História Fogo e Guerra (NaruSaku) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas De Gelo e Fogo (Game of Thrones), Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sakura Haruno
Tags Guerra, Narusaku, Romance, Sasukarin
Visualizações 44
Palavras 2.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Segundo Capítulo


 2.1
  Em algum lugar mais ao leste do que nunca esteve,do outro lado do grande Portão Sangrento,havia uma terra de colinas verdes e cavalheirismo antigo,onde torres de pedra branca se erguiam por entre magníficas montanhas azul-acinzentada e cavaleiros de armadura cavalgavam para a batalha sob o estandarte dos Haruno.

-Ainda tem as costas tortas. Endireite-se.-Neji a censurou.- Deixe-os ver que agora tem forma de mulher.- Hinata corou avidamente e endireitou as costas como o irmão ordenou,os pesados seios se empinaram e Neji pareceu satisfeito.
  Haviam parado em um hospedaria aos pés da montanha e o pai havia saído para ordenar que abrissem o Portão Sangrento para a comitiva real,Hinata agradecia pela pausa na viagem e por poder passar uma noite em um confortável colchão de penas.
Ouviu-se um suave toque na porta.

-Entre-disse Neji que por alguma razão havia se hospedado no quarto das irmãs, ignorando o seu. Eram as criadas responsáveis por cuidar da arrumação das princesas. Neji saiu contragosto murmurando pragas e maldições.

-Neji fala demais- disse Hanabi largando o livro e se pondo em pé.
  As mulheres puseram-se a trabalhar,trouxeram água quente e encheram duas grandes banheiras de bronze com ela. A mulher mais velha ,pequena e cinzenta como um rato,nunca dizia uma palavra,mas a moça compensava. Era a favorita do Rei,uma jovem de dezesseis anos,cabelos claros e olhos azuis,que tagarelava sem cessar enquanto trabalhava.
   Perfumaram a água quente com óleos odoríferos. A moça puxou o vestido de seda leve pela cabeça de Hinata e a ajudou a entrar na banheira. A água escaldava e Hinata soltou um gemido.Hanabi permaneceu em silêncio. Gostava do calor.
  A mulher mais velha lavou seus longos cabelos negros e removeu suavemente os nós com uma escova,sempre em silêncio. A moça esfregou-lhe as costas e os pés e disse-lhe como tinha sorte.

-Pain é um cavaleiro tão lindo e formoso,dizem que também é gentil,engraçado e tão honrado quanto o pai.- e houve mais do mesmo gênero,muito mais;como o herdeiro do Ninho era galante,alto,destemido ,o melhor cavaleiro que alguma vez montara em um cavalo e um arqueiro demoníaco.  E Hinata sorriu tentando criar em sua cabeça a imagem do homem.

Hinata Haruno,Senhora do Ninho da Águia- uma voizinha animada sussurrou em seu ouvido e a princesa decidiu que o título lhe caía tão bem quanto suas luvas.
  Quando ficou limpa,as mulheres ajudaram-na a sair da água e secaram-na com toalhas. A moça escovou-lhe os cabelos ate fazê-los brilhar,enquanto a mulher mais velha a untava com perfumes de flores,um salpico em cada pulso,atrás das orelhas,nas pontas dos seios e,por fim,um refrescante ,lá embaixo,entre as pernas.
  Vestiram-lhe a roupa de baixo que a mãe escolhera e depois um vestido de tecido grosso e quente,com um claro tom lilás para realçar a violeta de seus olhos. A moça enfiou-lhe sandálias cor creme nos pés enquanto a mais velha lhe fixava a tiara de princesa em sua cabeça.

-Esforçaram-se muito,senhoras- Hinata disse cordialmente vendo seu reflexo no espelho e observando a mesma beleza na irmã mais nova.
  O irmão as esperava no pátio,sentado à beira da fonte,arrastando a mão pela água.

-Hinata,Hinata!- a princesa se virou e encontrou o pequeno irmão Jintan correndo com uma galinha nos braços.
Jintan era o último príncipe,nascera três anos depois de Hanabi e carregava a disputada idade de cinco anos,era rechonchudo e bochechudo,com cabelos negros profundos e os lindos olhos perolados da mãe.

-Jintan,largue isso,inferno!- Neji estava com um mau-humor ácido durante a viagem e Hinata e Jintan eram seu alvos favoritos. Neji pegou a galinha pelo pescoço e a arremessou sem nenhuma delicadeza para o canil. Jintan começou a chorar e tremer.-Para de chorar.

-Neji,pare de ser barulhento- Hanabi o repreendeu pegando na mãozinha de Jintan e alisando seus cabelos.-Shhh...Não foi nada ,Jintan...

2.2
  Os visitantes entraram pelos portões do castelo como um rio de ouro e prata e aço polído,trezentos homens,um esplendor de vassalos e cavaleiros,soldados juramentados e cavaleiros livres. Sobre suas cabeças,uma dúzia de estandartes dourados esvoaçavam de um lado para o outro ao sabor do vento do Leste,adornados com o veado coroado de Akimichi.
  Kizashi conhecia muitos dos cavaleiros. Ali vinha sor Hian Hyuuga,com cabelos tão negros quanto as asas de um corvo,e ali estava Kakashi Hatake ,com a face terrivelmente queimada. O rapaz alto ao seu lado só podia ser o príncipe herdeiro,e aquele homenzinho atrofiado ao lado era certamente o Duende, Hayden Hyuuga.
  Mas o homem enorme que vinha à frente da coluna,flanqueado por dois cavaleiros que usavam o manto branco como a neve da Guarda Real,pareceu a Kizashi quase um estranho...Ate saltar de cima de seu cavalo de guerra com um rugido familiar e o esmagar num abraço de partir os ossos.

-Kiza!Ah,como é bom ver essa sua cara empedrada-o rei o observou de cima a baixo e soltou uma gargalhada . -Não mudou nem um pouco.
  Kiza gostaria de poder dizer o mesmo. Vinte anos antes quando tinham cavalgado juntos para conquistar o trono,o Senhor de Ponta Tempestade era um homem sem barba,de olhos escuros e músculos como um sonho de donzela. Com quase dois metros de altura,erguia-se acima doa outros homens e ,quando punha a armadura  e o grande capacete provido de chifres de sua Casa ,transformava-se num autêntico gigante. Também tinha a força de um gigante,e sua arma predileta era um martelo de batalha com ponta afiada que Kizashi quase não conseguia erguer do chão.  Naquela época,o cheiro do couro e do sangue aderia à sua pele como perfume.
  Agora era perfume mesmo que aderia à sua pele,e ele tinha uma largura que se equiparava à altura. Kizashi vira o rei pela última vez oito anos antes,durante a rebelião de Shinobu No Akasuna,quando o veado e a águia tinham se juntado para acabar com a pretensão do autoproclamado Rei da Rocha. Desde a noite em que estiveram lado a lado no quartel-general derrotado de No Akasuna,quando Chouza aceitara a rendição do senhor rebelde e Kizashi tomara seu filho Sasori como refém e protegido,o rei ganhará pelo menos cinquenta quilos. Uma barba tão grosseira  e rubra como fio de ferro cobria-lhe a face,escondendo o duplo queixo e a flacidez das reais bochechas ,mas nada conseguia esconder seu estômago ou os círculos escuros sob os olhos.
  Mas Chouza era agora o rei de Kizashi,e não apenas um amigo;portanto,limitou-se a dizer:

-Vossa Graça.O Vale é seu.
  A essa altura ,os outros já desmontavam,e moços de estrabaria corriam para lhe recolher as montarias. A rainha de Chouza ,Hima Hyuuga,entrou a pé com seus filhos mais novos e a jovem princesa Hinata em seu encalço.
  A caravana em que tinham viajado,uma enorme carruagem de dois pisos feita de carvalho untado e metal dourado,puxada por quarenta cavalos de tração pesada,era larga demais para passar pelo portão do castelo,Kizashi se admirou que a casa rolante havia chegado inteira após passar pelo ingreme e perigoso caminho que levava ao castelo. Kizashi ajoelhou-se a fim de beijar o anel da rainha,enquanto Chouza abraçou Mebuki como uma irmã há muito perdida. Depois, as  crianças foram trazidas ,apresentadas e aprovadas por ambas as partes.
  Assim que aquelas formalidades se completaram,o rei disse ao anfitrião.

-Leve-me à sua clareira,Kiza. Quero prestar os meus respeitos.
  Kizashi  o adorou por isso,por ainda se lembrar dela,depois de tantos anos. Gritou por cavalos. Não foram necessárias mais palavras.  A rainha começara a protestar. Que tinham viajado desde a manhã,que estavam todos cansados e com frio, que decerto deveriam descansar primeiro. Que os mortos podiam esperar. Não disse mais que isso.;Chouza olhou-a,o irmão gêmeo Hian pegou-lhe calmamente pelo braço e ela não disse mais nada.
  Dois dos melhores cavalos do Vale foram oferecidos ao Rei e ao Lorde e eles cavalgaram ate a Clareira dos Falcões,subiram juntos os degraus estreitos de pedra esculpida. Kiza seguia á frente para mostrar ao rei onde pisar.

-Já começava a pensar que nunca mais chegariamos ao Vale- queixou-se Chouza enquanto subiam.

-Espero que tenha apreciado a viagem,Vossa Graça.
  Chouza resfolegou.

-Pedras,árvores,mais pedras e mais árvores,e apenas uma estalagem decente em todo o percurso. Onde estão todas as suas gentes?

-Provavelmente estavam muito acanhadas para sair-brincou Kizashi. -Os reis são uma visão rara por aqui.
  Chouza resfolegou.

-O mais certo é que estivessem escondidas debaixo das pedras. Pedras,Kiza!E neve!Roubou a neve dos Uchiha para me impressionar?

-As neve do fim do verão são bastante comuns-disse Kizashi. -Espero que não lhe tenha causado problemas. São geralmente suaves.

-Que os Outros carreguem suas neves suaves- praguejou Chouza. - Hinata tem uma saúde frágil, suas fungadas de nariz me pertubaram toda a viagem. Maldita criança.

-É uma menina de verão,acostumada a dias ensolarados.

-Tem de vir até o Sul-disse Robert. -Precisa experimentar o verão antes que ele fuja. Em Jardim de Cima há campos de rosas douradas que se estendem ate perder de vista. Os frutos estão tão maduros que explodem na boca: melões,pêssegos,ameixas-de-fogo,nunca saboreou tamanha doçura. Verá,eu trouxe alguns. Mesmo em Ponta Tempestade,com aquele bom vento da baía,os dias são tão quentes que quase não conseguimos nos mexer. E precisa ver as vilas,Kiza!Flores por toda parte,os mercados a rebentar de comida,os vinhos estivais tão bons e baratos que podemos nos embebedar só de respirar o ar. Toda a gente é gorda,bêbada e rica.-soltou uma gargalhada e deu uma palmada no amplo estômago-E as moças,Kiza!-exclamou com os olhos faiscando. -Juro,as mulheres perdem toda a modéstia no calor. Nadam nuas no rio,mesmo por baixo do castelo. Ate nas ruas faz calor demais para usar lã ou peles,e elas andam por ai com aqueles vestidos curtos de seda,se tiverem prata,ou algodão,se não tiverem,mas é tudo igual quando começam a suar e o tecido lhes adere à pele, é  como se andassem nuas- o rei riu,feliz.
  Chouza Akimichi sempre fora um homem de enormes apetites,um homem que sabia como conquistar seus prazeres. Essa não era uma acusação que pudessem deixar na porta de Kizashi Haruno. No entanto,Kizashi não podia deixar de notar que esses prazeres estavam cobrando seu preço do rei. Chouza respirava pesadamente quando chegaram ao fim da escada,e o rosto estava mais vermelhos que os cabelos.

-Vossa Graça -indicou o caminho por entre as pedras  e pilares e Chouza o seguiu sem palavras,estremecendo com vento frio que passava por eles. Os Senhores do Ninho viam-nos passar. Suas imagens tinham sido esculpidas nas pedras que selavam as tumbas. Sentavam-se em longas filas,olhos cegos e poderosas águias apuleiradas em seus ombros.
  Kiza parou ,finalmente,e ergueu o olhar. A cripita estava a sua frente,a única donzela junto a tantos senhores,uma única bastarda rodeada pelos ossos dos senhores do mais puro sangue Ândalo.

-Aqui-disse ao seu rei.
  Havia três tumbas,dispostas lado a lado. Lorde Konohamaru Haruno,o pai de Kizashi,tinha um rosto longo e austero. O esculpidor o conhecera-o bem. Estava sentado com uma calma e dignidade,com os dedo de pedra agarrados com força a espada que trazia no colo,mas em vida todas as espadas lhe tinham falhado. Em dois sepulcros menores ,estavam seu filhos.
   Jugan morrera com quinze anos,estrangulado por ordem do Rei Louco Minato Namikaze. O pai fora obrigado a vê-lo morrer.
  Guren tinha apenas dezessete anos,uma menina-mulher de inigualável encanto,corajosa como um cavaleiro cavalgou dia e noite ate Porto Real,usando cota de malha e enfrentou o rei,dizem que sua carne bastarda foi a que mais resistiu  quando o Rei ordenou que a mulher e todos que a acompanhavam  fosse entregue ao Fogo Vivo. Kiza a amara-a de todo coração.  Chouza amara-a ainda mais. A queria como mulher,mesmo que Guren fosse uma bastarda.

-Era mais bela que isto- disse o rei após um silêncio. Seus olhos demoravam-se no rosto de Guren ,como se pudesse trazê-la de volta à vida apenas com a força de vontade. -Infernos,Ned!Ela merecia flores,mais de um punhado de flores cor de rosa,merecia aquelas flores de inverno que sempre bordava em seus vestidos. Você a deu pedras .

-Ela era minha irmã. Este é o seu lugar. Trago-lhe flores sempre que posso-disse.-Guren era...amiga das flores.
  O rei tocou o rosto da estátua,roçando os dedos na pedra áspera tão suavemente como se fosse carne viva.

-Jurei matar Minato pelo que lhe fez.

-E foi o que Vossa Graça fez.-lembrou-lhe Kizashi.

-O Regicida o fez-disse o rei amargamente. -Tirou de mim a minha vingança. A única coisa que eu queria com essa guerra era vinga-la,roubaram-me minha vingança e me deram um trono no lugar. O que faço com um trono,Kiza?Um trono não me ajuda a dormir à noite quando penso em todas as maneiras que podia tê-lo matado.

Não havia nada que Kiza pudesse responder àquilo. Depois de uma pausa,disse:

-Devemos regressar ,Vossa Graça. Sua esposa está à espera.

-Que os Outros carreguem minha esposa-murmurou Chouza em tom azedo,mas encaminhou em passos pesados na direção de onde tinha vindo.-E se ouvir "vossa graça " de novo,enfio sua cabeça em um espeto. Somos mais do que isso um para o outro.

-Não me esqueci-respondeu Kizashi calmamente.-Fale-me de Inochi.
  Chouza sacudiu a cabeça.

-Nunca vi um homem adoecer tão depressa. Organizamos um torneio no dia do nome do meu filho. Se tivesse visto Inochi nesse dia,poderia jurar que viveria para sempre. Uma quinzena depois,estava morto. A doença foi como incêndio em suas tripas. Queimou-o por dentro- fez uma pausa junto a um pilar.-Adorava aquele Senhor das Flores.

-Ambos o adorávamos-Kizashi fez uma pausa momentânea- Mebuki teme pela irmã. Como Momi está suportando a dor?
   A boca de Chouza fez um trejeito amargo.

-Está louca,Kiza!Sempre foi um tanto louca. Depois da morte correu para a Campina com os filhos e esta trancada lá desde então.

-A mulher perdeu o marido-disse cuidadosamente.-Talvez tema perder os filhos.

-Uma donzela linda de se ver e um homem vaidoso. O vaiodoso Senhor da Campina,que os Deuses os salvem. Que salvem o povo da Campina,conheço Deidara desde que era um bebê chupando os peitos da Senju e poderia jurar que ele gastaria todo o dinheiro da familia com bailes.

-Posso tomá-lo como protegido,ensinar algumas coisas.

-A Rainha dos Espinhos o controla em Jardim de Cima. A mãe de Inochi sempre foi boa em controle.-Chouza pareceu exausto quando parou de falar.-Deve estar curioso sobre o motivo de visitar meu Protetor do Leste.

-Pela alegria da minha companhia,certamente.-Kizashi sorriu com ligeireza.

-Preciso de você,Kiza.- foram poucas as vezes que Ned vira seu rei sério,Chouza sempre fora um homem de sorrisos fáceis e gargalhadas mais fáceis ainda. Nunca o vira usar aquele tom e se assustou ao ouvir,Chouza parecia suplicar.

-Estou às vossas ordens,Chouza.Sempre.

-Aqueles anos que passamos na Campina...Deuses,foram bons anos. Correr com espadas durante o dia e ir a bordéis e bailes durante à noite. Irritar a Rainha dos Espinhos e pregar peças em Inochi. Quero você de novo ao meu lado,como sempre deveria ter sido. Preciso de uma Mão,Kiza.

Kizashi caiu sobre um joelho. A oferta não o surpreendera;que outra razão teria Chouza para viajar até tão longe?A Mão do Rei era o segundo homem mais poderoso dos Sete Reinos.

-Meu Rei,não sou merecedor de tal honra.
  Chouza grunhiu com uma impaciência bem-humorada.

-Que diabos ,Kiza!Aceite logo,preciso de alguém para limpar as merdas que faço.
   Kizashi gargalhou.

-Aceito,meu rei.
Os olhos de Chouza correram para o horizonte e ele disse sem olha-lo.

-Quero outra coisa de você,velho amigo.

-O que seria,vossa graça?

-Sua filha.

   



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...