1. Spirit Fanfics >
  2. Flores para Han Jisung >
  3. Querido Minho

História Flores para Han Jisung - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oioi meus amores!
Adivinha quem voltou pro spirit? Euzinha mesmo kkk, depois de quase um ano achei que não voltaria , mas decidi postar essa pequena história por aqui.
Espero que gostem!
Essa fic vai ter um total de 5 capítulos, todos já estão escritos, então não irão precisar esperar muito.
Aproveitem o capítulo!
Até a próxima!
Beijocas❤💞🌸

Capítulo 1 - Querido Minho


Fanfic / Fanfiction Flores para Han Jisung - Capítulo 1 - Querido Minho

Querido Minho,

Dizer exatamente como , quando ou onde eu me apaixonei por você é impossível. Talvez eu sempre o amei e percebi tarde demais.

Nossa infância foi marcada em minhas lembranças como os nossos tempos mais felizes. Talvez porque naquela época éramos inocentes e ainda não tínhamos nos jogado no mundo.

Éramos unha e carne um do outro, mamãe até o chamava de filho, o que eu confesso que já me causou algumas crises de ciúmes.

Mas como eu disse, éramos crianças.

Na adolescência, algumas coisas mudaram, mas continuamos grudados um no outro.

Por ser mais velho (e só um tiquinho mais alto, ok?) Você sempre me protegeu e me defendeu quando eu precisei. E eu também estava ali por você.

Fui eu que te consolei com a sua primeira frustração amorosa, e te escutei por incontáveis tardes, enquanto desabafava sobre a relação entre você e os seus pais.

Então quando tudo mudou?

Eu posso dizer, e tenho quase certeza que foi em nossa juventude.

Eu sei que ainda estamos nela, e talvez seja por isso que desconfio tanto dessa.

Depois da morte precoce dos meu pais?

Eu sinceramente não sei. Mas O fato de você ter ficado do meu lado, secando as minhas lágrimas, cuidando de mim e permanecido ao meu lado nos primeiros meses sem eles, talvez tenha influenciado esse sentimento e consequentemente a esta situação.

Não posso te culpar por isso, você é inocente nessa história toda. Você me vê como um irmão e eu deveria ser grato por isso.

Então por que dói tanto? O amor não deveria machucar, pelo menos não desse jeito.

Quando começamos a morar juntos para ficar mais perto da faculdade, foi um dos momentos mais felizes da minha vida, por que eu tinha você ao meu lado.

Fizemos novos amigos, nossos melhores amigos, nossa família, e pela primeira vez depois da morte dos meus pais eu me senti completo e em casa ao lado de vocês.

Chan e Woojin, os pais do grupo. Tão cuidadosos e com um coração enorme , eu não seria nem metade do Jisung de hoje sem eles. Eles são realmente como meus segundos pais.

Felix e Changbin, o casal mais improvável que eu poderia imaginar acontecer. Não é todo dia que se vê um loiro oxigenado de voz de filme de terror com um anão maromba kk.

Desculpa, não podia perder a piada. Mas eu quero que eles saibam que são como irmãos pra mim e que eu encontrei grandes amigos neles, mais uma vez obrigado por tudo.

E por último Hyunjin, Seungmin e Jeongin. O trisal mais complicado que eu já vi! Desculpa mas como eles não enxergam que se amam? Para que complicar tanto? Olha onde a falta de um amor recíproco me trouxe. Não deveriam desperdiçar o sentimento lindo que eles têm um pelo outro. Por favor os diga para não perderem mais tempo ok? EU AMO eles demais para os ver tristes assim.

E Minho, para você, ainda tenho muito o que falar, então o restante dessa carta é para você.

Antes de mais nada , eu amo você, sim eu AMO você.

Não como amigo igual você sempre achou.

Mas agora isso é o que menos importa.

Agora você vai saber o que realmente me aconteceu durante esse ano.

Veja bem , as pessoas costumam dizer que o amor é um sentimento lindo. Acho que pelo meu sentimento ter ficado guardado por tanto tempo, ele quis se mostrar e se transformar em algo mais belo : flores de cerejeira.

Naquela noite na festa na República, foi onde elas deram as caras a primeira vez.

E sabe o que desencadeou elas?

Você.

Você e aquele garoto da festa. Não te culpo, não podia impedir que você ficasse com outras pessoas pelo o que eu sentia. Mas Minho…eu estava ao quarto ao lado e...doeu tanto, eu chorei tanto e quando vi as primeiras pétalas surgiram depois de uma crise de tosse em meio ao choro.

Depois de uma bateria de exames e uma conversa longa com o Chan , não houve dúvidas. Eu estava com Hanahaki.

E agora o meu amor por você além de doer, também me matava aos poucos. Uma morte bela, mas inesperada por mim.

Chan me aconselhou inúmeras vezes a fazer a cirurgia ou que eu ao menos lhe contasse, mas não era uma opção, não até agora.

A cada dia as pétalas aumentavam, e ficava cada vez mais difícil de escondê-las de você. O cheiro de flores que você passou a gostar, não vinham do novo produto de limpeza, vinham de mim e das inúmeras pétalas escondidas no meu quarto.

Eu precisava achar alguma solução. Foi quando decidi fazer os três encontros com você, e prometi a mim mesmo que no último eu me declararia, não importa o que acontecesse, aquilo era literalmente minha única chance, não só de ter você, mas de viver também.

Antes de te chamar para os encontros, Chan ofereceu para que eu ficasse no apartamento que dividia com Woojin, para que ele pudesse cuidar de mim e acompanhar o progresso da doença, sem que eu me preocupasse mais em você descobrir a verdade.

Não tive escolha, a não ser aceitar a proposta. Estava cada vez mais difícil esconder as pétalas e meus sintomas de você. Era a melhor opção.

Então em nosss última noite morando juntos, você saiu com seus amigos de curso, voltou tarde, e eu não consegui me explicar, muito menos me despedir. Mas pensando agora , foi melhor assim.

Três dias depois você percebeu que eu havia ido embora e me procurou desesperado perguntando o que havia acontecido e por quê minhas coisas não estavam mais no apartamento.

Três dias. Você demorou três dias para sentir minha falta, será que eu realmente era importante para você?

Naquela tarde você me seguiu por todos os corredores da faculdade, esperando uma explicação para minha mudança súbita.

Minha resposta por fim , não te convenceu muito, mas você a aceitou mesmo assim.

No dia seguinte te chamei para o primeiro encontro.

Íamos visitar a velha lanchonete em que íamos com nossos pais quando éramos crianças.

Conversamos e rimos muito ao lembrar dos velhos tempos, e de como éramos terríveis naquela época.

Depois fomos para a velha casa na árvore do parque que ficava na esquina de nossa antiga rua.

Já fazia tanto tempo que não conversamos desse jeito. Eu definitivamente sentia falta de momentos como esse.

O segundo encontro teve que ser adiado. Cheguei ao segundo estágio em três meses.

A doença estava avançando mais rápido do que imaginávamos.

Agora as pétalas se transformaram em flores, que arranhavam minha garganta, causando alguns ataques de asma e me deixavam com o estômago horrível durante horas.

Chan fazia o possível para amenizar os efeitos colaterais da doença, e a todo momento me cobrava uma decisão: operar ou não, e eu pedia mais tempo.

Dois meses depois finalmente saímos pela segunda vez. Eu estava um pouco melhor, mas você percebeu meus quilos a menos e meu cabelo desidratado, perguntou o que tinha acontecido e eu apenas mudei de assunto.

No segundo encontro te levei ao parque de diversões que estava na cidade. Era uma boa maneira de ver seu sorriso um pouco mais.

Fomos em vários brinquedos, e eu ainda posso me lembrar das suas risadas a cada grito que eu soltava de terror.

Comemos muita besteira, e conversamos muito.

Mas dessa vez, tinha algo a mais. Você me olhava diferente, me olhava com amor , com carinho e até saudade. Mal conseguia afastar seu toque de mim e isso acendeu a esperança de que no fim tudo daria certo e talvez você correspondesse aos meu sentimentos.

Durante os três meses seguintes, por conta da faculdade e compromissos não pudemos nos ver, mas trocamos mensagens todos os dias. Durante esse tempo aumentei minhas esperanças e criei mil encontros perfeitos para me declarar.

Mas não poderia. Talvez naquela tarde de diversão eu tenha agido como um adolescente apaixonado e visto coisas onde não tinha. Me iludi demais com isso e minha queda foi como me jogar do precipício.

Tinha decidido te chamar pessoalmente para sair.

Mas quando cheguei até a rua do nosso velho apartamento, pude ver você da janela , e quem eu descobri mais tarde ser seu novo namorado, abraçados enquanto riam de alguma coisa. Mas a cartada final foi ver vocês se beijando.

Foi quando eu percebi que você já não mais precisava ou sentia falta de mim. Estava feliz ali.

Já eu queria fugir o mais rápido possível, e foi o que eu fiz.

Quando cheguei em casa deixei Woojin assustado. Não conseguia parar de chorar, e o ar já não entrava direito em meus pulmões. Ele ligou desesperado para Chan, enquanto eu me contorcia de dor no sofá.

Foi quando meus primeiros buquês apareceram , lindos de um cor de rosa vivo, manchado de vermelho por conta de algumas gotas de sangue.

Em nove meses eu atingi o terceiro estágio.

Os meninos passaram a dormir na casa do Chan para me dar apoio e passar mais tempo comigo. Estavam todos preocupados.

Tive uma longa conversa com todos eles. A algum tempo já havia tomado minha decisão.

Veja bem , o amor que eu sentia por você não se limitava mais somente a minha felicidade e minha cura. Você estava feliz sem mim, e eu também estava por você. Já não poderia ter mais você, mas perder meus amigos, que eram minha família, já era demais para mim.

A cirurgia além de me tornar vazio e arrancar suas memórias de mim , apagaria também eles, e todos que conheci.

Eu não quero me tornar um ser vazio, não quero perder minha família pela segunda vez. Muito menos não sentir mais nada , nenhum sentimento.

Então por isso e pelo bem de todos , aceitei meu destino de morrer por amor.

Eu já vivi muita coisa, vi muita coisa, sorri e chorei e aprendi muito. Eu vivi uma boa vida , partirei sem arrependimentos.

A cada dia meu corpo definhava mais. Meus olhos fundos, até minhas costelas aparentes, e o fato de ter que andar apoiado nas coisas, não escondia mais o fato de que eu estava doente.

Mais dois meses se passaram, e pedi que ninguém dissesse nada a você sobre mim , e se dissessem , diriam que eu havia me mudado, ou largado a faculdade, essa última não deixava de ser verdade.

Eu soube que você enlouqueceu em minha procura e estava desesperado atrás de mim. Até deu um soco no Changbin por conta disso.

Foi então que decidi realizar o terceiro encontro que havia planejado, mas ao invés de me declarar , eu me despediria de você e daria meu último adeus, afinal eu já não tinha mais tanto tempo .

A algum tempo atrás, eu descobri o parque dos amores de perdição , que apesar de ser lindo, era na verdade como um cemitério das vítimas de Hanahaki. E você deve ter percebido isso mais tarde.

Era o lugar perfeito.

Quando nos encontramos na entrada do parque, você me abraçou tão forte, que eu jurei ter me desmanchado ali mesmo. Eu estava com tanta saudade, e você também, que nos deixamos levar pelo choro.

Mas no fundo eu sei que você chorou por me ver naquele estado deplorável.

Mas eu apenas sorri quando me perguntou o que estava acontecendo.

O lugar é lindo não é?

De alguma forma eu me senti em paz lá. Acho que vai ser um bom lugar para o meu descanso.

Não vou entrar em mais detalhes sobre esse dia, acredito que ainda esteja vivido em sua memória.

Por que na minha ainda está.

Nosso último abraço, o seu sorriso, o seu até em breve e o meu adeus.

Espero que tenha uma vida feliz Min.

Com todo o amor,

Seu melhor amigo, Han Jisung. 


Notas Finais


A narração dos encontros vão ser postadas em forma de capítulos, seguido de outras narrações e o desfecho da história.
Espero que tenham gostado,
Até o próximo capítulo!
Bjs❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...