1. Spirit Fanfics >
  2. For Whom I Went >
  3. Capitulo VI

História For Whom I Went - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Oiis galera!

Eu não tenho muito oque dizer hoje então...

Boa Leitura!!

Capítulo 7 - Capitulo VI


Fanfic / Fanfiction For Whom I Went - Capítulo 7 - Capitulo VI

Michael 

 

Os dias haviam sido extremamente cansativos. Por conta da turnê, tive tantos eventos promocionais e reuniões  que mal pude acreditar. Fora os encontros com patrocinadores e pessoas influentes fãs e tudo isso. Me sentia como trapo. O estresse parecia ter triplicado principalmente com a situação em que me encontrava em relação a Eva.

Desde aquela noite não se passou um único dia em que eu não pensasse naquele beijo. Foi o suficiente para que eu tivesse sonhos realmente surpreendentes e imorais, imaginando como seria se tivéssemos feito mais do que aquilo. 

Foquei na paisagem passando pela janela enquanto refletia sobre o'que havia feito até ali. Ignorá-la tinha sido o único caminho plausível a ser tomado e foi literalmente o'que fiz durante todo esse tempo, mas Deus, isso era tão difícil. 

Era difícil porque conforme o tempo passava eu queria estar mais perto dela, tocá-la novamente, sentir o calor do seu corpo contra o meu. O'Que antes eu achava ser só uma atração sexual, começou a evoluir sem que eu tivesse controle sobre isso. Eu precisava dela. Vê-la já era o suficiente para que meu mau humor desaparecesse e desse lugar a pensamentos animados, mesmo que em uma situação tão complicada como a nossa, ela havia se tornado a pessoa que eu mais queria ver no dia.

Nunca a expressão "quanto menos se pode ter, mais se quer" fez tanto sentido. 

Continuei pensando nisso até finalmente chegar no estúdio onde Thomas me aguardava junto ao pessoal da banda. 

 

— Mike! Você demorou em. - Sua voz ecoou pelo local mas seu rosto estava concentrado na guitarra que tinha no colo. 

 

— Sim, eu sei. Foi horrível! - Torci o nariz em desaprovação.

 

— Não deveria falar assim sobre seus compromissos. Eles que ajudam a bancar a turnê de uma forma ou de outra. - Ele  riu da minha cara emburrada e continuou — Pelo menos não teve que dar aula esses dias. Agradeça ao Paul. 

 

— Irei fazer isso sim.- Respondi, completamente frustrado. 

 

Apesar de não estar falando com Eva, vê-la ensaiar minhas músicas ainda era uma das coisas mais fascinantes pra mim. Os passos mais simples pareciam provocações silenciosas. Por que eu tinha esse tipo de  necessidade com ela? Eu ficaria louco, tinha certeza.

 

Me sentei em um banquinho perto de Thomas, a banda estava ocupada ligando e afinando os instrumentos enquanto meu amigo dedilhava a gibson vermelha em suas mãos. Suas sobrancelhas grossas e escuras estavam unidas por conta de sua concentração. Os fios castanhos estavam unidos em um topete alto e os olhos azuis focados nas cordas. Olhando daquele jeito, ele até parecia um astro do rock, desses que usam jaqueta de couro de tem garotas nos seus camarins depois do show. Com certeza ele tinha muita experiência com garotas, e possivelmente, já havia passado pelo que eu estava passando. 

Decidi por fim, pedir um conselho de como lidar com isso. 

 

—  Tommy...- Comecei sem jeito. Não costumava fazer aquele tipo de coisa — Eu preciso de um conselho. Ele me encarou confuso e surpreso deixando a guitarra de lado.

 

—  Lembra quando nós conversamos sobre aquela coisa de.. hmm.. Instinto incontrolável e coisa e tal?  - Eu abaixei meu tom de voz. Não queria mesmo que os outros ouvissem. Desviei o olhar para o chão pois estava tímido, mas Thomas me olhou de forma maliciosa enquanto eu prosseguia.

 

—  É que tem essa garota que eu mal conheço. - me ajeitei no banco desconfortável. — Ela não costuma ser meu tipo de garota mas eu não sei.. Quando eu estou perto dela...

 

—  Você sente como se pudesse atacá-la a qualquer momento, não é? - Ele completou tão bem que meu queixo caiu. Sim! Era essa a definição exata.—  Oh meu Deus Mike! Quem é?

 

—  Isso não vem ao caso. - bufei impaciente. —  Quero saber como fazer Isso parar. 

 

—  Ora Michael, você sabe bem como fazer parar. - Ele me olhou como se fosse a resposta mais obvia do mundo e eu neguei com a cabeça prontamente.

 

—  Não posso. Preciso de outra solução.- O olhar esperançoso.

 

—  Por que? Ela negou seu pedido para sair?- Ele me olhou curioso. Minha reação foi olhar pra ele sem jeito. Nem sequer havia pensado nessa possibilidade e pela minha cara, Tommy percebeu o'que eu quis dizer. —  Você nem saiu com ela? Oque é isso Mike! Voltou a ser um adolescente?- Ele riu do meu desespero e suspirei pesado.

 

—  Eu não consigo pensar direito do lado dela. Eu praticamente a agarrei outro dia. - Confessei derrotado. Só me dei conta quando já havia soltado as palavras.

 

—  Certo… Mas o importante é, ela correspondeu Michael? - Ele sussurrou ao meu ouvido como se fosse um segredo.

 

—  Bom.. Sim. - Disse prontamente ainda confuso com sua provável conclusão.

 

-Até demais!- pensei.

 

—  Então talvez esse seu estado seja seu amiguinho ai embaixo pedindo por mais. - Ele brincou achando graça de minha situação—  Ele sempre teve tudo que quis e agora está sendo privado de brincar.- O olhei feio mas logo uma luz se acendeu em minha mente. 

 

Parando pra pensar, talvez seja exatamente isso que esteja acontecendo comigo. Sou um homem acostumado a ter tudo que quero e como não posso tê-la, meu corpo me castiga dessa forma. 

Talvez se eu tivesse o'que tanto quero, essa vontade insuportável desaparecesse.

 

—  Chame ela pra sair, Mike. Veja oque acontece. - Ele sorriu diabólico sabendo que eu ia seguir seus conselhos. —  Aproveite e diga a ela que agradeço por provar que eu estava certo.- Ele piscou em minha direção mas antes que eu pudesse responder, Tommy chamou a atenção de todos para que começássemos o ensaio. 

 

Eu o mataria se seu conselho não tivesse de fato ajudado. Iria chamá-la para sair, mas como? Eva era um mistério para mim. Só tínhamos contato na sala de dança e não podia convidá-la na frente dos outros. 

Pense Mike, o'que poderia ser feito nessa situação? O que eu faria se ela dissesse não? 

Me sentia como um adolescente com a  primeira crush.  Eu subia em palcos para milhares de pessoas, por que estava tão nervoso eu chamar uma garota pra sair? 

 

Provavelmente porque ela me odeia pelo que eu fiz. Ela não tem motivos pra aceitar mas, talvez, nem tudo estava perdido. Pelo menos, eu esperava que não.

 

O ensaio se seguiu incrivelmente satisfatório. Houveram pouquíssimos erros mas estávamos indo bem e isso era o mais importante. Depois de várias horas, ensaiando e repassando as músicas resolvi por fim dar por encerrado. Olhei no relógio em meu pulso que marcava 21:30. As horas passaram tão rápido que mal pude perceber. 

Todos estavam guardando seus instrumentos enquanto conversavam animados. Apesar de ser minha equipe, me mantinha um pouco recluso. Não parecia mas eu era mesmo tímido. Havia muitos assuntos que me deixavam sem jeito com facilidade por isso evitava.Hoje não seria diferente. Ou pelo menos era oque eu pretendia fazer,se Tommy nao tivesse me incluído na conversa. 

 

— Hey Mike, o'que acha?- Ele sorriu animado correndo em minha direção. Ele me abraçou pelo ombro, se apoiando minimamente em meu corpo.— Vamos a um clube! Um amigo meu me contou de um lugar incrível e discreto. 

 

O olhei desconfiado. Não costumava ir a esses lugares. Na verdade em nenhum lugar. Sempre que saia de casa era sempre um pandemônio. Paparazzi, fãs e correria por todo lugar. Embora tivesse alguns disfarces muito bons, era complicado sair sem ser percebido.

 

—  Nao sei, Tommy. Você conhece minha situação.- conclui o olhando apreensivo.

 

—  Ah vamos. Você ficou o dia inteiro trabalhando e só tem 34 anos! - Ele insistiu e se aproximou de meu ouvido sussurrando logo em seguida.—  Talvez até esqueça aquela moça por algumas horas.- O olhei fixamente ao perceber que tipo de lugar era a tal boate. Olhei envolta e todos me olhavam em expectativa. 

Normalmente não ia a esse tipo de lugar. Me sentia constrangido por achar que certas coisas só deveriam ser feitas entre quatro paredes. Não que julgasse as mulheres que trabalhavam nesse tipo de clube, pra mim uma dama é uma dama e exatamente por esse motivo nao frequentava esse tipo de lugar. Contudo, precisava mesmo que minha mente e meu corpo tivesse uma folga. Precisava de  alívio e tinha que concordar com Tommy.

 

—  Certo.. Eu vou dessa vez.- Concordei tímido estava desconfortável mas pelo menos teria a companhia de meu amigo e no pior dos casos poderia sair correndo de lá. 

 

—  Ótimo, então hoje vamos sair pra curtir um pouco.- Comemorou e voltou a me olhar.— eu encontro com você em Neverland. Vista-se de forma discreta, Michael. - ele fingiu me advertir e acabei por rir. Ser discreto não era muito meus estilo quando se tratava de roupas. 

 

—  Farei o meu melhor.- Dei de ombros despreocupado acabando por arrancar risos da equipe toda enquanto caminhávamos para fora do estúdio.

 

Seria uma noite longa afinal.

 

[...]

 

A música era ensurdecedor de tão alta. As batidas, pareciam reverberar por todo meu corpo. Garotas dançavam com roupas provocantes em látex de diversas cores, presas em gaiolas, usando as grades para suas performances acrobáticas e sensuais. A máscara em seus rostos protegia as identidades mas ainda sim eu me sentia completamente fora do meu ambiente.

Ali, sentado na mesa da área vip rodeado de meus colegas e algumas garotas que dançavam e se esfregavam em seus colos. Tentava escapar dali, havia sido uma péssima ideia. Me levantei dando a desculpa de que iria ao banheiro e assim sair daquele canto. Surpreendentemente não havia sido reconhecido ainda. As pessoas envolta estavam tão envoltas nas batidas, álcool e jogo de luzes que não perceberam. Respirei aliviado ajeitando a blusa social escura que usava, correndo em direção ao corredor o qual julgava ser o banheiro e graças a Deus estava certo. Sim, havia um banheiro particular para a área vip, imaginava se muitos artistas costumavam ir aquele lugar. Me olhei no espelho por alguns minutos, apoiando as mãos na pia de mármore escuro enquanto respirava. O fedora apesar de característico havia virado “moda” então o fato de usá-lo não era significava muita coisa. Ajeitei os fios cacheados como podia e logo em seguida lavei as mãos, esperando que água gelada levasse um pouco de minha timidez junto a ela.

 

Quando sai do banheiro o ambiente estava diferente. Da área vip podia ver várias pessoas amontoadas em volta do que parecia um pequeno palco com um pole dance no centro. Pareciam aguardar ansiosos enquanto um foco de luz iluminava o objeto metálico. Quando cheguei novamente a mesa, estava somente Tommy ali. Olhei em volta confuso enquanto via o moreno virar o copo de whisky, seus olhos também estavam focados no palco.

 

 — Onde estão os outros? - Perguntei olhando em volta enquanto me sentava no mesmo lugar de antes. 

 

— Foram pra algum lugar com as garotas, nao sei bem.- Tommy respondeu dando de ombros mas sem  tirar os olhos do palco. Parecia mesmo interessado no que haveria ali. 

 

— O que está acontecendo? - Acompanhei seu olhar para o palco-

 

— As garotas disseram que é a melhor parte da noite. Também estou curioso. - Ele respondeu animado.

 

— Oh, sério? - Disse verdadeiramente surpreso. Assim como uma criança, eu era extremamente curioso por isso, quando as cortinas se abriram revelando a silhueta de várias garotas escondidas por sombras devido às luzes que refletiam contra elas.

 

Assisti toda aquela performance  intrigado. A multidão gritava enlouquecida enquanto as dançarinas se mantinham paradas em poses sensuais. Me ajeitei no sofá de couro, de modo que pudesse assistir melhor aquela cena inesperada. Assim, ao ouvir a deixa de umas de minhas canções arregalei os olhos. Me virei para Tommy no mesmo momento em que ele me olhou, tão surpreso quanto eu. 

 

Conhecia bem aquela batida sombria. Dirty Diana era uma das minhas músicas favoritas. Foquei meus olhos novamente nas garotas no palco esperando ansioso. Assim, elas deixaram o palco até sobrar apenas uma que parecia esperar por sua deixa.

Ela caminhou pelo palco enquanto a luz baixava a revelando, expondo o corpo perigosamente coberto pelo projeto de short de couro preto, as botas de cano alto  cobrindo até acima de seus joelhos. Na parte de cima, uma jaqueta de couro com várias tarraxas prateadas e por baixo, apenas um sutiã rendado também preto que mal cobria seus seios fartos. Procurei seu rosto, mas este estava coberto pela máscara preta, que cobria ao redor de seus olhos escuros. Um sorriso diabólico estampava os lábios pintados de vermelho me causando calafrios. Os fios castanhos soltos por suas costas, movendo-se tão sensualmente que parecia intencional. Senti meu corpo inteiro se arrepiar, um calor bem conhecido por mim se instalou entre minhas pernas.

Ela caminhava com firmeza. Uma tigresa pronta para atacar. Ela era uma bad girl que estava disposta a qualquer coisa e ninguém entraria em seu caminho. 

 

Enquanto a música tocava, ela fazia caras e bocas, aproveitando-se das curvas que tinha, seduzindo os desavisados. Aquela mulher era um verdadeiro pecado. 

Quando suas mãos tocaram o cano de aço, automaticamente levei a mão a minha virilha, imaginando como seria sentir aquela sensação. Ela passou a usar o poste, rebolando e se esfregando naquele objeto como se ele fosse parte de seu corpo. Como uma feiticeira, ela havia atraído a atenção de todos. 

Cada vez que jogava o cabelo era como uma facada no meu coração que vez ou outra falhava as batidas. Enquanto ela dançava pude vê-la olhar em nossa direção. Naquele momento eu pude ter certeza que seus olhos brilharam quando se encontraram com os meus. 

Franzi o cenho me levantando imediatamente, sentindo a descarga elétrica invadir meu corpo quando ela sorriu pra mim. Diretamente para mim. Podia jurar que conhecia aquela garota. 

Mais alguns segundos se seguiram nessa tortura e só me dei conta de quem se tratava quando a dançarina tirou a jaqueta no final da performance, expondo seu tronco coberto apenas pelo sutiã. Ao ver a adaga  tatuada no topo de sua coluna arregalei os olhos sentindo a ar faltar em meus pulmões.  Reconheceria aquela tatuagem em qualquer lugar...

 

...Eva…

 


Notas Finais


E entao voces estao gostando?

Deixe nos comentarios oque voce acha que vai acontecer agora haha

Ate o proximo cap!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...