1. Spirit Fanfics >
  2. Folhas em branco - Aruani >
  3. Acidente

História Folhas em branco - Aruani - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, leitores <3
Bem-vindes a mais uma história minha ><. Eu ainda estou um pouco insegura de está postando essa história, por ela ter uma temática clichê, mas estava adorando muito escrever ela, principalmente com meu casal perfeitinho de Shingeki. Então, resolvi finalmente postar, espero que gostem do primeiro capítulo <3.

Comentários são sempre bem-vindos e me incentivam muito, até me ajudando saber como está meu enredo e escrita. Então, sinta-se à vontade <3

Queria agradecer a capa perfeita feita pela: @xxx_Floppada_xxx. Amei de verdade ❤️

Boa leitura! ❤️

Capítulo 1 - Acidente


Fanfic / Fanfiction Folhas em branco - Aruani - Capítulo 1 - Acidente

Folhas em branco 


Capítulo 1 — Acidente


Os primeiros raios de sol invadiram o pequeno quarto que ficava de frente para alguns prédios. Ainda era cedo, mas algo mexia várias vezes sobre Annie, não queria acordar, mas ao mesmo tempo, aqueles movimentos estavam a incomodando. 

Ainda sonolenta, abriu lentamente seus olhos, e a primeira coisa que viu foi uma pequena loirinha de olhos castanhos escuros, a qual estava brincando com um travesseiro. Nisso, estava passando de um lado para o outro. 

— Hum... Tão cedo — resmungou, vendo a pequena parar a brincadeira e olhar um tanto desconfiava para ela. — Allysson, você não dormiu, não é mesmo? — perguntou em um tom sério, mas logo em seguida sorriu. 

— A senhora estava dormindo, 'ieu' apenas estava brincando com o travisseiro.

— E isso me acordou — disse a pegando e trazendo para cima de si. — Mamãe dormiu tarde ontem por causa do trabalho e você a acordou cedo, olha o que merece. — Fez pequenas cócegas nela a fazendo sorrir alto. 

— Mamãe! — disse entre risadas, mas logo se acalmou quando Annie parou de fazer cócegas. 

— Allysson, hoje você vai ficar com o tio Eren até a tia Mikasa chegar do trabalho, tudo bem? — Fez um carinho em sua franja bagunçada. — Não dê trabalho para os tios. 

— Ontem eu fiquei comportada, 'ieu" e tia Mika, ficamos 'tistindo' filme até dormir. — Pegando nos cabelos de Annie. 

— Boa menina, então não dê trabalho para o tio Eren. 

Annie apenas viu a pequena acenar com a cabeça. Olhou para a janela com a cortina meio aberta, o sol já estava bem eminente, suspirou pesado e olhou para sua filha. Teria que levantar logo, iria no mercado comprar algumas coisas que faltavam. 

Ela dividia apartamento há três anos com Mikasa e Eren. Agradecia todos os dias por ter os conhecidos, senão fosse por eles, não saberia como estaria sua situação. Eles foram os únicos que estenderam a mão para ela em seu momento mais difícil de sua vida. 

Não que hoje as coisas estivessem fáceis, mas facilitou muito a ajuda deles para criar a pequena Allysson. Mikasa e Eren eram casados há um bom tempo, Annie no começo pensou que os incomodaria, mas eles foram muito calorosos com ela, principalmente quando sua filha nasceu.

Sorriu para a pequena loirinha que ainda brincava com os panos e levantou para ir preparar o café, teria um longo dia pela frente. 



— Você vai ao mercado hoje? — Mikasa perguntou, segurando Allysson no colo, enquanto Annie terminava de fazer algumas tapiocas. 

— Ah, sim. Estamos precisando de algumas coisas, e como nós só vamos fazer comprar no outro mês, resolvi dar essa ajuda extra — respondeu, arrumando as tapiocas no prato. 

— Sabe que não precisa, né? Mas se você realmente quiser, comprar mais coisas de verduras — Mikasa disse animada, brincando com Allysson, vendo Annie assentir. — Você acordou cedo hoje, sua cara está horrível. — Brincou com a amiga que apenas riu. 

Realmente estava péssima, ela entrava no trabalho às cinco da tarde e saia às onze da noite, trabalhar em padaria às vezes era um saco. Não era pra menos que estava desgastada, Allysson dormia cedo e acordava cedo. Ela não poderia incomodar Eren, pois ele trabalhava pela madrugada e não seria justo deixar sua filha com ele durante o dia; nem era possível, já que ele dormia o dia inteiro. 

— Minha pequena não ajuda, sempre acorda cedo. — Sorriu, sentando ao lado da amiga que passou Allysson para ela. 

— Sério, você precisa descansar. Assim vai acabar caindo. — Riu, colocando uma tapioca na boca com café. 

— Allysson é super complicada para dormir à tarde, pelo menos de noite ela dorme cedo para você descansar — disse, tomando café. — Allysson, para com isso. — A arrumando na cadeira. 

— Mamãe, 'ieu' quero ir no 'mecadinho' com a senhora. 

— Você vai comigo, mas tem que se comportar, viu? — A vendo assentir. 

— Acho que Eren vai acordar um pouco cedo, não quer deixar com ele? — Mikasa olhou para ela. 

— Mas é melhor ir cedo, vamos com você, assim podemos te deixar na parada de ônibus.

— Hum, tudo bem, vou só terminar aqui e vamos logo. 

Mikasa terminou de tomar café e deixou Annie terminar o seu junto com Allysson. Somente iria arrumar mais algumas coisas em sua bolsa e escovar os dentes. Adorava ter a companhia da amiga em casa, desde que Allysson chegou na sua vida, as coisas se tornaram mais alegres. 

Mas sabia que um dia ela teria que ir embora. No fundo, pedia para que demorasse, pois adorava a presença das duas. 

— Estou pronta. — Apareceu na cozinha, já segurando sua bolsa e estava devidamente arrumada.

— Só um instante. — Annie colocou Allysson no chão e limpou a mesa. — Vou pegar meu dinheiro e já vamos. 

O café foi mais rápido do que imaginava, mas ela sabia que Mikasa tinha horário para pegar o ônibus, não queria atrasar sua amiga. Pegou suas coisas e as três saíram do apartamento, deixando Eren dormindo tranquilamente no quarto. 



A caminhada até a parada estava tranquila, exceto por Allysson que não parava de conversar com as duas, às vezes nenhuma entendia o que ela queria dizer. 

— 'Ieu" mais o tio Eren, vamos brincar de 'glerra' hoje. — Se atrapalhou um pouco, fazendo ambas rirem. 

— Allysson, minha vida, não fale tão rápido. Você ainda se atrapalha em algumas palavras, não é 'ieu' e nem 'glerra' — Annie disse, segurando seu pequeno braço. Ela havia insistido em ir caminhando. 

— E como é, mamãe? — perguntou fazendo um pequeno bico. 

— É "eu" e "guerra", entendeu? — disse franzindo a testa, mas logo voltou a rir. 

— 'Ieu' não entendo. — Fez cara de choro, fazendo Mikasa gargalhar. 

— Então, hoje a tia Mika vai te ensinar a falar algumas palavrinhas, viu? — Mikasa disse, vendo a pequena ficar com brilho nos olhos. 

Annie apenas riu das duas, era mesmo uma graça. A parada já estava ficando próxima, quando deixaram Mikasa lá e foram para o mercado, mas Allysson estava inquieta. 

— Pequena, não quer vir no colo da mamãe? — perguntou Annie, a vendo sacudir a cabeça. — Então o que foi? 

Allysson mexeu em seu pequeno bolso do short e tirou uma pulseira lá de dentro. Annie ficou surpresa e ao mesmo tempo curiosa. 

— Eu esqueci de entregar essa pulseira para a tia, mas agora ela 'tá na parada — respondeu, com cara de choro. 

— Hoje à noite você dará para ela, ok? — Annie se abaixou, dando um beijo em sua testa. — Tenho certeza que ela vai amar seu presentinho. 

Annie deu um sorriso bobo, Allysson era a única capaz de fazer isso com ela. Aquela pulseira era um presente que havia dado para ela quando tinha dois anos, e agora sua pequena filha estava dando para Mikasa. 

As duas continuaram seu trajeto até chegar ao mercado, como era cedinho ainda, tinha poucas pessoas. Annie comprou o que precisava e rapidamente elas estavam voltando para casa. Allysson estava contente por sua mãe ter comprado alguns doces para ela — isso raramente acontecia —, mas a pequena estava tão feliz que era notório sua felicidade. 

— Esse 'pilulito' vou dar para o tio Eren e essa 'bailinha' vou colocar junto com a pulseira e dar para tia Mika, mamãe, eles vão gostar não vão? — Ela dava pequenos pulinhos, caminhando na frente. 

— Claro, filha, você é um amor — Annie respondeu, com as duas mãos ocupadas com as sacolas. Havia comprado algumas frutas para Allysson e verduras como Mikasa havia pedido, mas estava atenta aos passos de sua filha, tentando ao máximo não tirar sua atenção. — Caminhe sempre perto da mamãe, viu filha? 

Annie viu a pequena assentir, quando chegaram perto de uma faixa de pedestre. O sinal ainda estava fechado, logo elas estariam em casa. As duas pararam no mesmo instante e estavam aguardando o sinal abrir. 

Enquanto isso, Allysson brincava com as balinhas que havia ganhado, quando sem querer deixou uma cair, quase em cima da faixa de pedestre. 

Em um piscar de olhos, Annie perdeu sua filha de vista, e quando a viu, ela já estava perto da faixa tentando pegar a balinha. 

— Allysson! — Annie deu um grito quando percebeu um carro se aproximando, o sinal ainda estava aberto soltando suas coisas no chão, mas quando percebeu sua filha estava jogada no outro lado da calçada.

Em um segundo, havia acontecido uma batida de carro com sua filha. Annie ficou sem reação e em estado de choque, sua filha estava ferida e desmaiada. Seu coração ficou apertado e a única coisa que conseguiu fazer foi correr até ela, sem se importar com as pessoas que começavam a chegar cada vez mais perto.  

— Filha, filha. — Tentou tocar nela, mas sua mão foi parada por um homem alto e loiro que ela nem ao menos viu se aproximar. 

— Por favor, não toque nela. Tenho que chamar o samu — O homem disse, olhando para Annie que logo retirou suas mãos. 

— Quem é você? — perguntou apreensiva, ela é minha filha! — disse alterada. 

— Mantenha a calma. Eu estava vindo na pista e sua filha entrou no meio, como já estava em cima não deu tempo de parar, me perdoe — ele disse com calma, fazendo Annie perceber que ele era o dono do carro que havia batido em sua filha. 

— Mas ela… — Olhou sua filha que saia um pouco de sangue de sua testa. 

— Olha, você não pode mexer nela e nem tocar. Vou levá-la para uns dos melhores hospitais, só vou precisar que você vá em casa e pegue o que precisar para ela. 

— Ela ainda está viva? — Era notória sua preocupação, seus olhos estavam cheios de lágrimas. 

O homem pegou nos pontos vitais da pequena Allysson e percebeu que ela ainda estava respirando. 

— Sim, não se preocupe. A batida não foi tão forte, eu estava em baixa velocidade. Como ela ainda é uma criança pequena se tornou um acidente grave — respondeu, verificando seu celular. — Estou esperando uma ambulância, se você mora aqui perto, tem que pegar os documentos dela e o que ela precisar. — Tornou a dizer novamente. — Mas se for longe, posso chamar um Uber para você. 

— Não, eu moro aqui perto — disse, o interrompendo e logo se levantando. — Mas e minha filha? Eu não posso, eu quero ir com ela. 

— Ambulância chega em cinco minutos, passarei o endereço e manderei lhe pegar, mas agora você precisa trazer o que estou pedindo — disse firme. — Não as deixarei na mão, confie em mim. 

Era difícil para Annie confiar em alguém que acabou de atropelar sua filha, mas ele havia se mostrado preocupado com a situação das duas. Mesmo com dificuldades, foi correndo para o apartamento, pegar o que estava precisando e iria para o hospital. 

— Aqui, meu celular. — Annei pegou o aparelho, mostrando para ele. — Me envie uma mensagem. 

Ele apenas pegou seu celular e anotou rapidamente seu número. Annie guardou seu celular no bolso e foi direto para seu apartamento, teria que ser rápida. Enquanto estava indo, viu a ambulância chegar e alguns enfermeiros colocaram sua filha na maca. Seu coração estava palpitando e ao mesmo tempo estava assustado. Ela nunca amou ninguém mais como sua filha, ela era seu único tesouro e motivo para viver, perda-lá era como se tirasse um pedaço de si. 

Por um minuto tinha tudo à sua frente, mas agora parecia não ter mais nada.


Notas Finais


Espero que tenham gostado <3.

Queria colocar mais coisas no capítulo, mas meu objetivo foi mostrar um pouco da convivência da Annie e seu ponto de vista, principalmente sua relação com "Allysson" para não ficar algo "vago" sobre a relação delas. No próximo prometo trazer mais coisas <3

Bjs ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...