História For life - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Kristao, Sulay, Xiuchen
Visualizações 394
Palavras 3.710
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 26 - Extra - Halloween


Fanfic / Fanfiction For life - Capítulo 26 - Extra - Halloween

MinSeok

- Tio BaekHyun, está muito ocupado? - perguntei entrando silenciosamente no quarto.

- Pode entrar, Min. - guardou o livro que estava lendo e fez um gesto para que me aproximasse. - Feche a porta.

- Siwan, onde ele está?

- Ele saiu com o KyungSoo, daqui a pouco eles chegam. Mas por que está com essa carinha triste? - acariciou meu rosto, e como sempre fazia, deitei minha cabeça em seu colo.

- Eu gosto muito de contar as coisas pra você, Baek, nunca conta pra ninguém. - falei choroso, o que fez BaekHyun estranhar meu comportamento. 

- Você tá me assustando, aconteceu algo na escola? Alguém mexeu com você? - perguntou assustado.

- Não é nada disso.

- Diga de uma vez.

- Eu tenho muita vergonha, então prometa não me achar bobo. - falei em quase um sussurro, ele riu discretamente, como se já soubesse ou tivesse uma ideia do que seria.

- Prometo, pequenininho.

- Ontem eu saí com o JongDae, nós fomos para o parque junto com alguns amigos nossos.

- E qual o problema nisso, não foi legal? - acaricdou minha cabeça.

- Foi, mas aconteceu algumas coisas, que no final não foi muito bom..

- Me conte tudinho.

- O JongDae bebeu um pouco.

- Eu não acredito! Aquele... - apertou o punho.

- Baek, me deixe acabar de falar. Ele nem bebeu tanto, foi um pouquinho, bem pouco. - sentei na cama para fitá-lo.

- Está bem, me desculpe.

- Ele me disse umas coisas estranhas, eu fiquei desconfortável. - cocei a cabeça nervoso. 

- O JongDae? - indagou surpreso. - Explique isso melhor.

- Ah, BaekHyun.. eu gosto muito do Chen, você sabe.

- Então você contou?

- Não não. - neguei repetidamente. - Mas ele falou isso pra mim, e eu fiquei com muita raiva, porque ele estava bebendo e.. eu não posso negar que existem pessoas que ele considera mais do que amigos, e que estava com a gente.

- Acha que ele falou que sentia algo por você porque queria fazer ciúmes em alguém, e porque estava "bêbado"? - franziu o cenho, achando aquilo uma loucura. 

- Sim. - assenti com a cabeça baixa. - Eu disse que ele estava sendo idiota, e que não falasse mais essas coisas, que realmente não sente.

Senti os braços de Baekhyun me apertar em um abraço carinhoso, me senti melhor com aquele simples ato.

- Meu pequenininho, você não pode se sentir tão mal assim. - disse olhando em meus olhos. - Eu sei que vocês dois sempre foram grudados, e que sempre amou o JongDae, mas ele cresceu primeiro, descobriu coisas que você não entenderia.

- Mas eu cresci também, porque ele não pode voltar a ser como antes? - bufei frustrado. 

- Como pode ter tanta certeza que o que ele dizia não era verdade? - tombou a cabeça para o lado. - Ele cuida tanto de você.

- Foi tão de repente... - falei com um bico nos lábios.

- Vamos sair para comprar nossas fantasias, esquecer um pouco do que te deixa triste, o que acha?  - me puxou da cama, me levando para fora sem eu ao menos responder.

- É hoje a festa de Halloween?

- Esqueceu? Começa às sete horas, melhor correr.


KyungSoo

Eu só preciso respirar fundo, e tentar não fazer nada que traumatize uma criança pro resto da vida.

- E então, pra quando vai marcar nossa viagem? - a moça qual estava fazendo uma parceria com a empresa de JongIn, perguntou sorridente.

- Não sei, preciso ver toda minha agenda pra isso poder acontecer. - ele estava distraído demais mexendo em uma papelada.

- Por que tem que ser o JongIn? 

- Ele é o mais competente. - respondeu até que simpática. 

- Onde o Tio JongIn vai, Soo? - Siwan perguntou baixinho, mas eu apenas mandei que ficasse em silêncio.  

- E você seria a mais competente da sua empresa? - falei com sarcasmo, tentando não ser tão grosseiro. 

JongIn riu baixo, aquilo me deixou tão irritado.

- Acho que está tarde. - olhou pela janela. - Porque não volta amanhã, Yuri?

- Bem, tente ser rápido. - disse saindo. - Japão te espera. 

A sala por alguns segundos ficou em silêncio, não estava me agradando muito. Peguei na mão de Siwan e desci até a garagem, fiquei esperando por JongIn dentro do carro, e não demorou muito pro mesmo aparecer.

- Quer ir em algum outro lugar? - entrou um pouco receoso.

- Quero ir pra casa, temos muitas visitas hoje, Siwan deve estar cansado.

- Não estou.

- Siwan. - olhei bravo para ele, que apenas fez um bico fofo.

- Ah, claro, hoje é Halloween, essa data é tão... sem graça. - fez uma careta, Siwan achou divertido e riu alto.

- MinSeok adora, ele vai se divertir. E você também, não é? - baguncei seus cabelos.

- Eu e a omma vamos vestir a melhor fantasia de todas.

- BaekHyun vai vestido de que? - JongIn perguntou curioso.

- Não sei, mas ele vai ficar bonito de qualquer jeito.

- Tenho medo disso. - disse risonho.

Nós passamos pouco tempo para chegar em casa, já dava pra ver bastante luzes de fora, e algumas pessoas com fantasias andando por aí. Abri a porta para sairmos, Siwan saiu correndo e JongIn pediu para que eu ficasse.

- Ainda está bravo?

- Não, é o seu trabalho, e se precisar viajar com qualquer outra pessoa, eu vou entender. - sorri para ele, mas o mesmo balançou a cabeça negando. 

Tentei abrir a porta do carro, mas estava trancada.

- JongIn, a porta. - tentei mais uma vez, em vão.

- Ainda está bravo? - colocou sua mão sobre a minha, fazendo eu parar de tentar abrir a porta.

- Já disse que não. - virei para o lado contrário qual ele estava. 

- Então pare, olhe pra mim.

- Está bem, desculpe, eu sempre fico agindo como uma criança quando precisa viajar para longe. - pedi desviando o olhar para fora.

- Você não age assim nunca. - passou a mão pelo meu rosto. - O que houve?

- Eu pensei que ficaríamos juntos, para não deixar nosso aniversário passar em branco.

- Ow, tem razão. - disse pensativo. - Nós sempre aproveitamos o mês todo.

- Mas eu entendo, está tudo bem.

- Eu vou dar um jeito, ainda hoje eu vou resolver tudo. - me puxou para um abraço.

- Você é sempre tão paciente. - sorri afundando meu rosto em seu peito.

- Eu prometi que não deixaria meu trabalho nos atrapalhar em momentos tão especiais. - arqueou meu queixo, e lentamente selou nossos lábios, dando início a um beijo tão calmo.

Apesar do tempo, JongIn nunca mudou, seus toques carinhosos, seu jeito protetor e acolhedor, até seus ciúmes ainda continuam, e eu gosto de tudo. Cada dia que passa, eu me sinto mais feliz em ter uma família com ele.


MinSeok

- E então, o que achou da minha fantasia, Siwan? - dei uma volta, enquanto o mesmo aplaudia da cama.

- Tá lindo, lindo demais, Min. - disse animado.

- Você também, está lindo de super homem. - sorri achando adorável a pose que fez assim que o elogiei.

- Está um gatinho, literalmente.

- Hmm... essas orelhinhas estão muito chamativas, vou usar a preta, o que acha?

- Não. As azuis estão melhores, e não é chamativo, é tão clarinho, quase branco. - a colocou de novo na minha cabeça, não estava tão mau.

- Está na hora de descer?

- Sim, estamos meio atrasados.

- Eu só vi a omma e o appa hoje de manhã, onde será que estão? - perguntei corrigindo a maquiagem no espelho.

- Eu saí com eles hoje, tinha uma mulher, e o tio Soo ficou bem bravo, mas acho que já estão bem de novo. - deu de ombros. - Eu vi eles se beijando no carro.

- Aish, criança! - joguei um ursinho nele, que tinha em cima da escrivaninha.

- E você vai beijar quem? - correu pelo quarto, assim que me viu levantar.

- SIWAN! - puxei ele braço, derrubando nós dois na cama. - Nem parece que tem apenas nove anos.

- O que está acontecendo aqui? - Chanyeol entrou no quarto, segurando o riso quando nos viu um em cima do outro.

- Seu filho está me irritando, Iron Man. - o empurrei para o lado.

- Vocês brigam o tempo todo, nem levo mais tanto a sério. - encostou na porta, comendo um saco de salgadinhos.

- Eu não fiz nada demais, appa. - mostrou a língua para mim, aquela criança birrenta. 

- Aposto que fez. - encarou Siwan esperando uma resposta sincera.

- Está bem, me desculpe, MinSeok. - pediu envergonhado.

- Desculpado. - sorri para ele.

- Vamos descer, estão perdendo tudo.

. . .

A festa estava legal, não posso negar, mas o JongDae não tinha nem aparecido, nós sempre comemoramos juntos, mas tudo bem, não posso fazer tudo esperando que JongDae esteja comigo.

- E aí, pequenininho. - Sehun apareceu ao meu lado com um copo de.. água?

- Água?

- É o que tinha mais fácil. - me entregou. 

- Hãm, obrigado mesmo assim, foi gentil. - até que água faz bem.

- Por que está aqui dentro, e não lá fora com seus amigos, correndo e fazendo coisas que sabe, faz todos os anos. - me encarou.

Ele tinha me pegado nessa pergunta, até porque nem eu sabia, era minha data preferida.

- Acho que não estou tão bem hoje, péssimo dia pra ficar doente, não é? - ri sem jeito, o que pareceu não convencer Sehun.

- Não seja bobo, vai atrás do seu amigo. - piscou para mim.

- Não está falando do Chen?

- Não falei dele. - saiu de perto de mim sorrindo.

Ele venceu, se precisava de um pedido de desculpas, vai ter, eu exagerei, confesso, eu confesso. JongDae às vezes é sensível demais, talvez ele possa estar doente.. por isso não apareceu. 

Atravessei a rua e dei de cara com o Ji-won, ele era da minha escola, nós nos damos muito bem.

- Xiumin. - correu em minha direção. - Uau, você está lindo. - me olhou de cima a baixo. - E a melhor fantasia do ano vai para...

- Pare com isso, Ji-won. - tampei o rosto com as mãos. - Não é nada demais, todo mundo já se fantasiou um dia de gato.

- Mas você é o mais lindo que já vi.

- Ok, já chega. - bati de leve em seu braço. - Está me deixando envergonhado.

- Pra onde está indo?

- Eu estava indo pra casa do Chen, ver se está bem.

- Aquele ali? - apontou para trás, onde estava ele com mais três pessoas.

- É, era ele.. - me encolhi assim que escutei um forte trovão. - Acho que ele está bem. - sorri falso.

- Você parece tão decepcionado. - serrou os olhos. - Não quer ir comigo? Vamos para a casa do Junhoe, vai ser legal.

- Não sei. - suspirei e virei para o outro lado, qual eu não visse ele novamente.

- E parece que vai chover. - apontou para o céu um pouco nublado.

Ji-won apertou meus ombros e encostou sua testa na minha.

- Não fique assim, tem outras pessoas que..

Fui virado para trás, o interrompendo acabar de falar. 

- MinSeok, o que está fazendo aqui? - perguntou surpreso, surpreso até demais.

- É Halloween, uma data que comemoro pelos últimos dezessete anos com uma pessoa que não apareceu. - tenho certeza que ele via fogo em meus olhos.

- Não, eu ia até você. - disse nervoso. - Não ia te deixar sozinho.

- JongDae, não é legal deixar seus amigos lá esperando. - Ji-won pegou em minha mão. - Estávamos indo.

- MinSeok! Você não pode ir, seus pais não deixariam.

- Eles não vão saber. - o fitei com raiva, o que pareceu não intimidá-lo nem um pouco.

- JongIn ia adorar saber que foi para a casa de um estranho. - sorriu ameaçador. 

- JongDae, você é o pior amigo de todos!

Eu estava com tanta raiva que meu rosto queimava, por que tudo tinha que ser do seu jeito. Os pequenos pingos de chuva começaram a engrossar, as pessoas na rua correram para dentro de suas casas, outras apenas ficaram em baixo de algo esperando passar.

- Anda, vamos sair daqui. - JongDae me puxou para dentro de sua casa, que estava mais próxima. Ji-won deu um sorriso orgulhoso e acenou, eu não entendi o que ele quis dizer com aquilo, ou prefiro não acreditar no que fez.

- MinSeok, que bom que apareceu. - Zitao beijou minha testa. - Está todo molhado, querido.

- Tudo bem, Tao. - tentei aquecer minhas mãos esfregando uma na outra.

- JongDae, prepare algo pra ele vestir, e você também. Aish, como vão ficar sem fantasia na festa de Halloween.

- MinSeok. - JongDae me chamou, e eu fui passando por aquele monte de pessoas, a casa dele estava bem cheia. - Entre. - abriu a porta do banheiro.

- Você pegou uma roupa?

- Aqui, gatinho molhado. - apontou para a pia que tinha dois pijamas. - Vamos ficar fantasiados de pijama, uma boa desculpa para não nos arrumarmos direito.

- Agora saia.

- Você acha que eu vou sair com aquele monte de gente lá fora? - riu com irônia.

- Não só acho, como vai. - tentei o puxar para fora.

JongDae sempre foi muito impaciente, ele tirou minhas mãos do seu braço e me empurrou contra a parede, eu não tinha como me mexer muito bem.

- Pare com isso, quero ir logo pra casa.

- Está em casa, sempre falou que essa era sua segunda casa.

- Não, JongDae, eu quero ir para a minha casa, com meus pais, meus amigos. - ele me encarou por longos segundos, eu continuava do mesmo jeito, mas eu sentia vontade de falar tantas coisas.

- Não quero que vá. - encostou sua cabeça em meu ombro. - Me desculpe, por aquele dia.

- Já esqueci.

- Não, eu pesso desculpas por ter falado naquele momento, não pelas minhas palavras.

- Só pode estar brincando. - esbravejei alto, o que só fez ele se aproximar mais.

- Estou falando a verdade, tudo que eu disse era verdade, eu bebi um pouco, aquilo foi suficiente pra perder o controle e falar tudo que queria há muito tempo.

Seu olhar era tão sincero, mas ainda sentia receio.

- Sempre soube que eu gostava tanto de você, JongDae, e ignorou. - puxei minhas mãos para baixo, mas ele as prenderam para cima novamente.

- MinSeok, você era uma criança, eu cresci primeiro, tinha tantas dúvidas e você precisava crescer também, não queria te limitar de nada.

Disse tão rápido, como se tivesse treinando aquilo há dias.

- Não importa.

- Eu queria ter certeza que poderia me virar sozinho, mas ainda há muito o que aprender. - suspirou e olhou para baixo.

- E eu só queria aprender a viver com você, mas preferiu me esquecer, apenas para ser mais fácil. - ri sem humor. - Será que pode me soltar?

- Você sabe que o amo, desde sempre, desde quando éramos crianças.

Naquele momento eu fiquei em silêncio, era a minha hora de falar que sentia a mesma coisa, mas eu não conseguia. Nossos rostos estavam próximos, eu sentia sua respiração em minha bochecha, cada segundo mais perto.

- Chen, estamos aqui já faz tempo. - tentei não gaguejar com aquele contato, o que deu certo, apenas naquela hora.

- E eu gostaria de ficar mais tempo. - soltou uma das minhas mãos e segurou suavemente em meu maxilar, arqueado meu rosto para fitá-lo.

- M-Mas eu não. - virei o rosto. - Você está estranho.

- Eu cansei de tanta confusão, podemos acabar com isso, podemos finalmente nos entregar, sem temer algo que nós próprios criamos.

JongDae soltou minha outra mão e segurou meu rosto com as duas, eu sabia o que ele ia fazer, não queria mais hesitar. Sem pensar duas vezes, ele selou nossos lábios, no começo eu fiquei sem reação e apenas fiquei parado, então ele começou a se mover, eu não sabia o que fazer, era meu primeiro beijo. Ele mordeu levemente meu lábio inferior, fazendo com que eu abrisse a boca, logo a invadindo com desejo. Eu não conseguia o acompanhar direito, ele percebeu e começou a fazer tudo mais lentamente. O que eu temia estava acontecendo, suas mãos desceram do meu rosto e pousaram em minha cintura, JongDae apertou bem forte, até tentei tirar suas mãos de lá, mas ele não desistiu e continuou trilhando meu corpo.

- Deixe acontecer, gatinho. - deu um selinho estalado, e me olhou com um sorriso malicioso. - Não esperou por isso também?

- Chennie, o papai não ia gostar disso.

- Ele não precisa saber. - continuou beijando meu rosto. - Você nem é mais tão pequenininho assim.

- Não diga bobeira. - falei com um bico nos lábios.

- Não está gostando?

Deslizou suas mãos até minhas nádegas, confesso que fiquei surpreso, ninguém pode tocar assim no meu bumbum.

- JongDae! - abaixei a cabeça envergonhado, meu rosto deveria estar tão vermelho.

- Fique tranquilo, vou fazer uma coisa que você vai gostar muito. - ele me virou de costas e abriu o zíper do macacão, me ajudando a tirar por completo. - Só não hesite, ok? - me encarou e eu apenas assenti.

- Isso não é errado? - fechei meus olhos, estava envergonhado demais para ver aquilo.

- Não mais.

Senti a respiração de JongDae nas minhas costas, aquilo me fez arrepiar, meu corpo estava tão quente.

- Vire pra mim, Baozi. - pediu assim que beijou uma de minhas nádegas.

- Chen, n-não esqueça que ainda estamos no banheiro de sua casa, e lá fora tem muita gent...

Mordi meu lábio inferior logo que a mão de JongDae acariciou meu membro, ainda por cima da boxer, eu sentia algo estranho no pé da barriga, era bom, mas sabia que ficaria melhor.

- O que dizia mesmo? - me olhou de baixo, ajoelhado na minha frente.

- Nada... - encostei minha cabeça na parede, dando um alto suspiro.

Escutei uma risada baixinha, mas nesse momento não estava mais ligando para nada. Cansado de tanto enrolar, ele puxou minha boxer para baixo, deixando amostra meu membro totalmente ereto, nunca tinha ficado daquele jeito antes, meus olhos arregalaram.

- JongDae... por que..

- Não há nada de errado. - colocou a ponta do seu dedo em minha glande, brincando com aquele pré-gozo. - Você só está excitado, não é bom?

- É sim.. - Cada vez que ele me tocava, eu sentia que precisava um pouco mais.

Deu início a uma masturbação pequena, foi bem rápido. Ele logo parou com aquilo e passou a língua por toda extensão do meu membro, foi automático eu fechar as pernas e apertar os olhos, mas JongDae deu apenas duas batidinhas em uma das minhas coxas, eu entendi o que ele quis dizer e a abri novamente.

- Não quer sentir algo melhor ainda? - úmideceu seus lábios, enquanto passava seu polegar para cima e para baixo, em minha cintura.

- Mas demora tanto, está doendo um pouquinho, Chennie. - coloquei minha mão sobre meu pênis.

- Vai passar. - disse tirando minha mão. 

Brincou com sua língua, fazendo movimentos circulares, até ocupar toda a sua boca com meu membro, ele estava fazendo aquilo tão rápido, não poupava meus gemidos, sorte que o som estava alto demais e ajudava também. Apoiei minha mão na cabeça de JongDae, acompanhando seu ritmo, meu prazer estava aumentando, e cada vez que aumentava, eu segurava mais firme em seus fios húmidos. Mas de repente começou a diminuir, eu estava ofegante e olhei para baixo, Chen limpava o canto da sua boca com a própria língua, um líquido branco e estranho, mas ele parecia gostar tanto.

- Chennie... isso é bom? - joguei a franja para trás, qual atrapalhava minha visão.

- Tudo vindo de você é bom, Min. - deu um selinho em minha barriga antes de levantar.

Escutamos três batidas na porta, JongDae se assustou e me olhou nervoso.

- Que droga! - se apoiou na pia.

- JongDae? Você ainda está aí? - disse a voz de Zitao, ainda meio abafada pela porta.

- Omma... aconteceu um problema..

- Com o que? Abra a porta. - tentou abrir, mesmo trancada. - Onde está o MinSeok? Todos estão esperando vocês.

- Estou aqu... - Chen rapidamente tapou a minha boca, e depois de alguns segundos soltou.

- Não fale nada. - sussurrou.

- Ele.. não sei. - riu nervoso. - Acho que ele está aí fora. Omma, eu vou acabar de me arrumar, o problema era com a banheira, mas já está tudo funcionando.

- Ah, verdade, ele já está bem velhinho. Se apresse. - escutei seus passos se distanciarem.

- Meu coração quase parou. - disse aliviado.

- Que drama, ChenChen. - cruzei os braços.

- Drama seria se seu pai soubesse que apenas nos beijamos, imagina o resto. 

- Tem razão.. - não era legal nem em pensar na reação do appa, ele ia pirar. 

- Meu trabalho pode se considerar incompleto. - tirou toda sua roupa e jogou para qualquer lado.

JongDae me pegou no colo e entrou na banheira comigo.

- Está fria. - me encolhi, Chen tinha um sorriso lindo nos lábios, ele me olhava com tanto carinho. 

- Ela ficou esperando por nós há muito tempo. - jogou mais água para cima de mim. - Gatos normalmente não gostam de água.

- Não estou mais com essa fantasia, então não sou mais um gato.

- Mas estava tão lindo, uma pena que deve estar estragada, queria uma foto só pra mim. - disse com olhos pidões.

- Hum, isso não vai ser um problema.

Ele me puxou pelos braços, fiquei em seu colo brincando com seus cabelos, enquanto o mesmo me enchia de espuma.

- Tudo que eu disse naquele parque foi verdade. 

- Eu acredito, e queria que soubesse que sinto a mesma coisa. - escondi meu rosto em seu pescoço, ele me apertou mais forte em seus braços. 

- Acho que esse foi o melhor Halloween de todos.

- Tenho certeza que foi. - dei um selinho demorado em Chen, devo ter o pegado de surpresa.

Bem que as coisas poderiam ter sido mais fáceis, mas acho que algumas coisas precisam dar errado, pra poder dar certo...

Ou eu estou ficando louco


Notas Finais


Ficou meio grandinho, mas eu fiz com muito carinho, mesmo sendo a mais atrasada do baile heheh
Foi do nada também, o que importa é o XiuChen interagindo ❤❤

For you --> https://spiritfanfics.com/historia/for-you-10775441

Até qualquer outro dia ❤👑


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...