História Flor do Infinito - Capítulo 61


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Jeon Jungkook (Jungkook), Joo Heon, Jung Hoseok (J-Hope), Ki Hyun, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Hyuk, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Show Nu, Won Ho
Tags 2won, Abo, Alfa, Bottom! Jungkook, Bottom!jungkook, Hyungwonho, Jikook, Jimin Alfa, Jimin!top, Jookyun, Jungkook Omega, Jungkookbottom!, Kookmin, Lobos, Mpreg, Namjin, Ômega, Omegaverse, Showhyuk, Taeyoonseok, Top! Jimin, Top!jimin, Universo A/b/o
Visualizações 715
Palavras 12.172
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá! Brotei! Totalmente destruída, mas vamos relevar isso por enquanto haha.

Somos 3k de favoritos!! SOCORRO que quando a fic acabou eu devia estar em 2800. Brotou gente de tudo que é lugar e eu fiquei mtoooo feliz mesmo ahusahua
Obrigada a todos que leram minha fic até o final, e os que estão lendo esse primeiro extra agora. Saibam que esse cap, até a meia noite de ontem estava com 6k de palavras. Eu parei de escrever para sustentar meu vício de Overwatch. Dar uns tirinhos aqui e outros ali, assaushaua
Dai quando deu 3h da manhã e eu desliguei meu jogo, pensei: "Ah, vou dormir."
E 5 minutos depois tava eu no notebook de novo. :P Sim, eu estou aqui, meio dia postando o cap que eu comecei a terminar 3h da manhã hauahsushuahs Isso mostra o quanto vocês me motivam, gente, real! Acho que muitos nem têm ideia! Mas é a mais pura verdade.

Nessa altura nem adianta mais eu pedir desculpas pelas demoras, não é? Me alivia saber pelo menos que muitos não desistiram de mim ainda haha. Pois bem, demorei, mas né, acho que o capítulo grandinho compensa. Assim espero :P

Vou falar mais nas notas finais, como sempre. Yukimac adora um textão!
Boa leitura <3

Capítulo 61 - Extra - Novidades e Primeira Neve do Ano


Fanfic / Fanfiction Flor do Infinito - Capítulo 61 - Extra - Novidades e Primeira Neve do Ano

Ser rei não era nada fácil.

Compromissos o dia todo, reuniões, conselhos, convenções e tantas outras coisas cansativas recheavam meus dias como novo soberano. Claro que a presença de Namjoon e Taehyung, meus grandes amigos, me ajudava a sobreviver nos dias mais carregados e chatos. E claro que, também, saber que no fim do dia eu teria Jungkook comigo era uma das minhas maiores motivações.

Já fazia pouco mais de duas semanas de minha coroação, e mesmo assim meus trabalhos começaram desde o dia “1”. Eu tinha muito o que fazer se quisesse cumprir minha promessa de mudar história, nem que fosse um pouquinho, dentro das minhas possibilidades.

E mesmo com pouco tempo no trono, eu já estava começando a fazer pequenas, mas significativas mudanças. Os rumores sobre o antigo rei, bem como sobre meu suposto desaparecimento já estavam praticamente extintos, assim como, felizmente, não tivemos problemas com reinos vizinhos querendo se aproveitar de nosso súbito momento de fraqueza.

Com relação à Jungkook e o Rei Jeon, bem, nada poderia estar dando mais certo também. Nós sabíamos que esse assunto era mais delicado. Afinal, como reagiria, não só a população, mas os outros reinos também quando, de repente, o Rei assumisse um filho, do nada?

Precisaríamos ir mais devagar nessa parte, mas nem por isso eu poderia deixar de ficar feliz. Durante os dias seguintes à minha coroação o Rei mantinha contato sempre que podia comigo, e principalmente com Jungkook. E o ômega, por sua vez, parecia ficar bem apegado ao soberano. O mais velho chegou à oferecer o reino para moradia do ômega, como seu futuro anunciado filho. Mas o moreno rejeitou educadamente. Disse que preferia ficar aqui, trabalhando com Jin… e comigo.

Poderia dizer que, ao invés de infortúnios, tudo estava indo muito bem. Bem até demais.

-E então, como foi o dia de hoje? - Jin perguntou.

-Ah, cansativo. - Suspirei, exausto. Estávamos os sete reunidos à mesa, jantando. Ao contrário do antigo rei, eu fazia questão de ter todas pessoas importantes dividindo a hora da refeição, inclusive Sook, que voltou para o castelo pouco tempo depois de eu ter sido coroado. Disse ela que havia se retirado daqui desde que soube dos boatos, e como acreditava em nós, pediu para sair. De vez em quando alguns outros funcionários do castelo também se juntavam conosco. A sala de jantar nunca foi tão cheia de vida desde que eu pudesse me lembrar.

Com exceção do uns dias para cá, onde eu parecia estar sentindo o cansaço me consumir além do normal. Minha cabeça doía.

-Bem, aproveite para deitar mais cedo então. - Namjoon sugeriu. - Acho que estamos sentindo o peso das novas responsabilidades…

-Isso porque vocês não estão cuidando da nova divisão do nosso exército também. - Yoongi praguejou.

-Você sabe que foi o melhor à fazer, Yoongi. - Hoseok respondeu. - Vai ser melhor para nossa segurança também. Um esquadrão com pessoas de confiança.

-Confiamos nos dois para fazerem um bom trabalho. - Taehyung cantarolou. - Não é, Jungkook?

-...-

Olhei para o ômega ao meu lado da mesa, que parecia distante de nossa conversa, olhando avoado para algum ponto qualquer.

-Jungkook? - Chamei-o, um pouco mais alto.

-O-oi? - O moreno pareceu ter voltado à realidade, piscando algumas vezes.

-Ele está pior que a gente. - Tae comentou em tom de brincadeira novamente, mas sabíamos que era uma verdade. Todos estávamos cansados, mas Jungkook tinha sua parcela grande de afazeres agora.    

-Talvez devêssemos terminar a sobremesa e darmos o dia por acabo por hoje, o que acham?  -Namjoon perguntou.

-Acho uma ótima ideia. Na verdade, uma das melhores que já ouvi. - Tae respondeu.

-E-eu… eu não estou muito a fim hoje, me perdoem. - Jungkook sussurrou.

-Não quer comer sobremesa? - Perguntei.

-Não… estou me sentindo cheio já. - Respondeu, mas percebi seus olhos indo para o outro lado. Estranhei, mas achei melhor não questionar tanto. Havia dias que eu também não tinha vontade. Era normal.

Logo todos voltamos à comer. Algum de nós acabava comentando alguma coisa aleatória, fazendo os outros rirem ou responderem. Eu observava tudo, ao passo que também participava de nossa pequena reunião para jantar.

Mas claro que não tirei os olhos de Jungkook.

Ele estava cansado também. Tanto quanto eu, mas ele estava sentindo algo também. Eu sabia, pois sentia o mesmo.

 

(...)

 

-Acho que por hoje é tudo. - Jin comentou.

-Sim… - Hoseok respondeu. - Vou direto tomar banho e dormir.

-Todos iremos. - Yoongi continuou.

-Concordo. - Falei. - Boa noite.

-Boa noite.

Todos responderam, e ao chegarmos no corredor, cada um de nós foi para à direção de seus respectivos aposentos. Assim, sobramos eu e Jungkook.

-Vamos? - Perguntei ao moreno que olhou para mim, pensativo, e acenou positivo, começando a andar ao meu lado até o quarto.

Nosso quarto.

Depois de tudo o que aconteceu, imaginei que teríamos alguns… empecilhos novamente. Mas para minha surpresa, pelo menos dentro dos muros do castelo, nossa relação estava indo bem. Digo, depois de tanta coisa, eu podia andar com Jungkook ao meu lado, passar meu tempo com ele no jardim, desfrutar de seu tempo na cozinha nos mínimos segundos que eu tinha livre. E podíamos dividir o quarto. Claro que, no entanto, todos funcionários ali deveriam manter segredo sobre isso. Até que pudéssemos oficializar de maneira correta.

Mas eu poderia esperar. Vê-lo por último antes de dormir, depois de um dia cheio era o que mais me motivava a continuar a fazer o que eu estava fazendo.

Lembro que logo na primeira oportunidade confrontei minha omma sobre dividirmos o quarto. Antes de minha coroação não dividíamos o quarto. Estávamos esperando a poeira de muitas coisas abaixar. Seria melhor não adicionarmos coisas para boatos. Por isso ficamos separados até aquele dia tão importante. E na primeira oportunidade perguntei para a rainha sobre.

Àquela altura ela já sabia sobre a proposta que o Rei Jeon havia nos feito. Só de pensar nisso meu coração acelerava e minha pele se arrepiava. Não por sentimento ruins, pelo contrário. Uma felicidade indescritível me atingia, e eu sabia que atingia Jungkook também, pois na mesma hora eu o senti agitado ao meu lado sempre que isso acontecia. Era uma ligação fantástica a que nós possuíamos.

E voltando a lembrar do momento em que perguntei para minha omma sobre a questão do quarto, lembro que, para minha surpresa, a mesma foi a favor de dividirmos um.

“Vamos, meu filho. Não espere de mim uma imagem intolerante. Posso não ter sido o melhor para você durante todos esses anos, mas gostaria de ajudar no que for a partir de agora.”

Foi o que ela me disse.

Talvez depois de tantas coisas eu inconscientemente projetava essa imagem nela. Um reflexo mais fraco do antigo rei. E mesmo que tenha sido assim por determinado tempo, fazia parte de minha própria evolução aceitar mudanças. Minha omma estava mudando. Ou melhor, finalmente se mostrando para o mundo e para os outros como a pessoa que ela era, e não um mero fantoche do antigo rei.

Pensando nisso eu conseguia sentir orgulho por ela. Finalmente eu sentia nosso castelo, meu reino, como meu lar propriamente dito.

-Não vai abrir a porta? - A voz ao meu lado me fez perceber o quão absorto em meus próprios pensamentos eu estava. Olhei para o lado, vendo Jungkook me observar confuso. - Minnie, está tudo bem? - Seu rosto se aproximou, num leve sinal de preocupação.

Porém, para minha própria estranheza, senti meu rosto esquentar. Não era um rubor de vergonha ou constrangimento. Embora eu admitisse, com certa dificuldade, que os dois sentimentos as vezes me tomavam por conta do ômega, este não era um momento parecido.

Me senti ruborizar sem aparente motivo.

-Minnie, seu rosto está muito vermelho. Quer ir para à enfermaria? Eu posso te levar se for o caso. Quer uma água, precisa descansar? Sei que seus dias andam muito ocupados e-

O ômega disparou a falar, tocando minha testa enquanto demonstrava preocupação. Mas ironicamente suas ações só me deixavam inexplicavelmente mais agitado.

-E-estou bem. N-não se preocupe. -Respondi, segurando sua mão, a tirando de meu rosto.

-De verdade? - O ômega parecia não se convencer facilmente. Na verdade eu mesmo não me convencia, mas não queria preocupá-lo antes de verificar mais à fundo o que poderia ser.

-De verdade. - Respondi enquanto enquanto entrava no quarto, junto do moreno. -Acho que um banho já vai ajudar. Estou cansado.

-... Tudo bem. - O ômega respondeu, mas e conseguia sentir seu olhar me analisando ainda.

-Vou na frente, tudo bem? - Perguntei.

-C-certo. - Gaguejou.

Poderia parecer idiotice minha, mas nesses momentos eu me sentia como um recém casado. Mesmo que me tornar isso não estivesse em um futuro tão distante, minha mente insistia nesses pensamentos. Me sentia como um garotinho apaixonado.

Não que isso estivesse muito longe da verdade.

Enquanto percebi Jungkook ajeitar seu lado da cama, me dirigi ao banheiro, ainda meio perdido. Era impressão minha ou eu estava sentindo aromas mais forte?

Sem prolongar mais meus pensamentos malucos me desliguei e fui logo até à banheira.  E com a água morna eu relaxei verdadeiramente. Suspirei enquanto sentia o líquido quente agraciar minha pele.

Tentava ao máximo me manter calmo, ou melhor, não tão inexplicavelmente agitado. Como sequer poderia explicar essa sensação, quando no fim da tarde o que eu mais sentia era cansaço? Não fazia o menor sentido.

Passaram alguns bons minutos, e achei por melhor sair do banho. Jungkook ainda precisava tomar o seu, e eu deitar. Terminei de me enxugar e abri a porta, me deparando com o ômega sentado na cama, olhando avoado.

-Terminei.- Eu disse.

-Certo… estou indo também. - Falou e se dirigiu ao banheiro. Ele também estava um pouco cabisbaixo, e eu sabia que era minha culpa. Mas só queria me certificar antes...

Não era como se tomássemos banhos separados. Só de uns três dias para cá, quando eu comecei a me sentir estranho. Eu precisava falar com alguém.

Embora, claro, eu tinha certeza de que esse “alguém” seria Taehyung. Já podia me preparar para as bombas…

Deitei, tentando logo adormecer. Com dificuldade. O cheiro de Jungkook já estava impregnado nos lençóis. Um aroma que eu amava e sentia calmo, mas que agora me agitava.

Eu precisava mesmo falar com Tae logo.

 

(...)

 

-Você é um imbecil.

-Não precisa falar assim também. - Respondi, indignado.

-Não. Precisa ser assim mesmo, no choque de realidade. Você está sendo idiota.

-Por que eu estou me preocupando com ele?

-Porque você não percebe uma mosca na frente do seu nariz. - O beta continuava, com suas pernas e braços cruzados. -Está mais do que claro o que está acontecendo e eu me recuso à acreditar que depois de tudo você não perceba. - Ele falava com um tom indignado, mas eu podia ver um sorriso por trás.

Ele estava zombando de mim?

-Estou um pouco mais inquieto, e daí? - perguntei. - Eu sei que meu cio está chegando e tudo mais, mas não é como se eu-

Me calei imediatamente quando o “problema” apareceu na minha cabeça. Enquanto isso Taehyung me olhava com aquele cara irritante de: “Finalmente percebeu agora?”

-Er…. - Dei aquela risada mais sem graça do que sorvete de creme. Burrice poderia ser medida? Porque, se sim, e minha tinha atingido níveis alarmantes.

-Demorou para notar, hein. - Tae continuava debochado. - A pergunta que está entalada na minha garganta é: como você teve à capacidade de não ter notado até agora? Seu cheiro começou a ficar muito forte quando está perto dele de uns dias para cá.

-Aish! - Eu sabia que ele não largaria do meu pé. Ainda mais agora que eu percebi o quão idiota foi toda essa situação. - Eu acho… que porque acabamos de passar por muita coisa. Digo, talvez eu já estivesse acostumado a pensar em alternativas piores. - Brinquei com os dedos. - Mas pensando bem… eu também nunca passei um período meu com ele…

-Tem medo? - O beta perguntou, agora com o rosto mais suave.

-Não digo medo. É só que é uma primeira vez. Nós já… é… ficamos juntos, mas não nessas circunstâncias. Eu me lembro de como fico nesses períodos. Ter um pouco de receio é natural. - Fui sincero.

-Pois é, eu me lembro de como a gente tinha que te segurar para você não sair que nem louco sabe-se lá para onde, antes de você encontrar Jungkook. - Tae comentou, mas logo que viu meu olhar preocupado, voltou a falar. - Desculpe.

-Hoje eu sei que, na verdade, toda aquela euforia não era só minha.

-Como assim?

-Shin mexia comigo também. Ele me disse que tentava fazer com que eu encontrasse Jungkook através desses instintos.

-Nossa… quer dizer que todo aquele tempo nós te impedimos? - Tae questionou surpreso.

-Sim… mas sinceramente, talvez tenha sido melhor assim. Digo, o que seria de nós todos caso nos encontrássemos mais novos? Com nossa idade e experiência já foi tudo tão difícil.

-É, nisso você tem razão… mas só nisso também. Ainda está agindo que nem tonto desse jeito!

-Taehyung!

-Estou sendo sincero, meu amigo. - Colocou a mão no peito, como se estivesse ofendido. - Você acabou de me dizer que parte de seu comportamento era por causa do Shin. Ou seja, não tem porque ele interferir agora. Nós estamos em paz, por fim, tudo está caminhando bem. Entendo seu receio, mas não acho que precise se preocupar tanto. Isso sem dizer que você tem se afastado um pouco, não é? Mesmo sem ter percebido o que era. Jungkook com certeza notou isso. Não é justo com ele.

-Eu sei… - Isso me machucava também, mas no fundo, era mais um receio derivado de tantos episódios ruins. - Vou falar com ele.

-Além do mais, Jungkook mesmo em sua condição não teria problemas em te ajudar.

-Condição? Que condição? - Ergui a sobrancelha, confuso.

-O-oi? - Tae pareceu engasgar por um momento. - Condição? Ah sim. Condição de ser um ômega, oras. Isso que eu quis dizer.

-Certo… - Preferi ignorar aquele comportamento estranho.

-Se puder, faça isso hoje mesmo. Aproveite que logo mais a noite está chegando. Converse com ele, e seja sincero.

-A parte do sincero você não precisava dizer. - Rebati, sorrindo. - Eu sempre sou.

-Eu sei. Chega a ser brega às vezes.

-Taehyung!

-Hey, isso foi um elogio. Ser breguinha por amor não é tão ruim assim.

-Você não presta.

-Mas você me ama que eu sei.

-Er… Tae. - Uma terceira voz nos tira da bolha de troca de elogios. Mas ela me travou mais do que eu esperava.

-Sim, Jungkook. - Tae respondeu normalmente. Olhei para a porta, vendo o ômega ali, mas que evitava olhar para dentro. É, essa história de me afastar um pouco foi definitivamente uma burrice. E agora que eu sabia o motivo, sentia meu lobo mais agitado do que já estava, o que afetava jungkook também. Podia ver seus pés inquietos enquanto chutavam de leve a porta.

-É que o jantar está pronto. Vim chamar todos para a mesa.

-Claro, já vamos indo. Certo, Jimin?

-S-sim… - Seu aroma estava tão gostoso. Estava me embriagando.

-C-certo… vejo vocês lá. - E saiu, tão rápido quanto apareceu.

-Já que vai comer o garoto com os olhos, pelo menos respeite a minha presença.

-O que? O-Olha que fala! -Retruquei.

-Não sei do que você está falando. Agora levanta daí. Vamos jantar logo para você poder consertar essa bagunça em que se meteu.

-...-

 

(...)

 

O jantar não foi tão ruim quanto imaginei. Não no sentido real da palavra. Nunca seria ruim me reunir com meus amigos depois de um dia agitado e poder comer antes de nos retirar para descansar. Digo no sentido de, talvez em meus pensamentos traiçoeiros que Jungkook me ignoraria. Embora eu não tivesse justificativas para achar ruim, caso ele tivesse feito isso realmente.

Mas dizer que tudo ocorreu de maneira perfeitamente natural também seria uma mentira.

Namjoon, Jin e os outros conversavam normalmente. Taehyung também conseguia disfarçar bem o fato de nós termos tido uma conversa anterior ao jantar. Já eu me sentia remoendo tudo o que fiz nos dias passados, bem como eu pude ter chateado Jungkook. Isso ficava claro, e me dava uma ansiedade tremenda de apenas terminarmos de comer de uma vez, para podermos ir para o quarto, para que eu pudesse falar tudo o que me estava entalado.

O ômega, por sua vez, estava avoado. Mais do que o normal. Talvez, com certeza na verdade, tudo o que me estava passando o afetava também. O que mostrava mais ainda o quanto eu estava sendo ingênuo. De certo ele sabia que eu estava sentindo algo estranho.

Da mesma forma que eu me senti antes em seu cio. Embora as circunstâncias daquela época tenham sido bem diferentes. E não estávamos marcados ainda. Outro ponto que me fazia pensar demais. Como agiríamos agora que tínhamos essa ligação tão forte? Minha mente, ao passo que me mostrava o quanto eu me preocupava por nada, que poderia ter falado com jungkook, ao mesmo tempo me fazia duvidar de meus atos, caso perdesse o controle.

Era um emaranhado de pensamentos controversos que me chegavam a dar dor de cabeça.

Ao terminarmos de comer, como de costume, nos despedimos e fomos cada qual para seus aposentos. Eu e Jungkook também. Só que desta vez eu falaria com ele. Precisava. Me magoada também sentir como o moreno estava chateado com minhas ações idiotas.

Precisava pensar em como começar a conversa… pelo menos sem parecer tão estúpido quanto eu já me sentia. Talvez…

-Minnie? Está… tudo bem? -A voz de Jungkook me tirou de meus pensamentos. Mal notei já estarmos no quarto, sentados na cama. Eu iria tomar banho primeiro, como estávamos fazendo, mas a confusão de pensamentos em minha cabeça deve me ter feito sentar automaticamente no colchão enquanto eu me afundava em possibilidades de me redimir com o ômega.

-Está Sim! - Não! Fale direito! - Q-quer dizer, eu… não, não está tudo bem. - Respondi, sincero desta vez. Abaixei a cabeça, suspirando, enquanto sentia o colchão ao meu lado afundar e o cheiro do ômega ficar bem mais forte ao meu lado.

Precisei me concentrar muito para não me deixar levar pelos instintos. Não estava no meu cio, mas podia sentí-lo muito próximo. Precisava conversar com Jungkook enquanto ainda tinha condições para tal.

-O que foi? - Perguntou enquanto se aproximou mais. Suas mãos tomaram as minhas num carinho singelo mas cuidadoso, ao passo que sentia duas íris fitando meu rosto.

-É só que… primeiro de tudo, quero me desculpar pelos últimos dias… - Sussurrei, mas sabia que ele tinha ouvido. -Eu me afastei porque achei que estava com problemas. Bom, é um problema mas não é, e eu-

-Minnie! Calma, não entendi nada. - Não adiantava ficar dando voltas. Teria que ser direito, pelo jeito.

-É meu cio, Jungkook! Ele está chegando. - Falei, vendo o moreno arregalar os olhos. -Eu sinto isso, embora até hoje não tivesse percebido realmente o que era. Mas sei que você sente também. Não sente? -Percebendo que ele não havia me respondido, continuei. - Eu falei com Tae. Acho que depois de tudo, eu aprendi a esperar coisas piores, então quando me vi perdendo o controle conforme os dias passavam, achei melhor me afastar. Por isso peço desculpas.

-Tudo bem… - Sussurrou. - Mas eu fiquei chateado.

-Eu sei…

- Achei que tinha feito alguma coisa que te chateou.

-Nunca. - Sorri, olhando para ele naquele momento.

-E sobre seu, é… cio…- o moreno desviou o olhar. pude sentir sua pele esquentando. - podemos dar um jeito.

-J-jungkook… - No momento seguinte senti meu prŕoprio rosto esquentar. - Você não sabe… acho que no fundo, mesmo que eu não tivesse pensado na possibilidade desse meu período, só o nome dele chega a me assustar um pouco.

-Por que? - Me perguntou, agora confuso.

-Bem, porque… antes de eu te conhecer, era como meus instintos, aliás, como Shin achou um modo de me fazer sair e te procurar. Sabe… desde meu primeiro cio, eu tive que passá-lo dopado, porque sem mesmo eu saber o motivo, eu tinha uma vontade absurda de sair pelos portões da cidade e sair correndo. Da última vez não foi bem pelo meu cio. Foi pela aproximação da… enfim, acho que meu lobo se desesperou e dominou meu corpo. E foi assim que nos encontramos.

-Com nós dois caindo no barranco? - O ômega soltou uma risadinha.

-Sim… - Ri junto, baixinho.

-A questão é: não sei como vou reagir dessa vez. Imagino que não da maneira como antes, já que estamos aqui… juntos e tudo mais. - Corei. - Mas ainda não sei.

-Minnie, eu entendo sua preocupação, mas acho que podemos resolver isso. Digo, como você falou, agora estamos bem. O que tiver que acontecer eu vou estar com você também.

-Mas e se eu me descontrolar?

-Não vai. - Respondeu, sorrindo em confirmação. - Mas se te acalma, eu posso dizer que vou sair correndo.

-Jungkook! - exclamei ante à brincadeira. - Você está andando muito com Tae.

-Você andou com ele desde que se conhece por gente.

-Então você consegue ver o que eu virei disso. - Brinquei.

-E-eu gosto do resultado. - Desviou o olhar.

É, me controlar seria muito difícil mesmo. Ainda mais com Jungkook se comportando assim.

-Vem aqui. - O puxei para mais perto, beijando-o pela primeira vez naqueles dias. Depois de tanta neura, parecia que tudo estava ficando bem novamente. Eu só precisava ser sincero com ele no fim das contas. E no momento que me dei conta disso, enquanto nossos lábios se roçavam, percebi também que sua presença, enquanto me acalmava, agora também me atiçava.

Seu aroma viciante, tão próximo… sentia minhas mãos caminhando automaticamente para em volta de seu corpo. Meus dedos apertavam de leve sua cintura, me certificando de que ele estava ali. E quando notei, minhas unhas marcavam um pouco sua derme.

Eu estava me envolvendo naquele ósculo, mais do que ele realmente representava ali, naquele momento.

-Jungkook… - Precisava me parar. Claro que o desejava, mas estava me sentindo descontrolado, e não queria agir assim com ele, para seu próprio bem-estar.

Findei o beijo puxando seus lábios, ouvindo seu suspiro mais pesado, e lutando muito internamente para permanecer com minha decisão.

-Vamos parar por aqui hoje, tudo bem?- Perguntei.

-Tudo bem… - Ele me respondeu. - Eu te amo.

-Eu também.. - Respondi, lhe dando um breve selar e nos aproximando para dormir.

Dormir com Jungkook em meus braços era um de meus vícios declarados. E naquela noite com certeza não seria diferente.

 

(...)

 

Pov Jungkook

 

Jimin havia me esclarecido o que lhe incomodava.

Um peso grande foi tirado de minha mente quando ele me explicou os motivos de sua súbito afastamento. Mas ironicamente, outro foi colocado no lugar.

Não, eu não tinha medo dele, nem da situação. Mas como alguém que desde os últimos meses vinha descobrindo e vivenciando tantas coisas novas, nossa relação, inclusive, como a mais forte dessas experiências, eu não poderia deixar de me sentir nervoso, no sentido de ansioso.

Eu ansiava, imaginava como seria quando acontecesse.

De certa forma também, eu já tinha certa noção do “problema” de Jimin, antes mesmo dele ter conversado comigo ontem. Tanto é que fui conversar com Taehyung dias antes dele ter me confessado.

Talvez nós dois estivéssemos andando muito com aquele beta. A conversa, de longe, foi cheia de constrangimentos. Ele adorava fazer isso conosco, mas como eu precisava de informações, superar esses momentos. Afinal, eu podia sentir meu corpo agindo de forma estranha ante nossas situações mais corriqueiras, apenas pelo mero fato dele estar ao meu lado. Eu o sentia inquieto, mas sentia eu mesmo estranho igual.

Conversei com Taehyung e até Jin entrou em certo momento. Eu precisava de apoio por outros assuntos também. Precisava de ajuda para organizar algumas coisas. E para isso, precisava contar o que eu guardava de segredo até aquele momento. Eu deixaria essa parte do assunto para depois do cio de Jimin, ou não sairia como eu planejava.

Jimin havia me contado como seus cios o deixavam maluco, e que essa era sua principal preocupação. Mas também havia dito que Shin era muito responsável por seu descontrole ser tão alto.

Essa então seria sua primeira vez sem interferências. Só que também seria sua primeira vez comigo ao seu lado. Minha pele arrepiava pelo mero pensamento. Eu confiava nele, plenamente. Não tinha receios, mas me pegava imaginando como aconteceria.

-Hey, Jungkook. Não se coloca sal na sobremesa…

-O que? - Olhei para baixo, vendo o desastre comigo colocando sal no mousse de chocolate.  - Meu Deus! Me desculpe! - exclamei, depositando o saleiro no balcão da cozinha.

-Tudo bem. - Jin veio ao meu auxílio, mas rindo da situação, e aumentando meu constrangimento por ter sido pego tão distraído. - Acho melhor vocẽ sair mais cedo hoje.

-O que? Não precisa, eu-

-Precisa sim. Estou te dando folga. Você está precisando dar uma espairada. Não é de hoje que notei isso. Vá, pode ir. Descanse, reflita, faça o que for preciso, mas fique melhor, certo?

-Mas Jin eu-

-É uma ordem. - Falou .

-C-certo...

Depois de ser “expulso” da cozinha, peguei meus agasalhos e comecei a vagar pelo corredor. O sol nem havia começado a se pôr. Faltava algum tempo para o jantar também. Resolvi ir para os jardins. Do lado de fora, acho que finalmente percebi como o tempo passou rápido depois de termos voltado para o castelo. O outono estava para acabar, embora algumas folhas ainda resistiam bravamente em suas árvores.

A brisa gelada da estação corou minhas bochechas. Puxei meu agasalho mais para cima, para cobrir parte do rosto e continuei a caminhar no jardim enorme que a rainha havia arrumado. Mesmo sem o colorido das flores e plantas, o lugar era meu favorito. Talvez porque sua calmaria me lembrasse vagamente da campina, ou porque o cheiro da natureza me acalmava.

Era o primeiro inverno que eu não passaria sozinho, ou melhor, somente com a companhia de Hyungwon. Sorri com o pensamento enquanto sentei em um os bancos no interior do jardim, perto de uma grande árvore cuja maior parte das folhas jaziam ao chão. Eu havia ganhado tanta coisa, tantos amigos, uma pessoa tão importante em minha vida. Não me arrependia nem recusaria passar tudo o que passei novamente apenas para chegar neste momento.

O vento bateu mais um vez, fazendo com que eu esfregasse minhas duas mãos. Deveria ter saído um pouco mais agasalhado. O céu estava um pouco nublado. Me dava a impressão de que a primeira neve do ano não demoraria a cair, e eu me peguei pensando em o que estaria fazendo quando isso acontecesse. Ansiava para saber.

Levantei do banco e andei em volta da grande árvore, perdido em pensamentos. Porém, avistei algo que até então não havia percebido ter ali.

Um balanço?

Aproximei, vendo que as cordas do balanço estavam presas nos galhos da árvore central. Toquei o assento gelado com meus dedos, olhando um pouco, ponderando, para depois me sentar ali. Segurei as cordas e balancei um pouco, olhando para o céu novamente. Me peguei pensando em Jimin. Virei a cabeça para olhar as grandes paredes do castelo, avistando ainda parte das janelas enormes que a vegetação seca do jardim já não conseguia cobrir. O que ele estaria fazendo agora?

Eu sabia que seus dias como novo rei eram muito atarefados e podia sentir meu orgulho transbordar em saber que ele queria fazer tanto para mudar nossa sociedade. A verdadeira preciosidade desse mundo parecia ele. Eu me sentia leve, tão leve pensando em Jimin, e logo em seguida pude sentir sua presença em minha marca. Me fazia sentir tão completo.

-Está aqui há muito tempo? - Perguntei, sem olhar para trás. Não precisaria. Sentia bem sua presença, além do que seu cheiro estava ficando cada vez mais forte conforme os dias passavam.

-Não. Acabei de chegar. - Disse, se aproximando por trás. - Vejo que gostou do balanço. - Senti seus braços em volta de meu pescoço, me aconchegando da brisa gelada. - Você está um pouco gelado. E antes que pudesse falar algo, senti um agasalho maior em minhas costas. - Trouxe porque imaginei que precisaria.

-Obrigado… - Sussurrei. - Não sabia que tinha um balanço aqui no jardim. - Respondi, fechando os olhos para apreciar os carinhos.

-Havia um, mas quebrou tem muito tempo. Mas como era mais minha omma que ficava por aqui, acabamos não arrumando. Depois me lembrei que você poderia gostar de apreciar o jardim então pedi que arrumassem.

-Eu gostei… Nunca tive um. - Disse, embora fosse algo óbvio. - Gosto do jardim. Me faz lembrar da campina.

-E ele agora me faz lembrar de você. - O alfa se afastou um pouco para dar a volta. Se minhas bochechas não estivessem coradas pelo tempo, com certeza estariam pelo que ele me disse. - Me permite? - Jimin se agachou em minha frente, fazendo menção de me balançar.

-Sim… - Sussurrei, sorrindo por debaixo da blusa. O alfa sorriu de volta com os olhos fechados e fui para trás de mim. Senti as cordas puxando, e em seguida meu corpo balançando, aproveitando mais do vento gelado conforme os movimentos do balanço.

-Como passou o dia? - Perguntei. Havíamos ambos saído cedo hoje. Acabei não o vendo praticamente durante todo o dia.

-Cheio, como todo novo rei deve ter o dia. - Respondeu entre risos. - Mas meu objetivo me motiva então não reclamo da correria. E você?

-Eu? Acho que como sempre…

-Jin me disse que você estava bastante distraído.

-Er… um pouco.

-Não precisa ficar assim. - Sorriu. - Eu já sabia disso. Nossa marca entrega.

-Eu estava pensando em…

-Em?

-Eu sei que no meu caso foi algo de hora. Digo, tanta coisa aconteceu, e eu agradeço por ter me ajudado. - Era um momento misto de desespero e alívio o episódio da prisão, e do resgate de Jimin. - Mas eu quero ajudar você.

-Jungkook… - Suas mãos apertaram as cordas do balanço. Seus sentimentos aflorando mais por culpa de seu cio próximo. - Eu não sei como estarei.

-E eu estou aqui para te ajudar no que for. - Respondi. - Eu já me decidi. - Continuei. - Não por obrigação. É algo que eu quero fazer.

-Certo… - Sua voz trêmula me respondeu. Estávamos apenas ali, conversando, aproveitando da presença alheia, mas eu sentia como Jimin estava inquieto conforme passamos mais tempo juntos. Deveria ser questão de somente mais alguns dias até seu cio chegar.

-Jimin? Jungkook? Estão por aqui?

-Tae? - Jimin perguntou assim que viu o beta chegando.

-Atrapalhei alguma coisa? - Sorriu malicioso.

-N-não! - Respondi. Corando, mas pelo frio.

-Certo… - Me olhou, analisador. - Vim chamá-los para comer. Jin colocou a mesa mais cedo hoje. Disse que estava frio e precisávamos descansar. Qualquer dia desses ele nos manda dormir em plena 19h da noite.

-Tae! - Jimin o repreendeu, mas acabou rindo junto, assim como eu. - Você sabe que ele só se preocupa conosco.

-Sei, mas não poderia perder a oportunidade de dar uma risadinha.

Me levantei do balanço, começando a andar com os dois para voltar para o castelo. De relance vi Jimin tirar parte de seu agasalho.

-Está maluco? - Tae questionou.

-Não… só estou com um pouco de calor. - Disse, parecendo um tanto incomodado de repente.

Me atentei por um momento, mas ao ver que ele parecia estar normal, continuamos a andar, indo nos reunir para comer.

-Vocês demoraram! - Jin exclamou assim que nos viu entrando.

-Desculpa, mamãe. A gente promete que dorme antes da noite chegar. - Yoongi respondeu.

-Deixa de ser chato. - O mais velho resmungou.

-Já chegamos. Por que não sentamos, hm? - Jimin perguntou, tentando voltar a atenção de todos para o jantar. Todos sentamos finalmente para começarmos a comer. Os outros empregados da cozinha traziam o que seria nossa refeição. - Onde está minha omma?

-A rainha? Ela saiu hoje de manhã. Não notou? - Namjoon questionou, confuso.

-Para dizer à verdade, não… - Respondeu, parecendo um pouco constrangido. - Hoje o dia começou tão agitado que não notei.

-Oh, entendo. - Namjoon continuou. - Mas sim, ela saiu. Disse que foi em uma conferência em seu lugar, já que estávamos muito corridos por aqui. Nem me deixou ir junto.

-O que?! - Exclamou o alfa. - Eu tinha uma conferência marcada para hoje e não sabia?

-Calma. Ela fez isso pela gente. - Tae disse, tranquilo.

-Eu sei, só não queria que ela-

-Se esforçasse também? - Hoseok interrompeu. - Eu sinceramente achei uma boa. Digo, ela teve a oportunidade de ajudar e foi. Mostra como ela evoluiu depois de tudo também.

-É… tem razão. - Jimin se deu por vencido.

No fundo eu sabia que o que ele não queria era dar trabalho para ela. Como novo rei, ele tinha esse senso de que deveria fazer tudo o que estivesse em seu alcance. Era um esforço admirável, mas às vezes prejudicial, pois ele próprio só parava quando estava exausto.

-Bem, por que não começamos a comer de uma vez? - Yoongi, claramente ansioso para comer, voltou a chamar a atenção.

Não bastou mais que isso para voltarmos nossa atenção para a mesa. Começamos a comer enquanto conversávamos. Eu costumava mais observar do que participar. Não por vergonha. Eu apenas gostava de ouvi-los falando de seus dias, como passaram. Era interessante. E quando me davam vez eu também contava com Jin sobre nosso dia de trabalho.

E assim o tempo foi passando de maneira agradável, com todos reunidos, como já havia virado nossa tradição.

-Jin, o que temos de sobremesa? - Tae perguntou, ansioso, olhando para mim. Ele sempre gostava, e me fazia envergonhado, pois na maioria das vezes eu que as preparava.

-Bem… tivemos uma mudança rápida de planos. - Jin respondeu, segurando um riso. - Alguém aqui quis salgar um mousse de chocolate.

Olhei para baixo, sentindo minhas bochechas queimarem.

-F-foi sem querer. - Respondi baixinho.

-Eu sei, Jungkook. Todo mundo erra ou se distrai de vez em quando. Não se preocupe com isso. - O beta mais velho me assegurou, sorrindo. - Mas não deixou de ser um episódio engraçado.

-Se distraiu? - Hoseok questionou, curioso. - Com o que?

-Vai saber… ele ficou olhando para as paredes o dia todo hoje. - Jin respondeu, rindo entre as palavras. - Na verdade eu fiquei surpreso em como ele tinha feito praticamente todas as etapas da sobremesa sem errar, até a hora que ele colocou sal.

-Hey, já não foi suficiente? - Jimin resmungou, estranhamente incomodado.

-Calma, só estamos brincando. - Tae respondeu.

Eu estava com vergonha, mas entendia a brincadeira. Não poderia negar que iria rir disso no futuro. Mas parece que Jimin estava…. sentindo mais as coisas? Como poderia dizer isso? Talvez ele tenha notado meu constrangimento e se incomodou.

-Está tudo bem. - O assegurei, e mesmo recebendo um olhar como que para ter certeza daquilo que eu disse, o loiro finalmente parece voltar ao normal, em um silêncio um tanto estranho a partir dali. Os outros cinco continuaram a conversar normalmente. Eu me mantive observando como costumava fazer, só que dessa vez Jimin começou a se comportar de maneira diferente.

Estava quieto, não mais com as feições incomodadas de quando estavam brincando sobre o episódio do mousse de chocolate, porém, ainda assim me parecia incomodado. Minha marca também formigava. Me deixava inquieto, mas eu estava conseguindo disfarçar.

Continuei a comer, observando os movimentos do alfa ali, quando de repente seu cheiro foi sobrepassando os outros ali presentes. Tentei acalmar meu interior que já parecia agitado. Jimin também parecia fazer o mesmo quando tomou um copo de água de uma vez, mas acabou se engasgando.

-Jimin, tudo bem com você? - Perguntou Tae, que parecia um tanto alheio da situação, assim como Jin. Os outros alfas estavam atentos, mas de maneira preocupada. Enquanto eu olhava, minha marca queimou forte por breves segundos, mas o suficiente para e fazer arfar de incomodo.

-E-estou sim… q-quero dizer, não. Não sei! - O alfa abaixou o rosto na mesa, parecendo se contorcer, ainda tentando controlar aquela situação. - E-eu preciso sair! - Olhou para mim, e por aquele breve segundo eu pude ver seus olhos mudando de cor, me observando com um misto de desejo e receio. Meu corpo estremeceu. - Preciso agora! - Gritou, levantando da cadeira e trombando com a perna na mesa, fazendo um barulho alto, saindo então disparado em direção aos corredores.

Estava acontecendo, não é?

Os outros presentes o viram correr para dentro do castelo, mas parecia que agora tanto Tae quanto Jin entenderam o que estava acontecendo com ele.

-Minnie… eu- Sussurrei sem perceber. Minhas mãos levemente trêmulas com o efeito que o alfa teve em mim enquanto ainda estava aqui.

-Jungkook? - Tae me chamou. Olhei para ele ainda um pouco desnorteado. - O que vai fazer?

-E-eu….

-Não precisa ir se estiver com receio. - Continuou o beta. - Sabe disso, não é? Jimin, desde sempre teve seus cios muito violentos até com ele mesmo. Nós costumamos isolar ou cedá-lo até o efeito passar. Tenho certeza de que ele entenderia.

Sim. Eu sabia que sim, ele entenderia. Me lembrei de momentos antes, no jardim, quando ele próprio havia me falado que eu não precisava fazer isso se não quisesse. Parecia um pouco irônico, no entanto, que suas palavras tenham me surtido o efeito contrário. Eu sabia que poderia confiar nele, sabia que jamais me machucaria ou faria algo que eu não quisesse. Sabia também que controlar os instintos em momentos como esses era algo… complicado.

Eu mesmo não lembrava de muito quando tive meu período, mas sabia que Jimin tinha cuidado de mim. Podia ter a certeza que mesmo sob influência de seu cio, ele não tentaria fazer diferente.

Ouvi um rosnado alto que ecoou nos corredores que me arrepiou e me tirou dos pensamentos. Os empregados que estavam naquela direção começaram a aparecer na sala. Sentia meu corpo começar a responder inconscientemente ao seu chamado.

-Eu vou… - Sussurrei. - Preciso ir. - Falei já com um pouco de dificuldade.

-Tem certeza? - Tae perguntou. - Não duvido de você, mas Jimin me pediu para que tivesse sua certeza de que queria isso antes de deixá-lo ir.

-Sim, tenho certeza. - Falei convicto. - Com licença. - Levantei da mesa, sentindo minhas pernas pesarem um pouco. A marca estava começando a me afetar cada vez mais.

Saí da sala de jantar que tirando o barulho dos empregados que haviam chegado, estava em silêncio de palavras. Olhei rapidamente para trás como um asseguro de que eu estava certo do que iria fazer.

Era compreensível suas preocupações devido o que me falaram, mas nada até então parecia tão certo. Maneei um positivo com a cabeça e voltei a andar.

O caminho até onde eu precisava ir não era tão longo. Em termos de castelos, não me custava uma caminhada grande, mas dada as circunstâncias, me estava demonstrando ser uma tarefa um pouco complicada. Conforme andava, conseguia ouvir lamúrios altos ou rosnados que ecoavam. Não sabia se conseguia por meus instintos ou pela nossa ligação. Talvez só eu estivesse ouvindo tão como agora.

Talvez por isso também sentia minhas pernas fraquejando cada vez mais. Parecia como se estivesse próximo ao meu próprio cio. A euforia, respiração cada vez mais rápida, as mãos nervosas e inquietas, as gotículas de suor em minha testa evidenciando toda minha ansiedade. Tudo ia aumentando a intensidade a medida que me aproximava do quarto.

E após alguns longos e ansiosos minutos, finalmente cheguei em frente à porta, que logo constatei estar trancada após tentar girar a maçaneta. Respirei fundo, me sentindo zonzo pelo aroma que vinha de dentro.

-Minnie…? - Chamei baixo, ouvindo um rosnado de dentro como resposta. - Minnie, abre a porta… - Pedi. Em seguida algo se chocou contra a madeira. Algo que percebi ser o corpo do alfa que deveria estar escorado ali, já que seu cheiro ficou mais forte, além de eu conseguir escutar sua respiração dificultosa com mais clareza.

-J-jungkookie… - Sua voz estava grave, rouca, e me causou arrepios.

-Abra… - Pedi novamente.

-E-eu… não. - Suas mãos passaram pela porta, pelo que pude constatar do barulho. Ele estava descontando seus instintos danificando a madeira. - Por favor...

-Eu quero te ajudar. Te prometi. - Disse, já com dificuldades. - Confio em você. Abra a porta… por favor. - Meu tom ao final já estava diferente, embriagado com a atmosfera ali presente. Mas ele ainda parecia irredutível. - Por favor… - Outro rosnado e um barulho de madeira. - Jimin… - O chamei pelo nome, fechando os olhos e encostando a testa na porta, na tentativa de me aproximar o máximo que conseguisse com a porta nos separando. Meu corpo ansiava pelo dele, minha alma ansiava pela sua. Não era somente seu cio me fazendo querer estar junto ali. Era muito mais do que isso. - Jimin… - Supliquei.

E para minha surpresa, ele abriu a porta abruptamente. Precisei apoiar as mãos na lateral para não cair para frente, já que estava apoiado na madeira. Mas no momento seguinte, agradeci por estar escorado, ou poderia realmente ter caído pela visão em minha frente.

Ele estava com o corpo ereto, imponente na entrada do quarto. As roupas amassadas e parcialmente abertas, dando a visão parcial de seu peito que subia e descia rápido pela respiração afobada, os cabelos bagunçados, o rosto avermelhado, a expressão pesada e desejosa, a respiração pesada e audível. E seus olhos que variavam entre a cor natural e o vermelho, tão intensos quando o próprio desejo palpável. Me lembrou sua situação enquanto tivemos nossos momentos, mas agora, além de apenas tê-lo visto, o sentia com muito mais intensidade. Senti minha própria respiração falhar.

-Minni-  O alfa interrompeu minha fala com um beijo afoito e necessitado, puxando meu corpo para dentro. Demorei um pouco para perceber o que havia acontecido, e quando dei por mim, a porta estrondou em um barulho alto ao se fechar novamente, com brutalidade, e meu corpo foi de encontro com a parede mais próxima de dentro do cômodo. - Hmm… - Gemi pelo contato repentino da parede gelada com minhas costas.

O beijo me consumia, o ar carregado de seu cheiro me embriagava, seu corpo me derretia. Estava à mercê de seus toques. Suas mãos ansiosas adentraram minhas roupas, buscando contato quase que em desespero enquanto seus dedos passeavam e apertavam a pele de minhas costas, subindo e descendo. Uma de suas pernas foi para frente, ficando entre a minhas e causando uma fricção gostosa. Meu único instinto naquele momento foi de correspondê-lo, envolvendo seu pescoço com meus braços, puxando-o para mais perto, se isso ainda fosse possível.

Meus dedos agarraram a gola de sua blusa aberta, apoiando parte de meu peso também, pois minhas pernas estavam para ceder ante toda aquela intensidade. Meu corpo já estava reagindo com apenas aquilo.

Continuei a retribuir seu beijo afoito até que o alfa se separou por um breve momento, me olhando novamente. Correspondi seu olhar com um tão desejoso quanto. Suas mãos foram ágeis em me retirar minhas vestes superiores, e quando me vi livre de tais, ouvi um barulho dele. Olhei para cima.

-Tão lindo… - Sussurrou em sua voz rouca. Sua boca se aproximou de meu pescoço, beijando a área onde havia sua marca. - Tão meu… - Senti seus lábios contornando, sua língua traçando caminhos, seus dentes me marcando.

-Ahh… - Com os olhos fechados e completamente absorto em nossa situação, deixei escapar gemidos baixos entre minha respiração cortada.

Senti suas mãos ansiosas em meu corpo novamente, explorando meu torço, distribuindo arrepios por todo meu ser. Seus dedos se embrenharam em minha calça tentando tirá-las, mas sem sucesso devido sua euforia.

-Droga! - Praguejou entre rosnados.

-E-espera… - Gaguejei. - Tive seus olhos atentos em mim. E sob eles levei meus dedos até os botões da calça, tentando abrí-los com as mãos trêmulas. Ele observava cada mínimo movimento, e saber disso me deixava ainda mais tomado pelos desejos. Ao ouvir o barulho do zíper o alfa não se contentou em apenas olhar e com pressa abaixou o tecido. Me vi nu ali, diante dele.

-Você… - Jimin fez menção de me beijar novamente, mas o impedi, sussurrando e tendo sua atenção transtornada. - Você também. - Supliquei, puxando sua camisa para baixo, mas só pude fazer isso, pois no segundo seguinte ele voltou a me prender na parede com seu corpo, me devorando por inteiro.

-Ahh… -  Seus dedos apertavam minhas carne, seu tronco estimulava minha ereção, Sua boca me marcava. Toda sua presença estava me deixando perdido entre meus próprios sentidos.

Agarrei seus fios de cabelo quando seus lábios foram descendo, trilhando meu pescoço e clavícula, mordendo com certa força. Eu sentia que ele estava se controlando, mas seu estado de cio não o deixava ser completamente são. A prova disso eram seus toque mais brutos, mas que em momento algum me passavam algo além de prazer e carinho.

Sua boca continuou a descer conforme nossa extrema aproximação permitia até encontrar meu peito, mordiscando minha pele, descendo mais. Meu corpo tremeu quando sua boca tocou um de meus mamilos.

-Hmm… ah... - Minha voz escapava contra a vontade de minha vergonha a cada toque seu. Minhas mãos apertaram seu ombro quando me mordiscou, lambendo em seguida. O ar começou a faltar conforme eu gemia por seus toques. Minha pele estava tão quente quanto o quarto, quanto Jimin.

Os beijos e mordidas desceram por meu tronco, chegando em minha barriga onde traçou selares afobados. Seus lábios desceram mais, ficando perigosamente perto de minha ereção, mas que para minha agonia, foi evitada. Os dentes do alfa marcavam minhas coxas enquanto suas mãos passeavam por meu tronco. Aquilo estava me deixando louco.

Quando pareceu se dar satisfeito com as marcas, subiu o corpo novamente, me beijando. Suas mãos desceram até minhas coxas, as puxando para cima. Subitamente me vi sendo levantado e instintivamente enrosquei minhas pernas em sua cintura. Afastei nossos lábios, quebrando o beijo para poder respirar melhor, mas o alfa voltou com os dentes, prendendo meu lábio superior, para em seguida distribuir selares em meu rosto, descendo até meu pescoço novamente.

Seu quadril simulou estocadas me fazendo estremecer em seus braços. Os dedos castigando minha pele. Minhas unhas descontavam o prazer em sua derme, minha voz evidenciado meu prazer.

-Minnie… - Sussurrei quando ele tocou meu outro mamilo com a mão livre, me estimulando em ambos simultaneamente. Prendi meus lábios com os dentes, tentando controlar um pouco de tudo aquilo que estava sentindo, que ele estava me proporcionando.

-Solte. - Falou rouco. - Solte os lábios. - Eu quero ouvir. - E em seguida voltou a me estimular.

-Ahh! - Uma mordida mais forte me pegou desprevenido, e meu gemido saiu alto.

Jimin estremeceu com isso, me erguendo mais com seus braços e me prendendo com o corpo, deixando suas mãos livres. Sua boca voltou a colar na minha a medida que suas mãos apalpavam com fome minhas nádegas. Seus dedos foram mais para baixo, tocando-me perto de minha entrada.

-Tão molhado… só para mim. - Sussurrou para si mesmo enquanto mantinha os dedos da destra ali. A canhota me acariciava o rosto.

Virei minha cabeça para a direção do toque de sua mão, beijando seus dedos, impossibilitado de manter a boca fechada devido aos sons involuntários deleitosos que escapavam. Com os olhos entreabertos conseguia ver o alfa mais abaixo.

-Mi-minniee… - Gemi manhoso quando seu dedo me tocou. Podia me sentir molhado até as coxas. Quando o introduziu tive que fechar os olhos. Meu corpo tremeu em antecipação.

O alfa sob efeito de seu cio não parecia querer esperar muito. Seus rosnados misturados com seus arfares roucos me denunciavam isso. Apertei seus fios de cabelo como pude enquanto ele me estimulava. Com a destra livre, percorri seu tronco, desesperado por mais contato, por sua pele.

-Minnie… - Quando introduziu o segundo, o chamei novamente, mas desta vez o loiro ergueu seu olhar, me fitando intensamente. Um olhar que me dizia tanto em seu silêncio. Minhas pernas tremiam. Eu agradecia por conseguir ficar apoiado na parede de uma maneira não tão incômoda.

Sua mão que estava em meu rosto desceu para minha nádega direita, apertando a carne com força enquanto seus dedos me estavam levando à um orgasmo precoce.

-Tão gostoso. - Sua cabeça ergueu, me beijando novamente, abafando meus barulhos. E em determinado momento o mais velho havia achado meu ponto. Quis gritar, mas a força para isso faltou devido ao tamanho prazer.  Ele os movimentava rápido, impaciente, mas ainda assim atento comigo. Tinha certeza de que o alfa estava se segurando muito naquele momento.

-Espera! - Acabei gritando. - M-minnie, espera, eu- Ah! - O alfa pareceu não me dar ouvidos, e afundando seus dedos até meu corpo não aguentar, e meu prazer se derramar entre nós. Fechei meus olhos com força, minha cabeça encostou totalmente na parede, minhas mãos buscaram apoio desesperadamente em seus ombros, e minhas unhas castigavam sua derme.   

Precisei de um momento para voltar aos meus sentidos e quando o fiz, notei Jimin me fitando, sem sequer piscar. Parecia ter me observado todo o orgasmo.

-Kookie eu… - Falou rouco. - Preciso de você. - Ao contrário de até agora, ele havia me falado em voz súplica.

-Você me tem.- Respondi. Os olhos entreabertos, o corpo ainda sob o torpor.

Sem me baixar, o alfa soltou o resto de suas vestes e chutou-as para qualquer lugar do quarto. Por um breve momento observei atrás de nós. A noite havia chego, e com ela uma luz fraca da lua, com o céu coberto de nuvens. Não fosse por nosso estado e pelo ambiente do quarto, diria que estaria com frio.

Em em meio ao pequeno devaneio, senti algo maior me tocar. - Ah! - Me encolhi enquanto o sentia me penetrar.

O mais velho rosnou na altura de meu pescoço, soltando arfares deleitosos e respirando forte. Sua mão me apertava com força enquanto a outra voltou à altura de meu rosto. Senti o corpo alheio tremendo, junto do meu próprio.

-Preciso de você. - Voltou a falar, mas naquele momento o alfa já parecia perdido em seus instintos, suplicando por aquilo que ele desejava.

-M-minnie! -  Ele começou a mover rápido logo no começo. Respirei com dificuldade, pois logo os gemidos me escapavam com vontade. Seu corpo colou ao meu, novamente estimulando meu membro que já estava ereto entre nós.

Seu peito tocava meu próprio e eu jurava sentir suas batidas fortes, assim como eu desejava que ele pudesse sentir as minhas. O rosto do alfa encaixou-se ao lado do meu, roçando nossas bochechas enquanto soltava seus arfares bem em meu ouvido.

Ergui minha cabeça em sinal de descontrole. Meus dedos de uma mão puxavam seu cabelo com força, o guiando para meu pescoço novamente, onde ele voltou a beijar e morder, enquanto minha outra mão o agarrava desesperadamente pelo ombro. Seus movimentos eram rápidos e certeiros. O barulho do encontro de nossas peles tão alto quanto os sons que saiam de nossas bocas, que me deixavam cada vez mais perdido naquele prazer.

-Chame meu nome. - Sussurrou entre arfares.

-Minnie! - O chamava, sentindo a parede em minhas costas tão quente quanto minha pele. - Ah! - Seu quadril subiu com força, me fazendo perder os sentidos por poucos segundos.

-Meu nome, Jungkook. - Falou novamente.

-J-jimin… - Abri meus olhos que até aquele momento não notei ter fechado, e logo mais o alfa ergueu seu rosto. Seus olhos escarlates denunciavam seu estado tão entorpecido pelo cio.

O puxei, desesperado para ter meus lábios junto aos dele. Nosso ósculo em meio ao sexo era bagunçado, quente, viciante. O alfa me devorava a boca e eu o retribuia como conseguia.

-Isso… de novo. - Ordenou.

-Jimin! - O clamei, sentindo o orgasmo próximo novamente.

Soltei seus cabelos para poder abraçá-lo com ambos braços, envolvendo seu pescoço. Meus olhos àquela altura lacrimejavam, minhas pernas haviam perdido a força, sendo sustentadas por ele.

-Jungkook… Jungkook. - Ele me chamava várias vezes. Parecia querer me certificar de que eu estava ali.

-Jimin… - O chamei. Seus olhos voltaram para os meus. - Soltei meus braços e segurei seu rosto para continuar. - Calma… estou aqui. - O assegurei.

O alfa parou por algum tempo, absorvendo o que eu disse. Pareceu ter efeito em seu estado descontrolado, já que ele sorriu.

Jimin havia sorrido e me retirado da parede, me apoiando no colchão macio sem nos separar.

-Ah! - E no momento seguinte voltou a se movimentar rápido, forte. Joguei minha cabeça para cima. O peso do alfa em cima de meu corpo me deixando mais quente. Seu rosto que voltou à altura de meu peito, beijando toda a área. Uma de suas mãos me erguendo o quadril para melhor contato, enquanto a outra estava depositada ao lado do meu rosto, agarrando os lençóis com tanta força que poderia jurar que se rasgariam.

Seus movimentos eram certeiros, sua presença me deixava fora de si. Minhas unhas adentraram sua pele quando me atingiu fundo novamente no mesmo momento em que mordeu por cima de minha marca. Sua destra soltou meu quadril para tocar meu membro até então negligenciado. E bastou isso para me levar à loucura.

-Ah, Jimin! - Gritei em descontrole, despejando meu segundo orgasmos entre nós novamente. Precisei puxar o ar com força, tamanha a dificuldade de respirar. Senti minha cabeça girar e fechei os olhos. Meu corpo tremeu e agarrou forte o alfa com minhas pernas e mãos.

-Arh… - O alfa gemeu ao final também. E quando me senti voltando à mim, percebi que ele havia chegado ao orgasmo. Seu nó nos prendeu. Os olhos do mais velho estavam vividos e pregados em mim.

Ele retirou parte de minha franja suada da testa e encostou sua própria com a minha, me dando um selar e ficando assim por algum tempo. Não falamos nada por breves momentos.

-Eu te amo. - Jimin quebrou o silêncio. Sua mão foi até minha bochecha onde acariciou. Devolvi seu olhar, para então beijá-lo com calma enquanto o sentia me preencher. Seu estado de cio pareceu ter diminuído, pelo menos por aquele momento.

-Eu também… - Respondi quando quebramos o ósculo. Com os rostos a milimetros de distância, sorrimos juntos. O som das risadas ecoando gostosamente entre nós. E foi num momento de realização que olhei para a janela, notando que algo havia batido ali.

-A janela… - Eu disse.

-Oh… parece que está nevando. - Respondeu. De fato estava. Pequenos floco de neve batiam na janela. E então ele olhou para mim novamente. - A primeira neve do ano nunca me pareceu tão linda.

-E-eu… - Não consegui responder, senão ficando totalmente vermelho. Jimin riu de novo, selando meus lábios enquanto sentia o nó diminuir.

-Obrigado por ter ficado comigo. Significou muito para mim… - Confessou de olhos fechados, deitando o rosto no vão de meu pescoço, jogando parte de seu peso, mas sei me deixar desconfortável.

-Significou para mim também. - Respondi. - Sempre estarei com você. - Confessei.

-Eu também… - Sorriu, e desta vez percebi seus olhos demorando à piscarem. - Eu também…

E antes que pudesse dizer algo mais o alfa adormeceu em meus braços. Coloquei seu corpo para o lado e juntei o meu. Depositei seu braço em minha cintura enquanto os meus rodeavam a sua também. Nossas pernas entrelaçadas, as batidas dos corações em sintonia me ajudavam a acalmar a respiração. E foi assim que adormeci.

Eu precisava descansar também. Afinal, aquele foi só o primeiro momento de seu cio.

 

(...)

 

Pov Jimin

 

Acordei sentindo a claridade em meus olhos, junto do clima gelado. Nevava fraco em plena manhã. Estava um pouco desnorteado e com o corpo pesado. Demorei um pouco para me situar, e foi quando olhei para baixo, notando uma cabeleira negra na altura de meu pescoço, junto do corpo agarrado ao meu.

Um sorriso involuntário surgiu em meu rosto ao notar que era Jungkook ali. Ele havia mesmo passado meu cio comigo. Podia sentir tanto eu quanto meu lobo felizes. Eu estava receoso do que poderia acontecer, mas tudo saiu bem. E podia sentir nossa ligação ainda mais forte. Eu me sentia completo, transbordando em alegria. E só saí de meus devaneios quando ouvi um resmungo baixo e as mãos do omega apertaram minha cintura.

-Bom dia. - Falei baixinho.

-B-bom dia… - Sussurrou, a voz abafada por meu pescoço causou-me um arrepio gostoso.

-Tudo bem? - Perguntei. Lembrava do que aconteceu, mas nem tudo com clareza. Precisava me certificar de que ele estava bem.

-Estou sim. - Jungkook ergueu o olhar sonolento para me responder, sorrindo de maneira preguiçosa. Ele estava bem manhoso também. Provavelmente pelo mesmo motivo de minha felicidade.

-E você? - Perguntou. - Você apagava de repente. Eu ficava preocupado.

-Estou bem, não se preocupe. - Lhe assegurei. - Alias

Estávamos em uma bolha de felicidade maravilhosa, mas que foi estourada quando bateram na porta do quarto.

-Quem é? - Perguntei irritado.

-Quem mais poderia ser senão seu melhor amigo?

-Taehyung?! - Perguntei.

-Não só ele! Nós fomos obrigados a vir aqui. - Hoseok resmungou.

-Mentira que você também estava doido para vir. - O beta retrucou. - Jin e Namjoon também estão, mas estão fingindo silêncio para não serem notados.

-Hey!

-Aish! - Bufei irritado. - Espere um pouco, sim? - Jungkook acenou sonolento, cobrindo o corpo melhor com as cobertas. E só ao levantar percebi que estávamos ambos nus. Do jeito que me levantei incomodado era capaz de ter atendido a porta assim mesmo.

Vesti uma calça qualquer e abri a maldita porta, me deparando com todos os cinco ali.

-Já ouviram falar em paz e privacidade?

-Já sim. No pacote de amizade esses dois não vem. - O beta respondeu. - Mas calma, só viemos aqui pra levantar vocês. Sabe, temos novidades!

-Novidades? - Resmunguei. - Que novidades?

-Ha! Só vai saber quando se trocar e nos encontrar na sala de reuniões. Ah, e fale para Jungkook ir também. Apesar de que eu duvido muito que ele não vá. - Percebi um tom carregado com algum significado em sua voz. Significado esse que eu não fazia ideia do que era.

-.... certo. - Estava irritado. Como parte de minha espécie e condição “especial”, eu poderia tirar o dia para descansar, para voltar aos meus deveres reais novamente. Queria aproveitar o dia todo na cama com Jungkook. Mas eu também era malditamente curioso. - Até mais. - Fechei a porta, ignorando os sorrisos vitoriosos deles.

-Jungkook, quer ir comigo? - Perguntei ao ômega que com certeza tinha ouvido todo o barulho. - Se quiser descansar, tudo bem. Eu entenderei perfeitamente.

-Eu quero ir. - Me respondeu. Não se preocupe. - Sorriu.

Demoramos um pouco pois ainda sentíamos o peso em nossos corpos. Jungkook ainda estava um tanto sonolento, mas fomos nos vestir, sem pressa, após um banho longo e quente, aproveitando da água e de nosso momento em paz.

-Vamos? - Perguntei quando estávamos já vestidos.

-...-

-Jungkook? - O chamei. O ômega parecia avoado como nos dias anteriores ao meu cio. O que me deixou confuso. Pelo jeito havia mais alguma coisa em sua cabeça? - Jungkook!

-Oi?

-Vamos?

-A-ah, sim.

-Está tudo bem? - Perguntei desconfiado.

-Está sim. - Novamente ele não me olhou nos olhos.

-Tem certeza? Sabe que pode falar comigo o que for, não é?

-Sei sim. Com toda certeza. - Voltou a me olhar. - Eu só… peço que espere um pouco, sim? Não fique bravo.

-Bravo? Não imagino porque ficaria. - Respondi. Admito que não gostava de ficar curioso, mas se Jungkook precisava desse tempo, eu o respeitaria.

-Obrigado. - Agradeceu, sorrindo para mim.

-Certo, agora vamos, sim?

O ômega maneou positivamente com a cabeça, e isso bastou para que saíssemos do quarto em direção à sala de reuniões. Caminhamos devagar e em silêncio. Durante o caminho observei Jungkook ao meu lado. Minha mente maquinando inúmeras possibilidades do que poderia ser que ele estava pensando. Mas o ponto curioso era que seus sentimentos me passavam uma espécie de ansiedade, no bom sentido. Ele parecia animado com alguma coisa, ao mesmo tempo que ansioso. Me deixava realmente confuso

Quando finalmente chegamos abri logo a porta, vendo todos os cinco. E para minha surpresa maior estava:

-Omma? - Indaguei confuso. Se me lembrava, antes de meu cio disseram que ela havia saído para uma conferência longa. E se passaram apenas três dias desde então.

-Olá, querido. - A mulher me cumprimentou, e diferente dos outros, parecia que eu era o único alheio ali.

-A senhora não estava em uma conferência? - Terminei de entrar, seguido de Jungkook, mas diferente do ômega que foi sentar, preferi ficar em pé.

-Oh, sim. Mais ou menos.

-...- Ergui a sobrancelha, cruzando os braços. - Por que parece que estão escondendo algo de mim? - Olhei direto para Taehyung, que mantinha seu olhar profissional de “dessa vez eu não tenho nada à ver com isso”. O que era claramente mentira.

-Bem, esconder é uma palavra forte. - A rainha começou. - Digamos que foi mais questão de preparação.

-Preparação para que?

-Seu casamento, oras.

Ok, para aquela bomba eu não estava preparado. Claro que sim, eu queria muito isso, e parte de mim ansiava o quanto antes. Mas ouvir que isso se tornaria realidade, foi uma bomba de emoções.

-Ih… acho que ele travou. - Namjoon sussurrou.

-Não! Q-quer dizer, quando? - Perguntei afobado. Jungkook permanecia quietinho, mas eu sentia que ele estava feliz também.

-Bem, essa conferência na verdade foi uma desculpa que eu tive que dar para visitar o reino dos Jeon. Não me leve à mal, tive de usá-la não só com você, mas pelo reino também. Afinal, ainda somos parte do governo, não podemos ir e vir assim e deixar que os outros reinos pensem algo ruim. Mas sim, eu fui acertar com o rei sobre isso. - Me explicou. - Sabe, meu filho, o mundo hoje é avançado, mas ainda somos muito primitivos. Acho que temos vários exemplos disso, não é? - Perguntou retoricamente, com pesar em sua voz. - Mas hoje vejo que o primeiro passo para a mudança é sempre o mais importante. Conversei com o Rei Jeon, sabemos o quanto você e Jungkook se amam e nasceram para ficarem juntos. Do mesmo jeito que também temos ciência de que você, meu filho, é o atual Rei de nosso reino, assim como Jungkook é o futuro herdeiro dos Jeon. Isso carrega uma responsabilidade para tomarmos decisões algo muito maior.

-E o que decidiram? - Perguntei.

-Não decidimos para dizer a verdade. - Falou, sorrindo. - Digo, vocês iriam se casar, talvez até fugir se não deixássemos. - Não descartaria a possibilidade mesmo. -Então discutimos mais a questão de como apresentaríamos Jungkook ao mundo. Seria ridículo mantê-lo em segredo, além do mais, acho que depois de séculos vivendo no escuro, nossa sociedade pode ter a chance de redimir os erros de nossos antepassados. É algo arriscado, mas acredito que valha a pena. Claro, desde que vocês dois queiram isso. Sabem… não podemos prever todas as reações que as pessoas possam ter ao saberem que existe um ômega original vivo, e que ele, além de ser o filho perdido do Rei Jeon, vai se casar com você, o atual rei.

-Eu quero. - Jungkook falou. - Farei o que for possível para mudarmos a visão das pessoas.

-Eu também. - Respondi, sorrindo para o ômega. - Mas precisamos pensar e organizar tudo. Não quero sequer pensar em mais perigos para nós.

-Todo e qualquer caso, aumentaremos a guarda. - Yoongi me assegurou. - Aproveitarei do esquadrão especial que eu e Hoseok estamos preparando.

-E sobre o casamento, acho um bom momento para fazer o anúncio. - Namjoon sugeriu. - Fazê-lo antes seria bom, mas podemos acabar com algum tumulto de algum dos reinos vizinhos. Já no casamento o contrato estará selado, assim como o Reino dos Jeon farão parte do nosso, e vice-versa. Causar algum problema conosco será mais difícil.

-Certo. - Era muita coisa para se pensar. Muitos passos com cuidado. Mas em face de tantos aflitos que passei, o futuro me parecia mais calmo, como se fossem apenas os últimos e menores obstáculos de uma corrida enorme. Faltava pouco agora. - Fico feliz.

-Eu também. - Jungkook sorriu.

-Então, estamos resolvidos! - A rainha exclamou. - Eu irei assim que puder começar os preparativos! Estou tão animada.

-Eu ajudarei. - Tae falou.

-Eu também! - Jin exclamou. - Ajudarei à pensar em todo o cardápio. E imagino que Jungkook também vá querer, sim?

-Sim! - O ômega respondeu.

Claro que sendo quem era, imaginava Jungkook fazendo o próprio bolo. A ideia me agradava. Ele parecia amar seu trabalho com Jin. Sempre via ambos sorrindo e se divertindo na cozinha.

-E eu ajudarei na decoração. - Falei, atraindo a atenção de todos. - O que foi? Eu sou rei, mas não significa que não quero ajudar. Acho que terá mais significado com todos ajudando nos preparativos.

-Está certo. Tenho muito orgulho de você. - Minha omma elogiou. Sorri de volta.

-Então, acabamos por aqui? - Perguntei. - Por que não sei se vocês sabem, mas eu e Jungkook estamos exaustos.

-Na verdade nós sabemos sim senhor. - Tae comentou. - O castelo todo deve saber.

-Ya! - Jungkook exclamou.

-Não se preocupe, Kookie. Ninguém vai te julgar por isso. - Continuou.

-Não mesmo. Vocês três não podem falar de ninguém.

-Por isso não julgo. - O beta ergueu as mãos em sinal de rendição.

-Então vamos indo. - Fiz menção de ajudar Jungkook à se levantar.

-E-espera… -  Mas para minha confusão, o ômega pediu para esperar, olhando para baixo. E de repente aquela sensação de ansiedade voltou à tona. Vinha dele.

-Tudo bem?

-N-na verdade, e-eu…

-O que foi? - Comecei a me preocupar.

-Ainda tem um assunto que precisamos tratar, Jimin. - Tae falou, como se soubesse o que era. Olhei em volta e os alfas ali pareciam tãos confusos quanto eu. Apenas o acastanhado, Jin e minha omma pareciam tranquilos, mas com sorrisos presos na boca.

-O que é? Vocês estão me preocupando.

-Olha, eu me preocuparia também. Dizem que é uma responsabilidade muito grande… - Tae silabou. Ele estava curtindo com a minha cara até naquele momento.

-Digam logo, por favor! - Pedi. Olhei para Jungkook que mantinha as duas mãos fechadas em nervosismo em cima das pernas que permaneciam juntas uma da outra.

-Peço desculpas por não ter dito para você antes… - Jungkook sussurrou. Atentei meus ouvidos para suas palavras. - Mas se não fizesse isso tenho certeza de que você não aceitaria minha ajuda com seu cio…

-Meu cio? - Perguntei confuso.

-É. Eu descobri faz pouco tempo também, e quis tanto te contar na hora, mas coincidentemente no mesmo dia, senti você bem agitado, com o aroma mais forte. Percebi que seu cio chegaria, e que se eu dissesse você não me deixaria ajudá-lo. - Falava baixo, olhando para as pernas.

-Mas do que está falando? - Ele estava doente? Alguma coisa? Estava ficando realmente preocupado agora.

E-eu… - Pareceu juntar forças para falar. - Eu estou grávido! - Exclamou.

-...-

 

E por um momento minha pressão caiu.

 

-Jimin? Jimin! - Senti alguém me segurando. Namjoon que estava perto segurou meu corpo.

Todos os alfas na sala pareciam tão perdidos quanto eu. Na verdade, ninguém estaria nem com 1% do que eu estava sentindo. Parecia que eu havia enganado meus próprios ouvidos. Precisei de uma confirmação.

-Eu disse que estou grávido… - Respondeu baixinho.

-Grávido… - Repeti.

- De pouco mais de um mês.

-Um mês? - Repeti novamente. - Um mês não foi…

-A campina? Que todos nós tivemos que dormir numa caverna por uma semana por causa de vocês? Foi sim. - Yoongi alfinetou.

-D-desde quando soube? -Perguntei, sentindo a força nas pernas voltando. Caminhei até o mais novo e agachei em sua frente, que mantinha à cabeça baixa, mas com um sorriso leve no rosto.

-Não tem muito tempo. - Respondeu. - Eu estava ajudando Jin na cozinha quando me senti enjoado pelo cheiro da comida. Na primeira vez ele apenas me dispensou. Mas nas outras ele estranhou e me disse para fazer exames. E bem…

-E não me contou por causa do meu cio? - Me senti um pouco chateado.

-Sim… peço desculpas de verdade. Mas eu sabia que você não me deixaria ajudar.

-Não mesmo! - Respondi.

-Mas sem motivo. Eu perguntei para a médica se haveria algum problema e ela me disse que não.

-Na verdade… - Ouvi uma voz feminina vindo da porta. Me assustei e virei para ela, vendo alguém muito familiar. - Eu disse que não temos tanto conhecimentos sobre a gravidez de um ômega, já que… enfim, vocês conhecem à história. Mas disse que no começo assim não deveria haver problemas.

-Hyerin? - Perguntei.

-Eu mesma. - Ela sorriu.

-Parte de minha conferência foi buscá-la também, meu filho . -Minha omma sorriu, como se não houvesse surpresas até o momento para ela. - Quando Jungkook soube, contou para Tae e Jin, que o auxiliaram à me contar.

-E eu pedi para que chamassem Hyerin para cá… - O ômega continuou.- Eu confiava nela, e sabia que poderia ajudar com sua irmã. Pedi que à oferecessem vir para cá.

-E cá estou! - A médica exclamou. - Agradeço imensamente à oportunidade e confiança. Sei que devo muito à vocês, mais do que poderia sequer imaginar. Ajudar nesse passo tão importante será uma honra.

-E agora? O que achou?- O ômega perguntou para mim. - Vi suas bochechas vermelhas, as mãos perto do ventre, de maneira bem discreta. Eu ainda não tinha dado minha resposta e quis me bater por isso.

-E-eu… não tenho o que dizer. - Jungkook ergueu seu olhar, parecendo confuso. Ele com certeza sentia minhas emoções, talvez por isso sua confusão. - Eu estou tão feliz! - Respondi. - Eu… sinto que poderia explodir de felicidade agora mesmo.

Não reprimi minha vontade de pegar e erguer o mais novo, abraçado ali, no meio de todos mesmo. E foi retribuído, seus dedos prendendo em minha roupa. Não me importei em ficar daquele jeito por alguns minutos. Era tão reconfortante, e saber que um pequeno ser estava entre nós me enchia ainda mais de felicidade.

-Bem… acho que agora podemos acabar à reunião. -Alguém falou baixo.

-Sim, vamos saindo. - Outro respondeu.

Acabamos ficando sozinhos na sala. E logo que notei isso, separei nosso abraço. Um sorriso bobo pareceu ficar preso em meu rosto.

-Vamos indo agora?

-Sim… - O ômega respondeu.

Tomei sua mão e não a soltei enquanto não chegamos em nosso quarto. Aquele dia, e quem sabe o resto da semana, eu definitivamente tiraria para descansar e aproveitar da novidade como um babão que eu sabia que já seria. Só jamais admitiria isso perto de Taehyung.

Chegamos em nosso quarto, e mais uma vez todas aquelas notícias pareceram cair em minha cabeça como uma pedra.

Eu iria me casar.

E eu teria um filhote com Jungkook.

Duas coisas tão maravilhosas no mesmo dia. Eu estava transbordando tanto em alegria que não duvidaria poder voar.

-Jungkook. - O chamei, ele que foi logo se sentar na cama. Parecia realmente cansado. Eu tma´bme estava para dizer à verdade, mas por todo aquele momento até agora, meu cérebro totalmente concentrado em tantas notícias me fez esquecer disso por um tempo.

-Si-

-Eu te amo! Demais. - O beijei antes que ele pudesse responder parar de arregalar os olhos. À felicidade era tanta que me coloquei por cima, deitando-o na cama, apreciando do ósculos sem segundas intenções. Eu apenas queria aproveitar do momento, demonstrar o quanto eu estava feliz, e o quanto eu o amava.

-Eu também… - Sorriu de volta quando nos separamos. - Nós também. - Falou, deixando seu rosto vermelho logo em seguida, e me deixando mais bobo ainda.

-Vocês realmente está tentando me matar de infarto, Jungkook. Ou quem sabe agora, Park Jungkook.

Seu sorriso então foi o mais brilhante até aquele momento. O ômega me puxou para baixo, me abraçando com força. Aquele era o começo de um novo ciclo. Com meus amigos, com meu reino, com Jungkook, com nosso filhote.

E eu estava mais do que disposto a dar o primeiro passo no desconhecido. Nós dois, juntos.

-Te amo… - Nossa resposta ao mesmo tempo selou nossa promessa, e o começo de um dos inúmeros beijos que trocamos naquele dia, naquela cama, naquele clima frio sob o dia em que a primeira neve do ano caiu.

 


Notas Finais


Socorro! Eu quando acabei a fic, em toda minha maior inocência estava pensando: "Ah, alguns extras, acho que não vai passar muito de 300k, não é? Porque 300k a fic vai ficar enorme"
Dai vou eu mesmo, sozinha, sem ajuda de ninguém, a retardada da vez vai e faz um capítulo inteiro de 12k. Eu mereço muita porrada, ahsuashuhaushau
Mas é isso gente.
Teve um comentário ou outro no último cap dizendo que eu não tinha usado todas as tags que eu tinha colocado, que não tinha mpreg e tals. Mas pra quem me conhece, sabe que eu odeio ficar correndo com as coisas. E lendo esse capítulo agora, acho que deu para entender porque eu não toquei no assunto antes, haha.
A enrolada demorou um cap todo de 12k pra chegar nessa parte, como eu colocaria algo tão importante assim para os personagens como uma apariçãozinha sem graça no fim do último cap ?!

E bem, esse foi o primeiro extra! Sim, primeiro. Não sei mesmo se farei com todos os casais em separado. Talvez com alguns deles eu faça em compilado de Pov. Não sei mesmo, porque para Jikook eu ainda tenho o desfecho desse extra, e para os outros casais, pelo menos para 2won eu quero fazer algo mais importante. Um desfecho para eles também. Sobre taeyoonseok e Namjin, eu adoro esses casais nessa fic, mas ainda não sei se farei em capítulos separados. Se ficar muito curto talvez eu os junte. Não sei gente, to divagando aqui loucamente e escrevendo essa nota ao mesmo tempo ahsuahs

Mas acho que já deu para ter uma ideia :)

Espero que tenham gostado! E até o próximo extra! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...