1. Spirit Fanfics >
  2. Fora de Órbita :: nomin >
  3. O mundo está todo errado

História Fora de Órbita :: nomin - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - O mundo está todo errado




  Hwa finalmente havia encontrado um tempo para Jaemin. Ele nem acreditou quando ela disse que queria vê-lo, e ela teve sorte, inclusive. Horas antes teria negado o pedido por ter combinado algo com Jeno. Ou talvez não.

Isso não importa mais.

Está inseguro demais agora e a amiga percebe isso.

— Vocês discutiram?

— Não, nós não discutimos. A gente tá bem... Quer dizer, a gente não tem nada, eu posso usar esse termo? "A gente tá bem?"

Jaemin realmente pensou sobre aquilo. Hwa achou besteira.

— Sei lá, ele só me dispensou porque tinha outra coisa pra fazer.

— Ele pode estar cansado.

— De mim?

— Não de você. Você disse que ele trabalha muito.

— Sim... Pode ser isso. Você tem razão. – no fim, ele relaxou sobre isso.

Daria o tempo que Jeno precisa, mas queria que ele ao menos tivesse sido sincero se é esse o caso. Poxa. Jaemin teria respeitado isso sem problema algum.

Ficou um pouco emburrado ainda. Mas não devia. Hwa foi vê-lo, então ele quer ter um bom humor para recebê-la.

— E você... – ele puxou um travesseiro para o colo. — Antes queria conversar comigo. O que era?

Não. Hwa não se sente mais confortável com o assunto, talvez depois.

— Provavelmente não era nada muito importante. Me desculpe por esquecer. – a garota deu a desculpa e o outro desconfiou. No nervoso até empurrou uma mecha loira para trás da orelha.

Foi impossível não notar a pulseira nova no pulso da amiga, mas Jaemin não disse nada. Hwa compra tanta coisa que se ele perguntasse ela nem saberia responder valores ou endereços.

— June saiu com Yukhei hoje, – ela lembrou — acho que eles vão se dar muito bem daqui pra frente.

— Você acha mesmo?

Yukhei é estranho quando quer e Jaemin tem muito medo que ele acabe magoando sua melhor amiga.

— Claro que acho!

— Noona... É que... Você sabe, a June é... É diferente das outras garotas... Ela gosta de garotos e pode não ser fácil pra alguns deles. O Yukhei é o primeiro e único que ela quer se envolver.

— Shh... Vai dar tudo certo. A June é sim diferente de mim, mas ela é tão especial por isso e eu não vou deixar ninguém dizer o contrário a ela!

— Eu também não. – ele concordou e acompanhou Hwa num sorriso valente.

— Inclusive, eu estava pensando... Já que a June se sente melhor com o seu corpo e está se aceitando bem, eu queria fazer uma surpresa pra ela. O que você acha?

— Como o quê? – indiretamente estava recebendo um pedido de ajuda, e claro que faria.

— Vou comprar vestidos para ela. Milhares deles!

Jaemin achou fofo da parte de Hwa e até sorriu.

— Ela nunca iria com a gente comprar, você sabe, Jae!

— É... Bom... tudo bem, eu acho que vai deixar ela animada e mais confiante pra ser ela mesma. A June merece.

— Ótimo! – a loira se empolgou. — Então vamos ao shopping amanhã bem cedo! Eu converso com os seus pais sobre os horários da confeitaria, não se preocupa. Vou fazer isso agora, inclusive! Já volto!

Jaemin não se opôs quando a viu levantar da cama com pressa e correr pelas escadas gritando "mãe", ele achava até graça. Era tão comum as famílias se misturarem afinal, ambas as três mães cresceram juntas e agora os filhos também estão nesse ciclo de gerações.

Nesse meio tempo ele pegou o celular na mão e abriu o aplicativo de mensagens. Não havia mais nenhuma de Jeno após o "okay" sem graça que enviou.

Mas havia um status recente. Uma foto específica.

A legenda dizia "um grande obrigado"

Sentiu um nervoso por todas as veias do corpo e o sangue borbulhando de raiva.

RECONHECIA ESSES CUPCAKES DE MIRTILO HÁ QUILÔMETROS!

E Jaemin não é amante de ninguém para passar por isso!


> > >

Yukhei parou a moto em frente a casa no condomínio luxuoso em que June morava. Nem mesmo seu condomínio era tão sofisticado quanto o da garota.

Os dois desceram da moto e ele a ajudou a retirar o capacete escuro, tão cavalheiro.

— Você quer...? – ela deu a entender o que queria.

— Vai ser incômodo pra você? Sua família não vai se importar?

— Não, eles são... são bons com as visitas.

Yukhei não se importa, se June também não se importar.

Ele deixou a moto ali na frente e segurou a mão de sua garota quando andaram para longe. O coração de June sofreu de amor mais uma vez, tanta que sorriu o caminho inteiro.

A primeira pessoa que os recebeu foi Misuk. A senhora parou de procurar o que quer que fosse na bolsa e cumprimentou os dois jovens que entraram na sala principal.

— Pequena June. – ela sorriu ao vê-la. June notou que a mulher estava sem o uniforme. — Que bom que chegou... Estou de saída, mas posso pedir para Eunji-ssi colocar a mesa agora que chegou.

— Não, não será preciso. Vamos ficar na piscina. – June não queria a dar mais trabalho. A mulher já trabalha tanto em seu horário comum. — Ao menos que você queira jantar, Yukhei.

Ele negou.

— Fico grato.

A mulher retribuiu seu sorriso. Tão simpático. Normalmente lhe faria milhares de perguntas, mas desta vez realmente tem pressa em resolver seus assuntos pessoais.

— Então eu vou indo. Seus pais chegam em meia hora e sua irmã MeiMei está no quarto, estudando. Fiquem a vontade.

— Tchau, senhora Kim. – a garota acenou.

Desta vez os dois ficaram sozinhos no cômodo. Eles sorriram um para o outro mais uma vez e June orientou o caminho até a piscina do lado de fora da casa.

O céu estava incrivelmente bonito olhando dali.

Yangtai veio para o lado de fora assim que os viu.

— Menina June, vou buscar um refresco para você e seu amigo.

— Oh, eu agradeço.

A mulher saiu dali assim que avisou, os deixando sozinhos mais uma vez. Agora podiam compartilhar a presença um do outro como fizeram pela tarde.

June sentou em uma das espreguiçadeiras e o homem a acompanhou quando sentou-se em sua frente. Ele segurou sua mão mais uma vez.

— Eu gostei muito de passar a tarde com você. – ele disse espontaneamente, a deixando sem palavras.

Talvez tenha ficado um minuto inteiro sem ter o que dizer. Afinal, quando imaginou ser tão íntima da pessoa que está apaixonada?

Ele se aproximou um pouco mais desta vez e ela sentiu o rosto esquentar quando ficou sem jeito. Yukhei tocou sua bochecha com delicadeza e mesmo assim ela imaginou que desmontaria com o simples toque. Se sentia tão vulnerável, o amor a desestabilizava por inteiro.

— Eu... também gostei... Gostei de verdade.

Ele sorriu com isso.

Os olhos pequenos se fecharam e sua mente se abriu para a mais deleitosa sensação de ter os lábios colados aos seus. Moveram-se devagar; com calma, cuidadosos. O que sentiam era calmo, enfim.

Devagar... tudo se encaixava.

Dois minutos de amassos foi tempo suficiente para os refrescos ficarem prontos e Yangtai trazê-los morrendo de vergonha de atrapalhar a cena, que achava tão bonita. Viu a pequena June crescer e ficou tão emocionada vendo-a conhecer o amor puro de uma garota por um garoto.

Eles agradeceram quando a mulher foi embora sorrindo, mas deixaram de lado por algum tempo. Um gole foi suficiente para eles.

— Eu comprei algo pra você. Achei que não daria tempo, mas mulheres demoram bem no banheiro. – não foi ofensivo, longe disso. June até achou engraçado.

Talvez tivesse demorado um pouco, sim.

Yukhei retirou uma embalagem fina do bolso interno de sua jaqueta. O dourado brilhou diante de seus olhos e June ficou muito curiosa. Bastou um segundo para que a noite ficasse ainda mais completa.

— Isso é...

O colar reluziu contrastando com a água na piscina e até mesmo o brilho das estrelas. Aquilo era ouro branco? Parecia muito melhor que prata.

— Para você. – ele levantou quando ela terminou de observar boquiaberta. Yukhei veio por trás e passou a correntinha por seu pescoço. O colar era tão fininho que mal o sentia ali.

Passou a mão pelo pingente pequeno e bonito de batom. Aquilo significava muito para ela e Yukhei nem ao menos sabia dessa importância.

Yukhei... Yukhei teria que saber de sua história.

— Para uma mulher linda e vaidosa, que se tornou especial pra mim.

Sorriu como uma boba. Como isso era possível? Estava em um ótimo sonho?

Ele se sentou ao seu lado desta vez e os dois se olharam tanto. Palavras não eram necessárias com tanto sentimento transbordando por seus olhos.

June estava completamente apaixonada.

Esse sentimento a fez querer ser tão sincera com ele, sobre tudo. Sobre sua história, sua tortuosa história de aceitação pessoal.

Yukhei merece muito isso. Merece muito saber. Mas poxa, ela precisa de tanta coragem para isso, uma coragem que não consegue juntar agora. Sua boca se abre tantas vezes em tentativas falhas, mas... Por quê? Por que não consegue?

— JUNE! – eles escutam a voz adolescente.

Um segundo é suficiente para encontrá-la se aproximando cada vez mais.

MeiMei, sua irmã mais nova. Particularmente... elas não se dão. MeiMei é má como um demônio em plenos dezoito anos, mesmo que não pareça.

A garota simplesmente paralisa quando encontra com a irmã e o rapaz tão bonito e... Tão perto? Seu sorriso convidativo é imediato.

— Prazer. – ela estende a mão — Sou Huang Meifeng. MeiMei, – para deixar mais confortável e íntimo — irmã mais nova da palhaç– da June.

Ele segura a mão e beija, muito educado até sorri.

— Muito prazer. Wong Yukhei.

Não vai mentir. June se sente muito abalada pela presença da irmã mais nova. Apesar de ter apenas dezoito anos, MeiMei é tão bonita. Yukhei sorri quando a olha e a morena não tem certeza se é apenas educação, afinal ele já teve tantas garotas de tantos tipos diferentes. Quer dizer, olhe MeiMei! Três anos mais nova que June, uma morena bonita de franja cortada na medida certa e até o raspado fraco na lateral do cabelo chamava atenção, tão magra e com curvas perfeitas, altura excelente, tão sofisticada e moderna. Uma garota completa.

— Um chinês, uau. Pensei que nunca mais conheceria outro nativo interessante nesse país. Quer dizer, meus pais têm muitos contatos, mas nas festas nunca há filhos simpáticos, menos ainda da minha idade.

— MeiMei, – June interrompe quando se levanta — ele já tá de saída.

Ao contrário do anunciado, a irmã se senta no lugar abandonado.

— Ainda é cedo. Nossos pais vão atrasar para o jantar. Inclusive, você vai jantar com a gente, Yukhei?

— Não hoje. Outro dia, talvez.

— Oh, realmente uma pena.

June morde o lábio e aperta os próprios braços quando se sente desconfortável. Yukhei percebe isso quando a observa parcialmente de costas para ele.

A visita se levanta imediatamente.

— Eu tenho que ir agora.

— Claro. – a garota sorri ao acompanhar o rapaz — Eu o levo até a porta, afinal a June deve estar cansada. Não é, Jun?

Foi demais. Excedeu os limites de sua paciência desta vez.

June sabe que foi muita falta de educação e consideração quando bateu o pé para longe sem se despedir de Yukhei, mas realmente não se sentiu bem como há minutos atrás. Quis chorar quando entrou no quarto, os dedos da mão até tremiam de raiva.

MeiMei sempre se insinuava!

Andou de um lado para o outro no closet. Não fazia ideia de quanto tempo ficou ali. Não foi pouco, mas preferia que tivesse durado a eternidade se soubesse que sua irmã entraria ali.

MeiMei sorria com sarcasmo quando se encostou no batente do closet de sua irmã mais velha. June nem conseguia olhar diretamente, se concentrou no reflexo perfeito e intimidador.

— Eu não acredito que você saiu com o garoto dos seus sonhos. Uau. – ela bateu palmas e riu. — Como conseguiu?

— Foi em uma festa!

— Aaaah... Entendi. Bem, só assim, não é? Quem em sã consciência olharia uma... aberração como você? Huh? – seu olhar se tornou desprezo em segundos. — Tira essa maquiagem, palhaça. E essa calça tão colada numa pessoa tão reta? Tá horrível! Isso não é pra você!

Apertou os ombros quando se encheu de raiva.

— Vai embora daqui!

— Eu vou, mas porque me sinto mal de te olhar! Dá pena!

Ela se virou, mas voltou e entrou no closet. June se assustou quando a viu pegar a caixinha que deixava guardada ali. Um "solte" não foi suficiente e tentou a impedir, mas falhou nessa briga. MeiMei retirou a tampa bonita e virou tudo em cima da irmã. As polaroids antigas e outras fotos caíram todas espalhadas pelo chão.

June fechou os olhos na primeira nuance de observar uma imagem.

— Você vai ter que olhar quando catar uma por uma. – ela provocou. — Mas olha bem... e vê se enxerga a realidade, sua palhaça.

Escutou os passos caminharem para longe dali. June correu para a porta e trancou antes que sua irmã pudesse voltar para ofendê-la outra vez.

Monstro!

Ela sentiu a mesma tristeza da última vez dominar seu corpo aos poucos, tantos sentimentos ruins que nem couberam em si e teve que deixá-los transbordar quando chorou desenfreadamente. Lembrou palavra por palavra quando andou até o closet.

Não! Não poderia deixá-la dominar sua auto-estima novamente!

Pegou polaroid por polaroid se esforçando ao máximo para não olhar nenhuma, mas foi impossível. June precisou olhar... e enxergou seu passado, este que esfaqueou seu coração de forma tão impiedosa.

Odiava aquelas fotos! Odiava aquele passado! Sempre odiou a casca que era obrigada a suportar!

De repente, toda sua felicidade zerou.

Queria que MeiMei melhorasse como pessoa, porque ela nem sequer parecia uma. Tão sem coração!

Quis chorar. Quis chorar como das outras vezes por se sentir tão inferior quando sabia que na verdade não era. June é tão especial quanto ela!

June é!

Ela é!

Então por quê?

Ela nunca irá entender.





Yukhei
Acho que você não se
sentiu bem
Ou talvez envergonhada
Mas você é muito especial
E quero muito te ver de
novo em breve
Adoro você ♡
Durma bem ♡






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...