História Floratta - Capítulo 1


Escrita por: e paulalefebvre

Postado
Categorias Chocolate com Pimenta, Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Chocolate Com Pimenta, Sasusaku
Visualizações 553
Palavras 2.527
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hola!
Eu e a tia Paulatejando estamos de volta, depois da saliência de Malícia, estamos de volta com algo light que as crianças podem ler hehehe ( tem hentai, n se preocupem)

Essa fanfic é inspirada na novela Chocolate com Pimenta, mudamos o roteiro e por ai...

E sim! Tem o nome do perfume da Boticário, pois não somos criativas. ( PS: Boticário, caso isso chegue até vocês, aceitamos uns perfumes)

Capítulo 1 - Prólogo


Florenza é uma cidade localizada entre as montanhas geladas da Argentina.

A cidade de Florenza tem esse nome por uma lenda antiga, a lenda de uma jovem que estava apaixonada por um jovem, era um romance impossível, já que a jovem e doce florenza estava destinada a casar com um rico fazendeiro da região. No dia do casamento, a jovem decidida a não se casar com o fazendeiro velho, já que não poderia deixar o seu amor, resolveu se jogar da escarpa da montanha com a esperança de encontrar o seu amor na eternidade. Quando soube da notícia, o seu amado entrou em desespero e foi até a escarpa daquela alta montanha e ajoelhado prometeu a sua amada que iria reencontrá-la para os dois enfim se amarem e por fim, ele se jogou, já que não poderia ficar em um mundo sem a sua amada.

**

Desde essa lenda, todo início do mês de novembro, a cidade que adotou o nome de Florenza em homenagem a jovem noiva desiludida, comemora o festival das flores. Onde todos os cidadãos enchiam as ruas com flores e os musicistas da cidade tocam nas praças dando um verdadeiro show. É a festa mais querida do ano, principalmente para a jovem e inocente Sakura.
— Vamos logo! Estamos atrasados para a apresentação da primeira fanfarra do dia. — Sakura estava na charrete do seu tio Jiraiya, ela limpou os óculos velhos e já com uma perna de lado quebrado no seu vestido de festa, era o seu vestido favorito é o único de festa.  — Tio, apresse o Naruto!
Jiraya deu uns gritos ao que o sobrinho prontamente apareceu correndo, saindo do curral, disserto cuidado da amada vaca de estimação

— Carma tio, eu tava alisando o pelo da Natália, o sinhô sabe que ela fica toda arrupiada com o barulho  dos fogos.

— Pois ande logo com isso garoto. — Jiraya reclamou atiçando  as rédeas. — Vive de amores com essa vaca.


— Primo, eu não quero perder as fanfarras por sua culpa. Ande logo, venha. — Sakura disse puxando Naruto pelas mãos.


— Arre tô subino prima. — gesticulou sentando ao lado do padrinho. — Não  sei que tanto de graça  que você  vê  nessas festa de gente arrumada.


— Nem começa Naruto, seu bicho do mato. A festa das flores é a melhor festa do mundo e toda aquelas bandas tocando aquelas músicas, é tudo tão bonito, parece uma coisa de outro mundo. — disse com um largo sorriso estampado no rosto.


— Prefiro as festas daqui da roça, tem sempre os violero tocando e a tia Mito faz uns quitutes de encher  os olho.


— Arre Naruto, deixa a Sakura  curtir o festival, afinal  ela não  se importa com o teu amor pelas vaca. — Jiraya encerrou a discussão fazendo  o afilhado  foca bicudo por conta da provocação.


Contra vontade, Naruto tomou as rédeas da carroça. Sakura sorria do primo e do seu jeito todo arisco, Naruto realmente não tinha jeito mesmo, preferia passar o tempo em companhia das vacas do que a própria família. Esse era o jeito do primo, ao contrário de Sakura que adorava a cidade, se ela pudesse e se a família tivesse condições econômicas boas, moraria na cidade, mas não negava que amava o sítio da família e principalmente a cachoeira, lugar que ela passava boa parte do tempo nadando.


— Acho que irei falar com o professor de música da cidade, será que consigo um lugar na banda da cidade? — ela perguntou ao tio.


— Tente a sorte, fiquei sabendo que há uma vaga para contadora no banco, pode ser uma oportunidade  pra  você.


— Si! Eu coloquei minhas fichas lá. Bom, como eu terminei os estudos e conseguir um trabalho no banco ajudaria muito a renda da família. O que acha Naruto, acha que eu consigo uma vaga como contadora no banco?


— Oe, você  é  estudada Sakura. — Naruto coçou a cabeça pensativo. — Mas você vai ficar bem vivendo  com esse bando  de gente frescurada?


— Arrie. — Jiraya deu um tapa na nuca do afilhado. — Isso é  jeito  de dar força  pra sua prima?


Sakura sorriu da cena, era sempre assim, sempre pensava consigo mesmo que de tanto o tio Jiraiya bater na cabeça do Naruto ele ficou meio cabeça oca. — Eu nunca irei mudar quem eu sou Naruto. Só irei trabalhar com eles, apenas isso. Mas minha mente, — ela colocou o dedo indicador na cabeça. — sempre será a mesma.


— ô prima, eu não  estou dizendo que você  vai mudar, é  só  precupamento desse povo da cidade humilhar você prima. — Naruto coçou  o lugar da pancada dando  leves olhadas para  trás. — Esse povo da cidade olha pra  gente como se a gente tivesse cheiro de bosta de vaca.


— Hm primo... mas você realmente está com esse cheiro ruim, — Sakura comentou sorrindo e abanou o nariz fingindo estar incomodada com o mau cheiro do primo, longe dela, já estava acostumada.  Sabia que o primo fugia de um banho.

Os três seguiram pela estrada de terra rumo á Florenza com Sakura animada e cantando por todo o caminho.

**
A cidade estava efervescente no ritmo da festa, as fanfarras já tinham começado as apresentações. Várias banquinhas de flores estavam colocadas uma ao lado da outra, cada uma mais colorida e mais linda que a outra.


— Bem-vindos a quinquagésima festa das flores. — o prefeito tentava falar no microfone de energia recém-adquirido, mas ali ninguém estava interessado em ouvir as palavras de Madara Uchiha que vencido deixou a banda tocar.


— Como sempre fazendo  discursos que chamam  a multidão, não  é tio? - Sasuke ironizou escorado no palanque um pouco a baixo.


— Os tempos são outros, o povo perdeu o respeito pelo o poder político. É uma falta de vergonha dessa sociedade florezence, sociedade que eu ajudei a erguer, — Madara gesticulava com as mãos como estivesse dando um discurso político. — Essa cidade que praticamente eu criei de minhas entranhas.


— De tuas entranhas devem ter muito filho bastardo também, não é?  Têm  uma senhora  ruiva fazendo escarcéu  na porta da prefeitura, ela está  com um bebê  de colo, linda criança, cabelos negros muito sedosos, me lembra alguém, mas não sei ao certo quem...


— Sasuke! Cata-te boca em nome dos meus eleitores que tanto honra, seu sacana. Queres manchar a minha reputação?


— Na verdade tio, eu quero um trocado pra passear com a Ino. — Sasuke olhou para cima sonhador. — Sabe como é, tem que investir  pra abocanhar  uma herdeira de posses como a filha dos Yamanakas


— Agora sim está falando a minha língua. Creio que esse namoro com a filha dos Yamanaka é um grande namoro e que gerará frutos em nome de toda a sociedade florezence. Uma sociedade que aprecia o amor. — ele botou a mão no bolso, Madara era um dos mais interessados no namoro do sobrinho, a família Yamanaka tinha grandes posses e isso gerava muitos impostos, dinheiro e se tinha uma coisa que Madara amava era o dinheiro. — Aqui, divirta-se com aquela bezerra nova, compre um doce de leite para ela e dê beijos. Muitos, mas tenha compostura. Não pense com a cabeça de baixo.


— Sabe o que titio... - Sasuke contou as notas por alto. — Eu tenho que buscar e a Ino, então  preciso limpar  o carro, tenho de comprar um lindo bouquet  de flores e como eles são  exímios conhecedores de flores, eu não  posso chegar com um buquê  simples, tem que ser algo imponente...Grana pra ganhar um presente  em uma barraca de tiro ao alvo, e talvez eu não  acerte de cara, então...


— Mas você é um belo de explorador, viu. Está na hora de arrumar um emprego Sasuke, ser um homem honesto como o seu tio aqui. Um homem que viveu e vive para essa cidade. Bela cidade. — contra gosto ele deu mais algumas notas para o sobrinho. — Estou lhe dando esse dinheiro como investimento. Lembre-se disso.


— Titio, eu apenas estou seguindo seu honrado exemplo. — concordou insatisfeito com a quantia, mas decidido a não pedir mais, a paciência  de Madara tinha limite. - Estou indo buscar a Ino, passarei próximo  a prefeitura, Ah  a senhorita Mei veio  docemente me pedir para o senhor pagar a conta do mês, o bordel passa  por dificuldades.


Todo o sangue no rosto de Madara foi embora. O político se abanou com as mãos, Sasuke ajudou o tio a respirar mais um pouco. — Cai fora daqui Uchiha Sasuke, desaparece da minha frente!

**

Sakura estava extasiada, tinha acabado de chegar na cidade e já podia ouvir a melodia da fanfarra tocando. Ela pulou toda sem jeito da carroça e foi correndo para o meio da multidão. Nesse festival das flores a família Uzumaki não pode cultivar flores para levar como todo ano fazia, precisaram plantar cereais. Isso desapontou a garota de cabelos rosados, mas ela compreendia a necessidade do momento.


— Carma Sakura, deixa o potro parar pra descer da carroça. — Jiraya falou preocupado. — Como é Naruto? Vai ficar aí  na carroça esperando?

— Eu prefiro ficar aqui fazendo companhia  pro  Eusébio. — Comentou  se referindo ao cavalo. — Acho que  vou comprar umas flor pra aformosar a carroça  e alugar o passeio pros casal. Será que  eu consigo arrumar uma rama de dinheiro?


Sakura foi entrando no meio da multidão, ela era franzina e conseguia passar pelo meio das pessoas sem nenhum problema e logo chegou aonde queria, bem em frente da banda que ali tocava. Ela começou a aplaudir a banda que tinha terminado de se apresentar. Céus! Ela estava deslumbrada com a movimentação ali.


As mulheres que passavam olhavam para o humilde traje da garota, mesmo sendo o seu melhor vestido, tinha um pequeno buraco descosturado na parte da trás. As mulheres viravam o rosto para ela, mas como Sakura era inocente não notava tamanho repúdio das damas de Florenza.
Até a apresentação da próxima banda teria quinze minutos de pausa. Era o momento que ela saiu para aproveitar as barracas de flores, adorava sentir a aroma de cada uma flor ali. A gardênia branca era a favorita dela, tinha um cheiro doce e intenso.
A gentil dona da barraca deu uma flor de gardênia para Sakura, ela agradeceu e sabia onde bem ir. A barraca de doce de leite, sua sobremesa favorita.
Procurou as moedas no seu bolso, não achou no esquerdo e foi procurar no direito.


— Nossa senhora! Onde estão as minhas moedas?


Colocou a mão nos bolsos novamente. — No, no, no puede ser! Minhas moedas. — ela saiu procurando pelo o caminho que fez, tinha a plena convicção que iria achar suas preciosas moedas ali. Tinha que achar!


Sem perceber, Sakura se afastou da multidão indo na direção da praça da cidade, onde haviam muitas árvores de ceibo, uma árvore que dava uma estranha flor vermelha. — Minhas moedas! — ela murmurou com uma voz triste. Passou quase todo o caminho desejando comer o doce de leite gelado que vendia na sorveteria.
 

— Oe, Sakura. - Naruto acenou pomposo na direção da prima, a carroça cheia de flores  silvestres. - Olha as formosura das flor que eu achei nos mato prima.


— É uma camélia Naruto, que linda! — Sakura pegou a flor. — Sabe primo, eu perdi a minha moedinha para comprar o doce de leite gelado. — ela disse tristonha.
 

— Pois toma aqui, — ele colocou três moedas na mão dela. — Essas moedas que eu consegui passeando com o povo. E eu achei mais uma coisa...
Sakura se aproximou curiosa, chega ajeitou seus óculos fundo de garrafa com a lente vencida.
 

— Nós  vamo ter mel pra adoçar  o café  essa semana prima. — Naruto balançou  a colmeia presa a um galho.
 

— Naruto não faz isso! —  disse olhando preocupada para o que via lá em cima da árvore, e essas foram as últimas palavras de Sakura quando a colmeia caiu no chão, a garota não teve outra, saio correndo disparada pelo o centro da cidade fugindo do enxame de abelhas que vinham atrás dela. — Socorro! — gritava desesperada.


Sasuke  andava de braços  dados com Ino que falava a torto e á direita sobre vestidos  e perfumes com uma vendedora. Revirou os olhos e se permitiu afastar alguns metros para dar uma olhada nas barraquinhas.
Colocou as mãos nos  bolsos satisfeito com o tempo agradável e a música. Percebeu a movimentação na multidão  que se abria como se uma rainha  estivesse passando. Tomou um pouco de tempo para perceber que tal ato não  se devia a honrarias, mas sim a uma louca que corria e gritava a plenos pulmões. O problema foi que  percebeu  tarde  demais.


— Me ajudem! Socorro! — a mulher de cabelos rosados gritava no meio da multidão a acabou que criou um pequeno caos generalizado entre os presentes que perceberam o que estava vindo, um enxame de abelhas negras.
Sasuke foi pego no meio da confusão  e só  teve tempo de correr  junto da garoto, tentando fugir dos insetos.

— Água... precisamos de água. — gritou sacudindo as mãos  para se livrar das picadas..
Sasuke pegou na mão  da azarada e não pensou duas vezes em traçar  reta para o local com água  mais próximo, o importante era se livrar  das ferroadas, não  pensou duas  vezes ao se jogar e jogar a garota dentro do chafariz que ficava exatamente  no meio da Praça.
Mergulharam no chafariz e se mantiveram submersos por alguns minutos,o  suficiente para  que o enxame se dispersar e  levantaram buscando ar, vendo  a multidão  em volta da Praça  os olhar curiosamente.
 

— Ay! Ay! Ay! —  Sakura levantou-se procurando o ar. — O que foi isso? — ela passou a mão no rosto desesperada.
 

— Primaaaa! — Naruto  gritava entrando com a carroça  pela multidão. — Calma, que eu te salvo.
 

Sakura olhou para o homem, o seu grande herói que a salvou.
Céus! por vista era o homem mais lindo que ela já viu na vida. Ajustou seus óculos e sentiu sua bochecha ficar vermelha, ficou corada de tanta vergonha. Um homem tinha a segurado.
Sasuke ofegou cansado, chateado por  ter perdido um belo suéter.

 

— Sua, sua maluca! — acusou irritado.
 

— Sakura levou a mão a boca. — Foram as abelhas! — ela disse e abaixou a cabeça.
 

— E porque me colocou no meio  disso? Olha pras minhas roupas, quem vai pagar o prejuízo?
 

Sakura ergueu as sobrancelhas e mordeu os lábios de forma nervosa. — Ai me desculpe, me desculpe eu... — a garota colocou a mão nos óculos que cismava em cair e os endireitou. — Me desculpe.
 

— Não  fala assim com  a Sakura, a culpa é  minha e se precisar  descontar  a raiva eu lhe encho  do supapo agora mesmo. - Naruto estufou o peito indo ao encontro da prima. - Vem Sakura, eu  te ajudo.
Ela segurou nos braços musculosos do primo e saiu da água.

 

— Sasuke querido, você está bem? — Ino vinha apressada em sua direção. — Céus! que bagunça.
 

— Culpa desses... — Sasuke reclamou irritado e preferiu se calar para não entrar em briga com o caipira. — Hei Ino, vou ter de ir em casa, pra me trocar, você pode me esperar...
 

— Ô Sakura, me desculpa. — murmurou arrependido. — E agora como é  que você  vai  ver o festivar com as roupa molhada?
 

— Eu não posso ficar com essa roupa molhada, acho que tenho que ir para não gripar Naruto. — ela deu um espirro. Naruto assentiu e caminhou ao lado da prima que deu uma breve olhada para trás para ver pela a última vez o herói cavalheiro que tinha a salvado.

 


Notas Finais


Não vamos nos aprofundar no espanhol, pois o nosso é nível RBD para baixo...

Esperamos que tenham gostado e até o próximo com a tia Paulatejando >)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...