1. Spirit Fanfics >
  2. For Life - Kim Minseok, Xiumin (EXO) >
  3. Sixty Two

História For Life - Kim Minseok, Xiumin (EXO) - Capítulo 63


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite/ quase madrugada, florzinhas 🥰

Acabei tendo um dia beeeem cheio hoje e terminei o capítulo somente agora.

Me perdoem se tiver algum errinho de ortografia, não deu tempo de corrigir com cuidado.

Genteee, como assim o Suho vai pro exército 😱 Pertinho do niver dele ainda, misericórdia.

Enfim, aproveitem.

Boa leitura!

Capítulo 63 - Sixty Two


Fanfic / Fanfiction For Life - Kim Minseok, Xiumin (EXO) - Capítulo 63 - Sixty Two

Renata Leite Sidalino*

Coréia do Sul, Busan 

Quinze de outubro de 2017 

Domingo, 4:00 P.M


Depois de um dia um tanto quanto cheio, as meninas resolveram que ir para a mansão passar o resto da tarde com os namorados seria uma boa ideia.

“Mas eu sei bem que só querem estar presentes quando Suho e Kyung vissem a notícia.”

Se tivessem sorte, conseguiriam acalmá-los antes que Chunghee voltasse depois de deixar Seohyun em casa.

“Quero só ver o surto de uma certa corujinha, Jungha que me perdoe, mas eu vou rachar.”

— Será que eles já viram? — Minji perguntou pela centésima vez, quando Jungha estacionou na frente da mansão.

— Relaxa, gente, não fizemos nada demais — bufei enquanto saía, já cansada dessa lenga lenga.

— Concordo com Renatinha — Chris falou descendo do carro e as outras logo fizeram o mesmo.

— Você só fala isso porque o Kai não vai te dar nenhuma lição de moral — Jungha bufou. — Espero que Kyungsoo esqueça a definição de “moralmente correto”.

“Acredite, ele não vai.”

Liderei o caminho até a porta e não hesitei em abrí-la com minha chave reserva, ignorando as duas que pareciam clamar por alguma ajuda divina logo atrás de mim.

— Cheguei — gritei entrando e logo vi Kai, Chanyeol, Sehun, Baek e Chen na sala assistindo à um filme ao que parecia ser de ação. — Opa, quero assistir.

— Finalmente, o bonde maravilha chegou — Sehun debochou e eu lhe dei língua.

Me enfiei entre ele e Chanyeol, tomando o balde de pipoca das mãos do mais alto.

— Yah, rouba a minha comida na cara dura e não me dá nem um beijinho de consolação, é isso mesmo? — Chanyeol sussurou rente ao meu ouvido, para que somente eu ouvisse.

Me afastei para lhe dar um tapa na coxa, e resmunguei:

— Nem vem com essa viadagem.

Ele riu enquanto gemia de dor.

Chris se sentou no colo de Kai e eu me esforcei para ignorar todo aquele love.

— Meninas, já disse que vocês são incríveis? — Chen perguntou, olhando as outras que se sentaram no outro sofá vago.

— Nossa, vocês são maravilhosas — Baek pausou o filme, e eu o olhei irritada. — Mas ainda estou chateado por não ter sido convidado.

— Por que elas te convidariam? — Kai provocou recebendo um olhar de aviso de Baekhyun.

— Deixa de implicância — Chris reclamou.

— Onde está Kyungsoo? — Jungha mordeu o lábio.

— E o Junmyeon — Minji acrescentou.

— Já vejo que estão com medo — Sehun brincou recebendo olhares sérios. — Ok, já entendi que é sério mesmo.

— Foram tomar banho — Baek respondeu. — Se ocuparam o dia inteiro inventando moda com Pietro.

Elas assentiram sorrindo nervosas e deram as mãos.

“Eu precisava ver isso mesmo, socorro.”

Segurei a vontade de rir da desgraça dos outros e tomei o controle de Baek, dando play em “Onde está segunda?”.

— Esse filme é ótimo — enchi a boca de pipoca.

— Já assistiu? — Chanyeol perguntou curioso e eu assenti. — Ok, sem spoilers.

Esse Yoda…” — Revirei os olhos.

Continuei me entupindo de pipoca ignorando a reclamação dos meninos sobre eu estar comendo tudo sozinha.

— Estou fazendo um favor a vocês — dei de ombros. — Precisam manter a forma, sabiam?

— Ah, mas você já sabe eu que estou em ótima condição física — Chanyeol provocou e eu engasguei.

“Quer gritar para todo mundo mesmo, linguarudo?”

Já estava me preparando para ouvir os comentários maliciosos dos meninos, quando fui salva pelo gongo.

— Pandinha? — me virei aliviada a tempo de ver Suho descendo as escadas. — Como foi na praia?

— Foi tudo bem — sorriu amarelo e deu espaço para que ele se sentasse ao seu lado. Trocaram um beijo rápido.

Ignorei o sorriso provocativo de Sehun para mim pelo que Chanyeol havia dito e voltei minha atenção ao casal.

— Tem certeza? — franziu o cenho. — Você parece tensa.

— Impressão sua.

— Jung, pensei que fosse ir direto para casa — Kyung desceu incrivelmente sorridente.

Vi no rosto dela o medo de ser responsável por tirar aquele sorriso dele.

— Preferi ficar para te ver — foi sincera e ele se apressou em sentar ao lado dela. Diferente de Suho, deixou um beijo na testa dela.

“Um verdadeiro anjinho de armadura reluzente.”

— Se divertiram? — perguntou e ela assentiu. — Isso é bom, mas não acho que Seohyun e Chunghee estão pensando o mesmo.

Ela arregalou os olhos e todas nos entreolhamos confusas.

“Ele já sabia? Então por que que não está surtando ainda?”

— Eu estava online quando começaram a falar sobre no grupo — respondeu a pergunta clara no rosto de todos com a voz estranhamente mansa.

Ela somente o olhou sem reação.

— Como assim? Estão falando do que? — Suho franziu o cenho.

— Veja você mesmo — deu de ombros e o outro tratou de seguir o conselho, pegando o celular do bolso.

— Kyungsoo, você está bem? — perguntei confusa.

— Por que não estaria? — riu fraco.

“Talvez porque você está pleno mesmo sabendo o que fizemos…?”

— Porque… Tem certeza que não está doente?

— Aish, Renata, já disse que estou bem — resmungou.

— Gente, mas o que… — Suho pronunciou chocado com os olhos fixos no celular. — Vocês… Vocês fizeram isso mesmo?

Levantou a cabeça nos olhando incrédulo.

— Gente, eu entendo que não gostem delas e tudo mais, mas isso aqui já é demais — se pôs de pé, andando de um lado para o outro. — Não quero nem pensar em como a SM e BC vão reagir a isso.

Ninguém ousou falar nada. Até pausei o filme para deixá-lo falar.

— Essa reportagem ainda foi leve, mas os outros sites vão cair matando com certeza — passou a mão pelo cabelo. — Isso pode arruinar tudo. A empresa não vai gostar nada disso, não mesmo.

— Não se preocupe tanto, Junmyeon — Kyungsoo se levantou suspirando. — Já pensei em tudo isso, esquentei a cabeça e cheguei a conclusão de que não vale a pena.

Não deixei de notar os olhares surpresos de todos, inclusive de Suho que logo questionou:

— Como assim?

— Já foi, ok? E mesmo que eu saiba que podíamos ter evitado algo do tipo e as possíveis consequências, não julgo elas por isso — respondeu simplesmente. — Eu não agiria dessa forma, mas não minto que talvez considerasse. Admita aquelas duas são… bem difíceis de lidar.

— Eu sei, mas…

— Escuta, eu conferi os vídeos e as fotos várias vezes, e se olhasse de fora, juraria que tudo não passou de uma brincadeira de amigas — interrompeu. — Não lembro onde diz que enterrar alguém na areia é crime.

— Ai que orgulho — falei secando uma lágrima invisível.

— Elas só fizeram isso, o resto foi o próprio universo jogando a favor — deu de ombros. — Estou certo disso, não é? — olhou diretamente para mim.

Não.”

— Está — respondi imediantamente, sorrindo largo.

Suho ficou em silêncio por uns segundos, considerando toda a situação.

— Hm, sendo assim, acho que não posso deixar de dizer que elas mereceram — comemoramos. — Maaaaas… Ainda não apoio esse tipo de atitude.

— Que bom que ninguém se importa com a sua opinião mesmo — Baek brincou e os meninos não conteram a risada.

Acabei rindo juntos deles e não demorou para que todos, até o próprio Suho, se desmanchassem em gargalhadas.

— Seu idiota — Suho bateu em Baek, finalmente parando de rir. — Mas voltando a falar sério…

— Maravilha — Sehun debochou.

— Caso alguém toque nesse assunto futuramente, falem que não passou de uma brincadeira entre amigas, assim como o Kyungsoo disse — pediu suspirando. — As empresas provavelmente vão aderir essa versão, então acredito que tudo se resolva. Mas não garanto que elas duas interpretem da mesma forma. Podem querer tentar alguma coisa.

— Elas obviamente já entenderam a maldade, mas não se preocupem, estaremos preparadas para elas — garanti totalmente certa disso.

“Vou desmascarar elas antes disso.”

— E de qualquer forma, vamos estar cientes que foram elas, caso algo aconteça — Chen falou e todos concordaram.

— Do que estão falando? — nos virando a tempo de ver Yixing descer as escadas sonolento.

— Lá vem o Laysadinho — brinquei e ele revirou os olhos.

— Senta aqui que eu te explico, hyung — Chen bateu no espaço ao seu lado no sofá.

— Jongdae, Jongdae, você não me engana com essa simpatia toda não — o olhei desconfiada. — Qual o seu interesse com o pobre do Lay?

— Oush, não estou interessado em nada — riu fraco. — Na verdade, eu não ficaria triste se você resolvesse me apresentar aquela sua amiga.

— Sabia — prendi o riso quando Lay parou no meio do caminho para olhá-lo abismado.

— Já falei que não vou apresentar a Cheng Xiao para nenhum de vocês — cruzou os braços. — Bando de pervetido, iriam dar em cima dela na cara dura.

— É o quê? — Kai o olhou decepcionado. — Nós não nos atraveriamos, hyung.

— Acho bom, Kim Jongin — Chris o olhou séria e ele sorriu amarelo.

— Espera, Cheng Xiao do Cosmic Girls? — Minji perguntou confusa e Lay assentiu.

— Participamos juntos de um programa na China, e acabamos ficando amigos — deu de ombros. — Ela veio me cumprimentar em um programa de fim de ano, e eles não disfarçaram a animação tentando se intrometer no assunto. Principalmente o Chen e o Kai.

— Não brinca — Chris ergueu a sobrancelha olhando séria para o namorado, que ria amarelo.

— Não vejo nada de errado em querer fazer amigos — Chen deu de ombros.

— Amigos, sei… — provoquei.

— Nossa, estou muito chocada com esse lado do Chen — Jungha começou. — Pensei que ele era um anjinho.

— Kim Jongdae? Não mesmo — Minseok entrou na casa enquanto ria. — Não deixei de ouvir a conversa da garagem, desculpem — justificou ao se deparar com as expressões surpresas.

— Finalmente, hyung, pensei que teria que inventar alguma mentira para a bruaca se você não aparecesse logo — Baek falou suspirando aliviado. — Como estão as minhas princesas?

— Estão bem — sorriu fraco. — Tive que ficar no quarto o tempo inteiro para evitar Anny, e isso me destruiu. Mas eu entendo o lado de Yeonhee com isso, seria muito complicado para uma criança entender.

— Hmm, acho bom você se apressar e trocar de roupa antes que Chunghee chegue — Suho aconselhou.

— Onde ela está? — perguntou confuso.

— Deixando Seo ronc ronc em casa — Baek respondeu maldoso, logo rindo da própria piada.

“Ah não, mano.”

Ninguém pode conter a risada, nem mesmo o líder, enquanto Minseok parecia confuso nos olhando.

— Seo quem?

— Entra no grupo que estamos com as meninas e você vai entender — Sehun prendeu o riso.

— Não sei porquê, mas fiquei preocupado agora — foi em direção da escada.

— Você vai amar, te garanto — Chen gritou para que ele ouvisse.

— Misericórdia, Seo ronc ronc — falei voltando a rir e todos acompanharam. — Amei.

— E qual seria o da outra? — Minji perguntou risonha.

— Ah, gente, essa é fácil — Baek fez suspense e todos fizeram silêncio para ouvi-lo. — CagonHee.

MENTIRA?!”

Foi só o tempo dele fechar a boca para que todos explodissem em risadas histéricas. Chanyeol todo emocionado enquanto batia palmas rindo alto, acabou batendo o cotovelo no balde pipoca e derramando todo o conteúdo em mim.

Miserável.”

As risadas cessaram e a atenção de todos se voltou para mim, que olhava boquiaberta do orelhudo para a bagunça.

— Eita, deu ruim — Baek sussurou para Chen, alto o suficiente para que eu ouvisse.

— R-Renatinha, desculpa, eu… Vem eu te ajudo a levantar — sorriu amarelo se pondo de pé e me ajudando a fazer o mesmo. — Desculpa, sério.

Permaneci séria, sem falar nada, adorando todo aquele desespero.

— Não vai falar nada? — me olhou hesitante.

Olhei para todos os curiosos e notei o sorriso ladino de Kyungsoo, ele já sabia exatamente o que eu estava fazendo.

— Renatinha…

— Relaxa, zé ruela — não aguentei e comecei a rir, ouvindo-o suspirar aliviado. — Ah, boa sorte para limpar isso ai.

— É isso mesmo, pode arrumar toda essa bagunça — Kyungsoo reforçou.

Me virei prendendo o riso quando vi sua cara incrédula e me adiantei em subir as escadas.

— Acho que vou subir também, vamos, gatinha? — ouvi Kai falar.

— Vou nessa — Chen correu para me alcançar, junto de Sehun e Baekhyun.

— Ah, que ótimo, vão me deixar aqui sozinho mesmo? — ele gritou e eu me desmanchei em risadas assim que cheguei no segundo andar.

— Coitado — caminhei enxugando as lágrimas até o quarto.


• ────── ✾ ────── •


Acabei me rendendo à preguiça e tomando um banho longo e relaxante de banheira.

Lavei o cabelo e fiz uma hidratação rápida para que ele se recuperasse depois do dia de praia.

Finalizei o banho e perfumei a pele com um óleo de frutas vermelhas que eu adorava.

Vesti um pijama confortável, que se resumia em uma camisa que eu havia roubado de Chanyeol, e sequei o cabelo com o secador.

Regulei a temperatura do ar condicionado e capotei na cama, enrolada por um coberto fofinho e quentinho.

“Não tem nada melhor que isso.”

Senti o sono chegando aos poucos, e fui me entregando cada vez mais a ele, quando tive um sobressalto ao ouvir a porta do meu quarto abrindo.

Levantei a cabeça confusa e vi Chanyeol entrando.

— Ah, te acordei? — me olhou culpado.

— O que você acha? — bufei.

— Sendo assim vou ter que te fazer companhia — se apressou e se deitou ao meu lado.

— Nem pense em roncar — o olhei séria e ele riu baixo assentindo. — E fecha essa boca que eu quero dormir.

Aquiesceu em silêncio enquanto se enrolava.

— Ah, e…

— Deixa eu adivinhar — me interrompeu. — Não ousar te desenrolar?

— Hmm, que bom que já sabe — resmunguei.

— Para de reclamar e dorme — beijou minha testa, e se virou ficando de costas para mim.

O olhei incrédula.

“Ele está achando o quê?”

Não aguentei e revirei os olhos mesmo que ele não pudesse ver.

Por fim fechei os olhos e me entreguei ao sono.


• ────── ✾ ────── •


Não fazia ideia de que horas eram quando acordei, mas notei que Chanyeol já havia levantado.

Enrolei por alguns minutos, tomando coragem para por fim sair debaixo daquele cobertor quentinho, que parecia me atrair como um imã.

Prendi o cabelo em um coque simples e vesti um short curto, já que me recusava a sair pagando calcinha por aí, mesmo que não ligasse para o que fosse pensar a respeito.

Peguei meu telefone e me sobressaltei quando vi que já era onze horas da noite.

“Dormi muito, misericórdia.”

Saí ainda sonolenta do quarto, com o objetivo de beber um pouco de água e voltar a dormir.

“Tenho nada útil para fazer em uma madrugada mesmo.”

Desci quase me arrastando até a cozinha e bebi um copo cheio do líquido fresco.

“Que delícia.”

Conferi o horário na geladeira, porque nunca se sabe, e cheguei a conclusão que eu havia capotado real.

“E ainda estou com sono, vai entender.”

Estava chegando no fim da escada que dava para o segundo andar quando comecei a ouvir vozes abafadas do corredor.

Parei quando reconheci uma delas sendo a de Chunghee.

“Com quem essa louca está falando?”

— Acho bom você escutar bem o que eu vou dizer, porque eu não vou repetir — falou aparentemente irritada. — Dê um jeito de colocar aquela sua namoradinha brasileira de meia tigela em uma coleira, antes que acabe com vocês dois juntos.

“Ela só pode estar falando de mim, então só pode ser…”

— Do que você está falando? — Chanyeol respondeu confirmando minhas suspeitas.

— Você acha que eu sou idiota o bastante para acreditar em todos os “incidentes” de hoje? É claro que fizeram tudo aquilo de propósito — retrucou se controlando para manter o tom de voz baixo. — Não vou admitir esse tipo de humilhação, não mais. Então espero que você controle aquela sem sal de gênio afetado ou eu serei obrigada a jogar um certo vídeo na mídia.

“Ela se acha quem para falar assim de mim?  Sem sal ha ha ha... Ta querendo morrer, querindinha?! Mas espera, ela falou de um vídeo? Que vídeo?”

— Eu sei bem que mesmo estando namorando a Christine , o Kai sentiria remorso por tudo o que você fez e escondeu dele por todo esse tempo — continuou a ameaça e eu voluntariamente arregalei os olhos. — Então se quiser manter as coisas no anonimato, já sabe. Não quero ninguém no meu caminho, muito menos uma fedelha metida a besta.

— Não ouse falar assim dela!

— Ou o quê? — riu debochada. — Você não tem moral para se defender, muito menos outra pessoa. Se eu fosse você, seguiria o meu conselho, não costumo voltar atrás, principalmente das minhas ameaças.

Depois disso ninguém mais falou nada. Ouvi uma porta se fechar e depois outra.

Conferi o corredor e vi que estava vazio.

“Eu preciso falar com o Kyungsoo sobre isso.”


• ────── ✾ ────── •


— Acorda, Kyung — cutuquei seu corpo adormecido, mais vezes do que o necessário, então obviamente estava sendo ignorada. — Levanta logo que eu tenho uma coisa importante para te falar.

— Aish, o que foi? — bufou enquanto se sentava, coçando os olhos repetidas vezes.

Ignorei o quanto ele estava fofo daquele jeito e me concentrei em explicar toda a situação de forma resumida, enquanto me acomodava ao seu lado na cama.

— Eu descobri mais algumas a respeito do envolvimento do Chanyeol — ele fez sinal para que eu prosseguisse enquanto bocejava. — Ele acabou soltando alguma coisa sobre ter pisado na bola com algum membro e se arrepender disso. Achei estranho, até porque ninguém parece saber disso e ele ficou bem desanimado depois disso, então preferi não insistir no assunto.

Ele franziu o cenho considerando tudo, bastante concentrado apesar da preguiça visível e quase gritante.

— E agora mesmo eu estava voltando da cozinha para o meu quarto quando…

— Espera, estava fazendo o que na cozinha essa hora da noite? — perguntou curioso.

— Não acredito que você me interrompeu para isso — revirei os olhos. — Só fui beber água. Satisfeito?

Ele assentiu e pediu que eu continuasse.

— Enfim, estava voltando e ouvi uma conversa estranha entre ele e a Chunghee bem no corredor. Vamos ignorar a escolha péssima de lugar para uma conversa “discreta” e focar no que importa: o conteúdo — continuei. — Ela estava claramente ameaçando ele.

— Como assim?

— Parece que ela está bem bolada depois do episódio de hoje na praia e tudo mais, e o intimidou a me manter no controle ou um certo vídeo cairia na mídia. E pelo que eu ouvi ele tem haver com o Kai.

— O Kai? — arregalou os olhos. — Me explica direitinho exatamente o que você ouviu.

— Olha, ela disse algo sobre mesmo o Kai estando com a Chris ele não perdoaria o Chanyeol pelo o que ele fez e tudo mais — tentei me lembrar. — Só não entendo o porquê ela se preocupa tanto com o que eu faço ou deixo de fazer.

— Ela provavelmente te vê como uma possível ameaça — coçou o queixo pensativo. — Interessante…

— Lá vem — revirei os olhos. —  Mas enfim, qual o próximo passo?

— Continue tentando descobrir mais informações da boca do próprio Chanyeol e aja como se não soubesse de nada.

— Jura, gênio? Eu não sou idiota, né!

— Eu sei, ignorante — fez uma careta. — Enfim, evite o caminho da Chunghee, e isso inclue  resistir às provocações.

— Kyung — resmunguei. — Se ela me atiçar eu não vou deixar passar.

— Eu sei, eu sei, mas tente. Precisamos manter a cautela por enquanto, porque se chamarmos muito a atenção dela para você, ela pode acabar te investigando e isso não vai terminar bem.

— Tem razão — concordei meio a contra gosto. — Vou me esforçar.

— Ótimo.

— Corujinha… — comecei e ele me olhou atento, provavelmente pelo uso do apelido carinhoso. — Eu ando mais preocupada que o normal com o Chanyeol, isso é um bom sinal?

Sua expressão preocupada se transformou imediantamente em uma risonha.

— Isso significa que você se importa — riu fraco. — E cabe somente a você dizer se isso é ou não uma coisa boa.

Mordi o lábio considerando suas palavras.

“Significa que eu me importo… Obviamente não era o desfecho que eu esperava, mas não posso mentir e dizer que não me agrado.”

— Cá entre nós — voltei minha atenção para o que ele falava. — Sempre achei que vocês combinassem.

Milagrosamente, senti meu rosto esquentar e um sorriso bobo esboçou timidamente o canto da minha boca. Ele notou o meu comportamento e vi a animação brilhar em seus olhos quando sorriu satisfeito.

— Para de me olhar assim, coruja intrometida — fechei a cara e ele gargalhou. — Vai dormir vai.

— Mas você que me acordou — brincou.

— Cala a boca — resmunguei me levantando e indo até porta.

— Também te amo — falou antes que eu saísse.

— Ah, eu também me amo — joguei beijos no ar e ouvi sua risada enquanto fechava a porta.

Voltei apressada para o quarto e pús a mão no coração, que batia estranhamente rápido.

— Será que o Kyung está certo? Nós combinamos mesmo? — comentei sozinha, presa em meio a esse emaranhado de pensamentos. — Aish, o que estou falando?! Vai dormir, Renata, você está precisando dormir mais, isso sim.

Me joguei na cama macia e me enrolei dos pés à cabeça com o coberto de pelinhos. Tentei controlar a minha respiração e acalmar meus pensamentos, para me entregar novamente ao mundo dos sonhos.

Mas não importa o quanto eu tentasse, uma pessoa específica ficava rondando a todo segundo os meus pensamentos e parecia não abandonar minha mente confusa.

“Park Chanyeol, o que você está fazendo comigo?”


Notas Finais


Foi isso por hoje, galeraaaaa.

As meninas morrendo do medo da reação dos Mr. Certinhos 😹😹 Scrr

Gente, Seo ronc ron e CagonHee 😹😹😹 Baekhyun, você é incrível

Ain, eu me derreto toda com a Renata e o Chanyeol, mdssss 😍

Ah, sou apaixonada pela relação do Kyung e da Renata, tão piticos

Espero que tenham gostado, deixem ai nos comentários o que estão achando 🙃

Até o próximo capítulo 💕💕💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...