1. Spirit Fanfics >
  2. For You >
  3. Meu primeiro amor

História For You - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi mais um capítulo para vocês
Espero que gostem.
😘😘😘

Capítulo 7 - Meu primeiro amor


Fanfic / Fanfiction For You - Capítulo 7 - Meu primeiro amor

Hoje eu e as meninas decidimos tirar um dia só para nós, precisávamos de descanso, era muito estresse já para somente dois dias em Hollywood, sendo assim, Gi teve a brilhante ideia de irmos ao cinema, precisávamos de distração. Cada uma já estava vestida, mas desanimadas, o que foi dito ontem realmente acabou deixando Liz e Mel tristes, elas são sensíveis então não conseguem segurar o choro ou a amargura por tanto tempo, elas explodiam em lágrimas e não em raiva que nem Jade, que era ótima em argumentar contra o inimigo rebaixando eles a zero, porém, ela entende a palavra “limites” e soube que ontem, eu seria a mais sensata a resolver o problema, pois havia muitas coisas na minha cabeça e nada do que eu pensava parecia o certo a se fazer, naquela hora, o certo pra mim era ter dado uma bela surra nos projetinhos de gente paradas na minha frente, porém por alguma razão, a voz da minha mãe apareceu na minha cabeça “ Não é a hora certa agora, você terá uma chance única e perfeita pra fazer elas pagarem por tudo, mas agora... Não... Isso vai só te desgastar e ferir quem está ao seu redor” e ela tem razão, vou vingar a todas nós na hora certa, vai ser difícil? Vai, mas será satisfatório o resultado final.

Dormimos pouco até, tá bom dormimos muito, acordamos na hora do almoço e saímos correndo no hall do hotel em direção ao salão onde serviam as comidas, só estavam nós junto com a mãe de Liz e seu irmãozinho, que deixaram as meninas mais a vontade, não nos esbarramos no trio o que me deixou aliviada, mas não podia deixar de ficar preocupada com o que Jennifer me disse ontem, Mina poderia se juntar as meninas ou visse e versa, se eu ou Liz fizermos algo que ela não goste, Mina terá como se vingar já que tem influência e o trio tem uma mente incrivelmente perversa e habilidosa, isso realmente me assusta.

Nem subimos de volta para o quarto, fomos direto para as ruas, eu andei com elas nos lugares mais próximos que conheci ontem, e em seguida nos direcionamos a entrada do cinema, lá compramos várias guloseimas e escolhemos dois filmes para assistir, um era de romance, outro de terror, típica escolha de Liz e Jade. Depois de assistir um, saímos e esperamos alguns minutos pra assistir o outro.

- Com licença, posso me sentar aqui? – Pergunta um garoto que não consegui reconhecer por conta da escuridão. Olho para o meu lado direito que está vago e assenti, o mesmo se senta.

O filme começa, normalmente, estávamos bem vidradas, nem cochichando uma com a outra estávamos, em uma cena, onde a mulher desprovida de inteligência vai procurar o que está fazendo o barulho em seu quarto, o bicho fantasmagórico aparece de repente, fazendo as meninas gritarem, principalmente Liz que odeia filme de terror.

- Não quero mais. Deixa eu sair. – Implora Liz. – No meu quarto que não durmo essa noite.

Seu comentário fez nós 4 rir. Sinto um líquido gelado escorrer pela barra de minha camiseta pelo meu shorts até alcançar meus sapatos, com raiva olho para meu lado e vejo o garoto desesperado pegando um monte de lenços de sua sacola.

- Sinto muito, estava tomando refrigerante, fui colocar de volta e com o susto derrubei. – Lamenta.

- Olha, não se preocupe, é só refrigerante. – Olho para as meninas e aviso que vou até o banheiro. Lá dentro, me limpo o máximo que posso, mas estava toda grudenta e isso me irritou, porém não era motivo para descontar no garoto, não posso culpá-lo estava escuro e foi bem na hora do susto. Saio do banheiro balançando a camiseta molhada de cabeça baixa na esperança de que esse pequeno ato fizesse com que secasse.

- Moça, sinto muito mesmo, eu achei que estava colocando no lugar certo. Desculpe de verdade. – Se lamenta novamente.

- Olha, não esquenta com isso, não estou zangada, você não teve culpa, estava escuro e aquela cena apareceu bem na hora, sério, pare de se lamentar. – Digo sem levantar o rosto, amarrando a parte molhada da camisa, formando um cropped da mesma, levanto meu rosto. – Noah?!! Seu filho da mãe imprestável!!! – Pulo nos braços do meu amigo o apertando com força, ele retribui o abraço, cheirando meu pescoço. – Para de me cheirar, seu estranho.

- Desculpa. – Diz o mesmo, inexpressivo. – Não achei que te encontraria aqui.

- Se você respondesse minhas mensagens e atendido minhas ligações, você saberia que estaria aqui. – Respondo o mesmo irônica desferindo tapas nos seus braços. – E desde quando você implora por desculpas?

- Estou em terras desconhecidas, preciso ser educado o máximo que posso se eu quiser que o Studio funcione aqui. – Responde brevemente.

- Estou furiosa com você, vontade de te torcer o pescoço! – Em voz alta e com os olhos semicerrados o encaro. – Mas minha saudade por você é maior! Bem maior! – O agarro novamente para um abraço bem apertado. – Você não sabe a falta que me faz, não vivo sem você Noah.

- Desculpe, eu queria ter te contatado, mas... Fiquei ocupado. – Hesita.

- O que faz aqui sozinho? Você nunca vem ao cinema sem estar acompanhado de uma bela garota, cadê sua presa do dia? – Pergunto curiosa de braços cruzados.

- Na verdade... Levei um fora... – Suspira.

- Pera, está me dizendo que o grande Noah Flin levou um fora? – Repito suas palavras surpresa.

- Eu estava saindo com uma garota, ela estava aqui antes do filme começar... Não era nada sério, estávamos só ficando... Mas ela queria algo sério e ficou me atormentando com isso, que acabei confessando que eu não podia namorar ela, por que meu coração pertence a outra pessoa. – Responde me olhando com vergonha.

- Você nunca ficou com uma garota por mais de uma semana, mas ficou com essa por dois meses e meio? – Falo debochando. – Noah, não é a toa que a garota te daria um fora, se seu coração pertence a outra, não deveria tentar esquecer ela sem ao menos contar não é? Ou você já contou mas não superou? – Encho ele de perguntas.

- Não, ela nem sabe ainda, e tenho medo de estragar algo entre nós.

- Noah, eu te amo e você é meu melhor amigo desde que eu era um bebezinho, e eu te digo que você precisa contar pra ela, se não contar imediatamente, ela pode se apaixonar por outro.

- Eu queria faz...

- E por ser meu amigo desde pequena, você deveria ter mantido sua promessa seu cabeção!! – Interrompo ele.

- Mas Clarie, a gente iria se ver obrigatoriamente daqui a três dias.

- Não interessa, fiquei meses sem falar com o único homem que tenho na minha vida, o único que acompanhou meu desenvolvimento e me protegeu! E você disse que não cortaríamos contato! – Resmungo com o semblante bravo.

- Pare de drama.

- Drama o caramba!! Você prometeu!

- Tá bom, então vou refazer a promessa melhorada... Prometo não desgrudar de você novamente.

- É bom cumprir dessa vez, se não vai ser punido. – Encaro com olhos semicerrados e logo o puxo pelo braço. – Venha, vamos terminar de assistir o filme.

Passei o filme todo encolhida no braço musculoso de Noah, ele era o único que me deixava mais aliviada, estava quase dormindo quando as luzes acenderamm indicando que o filme havia acabado. Já fora do cinema, as meninas cumprimentam Noah e começam a comentar sobre o filme.

- Bom, preciso ir. – Diz Noah, que me olha agarrada em seu braço, estava morrendo de saudade e precisava dele pra me acalmar.

- Não vai não. – Me aperto mais em seu braço.

- Noah? – Uma voz feminina desconhecida emerge a alguns metros em minha frente.

- Jess? – Fala Noah, encarando a mesma, que me encara agarrada ao seu braço, logo me solto dele e dou alguns passos em segurança para mais perto das meninas.

- Voltei porque tinha me arrependido de ter dito aquelas palavras a você... Na esperança de que não encontrasse a garota... Mas acho que já encontrou... – Diz de cabeça baixa. Sem dizer mais nada ela sai correndo com as mãos no rosto.

- Desculpa Noah, se eu não tivesse grudada em você, ela não teria feito suposições, se quiser, ainda dá tempo de ir até ela e explicar as coisas. – Me ofereci.

- Não será possível, mesmo que tenha gostado um pouco dela, não é ela quem eu amo. – Ele então retira as chaves do carro de seu bolso. – Querem uma carona? Vai ser apertado já que estamos em maior número, mas, é mais seguro. – Aponta para o céu que estava escuro.

Adentramos em seu carro, eu estava na frente, ao seu lado e as meninas se ajeitaram atrás, no caminho as meninas conversavam com Noah sobre tudo o que havia acontecido durante todo o tempo em que ficamos longe um do outro. Chegando no hotel, Noah se despede de todas, menos eu que me encolhi no banco.

- O que foi Clarie? – Pede Noah.

- O que deu? – Liz.

- Vamos entrar logo, tá frio aqui fora. – Gi.

- Acho que devemos deixar os dois conversarem. – Diz Mel, puxando as meninas até a entrada.

- E então? Quer me contar o que houve? – Pergunta Noah preocupado.

- Sabe o quanto precisei de você? Eu tô quase explodindo Noah! Eu achei que estivesse bravo comigo, ou me ignorando por vontade própria. – Digo o olhando com semblante choroso.

- Eu não estava te ignor...

- A não?! Então me explica por que mandava mensagem pra Mel, mas as minhas você somente visualizava?

- Como você...

- Como eu o que? Como eu soube? Fácil, vi seu nome na tela do celular dela... Eu fiz algo de errado? Noah, por favor fiz algo que te magoei?

- Não, não é isso...

- Então o que é? Eu fiquei todo esse tempo me culpando, achando que estava sendo somente um peso em sua vida, que não estava retribuindo favores como é pra ser em uma amizade... Noah... Tem algo de errado comigo? Me diz o que tem de errado por favor... – Suplico já com olhos cheio de lágrimas, pronta pra chorar.

- Não tem nada de errado com você, ou com a nossa amizade Clarie... Só não estou preparado pra contar... Mas não se preocupe, não é com você... Por favor não chore. – Me encara, enquanto passa seus dedos em meu rosto, secando as poucas lágrimas que caíram. Escutamos batidas na janela do carro, me ajeito baixando a mesma, era Taylor.

- Oi Taylor, o que foi? – Pergunto.

- Nada, é que vi as meninas saindo do carro e pensei que estaria aqui ainda, algum problema? Você está bem?

- E por que não estaria? – Indaga Noah.

- Noah, que isso para. – Digo sussurrando para que só Noah escute. – Eu estou bem, esse é aquele meu melhor amigo em que comentamos no jantar, Taylor Noah, Noah Taylor. – Apresento, os dois, que não falam nada, só trocam olhares desafiadores.

- Bom.. Está tarde. Se está tudo bem mesmo, vou indo... Mais tarde quero falar com você Clarie. – Informa Taylor.

- Okay, até mais. – Fecho o vidro e encaro Noah. – O que foi isso?

- A por favor, ele pensa que eu sou o que? 4 meninas saem do meu carro de boas sorridentes, encontram com o cara no corredor, e nem pra falar com elas primeiro? Pra saber melhor antes de vir com insinuações? – Pragueja Noah.

- Ele não sabia quem era você, só estava preocupado.

- Vai proteger o famosinho?

- O que deu em você Noah? – Digo repreendendo o mesmo, que abaixa a cabeça.

- Nada...

- Bom, melhor sairmos daqui, antes que mais alguém insinue que você está me molestando. – O mesmo liga o carro e já estamos na rua.

~~~~~~~~ NOAH ON ~~~~~~~~

A minha pequena estava sentada confortavelmente no banco, mas mesmo assim, seus olhos diziam estar com dúvidas e cheio de dor, ela realmente vai explodir se mais alguma coisa acontecer, eu preciso que ela melhore.

- Quer me contar o que está te afetando? – Pergunto preocupado.

- Tudo Noah... Tudo... Eu sinto falta dos meus pais, foi um avanço enorme depois que adotei Mel... Ela me fez esquecer de chorar por eles... Mas... Eles morreram de forma tão brutal... Sem merecer.

- Ninguém merece morrer como seus pais, você está sendo forte o suficiente, mas comigo, você pode desabafar, pois se você deixar acumular, vai acabar perdendo a cabeça e fazendo coisas sem pensar.

- Eu sei... Eu só... Me sinto tão inútil, tão substituível... Tão... Vazia... Incapaz de fazer qualquer coisa... Eu... Sou tão fraca, não consigo mais lidar com o que vem acontecendo... Noah as coisas podem piorar e eu não sei se vou conseguir proteger as meninas de tudo... – Começa chorar, desesperadamente, ver ela assim parte meu coração, mas o que ela precisa agora, e falar tudo e chorar tudo que acumulou enquanto estive ausente... Droga, eu não deveria ter ficado ausente... Não deveria evitá-la.

Ficamos dando voltas, enquanto escutava cada coisinha que minha princesa dizia entre o choro, até ouvir um silêncio que durou mais do que o acostumado, escutei ela parar de chorar, então sua voz suaviza, ela se acalma e encosta a cabeça no banco.

- Obrigada Noah, precisava disso.

- Por nada... Me desculpe por ter te deixado sozinha todo esse tempo, e passado por tudo isso sozinha.

- Você está aqui agora, e isso é o que importa. – Ela olha pra mim, sorri e toca minha mão que está na embreagem. Adorava sentir o toque de suas mãos macias. – Noah, posso te perguntar uma coisa?

- Claro, o que quiser. – Respondo, ela estava sonolenta, bocejando.

- Por que me beijou naquele dia na casa da Liz? – Droga, não queria que ela tocasse no assunto, o que eu poderia dizer?

- A... Aquilo... Foi no calor do momento, não saia com uma mulher fazia dias, desculpe. – O que deu em mim? Não podia ter falado isso, eu não usei ela, mas não estava pronto para responder.

- Mas... Eu... Senti algo... – Diz pausadamente com a voz mais baixa.

- O que? – O que ela sentiu? Eu preciso saber se vou ficar na Friendzone ou se tenho alguma chance.

- Meu coração... Você... Foi... Meu primeiro... Beijo... – Meu coração de repente começou a bater muito forte, contra a minha vontade.

- O que você quer dizer? – Peço mais detalhes.

- Você é... Meu... Primeiro... Am... – Ela para de falar.

- Primeiro o que? Sou o seu primeiro o que? – Olho para o lado e a vejo dormindo, ela quis dizer o que? Preciso saber com mais clareza.

Como estava muito cansada e eu não queria acorda-la, levo ela até meu apartamento, tinha comprado um, já que iria abrir o Studio aqui, teria que ficar em algum lugar fixo e seria melhor em um AP, tiro Clarie delicadamente do carro, fechando o mesmo, com ela no colo, entro no elevador o que estava lotado com alguns moradores, rezei internamente para que Clarie não acordasse com o barulho, como resposta, sinto sua cabeça se aconchegar mais em meu peito e sua mão cobrir seu rosto.

- Noah... Te amo... – Sussurra pausadamente, o que faz meu coração palpitar, eu iria ter um treco, por que ela disse essas palavras?

- Sua namorada é uma graça Noah. – Diz minha vizinha que estava acompanhada de sua filha.

- Que romântico você carregando ela no colo. – Fala sua filha.

- O grande Noah, sua nova namorada? – Pergunta um senhor outro vizinho meu.

- Não, ela não é a nova... É a única.. – Digo olhando para o rosto tranquilo e adormecido de Clarie.

- Aaaa ela é aquela garota do Brasil de quem nos falou tanto? Seu primeiro beijo? – Pergunta outro homem, outro vizinho da porta da frente.

- Sim, mas vocês poderia falar mais baixo? Ela chegou faz tão pouco tempo, e passou por muita coisa enquanto eu estava aqui, pelo o que as amigas dela diz, essa deve ser a primeira vez que dorme tranquila. – Peço tentando ser ao máximo educado, eles apenas sorriem para mim e ficam quietos.

Já no meu apartamento, levo Clarie até meu quarto e deito ela na minha cama, tiro seus sapatos e a cubro, quando estava prestes a deixar o quarto, ela segura meu pulso, se levanta de vagar e diz:

- Noah? Quero tomar um banho... E também... Não me deixa sozinha.

Eu assento, pego uma calça moletom com elástico e camiseta larga minha, e a entrego, ela se dirige pro banho enquanto eu faço um lanche rápido para nós comermos. Ela sai do banheiro em poucos minutos, comemos e enquanto deixava ela a vontade na sala, tomo banho rápido, me troco e vou ver como ela estava. Me ajoelho a sua frente sorrindo com a facilidade que ela tem de dormir enquanto estou por perto.

- Sinto muito por ter te deixado sozinha por tanto tempo... Passando por tantas coisas, por mais simples que pareça... – Sussurro enquanto pego uma mecha de seu cabelo e coloco atrás da orelha. – Clarie... Eu te amo... E não é como amigo... – Volto a ficar de pé, pego a mesma no colo e a levo para a cama, cobrindo e depositando um beijo em sua testa.

Ando até o guarda roupa pra pegar umas cobertas e ir dormir no sofá. Me ajeito para dormir, desligo as luzes e fecho os olhos, acordo com Clarie me chamando do quarto, chego lá quase caindo e levo um susto, ela estava soada, e com uma expressão de Pânico.

- Clarie, está tudo bem? – Pergunto me aproximando da mesma.

- Foi aquele pesadelo de novo... – Estica os braços pra mim. Eu logo a abraço.

- Shh está tudo bem, quer falar sobre?

- Foi diferente, era a noite do acidente, mas quem estava dentro do caminhão era eu... – Aperta meu corpo mais forte.

- Você estava no carro com seus pais, e se sente culpada pela morte deles, mas não é sua culpa... Eu tô aqui. – Digo acalmando ela.

- Noah... Você pode dormir comigo? Eu não quero ficar sozinha... Tô com medo. – Pede me encarando manhosa. Como recusar?

- Claro. – Respondo, deitando ao seu lado, me ajeitando de baixo das cobertas, nem tenho tempo de arrumar meus braços e Clarie logo deita em cima de meu peitoral, eu a abraço carinhosamente, fazendo carinho em seus cabelos.

- Eu escutei o que aconteceu no elevador. – Sussurra.

- O que?! Você escutou? Droga eu deveria ter ido pelas escadas. – Respondo chateado.

- Não se preocupe Noah, você foi meu primeiro beijo também, naquela época foi estranho reagir como está sendo agora... Você é meu primeiro amor Noah... – Confessa, essa era a bomba que me acertou em cheio e que queria ouvir.

- Não quero deixar nossa amizade estranha, aquele dia na casa da Liz... Achei que se não fizesse isso lá, poderia não ter mais chances... – Confesso também, sinto a mesma estremecer contra meu peito.

~~~~~~~ NOAH OF ~~~~~~

~~~~~~ CLARIE ON ~~~~~~

Noah estava se declarando? Ou é impressão minha? Meu melhor amigo... Gosta de mim... Aquilo me arrepiou, mas sei que poderia ser recíproco algum dia, mas... Como ele disse, não vamos estragar a amizade... Eu nunca havia deixado um homem se aproximar de mim, ou me encostar, só confiava nele, e estar com ele, me faz me sentir segura, eu adormeço rapidinho contra seu peitoral definido. Com exceção de Noah, Logan também me deixava confortável, só que minha cabeça agora está confusa, meu primeiro amor e minha paixão confessaram que me ama.

O que devo fazer? Eu não sei o que fazer, mas Noah disse que não quer estragar nossa amizade, então ele vai entender qualquer escolha que eu fizer. Por enquanto prefiro focar só no trabalho, aliás vim para isso, e agora não me importo se conseguirei fama na área ou não, apenas farei meu trabalho igual sempre faço, somente isso. O resto, vou deixar rolar e o que mais me chamar atenção, será com quem eu ficarei.

Essa é a minha escolha, assim ninguém sai ferido.


Notas Finais


Espero que tenham gostado desse pequeno capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...