1. Spirit Fanfics >
  2. Flor de Tigre >
  3. Magnólias

História Flor de Tigre - Capítulo 3


Escrita por: besouro_suco

Notas do Autor


Olá Peoples *------*

Capitulo de transição!!! lembrando que as partes em itálico foi algo que aconteceu no passado, uma história antiga para vocês entenderem melhor.

aproveitem o capitulo!! Divulguem #flordetigre para ter + favs!!

Capítulo 3 - Magnólias


Taehyung tinha sua rotina, ele fechava a floricultura, subia as escadas do fundo e tinha acesso a entrada dos fundos de sua casa que ficava em cima do estabelecimento. Hoje estava sozinho, Jimin tinha ido a uma reunião com um cliente em Incheon e sua mãe tinha ido a compras com seu primo. A matriarca tinha enviado uma mensagem que não iria demorar e não precisaria de ele ir para a cozinha fazer algo, então ele aproveitou para tomar um banho relaxante antes deles chegarem. Lembrou da criança que esteve outro dia na floricultura e realmente o cheiro e a aparência lembrava alguém de longe. Mas era impossível, nunca tinha visto aquele ômega que se dizia pai. Colocou algo na cabeça " Impossível “, essa era a palavra. 

 

Bufou enquanto enxugava os cabelos, viu que próximo a sua escrivaninha tinha um ramo de magnólia que provavelmente alguém tinha deixado lá.


 

- Aish, iríamos continuar juntos se você não fosse tão obediente com seus pais, eles nunca iriam nos aceitar, o filho alfa da empregada…

 

Três cômodos ao lado da lavanderia da grande mansão que Euna e Taehyung moravam agora, o garoto tinha apenas dez anos, mas sabia que estava ali praticamente escondendo de seu pai que judiava bastante de sua mãe. A Kim fez uma promessa ao filho, sairia de Daegu para dar uma vida melhor ao filho, iria juntar dinheiro para comprar uma floricultura e trabalhar com as flores que Taehyung sempre gostava. Euna sempre disse que aquele lar em que estavam era provisório. 


 

- Omma - Chamou o garoto de cabelos castanhos - Está quente, eu posso brincar lá fora? 

- Sim, mas não brinque tão próximo à entrada principal da casa Taehyungie 

- Está bem. 

 

Ele levou o carro vermelho de brinquedo que mais gostava e alguns bonecos para brincar no jardim, se distraiu com os bonecos e deixou largado, entrava no meio do pequeno jardim criando um filme estrelado pelos bonecos, porém quando saiu do meio dele não via mais seu carro vermelho. Olhava para um lado e para o outro a procura do carrinho perdido, mas ouviu barulhos vindo de perto da entrada principal, e tinha um outro garoto e estava com o carrinho. 


 

- EI VOCÊ - Gritou Taehyung - Esse carrinho é meu 

 

O garoto de corte alinhado e cabelos negros olhou para Taehyung bravo e logo o encarou. 


 

- Se estava na minha casa é porque é meu. 

- Meu appa me deu esse carrinho, ele não é seu, é meu - Resmungou Taehyung tomando o carrinho - E eu moro aqui

- Me dá esse carrinho, e é só eu de criança que mora aqui - Gritou Jungkook indo em direção ao pequeno Kim para tomar o carrinho novamente. 

 

Taehyung segurou o carrinho novamente e Jungkook foi para cima do Kim dando-lhe tapas, o garoto revidou, mas o menino de cabelos negros acabou mordendo o braço do Kim. 


 

- Jungkook - Gritava um senhor bem apresentável que acabou tirando ele de cima de Taehyung.

- Taehyung, o que eu te disse sobre brincar em frente à entrada da casa - Euna limpava o menino que começava a querer chorar ao ver o carrinho quebrado e não pela mordida - Me desculpa senhor Jeon, eu disse ao meu filho sobre brincar aqui… 

- Mamãe, meu carrinho - Taehyung começou a chorar - Ele quebrou meu carrinho - A criança preocupava com o brinquedo invés da vermelhidão da mordida 

- Jungkook por que fez isso? - Perguntou o dono da casa com um tom bravo para o filho

- Ele não me deixou brincar - Disse Jungkook bravo

- Ahjussi, ele disse que o carrinho era dele e não era dele - Taehyung resmungava 

- Nós precisamos conversar Jungkook - Disse o homem levando a criança para dentro pela porta de entrada 

 

Taehyung recebeu uma bronca da mãe e depois recebeu mimos e ter limpado a mordida que levou, já tinha passado alguns dias do mal-entendido, o Kim não tinha visto mais aquele menino, tanto que por pedido de sua mãe ele brincava apenas na área da lavanderia. Ele chamava ali de seu território quando o pequeno alfa viu aquela criança de uns dias atrás entrar na lavanderia com uma sacola. Ele observava o outro menino caminhar até o lado dele com uma sacola, ele mesmo abriu uma sacola em silencio e desembrulhou o presente que estava dentro, Taehyung viu o que era um carrinho vermelho pela caixa. Jungkook abriu a caixa tirou o carrinho e um controle da caixa e entregou o controle na mão de Taehyung. 


 

- É de controle remoto - Comentou o moreno - O outro não era… Meu pai comprou e me pediu para te dar e depois te pedir desculpas. 

- Desculpado 

- E desculpa por te morder - Jungkook olhou para o curativo no braço de Taehyung - Eu estava bravo, minha mamãe foi para o hospital e falaram que eu iria ganhar uma irmãzinha, aí eu fiquei com raiva. 

- Está com raiva de ganhar uma irmã? - Respondeu o pequeno Tae 

- É estranho, ela ter virado uma bola e depois nascer um bebê - Jungkook fez cara de nojo - Ela falou que isso é papel dos ômegas… - Jungkook olhava para Taehyung que estava entretido com o controle do carrinho - Você é um alfa? 

- Sou - Respondeu – Como meu papai

- Eu não sou um alfa, eu sou um ômega 

- Eu percebi com seu cheiro doce de morango - Respondeu para o ômega enquanto apertava um botão e o carrinho começou a andar 

- Legal - Disse os dois levantando do lugar e seguindo o carrinho 

- E sua irmã? 

- Ela ainda está no hospital - Disse Jungkook – Acho que ela nasceu pequena demais

- Sinto muito por ela - Taehyung parou de caminhar assim como o Jeon - Meu nome é Kim Taehyung.

- O meu é Jeon Jungkook - Respondeu o moreno - Você quer ser meu amigo? 

- Quero. 

 

Taehyung enxugava as lágrimas quando ouviu barulhos em sua casa 


 

- Yoongi, deixe as sacolas aí do lado e comece a esquentar o kimchi que compramos… 

- Ok - Respondeu ele 

- Pelo menos uma coisa boa você faz… que é cozinhar… Taehyungie você está aqui? - Euna entrou no quarto e no escuro apenas viu os olhos do filho brilharem, ao acender a luz viu o filho com olhos inchados de um choro de uma lembrança - Tae… De novo? 

- Omma me deixa 

- Não deixo - Respondeu indo até ele - É por causa dele, seu lobo sofre por causa dele, filho ele é seu passado

- Mamãe… 

- Aquela família te colocou na cadeia por dois anos, ele não te ama Taehyung… Jimin te ama. 

- Eu sei, eu sei 

- Você é forte, e tem um ômega que realmente te ama - Euna enxugava as lágrimas do filho - Não deixe ele te ver assim

- Não irá ver, só foi um momento - Suspirou forte - Eu só tenho curiosidade de saber como ele está. Será que ele se lembra de mim? Porque antes de tudo nós éramos amigos. 

- Taehyungie… 



 

- Omma, que lugar é esse? - Perguntou Taehyung para a mãe vendo a casa enorme próximo a uma floresta e um lago. 

- Vamos passar alguns dias aqui Taehyung - Disse ela - Irei limpá-la para o verão 

- Por cinco dias? No meio do nada? Eu irei ficar sem ir a aula mamãe 

- Jungkook 

- O que tem Jungkookie? - Se sentiu preocupado quando a mãe falou do amigo 

- Ele entrou no primeiro cio - Respondeu ela sem graça - E como sabemos que o primeiro cio apenas os supressores não ajudam, optaram em tirar os alfas que não tem laços com outros ômegas da casa… principalmente você filho. 

- Mas - Taehyung deu uma risada - Ele é meu amigo… 

- É melhor prevenir meu amor. 

 

Mesmo tendo internet no local, aquilo para o jovem alfa estava sendo um tédio, o contato que tinha com os amigos tanto do bairro quanto da escola era mensagem, e as notícias de Jungkook chegava também por mensagem. 

 

Taetae hyung: Dizem que cios sente dor, você ainda está com dor? 

 

Kookoo: Não mais, os médicos me deram vários tipos de supressores e agora eu estou mais drogado, rsrsrs, e a casa de campo está gostando daí? 

 

Taetae hyung: Aqui é bonito, tem vários tipos de flores… 

 

Kookoo: Ah sim, é tempo de magnólias, meu avô plantou algumas no jardim

 

Taetae hyung: Sim, são lindas 

 

Kookoo: Como eu (risos), agora eu irei apareceram para me dar remédios, já estou sentindo falta de você encher meu saco.

 

Taetae hyung: Fique bem, relógio Kookoo

 

Os cinco dias passaram mais devagar, Taehyung observava as magnólias do jardim, como as pequenas árvores estavam cheias e robustas pelas flores brancas meio rosadas. Pensou em levar para o ômega, mas achou que ele não ligaria muito. Como o motorista da mansão que os levou, também os buscou. 

 

Jungkook sentiu seu olfato mais aguçado depois do primeiro cio, ouviu o carro parar em frente ao jardim e sabia que era ele. 

 

Euna resmungava com o filho sobre o que seria de agora em diante naquela mansão, Taehyung cogitou a falar com a mãe sobre mudar de casa pois não iria seguir aquelas regras para ficar longe do então amigo. Amigo ele achava que era até sair do carro e ver Jungkook correr até ele e o abraçando forte. O cheiro um do outro era bom para ambos, Jungkook segurava Taehyung forte não importando com quem estava ao seu lado. 


- As magnólias estavam floridas - Comentou Taehyung pela primeira vez achando aquele cheiro de morango um dos melhores que já sentiu.

- Na próxima vez iremos juntos - Disse Jungkook apertando ainda mais o alfa - Não me deixa aqui sozinho 

- Não irei deixar… ômega 

 

Euna ouviu o filho chamar Jungkook por sua espécie, aquilo não era bom. 

 

 A paixão não foi descoberta, e sim desenvolvida com o tempo. Euna sabia do que eles estavam vivenciando e temia pelo filho. Não era só Jungkook e Taehyung que estavam apaixonados, mas também seus lobos, e era explícito na mudança da cor que transmitia nos olhos.


 

- Trouxe lanche, já que vocês dois não sai desse vídeo game… - Euna entrava no quarto do filho pensando ver uma cena, mas os dois apenas estavam jogando normalmente. 

- Obrigado mãe

- Obrigado noona 

 

Responderam ainda fixos no jogo, após terminar a partida eles foram em direção ao lanche que Euna tinha deixado. 


 

- Hyung… - O alfa começou a prestar atenção em Jungkook - Eu estive pensando… Meu cio está chegando e eu não quero passá-lo tomando supressores e sentindo dores, eu tenho você agora. 

- Eles não irão deixar Junggukah -Respondeu o alfa 

- Eu vou dar um jeito… Eu quero ficar com você - Jungkook sorriu 

- Você tem certeza? - Perguntou - Nós nunca… não no Cio. 

- Acho que no cio vai ser mais mágico...  - O moreno riu sem graça - Não quer dizer que aquela vez não foi mágico...

- Foi a nossa primeira vez – Taehyung pulou em cima do ômega e escondeu seu rosto sobre o pescoço do outro como se tivesse vergonha – Eu não sabia o que fazer...

- Nem eu hyung..., mas agora será mágico para nossos lobos, será para eles

- Junggukah, só você mesmo 

 

Taehyung amava aquele sorriso que aqueles grandes olhos negros formavam quando era para ele, sempre suas conversas terminavam em beijos apaixonados e risadas frouxas. Eles estavam apaixonados, isso era fato, um fato que a família Jeon não concordava, algo que pensavam que era uma história de adolescentes se tornou séria depois que o casal sumiu por cinco dias durante o cio do ômega.

 

Os dias que mudaria de vez a vida do ômega. O castigo do alfa era passar um tempo em Daegu e foi tempo demais, o suficiente para Jungkook sentir náuseas e enjoos. 

 

Tinha ido por conta própria a uma farmácia comprar um teste e fez dando o resultado de positivo em cinco minutos. Estava grávido com apenas dezessete anos mas estava feliz, queria contar a Euna e ajudá-lo a levar a Jungkook, desceu as escadas correndo e foi até a área da lavanderia, onde percebeu que não havia nada, abriu a porta que levava até a pequena casa dos Kim e lá estava Vazio, não entendeu o que estava acontecendo. 


 

- Jungkook - Ouviu sua mãe o chamar 

- Onde eles estão? - Percebeu que ela estava com o teste de gravidez na mão 

- Jungkook precisamos resolver isso, você ainda é novo para isso…

- Onde Euna noona foi? Sem ela eu não sei de Taehyung

- Eles se foram

- Você os mandou embora? 

- Não Jungkook, eles foram e ninguém mandou eles irem. 

- Mas o Taehyung… - Os olhos de Jungkook encheram de lágrimas - Ele é meu alfa mamãe, ele não fez isso… - A Jeon abraçou o filho 

- Jungkook nós vamos resolver isso meu amor. 

- O Tae não iria fazer isso comigo - Dizia sem escutar a mãe 

 

Passava dias enviando mensagens para o então namorado sem respostas, parecia que estava preso em uma novela pois já tinha lido histórias assim antes. 

 

Depois de alguns dias preso em seu quarto e obrigado pela sua mãe desceu para almoçar com a família. O seu pai alfa percebeu o quanto estava pálido e com aparência cansada. 


- A empregada disse que tudo que Jungkook come ele vomita - Respondeu a mãe 

- E o que você está esperando para levá-lo na clínica para tirar esse bastardo que está fazendo isso com a saúde do nosso filho? 

- Iremos … 

- Não iremos - Jungkook levantou a voz - Eu não farei isso - As lágrimas escorriam nos olhos - É o que eu tenho meu e do meu alfa. 

- Ele não é seu alfa - Disse o patriarca

- ELE É MEU ALFA - Gritou Jungkook, o lobo dele estava bravo e estava protegendo aquele ser que estava ali dentro 

- Cinza - Disse a garotinha que estava na mesa - O olho de Junggukie está cinza. 

 

Foi daquela mesa a Busan, um acordo que o ômega fez aos pais, ele teria o bebê, mas longe dos olhares da sociedade que os conhecia. 

 

Estava na casa de praia onde as magnólias floresciam fora da época, desta vez as cores eram rosas bem fortes para combinar com o clima praiano, o cheiro das flores se misturava com a maresia e aquilo era enjoativo para o Jeon. 


 

- Eu gostava do cheiro do mar, mas agora eu odeio - Jungkook deu uma risada para uma senhora de meia idade que parecia tirar alimentos de uma caixa - Está me enjoando, e você é…? 

- Ah, sou a Kang Soondeok - Disse ela - Sou sua doula, vou te ajudar durante a gravidez 

- Prazer Kang Soondeok, sou Jeon Jungkook - o mais novo reverenciou

- Me chame de noona 

- Noona - Jungkook sorriu - Mas então o que é doula? 

 

Soondeok sorriu para o menino, não seria a primeira vez que acompanhava um ômega macho a ter filhotes, mas seria a primeira que acompanhava um tão inexperiente. Já tinha alguns meses que acompanhava o menino a barriga já estava volumosa, e ele chamava o bebê de porta pratos pois sempre que jogava videogames a barriga era um ótimo lugar para colocar pratos de comida. 


 

- Você logo irá entrar em trabalho de parto Kookie - Disse ela o bebê já virou pronto para vir ao mundo

- Mas eu ainda não encontrei Taehyung… meus pais não me deixarão ficar com o porta pratos … Noona você disse que iria me ajudar. 

- O porta pratos … - Soondeok apertou os dentes - O filhote não irá esperar pelo outro pai, e este é meu papel, de deixar você pronto para recebê-lo. 

 

Jungkook concordou com a cabeça e começou a chorar. 


- Eu estou com medo - Jungkook disse a ela - a dor que eu irei sentir no parto não é tão grande o quanto eu prometi ao meus pais. 

- Não diga isso menino 

- Me prometa Soondeok, que irá encontrar uma boa família para o bebê. 

- Eu irei encontrar uma boa família para o porta pratos

- Taehan … é o nome do bebê, independente do sexo, o porta pratos se chama Taehan. 

 

Jungkook parecia feliz em uma chamada de vídeo após o incidente com o feromônio. Sua irmã já tinha quinze anos e estava estudando no exterior, algo que não pode fazer por conta de sua espécie. 


 

- E como está meu cunhado? - Perguntou Da Bin para o irmão com um tom de deboche

- Bem, sempre trabalhando, sempre impressionando o papai, sendo o genro exemplar e sucessor para a empresa - Jungkook revirou os olhos - Tenho inveja de você Da Bin, está no Japão estudando algo que eu não fiz. 

- Claro, meu irmão ômega resolveu engravidar na adolescência - Da Bin riu 

- Acho que senti meu bebê em Seul, eu disse a Soohyun, mas ele sempre muda de assunto - Jungkook bufou - Ele disse que me ajudaria a procurá-lo, mas até agora não fez nada. 

- Soohyun não irá te ajudar Jungkookie - Da Bin era franca com o irmão a maioria das vezes - Você sabe quem irá te ajudar… vai atrás dele e diz que vocês tiveram um filho e ele está perdido na Coreia.

- Eu não quero encontrá-lo - Mais um suspiro forte - Ele me abandonou no momento que eu mais precisei … 

- Não custa tentar - Dizia ela - Oppa, eu irei desligar agora, já está na hora da minha aula, depois conversamos. 

- Ok, até mais tarde

- Tchau 


 

- O que te interessa nas flores Taehyung hyung? - O pequeno Jeon disse ao seu novo amigo 

- Elas são lindas, e cada uma é diferente, minha mãe disse que vamos abrir uma floricultura um dia 

- Que legal - Jungkook sorriu - Posso trabalhar lá com você? 

- Você é rico não precisa trabalhar 

- Mas e se eu quiser? 

 

Taehyung fez movimentos com os braços de que não sabia a resposta. 


- Ei Junggukie, você sabia que existe flores para cada dia do aniversário e elas têm significado? 

- Não, sabe qual é a minha? Eu faço aniversário dia um de setembro…

- Hum - O Kim fez cara de pensativo - É a flor de tigre … e o significado é ' por favor me ame ' 

- Ah, legal – O Jeon parecia impressionado – Você aprendeu isso com quem?

- Com meu avô, ele morreu e depois viemos para Seul – Taehyung mudou de assunto na mesma hora - Vou crescer e vender flores de aniversários - Taehyung sorriu 



-  Kim's - Jungkook lia o cartão que veio junto com o seu buquê e deu uma risada nervosa - É muita coincidência 

- Disse alguma coisa senhor Jeon? - Perguntou o motorista pensando que era para ele 

- Não não, Só me leve a este endereço que fica em Seocho Gu - Entregou o cartão para o motorista

- Ok senhor. 

 

Jin era novo, um ômega que se apaixonou por um beta, era difícil a sociedade aceitar aquilo, mas ele lutou para pelo menos as famílias os aceitarem, um passo tinha dado, o próximo passo era uma família, as chances de um ômega macho engravidar com betas eram poucas, mas não impossíveis se ao acaso fazerem tratamento que não tem condições de pagar. Mas o problema deles agora não seria um bebê e sim a viagem de lua- de - mel. 


 

- Com a nossas economias podemos ir para a Itália - Disse Namjoon 

- Itália? Tem certeza? 

- Se economizarmos, fazermos um mochilão 

- Namjoonah , acha que sairei da Coreia e irei para Itália para passar perrengue? - Jin olhava para o noivo - Temos destinos mais perto – Apontou um pacote mais barato ao lado do da Itália

- Osaka? 

- Provavelmente o Japão é mais barato que Itália …. 

- Japão é ali do lado hyung amor

- E você já foi no Japão? 

 

Namjoon bufou por sempre perder a discussão, só não ficou o silêncio total pois o celular de Seokjin começou a tocar. 


 

- É sua mãe - O beta avisou olhando na tela do celular. 

 

A família de Seokjin era composta por enfermeiros e médicos e assim como ele e sua mãe também eram enfermeiros.


 

- Alô Omma, está indo para o plantão? - Perguntou obtendo uma resposta - Ah, sim eu e o Joonie estamos vendo aonde iremos em nossas férias… se eu posso ir ao hospital agora? Por quê? É minha folga Omma… trazer o Namjoon? 

 

Seokjin obedecia a mãe e ficou curioso pelo chamado dela naquele domingo a noite ali. 


- Algo tocou em mim, e por você ser empregado do hospital eles podem te priorizar - Disse a Kim para ambos enquanto entrava na maternidade. Seokjin viu um bebê afastado de ambos ali e estranhou. 

- Ele não estava aqui no meu plantão… 

- Ele não nasceu aqui, trouxeram para nós, esse filhote deve ter uns dois a três dias de nascido 

- Sogra, quando colocamos nossos nomes na fila de adoção não seria caso de um mês, eu achava que seria anos. 

- Foi sorte dos Deuses Namjoon - A Kim sorriu - Ele até parece um pouco com a nossa matilha, ele veio para ser meu neto. 

- Vamos pensar - Seokjin ofegava de nervoso

- É vamos pensar… virar pais assim da noite para o dia? E temos a viagem …. Vamos pensar. 

 

A Kim's era bem bonita do lado de fora, e Jungkook estava na porta travado sem conseguir entrar e nem sair dali, ele estava cheio de dúvidas e perguntas na mente, talvez seria melhor orar para os Deuses para ali não ser uma floricultura deles. Porém ele não acreditava em coincidência e nem em destino, mesmo os deuses fazendo aquele momento acontecer. Um alfa de aparência mais velha que ele lembrava, de moletom, uma touca de frio escondia os fios castanhos e com um avental cinza tinha saído da loja com uma sacola de lixo nas mãos, Jungkook o reconheceu, o seu lobo acanhou dentro de si, mas o dele sentiu o cheiro de seu ômega e se virou para o lado que o feromônio conhecido estava. 


 

- Junggukah - Sussurrou o alfa

- Ei… Taehyung - Respondeu com um meio sorriso. 


Notas Finais


Divulguem flor de tigre!!
@/lgoes_onbts #flordetigre

deixem coments!! s2s2s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...