História Floresta proibida - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~FeelzAmbulante

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Floresta, Irmãos, Terror
Visualizações 53
Palavras 713
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá!
Eu resolvi escrever uma fanfic de capítulo único porque me inspirei esses dias.
Boa leitura.

Capítulo 1 - Capítulo Único


 

Uma família "normal" se mudou para uma casa no campo, lá não havia internet ou qualquer coisa do tipo. Elizabeth e Martim eram irmãos, tinham uma amizade colorida e sempre se divertiam juntos. Certo dia o professor contratado pelo pai de Martim e Elizabeth, foi na casa deles para ensinar os pequeninos. Assim que terminou a aula, o professor deu um aviso com um tom de voz sério.

"É provável que vocês não saibam já que são novos por essas bandas. Não vão na mata Fineld, a entrada é proibida lá." - As crianças assentiram com a cabeça, ambas curiosas.- "Bom, vou indo. Vocês são crianças muito inteligentes, avisem seu pai sobre isso. Tchau, tchau!"

Martim curioso com a porra da floresta virou para Elizabeth que tava comendo.

"Vamos na floresta!" - Elizabeth olhou pra ele com a boca cheia de comida.

"Ele acabou de falar pra gente não ir ó caralho, tu é burro tu" - Martim agarrou Elizabeth pelo braço e sussurrou em seu ouvido.

"Se tu vier vai ter comida" - Elizabeth, rapidamente mudou de ideia e correu para o quarto de seu pai para pegar um mapa, abriram ó na mesa e riscaram com uma caneta vermelho o caminho para a floresta. ... Ambas crianças chegaram correndo na floresta, na entrada havia uma placa dizendo "Entrada proibida"

As crianças, teimosas, ignoraram e adentraram floresta proibida. Andaram, andaram e andaram... Não havia nada de relevante naquela floresta, só havia árvores, pedras, insetos e mais nada. Chateadas deram meia volta para casa. De repente, um ruído se fez atrás do arbusto. As duas crianças se aproximaram do arbusto, Martim pegou um pedaço de pau e bateu no arbusto. De lá saiu correndo um coelho assustado. Elizabeth ficou puta e começou a repreender Martim pelo seu ato imprudente, após isso, ela foi correndo atrás do coelho e seu irmão a seguiu. O coelho tinha ido para uma clareira escura e suspeita.

Com medo, Martim agarrou o braço de Elizabeth e resmungou para voltarem para casa, em resposta ao resmungo ela balançou a cabeça de um lado para outro e disse que só iriam partir para casa assim que tivesse certeza que o coelho estava bem. O Sol se pós em meio as árvores e a escuridão tomou conta da floresta. Elizabeth sentiu medo junto a seu irmão. Novamente, ouviu-se o ruído, só que dessa vez o ruído veio pela mata. Em desespero os irmãos correram o mais rápido que puderam.

Os dois cansaram de correr e pararam para descansar apoiados numa pedra. Martim já estava em meio a prantos e Elizabeth já estava com fome.

O irmão teve a brilhante ideia de gritar por socorro, mas assim que deu o primeiro grito, Elizabeth tapou sua boca e o avisou que poderia atrair algo gritando e era melhor não chamar atenção. Ele apenas concordou e se sentou no chão.
A lua tomou conta do céu, às crianças com medo, resolveram sentar e esperar amanhecer para irem para casa, achando que seria mais seguro. Martim e Elizabeth se deitaram lado a lado, apoiaram a cabeça em folhas secas e fecharam os olhos em meio a escuridão.

...

Um barulho, uma voz estranha foi ouvida por Elizabeth que levantou desesperada. Olhou para os lados e o barulho se repetiu, balançou seu irmão para que ele acordasse e a ajudasse a descobrir o que era, poderia ser alguém que foi buscá-los daquele lugar, poderia ser um bicho, poderia ser um assassino, milhares de teorias se passaram na cabeça de Elizabeth. Martim acabou acordando e logo ao ver a cara de sua irmã, entendeu o que estava acontecendo.

Se levantou junto e sua irmã fez o mesmo, a voz começou a repetir sem parar por momento algum, ela ia se aproximando, ficando mais alta e em bom som. "Fique com nós, fique com nós", ambos irmãos sentiram um calafrio na espinha. Martim sentiu uma mão gelada o agarrando, olhou para trás e viu uma mulher que sussurrava "Converse com nós, converse com nós". Elizabeth foi agarrada pelo pescoço pelo vulto que agora sussurrava "Não vá, não vá". Crianças desesperadas e tomada pelo medo começaram a gritar por socorro.

Após isso, nunca mais foram vistas, a única coisa achada na floresta após isso foi pegadas dos irmãos.

Fim


Notas Finais


Obrigado por lerem.
Escrevi graças a minha amiga, Feelz.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...