1. Spirit Fanfics >
  2. Florescência (abo - taegi) >
  3. Alvorecer

História Florescência (abo - taegi) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


🌼🌷 Hey, hey, tudo bom?
Estou escrevendo essa fanfic por estar simplesmente APAIXONADA pelo universo ABO e achei muito daora a ideia de colocar os meninos para participar também!
Enfim, tenham todxs uma ótima leitura e, se quiserem saber mais sobre o título, tem uma pequena explicação nas notinhas finais!

Capítulo 1 - Alvorecer


Fanfic / Fanfiction Florescência (abo - taegi) - Capítulo 1 - Alvorecer

Estalou os dedos de suas mãos, observando com atenção o seu alvo. Tinha traçado um plano prático e simples para nocautear o Alfa, levando em consideração o tamanho dele e qualquer possível chance de falha. Estava mais do que empenhado em garantir o sucesso desse trabalho e não permitiria que tudo acabasse como da última vez – seu pescoço ainda estava roxo pela reação brutal da “vítima” anterior e não queria que a cena se repetisse.

Yoongi bagunçou os cabelos lisos, donos de um tom vivaz de preto, e mordeu seus lábios finos até que estivessem vermelhos e atrativos, caminhando até o Alfa com passos decididos. Quando estava perto o suficiente permitiu que seu cheiro se intensificasse, impondo sua presença... Havia aprendido a controlar um pouco os feromônios que seu corpo emitia e isso o ajudava a regular a quantidade excessiva de perfume natural que o organismo do Ômega era capaz de gerar para atrair um parceiro em potencial, assim podia andar mais tranquilo na rua e atrair atenção só quando necessário.

No momento, não era uma habilidade que funcionava com cem por cento de certeza, mas costumava utilizar essa tática desde que começou a aceitar pedidos clandestinos para dar uma boa surra em alguns maridos e namorados traidores; acabou ficando conhecido como o demônio devorador de Alfas e seu maior recorde foi apagar um grandalhão em cinco minutos. O grande segredo do negócio estava em se aproveitar das fraquezas do organismo da espécie tida como dominante e na primeira oportunidade aplicar um golpe certeiro. Em resumo, grande parte dos Alfas eram movidos apenas por instintos e não podiam se conter perto de alguém que correspondesse os desejos sujos deles, então se tornavam vulneráveis.

Esbarrou nele, amuando os ombros para pedir desculpas – precisava simular certa fragilidade e timidez, pois esse conjunto ajudava a fazer com que o alvo se sentisse no controle. Nos segundos seguintes tudo se passou muito rápido. Pediu ajuda, alegando que acabou perdendo seus óculos e que não conseguia resolver isso sozinho, já que não enxergava nada sem as lentes. O Alfa o acompanhou até o beco estreito e sugestivo em que se escondia antes, provavelmente imaginando as inúmeras maldades que poderia fazer no instante em que ficassem a sós.

Antes mesmo que o homem pudesse tentar algo, Yoongi o atordoou com um soco na direção do queixo. Quando o corpo grande do Alfa amoleceu, o segurou sem qualquer delicadeza, desferindo mais dois golpes para que ele não tivesse tempo de reação. Assim que considerou que era o suficiente, sinalizou para que o Beta que contratou seus serviços saísse de onde estava e viesse sanar de uma vez por todas a vontade de chutar a bunda do maldito.

— Confesso que não acreditava que um Ômega seria capaz disso... — O Beta mantinha um sorriso sarcástico nos lábios. Yoongi não se importava com o que diabos ele tinha a dizer, só queria pegar o dinheiro e ir embora

— Anda logo! Ele não vai ficar parado por horas esperando por você. — Resmungou, segurando o braço do Alfa atrás das costas.

O Beta apenas concordou, se aproximando com certa cautela. Ele levantou o rosto do cara com brutalidade e logo sua expressão de satisfação foi substituída por pura raiva. — Quem é esse idiota?

— Seu ex-namorado. — Disse o óbvio, arqueando as sobrancelhas.

— Você pegou o homem errado! — Ele berrou, se afastando do Alfa num pulo. — Minha nossa, qual é o seu problema?

— Como assim? É a mesma pessoa da foto que me mostrou! — Surpreso, Yoongi acabou largando o braço do homem e não percebeu que por conta do seu deslize ele foi capaz de se levantar.

O Beta negou com cabeça, perdendo toda a pompa e se amuando como se estivesse vendo um fantasma. — Olha, boa sorte lidando com o problema que acabou de arranjar!

Yoongi abriu a boca para tentar compreender o que estava acontecendo ali, todavia, o Beta sumiu das suas vistas com passos ligeiros e acabou entendendo o motivo disso no momento em que se virou. O Alfa antes aturdido estava de pé e parecia ainda mais alto agora que o encarava de perto. Temendo acabar na merda, o Ômega sentiu o corpo tremer, mas não recuou nem por um segundo, erguendo os punhos na intenção de demonstrar que não o temia.

Com um suspiro dolorido, o desconhecido que acabou metido por acidente em toda aquela confusão reagiu e o contrário do que Yoongi esperava aconteceu: ele se abaixou para pegar seu celular no chão e se afastou, caminhando rumo a saída do beco sem se preocupar se deixava para trás uma pessoa confusa e assustada. Lhe deu as costas ao invés de procurar briga ou forçar ameaças e tentativas de abuso...

Yoongi respirou fundo, aliviado.

Ao mesmo tempo que se sentia sortudo por não entrar em um confronto capaz de gerar resultados catastróficos, se viu como melhor amigo do azar por não ter conseguido receber o dinheiro que foi prometido pelo Beta. Aquela quantia o ajudaria a abastecer a geladeira e esperar pelo salário estava fora de cogitação já que só estavam no meio do mês, portanto, teria de ir e pedir ao chefe para poder fazer turnos extras e seu estômago revirava ao se imaginar falando com o velhote asqueroso.

Frustrado por ter cometido um erro idiota que o levou a machucar um inocente e ainda o fez perder seu precioso tempo, Yoongi puxou o celular do bolso e discou o número de seu melhor amigo, Jimin. Não precisou esperar muito para ser atendido com uma recepção alegre e calorosa que afastou a nuvem nublada que o rondava.

 — Jiminie... Ainda posso me encontrar contigo? Acabou que meu compromisso não valeu a pena e preciso muito me distrair. — Perguntou, sem graça por estar voltando atrás em sua decisão de maneira tão repentina. Jimin tinha o convidado para um passeio dias atrás, só que acabou escolhendo não ir devido a ânsia de ganhar grana o suficiente para ajudar em casa.

Claro, Yoongi! — Jimin deu uma risadinha marota do outro lado da linha. — O Kook já está aqui, nós também estamos esperando um amigo que ele chamou e não tem problema aguardar você também.

— Sério? Tem certeza de que não quer ficar a sós com ele? — Arqueou as sobrancelhas em curiosidade.

Nem começa! Somos só amigos. — Falou baixinho, quase que em um sussurro. — Encontra a gente em frente o cinema, tá’ bem?

— Tudo bem, até daqui a pouquinho. — Se despediu, encerrando a ligação.

Tirou a mochila das costas e a abriu, retirando o lenço que estava em volta do seu punho e o guardando na bolsinha de primeiros socorros que sempre levava consigo. Por sorte não tinha se ferido, então fez o caminho até a estação de trem parar poder pegar a condução rumo ao shopping.

— Hey, Jiminie, JungKook! — Não demorou muito a chegar no local combinado e, de longe, viu seu querido amigo ao lado de JungKook. Se aproximou, incapaz de conter a risada ao ver o quão depressa eles se afastaram um do outro.

— Wow, que rápido! Estava aqui por perto? — Jimin, que tinha as bochechas coradas em um tom sutil de rosa, o puxou para um abraço apertado.

— Quase isso. — Correspondeu ao carinho, se afastando para apertar a mão de Kook. — O colega de vocês ainda não chegou?

JungKook suspirou, olhando ao redor. — Não. Vou tentar ligar para ele uma última vez, já volto, meninos.

Jimin concordou, embrenhando os dedos nos cabelos tingidos de loiro enquanto observava o Alfa se afastar. Dessa vez Yoongi achou melhor não falar nada e esperou pacientemente o amigo terminar sua sessão de suspiros apaixonados.

— Vocês vão ver algum filme? — Quis saber. Se fosse esse o caso, teria que se contentar em tomar um sorvete sozinho, pois seu dinheiro estava contado na carteira.

— Acho que sim... — Jimin sorriu daquele meigo que só ele sabia fazer, cheio de doçura — Não combinamos, direito, sabe?

— Bem, se forem, eu não vou poder acompanhar vocês. — Murmurou, desanimado. Passar um tempo com Jimin costumava ajudá-lo a se afastar de suas constantes preocupações, mas não queria ser egoísta e atrapalhar o momento dele com JungKook.

— Seu chefe não pagou os extras que fez mês passado, não é? — Jimin o encarou, crispando os lábios em chateação. Ele acompanhava de perto o seu drama no emprego e também sabia que só não abandonava o lugar por que necessidade ultrapassava à vontade.

— Me passou só metade do valor, então depois de negociar a parcela das dívidas, o aluguel e a água, fiquei sem nada. — Amuou os ombros, dividido entre a irritação e o cansaço.

Jimin o puxou para perto, acolhendo o amigo em um abraço apertado. A diferença de altura entre os dois não era muita, coisa de seis centímetros, mas foi graças a isso que Yoongi ganhou um ombro quentinho para lhe confortar.

— Sei que está sendo difícil para você e sua mãe, Yoon... — Fez cafuné nos cabelos macios de Yoongi, tentando o ajudar a acalmar os pensamentos tumultuados. — Posso te dar parte do dinheiro que precisam, sabe disso!

— Jamais. — Negou sem a menor hesitação. — Não aceitaria sua oferta nunca, ainda mais quando sei que acabou de dar entrada no seu apartamento depois de esperar muito para realizar esse desejo.

— É só um bem material, Min Yoongi! Não é mais importante que seu bem-estar, entende? — Deu um passo para trás só para o encarar direto nos olhos, se mostrando mais do que sincero em suas palavras.

— Não sei o que seria da minha vida sem meu querido ChimChim! — Um pequeno sorriso foi surgindo em seus lábios e ele deu um beijo estalado na bochecha de Jimin. — Mesmo assim, quero sair dessa sozinho e não dá para aceitar que abra mão de um sonho por mim.

Mesmo a contragosto, Jimin entendia que não era o lugar e nem a melhor hora para falar a respeito de um assunto tão delicado, mas manteve para si a ideia de voltar a oferecer o dinheiro quando tivessem mais privacidade para conversar.

JungKook retornou logo em seguida, acompanhado de Kim Taehyung, a pessoa por quem esperavam e no instante em que o viu Yoongi ficou pálido. Notou quando Jimin o recebeu com simpatia, falando como se já se conhecessem a algum tempo, mas nada que se passava ao seu redor tomava mais de sua atenção que os lábios cortados e o olho roxo do homem a sua frente.

— Foi por isso que demorou, Tae? — Jimin fez questão de perguntar, incapaz de esconder a preocupação a respeitos dos ferimentos dele.

— Sim. — Respondeu, frente a frente com Yoongi. O Alfa o olhou por centésimos de segundos e o Ômega sentiu sua respiração ficar pesada quando ele ergueu a mão em sua direção. Os olhos cor de avelã de Taehyung travaram uma batalha intensa com os seus ao se negaram a quebrar o contato visual.

— Min Yoongi. Prazer. — Tentou não se intimidar, porém, o temor de que o amigo soubesse da parte suja de sua vida o assombrou. Embora estivesse com medo, aceitou o cumprimentou, sentindo sua pele arrepiar com o toque sutil; acabou se distanciando com certa brutalidade ao ser pego de surpresa pela sensação fora do comum que o abateu.

— Digo o mesmo. — Com o tom de voz gentil e calmo, ele agiu como se não tivessem tido um impasse cerca de uma hora atrás. — Me chamo Kim Taehyung, mas pode ser informal comigo e usar apenas o meu primeiro nome, se quiser.

Um grande alívio aquietou seu coração quando percebeu que Tae não estava interessado em falar sobre o que houve. A boa escolha dele manteria o sensível Jimin longe de preocupações desnecessárias.

— Tudo bem. — Yoongi concordou, o observando.

— Agora que já se conheceram, me conta mais a respeito do maluco que fez isso contigo! — Jimin insistiu em saber, aflito. — Você se defendeu?

— Não gosto de brigas, Jimin. — Tae suspirou, não demonstrando nada além de fadiga ao falar do ocorrido. — Mas a tela do meu celular ter quebrado me deixou chateado sim.

— Eu disse que o TaeTae era um Alfa Lúpus tranquilo e inofensivo. Tenho certeza de que nem mesmo pensou em revidar. — JungKook bagunçou os cabelos castanhos de Taehyung, bem-humorado como de costume. — Mudando de assunto, vamos assistir que filme?

Yoongi não podia acreditar que bateu em um Lúpus... Nenhum dos dois ou três que viu na vida parecia se comportar bem e faziam muita questão de impor a presença dominante. Já Taehyung se mostrava controlado e o seu cheiro refrescante era tão fraco que o Ômega acabou se questionando a respeito do quão duro ele teria lutado para conquistar essa postura despreocupada.

Pensar nisso o fez ficar admirado e temeroso. Seu engano podia ter-lhe custado a vida! Quer dizer, viviam tempos considerados de paz, onde Alfas, Betas e Ômegas compartilhavam de uma vida quase pacata, com maiores direitos, supressores e até mesmo punições severas para crimes entre espécies, contudo, o mundo ainda era um lugar cruel e nem todos aceitavam as mudanças frequentes. Instinto era o que os movia e ainda existiam muitas bocas para afirmar que somente um casamento podia impedir um Ômega de sofrer um destino trágico.

No fim, suspeitava que se a situação fosse outra e Taehyung revidasse, qualquer testemunha ou câmera apontando que foi o culpado por iniciar a briga seria o suficiente para retirar os tais privilégios que o governo conseguia garantir, independentemente do quão grave pudessem ser os seus ferimentos. Sem contar que não existia uma margem de leis que ressaltassem o fato de que as diferenças de forças devia limitar as ações dos mais fortes, mas torcia por um futuro melhor e era grato por ao menos ter a liberdade de andar nas ruas sem ser tratado como uma boneca inflável feita para saciar vontades alheias.

— Saí do mundo da lua, Yoongi! — Jimin o sacudiu de leve, lhe trazendo de volta para a realidade. — Vamos sentar para comer alguma coisa e depois o Tae vai dar uma carona pra’ gente, já que o carro do Kook está na oficina, ok?

Ainda distraído, Yoongi concordou, os acompanhando com a intenção de parar na barraquinha de sorvete mais próxima. Sua ideia ao ir encontrar o melhor amigo era ter a chance de esquecer do que o atormentava, no entanto, estar lá acabou o jogando para dentro de um buraco mais fundo e tudo que queria agora era se desculpar com Kim Taehyung e continuar sua busca por dinheiro sem fazer mais besteiras. Sua vida já estava de cabeça para baixo e não precisava colecionar outro fardo ao manter um desentendimento com um Alfa Lúpus, então daria um jeito de ajeitar ao menos isso em sua vida.

Continua...


Notas Finais


Obrigada por lerem até aqui! Nos vemos nos próximos capítulos, beijinhos :3
Florescência (ou Flor Essência: o título é a junção da palavra florescência (que significa pelo dicionário algo forte, que tende a se expandir e crescer depressa) e a descrição do perfume natural que Tae possui, que é como um jardim cercado das mais belas flores.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...