História Flower - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Personagens Originais, Rose Weasley, Scorpius Malfoy, Tiago S. Potter
Tags Fluffy, Fofo, Harry Potter, Hogwarts, Romance
Visualizações 10
Palavras 3.363
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção Adolescente, Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


MIL PERDOES PELA DEMORA
Desculpa mesmo gente mas a inspiração pegou um foguete pra plutão e demorou pra voltar e nesse meio aconteceu tanta coisa na minha vida que o tempo para escrever acabou ficando curto também.
Maaaas, espero conseguir voltar com a frequencia que eu estava postando mas eu não posso prometer nada por enquanto, ok?
Mas a fic já esta se encaminhando para o final e sem terminar essa historia eu nao fico!
Enfim, aproveitem o maior capitulo até agora! (fiz pra compensar a demora hahah)

Capítulo 10 - My Angel


A mudança de Amethyst causou surpresa a todos os seus amigos e familiares. E quase todos viram isso de forma positiva. Quase. Quando a garota voltou para casa depois de duas semanas fora, sem nem ao menos ter avisado aos pais de sairia, foi um caos. Henry havia procurado a filha na casa da irmã, Daphne, e esta fora bem incisiva ao dizer para o homem que não iria ajudar em nada a levar a garota para casa e que a sobrinha estava muito melhor onde se encontrava que se estivesse com ele. E assim que ele viu a filha entrando dentro de casa depois de todo aquele tempo, Henry quis bater nela.

— Onde você pensa que esteve durante todo esse tempo? E que roupa são essas? E esse cabelo? Acha que filha minha anda desse jeito? — O Sr. Greengrass rugiu pegando Amy pelo braço, com força, fazendo a garota se assustar por um momento. Mas ela reagiu.

— NÃO IMPORTA! — Ela gritou alto. Estava cansada daquilo. — Eu saí sim! Eu não aguentava mais ouvir o quanto eu não sou a maldita filha perfeita. Você nunca está satisfeito com nada... — Teve que parar de falar quando sentiu o tapa dado em seu rosto pelo pai.

— Nunca mais grite assim comigo, você me entendeu, Amethyst? — Henry bradou apertando ainda mais o braço dela — E quando você se dirigir a mim, eu só aceito ser tratado como senhor, fui claro? — Sacudiu então a filha.

— Eu não vou mais ficar calada — Amy encarou o pai no fundo dos olhos dele — Eu mudei, sim. E agora o senhor, — Frisou a palavra — Vai ter que lidar com isso — Ela, então, puxou o braço com força e saiu escada acima e se trancou no quarto, deixando um Henry furioso para trás.

As semanas até o primeiro de setembro na Mansão Greengrass foram dominadas por constantes brigas entre Amethyst e seus pais. A pele alva da garota ficava regularmente marcada com tapas e apertões que recebia do pai, mas isso não a calou nenhuma vez. Na última semana, a garota estava quase explodindo com tanto estresse, que chamou a tia para a ajudar. Daphne não tardou a vir de apoio para a sobrinha e fez mais um escândalo na porta de casa, para assim arrastar a morena para fora dali.

Já era de noite quando elas chegaram na Mansão Nott, Daph deixando que a sobrinha logo subisse para descansar, dizendo que ela poderia ficar ali até o dia de ir para Hogwarts. Amethyst agradeceu a tia mais uma vez e subiu direto para o quarto de Noah. O garoto estava jogando videogame de costas para ela e não percebeu sua chegada. Ela sorriu marota e pulou em suas costas o abraçando e lhe dando um beijo na bochecha.

— Ai, Saph... — O garoto já estava reclamando pela irmã ter entrado em seu quarto quando percebeu que era a prima — Amy! — Ele sorriu largo e nem se importou mais com a fase que estava perdendo no jogo e retribuiu o abraço dela — Estávamos preocupados com você... — Beijou então sua bochecha.

— Agora eu estou bem — Amethyst tentou disfarçar uma careta pela dor que sentiu quando o primo a abraçou de volta.

— O que houve? — Noah estranhou ao ver a careta — Está tudo bem mesmo?

— Claro que sim! — Ela forçou um sorriso, não querendo ser descoberta, mas o garoto não era seu melhor amigo sem motivo. Noah conhecia Amy. Bem demais.

— Você está mentindo. Aquela era sua careta de dor, Amy... —  Ele olhou sério para a prima e então estreitou os olhos — Ele te machucou? — Perguntou, sentindo uma raiva surgir dentro de si.

— Nonô... — A morena mordeu o lábio. Não queria admitir aquilo mas também não queria mentir para o melhor amigo. Obviamente, ele entendeu.

— Aquele... Filho da puta...  — Levantou-se da cama e começou a andar de um lado para o outro — Você falou para a minha mãe?

— Não! Noah, por favor. Ninguém pode saber. Eu não estou deixando barato. Eu juro. Mas não conta para ninguém... — Suplicou.

— Amy! Você não pode esconder uma coisa dessas! Henry é maluco! — O Nott tentou argumentar — Ele pode fazer pior.

— Ele não vai! Eu estou aqui, em segurança. Ele não vai mais encostar em mim. Por favor, Nonô... — Ela fez um biquinho tentando convencê-lo.

Noah olhou para aquilo, tentando pensar coerentemente, mas ele simplesmente não conseguia negar nada para a prima. Bufou enquanto desarrumava seus cabelos, vencido.

— Está bem, mas se acontecer de novo, você irá me contar e nós iremos contar para os meus pais, ok? — Pediu a encarando sério.

— Certo — A Greengrass concordou com a cabeça, mesmo que não tivesse muita certeza daquilo.

— Ótimo, agora me deixa ver esses machucados — O garoto pediu voltando a se sentar na cama.

Amethyst levantou um pouco a blusa, mostrando o roxo que o pai causara ainda naquela manhã, na região das costelas, feito por um feitiço. Noah grunhiu ao ver aquilo e pegou uma pomada em seu banheiro, para ajudar a aliviar a dor. Fora de vista da garota, olhou para o espelho, a raiva estampada em seus olhos. Cerrou os punhos, tentando se controlar, pela Amy, e respirou fundo. Ela precisava dele. Suavizou a expressão mesmo que quisesse gritar, voltou e então se inclinou na cama para passar a pomada delicadamente na região roxa, cuidando para que não a machucasse mais. A raiva pelo tio crescendo mais. A prima era uma pessoa maravilhosa e ele não entendia o porquê de Henry a tratá-la assim.

Quando terminou de cuidar dos ferimentos da morena, os dois deitaram na cama, Amy se aconchegando nos braços de Noah e recebendo um carinho dele, sentindo-se finalmente segura. Uma segurança que somente o garoto a dava. Mais ninguém. E foi com esse pensamento que ela dormiu, embalada pelo cheiro e cafuné do primo.

— — —

O quarto ano letivo de Amethyst em Hogwarts começou bem diferente dos outros. Assim que ela pisou no Salão Principal para o primeiro banquete no castelo, várias cabeças se viraram para a garota. Todos completamente surpresos com a mudança dela. Muitos aprovaram o novo visual da sonserina. Principalmente, a população masculina. Noah fechou a cara assim que percebeu aquilo, tentando evitar que a prima ficasse muito a vista, querendo a proteger.

Mas, infelizmente, aquela era uma coisa que Noah Nott deveria começar a se acostumar. Ela era bonita, muito bonita. E ninguém naquela escola era cego para achar o contrário.

O pior de tudo era que o garoto ficava em um dilema. Um dilema chamado Amethyst Greengrass.

Desde a mudança do visual de Amy, Noah sempre se pegava pensando demais na garota. Ou a encarando por tempo demais. Além do que já era normal. A cada vez que a prima passava, ele parava praticamente tudo o que estava fazendo para lhe observar. Seu andar havia ficado mais confiante com a transformação, deixando-a ainda mais atraente. Suas pernas pareciam tão bem delineadas, era o que ele pensava enquanto subia o olhar sobre a sonserina, acabando por corar quando percebia que estava encarando a bunda dela, tendo que tentar voltar ao que estava fazendo para disfarçar que qualquer um percebesse aquilo.

O Nott tentava esquecer daquilo, indo estudar ou fazer qualquer coisa que o distraísse. O problema é que quase todas as coisas que distraiam Noah, Amethyst estava envolvida. Afinal, melhores amigos eram para isso. Portanto, em um dia que estava quase enlouquecendo por não conseguir fazer a tarefa de Transfiguração, numa tentativa de mudar de tática para tirar a morena da cabeça, ele pegou seu travesseiro e rumou para o dormitório feminino da sonserina, batendo na porta referente ao do quarto ano.

— Nonô! — A Greengrass abriu um enorme sorriso ao ver o garoto ali parado — O que você está fazendo aqui? — Perguntou ainda com o sorriso, mas ele não a escutou.

Noah estava ocupado demais olhando encantado para a morena que vestia uma saia rodada preta com uma blusa cropped branca, mostrando sua barriga alva e, para complementar, saltos altos que destacavam ainda mais as pernas da prima. E tudo o que o garoto pode pensar foi “Puta merda”.

— Eu... Ahn... — Demorou um pouco para absorver a pergunta que recebera, e ainda mais para que conseguisse pensar em uma resposta — Eu pensei que poderíamos fazer algo... Sei lá... Maratonar Star Wars? — Ergueu uma sobrancelha com o convite.

— Ah... — O sorriso de Amy murchou na hora, enquanto ela botava uma mecha de cabelo atrás da orelha, fazendo Noah desanimar na hora — Me desculpa, Nonô... Eu iria adorar fazer maratona, mas eu tenho um encontro... — Finalizou mordendo o lábio inferior. O garoto sentiu o estômago revirar.

— Encontro? — Repetiu não gostando nada da sensação em sua barriga — Com quem? — Continuou querendo saber quem iria atrapalhar de ele ficar com a prima o resto da tarde.

— Um garoto do quinto ano da Corvinal... Steve — Respondeu sem jeito para o sonserino, não entendendo o porquê daquilo — Quem sabe depois... Quando eu voltar, vou até o seu dormitório e a gente vê Star Wars, que tal?

O Nott encarou a prima, tentando pensar em algo para a convencer de ficar, entretanto, não conseguiu, tendo então que assentir e forçar um sorriso.

— Claro, só toma cuidado... — Aconselhou, preocupado —  Garotos podem ser idiotas — Disse arrepiando um pouco seus cabelos.

— Eu irei tomar... — garantiu para ele, tentando o tranquilizar, achando que aquilo era só uma preocupação fraternal. — Eu realmente tenho que ir agora — Amethyst falou sorrindo amarelo. Uma voz no seu interior dizia para ela largar tudo e ficar com o primo, mas era tão baixinho que ela não escutou.

— Tudo bem — Ele assentiu, mesmo que sua vontade fosse de bater o pé e não deixar a garota sair — nos falamos depois.

A garota então fechou sua porta e começou a descer para o SC, a caminho do seu encontro. Noah bufou quando ela desapareceu. Como aquilo estava acontecendo? Desde quando Amy saía para encontros? Ela era tão nova ainda! E se o tal corvino quiser beijá-la a força? E ele fizer algum mal a ela? E mesmo que esse Steve não fizesse nada agora, quem garantiria que ele não estaria enganando Amethyst? Apenas para se aproveitar? Isso tinha que ser evitado. Como primo, era seu dever protegê-la, certo? Não podia deixar que acontecesse nada com a sua Amy. Ele tinha que fazer algo.

Tomada a sua decisão, o Nott tomou o mesmo caminho da prima, mas acabou esbarrando em alguém, que quando percebeu quem era, deu graças a Merlin.

— James! - Exclamou — Vamos logo, temos uma missão!

— Que missão? — O Potter franziu o cenho confuso enquanto esfregava a testa onde trombara com o amigo.

— Sabotar um encontro — Noah sorriu maroto, surpreendendo ainda mais o outro.

— Você está falando sério? — Abriu um largo sorriso — Eu sabia que esse dia chegaria. Vamos aprontar, meu caro colega...

Noah revirou os olhos para o amigo e terminou de descer as escadas para o Salão Comunal da Sonserina, já se dirigindo para a saída, com James em seu encalço.

— Que encontro vamos sabotar? — O grifinório perguntou animado.

— O da Amy com um tal de Steve da Corvinal — Bufou, ainda não tendo superado aquela notícia.

— Steve? Steve Parker? — Exclamou o outro surpreso — Então era dela que ele estava falando...

— Que? — Noah interrompeu, tendo parado de andar na hora, encarando o melhor amigo apreensivo — Ele estava falando dela?

— É... O Parker estava falando sobre como não imaginava que a garota aceitaria o convite para o encontro e como estava planejando “pegar ela de jeito”... — Fez aspas com os dedos demonstrando as palavras exatas do cara.

Aquilo foi o suficiente para a visão do sonserino ficar ainda mais vermelha. Ele voltou a andar, mais furioso que antes, grunhindo e resmungando para si mesmo. Não deixaria que nada acontecesse com a prima.

— Espera, Noah! — James correu atrás do garoto, espantado com a sua reação — Ele não vai fazer nada... Vamos atrapalhar antes que tenha a chance.

— Ele não vai encostar um dedo na Amy... — disse entredentes.

— Não vai — O Potter garantiu, querendo tranquilizar o amigo — Vamos fazer ele se arrepender de querer tirar vantagem dela — falou convicto.

O caminho até Hogsmeade pareceu aumentar quatro vezes para Noah. Estava impaciente e queria chegar o mais rápido possível para tirar a prima das garras daquele abusado que pretendia se aproveitar dela. Quando, finalmente chegaram no vilarejo bruxo, os dois garotos se puseram a procurar Amethyst e Steve.  Foram os achar caminhando lado a lado na trilha que levava a Casa dos Gritos. O sonserino sentiu o estômago revirar ao imaginar Parker assustando Amy apenas para que ela o abraçasse ou algo do tipo.

— Olha só isso — James cutucou o amigo e mostrou uma espécie de bala que havia pegado na loja dos tios, Gemialidades Weasley.

— O que é isso? — O outro perguntou confuso, em um tom baixo para o que o casal a frente não os percebessem.

— Só olhe... — Piscou com uma expressão marota e jogou a bala na direção dos dois em frente e puxou Noah para se esconderem em um arbusto.

A bala, assim que tocou no chão, explodiu, jogando terra para todo o lado, sujando Amethyst e Steve, que levaram um susto enorme, fazendo os dois garotos escondidos terem que se segurar e muito para não rirem. O Nott pegou outra bala daquela e jogou no acompanhante da prima, que se assustou outra vez. Para piorar, ou melhorar, na opinião de Noah, um bicho acabou aparecendo com a pequena explosão, subindo em cima de Steve, que ao perceber aquilo, gritou alto, saindo correndo e deixando uma Amethyst desacreditada para trás. Entretanto, ela não demorou a perceber que não estava de fato sozinha ali.

— O que...? — Aproximou-se do arbusto e se deparou com os dois amigos ali, se contorcendo de rir. Aquilo foi o suficiente para a irritação tomar conta da sonserina — Foram vocês?

Noah tentou se recompor quando a prima o descobriu, levantando-se e tirando a sujeira das vestes. James continuava no chão rindo com a fuga do corvino.

— Amy! Eu... — Ele coçou a cabeça, sem saber o que dizer na hora. A expressão no rosto dela não o encorajando.

— Por que você fez isso? — Cruzou os braços, erguendo uma sobrancelha. Aquilo fez o sonserino perceber o quanto ele estava ferrado.

— Ele ia se aproveitar de você! — Exclamou, tentando se justificar — Eu só estava tentando te proteger!

— E não passou pela sua cabeça que eu sei me virar? Que eu estava preparada para isso? — Questionou a garota, ficando mais aborrecida.

— Você nunca tinha ido num encontro! E ele poderia tentar te forçar a algo e...  — Argumentou mais uma vez, mas a morena não queria escutar.

— Não importa, Noah! — Falou elevando o tom de voz — Eu tinha que passar por conta própria!

— Mas que droga, Amy! Será que você não entende? Ele não está nem ai para você! Tudo isso é por causa dessa sua mudança de visual! Na primeira oportunidade que tiver, ele vai pisar em você!

— Qual o problema com o meu visual? — Devolveu estreitando os olhos. O rumo daquela discussão não estava indo bem.

— Você sabe! Se vestindo assim... — Tentou começar — Os garotos... — Fez uma careta ao ver que estava piorando ainda mais.

— Ah... — Amethyst sorriu fria pela primeira vez na vida para o melhor amigo. E Noah se sentiu a pior pessoa do mundo naquele instante — Você quer dizer que eu pareço uma vadia?

— Não! — Ele arregalou os olhos com o que a prima entendera — Claro que não, Amy! Só é mais... ousado. —Franziu o cenho.

— Não se preocupe, eu entendi perfeitamente o que você quis dizer — Interrompeu num tom magoado — Mas isso não muda nada. Eu vou continuar me vestindo e agindo do jeito que eu quiser! E é melhor você aceitar isso. Não preciso de outro Henry para controlar a minha vida! — Terminou num impulso, percebendo, tarde demais, que pegara pesado. Mas não iria voltar atrás. Não naquele momento.

O Nott estacou quando escutou aquilo, não acreditando que acabara de ser comparado com o tio. Um homem que ele próprio odiava por fazer a prima sofrer. Simplesmente não conseguia absorver aquela informação, ficando tão magoado quanto ela estava, não conseguindo dar nenhuma resposta para Amethyst. Entretanto, a morena não parou por ali.

— E você tinha toda a razão — Ajeitou a bolsa no ombro — Garotos podem ser idiotas. Você e seu amigo são. — Concluiu, olhando um instante para James que observava a cena apreensivo e se virou, indo em direção ao castelo de Hogwarts, deixando um Noah completamente desolado para trás.

— — —

Tanto Amethyst, quanto Noah, ficaram mal pela briga. Nenhum dos dois se lembrava de qualquer outra vez que ficaram tão chateados um com o outro. E aquilo doía absurdamente. Eles ficaram uma semana sem se falar. Nem uma palavra. Quando acabavam passando um pelo outro nos corredores, havia geralmente uma troca de olhares, magoado ou triste, ou ainda uma mistura dos dois, que logo era desviado, cada um fazendo seu caminho em seguida.

No sábado seguinte a discussão, nem o Nott e nem a Greengrass conseguiam lidar mais com isso. A conexão entre os dois era tão forte, que saíram ao mesmo tempo de seus dormitórios e acabaram se encontrando na metade do caminho. Um olhar foi o suficiente para que corressem um para os braços do outro, num abraço forte e cheio de saudade.

— Desculpa por eu ser um idiota, Amy... — Pediu fechando os olhos forte, um peso saindo de seus ombros ao sentir a prima perto de si novamente.

— Desculpa por eu ter te comparado com meu pai... — Também se desculpou, os olhos marejando enquanto ela o apertava mais — Você não é e nunca será como ele. Você é melhor. Muito melhor.

— Mas você tinha razão em dizer que eu não podia te controlar... — Noah afastou-se um pouco, acariciando o rosto — Eu só estava preocupado, eu ainda não estou acostumado com tudo isso, mas eu prometo que vou melhorar — Afirmou convicto.

— Obrigada — Sorriu sincera para o melhor amigo e lhe deu um beijo em sua bochecha — Vamos fazer aquela maratona de Star Wars?

— Com toda a certeza — Ele sorriu largo e a pegou no colo, rindo feliz e a levando para o seu quarto, deitando na cama com ela e pegando o seu computador para verem os filmes.

Amethyst se aconchegou no primo, conjurando os doces que ele escondia no seu malão, já os abrindo e começando a comer.

— Ei! Eu também quero! — Reclamou de brincadeira, cutucando sua barriga a fazendo rir com as cócegas.

Os dois ficaram brincando um com o outro, enquanto viam o filme, matando as saudades, compensando o tempo perdido. Quando estavam na troca do episódio IV para o V, Noah ficou pensativo, questionando-se sobre um assunto que ainda não dividira com ninguém.

— O que foi, Nonô? — Amethyst perguntou quando notou o silêncio do primo.

— Você já se sentiu atraída por garotas? — Ele respondeu com outra pergunta.

— Meninas? — Pensou — Não, por quê? — Amy franziu o cenho, confusa com a pergunta dele.

O Nott deu de ombros, mordendo o lábio, pensando em como falar para a prima.

— Eu estava esses dias no corredor... E bem, alguns pareceram bem bonitos... — Comentou em um tom baixo, meio envergonhado.

— Você se sentiu atraído por um garoto? — Ela questionou erguendo as sobrancelhas surpresa.

— É... Mas eu ainda me sinto atraído por meninas... — Explicou confuso.

Amethyst sentiu seu estômago se contorcer, com uma sensação já conhecida, embora sem nome para a garota. Uma sensação que ela sentiu a primeira vez quando viu Noah beijando Candice em Hogsmeade.

— E o que tem em se sentir atraído pelos dois? — Perguntou tentando ignorar aquele mal-estar.

— Eu não sei... — Ele bagunçou seus cabelos novamente — Eu só não tenho certeza se é isso mesmo...  — Admitiu.

— Então por que você não dá uma chance? — Amethyst aconselhou acariciando seu rosto — Só assim você vai ter essa certeza, Nonô.

— Você não acha isso errado? — Noah mordeu o lábio novamente, inseguro.

— Claro que não! Você tem que ser feliz — Ela sorriu para o primo, encorajando-o — Eu vou estar aqui para o que você precisar.

O sonserino não conteve um largo sorriso com aquilo, sentindo novamente um alívio por ter dividido suas inseguranças com a melhor amiga.

— Você é um anjo sabia? — Falou a abraçando forte

— Sou? — Amy perguntou, embora um sorriso surgisse em seus lábios, gostando do apelido.

É sim. Meu anjo.


Notas Finais


E era isso por hoje, guys.
Espero que tenham gostado!!
Comentem o que acharam!
E me sigam no twitter - @amethystnnott


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...