pessoas que se viravam para observá-los, mas lotado do jeito que aquele lugar estava levariam um bom tempo para encontrar o alvo...

 

— Você lembra do rosto dele pelas fotos, certo? — Gaara perguntou baixo enquanto fingia sorrir

— Sim.

— Vamos nos separar e procurá-lo, nos encontramos no bar em dez minutos. Se o encontrar não fale com ele.

 

Sakura apenas concordou com a cabeça e observou as costas dele se afastarem, logo ela perdeu os cabelos vermelhos na multidão, suspirou fundo, colocou um sorriso simpático no rosto e começou a circular pelo lugar, alguns homens se aproximavam sorrindo na esperança de puxar uma conversa, as mulheres a olhavam com certo desdém, ela pegou uma taça de champanhe de um dos garçons e desfilou com aquela taça cheia por alguns minutos, até finalmente encontrá-lo, era um homem jovem, deveria ter dois ou três anos a menos que Gaara e Sasuke, tinha bonitos cabelos loiros penteados para trás com uma charmosa mexa caída sobre os olhos, usava um terno branco e uma camisa amarela escura, o sorriso era quase platinado e Sakura sabia pois ele estava sorrindo em sua direção, cobiçando-a com os olhos e ignorando o quarteto de mulheres ao seu redor, Sakura charmosamente virou-se de costas, o vestido vermelho deixava suas costas nuas, balançou o quadril suavemente e caminhou para longe dele, embrenhando-se entre as pessoas, quando já estava longe ela suspirou, levando a mão ao peito, ela tinha certeza que era o homem que procuravam...

Dentro da van estava um alvoroço, a câmera no brinco de Sakura mostrou-lhes perfeitamente quando o homem a enxergou e sorriu em sua direção, quase comemoraram quando a Haruno virou-se e afastou-se dele, indo em direção ao bar como o combinado com Gaara.

A câmera presa ao ruivo mostrava o tumulto de pessoas naquele lugar, todas muito bem vestidas e arrumadas, mas quando ela entrou na imagem tudo o que se conseguia ver era a mulher de cabelos cor de rosa, ela destacava-se dentre todos ali, o vestido vermelho era fino e caia em seu corpo de uma maneira delicada e sensual, o quadril era largo e a cintura fina, as costas ficavam completamente de fora e eram cobertas apenas pelos cabelos longos e coloridos, os homens na van começaram a fazer comentários, nenhum deles havia percebido o quão linda e sedutora a jovem havia se tornado, exceto claro por Sasuke, que se corroía por dentro por não poder dizer nada...

A Haruno esperou pelo ruivo por apenas alguns minutos no bar e logo sentiu a mão grande em suas costas...

 

— Eu o encontrei. — Ela sorriu e falou baixo.

— Onde?

— Ele me viu, olhou diretamente para mim, eu quase congelei. — Apesar do sorriso no rosto, Gaara conseguia ver o pavor tomando lentamente conta dela...

— Tudo bem, fique calma, é por isso que você está aqui, ele vai se aproximar de você...

— Como sabe disso? — Eles caminhavam lentamente pelo local agora...

— Olha pra você, ele certamente vai querer se aproximar.

— E se eu congelar, e se eu falar algo que não devo.

— Você não vai Sakura.

— E se eu fizer.

 

Gaara parou e puxou-a levemente pelo braço fazendo a mulher ficar a sua frente. Sasuke observava a proximidade dos dois, e jurou que daria um braço par saber o que falavam, mas as câmeras não possuíam som. O ruivo sorriu, e pela primeira vez na noite não foi falso, e tentou acalmá-la.

 

— Eu estou aqui, estamos todos... — Ele tentou acalmá-la ainda mais... — Sasuke está aqui, nada de ruim acontecerá com você.

 

Ela respirou fundo e seguiram caminhando, realmente ela se acalmou, ter o ruivo do lado e lembrar que Sasuke e os outros estavam no estacionamento a acalmou de fato, caminharam em direção a onde ela havia visto o homem. Gaara agia de forma sutil e elegante, o oposto do que costumava ser no dia á dia, ela finalmente colocou os olhos no italiano, e quando o fez usou de um sorriso para indicar a Gaara onde ele estava, ele então parou-se na frente dela e de costas para o homem...

 

— Ele está olhando para você? — Perguntou e deu um gole no whisky em sua mão.

— Sim, fixamente.

— Sorria e desvie o olhar, não pode parecer interessada de imediato. — Ela o fez. — Vê algum homem ao redor dele ou só as mulheres?

— Tem dois homens parados atrás dele, não parecem estar aqui para se divertir. — Ela tomou um gole do champanhe em suas mãos, mas logo voltou a ficar nervosa. — Gaara ele está se aproximando, esta vindo pra cá.

 

Gaara rapidamente pegou a taça dela e soltou sobre a bandeja de um garçom que estava passando na hora, junto com o copo do whisky, ele colocou a mão em sua cintura e sutilmente a guiou em direção a pista onde alguns casais dançavam, daria tempo que ela precisasse para se acalmar, e atiçaria a vontade do homem de se aproximar daquela linda mulher, ele enlaçou-a pela cintura e sorriu girando-a no salão, chamando ainda mais a atenção de todos com o enorme cabelo cor de rosa dançando entre os outros...

Sasuke engoliu a própria saliva, não queria mais saber de sutilezas, queria literalmente meter o pé na porta e dar um tiro em cada um que olhou para Sakura desde que ela entrou no lugar, aliás, se ele pudesse morderia Gaara por tocar nela, era horrível observar sem poder fazer nada...

A dança finalmente acabou, Gaara conduziu-a para fora da pista e sorriu galanteador sem dizer uma palavra, ele podia ver o homem se aproximando lentamente pelas costas dela, mas preferiu não assustá-la lhe informando disso, queria que ela fosse sutil e achou que o melhor jeito de isso acontecer seria encarando o italiano logo de uma vez...

 

— Devo dizer que não é todo dia que ponho os olhos em tamanha beldade.

 

Sakura conseguiu sentir o sangue gelando em suas veias, virou-se para ele e pode ver os cabelos loiros e olhos amarelados, ela expirou calmamente enquanto levava a taça até os lábios e sorriu, nunca deu um sorriso tão frio em toda sua vida, mas lá estava ela, com os olhos verdes mansos e a respiração calma...

 

— Adoraria que me desse à honra da próxima dança. — Ele insistiu.

— Oh senhor. — Sakura jogou o corpo cheio de curvas sobre o terno caro de Gaara e sentiu quando o ruivo enlaçou sua cintura... — Se meu acompanhante permitir...

— Acompanhante... — Ele voltou os olhos para Gaara finalmente, e esta era a chance do ruivo. Estendeu a mão e cumprimentou o loiro. — Muito prazer, é uma bela dama a sua.

— De fato, é possível achar verdadeiras beldades pelas ruas de cidade, mas está aqui é uma raridade. — Gaara girou-a lentamente, como um vendedor que oferece uma joia a uma mulher, e viu os olhos do outro brilharem.

— É uma pena que já esteja acompanhada nesta noite.

— Haverá outras noites senhor. — Gaara não pode negar que se surpreendeu com o quanto a voz de Sakura poderia soar sedutora.

— Mal posso esperar.

— Você não faz ideia... — Gaara voltou a beber algo que pegou de um dos garçons. — As mulheres mais novas me surpreendem a cada dia. — O outro riu eufórico ao pensar na ideia. — Parece que é um apreciador de mulheres, como eu.

— Certamente... — O maldito não conseguia tirar os olhos de Sakura, e Sasuke, ao ver as imagens pela câmera agradeceu por não estar lá, certamente já teria arrancado os olhos do infeliz.

— Devo confessar... — Gaara aproximou-se um pouco mais do homem... — Esta aqui quase acabou comigo na noite passada. — O homem e Gaara riram juntos, enquanto Sakura mordiscou o próprio lábio sensualmente... Gaara então puxou-a para mais perto e sorriu afastando-se... — Tenha uma boa noite.

 

Virou-se com ela ainda pendurada em seu braço e começou a caminhar devagar, Sakura respirou fundo e só então, em um tom muito baixo, questionou...

 

— Por que estamos nos afastando?

— O desgraçado é um tarado. Se ele vier atrás de você, temos ele nas mãos.

— E se ele não vier?

— Olhe para trás...

 

Ela olhou, o homem ainda estava parado lá observando os quadris balançarem por debaixo do tecido vermelho, lá estava a resposta dela, o homem pôs-se a caminhar em sua direção, ela virou o rosto rápido e não demorou para ouvi-lo chamando, Gaara virou-se ainda com a cintura da mulher encaixada em seu braço...

 

— Estive pensando. — O Italiano começou... — Será que poderia me ceder sua acompanhante por esta noite? Eu pago o dobro que o senhor pagou.

— Oh não. — Gaara riu simplório. — Eu gosto muito da companhia dela, e além disso; já tenho algo nos esperando hoje à noite.

— Você tem senhor? — Sakura balançou o corpo de forma alegre, os seios acompanharam o movimento. — É aquele brinquedo que me prometeu? — Gaara quis conversar com o pai dela sobre aquilo, mas não poderia sair do personagem diante do outro, por sua sorte o próprio o interrompeu.

— Quem sabe então apenas durante algum tempo? Estou em um quarto daqui. Você vai aproveitar um pouco mais da festa afinal... — O ruivo olhou pra Sakura, como se decidindo o que fazer a seguir. — Digo, eu pago aparte para ela e a devolvo depois de um bom banho daqui há... Quarenta minutos, o senhor nem sentirá falta dela.

— Bem, eu não sou seu dono, pergunte há ela. — Os olhos de ambos se viraram para Sakura, que suavemente levantou uma das sobrancelhas...

— Paga o dobro, você disse...?

— Fechado.

 

O italiano puxou-a pelo braço e arrancou-a de Gaara, virou-se e saiu caminhando com ela pendurada em seu braço, Sakura respirou fundo, estava apavorada, mas não poderia voltar atrás agora, passou a mão nos cabelos e colocou-os para trás da orelha, tendo a certeza de que Sasuke saberia onde ela estava se precisasse, sabia que ele a estava observando e que não deixaria nada acontecer, sentiu o homem apertar ainda mais sua cintura, ele parou diante do elevador e Sakura aproveitou o momento para olhar para trás, graças a deus Gaara se esgueirava por entre as pessoas aproximando-se deles, e o olhar fixo fazia-a ter certeza de que ele não a perderia de vista. Quando o elevador chegou ela agradeceu por duas senhoras entrarem junto deles no cubículo, assim ele certamente não faria nada indevido, além delas os dois homens que estavam sempre atrás dele entraram junto. Não demorou a chegarem ao andar, caminharam apenas alguns passos e o homem entrou no quarto com Sakura e fechou a porta atrás de si, deixando os dois homens no corredor.

 

— Eu vou lá agora. — Sasuke levantou-se dentro da van preparando um pistola.

— Eu vou junto. — Naruto foi o próximo.

— Não tem necessidade, Gaara está chegando. — A imagem do ruivo mostrava ele subindo as escadas correndo.

— E se fizerem algo com ela enquanto ele não chega? — Naruto estava histérico.

— Vocês iriam demorar muito mais que ele.

 

Sakura olhou o quarto bagunçado, ela sentiu a boca do homem em seu pescoço e sua primeira reação foi gritar, mas não podia, afastou-se dele caminhando em direção aos moveis de maneira sedutora...

 

— Então... Deve ter gostado mesmo da minha aparência.

— Mal posso esperar para puxar esses cabelos cor de rosa. — O homem ia se aproximando devagar...

— Então você gosta de dominar? — Aproximava-se de uma poltrona observando-o tirar o paletó, algo nela chamou sua atenção...

— Nem sempre.

— Eu gosto... — Ela sorriu maliciosa enquanto pegava algo na poltrona sentava-se nesta, ele aproximou-se usando a camisa amarela, mas antes de conseguir alcança-la Sakura colocou o pé em seu peito empurrando-o levemente, o salto vermelho e fino o impedia de se aproximar, mas ele pareceu gostar daquilo... — Vai me deixar mandar?

— Claro.

— Ótimo...

 

Ela levantou a algema que antes estava sobre a poltrona e mostrou a ele erguendo uma das sobrancelhas, empurrou-o com o pé e o fez dar dos passos para trás enquanto se levantava...

 

— Sente-se.

 

O homem obedeceu, adorando aquela deusa lhe dar ordens, Sakura aproximou-se devagar... O barulho do lado de fora da porta chamou a atenção do homem por um momento, e Sakura sabia que tinha que recuperá-la, ousou ainda mais e subiu sobre o homem, as coxas grossas ao redor dele enquanto os seios fartos se aproximavam de seu rosto, ela cheirava muito bem, a mulher colocou algema gelada em seu pulso e prendeu-o imediatamente na poltrona.

Todos dentro da van observavam as duas câmeras, o homem estava perto de mais de Sakura e isso impedia de ver exatamente o que estava acontecendo com ela, mas a de Gaara era nítida, o segundo homem caiu no chão e fez outro alto barulho, ele levantou-se e olhou para a porta que os dois guardavam, e sequer pensou antes de abri-la com tanta força que bateu para trás, a visão não era agradável, Sakura estava montada no homem preso em uma poltrona, Sasuke sentiu seu sangue se diluir em ódio.

 

— Segure o elevador, não deixe ninguém no andar.

 

A mulher levantou-se imediatamente e viu o estrangeiro fazer uma cara confusa, mas quando tentou levantar a algema o puxou de volta para a cadeira, ela passou pelo ruivo rápido e viu-o sorrir em direção ao homem, e quando chegou à porta, antes de fechá-la pode ouvir o ruivo...

 

— Eu lhe trago um recado da Yakuza.

 

Ela fechou a porta e suspirou aliviada, olhou para o chão e viu os dois homens caídos ali, levou um leve susto, mas não era preciso observar muito para ver que estavam mortos, ela correu para o elevador e o chamou, as portas não demoraram a se abrir e ela agradeceu por estarem vazias, tirou um dos sapatos vermelhos e cravou entre os trilhos da porta, seu coração pulava em seu peito, e era de uma maneira da qual ela nunca sentiu antes em toda a vida, aquilo era adrenalina, ela sacudiu as mãos tentando tirar a dormência de ambas, caminhou novamente em direção a porta do quarto, mas não teve coragem de abri-la, ela sabia o que Gaara estava fazendo lá dentro, e ao mesmo tempo não tinha ideia...

Não demorou muito para a porta se abrir e ela fez questão de olhar para dentro, o homem ainda estava na poltrona, mas suas mãos estavam cravadas com duas facas prendendo-o nesta com mais firmeza, a camisa antes amarela estava quase que completamente manchada de vermelho e o rosto estava tão inchado e roxo que era quase irreconhecível, sentiu a mão do ruivo em seu braço puxando-a e não teimou em ficar, ele tirou o sapato dela do elevador e ela seguiu-o pela escada, mas não conteve as perguntas que saltavam por sua boca...

 

— Ele estava morto?

— Ainda não.

— Acha que alguém vai achá-lo antes de sangrar até morrer?

— Com certeza tem mais homens deles pela festa, logo sentirão sua falta. — Estavam agora perto da saída...

— Você está todo sujo de sangue, vão nos pegar.

— Minha roupa é preta e a sua vermelha, ninguém vai nem perceber.

 

De fato, eles saíram no salão cheio de gente, todos rindo, bebendo e dançando, atravessaram o lugar às pressas e nenhuma única alma sequer olhou para suas roupas, ele abriu a porta do carro e praticamente atirou-a lá para dentro, fazendo a volta neste quase correndo e dando a partida...

Shikamaru virou-se para os outros homens dentro da van e bocejou enquanto falava...

 

— Deu tudo certo, vamos pra casa.

 

Sakura e Gaara desceram em um hotel afastado no centro da cidade, eles entraram no elevador e o ruivo tirou o paletó, ela ainda estava nervosa, mas ele parecia extremamente acostumado com tudo aquilo, a porta se abriu e ele parou diante da primeira porta, entregando a chave a ela...

 

— Eu vou ficar no final do corredor, se precisar me chame.

 

Ela apenas assentiu com a cabeça e viu-o se afastar devagar, mas algo nela não permitiu deixa-lo continuar...

 

— Gaara... — Chamou-o e viu o ruivo se virar... — É sempre assim? — Ele suspirou e se aproximou novamente dela.

— Às vezes é pior... Bem pior, você foi maravilhosa hoje, saiu tudo como planejado.

 

O ruivo colocou a mão na cabeça dela, exatamente como fazia quando ela ainda era uma criança, ela sentiu-se feliz em ter sido útil, em ter conseguido ir até o fim, entrou no quarto e desceu do salto vermelho, tirou os brincos e colocou dentro de uma caixinha e mirou a mochila com suas roupas sobre um sofá, precisava de um banho, foi até o banheiro e colocou a banheira para encher, e ao voltar para o quarto ouviu o barulho na porta, caminhou até esta e abriu-a.

Sasuke tinha os olhos negros fixos nela, quase ofegante por todo o esforço para chegar até o hotel o mais rápido possível, a Haruno ainda usava o vestido vermelho que ele tanto desejou arrancar com os dentes a noite inteira, mas ela não parecia estar entendendo direito o que ele fazia ali, entrou no quarto e fechou a porta, caminhando por esse em silêncio e vendo-a o acompanhar começando a ficar nervosa...

 

— Aconteceu alguma coisa? — Perguntou a jovem. — Você está me assustando.

— Você está bem? — Perguntou sem olhar para ela.

— Estou... O que houve?

 

Ela perguntou se aproximando devagar do homem de costas, ele mexeu nos cabelos e suspirou, caminhou até a enorme cama com lençóis brancos e sentou-se nesta, vendo a mulher lentamente segui-lo...

 

— Eu não estou. — Desabafou. — Tem noção de como foi minha noite?

— Eu me sai bem... — Ela definitivamente não entendeu a que ele se referia. — Você não precisava se preocupar tanto, viu.

— Sim, sim, você foi ótima. Mas não estou falando disso...

 

A expressão no rosto dela a denunciava, ela ainda não estava entendendo do que ele estava falando, aproximou-se mais, perto o suficiente para ele ter que levantar a cabeça para olhá-la, a luz branca da lua entrava pelas janelas, a brisa leve da noite de verão balançava as cortinas finas e claras, a silhueta dele se formava a frente de Sakura, Sasuke usava apenas uma camisa preta, o corpo era perfeitamente esculpido e torneado, e o conjunto da luz do luar que entrava pela janela destacava ainda mais o formato de seus músculos, destacava ainda mais o olhar perdido em pensamentos, os perfeitos traços e os cabelos extremamente negros como o breu caídos sobre o belo rosto... Era o homem mais bonito em que já pousara os olhos, com sua construção poderosa e a marra de um verdadeiro homem da yakuza, ele estendeu a mão, puxando-a devagar pela cintura, encostando a testa entre os seios dela, o coração de Sakura acelerou...

 

— Você tem noção de como foi minha noite? — Perguntou baixo, e ela não soube responder... — Eu tive que ver os homens daquele lugar olhando você, desejando você, tocando você... E sabe... O pior de tudo; foi não poder gritar que você é minha.

 

Sasuke levantou a cabeça e olhou-a, aqueles mesmos olhos negros e profundos que sempre eram tão firmes e imponentes, ela sentia suas pernas tremerem por ele, deu um passo para trás e olhou-o em silêncio por um longo tempo, esperando toda a tensão de seu corpo abandoná-la e ela poder dizer com a voz calma...

 

— Me tome para você então.

 

Sasuke estendeu a mão em direção a ela, convidando-a a se aproximar e aguardando pacientemente a mulher segura-la, ele puxou-a devagar quando ela o fez, enrolou a cintura da jovem mulher com o braço e lentamente deitou-a sobre os lençóis, vendo o rosto dela ficar tão vermelho quanto o vestido que usava, era tão linda com aquela vermelhidão abaixo dos olhos brilhantes e verdes que ele quase esquecia de respirar, o olhar do Uchiha se perdeu, nada mais no mundo poderia ter a mínima chance de tirar os olhos dele dos dela, respirava-a como se fosse uma obra de arte, se demorando naquele olhar enquanto passava os dedos pela pele dos ombros dela, correu a ponta deles pela clavícula e chegou ao pescoço, afirmou a mão atrás da cabeça dela, beijando-a de uma forma tão calma e intensa que deixou a jovem confusa, ele era um homem bruto, Sakura sabia disso ao longo de seus muitos anos de convivência, mas naquele momento suas mãos pareciam feitas de algodão, um toque delicado que lentamente se alastrava pela pele do corpo dela deixando-a se acostumar aos poucos com a ideia...

Em pouco tempo ele corria a mão pelo corpo da mulher sedento, sentindo ela se entregar lentamente em seus toques, aproveitando cada centímetro percorrido pelos dedos, subindo sua mão pelo braço arrepiado da Haruno, e logo depois ao tremulo ombro, e então ele desceu a mão por suas costas nuas, Sasuke sorriu ao se deparar com os olhos verdes ansiosos, ele beijou-a novamente, e enquanto o fazia escorregou a mão até o quadril, afastou-se novamente e manteve os olhos nos dela enquanto lentamente subia o tecido vermelho com os dedos, pode sentir ela se arrepiar quando colocou a mão grande na coxa dela, a pele macia e cheirosa da Haruno, a pele clara que se avermelhava em suas extremidades quando ela o encarava daquela forma, mas Sakura manteve-se firme, o mais firme que conseguiu ao sentir o toque das mãos dele, mãos estas que geralmente eram geladas, mas que agora estavam quentes como brasa, ele escorregou a mão devagar por debaixo do tecido e puxou a calcinha que ela vestia, jogando-a no chão ao lado da cama sem sequer ver de que cor era, ele voltou a mão a ela, enquanto ainda mantinha-a embaixo de seu corpo entre os lençóis, desviando o olhar apenas para apreciar a beleza daquele corpo por alguns instantes.

Sasuke deslizou o nó de seus dedos devagar dos joelhos para cima, ela abriu as pernas devagar e sentiu-o tocá-la, os dedos quentes dele lhe acariciaram devagar, ganhando espaço naquele corpo, Sakura suspirou com o toque, fechou os olhos e sentiu ele tocá-la como quem toca um instrumento musical, com maestria, ele sabia exatamente o que estava fazendo, sabia exatamente onde tocá-la, um gemido tímido escapou pela garganta da Haruno e Sasuke adorou ouvi-lo, as pernas dela tremeram por um segundo, fazendo-a expirar todo o ar de seus pulmões diante da boca dele, Sasuke seguiu acariciando o clitóris dela devagar, e viu-a fechar os olhos e abrir a boca, quase como um pedido por mais, a visão dela em seus braços o excitava, beijou-a novamente, beijou-a com desejo, enquanto intensificava a caricia que fazia em sua intimidade, sentindo-a se entregar completa e literalmente em suas mãos, ela abriu um pouco mais as pernas, sentindo o corpo começar a esquentar de uma forma anormal, apertou o lençol com as mãos e o gesto não passou despercebido pelo Uchiha que sorriu satisfeito, voltou a beijar o pescoço fino da mulher, vendo-a jogar a cabeça para trás e dar a ele todo o espaço que precisava, logo os beijos se tornaram pequenas mordidas que acompanhavam os movimentos das mãos, ela estava melada agora, pronta para que ele pudesse passar para o próximo passo, e aproveitaria de todas as formas possíveis, afastou-se dela e fez questão de olhar em seu rosto quando introduziu o primeiro dedo nela, vendo-a abrir a boca para gemer, mas nenhum som saiu, os olhos verdes brilhantes e estreitos, ele continuou os movimentos devagar, sentindo o corpo dela ficar cada vez mais apertado, sentindo ela ficar cada vez mais úmida, sentindo a respiração ficar mais descompassada, sentindo-a se tornando mais sua a cada movimento, Sakura abriu os olhos, arregalou-os com a boca aberta encarando-o, a mão que antes segurava o lençol avançou em sua camisa preta e segurou-o com força, puxando-o para si, sentindo seu corpo inteiro tremer e um fogo subir, ele fazia-a ter sensações que nunca havia experimentado antes, Sasuke sabia o que aqueles olhos lhe diziam, e intensificou ainda mais o movimento por debaixo do vestido vermelho.

Finalmente o gemido escapou de sua voz fina, ela gemeu alto, uma voz que soava a luxúria, e sentiu seu corpo inteiro se espremer nas mãos dele, as ondas de prazer correndo por seu corpo sem parar, a respiração lhe faltando, o coração batendo forte, e logo seu corpo ficou fraco, não conseguia sentir os próprios dedos dos pés. Sasuke sorriu vitorioso enquanto deliciava-se com a cena e o som que ela produzia, levou os dedos até a boca e os lambeu, ela tinha um gosto adocicado como mel, vendo ela corar de uma maneira que ele se quer sabia que ela era capaz, ele afastou-se e ajoelhou-se na cama, tirando a camisa preta e mostrando a ela as enormes tatuagens coloridas que cobriam todo o peitoral e os braços fortes, ah, como aquele homem era bonito, era quase um insulto, ele subiu sobre ela mais uma vez, delicadamente descendo as alças do vestido vermelho, os seios dela ficaram de fora, eram maiores do que ele havia imaginado, mal cabiam em suas mãos, sorriu para a mulher a aproximou-se como um gato selvagem prestes a dar o bote, sem tirar os olhos dos dela ele abocanhou os seios, fazendo a mulher gemer, lambia-os e chupava-os vendo ela se contorcer com o gesto, enquanto enchia os pulmões com o perfume dela, com a mão ele acariciava o outro seio em movimentos circulares deixando-o rígido. Sasuke afastou-se novamente e Sakura ouviu o barulho do cinto da calça se abrir, não teve coragem de olhar, seria vergonhoso demais para ela, logo ela sentiu o homem subir sobre seu corpo novamente, e sem aviso avançou em seu pescoço, fazendo-a contorcer o corpo com o toque faminto, sentiu algo quente e melado em sua parte mais intima, esfregando-se nela e fazendo-a deseja-lo ainda mais, a voz rouca então soou baixa ao pé de seu ouvido...

 

— Sakura... — Ela apenas ronronou como resposta... — Diga que me quer agora.

— Eu quero você Sasuke.

 

Ela obedeceu, e sentiu o membro dele invadi-la, lentamente, era enorme, ela podia senti-lo entrando, podia senti-lo rígido e pulsante dentro dela, podia senti-lo ganhando espaço em seu corpo, Sasuke apertou sua cintura com menos delicadeza que antes, afundando seu rosto no pescoço dela e deixando escapar um rosnado de prazer na voz rouca, ele sabia que tinha que esperar por um momento, esperar ela se acostumar com aquilo, mas queria desesperadamente senti-la novamente, ela cravou as unhas nele sem perceber, e agradeceu por ele esperar para se mover, era uma dor latente que corria seu corpo misturada a um prazer homérico, ele começou a mover-se, os movimentos começaram suaves, ele queria que ela pudesse se acostumar devagar, ouviu-a começar a gemer baixo e apertar os olhos conforme ele movia o quadril, os movimentos começaram suaves, ele movia o quadril para frente e para trás devagar, e ela sentia-o entrando e saindo assim como o fogo que subia e descia por suas veias, as sensações que ele fazia agora ela sentir ela se quer sabia que existiam, o som da voz dele ronronando sobre ela, a pele dele ficando suada lentamente, a respiração quente em seu pescoço, o braço forte apertando sua cintura com tanta força que ela pode jurar que a quebraria em dois, ao longo dos minutos ela perdeu totalmente o medo daquele ato, a vergonha e o pudor, ela se entregou totalmente a aquele homem que agora lambia seus seios e a fazia gemer seu nome sem parar, logo ela estava gemendo alto com a voz manhosa enquanto ele a penetrava lhe causando sensações delirantes de prazer, desejando-se mutuamente cada segundo mais, lambuzando-se no corpo um do outro, entregando-se para aquele sentimento oculto que a muito pulsava...

 

Sasuke observava os homens entrarem um de cada vez na sala enorme, sentado sobre os pés em forma de respeito, ansioso e mais nervoso do que imaginou que estaria, um a um os membros da família chegaram, Naruto foi um dos últimos a entrar na enorme sala do dojo, segurando a porta para o chefe daquela família passar, mas desta vez ele sentou-se perto dos outros, o único em evidencia virado para todos era o Uchiha, Sakura foi a ultima a entrar e fechar a porta, ela aproximou-se de um lugar e fez feição de sentar-se, mas escolheu outro e depois outro, evidentemente nervosa com a conversa que aconteceria a seguir, escolheu por fim sentar-se um pouco afastado de todos, e quase fugiu da sala quando o pai iniciou com a voz imponente de sempre...

 

— Sasuke, não imagino o motivo de você convocar uma reunião com todos os membros da família tão às pressas...

 

Agora era a chance do Uchiha, não poderia mais fugir, respirou fundo e olhou para Sakura sentada no canto da sala, usava um belo vestido branco de tirantes, ele adorava vê-la usando aquele vestido, o tecido abria-se como uma flor quando ela girava, tinha o rosto avermelhado, e os olhos verdes quase arregalados, ela certamente queria sair correndo dali, voltou os olhos aos seus irmãos, os vinte e seis homens da yakuza o encaravam em silêncio, juntou um pouco mais de coragem para começar e enfim o fez...

 

— A cerca de dez anos atrás eu não tinha nada, nem família, nem amigos, nem sonhos, nem perspectiva, nada, a cerca de dez anos atrás eu era um cara de dezoito anos que vivia na noite, que vivia arrumando confusão e inimigos, eu era sozinho e solitário, e então eu conheci um homem que mudou completamente a minha historia. — Ele mantinha os olhos negros fixos em Kizashi. — E o senhor me trouxe para essa casa, confiou em mim, me mostrou o que era amizade e mais que isso, o senhor me deu uma família, uma família a quem eu podia amar e que também era amado, o senhor me deu perspectiva, me deu a chance de não ser só mais um no meio da multidão, o senhor me deu tantas coisas que e eu jamais poderei pagar por todas ela, nem se eu pagasse a vida inteira... E ainda assim eu peço mais...

 

O som da voz dele sumiu no ar sem ninguém entender ao certo aonde ele queria chegar, mas logo tudo começou a se esclarecer, o som que surgiu na sala não foi da voz do Uchiha, foi o barulho que ela fez com os pés descalços na madeira ao se levantar e caminhar até ele, Sakura sentou-se ao lado de Sasuke e baixou a cabeça em respeito ao pai e a família, nervosa, ansiosa, assustada e talvez até mesmo um pouco de vergonha da situação toda, e só então ele continuou...

 

— Eu sempre serei grato por tudo o que o senhor me deu, eu sou grato pela vida que o senhor me proporcionou, mas hoje eu venho pedir mais, muito mais, talvez até mais do que eu mereça... — Sasuke precisou respirar fundo antes de continuar. — Eu amo sua filha. Eu a amo mais do que a mim mesmo, mais do que tudo no mundo. Eu a amo desde o dia em que cheguei nessa casa, quando ela ainda era jovem e inocente, e meu amor foi assim por muitos anos; inocente, mas ela cresceu e mudou, e se tornou essa mulher maravilhosa que hoje está aqui, e meu amor por ela também mudou e cresceu, e hoje não fico satisfeito em vê-la pelos corredores da casa, eu quero estar ao lado dela em todos os momentos, eu quero cuidar dela e amá-la por toda a minha vida, tudo o que eu desejo para o meu futuro inclui a Sakura, então por favor, deixe-me casar com ela.

 

Sasuke podia ouvir em sua mente os gritos e objeções, podia ouvir Naruto e Rock Lee negando veemente, Shino e Kiba se perguntando o que estava acontecendo, mas isso era tudo na sua cabeça, para sua surpresa todos os olhavam em silêncio agora, voltou os olhos para Kizashi e viu o homem sério o observando, não conseguia imaginar o que se passava pela mente do Haruno naquele momento, e esperou por longos minutos até descobrir, o homem de cabelos rosados e já esbranquiçados voltou os olhos para a filha sentada ao lado do Uchiha, sutil como sempre era, e com a voz baixa e calma perguntou...

 

— O que você acha disso, Sakura? — Ela foi rápida ao responder.

— Papai, eu poderia correr os quatro cantos do mundo e tenho certeza de que nada nele me faria mais feliz do que estar ao lado de Sasuke pelo resto da minha vida.

 

O maldito silêncio novamente, os olhos esverdeados do homem mais velho os analisavam, sentados um ao lado do outro, evidentemente nervosos e ansiosos, os olhos baixos, o suor acumulando-se em suas testas, era uma cena e tanto aquela a sua frente. Lembrava-se da sua pequena princesa correndo pelo jardim com a gargalhada escandalosa e o jovem Uchiha atrás dela gritando preocupado que ela caísse e se machucasse. Lembrava-se de quando ela tinha doze anos e não foi convidada por nenhum menino para ir ao baile da escola, triste vestiu o vestido azul, que havia comprado só para aquela ocasião, os cabelos cor de rosa presos, nervosa na frente de casa tomando coragem de ir sozinha, o Uchiha com o costumeiro terno preto ajoelhou-se a sua frente com um sorriso e levou-a para o baile, dançando com ela a noite inteira. Lembrava-se de passear com a filha pelo shopping e ver a enorme placa de dia dos namorados, a ver escolher entre centenas de chocolates o melhor e mais especial de todos para entregar ao Uchiha... Riu pelo nariz, não conseguiu segurar, tudo na vida daqueles dois acabavam levando um ao outro...

 

— Eu não posso dizer que não esperava por isso. — Confessor fechando os olhos por um segundo, e quando os abriu um sorriso se abriu junto no rosto do Haruno. — Sasuke, eu vi você crescer e se tornar um bom homem, e você tem razão; Sakura não é mais uma criança, ela cresceu e se tornou uma mulher maravilhosa, tal como a mãe dela era...

 

Kizashi se levantou com a ajuda de dois dos homens, em pé ele voltou a olhá-los e sorriu quase orgulhoso...

 

— Eu sei o quanto você cuidou e prezou por ela todos esses anos, eu sei o quanto você a amou por todos esses anos, e eu como pai não poderia estar mais feliz em entregar minha filha para um bom homem como você, Uchiha Sasuke.

 

Os olhos deles não escondiam o quão felizes estavam com aquela benção, Sakura levou as mãos até o rosto e o escondeu, tão contente que não conseguia conter o sorriso que escapou, virou o rosto para o Uchiha e o viu sorrindo incrédulo em sua direção, com toda a sutileza de sempre, ele levantou-se e estendeu a mão para ela, ajudando-a a ficar de pé, e quando o fez ouviu a risada do amigo loiro contagiar todos no local, ao que parecia não havia sido surpresa para ninguém, aliás, parecia que todos ali esperavam por aquele momento há algum tempo, Sasuke curvou-se em direção a todos, e Sakura imitou-o em agradecimento, ela sentiu o Uchiha apertar sua mão mais firme que antes, talvez recém percebendo que agora seriam livres para poder criar uma relação madura sem ter que esconder ou mentir nada de ninguém, ele começou a caminhar em direção a porta e ela o seguiu, teriam uma vida diferente a partir daquele momento, ela sorriu novamente, não conseguia parar, ao olhar a mão dele segurando a sua na frente de todos, tinha certeza que seria verdadeiramente feliz ao lado de Sasuke, e agora não precisaria mais esconder essa felicidade de ninguém, o Uchiha abriu a porta e a luz da rua invadiu o lugar, estavam caminhando agora em direção a uma nova vida, e Sakura mal podia esperar...


Notas Finais


❤️️❤️️❤️️ O QUE ACHARAAAM??? ME CONTEM TO LOUUUCAAA PRA SABEEER, eu sempre fico meio assim com meus finais, acho que é algo que ainda tenho que melhorar muuuito, mas eu tento de todo o coração.

❤️️❤️️ Enfim... POR FAVOR ME CONTEM O QUE ACHARAM
agora vou voltar a responder os comentários ❤️️

ps.: se o seu ainda n foi respondido, SERÁ, só n to correndo com isso...


❤️️❤️️❤️️❤️️❤️️ OBRIGADA POR LEREM MAIS UMA FANFIC DE MINHA AUTORIA, FICO MUUUITO FELIZ E AGRADECIDA PELA PRESENÇA DE TODOS E TODAS VOCES ❤️️❤️️❤️️❤️️❤️️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...