História For Life - Kim Minseok, Xiumin (EXO) - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Tags Baekhyun, Bebê, Chanyeol, Chen, Exo, Jongdae, Jongin, Junmyeon, Kai, Kyungsoo, Lay, Minseok, Sehun, Suho, Xiumin, Yixing
Visualizações 53
Palavras 1.372
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem voltoooooou :3

P.s: fui praticamente ameaçada pela minha amiga a postar (sem pressão hshshsh).

Aproveitem bem o capítulo, pq ele está meio curtinho em relação aos outros, e não me matem no fim dele.

Boa leitura!

Capítulo 33 - Thirty Two


Fanfic / Fanfiction For Life - Kim Minseok, Xiumin (EXO) - Capítulo 33 - Thirty Two

Min YeonHee*

Coréia do Sul, Busan

Um de setembro de 2017

Sexta-feira, 9:43 P.M

— Você está falando sério? — ele assentiu sorrindo. — E como planeja fazer isso? — perguntei curiosa.

— Conversei com Suho e ele concordou que chegou a hora de contar tudo para os meninos. Fui convidado para participar do Hello Counselor com ele e vou expor toda a verdade quando perguntarem do casamento.

— Mas como vai provar que o que está dizendo é verdade? — perguntei curiosa.

— O advogado de Suho conseguiu uma cópia do contrato — sorriu orgulhoso.

— Como? — perguntei curiosa.

— Isso não vem ao caso — acariciou meu rosto sorrindo. — Parece preocupada – me analisou.

— Não sei por que, mas eu tenho um mal pressentimento quanto a isso.

— Vai dar tudo certo — tentou me tranquilizar. — Mas você ainda não aceitou o meu pedido — balançou a caixinha.

— É que eu tenho medo de acabar me iludindo — sorri sem graça.

Ele suspirou, me tirou do seu colo e se levantou coçando a cabeça.

— Xiumin? — chamei sua atenção.

— Sim? — parecia chateado e perdido.

— Vem cá — me levantei e abracei seu pescoço. Ele tentou se afastar, mas eu não deixei. — Olhe para mim — pedi e ele virou o rosto. — Baozi?

— Yah — reclamou e eu ri.

— Sei que está irritado, mas tente me entender, hm? O que iremos fazer se tudo der errado? Você iria ficar noivo de duas, se casar com uma e como ficaria a outra?

— Como assim? — franziu o cenho. — Você não disse que me esperaria?

— Sim, mas isso não quer dizer que eu vou estar bem com isso — segurei seu rosto para que ele me olhasse. — É difícil acordar todos os dias com você e saber que nem sempre vai ser assim.

— Você fala como se eu não sofresse também — se soltou de mim. — Tudo isso não foi uma escolha, ok? — saiu andando.

O segui até a sala e ele se sentou emburrado no sofá.

Me sentei em seu colo e resisti ao seu esforço de me afastar. No fim ele desistiu e se encostou bufando no apoio.

— Meu amor, me escute, hm? — pedi em um fio de voz. — Eu quero sim me casar com você, mas não quero que as coisas aconteçam muito precipitadamente, sabe? Vamos esperar um pouco e quando tudo estiver encaminhado, voltamos a falar disso.

— Eu entendo, mas nada te impede de aceitar o meu pedido, então quando voltarmos a falar disso já será relacionado ao casamento — insistiu.

— Tenha paciência, oppa — achei graça.

— Paciência é o que eu mais tenho tido. Será que não vê que eu sou completamente maluco por você? Eu só queria pegar você, nossa filha e sumir daqui — parecia indignado e irritado com a situação.

— Min, eu aceitando o seu pedido ou não, vou continuar sendo sua, ou seja, nada vai mudar entre nós. Não precisa insistir tanto nisso por agora — ajeitei sua franja.

— Você não entende — me tirou do seu colo e se levantou frustrado. — Poder falar para os outros que você é a minha noiva é o que eu sempre desejei — enfatizou o minha.

— Eu sei, mas já parou para pensar que os únicos que poderiam saber disso são os meninos? Nem nossa filha poderia saber, já que às vezes as crianças acabam falando demais — o abracei por trás. — Não pense que estou rejeitando a ideia de ser sua esposa, até porque isso é tudo que eu mais quero, mas tente me entender, hm?

— Tudo bem — suspirou e se virou para retribuir meu abraço. — Estou parecendo desesperado propondo isso do nada, mas é que eu não aguento mais sentir que você não é completamente minha.

— Por que pensa isso? — me afastei um pouco para olhá-lo melhor.

— Você e o Chanyeol andam tão próximos ultimamente, e sua vida seria bem menos complicada se escolhesse ele — foi sincero. — Me sinto inseguro quanto a isso e tenho muito medo que acabe pensando dessa forma. Não sei o que faria se você me deixasse.

Sorri terna e acariciei seu rosto carinhosamente.

— Escute bem o que eu vou te dizer agora — ele me olhou. — Eu te amo, Minseok, te amo mais do que tudo. Não existe nenhuma chancezinha de eu acabar escolhendo outro. A vida com você pode ser complicada, mas vale apena. Tudo por você e para você vale a pena. Não tem por que se sentir inseguro. Sempre foi e sempre será você. Somente você.

— Eu te amo tanto, YeonHee, tanto que chega a ser doloroso — vi uma lágrima escorrer pelo seu rosto. — O que faria sem você comigo, hm? Como eu viveria? — acariciou meu rosto sorrindo apaixonado.

Sorri e abracei seu tronco novamente, escondendo meu rosto no seu peito, exalando aquele cheiro amadeirado e másculo que eu tanto amava.

— Não existe nenhuma possibilidade de eu querer algo com o Chanyeol, então não sinta ciúmes dele, por favor — sussurrei abafado contra sua blusa. — Pode ser?

— Pode sim — beijou o topo da minha cabeça e me apertou em seus braços. — Vou tentar me controlar.

— Vamos deitar? Estou cansada — falei manhosa.

— Vamos, meu bebê — riu e me pegou no colo.

— Yah — exclamei assustada.

— Sem reclamações, baby — bateu na minha bunda.

Subiu até o quarto e me repousou no chão com cuidado.

— Vou escovar meus dentes e tomar um banho — avisei. — Tem alguma roupa minha aqui? — olhei em volta.

— No closet — apontou para a porta no canto do quarto.

Fui até o local indicado e me surpreendi quando vi que ele estava repleto de roupas novas, todas do meu tamanho exato.

— Sabe que eu não gosto que gaste comigo — o olhei com a cara emburrada.

— Pare com isso, dengosinha — me puxou pela cintura. — Sabe que eu amo gastar com você — piscou.

— Aish — me soltei e voltei para o grande armário.

Peguei uma lingerie e uma camisola. Minseok também aproveitou e pegou uma samba canção.

— Vou tomar banho com você, ok? — perguntou e eu assenti rindo.

— Mas é apenas banho. Estou exausta — dessa vez ele que riu.

— Vamos ver.


• ────── ✾ ────── •


Depois do banho, ajeitamos a cama e nos deitamos, já prontos para dormir.

— Minha pele está tão ressecada — reclamei tocando meu rosto com os dedos. — Culpa desse frio maldito.

— Tenho umas máscaras hidratantes aqui, quer uma? — perguntou. — Aproveito e pego uma para mim.

— Pode ser — dei de ombros.

— Já volto — se levantou e foi até o banheiro.

Observei todo o quarto e sorri boba.

“Tenho muita sorte, mas também não tenho. Espera... Isso faz sentido?”

— Aqui — me estendeu um pacote.

— Obrigada — sorri e ele me roubou um selinho.

Me levantei e fui até o espelho que cobria uma das paredes de cima a baixo.

— Agora que eu reparei — comecei. — Para que um espelho tão grande? — o olhei brevemente.

— Tenho um puta feitiche por essas coisas — falou simples.

— Então transformou seu quarto em um de motel? — ri alto.

— Quase isso — me acompanhou rindo.

— Esse feitiche supera aquele de fazer sexo em público? — ergui a sobrancelha.

— Acho que estão empatados — veio até onde eu estava para aplicar a máscara. — Ainda me pergunto quando você vai realizá-lo.

— Quem sabe no dia de São Nunca? — brinquei e ele fez um bico. — Nem vem. Não é como se eu não pudesse te compensar de outras formas.

— Ah é? — sorriu malicioso.

— É sim — revirei os olhos e voltei para a cama. — Agora vamos dormir, sim?

— Chata — me deu língua e apagou a lâmpada, logo se juntando a mim.

— Sou mesmo — me enrolei e ele me abraçou pela cintura.

— Boa noite, amor.

— Boa noite.


Notas Finais


🙃🙃🙃

Eai, oq acharam? Hehehe

Até o próximo capítulooooo 💕💕💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...